Textos

Considerações Sobre A Verdadeira Conversão, por C. H. Spurgeon

 [Excerto do Sermão Nº 2870, Revelação e Conversão • Editado]

 

“A lei do Senhor é perfeita, e converte a alma.” (Salmo 19:7 – KJV)

 

Quando Davi falou da “lei do Senhor”, ele não se referiu apenas à Lei, que uma vez foi dada nos Dez Mandamentos, embora isso também seja perfeito e seja utilizado, em certa medida, na conversão de almas. O termo inclui toda a Doutrina de Deus, toda a Revelação Divina a qual, nos dias de Davi, não era uma Revelação tão completa e clara como a que temos hoje, pois o Novo Testamento ainda não havia sido dado, nem a maior parte do Antigo Testamento, mas o texto não perdeu nada de sua antiga força, antes se tornou ainda mais forte. Então, eu vou usá-lo como aplicável a todas as Escrituras, tanto para a Lei como para o Evangelho, ou seja, para tudo o que Deus revelou. E por falar nisso, nesse sentido, posso verdadeiramente dizer que a Lei é perfeita e que ela converte a alma.

 

A árvore é conhecida por seu fruto e um livro deve ser testado por seus efeitos. Existem alguns livros que carregam os seus frutos para o carrasco e para prisão, e esses livros são amplamente lidos nos dias de hoje. Eles são frequentemente decorados com gravuras e colocados nas mãos de meninos e meninas, e uma cultura de criminosos é constantemente o resultado da sua publicação e circulação! Houve livros escritos que espalharam corrupção moral ao longo dos séculos. Não preciso mencioná-los, mas se fosse possível reuni-los to-dos juntos em uma pilha e queimá-los como os Efésios queimaram seus livros de magia, seria uma das maiores bênçãos imagináveis??! No entanto, se isso fosse feito, eu temo que outros cérebros perversos começariam a trabalhar, e pensariam em blasfêmias semelhantes, e outras mãos se encarregariam de espalhar tais produções vis. A Palavra de Deus deve ser testada, assim como outros livros, pelo efeito que ela produz, e eu falarei sobre um de seus efeitos a que muitos de nós aqui presentes podem testemunhar pessoalmente. O velho provérbio diz: “Fale como você encontra”, e eu falarei sobre o que eu acho da Bíblia, louvarei a ponte que me livrou da maior de todas as dificuldades que encontrei até agora, e que tem livrado grandemente muitos outros também. Sabemos que a Lei do Senhor é boa, porque ela converte a alma e, para nossa mente, a melhor prova de sua pureza e poder é que ela converteu a nossa alma.

 

A face do homem se desviou de seu Criador. Desde o dia fatal em que nossos primeiros pais quebraram a Lei de Deus, temos sido, todos nós, culpados do mesmo grande crime. Defendemos que os homens têm suas costas voltadas para a luz, e que estamos descendo estrada a baixo, no caminho que leva à destruição. O que precisamos é ser direcionados à direção oposta à que seguimos, pois este é o significado da palavra “convertido”: virado para a posição correta. Precisamos ouvir o comando: “à direita, volver!”, e marchar na direção oposta a qualquer outra em que estávamos anteriormente marchando. Nosso texto realmente diz que a Palavra de Deus nos converte. Isso não significa que a Palavra sozinha faz isso, à parte do Espírito de Deus, porque os homens podem ler a Bíblia 50 vezes e por 50 anos ouvir sermões bíblicos, e ainda assim eles nunca serão convertidos a menos que o Espírito de Deus use a Palavra de Deus ou os sermões do pastor. Mas quando o Espírito de Deus usa a Palavra, então a Palavra torna-se o instrumento da conversão das almas dos homens.

 

Esta é a forma como a obra da conversão é operada. Primeiro, é pelas Escrituras da verdade que os homens são levados a ver que eles estão errados. Há milhões e milhões de homens no mundo que estão indo pelo caminho errado, mas eles não estão conscientes disso. E há dezenas de milhares de pessoas que acreditam que elas estão fazendo o serviço de Deus quando estão totalmente em oposição a Ele.

 

A obra da conversão é excelente e nosso tema é ilimitado, mas devo estar contente apenas por tocar em alguns pontos desta excelência. Quando a Palavra de Deus converte um homem, tira dele seu desespero, mas não o seu arrependimento. Ele não acha que agora seu pecado vai lançá-lo no inferno, mas nem por isso ele considera o seu pecado como uma ninharia. Ele odeia o pecado, tanto quanto se temesse que ele pudesse destruí-lo para sempre. Essa é um grande tipo de conversão, este homem que estava em desespero por causa de seu pecado é levado a ver que o seu pecado está perdoado e ainda assim ele não é levado a brincar ou relaxar para com o pecado. Pela fé, ele vê as feridas de Jesus e ele sabe como Cristo sangrou para libertá-lo da escravidão do pecado, e isto faz com que ele odeie o pecado continuamente. Esta não é uma excelente conversão?

 

A verdadeira conversão também dá ao homem o perdão, mas não o torna presunçoso. Sua transgressão passada está totalmente perdoada, mas nem por causa disso ele dirá: “Eu irei e transgredirei da mesma forma novamente. Se o perdão é tão facilmente obtido, por que deixar de pecar?”. Se um homem realmente convertido alguma vez falou assim, ou, se tal pensamento alguma vez lhe ocorreu, ele deveria ter dito alguma vez: “Para trás de mim, Satanás, porque não compreendes as coisas que são de Deus”. Tal pronunciação como essa seria diabólica! “Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde? De modo nenhum” [Romanos 6:1-2]. Embora o homem seja perdoado, ele odeia o pecado como a criança queimada teme o fogo. Ele teme que, por qualquer passo imprudente, ele venha a entristecer a seu Senhor que perdoou o seu passado.

 

Além disso, a verdadeira conversão dá um descanso perfeito ao homem, mas não impede o seu progresso. Ele sabe que o trabalho que o salvou é a obra consumada do Senhor Jesus Cristo, e que ele não tem que adicionar ainda que uma linha ao manto da justiça que tem sido dado a ele! No entanto, ele deseja crescer na graça, para tornar-se mais santo e mais santo, mais como o seu Senhor e Mestre. Enquanto ele perfeitamente descansa em Cristo, ele estende as asas de sua alma para que ele possa voar cada vez mais alto em direção ao seu Senhor e Mestre.

 

Mais uma vez, a verdadeira conversão dá segurança homem, mas ela não permite que ele pare de ser vigilante. Ele sabe que está seguro e que ele jamais perecerá, e que ninguém o arrebatará das mãos de Cristo, contudo ele está sempre em guarda contra todos os inimigos: contra o mundo, a carne e o Diabo. Um dos nossos compositores de hinos ilustra esta dupla verdade de Deus mui docemente:

 

“Não temos medo de que você venha a se perder
Alguém a quem o amor eterno desejou escolher
Mas desejamos jamais abusar de Sua graça,
Não nos deixe cair. Não nos deixe cair.”

 

A verdadeira conversão dá também ao homem força e santidade, mas nunca permite que ele se glorie. Ainda que ele se glorie, ele se gloriará somente no Senhor. Ele sabe que uma grande mudança tem sido operada nele, mas ele ainda vê muitas de suas próprias imperfeições pelas quais ele se lamenta diante do Senhor. Ele não tem tempo para vangloriar-se porque todo o seu tempo é usado para arrepender-se de seus pecados, crer no Seu Salvador e buscar viver para o louvor e glória de Deus!

 

A verdadeira conversão, semelhantemente, dá uma harmonia a todos os deveres da vida Cristã. Ela faz um homem amar a seu Deus e a seu próximo. Não penso que a religião consiste em uma, assim chamada, profissão de fé que faz com que uma jovem mulher deixe seu pai, sua mãe e toda a sua família, e vá trancar-se em um convento, ou tornar-se uma irmã de miséria de outras de seu tipo! Se o meu filho, ao dizer que ele se converteu, deixar de fora o amor ao seu pai, tenho seríssimas dúvidas sobre sua conversão! Eu acho que deve ser uma conversão operada pelo Diabo, não por Deus. Mas onde quer que haja o verdadeiro amor a Deus, com certeza haverá também o amor aos nossos semelhantes. O mesmo Deus que escreveu em uma tábua certos mandamentos referentes Si mesmo, escreveu na outra tábua mandamentos referentes aos nossos semelhantes. “Amarás o Senhor, teu Deus”, é certamente um mandamento Divino, assim como o outro também o é: “e ao próximo como a ti mesmo”. A verdadeira conversão equilibra todos os deveres, emoções, esperanças e alegrias.

 

A verdadeira conversão leva um homem a viver para Deus. Ele faz tudo para a glória de Deus, seja comer, ou beber, ou fazer qualquer outra coisa. A verdadeira conversão faz o homem viver perante a face de Deus. Ele costumava imaginar que Deus não o via. Mas agora ele deseja viver diante da face de Deus em todos os momentos e ele somente se contenta quando está ali, ele se alegra mesmo que Deus veja o seu pecado, pois Ele pode apagá-lo, e assim ele jamais o contemplará. E esse homem passa agora a viver com Deus. Ele tem uma bendita comunhão com Ele, ele fala com Deus como um homem fala com seu amigo e, por isso, ele habitará com Deus por toda a eternidade nas mansões celestiais! Isso deve convencer você de que a verdadeira conversão é algo excelente.

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: