Textos

Reflexões Sobre a Vida e Pensamento de John Owen, por John Piper

O Principal Propósito de Minha Vida: Mortificação e Plena Santidade:

Reflexões Sobre a Vida e Pensamento de John Owen

Por John Piper

 

[Conferência de Bethlehem para Pastores • 25 de janeiro de 1994]

 

Introdução

 

Houve seis palestrantes na Conferência de Bethlehem para Pastores antes deste ano. Metade deles disseram que John Owen é o escritor Cristão mais influente em suas vidas. Isso é surpreendente para um homem que morreu há 311 anos, e que escreveu de uma forma tão difícil de ler que ele mesmo concebeu o seu trabalho como extremamente difícil em sua própria geração.

 

Por exemplo, seu livro A Morte da Morte na Morte de Cristo, é, provavelmente, o seu livro mais famoso e mais influente. Foi publicado em 1647, quando Owen tinha 31 anos. É o livro mais completo e provavelmente o mais persuasivo já escrito sobre o “L” em TULIP: expiação limitada.

 

O ponto do livro é que quando Paulo diz: “Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela” (Efésios 5:25), ele intenciona que Cristo realmente fez algo decisivo e único pela igreja quando Ele morreu por ela, algo que é particular e soberano, e diferente do que Ele faz pelas pessoas que experimentam o Seu julgamento final e ira. O livro argumenta que o amor especial que Cristo tem por Sua noiva é algo mais maravilhoso do que o amor geral que Ele tem por Seus inimigos. É uma aliança de amor. Ele busca, alcança, domina, perdoa, transforma e supera toda resistência em Seus amados. A Morte da Morte é um grande e poderoso livro, ele me sustentou por muitas noites, cerca de 12 anos atrás, quando eu estava tentando decidir o que eu realmente cria sobre o terceiro ponto do Calvinismo.

 

Mas, eu estou me adiantando. O ponto que eu estava construindo é que é incrível que Owen tenha um impacto tão notável hoje, quando ele morreu há 311 anos e sendo a sua forma de escrita extremamente difícil. E mesmo ele sabe que seu trabalho é difícil. No prefácio (“Ao Leitor”) de A Morte da Morte, Owen faz o que nenhum bom agente de marketing permitiria hoje. Ele começa assim: “LEITOR... Se tu és, como muitos nesta era de fingimento, um contemplador de indícios ou título, e vens aos livros como Cato ao teatro, para sair nova-mente — tu já tiveste o teu entretenimento; despedido!” (X, 149)1.

 

A Influência De Owen Sobre Teólogos Contemporâneos Proeminentes

 

No entanto, J. I. Packer, Roger Nicole e Sinclair Ferguson não aceitaram a despedida de Owen. Eles permaneceram. E eles aprenderam. E hoje os três dizem que nenhum escritor Cristão teve um impacto maior sobre eles do que John Owen.

 

J.I. Packer

 

Packer diz que Owen é o herói de seu livro, “Quest for Godliness” (Busca Pela Piedade), um livro sobre A Visão Puritana da Vida Cristã. Isso diz muito, pois para Packer os Puritanos são as sequóias na floresta da Teologia2. E John Owen é “o maior entre os teólogos Puritanos”. Em outras palavras, ele é a mais alta das sequóias. “Pela consistência, profundidade, solidez e majestade em expor a partir da Escritura, os caminhos de Deus para com a humanidade pecadora, não há ninguém que o alcance”3.

 

Mas Packer tem uma razão muito pessoal para amar John Owen. Eu o ouvi contar a história da crise em que ele entrou logo após a sua conversão. Ele estava em perigo em seus tempos de estudante de desesperar-se sob um ensino perfeccionista que não levava o pecado interior a sério. A descoberta de John Owen o trouxe de volta à realidade. “Basta dizer então”, Packer relembra, “que sem Owen eu poderia muito bem ter saído de meu juízo ou ficado atolado em fanatismo místico”4.

 

Então Packer praticamente diz que deve sua vida, e não apenas a sua teologia a John Owen. Não é surpreendente, então, que Packer diria sobre o estilo de Owen que, embora trabalhoso e difícil “a recompensa a ser colhida a partir do estudo de Owen faz todo o tra-balho empregado valer a pena”5.

 

Roger Nicole

 

Roger Nicole, que ensinou no Gordon-Conwell Seminary por mais de 40 anos disse quando ele esteve aqui em 1989 que John Owen é o maior teólogo que já escreveu em idioma Inglês. Ele até fez uma pausa e disse, ainda maior do que o grande Jonathan Edwards. Is-so realmente me chamou a atenção, porque eu tenho certeza que Nicole leu mais desses dois grandes nomes do que a maioria dos teólogos e pastores leram.


Sinclair Ferguson


Sinclair Ferguson, que esteve aqui em 1990, escreveu um livro inteiro sobre Owen, “John Owen on the Christian Life” (John Owen Sobre a Vida Cristã), e nos diz sobre a sua dívida que começou, se você pode acreditar, quando ele ainda era um adolescente:

 

Meu interesse pessoal [em Owen] como professor e teólogo começou no final de minha adolescência, quando comecei a ler alguns dos seus escritos. Como os outros, antes e depois, descobri que eles lidavam com as questões que a literatura evangélica contemporânea raramente, ou nunca, tocava. A exposição penetrante de Owen abriu áreas de necessidade em meu próprio coração, mas também de forma correspondente a profundas garantias da graça em Jesus Cristo... Desde aqueles primeiros encontros com as suas Obras, permaneci em dívida com ele... Ter conhecido o ministério pastoral de John Owen durante estes anos (ainda que de forma escrita) tem sido um rico privilégio; ter conhecido o Deus de Owen é um privilégio ainda maior6.

 

Outros

 

É claro que a magnitude da influência de John Owen vai muito além desses três. Para Ambrose Barnes ele foi “o Calvino da Inglaterra”. Para Anthony Wood, ele foi “o Atlas e Patriarca da Independência”7. Charles Bridges, em The Christian Ministry (O Ministro Cristão), 1830, disse:

 

“Em verdade, sobre o todo: pela exposição luminosa e poderosa defesa da doutrina bíblica; pela resoluta aplicação de obrigação prática; pela hábil anatomia do auto-engano do coração, e por um detalhado e sábio tratamento dos exercícios diversificados do coração do Cristão, ele é, provavelmente, sem paralelo”8.

 

Se Nicole e Bridges estão certos, a saber, que John Owen é inigualável no mundo da língua Inglesa, então Jonathan Edwards não estava muito atrás, e Edwards presta respeito a Owen não apenas citando-o substancialmente em Religious Affections (Afeições Religiosas), mas também através de registro em seu “Catálogo” de leituras de recomendação de Hallyburton aos seus alunos na Universidade de St. Andrews, que os escritos de John Owen devem ser avaliados acima de todos os escritos humanos para uma verdadeira visão do mistério do evangelho9.

 

Uma das razões pelas quais eu permaneci ao longo destes tributos por tanto tempo é que eu quero que você se sinta atraído não apenas a Owen, mas ao valor de ter alguns grandes heróis no ministério. Não há muitos ao nosso redor, hoje. E Deus quer que nós tenhamos heróis. Hebreus 13:7: “Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver”. Parece-me que os líderes Cristãos de hoje que mais se aproximam de serem heróis são aqueles que tiveram grandes heróis. Espero que você tenha um ou dois, vivos ou mortos. Talvez Owen se tornará um deles.

 

Uma Visão Geral Da Vida De Owen

 

Muitas pessoas — inclusive pastores e teólogos — não conhecem muito sobre John Owen. Uma das razões é que seus escritos não são populares hoje10. Mas outra razão é que não se sabe muito sobre ele, pelo menos não muito sobre sua vida pessoal. Peter Toon, em sua biografia de 1971 diz: “Nenhum dos diários de Owen foi preservado, e ...as cartas existentes em que ele desvela a sua alma são pouquíssimas, e as reações pessoais registradas por outros em relação a ele são breves e escassas11 [...]. Temos que confiar em algumas cartas e poucas observações de outros para procurar entendê-lo como homem. E estas são insuficientes para sondar as profundezas de seu caráter. Assim Owen deve per-manecer oculto, pois estava por trás de um véu... seus pensamentos secretos permanecem propriamente seus”12.

 

Acho que isso pode ser um pouco mal entendido, porque quando você lê as obras mais práticas de Owen o homem brilha através de uma forma que eu acho que revela as profundezas do seu coração. Mas ainda assim os detalhes de sua vida pessoal são frustrante-mente poucos. Você verá isso e compartilhará a minha frustração no que se segue.

 

Owen nasceu na Inglaterra em 1616, no mesmo ano em que William Shakespeare morreu e quatro anos antes dos peregrinos partirem para a Nova Inglaterra. Isso aconteceu praticamente no meio do grande século Puritano (cerca de 1560-1660).

 

O Puritanismo era cordialmente um movimento espiritual, apaixonadamente preocupado com Deus e a piedade. Tudo começou na Inglaterra com William Tyndale, o tradutor da Bíblia, contemporâneo de Lutero, uma geração antes da palavra “puritano” ser cunhada, e preservada até os últimos anos do século XVII, algumas décadas depois de “puritano” ter caído fora de uso [...]. Puritanismo era essencialmente um movimento para reforma da igreja, a renovação pastoral e evangelização e reavivamento espiritual [...]. O objetivo Puritano era completar o que reforma da Inglaterra começara: terminar de remodelar a adoração Anglicana, introduzir uma disciplina eclesiástica eficaz nas paróquias Anglicanas, estabelecer a justiça nos campos políticos, nacionais e socioeconômicos, e converter todos os Ingleses a uma fé evangélica vigorosa13.

 

Owen nasceu no meio deste movimento e se tornou o seu maior pastor-teólogo, enquanto o movimento terminou quase simultaneamente com a sua morte, em 168314. Seu pai era um pastor em Stadham, cinco milhas ao norte de Oxford. Ele tinha três irmãos e uma irmã. Em todos as suas obras ele não menciona a sua mãe ou seus irmãos. Há uma breve referência ao seu pai, ele diz: “Eu fui criado desde a minha infância sob os cuidados de meu pai, que era um Não-conformista por todos os seus dias, e um árduo trabalhador na vinha do Senhor”15.


Aos 10 anos ele foi enviado para a escola primária dirigida por Edward Sylvester em Oxford, onde ele se preparou para a universidade. Ele ingressou em Queens College, Oxford aos 12, obteve o seu Bacharelado em Artes aos 16 e seu M. A. [Mestre em Artes – N. R.] três anos depois, aos 19. Podemos obter uma prova de como era o menino a partir da observação de Peter Toon, que o zelo de Owen pelo conhecimento era tão grande neste momento que “muitas vezes ele se permitia apenas quatro horas de sono por noite. Sua saúde foi afetada, e mais tarde na vida, quando ele esteve muitas vezes em um leito de enfermidade, ele lamentou aquelas horas de descanso que ele perdera na juventude”16.

 

Owen começou seu trabalho para o B. D. [Bacharel em Divindade/Teologia – N. R.] mas não podia suportar o Arminianismo da alta igreja e o formalismo de Oxford por mais tempo e saiu para se tornar um tutor pessoal e capelão de algumas famílias abastadas perto de Londres.

 

Em 1642 a guerra Civil começou entre o Parlamento e o Rei Charles (entre a religião da alta igreja de William Laud e a religião Puritana dos Presbiterianos e Independentes na Câmara dos Comuns). Owen foi simpático com o Parlamento contra o rei e Laud, e por isso ele foi expulso de sua capelania e mudou-se para Londres, onde cinco grandes acontecimentos de sua vida aconteceram nos próximos quatro anos, que marcaram o restante de sua vida.

 

Cinco Eventos Que Marcaram O Restante De Sua Vida

 

A. Conversão

 

O primeiro é a sua conversão, ou a sua certeza de salvação e aprofundamento de sua co-munhão pessoal com Deus. É notável que isso aconteceu de uma maneira quase idêntica à conversão de Charles Spurgeon, dois séculos depois. Em 6 de janeiro de 1850 Spurgeon foi impulsionado, devido uma tempestade de neve, a uma capela Metodista Primitiva, onde um leigo estava no lugar do pastor e tomou o texto de Isaías 45:22: “Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra”, Spurgeon olhou e foi salvo17.

 

Owen foi um Calvinista convicto com grande conhecimento doutrinário, mas faltava-lhe o senso da realidade de sua própria salvação. Esse senso de realidade pessoal em tudo o que ele escreveu faria toda a diferença no mundo para Owen nos anos vindouros. Então, o que aconteceu em um Domingo, em 1642, é muito importante.

 

Quando Owen tinha 26 anos, ele foi com seu primo ouvir o famoso Presbiteriano, Edmund Calamy na Igreja de St. Mary's Aldermanbury. Mas ocorreu que Calamy não pôde pregar e um pregador do país tomou o seu lugar. O primo de Owen queria ir embora. Mas algo segurou Owen em seu lugar. O simples pregador tomou como seu texto Mateus 8:26, “Por que temeis, homens de pouca fé?”. Esta foi uma palavra e tempo designados por Deus para o despertar de Owen. Suas dúvidas, temores e preocupações quanto à possibilidade de que ele realmente nasceu de novo pelo Espírito Santo foram embora. Ele sentiu-se liber-to e adotado como Filho de Deus. Quando você lê as penetrantes obras práticas de Owen sobre a obra do Espírito e da natureza da verdadeira comunhão com Deus, é difícil duvidar da realidade do que Deus fez naquele Domingo, em 164218.

 

B. Casamento

 

O segundo evento crucial naqueles primeiros anos em Londres foi o casamento de Owen com uma jovem mulher chamada Mary Rooke. Ele foi casado com ela por 31 anos, de 1644 a 1675. Nós não sabemos praticamente nada sobre ela. Mas conhecemos um fato absolutamente impressionante que deve ter colorido todo o ministério de Owen pelo restante de sua vida (ele morreu oito anos depois da morte dela). Nós sabemos que ela deu à luz a 11 filhos, e todos, exceto um, morreram quando ainda eram crianças, e uma filha morreu quando era uma jovem adulta. Em outras palavras Owen experimentou a morte de onze filhos e de sua esposa! Ou seja, uma criança nascia e morria, em média, a cada três anos da vida adulta de Owen19.

 

Nós não temos uma referência à Mary ou aos filhos ou à sua dor em todos os seus livros. Mas apenas saber que o homem andou no vale da sombra da morte a maior parte de sua vida, dá-me uma pista para a profundidade do lidar com Deus que encontramos em suas obras. Deus tem suas formas incompreensíveis e dolorosas de nos fazer o tipo de pastores e teólogos que Ele quer que sejamos.

 

C. Primeiro Livro

 

O terceiro evento nestes primeiros anos em Londres é a publicação de seu primeiro livro. Ele havia lido cuidadosamente sobre a recente controvérsia na Holanda entre os Remontrantes (a quem ele chamou de Arminianos) e os Calvinistas. A Remonstrância foi escrita em 1610 e a resposta Calvinista foi o Sínodo de Dort, em 1618. Apesar de todas as suas diferenças Owen diz que a Alta Igreja Inglesa de William Laud e os Remonstrantes holandeses eram essencialmente um só em sua rejeição da predestinação, que para Owen havia se tornado absolutamente crucial, especialmente desde que ele tão plenamente atribuía a sua conversão a Deus.


Assim, ele publicou seu primeiro livro em abril 1643 com o título polêmico, semelhante a prefácio: Uma exposição do Arminianismo: sendo uma descoberta do antigo ídolo Pelagiano, livre-arbítrio, com a nova deusa, a contingência, elevando-se ao trono de Deus no céu, em detrimento de Sua graça, providência e domínio supremo sobre os filhos dos homens.

Isto é importante não só porque define sua diretriz como um Calvinista, mas como um escritor público, polêmico, cuja vida inteira seria engajada em escrever até o último mês de sua vida, em 1683.

 

D. Tornando-se um Pastor

 

O quarto evento crucial nestes anos foi Owen tornar-se um pastor de uma pequena paró-quia em Fordham, Essex, em 16 de julho de 1643. Ele não permaneceu por muito tempo na igreja. Mas eu menciono isso porque isso define o rumo de sua vida como um pastor. Ele sempre foi essencialmente um pastor, mesmo quando envolvido com a administração na Universidade de Oxford e mesmo quando envolvido com os acontecimentos políticos de sua época. Ele era tudo, menos um acadêmico de clausura. Todos os seus escritos foram feitos em meio a pressão dos deveres pastorais. Há pontos em sua vida onde isto parece absolutamente incrível, que ele pudesse continuar estudando e escrevendo com o tipo de envolvimentos que ele teve.

 

E. Discursando ao Parlamento

 

O quinto evento destes primeiros anos em Londres foi o convite em 1646 para falar ao Par-lamento. Naqueles dias, havia dias de jejum durante o ano, quando o governo solicitava que certos pastores pregassem para a Câmara dos Comuns. Foi uma grande honra. Esta mensagem catapultou Owen em assuntos políticos pelos próximos 14 anos.


Owen chamou a atenção de Oliver Cromwell, o líder (“Protetor”) governamental na ausência de um rei, e Cromwell tem a fama de ter dito a Owen: “Senhor, você é uma pessoa com quem eu devo estar familiarizado”, ao que Owen respondeu, “isso será muito mais para meu proveito do que seu”20.

 

Bem, talvez sim e talvez não. Com essa familiaridade Owen foi lançado no tumulto da guerra Civil. Cromwell fez dele o seu capelão e o levou para a Irlanda e para a Escócia, para pregar às suas tropas, avaliar a situação religiosa nestes países e para dar a justificação teológica para a política de Cromwell.

 

Fecundidade Em Meio À Pressão


O que começou a me surpreender, enquanto eu aprendia quão grandemente pública e administrativa era a vida de Owen, foi como ele era capaz de continuar estudando e escrevendo, apesar de tudo, e em parte por causa de tudo isso.

 

Em Oxford, Owen era responsável pelos serviços de adoração, porque Christ Church era uma catedral, bem como uma faculdade, e ele era o pregador. Ele era o responsável pela escolha dos alunos, pela nomeação de capelães, pelo suprimento das instalações de tuto-rial, pela administração da disciplina, pela fiscalização dos bens, pela cobrança de aluguéis e dízimos, e pela doação de subsistência e cuidados aos indigentes do hospital da igreja. Mas todo o seu objetivo em todos os seus deveres, como diz Peter Toon, era “estabelecer toda a vida da Faculdade sobre a Palavra de Deus”21.

 

Sua vida era simplesmente inundada pela pressão. Eu não posso imaginar que tipo de vida familiar ele tinha, e durante o tempo que seus filhos estavam morrendo (sabemos que, pelo menos, dois filhos morreram na praga de 1655). Quando ele terminou seu mandato como vice-chanceler, disse em seu discurso de encerramento:

 

Os labores têm sido inumeráveis; além de submeter-me a enorme despesa, muitas vezes, quando trazido à para a beira da morte em vossa consideração, eu tenho odiado estes membros e este corpo débil que estiveram prontos para abandonarem a minha mente; as reprovações da plebe foram ignoradas; a inveja dos outros tem sido superada: nestas circunstâncias eu desejo-lhes toda a prosperidade e despeço-me de vocês22.

 

Apesar de toda a pressão administrativa e até mesmo da hostilidade por causa de seu com-promisso com a piedade e com a causa Puritana, ele estava constantemente estudando e escrevendo, provavelmente, tarde da noite, em vez de dormir. É assim que ele preocupava-se com a fidelidade doutrinária às Escrituras. Peter Toon lista 22 obras publicadas durante esses anos. Por exemplo, ele publicou sua defesa da Perseverança dos Santos em 1654. Ele viu um homem chamado John Goodwin espalhando erro sobre esta doutrina e sentiu-se constrangido, em todas as suas outras atribuições, a responder-lhe com 666 páginas! Isso preenche todo o volume 11 em suas Obras. E ele não estava escrevendo vaidades que desapareceriam durante a noite. Um biógrafo disse que este livro é “a vindicação mais magistral da perseverança dos santos escrita em língua Inglesa”23.

 

Durante esses anos administrativos ele também escreveu Sobre a Mortificação do Pecado nos Crentes (1656), Sobre a Comunhão com Deus (1657), Sobre a Tentação: Sua Natureza e Poder (1658). O que é mui notável sobre esses livros é que eles são o que eu chamaria de intensamente pessoais e em muitas passagens, dulcíssimos. Assim, ele não estava apenas travando batalhas doutrinárias, ele estava lutando contra o pecado e a tentação. E ele não estava apenas lutando, ele estava tentando estimular os alunos à comunhão sincera com Deus.


Ele foi dispensado de suas funções da Reitoria em 1660 (tendo entregado a Vice-Chancelaria em 1657). Cromwell morreu em 1658. A monarquia com Charles II estava de volta. O Ato de Uniformidade que retirou 2.000 ministros Puritanos de seus púlpitos era iminente (1662). Os dias que viriam para Owen agora não eram os grandes, políticos, acadêmicos dias dos últimos 14 anos. Agora, ele foi de 1660 até sua morte, em 1693, uma espécie de pastor fugitivo em Londres.

 

Durante esses anos, ele se tornou o que alguns têm chamado de “Atlas e Patriarca da Independência”. Ele começou seu ministério como um Puritano de convicções Presbiterianas. Mas ele convenceu-se de que a forma congregacional de governo é mais bíblica. Ele foi o principal porta-voz desta ala da Não-conformidade, e escreveu extensivamente para defender o ponto de vista24.

 

Porém, ainda mais importante, ele foi o principal porta-voz da tolerância de ambas as for-mas Presbiterianas e Episcopais. Mesmo enquanto estava em Oxford, ele tinha a autoridade para esmagar o culto Anglicano, mas ele permitiu que um grupo de Episcopais cultuassem em quartos em frente aos seus aposentos25. Ele escreveu numerosos tratados e livros para pedir tolerância dentro da Ortodoxia. Por exemplo, em 1667, ele escreveu (em Indulgência e Tolerância Consideradas):

 

Parece que somos uns dos primeiros que alguma vez, em qualquer lugar do mundo, desde a fundação do mesmo, pensamos em arruinar e destruir pessoas de nossa mesma religião, meramente devido a escolha de algumas formas peculiares de culto nesta religião26.

 

Suas ideias sobre tolerância foram tão significativas que tiveram uma grande influência sobre William Penn, o Quaker e fundador da Pensilvânia, que era um aluno de Owen. E é significativo para mim como um Batista, que em 1669 ele escreveu, com vários outros pasto-res, uma carta de preocupação para o governador e Congregacionalistas de Massachusetts suplicando-lhes para não perseguirem os Batistas27.

 

Ministério Pastoral

 

Durante estes 23 anos após 1660 Owen foi um pastor. Por causa da situação política, ele nem sempre foi capaz de ficar em um lugar e estar com seu povo, mas ele parecia carregá-los em seu coração, mesmo quando ele estava se mudando. Perto do fim de sua vida, ele escreveu ao seu rebanho: “Embora eu esteja ausente de vocês no corpo, estou em mente, afeição e espírito presente com vocês, e das vossas assembleias, porque eu espero que vocês serão a minha coroa e alegria no dia do Senhor”28.


Não somente isso, ele ativamente aconselhou e fez planos para o cuidado deles em sua ausência. Ele aconselhou-os em uma carta com palavras que são incrivelmente relevantes para esforços de cuidados pastorais em nossas igrejas hoje:

 

Rogo-vos que ouçam uma palavra de aconselhamento caso a perseguição aumente, o que deve ocorrer por um tempo. Eu desejaria, pelo fato de que vocês não têm presbíteros regentes, e seus mestres não podem andar publicamente com segurança, que vocês apontassem alguns dentre vós, que possam continuamente, conforme as oca-siões admitam, ir de casa em casa e aplicarem-se peculiarmente aos fracos, aos tenta-dos, aos temerosos, aqueles que estão prontos para desfalecer, ou a parar, e encoraja-los no Senhor. Para esse propósito, escolha aqueles que são dotados de um espírito de coragem e força; e que eles saibam que são felizes aqueles que Cristo honrará com Sua bendita obra. E eu desejo que sejam as pessoas deste número, os que são homens fiéis, e conheçam a condição da igreja; por meio disso, vocês saberão qual é o quadro dos membros da igreja, o que será uma ótima diretriz para vocês, mesmo em suas orações29.

 

Em circunstâncias normais, Owen acreditava e ensinava que: “O primeiro e principal dever de um pastor é alimentar o rebanho pela diligente pregação da palavra”30. Ele apontou para Jeremias 3:15 e o propósito de Deus: “dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência”. Ele mostrou que o cuidado de pregar o evangelho foi confiado a Pedro, e através dele, a todos os verdadeiros pastores da igreja sob o nome de “apascentar” (João 21:15-16). Ele citou Atos 6 e a decisão apostólica para libertarem-se de todas as incumbências, para que eles pudessem se entregar inteiramente à palavra e à oração. Ele se referiu a 1 Timóteo 5:17 que é o dever do pastor “trabalhar na palavra e na doutrina”, e a Atos 20:28, onde os supervisores do rebanho devem apascenta-los com a palavra.

 

Depois, ele diz: “Não é necessário apenas que ele pregue agora e, em seguida, em seu descanso, mas que ele deixe de lado todas as outras ocupações, embora lícitas, todas as demais funções dentro da igreja, de forma que as participações tão constantes nelas os desviem deste trabalho, para que ele se entregue àquele. Sem isso, nenhum homem será capaz de dar uma explicação confortável de seu ofício pastoral no último dia” [31]. Eu acho que seria justo dizer que esta é a forma pela qual Owen cumpriu seu ofício durante estes anos, sempre que a situação política o permitiu.

 

Owen e Bunyan

 

Não está claro para mim por que alguns Puritanos neste momento estavam na prisão e outros, como Owen não estavam. Parte da explicação foi que aqueles pregavam abertamente. Parte disso era que Owen foi uma figura nacional que possui ligações com as classes mais altas. Parte disso era que a perseguição não foi nacionalmente uniforme, mas alguns oficiais locais foram mais rigorosos do que outros.

Todavia, seja qual for a explicação, é notável o relacionamento que John Owen teve nestes anos com John Bunyan, que passou muitos deles na prisão. Uma história diz que o rei Charles II perguntou a Owen uma vez por que ele preocupava-se em ouvir um latoeiro ignorante como Bunyan pregar. Owen respondeu: “Sua majestade, se eu possuísse as habilidades do latoeiro para a pregação, eu ficaria feliz em renunciar a todo o meu conhecimento”32.

 

Uma das melhores ilustrações de Deus escondendo um sorriso no rosto por trás de uma providência carrancuda é a história de como Owen falhou em ajudar Bunyan a sair da prisão. Repetidamente quando Bunyan estava na prisão Owen se esforçou pela sua libertação por todas as cordas que ele pudesse puxar. Mas não adiantou. Mas quando John Bunyan saiu em 1676, trouxe com ele um manuscrito “cujo valor e importância dificilmente podem ser compreendidos”33. Na verdade Owen encontrou-se com Bunyan e o recomendou à sua própria editora, Nathaniel Ponder. A parceria foi bem-sucedida e o livro que, depois da Bíblia, foi o que provavelmente fez mais bem, foi lançado ao mundo, tudo porque Owen falhou em suas boas tentativas de libertar Bunyan, e porque ele conseguiu encontrar um editor para ele. A lição: “Não julgue o Senhor com débil entendimento, mas confie nEle por Sua graça, por trás de uma providência carrancuda, Ele esconde um sorriso no rosto”.

 

Morte

 

Owen morreu em 24 de agosto de 1683. Ele foi sepultado em 4 de setembro, em Bunhill Fields, em Londres, onde cinco anos depois, um latoeiro e “Imortal Sonhador da Prisão de Bedford” seria enterrado com ele. Foi apropriado que os dois se deitassem juntos, depois que o gigante Congregacional havia se esforçado por tanto tempo na causa da tolerância para com os humildes Batistas na Inglaterra e na Nova Inglaterra.

 

Seu Pleno E Abrangente Objetivo Na Vida: Santidade

 

O que eu gostaria de tentar fazer agora é chegar perto do coração do que fez este homem notável e do que o fez grande. Penso que o Senhor quer que sejamos inspirados por este homem em alguns profundos aspectos pessoais e espirituais. Essa parece ser a maneira como ele tocou a maioria das pessoas, como J.I. Packer e Sinclair Ferguson.

 

Acho que as palavras dele que mais se aproximam de mostrar-nos o coração e objetivo de sua vida são encontradas no prefácio do pequeno livro: Sobre a Mortificação do Pecado nos Crentes, que foi baseado em sermões que ele pregou para os alunos e comunidade acadêmica em Oxford:

 

Espero que eu possa reconhecer em sinceridade que o desejo do meu coração para Deus, e o principal desígnio da minha vida [...] são, que a mortificação e a santidade universal sejam promovidas no meu e nos corações e caminhos dos outros, para a glória de Deus, de forma que assim o Evangelho de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo possa ser adornado em todas as coisas34.

 

Isso foi em 1656. Owen tinha 40 anos. Vinte e cinco anos depois, ele ainda estava tocando a mesma nota por meio de suas pregações e escritos. Em 1681 ele publicou A Graça e o Dever de Pensar Espiritualmente, Sinclair Ferguson está provavelmente certo quando diz: “Tudo o que ele escreveu para seus contemporâneos têm um objetivo prático e pastoral em vista: a promoção da verdadeira vida Cristã”35, em outras palavras, a mortificação do pecado e progresso da santidade.

 

Este era o seu fardo, não somente em relação às igrejas, mas também à Universidade, quando ele estava ali. Peter Toon diz: “A ênfase especial de Owen era insistir que todo o currículo escolar fosse submergido em pregação, catequese e oração. Ele queria que os graduados de Oxford não apenas fossem proficientes em Artes e Ciências, mas também anelassem por piedade”36.

 

Mesmo em suas mensagens políticas — os sermões ao Parlamento — o tema era repetida-mente a santidade. Ele baseou isso no padrão do Antigo Testamento, que “o povo de Israel esteve no auge de suas riquezas, quando os seus líderes eram piedosos”37. Então, a questão-chave para ele era que a legislatura fosse composta de pessoas santas.

 

Ele preocupava-se que a propagação do evangelho e o ser adornado com santidade não fosse apenas uma obrigação para sua terra natal Inglesa. Quando ele voltou para a Irlanda em 1650, onde ele havia visto as forças Inglesas, sob Cromwell, dizimarem a Irlanda, ele pregou no Parlamento e clamou por um outro tipo de guerra:

 

“Como é que Jesus Cristo é na Irlanda apenas como um leão que mancha Suas vestes com o sangue de seus inimigos; e ninguém o apreende como um Cordeiro aspergido com seu próprio sangue por Seus amigos [...] isso é lidar justamente com o Senhor Jesus? Convocá-lO para a batalha e depois afastar a Sua coroa? Deus tem sido fiel em fazer grandes coisas por vocês; sejam fiéis nesta única coisa: façam o seu máximo pela pregação do Evangelho na Irlanda”38.

 

A partir de seus escritos e do testemunho de outros, parece justo dizer que o objetivo da santidade pessoal em toda a vida, e a mortificação de todo pecado conhecido, foi o trabalho não somente de seus ensinamentos, mas de sua própria vida pessoal.


David Clarkson, seu associado pastoral nos anos finais do ministério de Owen, dirigiu o seu funeral. Nele, ele disse:

 

Uma grande luz se apagou; alguém eminente por causa de sua santidade, conheci-mento, talentos e habilidades; um pastor, um erudito, um santo de primeira grandeza; a santidade concedeu um brilho Divino às suas outras realizações, ela brilhou em todo o seu curso, e foi difundida através de toda a sua conversação39.


John Stoughton disse que “Sua piedade se igualou à sua erudição”40. Thomas Chalmers da Escócia comentou em Sobre a Natureza, Poder, Engano e Prevalência de Pecado Interior nos Crentes, “É muitíssimo importante ser instruído sobre este assunto por alguém que alcançou tais elevadas realizações em santidade, e cujo conhecimento profundo e experimental com a vida espiritual tão bem o capacite a expor a sua natureza e operações”41.

 

Por que Deveríamos Ouvir a John Owen

 

A razão pela qual esta questão é tão urgente para nós hoje não é apenas que há uma santidade, sem a qual não veremos o Senhor (Hebreus 12:14), mas por que parece haver uma escassez de líderes políticos e eclesiásticos hoje que façam da busca por santidade algo tão central como a busca pelo crescimento da igreja ou do sucesso político. O Presidente dos Estados Unidos comunicou claramente que ele não cria que sua santidade pessoal fosse um fator significativo em sua liderança desta nação. A forma arrogante como muitos líderes eclesiásticos tratam o decoro sexual é um eco da mesma doença. John Owen teria ficado chocado tanto com o cenário nacional quanto com o eclesiástico.

 

John Owen é um bom conselheiro e modelo para nós neste assunto de santidade porque ele não era um eremita. Muitas vezes pensamos que algumas pessoas buscam a obtêm o luxo monástico justamente por ficarem fora da confusão da vida pública e se tornarem pessoas santas. Não era assim com os Puritanos da época de Owen. J.I. Packer disse que o Puritanismo foi “um monasticismo reformado, fora do claustro e longe dos votos monásticos”42. Isto é especialmente verdadeiro sobre Owen.

 

Seu contemporâneo, Richard Baxter, chamou Owen “o grande executor”43. Ele viveu uma vida pública. Ele estava envolvido na administração acadêmica; ele estava mergulhado na política; ele estava envolvido com os líderes militares do país; ele estava envolvido em controvérsias sobre todos os tipos de assuntos, desde a autenticidade dos pontos vogais Hebraicos e a Epístola de Inácio, até às leis nacionais de tolerância e a natureza da justificação; ele foi procurado por milhares de ministros congregacionais independentes para ser o porta-voz deles a nível nacional; ele estava o tempo todo pastoreando pessoas, e não se esqueça, perdia um filho para a morte, de três em três anos.

 

E todos nós sabemos que uma vida como esta é cheia de crítica que pode quebrantar o espírito e fazer a busca pela santidade pessoal duplamente difícil. Quando seus adversários não podiam superá-lo em sua argumentação, eles recorriam ao ataque de seu caráter. Ele foi chamado de “o grande sino do tempo de perturbação e sedição... uma pessoa que teria disputado com o próprio Maomé tanto pela ousadia quanto pela impostura... uma víbora, tão inchada com veneno que deveria ou explodir ou cuspir seu veneno”44.

 

E ainda mais doloroso e desanimador é a crítica de amigos. Certa vez, ele recebeu uma carta de John Eliot, o missionário para os índios na América, que o feriu mais profundamente, disse ele, do que qualquer um de seus adversários.

 

O que eu recebi de você... marcou mais profundamente, e deixou a maior impressão sobre minha mente, do que todos os ultrajes virulentos e falsas acusações que encontrei da parte de meus adversários abertos [...]. Que eu deveria agora ser tido como alguém que feriu a santificação nas igrejas, é uma das mais tristes carrancas nas frontes nubladas da Divina providência45.

 

Adicione a isso os encargos diários de viver em um mundo pré-tecnológico, sem as conveniências modernas, e passando por duas grandes pragas, uma das quais, em 1665, matou 70 mil das 500 mil pessoas que viviam em Londres46, adicione os 20 anos vivendo fora da proteção da lei — então saberemos que a santidade de John Owen não foi exercitada no conforto da paz, do lazer ou da segurança. Quando um homem como este, nestas circunstâncias é lembrado e exaltado por séculos por causa de sua santidade pessoal, devemos ouvir.

 

Como Ele Buscou Por Santidade?

 

1 - Owen humilhou-se sob a poderosa mão de Deus.

 

Embora ele fosse um dos homens mais influentes e conhecidos de seu tempo, a sua visão de seu próprio lugar na economia de Deus era sóbria e humilde. Dois dias antes de morrer, ele escreveu em uma carta a Charles Fleetwood: “Eu estou deixando o navio da Igreja em uma tempestade, mas enquanto o grande Piloto está nele a perda de um pobre remador será desprezível”47.

 

Packer diz que “Owen, embora fosse um homem orgulhoso por natureza, foi quebrantado na e pela sua conversão, e, posteriormente, ele se manteve rebaixado pela contemplação de sua recorrente pecaminosidade inata”48. Isto foi o que Owen escreveu ilustra isso:

 

Manter nossas almas em constante estado de luto e auto-humilhação é a parte mais necessária de nossa sabedoria... e isso está tão longe de ter alguma incompatibilidade com aquelas consolações e alegrias, que o evangelho propõe a nós como crentes, antes esta é única maneira de permiti-las na alma de uma forma devida49.

 

No que diz respeito à sua imensa erudição e o tremendo discernimento que ele tinha para as coisas de Deus, ele pareceu ter uma atitude muito humilde para com os seus feitos, por-que ele tinha subido o suficiente para ver sobre o primeiro cume da revelação dos mistérios infinitos de Deus.

 

Não tenho a pretensão de procurar a fundo ou nas profundidades de qualquer parte deste “grande mistério da piedade, Deus manifestado em carne”. Eles são completamente insondáveis, até o limite das mentes mais iluminadas, nesta vida. O que compreenderemos mais sobre eles no outro mundo, só Deus sabe50.

 

Esta humildade abriu a alma de Owen para maiores visões de Cristo nas Escrituras. E ele acreditava de todo o coração na verdade de 2 Coríntios 3:18, que ao contemplar a glória de Cristo “somos transformados de glória em glória na mesma imagem”51. E isso não é nada mais do que santidade.

 

2 - Owen cresceu no conhecimento de Deus, obedecendo o que ele já conhecia.

 

Em outras palavras Owen reconheceu que a santidade não era meramente o objetivo de toda a verdadeira aprendizagem; ela também é o meio do mais verdadeiro aprendizado. O conhecimento elevava a santidade ainda mais em sua vida: a santidade era o objetivo de sua vida e, em grande medida, o conhecimento era o meio de chegar a ela.

 

As verdadeiras noções das santas verdades evangélicas não viverão, pelo menos não florescerão, onde elas estão separadas de uma santa conversação (= vida). Assim co-mo nós aprendemos tudo para praticar [!!!], assim nós aprendemos muito pela prática... e somente aqui podemos chegar à segurança de que o que sabemos e aprendemos é de fato a verdade [cf. João 7:17] [...]. E nisto eles serão levados continuamente a níveis mais profundos do conhecimento. Pois a mente do homem é capaz de receber suprimentos contínuos no aumento da luz e conhecimento... se... eles são melhorados até seu fim próprio em obediência a Deus. Mas sem isso a mente rapidamente se encherá com noções, de modo que nenhum córrego pode descer nela, a partir da fonte da verdade52.

 

Assim, Owen manteve os córregos da fonte da verdade abertos, por fazer da obediência pessoal o efeito de tudo o que ele aprendia, e os meios para mais.

 

3 - Owen apaixonadamente buscou uma comunhão pessoal com Deus.

 

É incrível que Owen foi capaz de continuar a escrever livros e panfletos edificantes e densos sob as pressões de sua vida. A chave era a sua comunhão pessoal com Deus. Andrew Thomson, um de seus biógrafos, escreveu:

 

É interessante encontrar a ampla evidência que [a sua obra sobre Mortificação] proporciona, isso em meio ao ruído da controvérsia teológica, as atividades desgastantes e desconcertantes de uma posição pública elevada, e os desanimadores abatimentos de uma universidade, no entanto, ele ainda vive perto de Deus e, como Jacó em meio às pedras do deserto, mantendo comunhão secreta com o eterno e invisível53.

 

Packer diz que os Puritanos diferem dos evangélicos hoje porque com eles:

 

“[...] A comunhão com Deus era uma coisa grandiosa, para os evangélicos de hoje é uma coisa relativamente pequena. Os Puritanos estavam preocupados com a comunhão com Deus de uma forma que nós não estamos. A medida da nossa despreocupação é o pouco que falamos sobre isso. Quando os Cristãos se encontram, eles conversam entre si, sobre a sua obra Cristã e interesses Cristãos, seus conhecidos Cristãos, o estado das igrejas, e os problemas da teologia, mas raramente sobre a sua experiência diária com Deus”54.

 

Mas Deus estava cuidando para que Owen e os sofredores Puritanos de sua época vives-sem mais perto dEle e procurassem pela comunhão com Deus mais intensamente do que nós. Escrevendo uma carta durante uma enfermidade, em 1674, ele disse a um amigo: “Cristo é o nosso melhor amigo, e dentro em breve será o nosso único amigo. Oro a Deus de todo o meu coração para que eu possa estar cansado de todo o mais, mas converse e tenha comunhão com Ele”55. Deus estava usando a doença e todas as outras pressões da vida de Owen para levá-lo a comunhão com Deus e não para longe dela.

 

Mas Owen também era muito intencional sobre a sua comunhão com Deus. Ele disse: “A amizade é mais conservada e mantida por visitas, e estas, mais livres e menos ocasionadas por negócios urgentes56 [...]”. Em outras palavras, em meio a todos os seus labores acadêmicos, políticos e eclesiásticos, ele fez muitas visitas ao seu Amigo, Jesus Cristo.

 

E quando ele ia, ele não apenas ia com petições de coisas ou mesmo por libertação em suas muitas dificuldades. Ele ia ver seu glorioso Amigo e contemplar a Sua grandeza. O último livro que escreveu, e que ele o estava finalizando quando morreu é chamado de Meditações sobre a Glória de Cristo. Isso diz muito sobre o foco e os êxitos da vida de Owen. Neste livro ele disse:

 

A revelação... de Cristo... merece os mais sérios de nossos pensamentos, o melhor de nossas meditações e nossa maior diligência neles [...]. Que melhor preparação pode haver para [nosso futuro gozo da glória de Cristo] do que uma contemplação anterior constante dessa glória, na revelação que é feita no Evangelho57.

 

A contemplação que Owen tem em mente é composta de pelo menos duas coisas: por um lado, há o que ele chamou de seus “pensamentos mais sérios” e “melhores meditações” ou em outro lugar “meditações assíduas”, e, por outro lado havia a oração incessante. Os dois são ilustrados em sua obra sobre Hebreus.

 

Um de seus maiores empreendimentos foi o seu comentário de sete volumes sobre He-breus. Quando ele o finalizou, perto do fim de sua vida, ele disse: “Agora meu trabalho está feito, é hora de eu morrer”58. Como ele o fez? Temos um vislumbre a partir do prefácio:

 

Agora devo dizer, que, após toda a minha pesquisa e leitura, oração e meditação assíduas têm sido o meu único recurso, e de longe o meio mais útil de luz e assistência. Por estes os meus pensamentos foram libertados de muitos emaranhados59.

 

Seu objetivo em tudo o que ele fazia era entender a mente de Cristo e refleti-la em seu comportamento. Isto significa que a busca da santidade sempre esteve ligada a uma busca do conhecimento verdadeiro de Deus. É por isso que a oração, e o estudo, e a meditação sempre andavam juntos.

 

Eu suponho... isto pode ser fixado como um princípio comum do Cristianismo; a saber, que a oração constante e fervorosa pela assistência Divina do Espírito Santo, é um tal meio indispensável para alcançar... o conhecimento da mente de Deus, na Escritura, de modo que sem isso, todos os outros não [trarão benefício]60.

 

Owen nos dá um vislumbre da luta que todos nós temos a este respeito, antes que alguém pense que ele estava acima da batalha. Ele escreveu a John Eliot, na Nova Inglaterra,

 

Eu reconheço diante de você que tenho um espírito seco e estéril, e eu sinceramente peço suas orações para que o Santo Ser, apesar de todas as minhas provocações pecaminosas, me guie do alto61.

 

Em outras palavras, as orações de outros eram essenciais, não apenas as suas próprias.

 

A principal fonte de tudo o que Owen pregou e escreveu foi esta: “meditação assídua” na Escritura e oração. O que nos leva ao quarto caminho pelo qual Owen alcançou tal santidade em sua vida imensamente ocupada e produtiva.

 

4 - Owen era autêntico em recomendar em público apenas o que ele havia experimentado em privado.

 

Um grande obstáculo à santidade no ministério da palavra é que estamos propensos a pregar e escrever sem nos esforçarmos para tornar reais, as coisas que dizemos às nossas próprias almas. Ao longo dos anos as palavras começam a vir facilmente, e descobrimos que podemos falar de mistérios sem permanecermos em reverência; podemos falar de pureza sem nos sentirmos puros; podemos falar de zelo sem paixão espiritual; podemos falar sobre a santidade de Deus, sem tremor; podemos falar sobre o pecado sem tristeza; podemos falar sobre o céu, sem ansiedade. E o resultado disso é um terrível endurecimento da vida espiritual.

 

Palavras vinham fácil a Owen, mas ele se opôs a esta terrível doença da inautenticidade e garantiu o seu crescimento em santidade. Ele começou com a premissa: “Nossa felicidade não consiste em conhecer as coisas do evangelho, mas em praticá-las”62. Fazer, não a-penas conhecer, era o objetivo de todos os seus estudos.

 

Como um meio para esse fazer autêntico, ele se esforçou para experimentar cada verdade que ele pregava. Ele disse:

 

Eu me mantenho no dever de consciência e na honra, de nem sequer imaginar que eu alcancei um bom conhecimento de qualquer artigo da verdade, muito menos para publicá-lo, a não ser que através do Espírito Santo, eu tenha como que provado desta verdade, em seu sentido espiritual, para que eu possa, de coração, ser capaz de dizer com o salmista: “Cri, por isso falei” [Salmos 116:10]”63.

 

Assim, por exemplo, sua Exposição do Salmo 130 (320 páginas sobre oito versos) é o desvelar não somente do Salmo, mas de seu próprio coração. Andrew Thomson diz,

 

Quando Owen... expunha o livro de Deus, ele desvelava ao mesmo tempo o livro de seu próprio coração e de sua própria história, e produzia um livro que... é rico em pensamentos dourados, e marcado pela viva experiência de “quem falou o que conhecia, e testemunhou do que ele tinha visto”64.

 

O mesmo biógrafo disse sobre Owen, em A Graça e Dever de Pensar Espiritualmente (1681) que ele “primeiro o pregou ao seu coração, e depois a uma congregação particular, e que nos revela as eminências quase intocadas e inexploradas sobre Owen, que caminhava nos últimos anos de sua peregrinação”65.

 

Esta era a convicção que controlava Owen:

 

Um homem só prega bem um sermão aos outros, se ele o pregou antes à sua própria alma. E aquele que não se alimenta e prospera na digestão do alimento que ele fornece aos outros, escassamente o fará saboroso para eles; sim, ele não sabe, mas a co-mida que ele tem fornecido pode ser veneno, a menos que ele realmente prove da mesma. Se a palavra não habitar com poder em nós, não sairá de nós com poder66.

 

Foi esta convicção que sustentou Owen em sua vida pública imensamente ocupada com controvérsia e conflito. Sempre que ele se comprometeu a defender a verdade, ele procurou em primeiro lugar aplicar profundamente esta verdade ao seu coração e obter uma real experiência espiritual da mesma, de modo que não houvesse artificialidade no debate e nenhum mero posicionamento ou manipulação. Ele se firmou na batalha, porque ele veio a experimentar a verdade ao nível pessoal dos frutos da santidade e sabia que Deus estava nela. Aqui está a maneira como ele colocou isso no Prefácio de O Mistério do Evangelho Vindicado (1655):

 

Quando o coração é, de fato, lançado no molde da doutrina que a mente abraça, quando a evidência e a necessidade da verdade permanecem em nós, quando o sentido das palavras não está apenas em nossas cabeças, mas o sentido da questão habita em nossos corações, quando temos comunhão com Deus na doutrina que defendemos, então seremos supridos pela graça de Deus contra todos os assaltos dos homens67.

 

Essa, eu penso, foi a chave para a vida e o ministério de Owen, tão conhecidos pela santidade: “quando temos comunhão com Deus na doutrina que defendemos, então seremos supridos pela graça de Deus contra todos os assaltos dos homens”.

 

A última coisa que Owen estava fazendo no fim de sua vida era estar comunhão com Cristo, em uma obra que foi mais tarde publicada sob o título Meditações sobre a Glória de Cristo. Seu amigo William Payne estava ajudando a editar a obra. Perto do fim, Owen disse: “Oh, irmão Payne, o tão desejado dia é chegado por fim, no qual eu verei a glória de outra maneira, além do que eu já vi ou fui capaz de ver neste mundo”68.

 

Mas Owen viu mais glória do que a maioria de nós vê, e é por isso que ele foi conhecido por sua santidade, porque Paulo nos ensinou claramente e Owen cria que “todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” (2 Coríntios 3:18).

 

Lição Extraída da Vida de Owen


A principal lição que eu tiro deste estudo sobre a vida e pensamento de Owen é que em todos os nossos empreendimentos e projetos a meta principal para a Sua glória deve ser santidade ao Senhor. O meio indispensável desta santidade é o cultivo de comunhão pessoal autêntica e profunda com Deus. O pleno significado disto deixo para que ele ensine você, enquanto você lê as suas obras69.

 

 


Notas

 

[1] Neste artigo todas as referências às obras de John Owen serão extraídas das Obras de John Owen, ed. William Goold, 23 volumes (Edinburgh: Banner of Truth Trust, 1965, esta edição foi originalmente publicada em 1850-1853). Os últimos sete volumes são a exposição da Epístola aos Hebreus. O numeral romano se referirá ao volume desta coleção, e o número arábico à página.

[2] J.I. Packer. Uma Busca Por Piedade: A Visão Puritana da Vida Cristã (Wheaton: Crossway Books, 1990), p. 11.

[3] Uma Busca Pela Piedade, p. 81.

[4] Uma Busca Pela Piedade. p. 12. A história é contada mais detalhadamente em John Owen, o Pecado e a Tentação, abreviado e editado por James M. Houston (Portland: Multnomah Press, 1983), Introdução, pp 25-26..

[5] Uma Busca Pela Piedade, p. 147.

[6] Sinclair B. Ferguson. John Owen Sobre a Vida Cristã (Edinburgh: Banner of Truth, 1987), pp. 10-11.

[7] Peter Toon. Estadista de Deus: A Vida e Obra de John Owen, (Exeter, Devon: Paternoster Press, 1971), p. 173.

[8] Charles Bridge. O Ministério Cristão, (Edinburgh: The Banner of Truth, 1967, publicado originalmente em 1830), p. 41.

[9] Jonathan Edwards, Afeições Religiosas, ed. por John E. Smith (New Haven: Yale University Press, 1959), p. 69 As citações de Owen em Edwards estão nas pp. 250f, 372f.

[10] The Banner of Truth tem causado um pequeno renascimento do interesse pela publicação de suas obras completas, em 23 volumes (7 delas são o enorme Comentário de Hebreus) mais uma ou duas brochuras.

[11] Estadista de Deus. p. 7.

[12] Estadista de Deus. p. 177.

[13] Uma Busca Pela Piedade. p. 28.

[14] J.I. Packer diz que o Puritanismo desenvolveu-se sob Elizabeth, James e Charles, e floresceu no intervalo entre estes reinados [de 1640 e 1650], antes que murchasse no túnel escuro da perseguição entre 1660 (Restauração) e 1689 (Tolerância). Uma Busca pela Piedade. pp. 28f.

[15] Obras, XII, p. 224.

[16] Estadista de Deus. p. 6.

[17] Charles Spurgeon. C.H. Spurgeon: Autobiografia, vol. I, (Edinburgh: The Banner of Truth Trust: 1962), p. 87.

[18] Estadista de Deus. p. 12f.

[19] Andrew Thomson escreveu: “Quase toda a informação que chegou a nós em relação a esta união [com Mary], a partir de biografias anteriores equivale a isso: que a senhora deu à luz a onze filhos, todos os quais, exceto uma filha, morreram no início da infância. Esta única filha se tornou a esposa de um cavalheiro galês, mas a união se mostrando infeliz, ela voltou para a sua parentela e para a casa de seu pai, “e logo depois morreu de tuberculose”. Obras I, 33. “Quando ela morreu, em 1676 Owen permanecia viúvo há cerca de 18 meses e se casou com Dorothy D'Oyley. Sua aflição era muito grande em relação aos seus filhos, nenhum dos quais ele fruiu muito enquanto vivos, e viu todos eles saindo do palco antes dele”. Obras I, p. 95.

[20] A Enciclopédia Religiosa. ed. por Philip Schaff, (The Christian Literature Co, 1888) 3 vols. vol. 3, p. 1711.

[21] Estadista de Deus. p. 54.

[22] Estadista de Deus. p. 77F.

[23] Obras. I, p. 57.

[24] Um discurso a respeito do Amor Evangélico, Paz e Unidade na Igreja (1672); Uma Investigação sobre a Natureza Original e Comunhão de Igrejas Evangélicas (1681); e o texto clássico, Verdadeira Natureza de uma Igreja Evangélica (1689, postumamente)

[25] Obras. I, p. 51.

[26] Estadista de Deus. p. 132.

[27] Estadista de Deus. p. 162 Veja a carta em Peter Toon, ed. A Correspondência de John Owen (1616-1683), (Cambridge: James Clarke and Co. Ltd., 1970), pp 145-146.

[28] Estadista de Deus. p. 157.

[29] A Correspondência de John Owen. p. 171.

[30] Obras. XVI, 74.

[31] Obras. XVI, 74-75.

[32] Estadista de Deus. p. 162.

[33] Estadista de Deus. p. 161.

[34] Estadista de Deus. p. 55.

[35] John Owen sobre a Vida Cristã. p. 11. Grifo do autor. Veja abaixo a nota 52.

[36] Estadista de Deus. p. 78.

[37] Estadista de Deus. p. 120.

[38] Estadista de Deus. p. 41.

[39] Estadista de Deus. p. 173.

[40] A Enciclopédia Religiosa. vol. 2, p. 1712.

[41] Obras, I, p. 84.

[42] Uma Busca Pela Piedade. p. 28.

[43] Estadista de Deus. p. 95.

[44] Obras. I, p. 89.

[45] A Correspondência de John Owen. p. 154.

[46] Estadista de Deus. p. 131.

[47] A Correspondência de John Owen. p. 174.

[48] Uma Busca Pela Piedade. p. 193.

[49] Obras. VII, p. 532.

[50] Obras. I, p. 44; cf. VI, pp. 64, 68.

[51] Estadista de Deus. p. 175; Works, I, p. 275.

[52] Obras. I, p. 64-65.

[53] Obras. I, p. 64-65.

[54] Uma Busca Pela Piedade. p. 215.

[55] Estadista de Deus. p. 153.

[56] Obras. VII, 197f.

[57] Obras. I, p. 275.

[58] Estadista de Deus. p. 168.

[59] Obras. I, p. 85.

[60] Obras. IV, p. 203.

[61] Toon, ed., A Correspondência de John Owen. p. 154.

[62] Obras. XIV, p. 311.

[63] Obras. X, p. 488.

[64] Obras. I, p. 84.

[65] Obras. I, p. 99-c.

[66] Obras. XVI, p. 76. Veja também sobre a Justificação, p. 76.

[67] Obras. I, pp. 63-64.

[68] Estadista de Deus. p. 171.

[69] Como recomendação para uma leitura inicial de Owen, eu gostaria de sugerir a seguinte lista, sob o fundamento de serem especialmente influentes doutrinariamente ou especialmente inspiradores praticamente.

 

Doutrinariamente eu desejo sugerir:

 

A Morte da Morte na Morte de Cristo (1647)

A Doutrina da Perseverança dos Santos (1654)

Um Discurso sobre o Espírito Santo (1674)

Verdadeira Natureza da Igreja Evangélica (1689)

 

Praticamente, eu sugiro:

 

Sobre a Mortificação do Pecado nos Crentes (1656)

Sobre a Tentação: Sua Natureza e Poder (1658)

A Natureza, Poder, Engano e Prevalência do Pecado Interior (1667)

A Graça e o Dever de Pensar Espiritualmente (1681)

Meditações e Discursos sobre a Glória de Cristo (1684)
 

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: