Reformação Pessoal e Na Oração Secreta, por R. M. M’Cheyne

|

[Trecho de “A Biografia de Robert Murray M'Cheyne”, por Andrew A. Bonar • Editado]

 

O Sr. M'Cheyne intitula o exame de seu coração e vida de “Reforma” e este começa assim:

 

É dever dos ministros neste dia, que comecem a reforma da Religião e de suas vidas, famílias e etc., com confissão de pecados passados, fervente oração por direção, graça e pleno propósito de coração. “Ele purificará os filhos de Levi” (Malaquias 3:3). Os ministros são colocados à parte, por um tempo para esta finalidade.

 

 

I. Reforma Pessoal.

 

Estou convencido de que obterei a maior quantidade de felicidade presente, farei mais para a glória de Deus e o bem do homem, e terei a plena recompensa na eternidade, através da manutenção de uma consciência sempre lavada no sangue de Cristo, por ser cheio do Espírito Santo em todos os momentos e por obter mais de toda a semelhança com Cristo em mente, vontade e coração, que seja possível para um pecador redimido alcançar neste mundo.

 

Estou convencido de que, sempre que algo exteriormente, ou o meu coração interiormente, a qualquer momento, ou em qualquer circunstância, contradiz isto — se alguém deve insinuar que não é para a minha felicidade presente e eterna, e para a glória de Deus e minha utilidade, a manutenção de uma consciência lavada pelo sangue, o ser completamente cheio do Espírito e ser totalmente conforme à imagem de Cristo em todas as coisas — é a voz do Diabo, o inimigo de Deus, o inimigo da minha alma e de todo o bem, a mais tola, ímpia e miserável de todas as criaturas. Veja Provérbios 9:17: “As águas roubadas são doces”.

 

1. Para manter uma consciência livre de ofensa, estou convencido de que eu devo confessar mais os meus pecados. Eu penso que eu devo confessar o pecado no momento em que eu perceba que isto seja pecado. Se eu estiver no trabalho, ou em estudo, ou mesmo na pregação, a alma deve lançar um olhar de aversão ao pecado. Se eu continuar com o serviço, deixando o pecado não confessado, eu prossigo com a consciência sobrecarregada, e acrescento pecado a pecado. Eu penso que devo, em certos momentos do dia, em meu melhor momento, digo, depois do almoço e depois do chá, confessar solenemente os pecados das horas anteriores, e buscar a sua remissão completa.

 

Encontro que o Diabo frequentemente faz uso da confissão de pecado para incitar novamente à pratica do mesmo pecado confessado, de modo que eu tenho temo confiar na confissão. Devo solicitar Cristãos experientes sobre isso. No momento, eu acho que devo me esforçar contra este terrível abuso da confissão, em que o Diabo tenta me assustar ao confessar. Eu devo obter todos os métodos para perceber a vileza dos meus pecados. Eu devo me considerar como um descendente condenado de Adão, como participante de uma natureza oposta a Deus desde o ventre materno (Salmos 51), como tendo um coração cheio de toda a maldade, que contamina cada pensamento, palavra e ação, durante toda a minha vida, desde o nascimento até a morte.

 

Eu devo confessar muitas vezes os pecados da minha mocidade, como Davi e Paulo, meus pecados antes da conversão, os meus pecados desde a conversão, pecados contra a luz e conhecimento, contra o amor e a graça, contra cada pessoa da Divindade.

 

Eu devo olhar para os meus pecados à luz da santa Lei, à luz da face de Deus, à luz da cruz, à luz do trono de julgamento, à luz do inferno, à luz da eternidade.

 

Eu devo examinar os meus sonhos, meus pensamentos vagueantes, minhas predileções, minhas ações recorrentes, meus hábitos de pensamento, sentimento, palavra e ação; as calúnias de meus inimigos e as reprovações e até gracejos dos meus amigos, para descobrir os traços de meu pecado predominante, como assunto para a confissão.

 

Eu devo ter um dia estabelecido de confissão, com jejum, digamos, uma vez por mês.

 

Eu devo ter um número de escritos assinalados, para trazer o pecado à lembrança.

 

Eu devo fazer uso de todas as aflições do corpo, do julgamento interior, das carrancas da providência sobre mim mesmo, da casa, da paróquia, da igreja, ou do país, como apelos de Deus para a confissão de pecado. Os pecados e aflições dos outros homens devem me chamar para o mesmo.

 

Eu devo, nas noites de Sabath, e nas noites de Comunhão de Sabath, ter um cuidado especial para confessar os pecados de coisas sagradas.

 

Eu devo confessar os pecados de minhas confissões, suas imperfeições, objetivos pecaminosos, tendência hipócrita e etc., e olhar para Cristo como tendo confessado meus pecados perfeitamente sobre Seu próprio sacrifício. Eu devo ir a Cristo para o perdão de cada pecado. Ao lavar o meu corpo, eu devo lavar cada parte. Devo ser menos cuidadoso ao lavar a minha alma?

 

Eu devo ver o golpe que foi feito nas costas de Jesus por cada um dos meus pecados. Eu devo ver a infinita pontada impressa através da alma de Jesus como uma eternidade de meu inferno por meus pecados, e por todos eles. Eu devo ver que naquele derramamento de sangue de Cristo há um infinito pagamento excessivo por todos os meus pecados. Embora Cristo não tenha sofrido mais do que a justiça infinita exigiu, contudo Ele não poderia sofrer de modo algum, sem, antes, estabelecer um resgate infinito.

 

Quanto eu peco, sinto uma relutância imediata para ir a Cristo. Tenho vergonha de ir. Sinto como se não fizesse nenhum bem em ir, como se estivesse fazendo de Cristo um ministro do pecado, indo direto do cocho do suíno para a melhor veste, e mil outras desculpas; mas estou certo de que essas são todas mentiras vindas direto do inferno. João argumenta o caminho oposto: “se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai” [1 João 2:1]; Jeremias 3:1 e mil outras Escrituras são contra isso. Estou certo de que não há nem paz nem segurança provinda do mais profundo pecado, mas em ir diretamente ao Senhor Jesus Cristo. Este é o caminho de Deus, da paz e da santidade. É tolice para o mundo e para o coração obscurecido, mas este é o caminho.

 

Eu jamais devo considerar um pecado pequeno demais a ponto de não necessitar da aplicação imediata do sangue de Cristo. Se eu lançar fora uma boa consciência, eu farei naufrágio na fé. Nunca devo pensar que os meus pecados são tão grandes, tão graves, tão presunçosos como quando feitos de joelhos, ou na pregação, ou em um leito de morte, ou durante uma doença perigosa, para me impedir de fugir para Cristo. O peso dos meus pecados deve agir como o peso de um relógio: quanto mais pesado ele é, mais rápido ele o faz ir.

 

Eu não devo apenas me lavar no sangue de Cristo, mas vestir-me da obediência de Cristo. Para cada pecado de omissão em mim, que eu possa encontrar uma obediência Divinamente perfeita e pronta para mim em Cristo. Para cada pecado de comissão em mim, que eu não apenas possa encontrar um golpe ou uma ferida em Cristo, mas também uma perfeita prestação de obediência em meu lugar, para que a Lei seja magnificada, a sua maldição mais do que cumprida, sua demanda mais do atendida.

 

Muitas vezes a Doutrina de Cristo parece-me comum, bem conhecida, não tendo nada de novo nela. E sou tentado a passar por ela e ir para alguma Escritura mais atrativa. Isto é o Diabo de novo; uma mentira como uma brasa viva. Cristo é para nós sempre novo, sempre glorioso. “Riquezas incompreensíveis de Cristo” [Efésios 3:8]; um objeto infinito e o único para uma alma culpada. Eu devo ter certas Escrituras disponíveis, que conduzam a minha alma cega diretamente para Cristo, tal como Isaías 45 e Romanos 3.

 

2. Para ser cheio do Espírito Santo, estou certo de que eu devo estudar mais a minha própria fraqueza. Que eu devo ter um número de Escrituras prontas para serem meditadas tais como Romanos 7 e João 15, para convencerem-se de que eu sou um verme desamparado.

 

Sinto-me tentado a pensar que eu sou agora um Cristão confirmado, que eu venci este ou aquele desejo há muito tempo, que eu adquiri o hábito da graça oposta, de modo que não há temor; que eu posso aventurar-me muito perto da tentação, mais perto do que os outros homens. Isto é uma mentira de Satanás. A pólvora não pode adquirir por hábito, um poder de resistir ao fogo, de modo a não produzir a faísca. Enquanto o pó está molhado, ele resiste à faísca, mas quando ele se torna seco, está pronto a explodir ao primeiro toque. Enquanto o Espírito habita em meu coração, Ele me amortece para o pecado, de modo que, se legalmente chamado a passar pela tentação, eu posso confiar que Deus me conduz. Mas quando o Espírito me deixa, eu sou como pólvora seca. Oh, uma percepção disso!

 

Sinto-me tentado a pensar que há alguns pecados pelos quais não tenho gosto natural, como a bebida forte, linguagem profana e etc., de forma que eu não preciso temer a tentação por tais pecados. Isto é uma mentira, uma mentira orgulhosa, presunçosa. As sementes de todos os pecados estão em meu coração, e talvez de todas as mais perigosas são as que eu não vejo.

 

Eu deveria orar e trabalhar pela mais profunda sensibilidade de minha fraqueza e impotência do que jamais um pecador foi levado a sentir. Estou desamparado em relação a cada concupiscência que sempre esteve, ou sempre estará no coração humano. Sou um verme, um animal diante de Deus. Muitas vezes eu tremo ao pensar que isso é verdade. Eu sinto como se não fosse seguro a mim, renunciar a toda força que habita interiormente, como se fosse perigoso que eu sinta (o que é verdade) que não há nada em mim guardando-me do pecado mais grosseiro e mais vil. Esta é uma ilusão do Diabo.

 

Minha única segurança é saber, sentir e confessar minha impotência, para que eu possa pendurar-me no braço da Onipotência. Eu diariamente desejo que o pecado seja erradicado do meu coração. Eu digo: “por que Deus permite a raiz de lascívia, orgulho, raiva e etc. no meu peito? Ele odeia o pecado, e eu o odeio também; por que Ele não o purifica?”. Eu conheço muitas respostas a isto que satisfazem completamente o meu julgamento, mas ainda assim, não me sinto satisfeito. Isso é errado. É correto estar cansado de estar pecando, mas não é correto contender com meu presente “bom combate da fé”.

As quedas em pecado de professos me fazem tremer. Eu tenho sido afastado da oração, e sobrecarregado de uma forma temerosa por ouvir ou ver o seu pecado. Isso é errado. É correto tremer, e fazer de cada pecado de todo professo uma lição da minha própria impotência, mas isso deveria levar-me mais para Cristo. Se eu estivesse mais profundamente convencido de meu completo desamparo, penso que não ficaria tão alarmado quando ouço das quedas de outros homens.

 

Eu devo estudar aqueles pecados em que sou mais impotente, em que a paixão se torna como um furacão e eu como uma palha. Nenhuma figura de linguagem pode representar a minha absoluta falta de poder para resistir à torrente de pecado. Eu devo estudar mais a onipotência de Cristo: Hebreus 7:25, 1 Tessalonicenses 5:23, Romanos 6:14; 5:9; cap. 10 e Escrituras semelhantes deveriam estar sempre diante de mim.

 

O espinho de Paulo (2 Coríntios 12), é a experiência da maior parte da minha vida. Isso deve estar sempre diante de mim. Existem muitos métodos auxiliares de buscar a libertação dos pecados, que não devem ser negligenciados, como: casamento (1 Coríntios 7:2); fuga (1 Timóteo 6:11, 1 Coríntios 6:18); vigiar e orar (Mateus 26:41); a Palavra, “está escrito, está escrito”, assim, Cristo Se defendeu em Mateus 4. Mas a defesa principal é lançar-me nos braços de Cristo como uma criança indefesa, e suplicar-Lhe que me encha com o Espírito Santo. “Esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé”. João 5:4-5 é uma passagem maravilhosa.

 

Eu devo estudar mais sobre Cristo como um Salvador, como um Pastor, carregando a ovelha que Ele encontra; como um Rei, reinando nas e sobre as almas que Ele redimiu; como um Capitão, lutando contra aqueles que lutam comigo (Salmos 35); como Aquele que se comprometeu a conduzir-me através de todas as tentações e provações, mesmo impossíveis para a carne e sangue.

 

Muitas vezes sou tentado a dizer: “Como pode este Homem nos salvar? Como Cristo no céu pode livra-me das paixões furiosas que sinto em mim, e das redes que sinto prendendo-me?” Isto é o pai da mentira novamente! “Ele pode salvar perfeitamente” [Hebreus 7:5].

 

Eu devo estudar sobre Cristo como um Intercessor. Ele orou mais por Pedro, que era o mais tentado. Eu estou em Seu peitoral. Se eu pudesse ouvir Cristo orando por mim na sala ao lado, eu não temeria um milhão de inimigos. Contudo, a distância não faz diferença; Ele está orando por mim.

 

Eu devo estudar mais sobre o Consolador, Sua Divindade, Seu amor, Sua onipotência. Tenho encontrado por experiência que nada me santifica tanto quanto meditar sobre o Consolador (João 14:16). E ainda assim, como é raro que eu faça isso! Satanás me afasta disso. Muitas vezes sou como aqueles homens que disseram que não sabiam que havia algum Espírito Santo. Eu nunca devo esquecer que meu corpo é habitado pela terceira pessoa da Trindade. Somente pensar nisso, deve fazer-me tremer a pecar (1 Coríntios 6). Eu nunca devo esquecer que o pecado entristece o Espírito Santo, irrita e extingue-O. Se eu quero ser cheio do Espírito Santo, sinto que devo ler mais a Bíblia, orar mais e vigiar mais.

 

3. Para obter plena semelhança com Cristo, eu devo ter uma alta estima da bem-aventurança disso. Estou persuadido de que a alegria de Deus está inseparavelmente ligada à Sua santidade. Santidade e alegria são como luz e calor. Deus nunca provou dos prazeres do pecado.

 

Cristo teve um corpo como o que eu tenho, mas Ele nunca provou um dos prazeres do pecado, e por toda a eternidade, ele nunca provará um dos prazeres do pecado. Ainda assim, a sua felicidade é completa. Seria minha maior felicidade ser desde já inteiramente como Ele. Cada pecado é algo que me distancia do meu maior prazer. O Diabo se esforça dia e noite para me fazer esquecer disso ou não acreditar nisso. Ele diz: Por que você não desfruta deste prazer, tanto quanto Salomão ou Davi? Você pode ir para o céu também. Estou convencido de que isso é uma mentira. Que a minha verdadeira felicidade seja prosseguir e não mais pecar.

 

Eu não devo adiar o abandono de pecados. Agora é o tempo de Deus. “Apressei-me, e não me detive” [Salmos 119:60]. Eu não deveria poupar os pecados, porque eu tenho há muito tempo consentido com eles como enfermidades, e outros achariam estranho se eu devesse mudar tudo de uma vez. Que ilusão miserável de Satanás isto é!

 

Tudo o que eu percebo ser pecado, eu devo, a partir desta hora, colocar toda a minha alma contra ele, usando todos os métodos bíblicos para mortificá-lo, como as Escrituras, oração especial pelo Espírito, jejum e vigilância.

 

Eu deveria observar rigorosamente as ocasiões em que eu caí, e evitar a ocasião, tanto quanto o próprio pecado.

 

Satanás muitas vezes me tenta a ir tão perto quanto possível das tentações, sem cometer o pecado. Isto é temeroso, pois isso tenta a Deus e entristece o Espírito Santo. É uma trama profunda colocada por Satanás.

Eu devo fugir de toda a tentação, de acordo com Provérbios 4:15: “Evita-o; não passes por ele; desvia-te dele e passa de largo”. Eu devo, constantemente, derramar o meu coração a Deus, orando por inteira conformidade com Cristo, para que toda a lei seja escrita no meu coração. Eu devo resoluta e solenemente entregar meu coração a Deus, entregar o meu tudo em Seus braços eternos, de acordo com a oração de Salmos 31: “Nas tuas mãos entrego o meu espírito”, suplicando-Lhe para não deixar que qualquer iniquidade, secreta ou presunçosa, tenha domínio sobre mim e me encha de toda graça que está em Cristo no mais elevado nível que for possível para um pecador redimido recebê-la, e em todos os momentos, até a morte.

 

Eu devo meditar muitas vezes no Céu como um mundo de santidade, onde todos são santos, onde a alegria é uma alegria santa, a obra uma obra santa; de modo que, sem a santidade pessoal, eu nunca posso estar ali. Eu devo evitar a aparência do mal. Deus me ordena, e eu encontro que Satanás tem uma arte singular em associar a aparência e a realidade, confundindo-as.

 

Eu encontro que falar de alguns pecados contamina a minha mente e me leva a tentação, e encontro que Deus proíbe até mesmo os santos de falarem das coisas que são feitas por eles em oculto. Eu deveria evitar isso.

 

Eva, Acã, Davi, todos caíram através da concupiscência dos olhos. Eu devo fazer uma aliança comigo, e orar: “Desvia os meus olhos de contemplar a vaidade”. Satanás torna os homens não-convertidos como a víbora surda, ao som do Evangelho. Eu devo orar para ser feito surdo pelo Espírito Santo a todos que querem me seduzir ao pecado.

 

Um de meus momentos mais frequentes de ser levado à tentação é esse: Eu digo que é necessário para o meu ofício que eu escute isso, ou olhe para isso, ou fale disso. Até agora, isto é verdadeiro; ainda assim, tenho certeza que Satanás tem sua parte nesse argumento. Eu devo procurar a direção Divina para resolver o quanto isso será benéfico para o meu ministério, e quão maligno para a minha alma, para que eu possa evitar este último.

 

Estou convencido de que nada está prosperando na minha alma a menos que isso esteja acontecendo: “Crescei na graça”, e “Senhor: Acrescenta-nos a fé”, e “Esquecendo-me das coisas que atrás ficam”. Estou convencido de que eu deveria estar perguntando a Deus e ao homem que graça eu necessito, e como eu posso tornar-me mais semelhante a Cristo. Eu devo lutar por mais pureza, humildade, mansidão, paciência sob o sofrimento e amor. “Faça-me semelhante a Cristo em todas as coisas” deve ser a minha constante oração. “Enche-me com o Espírito Santo”.

 

 

II. Reforma na Oração Secreta.

 

Eu não devo omitir qualquer uma das partes da oração: confissão, adoração, ação de graças, petição e intercessão.

 

Há uma temerosa tendência de omitir a confissão, proveniente dos baixos pontos de vista sobre Deus e Sua lei, débeis visões de meu coração e pecados passados de minha vida. Isso deve ser resistido. Há uma tendência constante para omitir a adoração, quando eu esqueço com Quem eu estou falando, quando eu corro descuidadamente da presença do Senhor, sem lembrar-me de Seu nome e caráter temíveis, quando eu tenho pequena visão de Sua glória, e pouca admiração por Suas maravilhas. “Onde está o sábio?”. Tenho a tendência natural do coração para omitir a ação de graças. Ainda assim isto é especialmente ordenado em Filipenses 4:6. Muitas vezes, quando o coração está egoísta, insensível para a salvação dos outros, eu omito a intercessão. Embora, este é especialmente o espírito do grande Advogado, que tem o nome de Israel sempre em Seu coração.

 

Talvez nem toda oração precise ter todas estas, mas com certeza, um dia não deveria passar sem algum tempo fosse dedicado a cada uma.

 

Eu deveria orar antes de ver qualquer pessoa. Muitas vezes, quando eu durmo muito, ou encontro-me com outros logo cedo, e depois, tenho a oração familiar, e café da manhã, e pessoas que me procuram pela manhã, frequentemente são onze horas ou meio-dia, antes que eu comece a oração secreta. Isto é um sistema miserável. Isto é antibíblico. Cristo ressuscitou antes do amanhecer, e foi para um lugar solitário. Davi diz: “Pela manhã ouvirás a minha voz, ó Senhor; pela manhã apresentarei a ti a minha oração, e vigiarei” [Salmos 5:3]. Maria Madalena foi ao sepulcro, sendo ainda escuro. A oração familiar perde muito de sua força e doçura; e eu não posso fazer nada de bom por aqueles que vêm me procurar. A consciência sente-se culpada, a alma em jejum, a lâmpada não avivada. Então, quando a oração secreta vem, a alma está muitas vezes fora de sintonia. Eu sinto que é muito melhor começar com Deus, ver Seu rosto primeiro, aproximar a minha alma dEle, antes que eu me aproxime de outrem. “Quando acordo ainda estou Contigo” [Salmos 139:18].

 

Se eu dormi por muito tempo, ou viajar cedo, ou se o meu tempo é de qualquer forma abreviado, é melhor vestir-me apressadamente, e ter alguns minutos a sós com Deus do que dar isto por perdido.

 

Mas, em geral, é melhor ter pelo menos uma hora a sós com Deus, antes de se envolver em qualquer outra coisa. Ao mesmo tempo, tenho que ter cuidado para não contar a comunhão com Deus por minutos ou horas, ou pela solidão. Tenho me debruçado sobre a minha Bíblia e de joelhos por horas, com pouca ou nenhuma comunhão, e meus momentos de solidão têm sido, muitas vezes, os de maior tentação.

 

Quanto à intercessão, eu devo interceder diariamente pela minha própria família, conhecidos, parentes e amigos; também pelo meu rebanho: os crentes, os despertados, os descuidados, os doentes, os enlutados, os pobres, os ricos, meus anciãos, os professores da Escola Dominical, professores da escola diária, crianças e distribuidores de sermões; para que todos os meios sejam abençoados: a pregação e ensino de Sabath, a visita aos doentes, a visita de casa em casa; providências e sacramentos.

 

Eu devo diariamente interceder brevemente por toda a cidade, pela Igreja da Escócia, por todos os ministros fiéis, pelas congregações, pelos estudantes de teologia e etc., pelos queridos irmãos nominalmente, por missionários enviados aos judeus e Gentios, e para este fim, eu preciso compreender a inteligência missionária regularmente, e familiarizar-me com tudo o que estão fazendo em todo o mundo. Isso deveria me estimular a orar com um mapa diante de mim. Tenho que ter um esquema de oração, também os nomes dos missionários marcados no mapa. Eu devo interceder, em geral, mais na manhã e noite de Sabath, das sete às oito.

 

Talvez eu também possa tomar diferentes partes em diferentes dias; eu apenas devo pleitear diariamente por minha família e rebanho. Eu devo orar sobre tudo. “Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças” [Filipenses 4:6]. Muitas vezes eu recebo uma carta me solicitando para pregar, ou algum pedido semelhante. Encontro-me respondendo antes de ter pedido conselho a Deus. Ainda mais frequentemente uma pessoa me chama e me pede alguma coisa, e eu não solicito direção. Muitas vezes eu saio para visitar uma pessoa doente com pressa, sem pedir Sua bênção, o que por si só pode fazer a visita de alguma utilidade. Estou convencido de que eu nunca devo fazer nada sem oração, e, se for possível, especial oração secreta.

 

Ao ler a história da Igreja da Escócia, eu vejo o quanto seus problemas e tribulações têm sido relacionados com a salvação das almas e a glória de Cristo. Eu devo orar muito mais por nossa igreja, por nossos principais ministros nominalmente, e pela minha própria clara orientação no caminho correto, para que eu não seja levado a desviar-me, ou me conduza de modo a desviar-me de seguir a Cristo. Muitas questões difíceis podem ser forçadas sobre nós para as quais eu não estou totalmente preparado, como a legalidade das alianças. Eu deveria orar muito mais em dias de paz, para que eu possa ser guiado corretamente quando os dias de tribulações vierem.

 

Eu devo passar as melhores horas do dia em comunhão com Deus. Este é a minha mais nobre e mais frutífera ocupação, e isto não deve ser empurrado para qualquer canto. As primeiras horas da manhã, de seis às oito, são as mais ininterruptas, e, portanto, devem ser assim empregadas, se eu puder evitar a sonolência. Um pouco de tempo após o almoço pode ser dedicado à intercessão. Após o chá é o meu melhor horário, e este deve ser solenemente dedicado a Deus, se possível.

 

Eu não devo abandonar o velho e bom hábito de orar antes de ir para a cama; mas a vigilância deve ser mantida contra o sono; planejar as coisas que devo pedir é o melhor remédio. Quando eu despertar no meio da noite, eu devo levantar-me e orar, como Davi e como John Welsh fizeram.

 

Eu devo ler três capítulos da Bíblia, em segredo, todos os dias, no mínimo.

 

Eu devo, no Sabath, pela manhã, olhar todos os capítulos lidos durante a semana, e especialmente os versículos marcados. Eu devo ler em três diferentes lugares, e devo também ler de acordo com os temas, biografias e etc.

 

 

Ele, evidentemente, deixou isso inacabado, e agora ele O conhece como também é conhecido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.