Textos

 
<  1  2  3  

Orações Puritanas

 

Sumário:

Em Oração

Dedicação Matinal

Necessidades Matinais

Manhã

Sinceridade

Anseios por Deus

Encontro com Deus

Devoção

Auxílio Divino

Confissão e Petição

Consagração e Adoração

O Vale da Visão

Contentamento

As Profundezas

Graça Ativa

Corrupções do Coração

Purificação

Refúgio

Auxílio Espiritual

Descansando em Deus

Louvor Noturno

Oração da Noite

Noite de Renovação

Veja mais

Uma Biografia de Arthur Walkington Pink, por Erroll Hulse

 

Quanto ao Calvinismo e Arminianismo durante a primeira metade do século XX, um estudo de caso mui interessante é a experiência de Arthur W. Pink. Ele foi um pregador e escritor de talento excepcional que ministrou na Grã-Bretanha, América e Austrália. Quando morreu, em 1952, em isolamento na ilha de Lewis, no nordeste da Escócia, ele era pouco conhecido fora de uma pequena lista de assinantes de sua revista, Studies in the Scriptures” (Estudos nas Escrituras). No entanto, na década de 1970, havia grande demanda por seus livros e seu nome era muito conhecido entre os editores e ministros. Na verdade, nesse período, seria difícil encontrar um autor reformado cujos livros fossem mais lidos.
 

O ministério de pregação de A. W. Pink fora notavelmente abençoado nos Estados Unidos, mas foi na Austrália que ele parece ter atingido o ápice de seu ministério público, e ali, em particular, o seu ministério de pregação alcançou grandes alturas. Ele foi então confrontado com o credenciamento pela União Batista e foi rejeitado por causa de suas opiniões Calvinistas. Depois, ele ministrou em uma igreja Batista do tipo Batista Estrita. Dali ele foi desvinculado, uma vez que o consideraram um Arminiano! Um grupo considerável, no entanto, apreciava Pink, reconhecia o seu valor, e separaram-se daquela Igreja Batista Estrita para formarem uma nova igreja de 27 membros. Então, de repente, em 1934, Pink pediu demissão e voltou à Grã-Bretanha. Sabe-se que uma rejeição é o bastante para prejudicar a vida de um ministro, mas duas, em rápida sucessão, podem destruir um pastor completamente. Assim isso se evidenciou para Arthur Pink. Ele nunca mais encontrou entrada significativa para o ministério, embora ele tentasse o seu melhor. Ele buscou aberturas tanto no Reino Unido e nos EUA, sem sucesso. Ele tornou-se cada vez mais isolado. Ele terminou seus dias como um recluso evangélico na Ilha de Stornoway na costa da Escócia. Dizia-se que não mais do que dez almas compareceram ao seu funeral.
 

Há muito que podemos aprender com a vida de A. W. Pink. Em primeiro lugar, delinearemos a sua infância, em linhas gerais. Em segundo lugar, descreveremos a sua experiência na Austrália, e traçaremos os efeitos adversos disso em sua vida. Em terceiro lugar, consideraremos o impacto de seu ministério de escrita.

Veja mais

A Mudança e Perpetuidade do Sabath, por Jonathan Edwards

 

“Quanto à coleta para os santos, fazei vós também como ordenei às igrejas da Galácia. No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em casa, conforme a sua prosperidade, e vá juntando, para que se não façam coletas quando eu for.” (1 Coríntios 16:1-2)
 

Encontra-se mencionada com frequência no Novo Testamento uma coleta, feita pelas igrejas gregas para os irmãos da Judéia, que estavam reduzidos a uma aguda necessidade devido a uma fome que então prevalecia, e que era ainda mais crítica para eles devido a suas circunstâncias, tendo sido, desde o início, oprimidos e perseguidos pelos judeus incrédulos. Esta coleta, ou contribuição, é mencionada duas vezes no livro de Atos (11:28-30; 24:17). Também é notada em diversas Epístolas, como em Romanos 15:26 e em Gálatas 2:10. Todavia, é mais amplamente insistida nestas duas Epístolas aos Coríntios. Na primeira, no capítulo 16, e na segunda, nos capítulos 8 e 9. O apóstolo inicia suas instruções, que aqui ele entrega com relação a este assunto, com as palavras do nosso texto, no qual observamos:

 

Veja mais

Oração, por Thomas Watson

 

“Mas eu faço oração.” (Salmo 109:4)
 

Uma coisa é orar, e outra coisa é ser constante na oração. Aquele que ora com frequência, é dito ser dado à oração; como aquele que muitas vezes distribui esmolas, é dito ser dado à caridade. A oração é uma ordenança gloriosa, ela proporciona o relacionamento da alma com o céu. Deus vem até nós pelo Seu Espírito, e nós vamos até Ele por meio da oração.
 

O que é oração?
 

É a apresentação dos nossos desejos a Deus por coisas agradáveis à Sua vontade, em nome de Cristo.

Veja mais

Oração Particular, por A. W. Pink

 

“Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente” (Mateus 6:6). Por oito vezes ao longo deste versículo o pronome é usado no número singular e na segunda pessoa, algo único em toda a Escritura, como que para enfatizar a indispensabilidade, importância, e valor da oração particular. Nós devemos orar no quarto bem como na igreja: de fato se a anterior for negligenciada, não é de todo provável que a última será de muito valor. Aquele que é um dos participantes dos encontros de oração, de modo a ser visto pelos homens, e não é visto em seu quarto, sozinho, por Deus, é um hipócrita. A oração particular é o teste de nossa sinceridade, o indicador de nossa espiritualidade, o principal meio de crescimento na graça. A oração particular é a única coisa, acima de todas as demais, que Satanás busca impedir, pois ele bem sabe que se ele puder ser bem sucedido neste ponto, o Cristão falhará em todos os outros.

Veja mais

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

<  1  2  3  

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: