Textos

 
1  2  3  >  > >

Devocional Banco da Fé • 24 de Abril

 

Condição da Bênção

“Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.” (Malaquias 3:10)


Muitos leem e pleiteiam essa promessa sem perceber a condição sob a qual a bênção é prometida. Não podemos esperar que o céu esteja aberto ou que a bênção seja derramada, a menos que paguemos as nossas dívidas ao Senhor nosso Deus e à Sua causa. Não haveria falta de recursos para fins santos, se todos os cristãos professos pagassem aquilo que é justo.

Muitos são pobres porque roubam a Deus. Muitas igrejas, também, perdem a visitação do Espírito, porque fazem os seus ministérios padecerem de fome. Se não houver refeição para os servos de Deus, não precisamos ficar surpresos por seus ministérios nutrirem pouco as nossas almas. Quando as missões definham por falta de recursos e a obra do Senhor é prejudicado por causa de um cofre vazio, como podemos esperar muita prosperidade em nossas almas?

O que tenho dado nos últimos tempos? Eu fui avarento diante do meu Deus? Tenho sido limitado com o meu Salvador? Isso nunca fará bem. Que eu dê ao meu Senhor Jesus o Seu dízimo, ajudando os pobres e ajudando a Sua obra, e em seguida, provarei o Seu poder para me abençoar muitíssimo.

Veja mais

Devocional Banco da Fé • 23 de Abril

 

Nenhum Medo da Morte

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não receberá o dano da segunda morte.” (Apocalipse 2:11)


Precisaremos experimentar a primeira morte, a menos que o Senhor volte de repente. Por isso, permaneçamos em prontidão, aguardando-O sem medo, já que Jesus transformou a morte em uma sombria sepultura em uma passagem que conduz à glória.

A única coisa a ser temida não é a primeira, mas a segunda morte, e não a separação da alma do corpo, mas a separação final de todo o homem de Deus. Esta é a morte de fato. Esta morte mata toda paz, alegria, felicidade e esperança. Quando Deus se vai, tudo se vai. Essa morte é muito pior do que deixar de existir.

Agora, se pela graça de Deus nós lutarmos até o fim e vencermos o glorioso combate, nenhuma segunda morte será capaz de colocar o seu dedo frio sobre nós; não teremos medo da morte e do inferno, pois receberemos uma coroa de vida que nunca se corrompe. Como isso nos estimula para a luta! A vida eterna vale a batalha de uma vida. Escapar do dano da segunda morte é algo digno pelo qual lutar durante a vida inteira.

Senhor, dá-nos fé para que possamos vencer, e concede-nos a graça de permanecermos seguros, apesar do pecado e de Satanás ao nosso redor!

Veja mais

Devocional Banco da Fé • 21 de Abril

 

Deus Retribui

“Ao Senhor empresta o que se compadece do pobre, ele lhe pagará o seu benefício.” (Provérbios 19:17)


Devemos dar aos pobres por compaixão. Não devemos buscar ser vistos e aplaudidos, e muito menos obter influência sobre eles; mas por pura solidariedade e compaixão devemos oferecer-lhes ajuda.

Não devemos esperar receber nada em troca dos pobres, nem mesmo a gratidão; mas devemos considerar o que fizemos como um empréstimo ao Senhor. Ele assume a obrigação, e, se olharmos para Ele, não devemos olhar para outros. Que honra o Senhor nos concede quando Ele condescende emprestar de um de nós! É grandemente favorecido aquele comerciante que tem o Senhor como um daqueles em seus registros. Seria triste que tal empréstimo fosse de uma ninharia insignificante; consideremos envolver grandes quantias. Ajudemos o próximo homem necessitado que vier até nós.

Quanto ao reembolso, dificilmente podemos pensar sobre isso, e ainda assim aqui o reembolso está assegurado pelo Senhor. Bendito seja o Seu nome, pois a Sua promessa de pagar mais do que ouro e prata. Nós estamos fazendo pouco devido à dificuldade dos tempos? Ousemos humildemente apresentar este propósito no banco de fé. Algum de nossos leitores tem oprimido os pobres? Pobre alma. Que o Senhor lhe perdoe.

Veja mais

Devocional Banco da Fé • 20 de Abril

 

Pela Fé Não se Sentir

“O justo viverá pela fé.” (Romanos 1:17)


Não morrerei, eu posso crer e eu creio no Senhor, meu Deus, e esta fé me manterá vivo. Gostaria de ser contado entre aqueles que em suas vidas são justas; mas mesmo se eu fosse perfeito, eu não tentaria viver de acordo com a minha justiça; desejaria me agarrar à obra do Senhor Jesus e ainda viver pela fé nEle e por nada mais. Se eu fosse capaz de dar o meu corpo para ser queimado por meu Senhor Jesus, ainda assim eu não confiaria em minha própria coragem e constância, mas continuaria a viver pela fé.

Se eu fosse um mártir na estaca eu clamaria o nome do Salvador; rogaria que eu fosse perdoado por causa dEle, e não teria outra reivindicação.

Viver pela fé é algo muito mais seguro e mais feliz do que viver por sentimentos ou pelas obras. O ramo, vivendo na videira, vive uma vida melhor do que viveria por si só, mesmo se fosse possível viver separado do caule. Viver unido a Jesus, derivando tudo dEle, é algo doce e santo. Se até mesmo o mais justo deve viver dessa forma, quanto mais eu que sou um pobre pecador! Senhor, eu creio. Confiarei em Ti completamente. O que mais eu posso fazer? Confiar em Ti é a minha vida. Eu sinto que é assim. Permanecerei assim, até o fim.

Veja mais

Devocional Banco da Fé • 19 de Abril

 

Deus é Especialista em Procurar

“Porque assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu, eu mesmo, procurarei pelas minhas ovelhas, e as buscarei.” (Ezequiel 34:11)


Isso Deus faz primeiramente quando os Seus eleitos são como ovelhas perdidas que não conhecem o Pastor ou o aprisco. Quão maravilhosamente o Senhor procura os Seus escolhidos! Jesus é grande como um pastor que procura, bem como um pastor que salva. Embora muitos daqueles que o Seu Pai Lhe deu estejam muito perto da porta do inferno, assim o Senhor ao procurar e buscar, acha e se aproxima deles em graça. Ele nos procurou: tenhamos uma boa esperança em relação àqueles que estão em nossos corações em oração, pois Ele também os encontrará.

O Senhor repete este processo quando qualquer alguém do Seu rebanho se desvia das pastagens da verdade e santidade. Eles podem cair em erro grosseiro, triste pecado e grande tristeza; mas ainda assim o Senhor, que se tornou um Fiador para eles diante do Pai, não permitirá que algum deles vá tão longe que pereça. Pela providência e pela graça o Senhor os procura em terras estrangeiras, em moradas de pobreza, em antros de obscuridade e nas profundezas do desespero; Ele não perderá um de todos os que o Pai Lhe deu. É uma questão de honra que Jesus deva buscar e salvar todo o rebanho, sem uma única exceção. Que promessa a ser pleiteada, se a esta hora eu sou obrigado a dizer: “Desgarrei-me como uma ovelha perdida!”.

Veja mais

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

1  2  3  >  > >

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: