Textos

A Vida e Labores de Patrick Hues Mell, por C. Ben Mitchell

[Jornal Founders 76 • Primavera de 2009 • pp. 17-32]

 

Como os homens e mulheres de Hebreus onze, existiram Batistas do Sul pouco conhecidos de nossa geração “dos quais o mundo não era digno” (Hebreus 11:38). Um destes homens era Patrick Hues Mell.

 

Nascimento e Primeiros Anos

 

Nascido em 19 de julho de 1814, Patrick era filho do Major Benjamin Mell de Laurel Hill, Georgia, e Cynthia Sumner Mell, da Carolina do Sul. Sabemos pouco sobre os primeiros anos de Patrick, exceto que ele era o segundo de oito filhos. O pai do jovem Patrick era um homem muito rico, “simpático por natureza, e excessivamente generoso” [1]. Ele era tão generoso que que deu a maior parte de sua fortuna, deixando muito pouco à família após a sua morte, em 1828; três anos mais tarde a senhora Mell morreu, deixando Patrick, com dezessete anos, responsável por toda a família.

 

Sendo ainda um mero jovem inexperiente, ele foi forçado a confiar exclusivamente em seu talento natural para fornecer um meio de sustento para si e para os irmãos e irmãs dependentes. Ele abriu mão do pequeno restante de sua parte da propriedade para o sustento de seus irmãos e irmãs, e começou com a determinação de obter uma boa educação, e, na medida do possível, recuperar a posição social e propriedade que havia sido perdida pela adversidade de seu pai [2].

 

Neste ponto, Mell começou a sua carreira de acadêmico, que perdurou por toda a sua vida. Aos dezessete anos, ele ensinou em uma escola primária, em uma cabana de madeira com chão de terra em sua cidade natal, Walthourville, Geórgia, (cerca de 50 km ao sudoeste de Savannah).

 

Embora o pai de Patrick nunca tenha professado o Cristianismo, os primeiros anos de Mell não foram desprovidos de impressões espirituais. Dr. John Jones, um colega de classe, e mais tarde um ministro Presbiteriano, contou sobre a educação de Mell:

 

Sua mãe era uma mulher de notável individualidade de caráter, intelectual e verdadeiramente uma mulher de Deus, criada no modo estrito do antigo Congregacionalismo, e, sem dúvida, perfeitamente familiarizada com o Breve Catecismo de Westminster [3].

 

Um Trecho de uma carta da senhora Mell ao seu filho demonstra sua grande preocupação pela alma dele (deve-se notar que por esta altura Mell, evidentemente, tinha aspirações ao ministério do Evangelho):

 

Meu querido filho:

É tempo de que você e eu devemos nos comunicar com frequência, intimidade e confidencialidade. Se isso não deve ser esperado pelo momento em que você chegou aos quinze anos, quando deve ser procurado? Em uma consideração, eu tenho mais ansiedade, mesmo pavor, em seu nome do que por qualquer um dos meus filhos. Sinceramente, como eu desejo que um filho meu seja ministro, ainda assim tremo com a ideia de educar e dedicar um filho à profissão sagrada sem provas previamente satisfatórias de que a sua alma esteja bem com Deus. Meu coração arde por vê-lo em todos os sentidos da palavra como um verdadeiro Cristão. Você deve exercer um zelo sobre si mesmo, para que as ninharias deste mundo não amorteçam os seus sentimentos sobre as grandes questões; que são: quais são as probabilidades de minha salvação, o que eu fiz ou devo fazer para ser salvo? Lembre-se: os que são de Cristo crucificaram suas paixões e concupiscências, crucifique as suas. [4]

 

O coração da senhora Mell tanto anelava pela salvação de seu filho, que ela também escreveu a ele no dia seguinte:

 

Digo isso com ansiedade, e escrevo com temor, mas eu o digo com fervorosas orações pela verdadeira conversão de sua alma a Deus, e com alguma esperança de que Ele ouvirá a petição que tenho me esforçado para oferecer por você há muitos anos. Eu repetirei: Eu nunca poderei consentir que você estude para o ministério até que eu tenha alguma prova satisfatória de que seu coração foi convertido a Deus, em santa coerência e constância de caráter. [5]

 

A senhora Mell não viveu para ver seu filho convertido, pois em 1831 o Senhor a levou. No entanto, as sementes de suas orações não foram semeadas em vão. No verão de 1832, Mell foi batizado na Igreja Batista do Norte Newport, Liberty County, Georgia, pelo pastor, Josiah Samuel Law. No ano seguinte, devido à beneficência de um cavalheiro rico, George W. Walthour, Mell conseguiu entrar na turma de calouros de Amherst College, em Massa-chusetts. Vários eventos em Amherst testemunham que, embora batizado, Mell não era convertido.

 

Em Amherst, as coisas não iam bem entre o menino do Sul e seus mentores do Norte. Um deles, especialmente desagradável para Pat Mell, era um Professor, chamado Fiske. O sangue de Pat ferveu num domingo, quando Fiske estava pregando. Ele fez alguns comentários depreciativos sobre os sulistas. Pat saiu do santuário e foi condenado por conduta desordeira. O problema surgiu novamente quando Pat se recusou a divulgar para o corpo docente os nomes de alguns de seus colegas estudantes que estavam sendo acusados de violar as regras do colégio. Ameaçado de expulsão, ele estava determinado a não se intimidar e se manteve firme até o fim. Embora ele não quisesse ceder, a faculdade decidiu não expulsá-lo [6].

 

Mas, sem notificar para Mell, Dr. Fiske escreveu ao benfeitor de Pat acusando o jovem Mell de desperdiçar dinheiro, fazendo com que o Sr. Walthour retirasse o seu apoio ao jovem estudante. Assim, Mell não conseguiu mais permanecer em Amherst. Com pouco mais de cinco dólares no bolso, em 1835, Mell andou 25 milhas até Springfield, onde ele foi capaz de garantir uma posição de ensino.

 

Os próximos quatro anos foram repletos de inquietação para Pat Mell. Mesmo assim, seu espírito dinâmico e senso de humor o guardaram do total desespero. De Springfield ele se mudou para Hartford, Connecticut, onde se tornou diretor associado na Escola East Hartford. Um ano depois, em 1837, Mell voltou para sua casa no Sul e em pouco tempo conseguiu uma diretoria na Escola Perry Mill, em Tatnall County, Geórgia. No ano seguinte, mudou-se para Montgomery County, onde lecionou na escola Ryal até que, em fevereiro de 1839, foi-lhe oferecido o cargo de diretor da Escola Oxford Clássica e de Inglês (que era uma escola preparatória para Emory College).

 

Conversão e Chamada para o Ministério

 

Embora incomodado, inquieto e sob pressão por vários anos de trabalho e luta, uma sábia providência estava assistindo o jovem. Um Deus misericordioso o segurou na palma de Sua soberana mão. Uma carta escrita em fevereiro de 1939, a Josiah Samuel Law, que o batizara oito anos antes, revela que enquanto em Oxford, as orações de sua mãe deram frutos na vida de seu filho.

 

Reverendo e Prezado Senhor:

Você tem, sem dúvida, estado acautelado por suas próprias observações, e a partir do testemunho de outros, apesar de você não ter recebido nenhuma confissão minha sobre o fato, que tenho sido há alguns anos passados descuidado no que diz respeito aos interesses da eternidade, e um apóstata da fé que eu professei. Quando eu desisti de minha esperança, eu estava ausente do Estado e o informei sobre isso, enquanto eu pensei (erroneamente, desde então fui informado), que havia somente duas maneiras, de acordo com as regras da igreja, pelas quais minha conexão com ela poderia ser dissolvida: uma por uma demissão em situação regular, se eu desejasse unir-me a outro corpo, e outra pela excomunhão. E, eu suponho que a última deve ser administrada somente quando o membro violou quaisquer das regras óbvias de moralidade, ou pelo menos segundo o que a Igreja instituiu para regular sua conduta exterior. Meu objetivo ao escrever-lhe no momento é saber se o meu nome ainda está nos livros da igreja, para que eu possa ser capaz de descobrir qual pode ser o meu dever sob as circunstâncias...

O Senhor lidou misericordiosamente comigo e teve o prazer de trazer-me das distâncias mais terríveis da incredulidade a humilhar-me aos pés da Cruz. E eu acho que posso dizer que tenho a mais firme crença de humildemente descansar em Suas promessas, que Ele, pelo amor de Cristo, perdoou todos os meus pecados. É quase mais do que posso compreender, e quando penso em quem eu sou e o que eu tenho sido e como eu brinquei com este assunto, eu fico cheio de maravilha que eu possa, possivelmente, chegar a um tal estado de espírito a ponto de crer que eu passei da morte para a vida.

Quando eu me uni à igreja, eu ignorava completamente a religião que eu professava. Isso eu digo não para limpar-me da imputação de instabilidade, nem em qualquer medida como uma desculpa, mas como um fato horrível que eu professei crer em um Deus de Quem eu não sabia nada...

Vivendo pela fé em Cristo, lançando mão de Suas promessas e confiando nEle para o seu cumprimento. Embora tenha lido muitas vezes e ouvido mais outras vezes — surpreendente como isso possa parecer-lhe, e não posso surpreendê-lo mais do que a mim mesmo agora —, eu nunca apreendi qualquer ideia como parte do plano do Evangelho e, em vez de buscar o testemunho do Espírito de Deus, que pode testemunhar ao meu espírito que eu nasci de novo, eu olhei para os meus próprios sentimentos instintivos para a prova da minha aceitação para com Deus, sentimentos sobre uma história patética, representações teatrais e harmonia de som, desde então produzidos muitas vezes. E eu estava seguro de que tudo estava certo se eu tivesse sucesso em estimular aqueles sentimentos ao levantar de minha cama pela manhã e ao deitar à noite, especialmente se eu pudesse tê-los acompanhado de algumas lágrimas. Essa, Senhor, era a minha religião. Este foi o alicerce de areia em que eu edifiquei, e não foi de se admirar que as ondas do mundo, batendo em minha casa, a derrubassem. Os confortos da religião eram para mim, apenas um nome. Eu buscava a face Deus, e não porque eu O amava, mas porque eu O temia. Eu olhava para Ele não como Alguém que podia sorrir para mim e abençoar-me também, mas como um Deus irado que me puniria por meus pecados. Renunciei ao mundo não porque eu vi a sua vaidade em comparação com as coisas eternas, mas porque eu me senti compelido por motivos de segurança; e eu sou obrigado a acreditar — embora eu não consentiria em confessar a mim mesmo na época — que se eu tivesse a garantia de que eu não tinha nada a temer quanto à justa indignação de Deus, eu nunca teria renunciado a eles e me unido ao Seu povo. Assim era o meu estado religioso quando saí de casa para a faculdade. E agora, eu fui colocado em meio a novos cenários e novos associados, a minha atenção e interesse foram absorvidos por outros assuntos. Deus e as coisas da eternidade tornaram-se cada vez menos interessantes para mim, os meus esforços para criar uma boa condição de sentimento tornaram-se cada vez menos árduos, com intervalos frequentes. Da indiferença quanto à salvação de minha alma, eu deslizei por uma corrente imperceptível a um desgosto sobre o assunto, até uma antipatia sobre ele e, finalmente, aberta e alegremente lancei fora as restrições que a minha religião impôs a mim e me enterrei no mundo. A incapacidade de obter aquela mudança de coração que a Bíblia falou, me induziu a questionar sua realidade e a acreditar que a princípio ela teve a sua existência apenas na calorosa imaginação de entusiastas, e então, que era uma fábula engenhosamente inventada por sacerdotes para enganar os símplices e perpetuar o seu poder. E, assim, a Bíblia passou a ser vista como uma impostura e o povo de Deus como enganadores e enganados, e apenas restou para eu consumar a minha incredulidade, o duvidar da existência de um Deus. Sim, com meus olhos virados para o céu, que declaram a Sua glória, e abertos sobre o belo mundo físico em torno de mim, que revela a obra de Sua mão, eu disse em meu coração, e me alegrei por poder dizer que: não há Deus. Mas, meu misericordioso Pai Celestial me perdoou deste pecado.

Quando penso nas terríveis profundezas de incredulidade em que eu lutei, fico cheio de assombro pela longanimidade e misericórdia de Deus, em que Ele, subitamente, não tenha me cortado ou tenha me dado mais dureza de coração e cegueira de espírito para acreditar em uma mentira. E, agora, todo o meu coração estava absorvido nas coisas deste mundo. Deus e a religião não eram cogitados, exceto para serem blasfemados e zombados, mas não abertamente; pois, motivos de prudência me levaram a esconder meu estado, para que eu não chocasse as mentes dos homens e, assim, foi posta uma barreira no caminho das minhas perspectivas temporais. A ambição agora tomava posse de toda a minha alma, um desejo de superar meus companheiros em estado mental — não tanto que eu fosse capaz de fazer melhor, a ponto de me poder me destacar para que todos pudessem contemplar. Isso, a saber, um desejo de tornar-me grande no mundo, fora um princípio comigo desde a minha lembrança mais remota, embora eu tivesse o bom senso de esconder isso dos meus conhecidos em geral, e muitas vezes quando eu era um pobre menino destituído até mesmo das necessidades da vida, eu poderia deliciar-me imaginado sobre um futuro de grandeza e triunfo, nas quais eu pudesse ser o ator. Estes eram apenas sonhos, é verdade, mas sonhos que expulsavam de meus pensamentos cada coisa que não ministrava a eles. E no momento em que estou falando sobre a minha mente ter se tornado tão espiritualmente obscurecida, que eu, se pudesse ter conseguido fama, realmente acredito que estaria disposto a renunciar, sem o menor pesar do coração, desde então e para sempre, a todo interesse na expiação de Cristo, cuja existência eu duvidava. Tal era o meu estado, quando há um pouco mais que um ano eu voltei para casa.

Mas, eu estendi isso a um comprimento impróprio. Resta-me relacionar tão brevemente quanto possível, os meios pelos quais os meus pensamentos foram novamente conduzidos para as coisas da eternidade. E aqui eu não tenho nenhum sinal de interposição para relacionar, nenhuma ocorrência para indicar como tendo sido fundamental para despertar-me a um senso de minha terrível condição. Mas aprouve a Deus que eu fosse colocado em uma situação onde eu pude estar frequentemente sozinho; onde, por influência de Seu Espírito Santo, Ele pôde converter meus pensamentos interiores e a voz mansa e delicada da consciência pôde ser ouvida. O mundo, também, anterior a isso, começou a assumir um aspecto mui diferente aos meus olhos. As circunstâncias que aconteciam, as quais me afetaram, e somente elas de fato, e fizeram uma profunda impressão em mim. A experiência me mostrou que o afeto de amigos, mesmo que me desejassem o bem, poderia facilmente ser perdido, e que da parte do mundo, eu tinha a mesma probabilidade de receber censura por aquilo que merecia elogios, como o contrário. Durante a minha ausência da Geórgia, o tempo não dedicado ao exercício das minhas funções fora gasto em diversões ou em companhia daqueles que eu possuía um comando ilimitado, e, assim, os pensamentos sobre a religião não tinham a oportunidade de se introduzirem sobre mim. Mas depois de meu regresso eu me envolvi em negócios, na época, muito contra o meu próprio consentimento, em uma parte do país que está muito mal resolvida, onde não havia um único jovem da minha idade com quem eu poderia me associar; adicionado a isso havia o fato de que eu não estava em condições de ocupar o meu tempo de férias com os livros. Assim, em certas horas, todos os dias, eu estive sozinho, comigo mesmo. Durante estes períodos Deus agradou-Se em estar perto de mim e de induzir uma tal linha de pensamento como a mostrar-me a vaidade das coisas terrenas, e a importância do peso das coisas da eternidade. As objeções que eu sustentava contra a existência de um Deus e sobre a autenticidade das Escrituras, agora que tinha a oportunidade de pensar com calma e sem interrupção, perderam o seu peso. Mais particularmente de modo que eu não tinha oportunidade de assinalar as inconsistências de Cristãos professos, e raramente ouvia o evangelho pregado. Nesta parte de minha experiência não há nada distinto em destaque que eu possa referir como a causa de qualquer resultado do que se seguiu. Comecei dando aulas naquele lugar confessadamente com a crença de que toda a Bíblia era uma fábula e, que mesmo se fosse verdadeira, ela nunca mais receberia a minha atenção. E os meus passos que eram imperceptíveis para mim no momento e não podiam ser rastreados, agora eram levados a renunciar a todas as minhas dúvidas e sentir que, mesmo para mim, a questão tinha um interesse. Porém, não obstante, por mais de um ano eu brinquei com o assunto. Havia aquela dúvida que eu tinha que resolver, aquele mistério para o qual eu tinha que olhar, e eu tentei me satisfazer dizendo que a religião era um assunto que eu não conseguiria entender. Então, talvez cedendo à influência do momento em que me retirava para um lugar privado e tentava orar, um porque eu não recebia uma manifestação milagrosa da presença de Deus no meu coração eu desistiria em desespero e, talvez, no momento seguinte, com um entusiasmo que poderia me surpreender, eu conseguiria unir-me com o insensato ao lançar ridículo sobre a Bíblia e sobra a Religião.

Mas, para não multiplicar as palavras. Eu continuei nesse estado terrível até cerca de três semanas atrás, quando Deus Se agradou em trazer-me como uma criança ao pé da cruz, e fui levado a rogar-Lhe que me salvasse em Seu próprio caminho. Eu sei que sou fraco e incapaz de perseverar se eu depender de mim mesmo; mas Cristo é forte e Ele me disse em Sua palavra, que a Sua graça me basta. Permita-me pedir-lhe para fazer parte de suas orações, assim como eu não tenho nenhuma dúvida de que eu já faço. Ore por mim, para que eu não mais me iluda, mas para que eu possa ser edificado sobre a Rocha Cristo Jesus [7].

 

E assim, podemos aprender a partir de sua própria pena como a graça redentora alcançou Pat Mell. A prova de que aquela mudança de coração era real veio no desejo de Pat para dar toda as suas forças ao serviço do Rei dos reis e Senhor dos senhores. Certamente as palavras de sua querida mãe ecoavam em sua mente: “Eu nunca poderei consentir que você estude para o ministério até que eu tenha alguma prova satisfatória de que seu coração foi convertido a Deus, em santa coerência e constância de caráter”. O restante da vida de Mell foi uma vívida ilustração de constância e diligência que acompanham um verdadeiro chamado para o ministério. Ao escrever ao pastor Law sobre as suas aspirações para o ministério da Palavra, Mell reconheceu: “Eu sei que eu não sou apto para o cargo; mas a preparação do coração é com Deus e Ele pode me qualificar para isso” [8]. Esta crença de que só Deus pode qualificar e capacitar um homem para o ministério do Evangelho esteve gravada profundamente no coração de Mell. Em seu primeiro discurso a uma turma de formandos (1843) na Universidade de Mercer, Mell disse:

 

Seus corações devem ser profundamente imbuídos do espírito do Evangelho. Vocês não devem apenas entender, mas sentir essas verdades; não apenas recomendá-las aos outros, mas amá-las vocês mesmos, e ademais, vocês devem pregá-las e se esforçarem em humilde dependência do auxílio do Todo-Poderoso [9].

 

Mell também cria que, para alguns homens, ele mesmo, em especial, a formação teológica formal fazia parte dos meios Divinos usados para preparar Seus ministros. Embora mais educação fosse o objetivo de Mell, Deus já estava guiando-o para um ministério e fornecendo-lhe os materiais espirituais e intelectuais necessários para fazer-lhe um homem de Deus e um pregador de grande poder.

 

No final da primavera de 1840, menos de um ano após o seu chamado, Mell começou a pregar na comunidade Oxford sob a licença de North Newport Church of Liberty County. Durante os dias de semana Mell ensinava na escola preparatória e no Dia do Senhor ele pregava em lugares carentes e em torno de Oxford.

 

Seu Pastorado e Carreira em Mercer

 

Em 1840, Mell casou-se com Lurene Howard Cooper, uma de suas ex-alunas da Academia Ryal em Montgomery County, Geórgia. Sua união de 20 anos foi abençoada com oito filhos e um amor que era visto neles tanto na adversidade quanto no sucesso.

 

Em 17 de fevereiro de 1841, tendo sido fortemente apoiado pelo ex-governador da Geórgia, George M. Troup, P. H. Mell foi eleito para ocupar a cadeira de Línguas Antigas da Universidade de Mercer, então localizada em Penfield, por volta de 35 milhas de Athens. Em outubro do mesmo ano, Mell foi ordenado ao ministério pela North Newport Church, sob a imposição das mãos de B. M. Sanders, W. H. Stokes e Otis Smith (então presidente da Universidade de Mercer). Sua ordenação foi solicitada pela Igreja Batista Greensboro que Mell pastoreou pelos dez anos seguintes. W. H. Stokes pregou o sermão de ordenação a partir do texto de 2 Timóteo 4:2: “Que pregues a palavra”. E, Mell pregou a Palavra. Um contemporâneo disse sobre Mell:

 

Como pregador Dr. Mell é forte, capaz, argumentativo e doutrinariamente são, mantendo a sua audiência fascinada pela clareza das suas afirmações e a força de seu raciocínio. Seus argumentos, fundamentados em premissas sólidas, chegam a conclusões inevitáveis. Sobre as grandes Doutrinas do Cristianismo e especialmente os (chamados) “cinco pontos” na teologia, ele é especialmente capaz. Sobre as Doutrinas distintivas de sua denominação, ele é particularmente forte e conclusivo, sempre refutando aqueles que colocam-se em oposição a ele [10].

 

Quando, um ano depois, se dirigiu à turma de graduandos de Mercer, Mell expressou sua avaliação pessoal sobre grande parte da pregação contemporânea:

 

A demanda pela pregação que animará, de uma vez, todas as faculdades da mente e do coração, é limitada, e lamento confessar que a oferta cai ainda aquém da demanda. As pessoas facilmente se satisfazem, e são conformadas, quando, semana após semana, elas ouvem os mesmos princípios iniciais da doutrina de Cristo exclamados aos seus ouvidos; e o pregador, tomando licença disso, para saciar sua indolência, continua a substituir o som pela substância, e busca criar a mesma inconstância em sua audiência [11].

 

Mas, para esses jovens pregadores, ele passou a dizer:

 

Impregnem-se, por si mesmos na mente inesgotável da verdade do Evangelho. Isso é necessário para a sua ampla e permanente utilidade, e, como ministros instruídos, vocês são obrigados a fazê-lo [12].

 

Os anos do professor Mell em Mercer foram gastos, de modo geral, em utilidade e felicidade. De acordo com o eminente Presidente John Leadley Dagg, sobre Mell, a sua “juventude, saúde e corpo vigoroso o habilitaram a ocupar o cargo de disciplinador com notável sucesso” [13]. Foi enquanto trabalhava como disciplinador da Universidade de Mercer que Mell recebeu dos alunos o apelido de “Velho Pat”. Pode-se pensar que o cargo de disciplinador em uma escola para pastores Batistas seria uma tarefa de relativa facilidade e segurança. Este não foi o caso. Em uma noite o Professor Mell foi despertado pelo barulho de estudantes universitários bêbados na rua de Penfield. Esses alunos, armados com porretes, ameaçaram bater no Professor Mell por expor previamente alguns delitos às autoridades universitárias. Assim que Mell foi capaz de ver seus rostos, ele se anunciou, chamou-os pelo nome, e ordenou-lhes que fossem para os seus quartos e que se dirigissem na manhã seguinte ao escritório do Presidente. Quando ele se virou para ir embora, um dos estudantes lançou o pesado porrete na direção da cabeça de Mell. Passando ao lado de sua cabeça, o porrete atingiu fortemente o seu ombro, paralisando temporariamente o braço de Mell. No dia seguinte, o jovem, sóbrio e percebendo o que fizera, deixou a universidade sem esperar ser expulso.


Em outra ocasião, a vida de Mell foi salva pela pólvora umedecida pela chuva, quando um estudante bêbado colocou uma pistola no peito do “Velho Pat” e puxou o gatilho três vezes. A tarefa de disciplinar não ocorria sem seus perigos. Ainda assim, Mell serviu bem nessa função.


De 1848 até algum momento em 1880, Mell, juntamente com suas responsabilidades de ensino, pastoreou duas, às vezes, três igrejas. Quando em 1857 Mell assumiu o cargo de Professor de Línguas Antigas da Universidade da Geórgia, seu contrato foi feito “com a condição de que seus deveres de professor não interferissem em suas relações com as igrejas que ele pastoreava” [14]. Em 1848, enquanto ainda estava pastoreando a Igreja Greensboro, Mell também assumiu a Bairdstown Church in Green County. Em 1852, ele foi convocado a assumir o comando da Igreja Antioch em Oglethorpe County, também. Percebendo que estas duas últimas igrejas ocupariam todo o seu tempo, ele foi obrigado a desfazer seu pastorado de dez anos em Greensboro.

 

Mell foi um pastor fiel e capaz, bem como um poderoso pregador. Um dos membros da Igreja Antioch escreve, depois vinte e seis anos de pastorado da Mell ali:

 

Fiquei impressionado que ao mesmo tempo ele era um pacificador, no melhor e mais pleno sentido do termo. Ele não procurou harmonizar discórdias, deixando alguns pontos do caso despercebidos, outros apenas suavizados ou cobertos para que fermentassem e irrompessem em toda a sua fúria; seu plano era o melhor; cada ponto em disputa era reunido aos seus próprios méritos e sobre princípio, pelo que poderia ser ajustado, e a paz e harmonia asseguradas sobre uma base sólida [15].

 

Outro disse sobre as suas habilidades pastorais,

 

Quanto à sua capacidade ministerial e utilidade, o sucesso com que seus esforços foram coroados são respostas suficientes mesmo para as críticas mais exigentes a que o seu ministério pudesse ser sujeito. Como pastor, em minha opinião, eu ainda não encontrei alguém igual. Minha relação amável e respeito por ele, no passado, foram ocasiões para a observação de que eu o admirava, e eu pensei que gostaria ter o mesmo destino que ele após a morte. Em nossos serviços memoriais, eu referia esta declaração, e comentei que meu apego por ele permanecia inabalável, pois os meus amigos consideraram que o meu desejo era ir após ele quando eu morresse, porque eu imaginava que ele estaria muito perto do Salvador, mais próximo em posição, talvez, do que eu esperava que me seria concedido [16].


Mell não era apenas um pastor, disciplinador e professor universitário, mas também um autor. Ele segurava na mão uma pena pronta, cuja tinta fluiu de 1851 até perto de sua morte. O primeiro trabalho escrito de Mell foi o seu tratado sobre a Predestinação e Perseverança dos Santos. Como visto anteriormente, Mell era um expositor capaz e um destemido defensor dos “cinco pontos da teologia”. Sra. D. B. Fitzgerlad, um membro da Igreja Antioch, relembra:

 

Quando primeiramente convocado a assumir a igreja, Dr. Mell a encontrou em um triste estado de confusão. Ele disse que certo número de membros estava caindo no Arminianismo. Ele amava muito a verdade para soprar quente e frio ao mesmo tempo. Se esta era uma igreja Batista, deveria ter doutrinas peculiares a essa denominação pregadas nela. E com aquela ousadia, clareza e vigor de discurso que o marcava, ele pregou as doutrinas da predestinação, eleição, livre graça, etc. Ele disse que sempre foi o seu empreendimento pregar a verdade como ele a encontrou na Palavra de Deus, e deixar a questão ali, sentindo que Deus tomaria conta dos resultados [17].

 

Sua razão declarada para escrever Predestinação e Perseverança dos Santos (que apareceu pela primeira vez como uma série de artigos em The Christian Index) era responder a dois sermões impressos, pelo Reverendo Russel Reneau, que foram “amplamente distribuídos através de partes da Geórgia e Tennessee, e tinham sido elogiados como uma refutação completa do Calvinismo” [18]. Mell envolveu-se neste debate escrito, porque ele acreditava que o coração do Evangelho estava em jogo. Ele não acreditava que ele estava entrando em uma discussão mística sobre alguma controvérsia antiga. Essa era muito mais uma questão de “vida”.

 

Eu tenho estado pesaroso, por alguns anos passados, por parte de alguns de nossos ministros, em algumas localidades no Sul, com a disposição de renunciar às Doutrinas da Graça, em suas ministrações públicas. Enquanto alguns tenham estado totalmente em silêncio sobre elas, e até mesmo as tenham pregado, contudo não ostensivamente, doutrinas não consistentes com elas, outros deram-lhes apenas um assentimento frio e indiferente, e alguns poucos as têm abertamente ridicularizado e denunciado. Isso, em muitos casos, resultou, sem dúvida, em uma carência de informação, e de uma apreensão, por causa disso, que as Doutrinas da Graça são sinônimas de Antinomianismo [19].

 

Que Mell não era nenhum formalista frio e que suas doutrinas não o levaram a qualquer tipo de fatalismo é visto em que aprouve ao Senhor enviar avivamento à Igreja Antioch, em 1852-1853. A partir deste avivamento, o segundo tratado de Mell fluiu, Batismo em Seu Modo e Sujeitos.

 

Esta publicação deve sua existência às seguintes circunstâncias: Durante o mês de agosto do ano passado, o Senhor abençoou a igreja Antioch, da qual eu sou o pastor, com um período de refrigério de Sua presença. Durante seu progresso, tivemos, por quase duas semanas, ocasião diária para administrar a ordenança do batismo. Como é meu costume, eu aproveitei a oportunidade oferecida para abordar as pessoas ao lado da água, sobre o assunto...

 

Dentro de uma milha de Antioch está situada a Casa de Encontro Metodista, chamada “Centre”. A próxima “Conferência Trimestral”, nomeou o mui estimável senhor Rev. Wm. J. Parks, o Presbítero Presidente, para pregar um sermão sobre o batismo... Isto nunca foi anunciado publicamente, creio eu, mas foi geralmente compreendido, que isto foi uma resposta às minhas observações ao lado da água [20].

 

Além de pregar sobre o assunto do batismo, Rev. Parks também distribuiu, no “Reino de Mell” (como a comunidade passou a ser conhecida), uma série de trabalhos sobre o batismo infantil. Como resultado, as igrejas Antioch e Bairdstown solicitaram, em uma conferência regular de negócios, que Mell publicasse seus “mui instrutivos discursos sobre o assunto do batismo”. Assim, mais uma vez vemos Mell lançado em controvérsia. Dizem-nos que o livro teve uma grande circulação e que foi fundamental para mudar vários Pedobatistas à fé e crença da denominação Batista [21].

 

Enquanto Mell nunca se desviou um centímetro da defesa da verdade, ele era muito cortês, no entanto, em relação àqueles que divergiam dele. A Escritura diz: “E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor; instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade” (2 Timóteo 2:24-25).

 

Que este foi o caso com o Pastor Mell é visto a partir da seguinte descrição, por seu filho: 

 

Entre os que estavam sentados sob o seu ministério por dez, vinte e vinte e cinco anos haviam pessoas de outras denominações que eram tão calorosas e amigáveis como qualquer outro que ele tinha. Alguns irmãos metodistas participavam em todas as reuniões e conferências tão regularmente como aqueles de suas próprias ovelhas, e eram uma fonte de grande deleite para ele. Eles podiam balançar a cabeça com o que chamaram de “doutrina difícil”, mas eles poderiam apertar a mão dele mui cordialmente ao final do sermão e eles solicitavam um compartilhamento de suas visitas, tanto como faziam os membros de seu próprio rebanho [22].

 

Paulo e Barnabé em Mercer?

 

Os próximos anos seguintes a 1854 foram tumultuados para Mell, a Universidade Mercer e os Batistas da Geórgia. Em fevereiro de 1854, John Leadly Dagg deixou vir a público que ele pensou que havia chegado o momento em que ele seria liberado da presidência da Mercer. A oposição a este curso surgiu principalmente devido à apreensão sobre a dificuldade que surgiria na escolha de um sucessor [23]. A turbulência surgiu quase profeticamente. Uma declaração proposta sobre a devida razão da resignação de Dagg foi a sua “falta de força”. Dagg imediatamente registrou seu protesto a esta declaração imprecisa [24]. Mell, crendo que o motivo alegado para a demissão de Dagg faria “grande injustiça a um oficial capaz e fiel”, redigiu uma petição assinada por todos os professores (com exceção do Dr. N. M. Crawford, Professor de Teologia) pedindo que Dagg não fosse aposentado por conta de “falta de força”. No entanto, o Conselho de Curadores recebeu a renúncia de Dr. Dagg e logo depois elegeu o Professor Crawford para o cargo de Presidente.

 

Logo emergiram entre o Professor Mell e o Presidente Crawford uma diferença de opinião a respeito dos deveres pertencentes a cada um, o que resultou em afastamento, e suas resignações foram oferecidas ao Conselho [25].

 

O fim último desta triste disputa foi semelhante àquela que aconteceu entre Paulo e Barnabé, e resultou na ruptura entre ambos. Dr. Crawford foi reintegrado pela Diretoria; os Professores Mell, Dagg e Hillyer renunciaram; as coisas não começaram a se resolver até que chegou o ano de 1856. Há muito que pode ser dito sobre essa polêmica e muita coisa deve ser considerada conjecturas [26]. É suficiente dizer que o caráter de ninguém foi criticado durante a tempestade, especialmente o de Mell. No calor da batalha, o Professor Mell foi eleito moderador da Associação Batista da Geórgia e foi lhe oferecida a presidência do Mississippi College, a reitoria do Instituto Feminino Alabama, e foi convocado para exercer o pastorado da Primeira Igreja Batista de Savannah; destes, ele aceitou apenas o primeiro.

 

Depois de sua demissão como professor de Línguas Antigas da Mercer, os estudantes da Universidade ofereceram a seguinte homenagem ao seu amado professor.

 

Em uma reunião de vinte e nove estudantes da Universidade de Mercer, em Cicernian Hall, na quinta-feira à noite, dia 29 de novembro, as seguintes deliberações foram aprovadas por unanimidade:

CONSIDERANDO a relação agradável que Rev. P. H. ??Mell tem até agora sustentado com os estudantes da Universidade de Mercer, como professor de Línguas Antigas, sem mais delongas,

Resolvemos, que em sua aposentadoria, ele levará consigo os nossos melhores anelos para a sua felicidade futura e o desejo ardente de que em qualquer esfera que sua porção seja lançada, seu trabalho seja recompensado com o mesmo sucesso eminente que o acompanhou durante o seu vínculo com a Universidade Mercer.

Resolvemos, que, como um testemunho da alta estima e admiração que nós entretemos em relação a ele, tanto como homem quanto Professor laborioso e competente, nós lhe oferecemos um Bastão com a Ponta de Ouro, carregando a inscrição: Prof. P. H. Mell, dos estudantes da Universidade de Mercer.

Resolvemos, que os procedimentos acima devem ser publicados no Temperance Banner, Christian Index, e Tennessee Baptist.

 

A comoção foi feita, e prevaleceu por unanimidade, de forma que o encontro, no posterior sábado à noite, resolveu-se em uma Comissão como um todo, e em massa, fizeram a apresentação conforme a devida formalidade na residência privada de P. H. Mell [27].

 

Na Universidade da Geórgia

 

Enquanto as águas tumultuosas foram acalmadas, um ano se passou. Um pouco ferido pela batalha e certamente mui cansado, Mell foi eleito pelo Conselho de Administração para a cadeira de Línguas Antigas da Universidade da Geórgia, em 11 de dezembro de 1856. Ele ocupou este cargo até 1860, quando ele foi eleito para a cadeira de Ética e Metafísica e feito vice-Reitor da Universidade. Nesse ínterim, Mell foi eleito presidente da Convenção Batista da Geórgia, uma posição que ocupou por um total de 24 anos. Além disso, a Universidade Furman conferiu-lhe o grau de Doutor em Divindade em 1858. Tudo parecia tranquilo neste espaço de três anos, mas em 1860, Mell foi novamente empurrado para a batalha.

 

A publicação do seu terceiro grande tratado, Disciplina Eclesiástica Corretiva, despertou a ira de um número crescente de Landmarkistas na Convenção Batista do Sul. De acordo com seu filho, Mell foi solicitado por um número de líderes Batistas a “preparar uma obra sobre o tema [da disciplina na igreja] que pudesse dar uma concepção clara da relação existente entre as igrejas e a condição dos membros da igreja” [28]. Primeiramente publicado pela primeira vez como uma série de artigos nos principais jornais Batistas daquela época, Disciplina Eclesiástica Corretiva foi publicado posteriormente em forma de livro pela Southern Baptist Publication Society, em 1860. Embora não haja nada de esplêndido no tratado em si, que poderia levar a pensar que era uma polêmica contra o Landmarkismo e especialmente contra o tratamento recebido por R. B. C. Howell, da Primeira Igreja Batista de Nashville, ainda assim, sendo publicado logo após o problema de Nashville, todos sabiam o alvo em que Mell mirava. A publicação dos artigos de Mell iniciaram um debate jornalístico em quase todos os documentos confessionais do Sul. O Professor A. H. Worrell de Talladega, Alabama, publicou uma série de artigos intitulados “Revisão de Disciplina Eclesiástica Corretiva”, que procurou responder aos argumentos de Mell a partir de uma posição Landmarkista e somente acendeu as chamas da controvérsia. Embora alguns autores, como os homens caídos frequentemente costumam fazer, envolvem-se em assassinato de caráter, Mell permaneceu cortês e tentou sempre dirigir-se à questão, não à personalidade do autor.

 

Quando um escritor tentou defender a posição Landmarkista tomando verso após verso de seu contexto bíblico, a única resposta de Mell foi:

 

Eu vejo que o meu irmão atacou minha última posição e citou certa Escritura para sustentar o seu ponto de vista. Agora pelo curso de raciocínio de meu querido irmão, eu posso provar algo a partir da Bíblia. Posso provar que o irmão deveria se enforcar. A Bíblia não diz “[Judas Iscariotes] retirou-se e foi-se enforcar”? (Mateus 27:5), e ela também não diz: “Vai, e faze da mesma maneira”? (Lucas 10:37); “O que fazes, faze-o depressa” (João 13:27) [29].

 

Assim, Mell foi um acérrimo defensor dos princípios Batistas e nunca deixou passar a oportunidade de falar a verdade em amor contra o erro. Ele tinha um grande senso do absurdo e ele manteve uma poderosa capacidade de usar a arma de sarcasmo para defender sua posição. A nitidez das armas do sarcasmo e da réplica rápida começaram ainda em seus primeiros anos. Como um jovem garoto, ele conheceu maltrato de seus vizinhos, em um caminho estreito em que um rapaz não permitia que Mell passasse. Ocupando a caminho, o agressor disse: “Eu nunca dei lugar a um tolo”. Mell simplesmente se afastou e respondeu, “eu dei” [30].

 

No ano seguinte à publicação Disciplina Eclesiástica Corretiva, a Guerra Civil estourou. Sendo um forte simpatizante com o Sul, Mell foi um dos primeiros a oferecer seus serviços para a defesa de sua terra natal. Na abertura da guerra uma companhia de guerreiros foi organizada, chamada de “Voluntários de Mell” (mais tarde, “Fuzileiros de Mell”). Enquanto os preparativos estavam sendo feitos para enviar os fuzileiros para a dianteira da batalha na Virgínia, a esposa de Mell morreu, forçando-o a renunciar a sua comissão. Não somente Mell perdeu sua esposa, mas também em 1862, em Antietam, na batalha mais sangrenta da guerra, Mell perdeu seu filho mais velho, Benjamin. A correspondência entre Mell e a família que assistiu seu filho antes de sua morte é muito comovente.

 

Mell casou-se em 24 de dezembro de 1861, com Eliza E. Cooper, de Scriven County, Geórgia, e foi pai de seis filhos. Em 1862, Observância do Sabath, foi publicado como um panfleto para ser distribuído entre os soldados.

 

Em 1863, duas posições muito importantes foram concedidas a Mell. Primeiro, ele foi eleito o coronel de milícias por parte dos cidadãos de Athens, Geórgia, com o objetivo de defender a parte norte do estado da invasão. Uma parte do comitê dos cidadãos de Athens, ao saber que Mell estava sendo considerado para a posição disse: “Ora, ele não sabe nada sobre assuntos militares”. A que outro membro respondeu: “Eu não me importo com isso, eu sou por Mell de qualquer maneira. Pois, um homem que pode administrar quatrocentos Batistas pode fazer qualquer coisa” [31]. O segundo acontecimento na vida de Mell foi sua eleição em 1863 para a presidência de uma denominação que ele ajudou a construir, a Convenção Batista do Sul. Mell, que reuniu-se com outros em Augusta, em 1845, ocupou a presidência da Convenção Batista do Sul por 17 anos. De 1863 a 1886, com exceção de oito anos de ausência por causa de enfermidade, Mell presidiu a convenção [32].

 

Em janeiro de 1866, com as cicatrizes da guerra gravadas em seu coração, Mell retomou as suas funções na Universidade da Geórgia. Embora não haja espaço aqui para relembrar suas conquistas, tenha certeza, Mell estava convencido de que não poderia haver separação entre o sagrado e o secular para o Cristão. Seus labores na Universidade foram realizados tão diligentemente para o Senhor como o labor que ele assumiu como pastor e líder Batista do Sul.

 

O Príncipe dos Parlamentares

 

Na Convenção Batista do Sul de 1867, reunida em Memphis, Tennessee, Mell foi solicitado (por uma resolução feita por J. P. Boyce) para elaborar um manual de prática parlamentar para o uso da denominação. Um ano depois, um Manual de Boas Práticas Parlamentares foi publicado e adotado pela CBS. Tão generalizada foi a aceitação desta obra, que muitos corpos legislativos adotaram o Manual de Mell, inclusive o poder legislativo da Geórgia. Como parlamentar e oficial Presidente do Tribunal, Mell se destacou, tanto que ele assumiu o título de “Príncipe dos Parlamentares”. Em Direito Parlamentar, um texto designado para as classes de autores no Seminário do Sul, F. H. Kerfoot reconhece:

 

Durante os primeiros dez anos que o autor ensinou esta matéria, usou como seu livro o manual de Práticas Parlamentares, pelo Presidente P. H. Mell. Ele é, em muitos aspectos, um excelente livro. E pode muito bem ser suposto que o uso dele durante tantos anos deve ter deixado sua impressão sobre o professor, e, portanto, sobre as páginas seguintes também [33].

 

Um visitante na Convenção Batista do Sul de 1866, comentou sobre as habilidades de Mell como parlamentar:

 

Pensamos que o Dr. Mell é o melhor oficial presidente que já vimos; e ouvimos muitos presentes na Convenção expressarem a mesma opinião. Ele entende perfeitamente os deveres do cargo, e age com aquela deliberação, rapidez e firmeza, mas com gentileza; ele segurava em verificação qualquer um que fosse indisciplinado, e permitia que o membro mais humilde e mais modesto da Convenção ganhasse a atenção do corpo. Nenhuma pressão dos negócios, ou emoção incidia quanto a tais reuniões, quando as perguntas inesperadas surgiam, poderiam, por um momento, desconcertá-lo. Ele impressionou a todos com a sua peculiar aptidão para o cargo que tão graciosamente ocupou [34].

 

O carisma pessoal de Mell como presidente e oficial ao presidir, foi visto quando:

 

Em uma certa reunião da Convenção Batista do Sul, Dr. Mell chamou um irmão para presidir o corpo devido a sua ausência temporária. Os negócios prosseguiram corretamente até que alguém fez um movimento que fez muitos levantarem-se, todos clamando pelo reconhecimento da cadeira. O Presidente irremediavelmente bateu na mesa por ordem, ordem, mas não havia nenhuma ordem. Dr. Mell foi enviado por alguém que reconheceu a importância de um homem calmo na cadeira. Ele voltou e tranquilamente assumiu a liderança da cadeira. Ele bateu levemente o martelo na mesa, e de imediato, como que por mágica, a desordem cessou, grupos de membros que formavam toda a casa e estavam conversando animadamente e em voz alta, dispersaram-se e sentaram-se, e o grande corpo se movia de forma suave e ordenada em seu empreendimento, como se fossem alguma grande porção de máquinas sob o controle de seu dono [35].


Talvez tenha sido esta grande popularidade como um parlamentar que tanto ofuscou seus dons e habilidades como pastor e teólogo, o que mais tem impedido de Mell ser conhecido em nossos dias.

 

O Ataque Nervoso de Mell

 

Os anos entre 1871 e 1873 foram muito problemáticos para Mell. O peso das igrejas sobre ele, os deveres da Universidade, as responsabilidades denominacionais, sua pena prolífica, tudo isso contribuiu para o que se tornou conhecido como o “ataque nervoso” de Mell. Em agosto de 1871, enquanto pregava em Bairdstown, Mell foi apreendido por um ataque que o deixou prostrado e quase acabou com sua vida. Por mais de um ano, ele foi incapaz de fazer qualquer trabalho ativo. Talvez isso foi um exemplo do que hoje chamamos de burnout ministerial. Muitas vezes Mell foi ouvido dizer: “Deixe-me desgastar, não enferrujar”.

 

Juntamente com todas as suas responsabilidades e deveres, não foi também seu grande fardo pelas almas dos homens que o levaram ao seu ataque? Vários dias antes de seu ataque debilitante, Mell estava no púlpito da igreja Antioch e pediu:

 

“Devo eu, deixá-los, como eu vos encontrei, fora de Cristo? Devem todos os meus argumentos, minhas súplicas, minhas orações, serem apenas tantas mós amarradas aos seus pescoços para arrastá-los para baixo rumo à perdição? Minhas palavras são claras. Já vos alertei sobre a justa indignação de Deus. Tenho vos cortejado com a doçura do amor de Cristo”. Levantando os olhos, solenemente, ele disse: “Deus é minha testemunha, não me esquivei de vos anunciar todo o conselho de Deus, mas, oh, como posso deixá-los. Para muitos de vocês, eu sinto, será apenas um pouco de tempo, até que tenhamos uma doce conversa em um mundo melhor, mas para vocês que têm resistido à força do Evangelho por tanto tempo, deverei permanecer em juízo contra vocês?” [36].

 

Embora impressionado, pensando que o momento de sua própria morte estivesse próximo, Mell foi aliviado pela sua utilidade futura. Depois de sofrer por quase um ano, o médico de Mell prescreveu um cruzeiro. Após seu retorno, e com mais um ano de descanso, em 1874, Mell retomou seus labores na Universidade de Geórgia e ambas as igrejas, com ainda mais vigor do que antes.

 

Talvez essa experiência “atrás do deserto” proporcionou a Mell mais tempo para a oração e meditação, pois em 1876 a sua Doutrina da Oração foi publicada. Dois anos depois, Mell foi eleito Chanceller da Universidade, cargo que ocupou até sua morte em 1888. Sob a sua liderança, os administradores estabeleceram colégios filiais em várias cidades da Geórgia, a fundação de uma escola de tecnologia (agora Georgia Tech) foi aprovada, e uma estação experimental agrícola foi estabelecida. Um contemporâneo disse sobre a obra de Mell na Universidade:

 

A administração do chanceler Mell foi uma década de prosperidade para a Universidade. Ele trouxe para o ofício a longa experiência como professor universitário, fortes convicções do dever e da política de boa gestão, e a confiança da poderosa denominação a que pertencia [37].

 

Ao todo, Dr. Mell serviu na Universidade da Geórgia por 22 anos; na presidência da Convenção Batista do Sul por 17 anos, e na Convenção Batista da Geórgia por 24 anos. Seu ministério incluiu muitas igrejas e agências a mencionar, e suas obras escritas circularam amplamente na segunda metade do século XIX.

 

Doença e Morte

 

Em 12 de dezembro de 1887, Mell pregou o seu último sermão. Ele falou sobre a doutrina da eleição, a partir de 2 Tessalonicenses 2:13. No décimo quinto dia do mês, ele foi forçado a deixar de lado todos os seus deveres e buscar descanso, na parte sul da Geórgia. Neste dia, ele escreveu ao seu filho:

 

Minha saúde está ruim. Eu me gastei pelo meu excesso de trabalho. Meu médico me ordena o recesso. Muitos dos curadores exortam-me a descansar durante um mês; mas eu não posso fazê-lo, os meus colegas já estão sobrecarregados, e minhas aulas poderiam ser prejudicadas. Não há descanso para mim, senão na sepultura [38].

 

No dia vinte e seis de janeiro de 1988, Patrick Hues Mell encontrou seu descanso eterno nos braços de Seu amado Pai Celestial. Três dias antes de sua morte, ele foi ouvido dizer: “Tenho sido um maravilhoso filho da Providência, se não for da graça” [39]. Seu filho lembrou das últimas horas de Dr. Mell:

 

Em intervalos, ele dizia: “Eu entrego a minha alma para Deus em Cristo Jesus — a Deus seja a glória”. “Uma vez que eu estive morto, mas agora estou vivo. No outro mundo eu sou totalmente compreendido e plenamente apreciado — totalmente compreendido e plenamente apreciado”. Ele proferiu estas palavras exatamente como escritas — repetindo a última parte da sentença. Parecia que aqueles que o assistiam foram autorizados a penetrar o véu que paira entre este e o outro mundo, e que ele realmente viu o sorriso compreensivo e de aprovação no rosto de seu amado Mestre.

Pouco antes de sua última respiração, ele disse: “Quase em casa?”. E fez um esforço para dizer algo mais, porém não conseguiu. Em seguida, ele tentou cruzar os braços sobre o peito e morreu tranquilamente — adormeceu nos braços de Jesus, por Quem ele havia combatido uma luta valorosa, e no final de longos anos de vida útil foi levado para o seu galardão [40].

 

 

 


[1] P. H. Mell, Jr., A Vida de Patrick Hues Mell (Louisville, KY: Baptist Book Concern, 1895), 8.

[2] Ibid., 10.

[3] Ibid., 12.

[4] Ibid., 13.

[5] Ibid., 15.

[6] Spencer B. King, Jr., “Patrick Hues Mell: Pregador, Pedagogo e Parlamentar”, História e Herança Batista 5 (Outubro de 1970): 187.

[7] P. H. Mell, Jr., A Vida de Mell, 33-39.

[8] Ibid., 41.

[9] P. H. Mell, “Discurso do Professor Mell, Pregado à Classe de Graduação do Último Dia de Formatura,” The Christian Index, 18 de agosto de 1843, 515.

[10] Samuel Boykin, História da Denominação Batista na Geórgia (Atlanta: The Christian Index, 1881), 382.

[11] “Discurso à Classe de Graduação”, 516.

[12] Ibid.

[13] A Vida de Mell, 48.

[14] Robert Preston Brooks, A Universidade da Geórgia (Athens, GA: The University of Georgia Press, 1956), 69.

[15] A Vida de Mell, 55.

[16] Ibid., 56-57.

[17] Ibid., 58-59.

[18] P. H. Mell, Predestinação e Perseverança dos Santos (Charleston, SC: Southern Baptist Publication Society, 1851; ed. reimp. Forth Worth, TX: The Wicket Gate, 1983), III.

[19] Ibid., IV.

[20] P. H. Mell, Batismo em Seu Modo e Sujeitos (Charleston, SC: Southern Baptist Publication Society, 1853), V.

[21] A Vida de Mell, de 56 anos.

[22] Ibid., 59.

[23] John L. Dagg, “Autobiografia” no Manual de Teologia e Ordem da Igreja (Harrisonburg, VA: Gano Books, 1982, ed. reimp.). 49.

[24] B. O. Ragsdale, História dos Batistas da Geórgia, Volume 1 (Atlanta, GA: O Comitê Executivo da Convenção Batista do Estado da Geórgia, 1932), 1:102.

[25] A Vida de Mell, 77.

[26] Para o cenário completo veja Ragsdale, História dos Batistas da Geórgia, 1:101-117 e Mell, A Vida de Mell, 76-102.

[27] The Christian Index, vol. 34, 13 de dezembro de 1855.

[28] A Vida de Mell, 109.

[29] Ibid., 114.

[30] King, “Pregador, Pedagogo e Parlamentar”, 191.

[31] A Vida de Mell, 144.

[32] É interessante notar que nos anos de ausência de Mell como presidente, J. P. Boyce presidiu a denominação, e também, no ano da morte de Mell, em 1888, Boyce atuou como presidente da CBS.

[33] F. H. Kerfoot, Direito Parlamentar (Nashville, TN: Broadman Press, 1899), VI.

[34] A Vida de Mell, 153-54.

[35] Ibid., 159.

[36] Ibid., 179.

[37] Robert Preston Brooks, A Universidade da Geórgia, 79.

[38] A Vida de Mell, 249.

[39] Ibid., 249.

[40] Ibid., 251.
 

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: