Textos

 

A Mensagem de Spurgeon Sobre o Sacrifício Expiatório de Cristo, por Thomas Nettles

 

“Estou convicto de que difamamos a Cristo quando pensamos que estamos atraindo as pessoas por alguma outra coisa que não seja a pregação de Cristo crucificado. Sabemos que a maior concentração de pessoas em Londres foi reunida durante estes 30 anos graças a nada mais do que a pregação de Cristo crucificado. Onde está a nossa música? Onde está a nossa oratória? Onde está a arquitetura atraente, ou a beleza do ritual? ‘Um serviço nu’, eles o chamam. Sim, mas Cristo compensa todas as deficiências”.1

O Senhor Jesus Cristo em Sua cruz de redenção era o centro, circunferência, e somatório do ministério de pregação de Charles Haddon Spurgeon. Seus temas se repetiam contínua e incansavelmente, mas sempre com um frescor de poder e paixão que poderia impactar seus ouvintes e colocá-los na congregação da Galácia, perante os olhos de quem Cristo foi claramente retratado como crucificado. Spurgeon foi uma catarata, uma avalanche, uma inundação Mississippiana em sua ênfase implacável sobre a morte por crucificação do Senhor Jesus Cristo. A Redenção é o “coração do evangelho” e a “essência da redenção é a expiação substitutiva de Cristo”2. É tanto o coração quanto a “pedra angular do Evangelho”. Ao anunciá-la como seu tema, com algum espanto ele se perguntaria muitas vezes: “Quantas vezes vou conseguir, eu me pergunto? A doutrina de Cristo crucificado está sempre comigo”.3

Veja mais

Gloriando-se na Cruz de Cristo, por Robert Murray M'Cheyne

 

“Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo.” (Gálatas 6:14)

 

Doutrina: Gloriando-se na cruz.

 

I. O assunto aqui falado por Paulo e á a cruz de Cristo. Essa palavra é usada em três sentidos diferentes na Bíblia. É importante distingui-los:

 

1. Ela é usada para significar a cruz de madeira, o madeiro sobre o qual o Senhor Jesus foi crucificado. A punição da cruz foi uma invenção Romana. Era usada apenas no caso de escravos, ou malfeitores mui notórios. A cruz era feita de duas vigas de madeira que se cruzavam. Ela era colocada no chão e o criminoso, estendido sobre ela. Um cravo era pregado em cada mão, e outros dois em ambos os pés. Em seguida, a cruz era levantada na posição vertical, e deixada cair em um buraco, em que era presa. O homem crucificado era então era deixado para morrer, pendurado por suas mãos e pés. Esta foi a morte a que Jesus se rebaixou. “Ele suportou a cruz, desprezando sua ignomínia”. “Tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz” (Mateus 27:40, 42; Marcos 15:30, 32; Lucas 23:26; João 19:17, 19, 25, 31; Efésios 2:16).

Veja mais

A Agonia de Cristo, por Jonathan Edwards

 

“E, posto em agonia, orava mais intensamente; e o Seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue que corriam até ao chão.” (Lucas 22:44)

 

Nosso Senhor Jesus Cristo, em Sua natureza original, era infinitamente acima de todo o sofrimento, pois Ele era “Deus sobre todos, bendito eternamente”; mas, quando Ele se tornou homem, Ele não foi somente capaz de sofrer, mas participou dessa natureza que é extremamente débil e exposta ao sofrimento. A natureza humana, por causa de sua fraqueza, é nas Escrituras comparada com a erva do campo, que facilmente murcha e se deteriora. Assim, é comparada com uma folha; e ao restolho seco; e uma rajada de vento, e da natureza do homem fraco é dito ser pó e cinza, por ter o Seu fundamento em pó, e por ser esmagada pela traça. Foi esta natureza, com toda a Sua fraqueza e exposição aos sofrimentos, que Cristo, que é o Senhor Deus onipotente, tomou sobre Si. Ele não tomou a natureza humana para Ele em seu primeiro, mais perfeito e vigoroso estado, mas nesse estado desesperadamente fraco em que ela está desde a queda; e, assim, Cristo é chamado de “renovo”, e “a raiz de uma terra seca”, Isaías 53:2: “Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos”. Desta forma, como a principal missão de Cristo no mundo foi sofrer, assim, agradavelmente a essa incumbência, Ele veio com tal natureza e, em tais circunstâncias, como mais feitas para abrir caminho para o Seu sofrimento; por isso toda a Sua vida foi repleta de sofrimento; Ele começou a sofrer em Sua infância, mas Seu sofrimento aumentou à medida que Ele se aproximava do fim de Sua vida. Seu sofrimento após o início de Seu ministério público foi provavelmente muito maior do que antes; e a última parte do tempo de Seu ministério público parece ter sido distinguido pelo sofrimento.

 

Veja mais

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: