Textos

A Rainha das Graças, por Thomas Watson

(The queen of graces, by Thomas Watson, "The Ten Commandments")



"Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o primeiro e maior mandamento” (Mateus 22:37-38).


O amor a Deus é uma santa expansão ou ampliação de alma, pelo que esta é conduzida com prazer a Deus, como o sumo bem: "um deleite em Deus, como o nosso tesouro".


O amor é a alma da Religião, é uma graça importante. Se o amor não existe, não pode haver verdadeira Religião no coração. Tudo o mais é apenas pompa, apenas um elogio devoto a Deus.


O amor melhora e adoça todos os deveres da Religião, faz-lhes comida saborosa, nas quais Deus tem prazer.

 
Quanto à excelência desta graça, o amor é o primeiro e grande mandamento. O amor é a rainha de graças, que supera todos as outras, como o sol ofusca os planetas.

 

O amor é a graça mais durável. A fé e a esperança em breve cessarão, mas o amor permanecerá. Assim, o amor leva embora a coroa de todas as outras graças, pois é a graça mais duradoura. O amor é um botão de flor de eternidade!

 

O amor a Deus deve ser puro e genuíno. Ele deve ser amado principalmente pelo que Ele é. Devemos amar a Deus, não somente pelos Seus benefícios, mas por aquelas excelências intrínsecas com as quais Ele é coroado. Devemos amar a Deus, não só pelo o bem que flui dEle, mas pelo bem que está nEle. O verdadeiro amor não é mercenário, aquele ama profundamente a Deus, não precisa ser contratado com recompensas, ele não consegue deixar de amar a Deus pela beleza de Sua Santidade. Embora não seja ilícito olhar para os benefícios, não devemos amar a Deus por Seus benefícios somente, pois, então, não é o amor a Deus, mas o amor-próprio.

 

O amor a Deus deve ser com todo o coração. Não devemos amar a Deus um pouco, dar-lhe uma gota ou duas de nosso amor; mas o fluxo principal deve fluir para Ele.

 

A mente deve pensar em Deus, a vontade deve escolhê-lO, os afetos devem suspirar por Ele.

 

Deus não terá o coração dividido. Devemos amá-lO com todo o nosso coração. Embora possamos amar a criatura, mas este deve ser um amor subordinado. O amor a Deus deve ser maior, como o óleo flutua acima da água.

 

O amor a Deus deve estar em chamas. Amar friamente é o mesmo que não amar. A esposa disse estar "enferma de amor" (Cânticos 2:5). Os serafins são assim chamados por causa do seu amor ardente. O amor transforma santos em serafins, e os faz arder em santo amor a Deus. As muitas águas não podem apagar este amor.

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: