Textos

 

O Maravilhoso Significado do Batismo, por John Piper

 

Uma Celebração Do Batismo

[Por John Piper, 18 de abril de 1982]


“E, depois que João foi entregue à prisão, veio Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho do reino de Deus, E dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo. Arrependei-vos, e crede no evangelho” (Marcos 1:14-15), um outro homem, João Batista, estava preparando o povo de Israel, chamando-os ao arrependimento, a voltarem-se para Deus em fé e obediência, e serem batizados. O que o Batismo de João significa?


A Origem Do Batismo Cristão


Isso significava que o Messias havia chegado; que Ele estaria reunindo um novo povo para Si mesmo; a marca deste novo povo não é o judaísmo, mas o arrependimento e a fé. Por isso os judeus não responderiam à exigência de João para o arrependimento: “Mas nós temos Abraão por nosso pai, e carregamos as marcas da circuncisão, o sinal do pacto”. O que importa no novo povo não é quem são seus pais, mas para quem você vive; e, portanto, um novo símbolo para o novo povo da aliança é dado, a saber, o batismo; e é dado no ministério de João apenas para aqueles que se arrependem e creem. Em outras palavras, ao chamar todos os judeus para serem batizados, João declarou poderosamente que a descendência física não produz uma participação na família de Deus, e, portanto, a circuncisão que significava um relacionamento físico será agora substituída pelo batismo, que significa a relação espiritual. E assim João Batista estabelece as bases para a compreensão do Novo Testamento sobre o batismo, que a tradição Batista hoje tenta preservar.

Veja mais

A Doutrina do Batismo, e a Distinção Das Alianças, por Thomas Patient

 

A Doutrina do Batismo, E A Distinção Das Alianças

Ou

Um Simples Tratado, Em Que Os Quatro Fundamentos Do Batismo,

A Saber

1. Quem pode ministrá-lo;

2. Qual a sua verdadeira forma;

3. Em nome de quem deve ser administrado;

4. Quem deve ser batizado,

 

São Diligentemente Tratados.

 

 

Como Também as Duas Alianças,

Em que é provado que a Aliança de Vida não é feita para a descendência dos crentes, como se a mesma saísse de seus lombos, e que, portanto, o Batismo de infantes é traçado a partir daí erroneamente.

 

Por THOMAS PATIENT,

Um trabalhador na Igreja de Cristo em Dublin.

 

Londres,

1654
 

Veja mais

Batismo de Crentes Por Imersão: Um Distintivo Neotestamentário e Batista, por William R. Downing

 

Nossa igreja é padronizada pelo Novo Testamento em fé e prática. Nós permanecemos na verdade bíblica e histórica de nossos antecessores espirituais. Nós praticamos a ordenança do Batismo conforme o padrão do Novo Testamento com relação aos sujeitos: crentes, e modo: imersão. Este artigo é apresentado como uma explicação de nossa crença e prática.

 

Batismo, Uma Ordenança — Não Um Sacramento

 

O termo “ordenança” (do Latim ordinare, colocar em ordem) denota algo ordenado, decretado ou comandado. Na “Grande Comissão”, o Senhor declarou: “...Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado...” (Mateus 28:20). Todos os comandos do Senhor à Sua igreja são uma “ordenança” em princípio. A primária e central ordenança do Evangelho é a pregação. Histórica e teologicamente, Batistas têm distinguido entre as “ordenanças” do Batismo e da Ceia do Senhor e os “sacramentos” dos Romanistas ou Protestantes, ou seja, aqueles ritos que se destinam a ser um meio de graça em algum sentido místico [1]. Histórica e teologicamente, portanto, o termo “ordenança” distingue o Batismo e a Ceia do Senhor como sendo apenas simbólicos e representativos em natureza e os considera como meios de graça somente na medida em que levam a mente e o coração a se fixarem sobre a realidade espiritual, assim, simbolizada. O termo não pressupõe nenhum significado místico qualquer.
 

Veja mais

Um Cordão de Pérolas Soltas: Uma Jornada Teológica no Batismo de Crentes, por Fred A. Malone

 

Prefácio

Este folheto não se destina a ser uma obra definitiva sobre o Batismo. Originalmente escrito em 1977, é simplesmente um diário narrado para mim mesmo e para os meus amigos que estão interessados em entender por que eu mudei de uma posição pedobatista (batismo infantil) a uma Batista (batismo de discípulos/confessores somente). Este artigo foi editado para uso como um livreto, mas eu tenho reservado uma revisão completa para um próximo livro.


Qualquer discussão sobre o batismo, como acontece com outras doutrinas nas Escrituras, é inútil a menos que todas as partes estejam dispostas a sentar-se com Bíblias abertas, mentes abertas e corações mantidos em oração. O batismo infantil é uma questão emocional, pois envolve nossos filhos e as promessas de salvação para eles. Peço simplesmente que aqueles que desafiam minhas conclusões sincera e caridosamente estudem meus argumentos antes que eles comecem a fazer julgamentos.


 

Veja mais

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: