O Perfeito Amor Lança Fora o Temor, por R. M. M’Cheyne

|

“No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor. Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro. Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão” (1 João 4:18-21).

Doutrina: O perfeito amor lança fora o temor.

 

 

I. O estado de uma alma despertada. “O temor tem consigo a pena”. Há dois tipos de temor mencionados na Bíblia, um em oposição ao outro. Um é a verdadeira atmosfera do céu, o outro é a genuína atmosfera do inferno.

 

1. Aqui está o temor do amor. Este é o verdadeiro temperamento de uma pequena criança: o temor do Senhor é o princípio da sabedoria. Este era o entendimento de Jó: “Ele temia o Senhor e se desviava do mal”. Mas do que isso, este é o real espírito do Senhor Jesus Cristo. Sobre Ele repousava “o Espírito do Senhor… e de temor do Senhor. E deleitar-se-á no temor do Senhor” [Isaías 11:2-3].

 

2. Aqui está o temor do terror. Este é o verdadeiro temperamento dos demônios: “os demônios creem e estremecem”. Isto foi o que ocorreu com Adão e Eva após a Queda; eles fugiram da voz de Deus, e tentaram se esconder em uma das árvores do jardim. Este foi o estado do carcereiro, quando trêmulo, saltou dentro e trouxe Paulo e Silas para fora, e prostrou-se aos seus pés, dizendo: “Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar?”. Este é o temor aqui exposto; temor penoso. “O temor tem consigo a pena”. Alguns de vocês sentiram este temor que tem consigo a pena. Muitos mais podem senti-lo neste dia; vocês estão suscetíveis ao mesmo. Deixem-me explicar esta elevação na alma.

 

Primeiro. Um homem natural lança fora o temor, e restringe a oração diante de Deus. “[…] esteve descansado desde a sua mocidade, e repousou nas suas borras, e não foi mudado de vasilha para vasilha, nem foi para o cativeiro; por isso conservou o seu sabor, e o seu cheiro não se alterou [Jeremias 48:11]. Eles são como o pousio, que nunca foi quebrado pelo arado, antes está cheio de sarças e de espinheiros. Não há aqui alguns dentre vós que nunca temeram por vossas almas? Você imagina que é tão bom quanto os seus vizinhos. Ah! bem, o seu sonho será interrompido um dia, em breve.

 

Segundo. Quando o Espírito de Deus abre os olhos, ele faz o pecador arrogante temer. Ele mostra a ele a quantidade de seus pecados, ou melhor, que eles não podem ser numerados. Antes, ele tem uma memória que facilmente esquece seus pecados, blasfêmias sobre a sua língua, e ele não os conhecia; a cada dia adicionava novos pecados às suas páginas no livro de Deus, ainda que não se lembrasse. Mas agora, o Espírito de Deus coloca todos os seus pecados explicitamente diante dele. Todos não perdoados, enormidades há muito esquecidas, erguidas atrás dele. Então, ele começa a temer. “Males sem número me têm rodeado”.

 

Terceiro. O Espírito o faz sentir a grandeza do pecado, a excedente pecaminosidade disto. Antes, isto parecia ser algo sem importância; mas agora, isto se ergue como um dilúvio sobre a alma. Ele sente que a ira de Deus permanece sobre Ele; um terrível som está em seus ouvidos. Ele não sabe o que fazer; seu temor traz consigo a pena. O pecado é compreendido agora como cometido contra um santo Deus, cometido contra um Deus de amor, cometido contra Jesus Cristo e Seu amor.

 

Quarto. Uma terceira coisa que terrivelmente atormenta a alma é a corrupção operando no coração. Com frequência pessoas sob convicção são capacitadas a sentir as terríveis obras de corrupção em seu coração. Frequentemente a tentação e convicção de pecado encontram-se juntas, e terrivelmente atormentam a alma, rasgando-a em pedaços. A convicção de pecado está traspassando o seu coração, levando-o a fugir da ira vindoura, e assim, no mesmo momento alguma atroz lascívia, ou inveja, ou horrível malícia, está fervendo em seu coração, conduzindo-o em direção ao inferno. Então, um homem sente um inferno junto a ele. No inferno, ali será esta horrenda mistura; ali haverá um devastador terror da ira de Deus, e contudo, junto com corrupção fervendo, conduzirá a alma mais e mais para dentro das chamas. Isto é frequentemente sentido na terra. Alguns de vocês podem estar sentindo isto. Este é o temor que tem consigo a pena.

 

Quinto. Outra coisa de que o Espírito convence a alma é a sua inabilidade de ajudar a si mesma. Quando um homem é primeiramente despertado, ele diz: “Eu logo livrarei a mim mesmo desta triste condição”. Ele recorre a muitos artifícios para justificar a si mesmo. Ele muda a sua vida, ele tenta arrepender-se, tenta orar. Ele é logo ensinado que as suas justiças são como trapos de imundície [Isaías 64:6]; que ele está tentando cobrir trapos com trapos imundos; ele é levado a sentir que tudo o que pode fazer significa simplesmente nada, e que ele nunca pode tirar algo puro do impuro. Isto afunda a alma em escuridão. Este temor tem consigo o pesar.

 

Sexto. Ele sente que nunca esteve em Cristo. Alguns de vocês talvez sabem que este temor tem consigo a pena. O livre oferecimento de Cristo é a própria coisa que despedaça vocês no coração. Você ouve que Ele é totalmente desejável, que Ele convida pecadores a virem a Ele, que Ele nunca lança fora aqueles que vêm. Entretanto, você teme que nunca será um destes. Você teme que tenha pecado por muito tempo, ou tanto, que tenha pecado para além de seu dia de graça! Ah! este temor tem consigo a pena.

 

Alguns dirão: “Então, não é bom ser despertado”.

 

Resposta 1: Esta é o caminho da paz que excede todo o entendimento. Este é o método que Deus escolheu, a saber, levar você a sentir que necessita de Cristo antes que você venha até Cristo. No presente a sua paz é como um sonho; quando você despertar encontrá-la-á. Pergunte às almas despertadas se elas gostariam de voltar às suas letargias. “Ah! não; seu eu morrer, deixe-me morrer ao pé da cruz; não me deixe perecer não-despertado”.

 

Resposta 2: Você deve ser despertado um dia. Se não agora, você o será futuramente no inferno. Após a morte, o temor virá sobre as suas almas seguras. Não há nenhuma alma não despertada no inferno; todos estão temendo ali. Os demônios estremecem; os espíritos condenados estremecem também. Não seria melhor tremer agora, e correr para Jesus Cristo, para refugiar-se? Agora, Ele está esperando para ser gracioso com você. Depois, Ele zombará quando o seu temor vier. Você saberá por toda a eternidade que o “temor tem consigo a pena”.

 

 

II. A mudança em crer. “No amor não há temor”. “O Perfeito amor lança fora o temor”.

 

1. O amor aqui exposto não é o nosso amor a Deus, mas o Seu amor por nós; por isso é chamado de perfeito amor. Tudo o que é nosso é imperfeito. Quando nós fizermos tudo, devemos dizer: “Somos apenas servos inúteis”. O pecado se mistura com tudo o que fazemos. Não haveria consolo algum em contar-nos que, se nós amássemos perfeitamente a Deus, isto lançaria fora o temor; pois como nós podemos operar este amor em nossas almas? É o amor do Pai por nós que lança fora o temor. Ele é o único perfeito. Todas as Suas obras são perfeitas. Ele não pode fazer nada, senão o que é perfeito. Seu conhecimento é um conhecimento perfeito; Sua ira é uma ira perfeita; Seu amor é um amor perfeito. É o perfeito amor que lança fora o temor. Assim como os raios de sol lançam fora a escuridão sobre a qual incidem, assim este amor lança fora o medo.

 

2. Mas, aonde repousa este amor? Em Jesus Cristo. Por duas vezes Deus falou do céu, e disse: “Este é o meu filho amado, em quem me comprazo”. Deus ama perfeitamente o Seu próprio Filho. Ele vê beleza infinita em Sua pessoa. Deus vê a Si mesmo manifestado. Ele se agrada infinitamente em Sua obra finalizada. O infinito coração do infinito Deus flui em direção ao nosso Senhor Jesus Cristo. E não há temor no seio de Cristo. Todos os Seus temores passaram. Uma vez Ele disse: “os pavores que me causas me destruíram”; mas agora Ele está em perfeito amor, e o perfeito amor lança fora o temor. Ouçam, almas temerosas! Aqui vocês podem encontrar descanso para as suas almas. Vocês não precisam viver outra hora sob os seus temores atormentadores. Jesus Cristo suportou a ira que vocês temem. Ele, agora, oferece um refúgio para o oprimido, um refúgio em tempo de tribulação.

 

Olhe para Cristo, e o seu temor será lançado fora. Venha aos pés de Jesus, e você encontrará descanso. Invoque o nome do Senhor, e você será salvo. Você diz, que não pode olhar, nem vir, nem clamar, pois você está perdido. Ouça, então e sua alma viverá. Jesus é um Salvador para o perdido. Cristo não é apenas um Salvador para aqueles que estão nus, e vazios, e que não têm nenhuma bondade para recomendar a si mesmos, mas Ele é um Salvador para aqueles que são incapazes de dar a si mesmos a Ele. Você não pode estar em tão desesperada condição para Cristo. Enquanto você permanecer incrédulo, você está sob a sua perfeita ira; ira sem nenhuma mistura. A ira de Deus será tão maravilhosa quanto o Seu amor. Este vem do mesmo seio. Mas, no momento em que você olha para Cristo, você vem para debaixo de Seu perfeito amor, sem nenhuma frieza, luz sem nenhuma sombra, amor sem nenhuma nuvem ou montanha no meio. O amor de Deus lançará fora todo o temor.

 

 

III. O Seu amor concede confiança no Dia do Juízo (v. 17). Há um grandioso dia vindo, com frequência citado na Bíblia como o Dia do Juízo, quando Deus julgará os segredos dos corações dos homens por Cristo Jesus. Os que não têm a Cristo não serão capazes de subsistir naquele Dia. Os ímpios não subsistirão no juízo. No presente, os pecadores têm muita confiança; os seus pescoços são de ferro, e suas testas de bronze. Muitos deles não conseguem se envergonhar quando são pegos em pecado. Entre nós mesmos, não é surpreendente quantos pecadores confiantes estão abandonando as ordenanças? Com que face de bronze alguns homens juram! Quão confiantes alguns homens ímpios são em vir à Mesa do Senhor! Mas isto não será assim em pouco tempo. Quando Cristo aparecer, o santo Jesus, em toda a Sua glória, então pecadores face-de-bronze começarão a envergonhar-se. Aqueles que nunca oraram, começarão a lamentar-se. Pecadores, cujos membros os levaram ousadamente a pecar e depois a participarem da Mesa do Senhor no último Domingo, encontrarão os seus joelhos batendo um contra o outro. Quem subsistirá no Dia de Sua vinda, e quem permanecerá quando Ele aparecer? Quando os livros forem abertos — um o Livro memorial de Deus, e o outro, a Bíblia — então os mortos serão julgados por aquelas coisas escritas nos livros.

 

Então, o coração dos impiedosos morrerá com eles; então, começará “sua vergonha e desprezo eterno”. Muitas pessoas ímpias consolam a si mesmas com isto, que o seu pecado não é conhecido, que nenhum olho os vê; mas naquele Dia, os pecados mais secretos serão trazidos à luz. “Mas eu vos digo que de toda a palavra ociosa que os homens disserem hão de dar conta no dia do juízo” (Mateus 12:36). Como você deveria temer e envergonhar-se, homem perverso, se eu viesse agora a expor diante desta congregação os pecados secretos que você cometeu ao longo da semana passada; todas as suas fraudes e trapaças ocultas; as suas impurezas secretas; suas malícias e invejas secretas; como você deveria envergonhar-se e ficar embaraçado! Quanto mais naquele dia, quando os segredos de toda a sua vida serão feitos manifestos diante de um mundo reunido! Em que eterna confusão afundará a sua alma naquele Dia! Você estará quase de “queixo-caído”; todo orgulho e violência se irão.

 

Todos em Cristo terão confiança.

 

1. Porque Cristo será o Juiz. Que abundante paz isto dará a você naquele Dia, crente, quando você ver que Cristo é Juiz! Ele que derramou o Seu sangue por você. Ele que é a sua segurança, o seu Pastor, o seu tudo. Isto lançará fora todo o temor. Você será capacitado a dizer: quem condenará, aqueles por quem Cristo morreu? Na própria mão que abre os livros, você verá as marcas das feridas feitas pelos seus pecados. Cristo será no julgamento o mesmo que Ele é para você hoje.

 

2. Porque o próprio Pai ama você. Cristo e o Pai são um. O Pai não vê pecado em você; por que como Cristo é, assim é você neste mundo. Você é julgado por Deus de acordo com que é seguro; assim o amor do Pai será com você naquele dia. Você sentirá o sorriso do Pai, e ouvirá a voz de Jesus dizendo: “Vinde, benditos de meu Pai”.

 

Aprenda a não temer o juízo. Não tema, espere no Senhor e tenha bom ânimo.

 

 

IV. As consequências de estar no amor de Deus.

 

1. “Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro”. Quando um miserável pecador vem para Jesus, encontra o amor perdoador de Deus, ele não pode senão amar a Deus em retribuição. Quando o pródigo voltou para casa e sentiu os braços de seu Pai em volta de seu pescoço, então ele sentiu o transbordar de suas afeições em direção ao seu pai. Quando o brilho do sol de verão incide plenamente sobre o mar, este atrai os vapores para cima, em direção ao céu. Assim, quando os raios de sol do Filho da Justiça incidem sobre a alma, eles atraem as constantes elevações de amor a Ele, em retribuição.

 

Alguns de vocês estão desejando ser capazes de amar a Deus. Venha para o Seu amor então. Consinta em ser amado por Ele, embora você seja sem valor por si mesmo. É melhor ser amado por Ele do que amar, e esta é a única maneira para aprender a amá-lO. Quando a luz do sol incide sobre a lua, encontra a lua escura e sem encantos, mas a lua reflete a luz, e a lança de volta. Então deixe o amor de Deus brilhar em seu peito, e você o refletirá. O amor de Cristo nos constrange. “Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro”. A única cura para um coração frio é olhar para o coração de Jesus.

 

Alguns de vocês não têm amor a Deus porque amam um ídolo. Você pode ter certeza que nunca adentrou no amor dEle, que uma maldição repousa sobre você: “Se alguém não ama o Senhor Jesus seja anátema. Maranata”.

 

2. Nós amamos nosso irmão também. Se você ama uma pessoa ausente, você amará a sua imagem. O que a esposa do marinheiro mantém tão cuidadosamente envolvido em um guardanapo, colocado em sua melhor gaveta, entre flores de doce aroma? Ela leva isto para fora de manhã e à noite, e contempla-o em meio a lágrimas. É a imagem de seu marido ausente. Ela ama este retrato, pois assemelha-se a ele. Esta imagem tem muitas imperfeições, mas, ainda assim, é semelhante. Crentes são a imagem de Deus neste mundo. O Espírito de Cristo reside neles. Eles andam como Ele andou. É verdade, eles são cheios de imperfeições, mas, ainda assim, eles são verdadeiras cópias. Se você ama a Cristo, você os amará. Você fará deles seus amigos íntimos.

 

Há aqui algum de vocês que não gosta de Cristãos verdadeiros? Você não aprecia a sua aparência, os seus modos, a sua fala, as suas orações. Você os chama de hipócritas, e se mantém longe deles. Você sabe a razão? Você odeia a cópia, porque você odeia o original; você odeia a Cristo e não é um dos Seus.

 

São Pedro, 1840.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.