Textos

Sinais e Frutos da Eleição, por A. W. Pink

[Excerto de A Doutrina da Eleição • Livro de The Doctrine of Election • Editado]

 

A doutrina da eleição é uma das coisas mais profundas de Deus e deve ser recebida com fé simples, inquestionável; que, como o assunto da Santíssima Trindade é um mistério profundo que transcende a compreensão da mente finita. Então, temos procurado mostrar por uma livre citação das Escrituras que a verdade da eleição é claramente ensinada na Palavra de Deus; mais ainda, que é uma das verdades mais importantes da Revelação Divina. Além disso, vimos que o princípio da eleição atravessa todas as relações de Deus com o Seu povo; que, tanto na época do Antigo e Novo Testamento, Deus passa por alguns e chama outros. Em seguida, consideramos brevemente a justiça da eleição, e descobrimos que em abençoar alguns, Deus não mostrou nenhuma injustiça para com os outros, porque ninguém tem qualquer direito sobre Ele. E que, como a salvação é o Seu dom gratuito, ele dispensa Seus favores de acordo com Sua própria boa vontade. Finalmente, observamos os corolários desta Doutrina e mostramos como ela atribui toda a glória a Deus, e garante da forma mais enfática a segurança eterna de todos os que foram escolhidos em Cristo antes da fundação do mundo.

 

Os Sinais da Eleição

 

Como podem os crentes saber que estão entre o número de eleitos de Deus? É verdade que eles não têm acesso ao Seu Livro da Vida; que eles não podem ler Seus decretos secretos; eles são ignorantes de Seus eternos conselhos. No entanto, é possível que os santos saibam que estão entre aqueles que Deus predestinou para serem conformes à imagem de Seu Filho. Há pelo menos cinco maneiras pelas quais Deus dá testemunho de que Ele nos escolheu desde toda a eternidade.

 

1 – Ao chamar-nos para Ele mesmo

 

“Aos que predestinou, a esses também chamou” (Romanos 8:30). A predestinação aconteceu na eternidade; o chamado acontece no tempo. Este chamado é aos eleitos, com força irresistível: eles O ouvem e não pode deixar de responder. “As ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as traz para fora” (João 10:3). Temos uma ilustração disto, no caso de Zaqueu. “Zaqueu, desce depressa... E, apressando-se, desceu, e recebeu-o alegremente” (Lucas 19:5-6). A ovelha foi chamada pelo nome e respondeu à voz do Pastor! “E as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz” (João 10:4). Nós temos uma outra bela ilustração disto registrada em João 20:16: “Disse-lhe Jesus: Maria! Ela, voltando-se, disse-lhe: Rabôni” Anteriormente ela não O conheceu; ela O confundiu com o jardineiro; mas o Bom Pastor chama as Suas ovelhas pelo nome, “Maria” e instantaneamente ela conheceu Sua voz! Aqui, então, está o primeiro sinal de Eleição, como ilustram os casos acima. O Pastor chama, e aqueles que são Suas ovelhas (os eleitos) ouvem, reconhecem e respondem.

 

2 – Ao recriá-los em Cristo


Ou, por outras palavras, tornando-os Seus filhos. Todos não são filhos de Deus. Pelo contrário, todos são por natureza “filhos da ira” (Efésios 2:3), e somente pela graça soberana nos tornamos filhos de Deus. Todos são Suas criaturas, mas nem todos são Seus filhos. A regeneração é a consequência da eleição. “Segundo a sua vontade, Ele nos gerou” (Tiago 1:18). “Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (João 1:13). Eu já nasci de novo? Eu fui feito uma nova criatura em Cristo? Há evidências inequívocas em minha vida que eu tenho sido feito um participante da natureza Divina? Então esta é uma das marcas da minha eleição.

 

3 – Ao nos conformarmos à Sua vontade

 

“Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser” (Romanos 8:7). A vontade não-regenerada é total-mente contrária a tudo o que verdadeiramente santo. Mas é diferente com aqueles a quem Deus chama e vivifica. Ele renova as suas vontades. Ele opera neles tanto o querer quanto o realizar, segundo a Sua boa vontade. O que diferencia um filho do diabo de um filho de Deus é que o primeiro é governado por sua própria vontade, ao passo que a vontade deste último está sujeita a Deus. A linguagem do santo é: “Ele é o Senhor; faça o que bem parecer aos Seus olhos” (1 Samuel 3:18). Se, então, a sua vontade está quebrada, se você está dizendo com o coração: “todavia não se faça a minha vontade, mas a tua” (Lucas 22:42), então esta é uma das marcas e sinais de sua eleição.

 

4 – Ao comunicar o Seu amor aos seus corações

 

Os ímpios não têm amor a Deus, nenhuma capacidade de apreciar Suas perfeições, nenhuma preocupação com a Sua glória. Eles não veem nEle nenhuma beleza para que O desejem, sim, Ele é desprezado e rejeitado por eles (Isaías 53:2-3). Mas o Espírito Santo derrama o amor de Deus nos corações daqueles que creem (Romanos 5:5). Para eles, Deus é mui excelente, eles dizem: “Quem tenho eu no céu senão a ti? e na terra não há quem eu deseje além de ti” (Salmo 73:25). Para eles, Cristo é o mais formoso entre dez mil, o “totalmente desejável” (Cânticos 5:16). Se, então, o amor de Deus brilha em seu coração, esta é uma das marcas e evidências de sua eleição.

 

5 – Por cultivar neles o fruto do Espírito

 

Na parábola do semeador, existem quatro tipos de solo em que a semente cai, mas apenas um tem algum fruto. Os três primeiros representam várias classes de incrédulos que ouvem a Palavra de Deus, e uma coisa é comum a eles, todos eles são estéreis. Mas a quarta classe, o solo dos bons ouvintes, produz fruto em graus variados. Aqui, então, está mais um sinal infalível, outra característica peculiar dos crentes: eles dão fruto. O que é o fruto, aprendemos em Gálatas 5:22-23. Tenho o “amor”, o amor a Deus, por Sua Palavra, pelo Seu povo? Tenho “alegria”, aquela profunda, permanente, maravilhosa alegria, sobre a qual o mundo nada sabe? Eu tenho “paz”, paz de consciência que vem do conhecimento dos pecados perdoados? Eu tenho “longanimidade”, para “tudo suportar por amor dos eleitos” (2 Timóteo 2:10)? Eu sou “benigno”, de modo que, à semelhança de uma verdadeira ovelha, eu nunca me mostro contencioso? Tenho “bondade”, de modo que aqueles que me rodeiam tomam conhecimento que tenho estado com Jesus? Tenho “fé”, de modo que eu descanso com inabalável confiança nas promessas de Deus? Tenho “mansidão”, de forma que eu considero os outros superiores a mim mesmo? Tenho “temperança”, de modo que minha moderação é notória a todos os homens (Filipenses 4:5)? Então este é o fruto do Espírito. Por esses e outros sinais semelhantes, Deus nos indica nossa eleição eterna.

 

Os Frutos da Eleição

 

Não somente Deus nos concede estes sinais infalíveis pelos quais podemos descobrir Sua escolha, mas os eleitos fazem firme a sua própria eleição para si mesmos. “Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição” (2 Pedro 1:10). Na mente de Deus, a minha vocação e eleição está “firme” antes da fundação do mundo; mas quanto à minha própria consciência e garantia delas estão em causa; eu devo ser diligente para torná-las firmes para mim. Como os eleitos fazem isso?

 

1 – Ao abandonarem-se a Cristo

 

“Todo o que o Pai me dá virá a mim” (João 6:37). Quando perdemos toda a confiança na carne; quando chegamos inteiramente ao fim de nós mesmos; quando percebemos que na carne não habita coisa boa; quando nos tornamos conscientes de que todas as nossas justiças como trapo da imundícia; quando estamos preparados para clamar: “Senhor, salva-me! que pereço” (ver Mateus 8:25); quando voamos para Cristo como o único refúgio da ira vindoura, então daremos o primeiro passo para fazer firme a nossa vocação e eleição.

 

2 – Por uma caminhada em obediência

 

Pedro se dirige aos “estrangeiros” como “eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência” (1 Pedro 1:2). Se estamos caminhando contrário aos preceitos de Deus, então nós não temos nenhuma razão para nos considerar como estando entre os eleitos de Deus. O bom Pastor guia as Suas ovelhas nas “veredas da justiça” (Salmo 23:03), e se nos encontramos no “caminho dos pecadores” (Salmo 1:1), então não temos autorização para chamar-nos de Suas ovelhas. Mas, se estamos orando por isso e lutando diariamente por uma obediência mais perfeita do que aquela que nós ainda redemos, então nós estamos fazendo firme a nossa vocação e eleição. “Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes ordenado que andássemos nelas” (Efésios 2:10).

 

3 – Por uma santificação progressiva

 

“Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12:14). Se estamos crescendo na graça e no conhecimento do Senhor (2Pe 3:18); se estamos esquecendo-nos das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante (Filipenses 3:13); se estamos limpando-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, e estamos aperfeiçoando a santificação no temor de Deus (2 Coríntios 7:1), então estamos fazendo a nossa própria “vocação e eleição”. “Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos” (Efésios 1:4).

 

4 – Por uma perseverança continua na fé

 

Nisto os falsos professos são distinguidos dos eleitos de Deus. Há aqueles que ouvem a Palavra e logo a recebem com alegria, mas não têm raiz em si mesmo, antes são de pouca duração (Mateus 13:20-21). Mas os eleitos de Deus perseveram até o fim. Eles “prosseguem em conhecer ao Senhor” (Oséias 6:3). Eles podem, por vezes, estar abatidos em si mesmos; eles às vezes podem ser apanhados em falta; eles têm que confessar que eles são “servos inúteis” (Lucas 17:10), mas, ao final, cada um deles, em alguma medida, será capaz de dizer: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé” (2 Timóteo 4:7). Ao perseverar até o fim, nós fazemos firme a nossa vocação e eleição para nós mesmos. “Aos que predestinou... a esses também glorificou” (Romanos 8:30).

 

Irmãos, se estamos entre os escolhidos de Deus, mostremos por nossa caminhada diária que somos de fato os mais escolhidos dentre os homens. “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade; suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também” (colossenses 3:12-13).

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: