Textos

Pregando Para a Mente e o Coração, Um Equilíbrio Bíblico, por Tom Lyon

[Carta Circular da ARBCA • 2002]

 

“Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues.” (Romanos 6:17)

 

Este é um texto muito sugestivo, o qual o Dr. Lloyd-Jones chamou de “um dos grandes versos admiráveis e notórios na Bíblia”. Considere o seguinte:

 

Em primeiro lugar, Deus recebe ações de graças por toda a descrição complexa. Por que? Porque não há mais ninguém para agradecer! O que eles haviam se tornado é atribuído à ação de Deus somente. A ação de nenhum homem ou algum sinergismo de coração é tido em consideração. Agradecer a qualquer outro, ou a nós mesmos, em qualquer ponto, seria inconcebível.

 

Em segundo lugar, uma mudança de tempo verbal (do imperfeito para aoristo) é notada. O que eles eram habitualmente no passado tinha sido abruptamente alterado — a mente e o coração. A conversão não é uma mudança gradual.

 

Em terceiro lugar, a voz do verbo na última frase (mal traduzida na KJV [e na ACF que estamos usando] — N. do R.) é passivo. Esta forma de doutrina que havia invadido seus corações não foi entregue a eles; Paulo afirma que eles é que foram entregues a ela. Assim, cada frase é cuidadosamente construída para atribuir todo o processo complexo da conversão à graça soberana.

 

Em quarto lugar, para Paulo, a doutrina não era considerada sem forma. Nem a mente nem o coração pode ser movido à obediência por uma coleção aleatória de fatos desconexos sem nenhuma forma perceptível. Afirmações inexpressivas e sem estrutura evidentemente não alcançam a mente, e não tendo chegado ali, não podem penetrar no coração.

 

Em quinto lugar, a grande mudança aqui efetuada foi composta por dois movimentos: um da cabeça e o outro do coração. A obediência, a afirmação verbal principal do texto, procede destas duas faculdades. Um foco seletivo ou aleatório subverte o retrato bíblico da conversão que envolve plenamente o homem todo: mente, coração e vontade.

 

O suficiente para o sentido geral do texto. Disciplina teológica exige mais do que discriminar os elementos da verdade; as verdades devem ser pesadas em suas relativas proporções e tensões. Embora seja admitido que a obediência envolve tanto a cabeça como o coração, nem todos concordam sobre a importância relativa atribuída a ambos, mente e coração. O consenso moderno não tem ocultado sua polarização. Tomemos, por exemplo:

 

1) A política de Roma na qual a mente está resignada à supervisão e custódia da “igreja”.

 

2) O Pietismo no qual há a dependência da “luz interior”.

 

3) O Liberalismo que deriva seu sentido do “encontro existencial”.

 

4) A preocupação do Neopentecostalismo com a excitação emotiva.

 

5) A suspeita paranoica do Fundamentalismo de que o Modernismo foi uma doença contraída na academia.

 

6) A impaciência geral do Evangelicalismo com toda e qualquer complexidade.

 

7) A fobia Reformada (?) do “orgulho acadêmico” e de uma “divindade escrita em tinta”.

 

As palavras de Ezequiel Hopkins (escritas há 300 anos) de fato, nos soam surpreendentes hoje:

 

Nossa época está repleta de Cristãos especulativos, cuja religião é como o raquitismo, que fazem suas cabeças crescerem, mas estreitam no coração; cujos cérebros são reabastecidos com noções, mas seus corações estreitados em relação a Deus; e suas vidas e ações são sombrias e deformadas, como se a sua luz os houvesse apenas bronzeado e descolorido.

 

É evidente que a cena mudou. Poucos atualmente ousam acusar a religião moderna de ser muito cerebral.

 

Quão rapidamente o coração de uma geração torna-se a dor de cabeça da próxima! Quando uma vez a mente é retratada como um lago estagnado dos fatos, o coração é logo elogiado por suas travessuras rasas. Alguém não tem que olhar muito longe para avaliar os escassos retornos de tal filosofia. Em um mundo tecnológico, a Religião tem recuado em meio à névoa de idealismo romântico.


A depreciação atual da mente na Religião avançou por causa de quatro falsas afirmações:

 

1. Definição Falsa:

 

Ninguém negaria ao coração a sua devida honra. A obediência da qual Paulo fala foi atribuída à sua origem, ou seja, a partir “do coração” (“ex animo”). Mas esta certamente não foi uma mera resposta emotiva ou mística divorciada da atividade cognitiva. Embora de coração, esta ainda era obediência, e obediência requer um padrão objetivo, uma forma de doutrina.

 

Reduzir o coração ao domínio do subjetivo, em oposição ao objetivo, ao sentir em vez do pensar, é algo estranho ao uso bíblico.

 

Sentimentos vêm e sentimentos vão,
E sentimentos são enganosos,
Nossa garantia é a Palavra de Deus,
Em nada mais vale a pena acreditar. — John Flavel

 

Animação vazia, de modo algum, faz parte da primeira criação ou da nova criação.

 

2. Compartimentalização Falsa (um ou outro):

 

A moderna desconfiança suspeita em relação à piedade acadêmica tem concordado de que uma escolha deve ser feita. Quando se falha em apreciar a obra interna da mente e do coração, uma falsa opção é entretida. No exercício dessa opção, o coração é tomado como o ponto mais direto e imediato de entrada. Seu lema é “ser aquecido e cheio”, contudo, tentam aquecer as afeições sem encher a mente. Isto resulta em falha.

 

Esquece-se que o primeiro pecado foi apenas isso: a busca da experiência, apartar-se da revelação. “[Satanás]... distingue entre teologia e religião, calorosamente defendendo esta última, a fim de induzir os homens a abandonar a primeira” (Horatius Bonar).

 

A verdadeira religião é mais do que noção,
Algo precisa ser conhecido e sentido. — Joseph Hart

 

3. Oposição Falsa:

 

Demasiadas vezes a falta de devoção sincera é atribuída à precisão doutrinária. O fervor, alega-se, foi perdido por causa da forma. Paulo não teria nenhuma simpatia com essa proposta. Admitimos, informação sem afeição é algo estéril. Mas afeição sem informação é algo irracional! A noção de que os homens podem negar com a cabeça o que eles afirmam no fundo do seu coração é um absurdo não experienciado, e de fato aplaudido pela religião de hoje. O fervor não é perdido, mas encontrado, na forma.

 

Assim como o movimento Puritano do qual eles surgiram, os Batistas Calvinistas (os quais moldaram a nossa Confissão) estiveram completamente cientes do fato de que as brasas da ortodoxia são sempre necessárias para o fogo da espiritualidade. Onde a doutrina ortodoxa é considerada sem importância, o fogo da Piedade Cristã, inevitavelmente, se apagará (Michael Haykin).

 

4. Falsa Priorização:

 

Para a verdadeira Religião existir, a mente e o coração devem estar engajados. Questionar isto é discutir com Paulo. A questão, porém permanece: esta é apenas uma questão de presença e equilíbrio, ou, há uma prioridade lógica? Para ser mais claro, qual deve vir em primeiro lugar? J. I. Packer lista o primeiro axioma dos Puritanos como tendo sido “...a primazia do intelecto. Foi uma máxima Puritana que ‘toda a graça é comunicada pela compreensão’... Segue-se que o primeiro dever de todo homem em relação à Palavra de Deus é compreendê-la; e o primeiro dever de todo pregador é explicá-la. A única forma do coração ser autorizado a funcionar é através da cabeça. Assim, o ministro que não faz de seu principal objetivo ensinar a Palavra de Deus, não fez o seu trabalho, e o sermão que, qualquer que seja, não é uma exposição didática da Escritura não é digno desse nome”.

 

O velho ditado que diz: “O caminho para o coração de um homem é através de seu estômago”, talvez seja verdade. Mas em um nível mais profundo, é muito mais importante afirmar que o caminho para o coração de um homem é através de sua mente. A falta de conteúdo na pregação moderna, embora vise o coração, encontra esta inadequação. Não somente a substância está ausente; ela falhou processualmente. Estas pregações foram feitas para a polaridade da personalidade humana. Não admira que não funcione! Esta metodologia retrógrada não pode ter nem efeito para a conversão e nem para sustentar uma vida convertida.

 

Os Puritanos amaram e adoraram a Deus com suas mentes. Eles viam a mente como o palácio de fé... Os Puritanos pregavam que uma mente fraca não é algo do qual honrar-se. Eles entenderam que um Cristianismo desprovido de conhecimento promoverá um Cristianismo fraco. Um Evangelho anti-intelectual gerará um Evangelho irrelevante que não irá além das “necessidades sentidas”. Isso é o que está acontecendo em nossas igrejas hoje. Perdemos nossa mente Cristã, e em sua maior parte, não vemos a necessidade de recuperá-la (Joel Beeke).

 

Permita-me oferecer uma ilustração pessoal. Ao longo da maior parte da minha vida eu tenho sido fascinado pela astronomia. Confesso ser mais intrigado com a óptica do que com a observação, mas eu gosto de ouvir meus amigos exclamarem: oh e ah, à medida que veem os anéis de Saturno, pela primeira vez. Suas afeições estão envolvidas. Mas noto poucos pararem para perguntar sobre o índice de refração da extrabaixa dispersão do vidro ou o potencial apocromático do cristal fluorita. Eu entendo.

 

Observo também mais perda do interesse assim que eu aponto para alguma “nebulosa” no limiar da visibilidade. Um verdadeiro mimo para mim, mas não o suficiente para interessar uma audiência em uma noite fria. Eles recuam. Não há Saturnos suficientes para cativá-los.

 

Nenhuma quantidade de deleites existenciais (ou celestiais) capturarão o coração por muito tempo sem uma apreciação intelectual pelo assunto. O primeiro pode induzi-los a aventurar-se durante a noite, mas apenas este último irá mantê-los ali. Afeição sem conhecimento em breve se degenerará em um sentimentalismo frio que não tem poder permanente.

 

Tudo isso que foi dito não é para menosprezar a necessidade da Religião cordial. De modo nenhum! A Fé Reformada é mal representada como um arranjo indiferente de opiniões, por mais profundos que estes arranjos possam ser.

 

Spurgeon fala de uma classe de homens que “...tem credo, mas não credibilidade... Estou farto desses clamores de: a verdade, a verdade, a verdade, vindo das bocas de homens de vidas podres e temperamentos profanos. Há uma ortodoxa, bem como uma estrada heterodoxa para o Inferno, e o Diabo sabe como lidar com os Calvinistas, tanto como os Arminianos”.

 

Sim, deve haver uma agitação das afeições. Somente estou insistido que o coração nunca é atingido quando visamos diretamente a ele.

 

Considere o próprio procedimento de nosso Senhor (Lucas 24:25-32). Homens admitiram de bom grado, que seus corações ardiam dentro deles (v. 32), mas a sua lentidão do coração (v. 25) foi corrigida por um investimento mental consistente e sistemático (v. 27). Aquele que governa o coração ainda faz uma pausa para aquecer suas mentes antes de acender as suas afeições.


O reverso opera bem. Onde Deus Se digna a congelar o coração, Ele primeiro esfria mente (Isaías 6:9-10).


J. C. Ryle foi descrito por seu sucessor como “um homem de granito com o coração de uma criança”. Um elogio que refletiu uma personalidade moldada por uma forma ter se estabelecido em seu coração. Paulo concorda, igualmente refutando tanto a religião anti-intelectualista quando a desprovida de coração. Para Paulo, a obra de Deus nas almas dos homens leva os homens a pensarem, e através do pensamento, eles são movidos.

 

Nada amolece o coração duro como concreto, “mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues”.

 

Tom Lyon.

Providence Reformed Baptist Church

University Place, Washington

Inverno de 2002.

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: