Textos

 
<  1  2  

Evangelismo Moderno, por A. W. Pink

 

A maioria do chamado evangelismo dos nossos dias é uma tristeza para os Cristãos genuínos, pois eles sentem que ele não tem qualquer garantia escriturística, que está desonrando a Deus, e que ele está enchendo as igrejas com professos vazios. Eles estão chocados que tão espumosa superficialidade, excitação carnal e sedução mundana estejam associadas com o santo nome do Senhor Jesus Cristo. Eles lamentam o barateamento do Evangelho, a sedução de almas incautas, e a carnalização e comercialização do que é para eles inefavelmente sagrado. Requer pouco discernimento espiritual perceber que as atividades evangelísticas da cristandade durante o último século têm constantemente deteriorado de mal a pior, mas poucos parecem perceber a raiz de onde este mal surgiu. Agora, será nosso esforço expô-la. Seu objetivo foi errado e, portanto, o seu fruto é defeituoso.

 

O grande projeto de Deus, do qual Ele nunca Se desviou e nunca Se desviará, é glorificar a Si mesmo — manifestar diante de Suas criaturas que Ele é um Ser infinitamente glorioso. Esse é o grande objetivo e ao final Ele terá em tudo aquilo que Ele faz e diz. Para isso Ele sofreu que o pecado entrasse no mundo. Para isso foi Sua vontade que Seu Filho amado Se tornasse carne, rendesse perfeita obediência à Lei Divina, sofresse e morresse. Para isso Ele agora está tomando para fora do mundo um povo para Si mesmo, um povo que deve mostrar eternamente os Seus louvores. Para isso tudo é ordenado por Seu lidar providencial. A isso tudo na terra está agora sendo dirigido, e realmente executará o mesmo. Nada mais do que isso é o que regula a Deus em todas as Suas atuações: “Porque dele, e por dele, e para ele são todas as coisas, glória, pois a ele para sempre. Amém” (Romanos 11:36).
 

Veja mais

Diretrizes Para A Leitura De Livros Cristãos, por Richard Baxter

 

[A presente tradução consiste somente no Capítulo Directions for Reading Christian Books da obra Christian Directory (1673)]

 

Porque Deus fez dos excelentes santos escritos de Seus servos, a benção singular desta terra e época; e muitos podem ter um bom livro, mesmo a qualquer dia ou hora da semana, que não tenham, em absoluto, um bom pregador; eu aconselho os servos de Deus a serem gratos por tão grande misericórdia; e que façam uso disso, e leiam muito. A leitura, para a maioria, conduz mais ao conhecimento do que o ouvir, porque vocês podem escolher que assuntos e mais excelentes tratados lhe agradarem; e podem estar frequentemente nisso, e podem ler uma e outra vez o que esquecerem, e podem utilizar o tempo, enquanto prosseguem, para fixa-las em sua mente. E com muitos, a leitura faz mais do que com o ouvir também quanto a mobilizar o coração, pois, livros vivificados podem ser mais facilmente acessados do que pregadores vivificados.
 

Veja mais

Quando As Orações Serão Atendidas?, por Christopher Love

 

DOUTRINA: Um homem deve ser levado a um estado de amizade ou de reconciliação com Deus antes de qualquer oração que ele faça venha a ser aceita.

 

Eu provarei esta doutrina por três razões e depois a aplicarei.

 

1. Deus não aceita a pessoa por causa da oração, mas a oração por causa da pessoa. Lemos em Gênesis 4:4: “atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta”. Deus atentou primeiro pra Abel e depois para o seu sacrifício. Deus aceitou o serviço de Abel porque sua pessoa estava em um estado de graça para com Ele. Deus deve estar em primeiro lugar satisfeito com o trabalhador antes que Ele possa aceitar o seu trabalho. Isso também é visto em Hebreus 11:5: “Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte, e não foi achado, porque Deus o trasladara; visto como antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Deus”. Agora, sem a fé em Cristo para justificar a sua pessoa, você não pode agradar a Deus. Aqui reside a grande diferença entre os Papistas e nós. Os Romanistas dizem que as obras justificam a pessoa; nós dizemos que a pessoa justifica as obras, pois fazei a árvore boa e o seu fruto necessariamente será bom.
 

Veja mais

Teologia Pactual e Dispensacionalismo: Uma Discussão dos Principais Assuntos Envolvidos, por William R. Downing

 

[PIRSpective • The Theological Newsletter of the Pacific Institute for Religious Studies • Abril 2013]

 

Todo Cristão, estudante da Bíblia, professor da Bíblia, estudioso da Bíblia, e pregador se aproxima das Escrituras a partir de seus pressupostos hermenêuticos. Estes podem ser corretos ou incorretos, misturados com uma determinada quantidade de erro, desenvolvidos por meio de estudo pessoal, herdados através da tradição religiosa, recebidos através da instrução religiosa formal ou informal, uma educação no seminário ou adquiridos através da leitura de uma determinada “Bíblia de Estudo”. Todos os crentes têm a mesma Bíblia, mas muitas vezes têm diferentes abordagens para a sua interpretação. Toda a verdade, mesmo a verdade de Deus, é necessariamente interpretada de acordo com os pressupostos de alguém. Este artigo discute dois dos enfoques hermenêuticos gerais e as principais questões envolvidas. Houve, desde o início do século XX e do advento do ensino Dispensacionalista, duas abordagens gerais, e diferentes entre si, para a interpretação bíblica dentro do Cristianismo Reformado e Evangélico e entre os Batistas: Teologia Pactual e Dispensacionalismo.
 

Veja mais

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

<  1  2  

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: