Textos

Teologia Reformada, por James Montgomery Boyce

A teologia Reformada recebe o seu nome a partir da Reforma Protestante do século XVI, com suas ênfases teológicas distintas, entretanto é uma teologia solidamente baseada na própria Bíblia. Os crentes que seguem a tradição Reformada estimam as contribuições específicas de pessoas como Martinho Lutero, John Knox, e particularmente João Calvino, mas eles também encontram seus poderosos distintivos nos gigantes da fé, que viveram antes deles, tais como Anselmo e Agostinho, e, finalmente, nas cartas de Paulo e nos ensinamentos de Jesus Cristo. Os Cristãos Reformados sustentam as doutrinas características de todos os Cristãos, incluindo a Trindade, a verdadeira Divindade e verdadeira humanidade de Jesus Cristo, a necessidade da expiação de Jesus pelo pecado, a igreja como uma instituição Divinamente ordenada, a inspiração da Bíblia, a exigência de que os Cristãos vivam vidas moralmente corretas, e a ressurreição do corpo. Eles sustentam outras doutrinas em comum com os Cristãos evangélicos, como a justificação pela fé, a necessidade do novo nascimento, o retorno pessoal e visível de Jesus Cristo, e a Grande Comissão. O que, então, é distintivo em relação à teologia Reformada?

 

1. A Doutrina da Escritura.

 

O compromisso Reformado com a Escritura enfatiza a inspiração, autoridade e suficiência da Bíblia. Visto que a Bíblia é a Palavra de Deus e por isso tem a autoridade do próprio Deus, as pessoas Reformadas afirmam que esta autoridade é superior à de todos os governos e a todas as hierarquias da Igreja. Essa convicção deu aos crentes Reformados a coragem de portarem-se contra a tirania e fez com que a teologia Reformada se tornasse uma força revolucionária na sociedade. A suficiência das Escrituras significa que elas não precisam de ser complementadas por uma revelação especial nova ou em curso. A Bíblia é o guia completamente suficiente para a nossa maneira de pensar e sobre como devemos viver como Cristãos.

 

Os Reformadores, e particularmente João Calvino, ressaltaram como a forma e o objetivo da Palavra escrita e o ministério interior e sobrenatural do Espírito Santo trabalham em conjunto, o Espírito Santo iluminando a Palavra para o povo de Deus. A Palavra sem a iluminação do Espírito Santo continua a ser um livro fechado. A suposta direção do Espírito sem a Palavra leva a erros e excessos. Os Reformadores também insistiram sobre o direito dos crentes de estudarem as Escrituras por si mesmos. Apesar de não negarem o valor de professores formados, eles compreenderam que a clareza das Escrituras em assuntos essenciais para a salvação torna a Bíblia propriedade de todo crente. Este direito de acesso sempre vem acompanhado da responsabilidade de uma interpretação cuidadosa e precisa.

 

2. A Soberania de Deus.

 

Para a maioria do povo Reformado o principal e mais distintivo artigo do credo é a soberania de Deus. Soberania significa governo, e a soberania de Deus significa que Deus governa Sua criação com poder e autoridade absolutos. Ele determina o que acontecerá, e isto acontece. Deus não está alarmado, frustrado ou derrotado pelas circunstâncias, pelo pecado, ou pela rebelião de Suas criaturas.

 

3. As Doutrinas da Graça.

 

A teologia Reformada enfatiza as Doutrinas da Graça, mais conhecidas pelo acrônimo TULIP, embora este acrômio não corresponda aos melhores nomes possíveis para as cinco doutrinas.

 

T significa Total Depravity [Depravação Total]. Isso não significa que todas as pessoas são tão más quanto elas poderiam ser. Significa, sim, que todos os seres humanos são afetados pelo pecado em todas as áreas de seus pensamentos e conduta pelo que nada que sai de algum homem à parte da graça regeneradora de Deus pode agradar a Deus. No que concerne aos nossos relacionamentos com Deus, estamos todos tão arruinados pelo pecado que nenhum de nós pode entender adequadamente Deus ou os caminhos de Deus. Também não buscamos a Deus, a menos que Ele primeiro opere dentro de nós para nos conduzir a busca-lO.

 

U significa Unconditional Election [Eleição Incondicional]. Uma ênfase na eleição incomoda muitas pessoas, mas o problema que eles sentem não é, na verdade, com a eleição; é com a depravação. Se os pecadores são tão desamparados em sua depravação como a Bíblia diz que eles são, incapazes de entender e sem vontade de buscar a Deus, então a única maneira que eles poderiam ser salvos é se Deus tomar a iniciativa de transformá-los e salvá-los. Isto é o que significa a eleição. É Deus escolhendo salvar aqueles que, se não fosse a Sua escolha soberana e Suas ações subsequentes, certamente pereceriam.

 

L significa Limited Atonement [Expiação Limitada]. Este nome é potencialmente enganoso, pois parece sugerir que os Reformados querem de alguma forma restringir o valor da morte de Cristo. Este não é o caso. O valor da morte de Jesus é infinito. A questão é: qual é o propósito da morte de Cristo, o que Ele realizou na mesma? Será que Cristo pretendeu fazer da salvação nada além de uma possibilidade? Ou Ele realmente salva aqueles por quem Ele morreu? A teologia Reformada enfatiza que Jesus realmente expiou os pecados daqueles a quem o Pai havia escolhido. Na verdade, Ele propiciou a ira de Deus para com o Seu povo, tendo levado o seu julgamento sobre Si, em verdade redimiu, e, de fato, reconciliou essas pessoas específicas com Deus. Um nome melhor para expiação “limitada” seria redenção “particular” ou “específica”.

 

I significa Irresistible Grace [Graça Irresistível]. Sozinhos nós resistimos à graça de Deus. Mas quando Deus trabalha em nossos corações, regenerando-nos e criando uma vontade interior renovada, então o que era indesejável antes torna-se altamente desejável, e corremos para Jesus apenas como anteriormente nós corremos para longe dEle. Pecadores caídos resistem à graça de Deus, mas a Sua graça regeneradora é eficaz. Ela supera o pecado e cumpre o propósito de Deus.

 

P significa Perseverance of the Saints [Perseverança dos Santos]. Um nome melhor seria “a perseverança de Deus com os santos”, mas ambas as ideias estão realmente envolvidas. Deus persevera conosco, nos impedindo de apostatar, o que certamente faríamos se Ele não fosse conosco. Mas porque Ele persevera nós também perseveramos. Na verdade, a perseverança é a prova definitiva de eleição. Nós perseveramos porque Deus nos preserva de cair e de nos desviarmos dEle total e finalmente.

 

4. O Mandato Cultural.

 

A teologia Reformada também enfatiza o mandato cultural, ou a obrigação dos Cristãos de viverem ativamente na sociedade e trabalharem para a transformação do mundo e de suas culturas. O povo Reformado teve vários pontos de vista nesta área, dependendo do grau em que eles acreditam que tal transformação era possível. Entretanto, no geral, eles concordam em duas coisas. Primeiro, somos chamados a conviver no mundo e não para nos retiramos dele. Isso leva os crentes Reformados para longe do monasticismo. Em segundo lugar, que devemos alimentar os famintos, vestir os nus e visitar o prisioneiro. Contudo, as principais necessidades das pessoas ainda são as espirituais, e o trabalho social não é um substituto adequado para o Evangelismo. Na verdade, os esforços para ajudar as pessoas só serão verdadeiramente eficazes à medida que seus corações e mentes forem mudados pelo Evangelho. Isso leva os crentes Reformados para longe do mero humanitarismo. Tem sido objetado à teologia Reformada que qualquer um que acredita nas doutrinas Reformadas perde toda a motivação para o evangelismo. “Se Deus fará o trabalho, por que eu deveria me preocupar?”, porém não é isso que realmente acontece. É pelo fato de Deus fazer a obra que podemos ser ousados para fazer o que Ele nos manda fazer. Fazemo-lo com alegria, sabendo que nossos esforços não serão em vão.

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: