Assim Como o Cervo Brama, por R. M. M’Cheyne

|

“Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!” (Salmos 42:1)

 

Estas são supostamente as palavras de Davi, quando fugia de seu filho Absalão. Ele parece ter vagado em algum lugar selvagem e solitário no lado do monte Hermon, o fluxo do Jordão fluía aos seus pés. Davi parece ter estado cheio de pensamentos de meditação, os seus inimigos o injuriavam diariamente, dizendo: “Onde está o teu Deus?”. Não, até mesmo Deus parecia esquecê-lo; todas as suas ondas e vagas estavam vindo sobre dele, quando de repente um cervo passa por ele. Como se este houvesse sido gravemente ferido pelos arqueiros, ou perseguido por algum animal selvagem nas montanhas, talvez por leopardos. Fraco e cansado, ele o viu correndo em direção à corrente que flui, e saciar a sua sede no riacho de água. Sua alma foi vivificada por tal visão. Não é este apenas um retrato do que eu deveria ser? Não é o meu Deus para mim tudo o que a corrente que flui é para cervo ferido? “Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!”.

Espero que muitos de vocês se vejam hoje com o mesmo desejo ofegante em seu peito. Ninguém senão almas graciosas podem suspirar buscando a Deus, e Jesus Cristo, a quem Ele enviou. Assim como a magnetita nada atrai senão o que é feito de aço para si mesma, do mesmo modo um Salvador crucificado, Deus manifestado em carne, não atrairá ninguém, senão o que é despertado por Seu próprio Espírito para Ele. Que Deus me capacite a mostrar-lhes brevemente algumas das razões por que, ofegantes, os crentes buscam a Deus!

I. O fardo do pecado faz com que a alma suspire por Deus.

1. Almas adormecidas, aquelas que não sentem nenhum fardo, não suspiram por Cristo.

(1) “A alma farta pisa o favo de mel” [Provérbios 27:7]. Cristo é o favo de mel que Deus providenciou para os pobres pecadores. O mel mais doce pode ser encontrado nas fendas desta Rocha, mas as pessoas não-despertas estão fartas; fartas de paz, fartas de negócios, fartas de prazer. Elas não têm nenhum desejo por Cristo, pois estão fartos dos favos de mel.

(2) Pessoas não despertadas estão “mortas em delitos e pecados”. Elas estão como mortas para Cristo e as coisas eternas, como os mortos no cemitério da igreja estão para as coisas deste mundo. Os cadáveres no cemitério estão hoje ao alcance da voz do pregador. Se eles pudessem olhar para fora das suas sepulturas, veriam a mesa estendida com o pão e o vinho, e ainda quando falamos não ouvem, eles não choram; seus peitos não suspiram, eles não sobem e vêm. Queridos amigos, as almas mortas que estão dentro da Igreja são tão mortas como aqueles. Vocês também estão ao alcance da voz do pregador, vocês também podem ver a Cristo. Vocês também podem ver Cristo crucificado claramente apresentado, e ainda assim, vocês não têm desejos por Cristo. Seus olhos não choram, seus peitos não suspiram; vocês não têm anseios de coração por Cristo.

(3) Quando Israel estava na terra do Egito, eles tinham porros, cebolas e alho, eles sentavam junto às panelas de carne, e comiam pão em abundância. Eles não clamaram por maná, eles não procuraram a água que manava da dura pederneira. Assim é com aqueles de vocês que não estão despertados. Vocês têm os alhos e as cebolas dos prazeres deste mundo, e os lucros, e diversões, e vocês não se importam com Cristo, o pão da vida. Vocês não suspiram por perdão e um novo nascimento, vocês não têm anseios de coração pela água viva, da qual se um homem beber ele nunca terá sede novamente.

2. Muitas pessoas despertadas não suspiram por Cristo. Há alguns que se sentem como o cervo atingido pelos arqueiros, mas eles pensam que podem retirar as setas, e curar suas próprias feridas.

(1) Quando Naamã, o sírio, chegou a Eliseu, sentiu sua relutante doença, e ele desejava ser curado, mas quando o profeta lhe disse: “Vai lava-te sete vezes no Jordão, e ficarás limpo”, ele não deu acredito à Palavra de Deus: “Não são Abana e Farpar, rios de Damasco, melhores do que todas as águas de Israel? não poderia eu lavar-me neles, e ficar purificado? Então ele se virou e foi embora com raiva”. Deste modo, estão muitas almas despertadas no meio de vocês. Você sentirá sua doença repugnante, você, às vezes, treme por medo do inferno, mas quando dizemos a vocês do sangue purificador de Cristo de todo o pecado, você vai embora furioso.

(2) Quando veio o dilúvio sobre a terra, quando a chuva caiu durante quarenta dias e as entranhas do grande abismo foram divididas, não duvido que havia grandes suspiros do coração. Muitos fugiram da ira vindoura. Alguns fugiram para o topo da neve do Líbano, alguns para os picos de Ararate, mas Noé somente creu na Palavra de Deus, e entrou na arca. Muitos de vocês tremem acerca de suas almas, que ainda não estão acreditando na Palavra de Deus, e não suspiram por Cristo: “E não quereis vir a mim, para terdes vida” [João 5:40].

(3) Quando Cristo vier nas nuvens do céu, está dito que todas as tribos da terra se lamentarão por causa dEle. Não haverá uma única pessoa não-despertada na terra ou no inferno. Nem o mais orgulhoso e mais morto de vocês deixará de tremer naquele Dia. Mas, ah! só aqueles que acreditam em Sua Palavra é que fugirão para debaixo das Suas asas. Queridos amigos, não é o suficiente que vocês estejam ansiosos sobre as suas almas; vocês devem estar fugindo para Cristo: sim, vocês devem estar em Cristo, antes de estarem seguros.

3. Todos os que são ensinados por Deus buscam por Cristo: “todo aquele que do Pai ouviu e aprendeu vem a mim” [João 6:45]. “Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora” [João 6:37]. Quando um pecador é convencido por Deus que seus pecados são um fardo mais pesado do que ele pode suportar, que se ele morrer eles vão esmagá-lo em um inferno eterno, quando convencido de que Deus providenciou um Cordeiro para o holocausto; que este Cordeiro é gratuito para todos; ele corre através da multidão. Outros podem ficar para trás, mas ele não pode. Ele coloca as duas mãos sobre a cabeça do Cordeiro de Deus, e diz: “Senhor meu, e Deus meu!” [João 20:28]. “Porque este Deus é o nosso Deus para sempre; ele será nosso guia até à morte” [Salmos 48:14]. “Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!”.

Se houver algum de vós convencido de que está perecendo; que o céu é como uma grande cidade, com paredes, e que você está do lado de fora, e a tempestade da ira está prestes a cair sobre você, tem Deus também convencido de que Cristo é a única porta para entrar na cidade, a porta estreita, e, contudo, grande o suficiente para admitir qualquer pecador em todo o mundo? Ah! então sei que você se esforçará para entrar por ela, você agonizará, você não vai descansar de dia nem de noite. “Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!”. Se houver algum de vocês convencido de que o pecado é uma doença mortal, que todos os outros médicos são vãos; que Cristo está passando pelo meio de nós, cheio de virtude para curar; eu sei que você se esforçará para seguir adiante, não importa o que os outros façam: “Se eu tão-somente tocar a orla de suas vestes serei sarado” [Marcos 5:28]. “Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!”.

Eu quero agora convidar almas suspirantes para achegarem-se a Cristo. Uma triste verdade é que a maioria dos Cristãos em nossos dias estão vindo um pouco a Cristo, em vez de virem a Cristo verdadeiramente. A maioria de vocês são como o homicida correndo em direção à cidade de refúgio, quando ele se senta debaixo dos portões. Se você se sente condenado em si mesmo, e posto que Deus concedeu aval livre para os pecadores, por que você não descasará sua alma em Sua obra consumada? Por que você dará voltas e mais voltas em redor da cidade de refúgio, e não entrará nela? Esta santa ordenança se destina a ensinar-lhe apropriação por fé, e a não mais vacilar, mas para colocar para fora a mão da fé e aproximar-se de Jesus. Você não vem para olhar o pão e o vinho, mas para tomá-los. Tomai, comei, oh almas suspirantes! Que Deus lhe dê luz no mesmo instante para se aventurarem em Cristo, e dizerem: Este Deus é o meu Deus para todo o sempre.

II. O desejo por santidade faz com que a alma suspire por Deus.

1. Pessoas não-convertidas não têm nenhum desejo por santidade, e, portanto, elas não suspiram por Deus e Cristo. Na verdade, esta é a principal razão pela qual os pobres pecadores não vêm a Cristo. Eles sabem que se eles viessem a Cristo iriam receber um novo coração; eles dariam um adeus eterno aos seus antigos companheiros e prazeres, mas a maioria das pessoas prefere ir para o inferno do que isso. Quando alguns groenlandeses foram trazidos para este país não viam beleza nos belos campos de milho, e bosques, e planícies; eles desejam retornar aos seus seus campos de neve e às montanhas de gelo luzindo ao sol. Quando entraram em nossas casas, eles não podiam suportar a limpeza delas, eles preferiam antes suas próprias cabanas esfumaçadas e imundas. Assim é com aqueles de vocês que não são convertidos.

Se os seus corações se tornarem congelados para com Deus e as coisas Divinas, e quando vocês veem o coração de um Cristão como um jardim, com o rio da vida que flui através dele, e belas flores de mansidão, amor e santidade crescendo nele, vocês não podem suportar a visão, vocês amam o seu próprio coração congelado muito mais. Quando vocês veem o coração limpo de um filho de Deus, vocês dizem: “Eu prefiro ter o meu próprio coração imundo”. Ah! esta é a maneira com que a grande parte das pessoas dentre vocês não anseiam por serem feitas santas. Vocês não têm suspirado por um novo nascimento. É preciso graça para desejar graça. Vocês não desejam serem feitos novas criaturas, vocês têm preferido permanecer na imagem do Diabo do que serem transformados à imagem de Deus. Você é como Jerusalém: “ai de ti, Jerusalém! Até quando ainda não te purificarás?” [Jeremias 13:27].

2. Mas, todas as almas salvas suspiram por santidade: “Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!”.

(1) Quando uma alma vem e se achega a Cristo, ela não é feita perfeitamente santa de uma vez: “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito” [Provérbios 4:18]. Assim como você viu o dia lutando com a escuridão, e depois com as nuvens, até que o sol irrompe no meridiano esplendor, assim é com a santidade de um Cristão. Assim como nas terras mais ricas, após a aração profunda, ervas daninhas ainda crescerão entre o milho, assim, muitas raízes de amargura permanecerão no coração do crente. Paulo agradeceu a Deus pela graça que foi dada aos Coríntios, que não vieram atrás de nenhuma dádiva, e, contudo, ele ainda diz que entre eles havia conflitos, inveja, divisões, de modo que ele não poderia chamá-los espirituais, mas carnais. Assim é com cada coração Cristão. As ervas daninhas crescem nos melhores jardins cultivados. Há o suficiente em Cristo para suprir todas as nossas necessidades. É nossa culpa que não somos santos como Deus é santo. Não é em Cristo, mas em nós mesmos, que somos angustiados. O derramar da graça é abundante o suficiente, e mais do que suficiente, mas não abrimos bem a nossa boca.

(2) Mas cada alma em Cristo odeia anseios pecaminosos. Nada faz ele suspirar mais por Deus do que a corrupção lutando dentro dele. Paulo nunca orou mais intensamente do que quando ele teve o espinho na carne. O espinho na carne nos faz suspirar por Deus. Sempre que um navio é deixado pela maré seca deitado sobre a areia, ele não pode ser movido, é como um tronco impotente. Os marinheiros podem tentar tirá-lo com cordas, mas só afunda mais na areia. Eles não podem fazer nada, mas com o tempo pela maré cheia, ele pode novamente ser levantado pelas ondas, e navegar para o porto. Assim é com o Cristão. Você é muitas vezes como um navio encalhado na areia. Você não pode se mover. Você tenta os deveres, mas é um trabalho pesado. Sem Cristo você não pode fazer nada. Você espera e suspira por Cristo, pela maré cheia do Espírito, para levantar sua alma acima das ondas, e levá-lo prosperamente em direção ao porto celestial.

Permitam-me convidá-las, almas cansadas, a virem a Cristo neste dia. Alguns de vocês estão sentindo o espinho na carne, e vocês estão orando para que ele possa afastar-se de vocês. Alguns de vocês se sentem como o criminoso que foi acorrentado a um corpo morto. Vocês sentem seu corpo repugnante de pecado, você clama: “Miserável homem que sou!”. Alguns de vocês são como o cervo que foi ferido por um leão, e que treme do seu rugido. Vocês foram feridos por Satanás, e vocês tremem ao ouvir o seu rugido. Venha a Jesus. Ele vos aliviará, almas ofegantes. Aproximem-se de Cristo, alimentem-se de Cristo. Sem Ele vocês não podem fazer nada. Mas por meio do fortalecimento de Cristo, vocês podem fazer todas as coisas. Esta ordenança tem por objetivo ensiná-los a alimentarem-se de Jesus. Vocês não somente olham para o pão, nem somente o manuseiam, vocês comem, vocês bebem. Então, entrem em união pessoal com Cristo, oh almas sedentas, e Ele será a sua força. “Deus é nosso refúgio e nossa força”.

III. Desolação faz a alma suspirar por Deus.

1. Os crentes nunca devem estar desolados. É contrário à promessa: “Nenhum dos que nele se refugiam será condenado” [Salmos 34:22]. Cristo é sempre o mesmo. Sua justiça é tão perfeita num dia como no outro. Se você está vestido desta justiça, a sua paz será como um rio. É muito desonroso para Cristo o fato de que os crentes estejam sempre cabisbaixos: “Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos” (Filipenses 4:4).

2. Ainda temo que alguns de vocês podem dar testemunho de que o crente às vezes se entristece muito. A lua nem sempre brilha em um céu sem nuvens. Os navios nem sempre navegam em um mar sem ondas. O crente nem sempre anda no sorriso de seu Pai. (1) As providências exteriores, por vezes, fazem isto, quando elas vêm inesperadamente sobre nós, quando não podemos ver o significado de Deus nelas, quando nós suspeitamos de Seu amor, e caímos na escuridão. Então diz Jó: “Pereça o dia em que nasci, e a noite em que se disse: Foi concebido um homem!” [Jó 3:3]. (2) O pecado admitido no coração é a causa mais comum. Deus é um Deus ciumento. Portanto diz Israel: “Irei atrás de meus amantes, que me dão o meu pão e a minha água, a minha lã e o meu linho, o meu óleo e as minhas bebidas” [Oséias 2:5].

3. As almas desoladas suspiram por Deus, assim foi com Jó: “Ah, se eu soubesse onde o poderia achar! Então me chegaria ao seu tribunal” [Jó 23:3]. Assim foi com a noiva: “Levantar-me-ei, pois, e rodearei a cidade; pelas ruas e pelas praças” [Cânticos 3:2]. Desta forma diz Davi: “Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus”. Quando uma criança que foi ternamente criada, afetuosamente vestida e confortavelmente alimentada, e criada aos cuidados da mão de uma mãe gentil, quando a criança é exposta ao frio do mundo, oh quão verdadeiramente amargo isto é! Como anseio o teto do meu pai e o sorriso da minha mãe! Assim é com um filho da luz quando anda nas trevas.

Convidamos as almas desoladas a se achegarem a Deus, ao Deus vivo. Alguns de vocês podem estar se sentindo como um navio atirado em um mar tempestuoso. Um abismo chama outro abismo, ao ruído das tuas catadupas; todas as tuas ondas e as tuas vagas têm quebrado sobre você [Salmos 42:7]. Sejam persuadidos a aproximarem-se de Cristo, que é oferecido gratuitamente a vocês. Lance fora totalmente a questão de saber se você já creu antes. Creia agora. Essa ordenança é peculiarmente adequada para você.

Você diz que não pode abraçar o Salvador; bem, aqui Ele é apresentado claramente em pão e vinho: “Isto é o meu corpo partido por vós” [1 Coríntios 11:24]. Você diz: “Mas como eu sei que Ele é um Salvador para mim?”. Veja, aqui o pão é oferecido gratuitamente: “Quem quiser, tome de graça da água da vida” [Apocalipse 22:17]. Você diz: “Mas como é que eu sei que Ele ainda a está se oferecendo a mim?”. Eu respondo: “Ainda há lugar” [Lucas 14:22]. Aqui tem pão suficiente e de sobra. Você diz: “Mas posso realmente aproximar-me dEle?”. Eu respondo: “Tomai, comei” [Mateus 26:26]. Alma suspirante, venha para debaixo de Suas asas. “O Espírito e a Esposa dizem: Vem!” [Apocalipse 22:17].

Dundee, 4 de novembro de 1838.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.