Um Chamado Para Um Viver Santo, por C. H. Spurgeon

|

Um Chamado Para Um Viver Santo, Sermão Nº 1029. Pregado na manhã do Dia do Senhor, 14 de janeiro de 1872. Por C. H. Spurgeon, no Tabernáculo Metropolitano, Newington.

 

“Que fazeis de mais?” (Mateus 5:47)

 

Se a doutrina da justificação pela fé somente não é muito claramente ensinada qualquer ministério incorre em uma grande falha. Irei mais longe, e acrescentarei, que não é apenas um grande defeito, mas um defeito fatal, pois as almas nunca vão encontrar o seu caminho para o céu por um ministério que não é claro sobre a mais fundamental das verdades do Evangelho. Nós somos justificados pela fé, e não pelas obras da lei. O mérito pelo qual uma alma entra no céu não é o seu próprio, é o mérito de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Tenho a certeza de que todos vocês me considerarão sem a culpa de nunca ter falado sobre esta grande doutrina apenas em uma linguagem clara e objetiva. Se eu errei, não foi neste sentido. Ao mesmo tempo, é um perigoso estado de coisas se a doutrina é pregada de tal forma a desprezar o preceito, e a fé é ensinada como algo que torna a santidade algo supérfluo.

 

A santificação não deve ser esquecida ou coberta pela justificação; devemos ensinar claramente que a fé que salva a alma não é uma fé morta, mas uma fé que opera com efeito purificador sobre toda a nossa natureza, e produz em nós frutos de justiça para o louvor e glória de Deus. Não é por santidade pessoal que um homem deve entrar no Céu, mas ainda assim sem santidade o homem não verá o Senhor; não é pelas boas obras que somos justificados, mas se o homem continuar a viver uma vida ímpia, a sua fé vai não justificá-lo, pois não é a fé dos eleitos de Deus, uma vez que quando a fé é operada pelo Espírito Santo, conforma os homens à imagem de Cristo.

 

Temos que aprender a colocar os preceitos em sua posição correta, pois eles não são a base da coluna, são a essência da mesma. Os preceitos não são dados a nós como uma maneira de obter a vida, mas como a maneira pela qual demonstrar a vida. Os mandamentos de Cristo não estão sobre o teor legal de: “Faça isso e viverás”, mas sobre o sistema do Evangelho que diz: “Viva e faça isso”. Nós não devemos obedecer aos preceitos a fim de sermos salvos, mas, sim, porque nós já somos salvos; nosso motivo principal é a gratidão Àquele que nos salvou com uma grande salvação. Estou certo de que todos os corações renovados aqui, não sentirão nenhuma oposição à maioria dos preceitos sagrados do Senhor; por mais severamente pura que a Lei possa parecer como acabamos de ler agora neste quinto capítulo de Mateus, os nossos corações concordam com ela, e pedimos para que sejamos tão renovados que nossas vidas possam ser conformadas com ela. O regenerado nunca se rebela contra qualquer preceito, dizendo: “Isso é muito puro”, pelo contrário, a nossa natureza recém-nascida é apaixonada pela santidade, e clamamos: “A tua palavra é muito pura; portanto, o teu servo a ama. Quem dera que os meus caminhos fossem dirigidos a observar os teus mandamentos” [Salmo 119:140 e 5]. Mesmo que nós encontremos que quando vamos fazer o bem, o mal está conosco, contudo nossas almas anseiam profundamente a santidade, e anelam serem libertas de todo e qualquer caminho mau. Queridos amigos, se não é assim com vocês, vocês podem muito bem questionar se vocês são, de fato, filhos de Deus. Meu desejo, nesta manhã, é insistir sobre os preceitos que tendem à santidade, e peço ao Espírito Santo para excitar desejos por um alto grau de pureza em todos os corações crentes.

 

Muitas pessoas julgam a si mesmas por outras, e se sobre o todo elas descobrem que não são piores do que a massa da humanidade, dão a si próprios uma marca de recomendação especial; eles atingem uma espécie de média entre os seus vizinhos, e se eles não podem fingir que são os melhores, no entanto, se eles não são os piores ficam bastante confortáveis. Há certos escribas e fariseus entre seu conhecimento que jejuam, três vezes por semana, e pagam o dízimo de tudo o que possuem, e eles olham para estes como pessoas muito superiores com quem eles não tentam competir, mas eles agradecem a Deus por estarem muito acima dos publicanos horríveis e daqueles pecadores terríveis que são colocados do lado de fora do âmbito da sociedade! Eles, portanto, sentem-se muito leves em suas mentes e vão para os seus locais de culto, como se fossem santos, e eles levam o nome de Cristão, como se pertencessem a eles, eles comungam em privilégios Cristãos, e sentam-se com o povo de Deus, como se fossem verdadeiramente da família; suas marcas e evidências sendo apenas estas, que fazem tanto sobre o todo como as outras pessoas, e se eles não estão em primeiro lugar, eles não são totalmente os últimos. Os ninhos de tais pessoas deveriam ser gravemente perturbados quando eles lessem o capítulo que está diante de nós, pois nele o Mestre insiste em um padrão mais elevado do que o melhor padrão que pode existir no mundo, e nos diz que a menos que a nossa justiça exceda a dos escribas e fariseus, não podemos entrar no Reino dos Céus.

 

Em nosso texto, o grande Mestre pede daqueles que são professos da Sua fé, que eles não devem apenas fazer tanto quanto os outros para provar seu título, mas que eles devem fazer mais do que outros, e Ele faz disso uma questão de teste quanto a saber se são realmente Seus seguidores: “que fazeis demais?”. Vou tentar, nesta manhã, em primeiro lugar, mostrar que há razões para esperar mais de Cristãos do que dos outros; em segundo lugar, vou tentar indicar as questões em que nós naturalmente esperaríamos mais deles do que de outros; e, em terceiro lugar, darei algumas razões pelas quais deve ser o objetivo de cada alma salva fazer mais do que outros.

 

I. Vamos considerar o FUNDAMENTO PARA ESPERARMOS MAIS DE CRISTÃOS DO QUE DE OUTROS. Há razões legítimas para que o mundo, a Igreja, e nosso Senhor Jesus Cristo, possam esperar mais dos Cristãos do resto da humanidade. E, a primeira é: porque professam mais. Profissões devem sempre ser apoiadas por fatos, ou então elas são enganos, falsificações e hipocrisias. Um Cristão professa-se um homem renovado, algum que conheceu o mal do pecado, se arrependeu dele, e fugiu dele para Cristo Jesus, ele professa ter sido perdoado e ter recebido um novo coração e um espírito reto, ele professa também ser um filho de Deus e um herdeiro do céu. Outros homens não professam isso, alguns, que não fazem nenhuma profissão, desejam poder esperar que essas coisas pertençam a eles; outros deles desprezam completamente essas coisas, mas em nenhum dos casos eles professam ser o que o Cristão é. Ora, Cristão, se você professa isso, sua vida deve prová-lo! Se a sua vida desmente a suas pretensões religiosas, você está condenado por uma mentira flagrante, uma fraude contra os homens, e um crime contra Deus. É um grande crime e contravenção para um homem assumir o nome de um filho de Deus, quando ele é totalmente desprovido da natureza Divina, e vive em impiedade. Na proporção em que o privilégio e a honra de um filho de Deus é grande, assim também o pecado de falsas pretensões de graça Divina é maior, se vocês dizem que são regenerados, renovados e santificados, então, sejam tudo o que isso significa, ou parem com suas ostentações […].

 

Você se lembra da antiga história do viajante que, ao retornar à sua cidade natal, se gabava dos feitos extraordinários que ele havia realizado, e como, em particular, ele tinha maravilhado a todos com seus saltos incríveis. Eu esqueço quantos passos ele tinha saltado, mas era algo muito maravilhoso de fato. Os que estavam ao redor abriram a boca de espanto quando ouviram a maravilha, mas um sábio foi menos crente, e, portanto, observou o comprimento exato no chão, e disse: “Se você saltou tão longe no exterior, talvez você fará o mesmo aqui, e então acreditaremos em você”. O mundo, nestes tempos, não se esquecerá de pedir provas, a era da mera afirmação acabou, os homens dirão a você: “Você que afirma ter experimentado isso, então, aconteça que agora, apenas aja em conformidade, e nós acreditaremos em você”. E se você não lhes dá uma resposta justa e honesta, eles não vão murmurar disto em lugares secretos, mas eles vão deixar claro na sua cara que eles acreditam que você é um mentiroso, mas o que é pior, eles vão culpar a Religião Cristã da qual você é um tão indigno professante! Infelizmente, podemos muito bem nos envergonhar por muitos de vocês professos, como vocês podem corar por si mesmos, se vocês fossem capazes disso, mas é de se temer que muitos estão passando vergonha e ainda têm a testa de bronze. Quantas vezes Cristo foi desonrado, crucificado novamente e exposto a toda a vergonha abertamente por homens ímpios que ousaram tomar o Seu Nome sobre si mesmos!

 

Quando um dos grandes pintores foi contratado para fazer os retratos de Pedro e Paulo, um cardeal que estava ali observou que ele achava que o pintor colocou muito vermelho em seus rostos. “Não”, disse o artista, “é para mostrar o quanto os Apóstolos coram pela a conduta daqueles que se dizem ser seus sucessores”. Você professos são os sucessores dos primeiros santos, mas vocês não desonram o nome deles? Em quantos casos os seus pastores se envergonham e choram por vocês, porque vocês fazem com que o santo nome de Jesus seja blasfemado? Agora temos todos muitos motivos para examinarmos nossos corações aqui, mas a miséria é que os próprios homens que têm mais motivos para estar preocupados irão recusar-se a se autoexaminarem, em vez de fazer mais do que outros, é de recear que muitos não estão fazendo tanto quanto os outros! Até mesmo os homens do mundo são mais honestos do que alguns professos, e eu poderia acrescentar: mais generosos e mais sóbrios. Há milhares de pessoas que não professam ser convertidas, mas que, no entanto, são escrupulosos em seus negócios, e exatos em suas transações mercantis, enquanto alguns professos baseados em seu nascimento têm espoliado o público, têm emitido mentiras prospectas de empresas irreais, e acabaram em falências gigantescas. Se temos muitos destes, a Religião será um escárnio e um falatório vão em toda a terra! Deus nos livre de fazer uma profissão, se não temos a graça Divina para viver de acordo com ela.

 

Mas, em segundo lugar, bem podemos esperar mais de Cristãos do que dos outros, porque é um fato, no caso daqueles que são verdadeiramente Cristãos, que eles são melhores do que os outros. Não é mera conversa, é um fato de que o crente em Cristo é nascido de novo, ele não é apenas como os demais homens, feitos por Deus, mas ele foi duas vezes feito, recém-nascido, recém-criado em Cristo Jesus. Não é ficção, mas uma questão de experiência verídica, nós já temos passado da morte para a vida; temos recebido o Espírito de Deus em nossas almas que implantou em nós uma nova natureza mais elevada do que a natureza de outros homens, uma natureza muito superior do que a alma comum do homem, assim como a alma do homem está acima da natureza de um animal, pois os filhos de Deus são participantes da natureza Divina! Deus habita neles, e o Espírito de Deus os habita como um rei habita em seu palácio. Eles são mais do que os outros homens, eles são, portanto, não apenas por causa de sua regeneração, mas por causa daquele ato eterno de Deus, que os distinguiu no Pacto da Graça antes que a terra existisse.

 

Deus tem um povo escolhido. “Eu vos escolhi do mundo” [João 15:19], diz Cristo, há alguns a quem o amor eterno fixou seus olhos de graça antes que os montes perfurassem as nuvens, ou os rios procurassem os mares, que são superiores aos outros e são infinitamente mais devedores ao amor de Deus do que outros. Ele os amou com um amor eterno, e por isso Ele chamou-os a Si mesmo, esses homens, porque foram escolhidos de Deus, foram redimidos como os outros homens não foram. Há um sentido em que a expiação de Cristo chega a toda a humanidade, mas, sem dúvida, a Escritura ensina-nos que há um povo que Cristo “redimiu dentre os homens” [Apocalipse 14:4], “Ele deu a sua vida por suas ovelhas” [João 10:15], “Ele amou sua Igreja e se entregou por ela” [Efésios 5:25]. Há uma redenção particular, e neste todos os verdadeiramente regenerados filhos de Deus são certamente participantes; sobre eles está a marca do sangue, e eles são de Cristo! De todos esses pode-se dizer: “Você não pertence a si mesmo, você foi comprado por bom preço” [1 Coríntios 6:20]. Eles têm a natureza de Deus neles, pois eles têm a eleição de Deus sobre eles; pois eles têm a redenção de Deus os emancipando de modo que eles são mais do que outros; pois eles são preciosos filhos de Deus, enquanto outros são herdeiros da ira; pois eles são da luz, enquanto o mundo inteiro jaz nas trevas; eles são ovelhas do Seu pasto, enquanto o resto do mundo anda em cima das montanhas selvagens da vaidade.

 

Agora, se eles são mais do que os outros, eles devem produzir mais do que os outros em suas vidas. Não vou insistir no raciocínio aqui, porque eu prefiro apelar antes para o coração de cada crente do que para sua cabeça. De acordo com o que você recebeu assim o Seu amado demandará que você frutifique. Pode qualquer santidade ser muito precisa em troca do amor infinito que foi concedido a você desde antes da fundação do mundo? Pode qualquer serviço ser muito difícil em relação ao sofrimento do seu Salvador, que foi traspassado pela sua redenção? Pode qualquer abnegação ser muito severa para provar que o Espírito Santo em você subjugou sua carne, e supera suas corrupções? Eu digo do argumento que apela para o seu amor, eu não o pronunciarei em tons legais para que você não pense que você ouve o chicote da Lei atrás de mim, mas até mesmo o próprio Mestre, eu penso diria para você assim: “Na medida em que Eu vos tenho amado assim Eu vos redimi com tal preço, e vos gerei para Mim mesmo pelo poder do Meu Espírito, que tipo de pessoas não deveríeis ser em toda santa conversação?”. O que deve ser esperado daqueles tão notavelmente foram distinguidos pela soberana graça de Deus?

 

Mais uma vez, é certo que os verdadeiros Cristãos podem fazer mais do que outros. “Podem”, diz alguém, “por que, eles não podem fazer nada”. É verdade, exceto por meio de Cristo que os fortalece, então eles podem fazer todas as coisas! E Cristo faz forte o Seu povo. Eu admito a sua fraqueza, eu admito não, eu choro e lamento experimentalmente em minha própria pessoa a sua fraqueza, mas, por tudo isso, eles são fortes no Senhor e na força do Seu poder. Jesus Cristo dá a eles Sua energia conquistadora, e, como o Seu sangue venceu o inimigo, eles vencem por meio do sangue do Cordeiro. Deus lhes deu Seu Filho, e no poder de Jesus eles podem e devem vencer o pecado.

 

Além disso, o que é o Espírito que habita dentro de nós? Ele não é a própria Onipotência? O Espírito Santo que veio sobre nós não é uma influência que pode ser limitada em sua eficácia, mas Ele é uma Pessoa Divina que habita conosco, e estará em nós. Quem deve estabelecer qualquer limite para o poder do homem em quem o Espírito Santo, Ele próprio, habita? Todos os crentes nunca devem se atrever a dizer: “Desse hábito não podemos desistir”. Podemos e devemos derrubar todos os ídolos em nossos corações; nunca podemos dizer: “A essa altura da devoção eu nunca posso alcançar”. Irmãos e irmãs, a Onipotência nos cinge! Deus nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo! Nunca nos sentaremos e diremos: “Eu devo ser um pecador em tal e tal ponto, não posso progredir além disto”. O que diz a Escritura? “Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus” [Mateus 5:48], estamos nos esforçando para buscar esta perfeição, e estamos avançando em direção a este sinal de nossa vocação. O Deus que nos habita está trabalhando em nós diariamente tanto o querer como o efetuar segundo a Sua própria boa vontade, para que possamos fazer o que o pecador morto não pode fazer, podemos fazer o que os pecadores, sem o Espírito, não podem fazer, e, se podemos, então nós devemos. Certamente, é requerido de um homem de acordo com o que ele tem, e onde muito é dado, muito será exigido. Vamos tomar cuidado para não extinguirmos o Espírito, que por nossa incredulidade não restrinjamos seu Divino poder; mas esforcemo-nos, Deus aspira em nós, buscando o mais alto padrão concebível de santidade e de separação do mundo. O Espírito de Deus, ajuda-nos para que possamos ser santificados, pela Sua graça, em espírito, alma e corpo.

 

Vou ainda mais longe, é de se esperar mais de Cristãos do que os outros, porque eles têm mais. “Mas eles são pobres”, diz um deles. É verdade, porém o mais pobre Cristão possui mais do que o incrédulo mais rico. Você deve colocar diante de mim agora, uma pobre que é crente, e o imperador que não tem fé em Cristo. Estou convencido de que a pobre velha indigente não trocaria sua sorte ainda que a púrpura imperial lhe fosse oferecida. Ela não se recusaria a deixar seu Salvador se o mundo fosse oferecido a ela. Eu acho que ela citaria o Dr. Watts e diria:

 

“Vá você que se vangloria em todas as suas farturas,

E diga o quão brilhante elas cintilam;

Seus montes de poeira brilhante são seus,

Mas o Redentor é meu.”

 

Enquanto o pobre crente sente que o seu Deus é o seu quinhão, ele despreza, ao invés de cobiçar, as glórias do mundo.

Irmãos e irmãs em Cristo, vocês sabem muito certamente que vocês possuem o Pacto da Graça, um pacto rico além da comparação. Quando Moisés olhava do cume do Nebo, e avistava a terra do Líbano até o rio do Egito, tal perspectiva alegrou o seu olhar como aquilo que surge diante dos olhos de sua fé quando vocês examinam o Pacto em tudo bem ordenado e seguro. Mais do que isso, vocês têm Cristo no Pacto, e Cristo é tudo em todos! Todas as glórias de Sua imaculada Humanidade, e Sua infinita Divindade — todos os Seus méritos, todas as Suas conquistas, todas as Suas glórias — são suas, vejam, vocês são dEle! E acima de tudo, Deus é seu: “E eles serão o meu povo, e eu lhes serei o seu Deus” [Jeremias 32:38]. E tendo Deus como sendo o seu Deus, a providência é sua; todas as coisas cooperam para o seu bem! Os bens da vida são seus, e assim são seus males, o mundo é seu, e mundos além do rio. O tempo e a eternidade, o presente e as coisas que estão por vir, a vida e a morte, tudo é seu! E, no entanto nenhuma coisa boa era sua por herança natural; nenhum bem era seu por compra de seus próprios ganhos, ou aquisição de sua própria obra, pois eles são todos os dons da graça soberana de Deus.

 

Irmãos e irmãs, todos nós somos devedores, quem sabe quanto devemos? Se eu dissesse a algum de vocês: “Pegue sua caneta e sente depressa e escreva o quanto você deve ao seu Senhor”, se você tivesse que sentar-se lá até que você completasse o registro maravilhoso, você certamente nunca deixaria aquele lugar! Profundezas da misericórdia, eu, um pecador, nunca teria uma esperança do Céu, mas, oh! alturas de misericórdia, que eu devesse ter sido adotado na família de Deus, e feito um coerdeiro com Cristo Jesus de toda a herança do Primogênito de Deus, para ter tudo o que Deus é, e tudo o que Deus tem, como sendo a porção do meu cálice, isso é, de fato, graça! Meu cálice transborda! Bendize, ó minha alma, ao Senhor!

 

E agora, depois de tudo isso, é necessário que vocês não façam mais do que os outros? Deve o servo que apenas recebe o seu salário diário amar o seu mestre mais do que o filho que tem o coração do pai? Terá o estrangeiro que pousa na casa ocasionalmente o amor do dono da casa mais do que o seu cônjuge que é o amado de sua alma? Pelos favores que vocês receberam, que são inúmeros e imensos; pelo manancial precioso da misericórdia a partir do qual todos os favores veem, pelos muitos anos em que a bondade de Deus e a Sua misericórdia seguiram vocês todos os seus dias, se vocês não são, de fato, insensíveis e seus corações não estão endurecidos como granito, rogo a vocês, irmãos e irmãs, façam mais do que os outros! Sirvam ao Senhor com uma intensidade que os outros não podem alcançar, e vivam para Ele com um ardor que não se pode conceber. Eu acho que este é um bom argumento. Será um raciocínio poderoso, se você sentir que é assim. Vocês sentem isso, irmãos e irmãs? E sentindo isso tentarão vivê-lo?

 

Em seguida os crentes devem fazer mais do que outros, porque eles estão à procura de coisas maiores do que os outros. A procura do homem ímpio é obscura e triste, quando ele se atreve a abrir a janela e olhar, o que ele vê? Venha aqui, venha aqui, ímpio, eu devo levá-lo para as ameias de sua casa, e lance você um olhar ao exterior, o que você vê? Ah, ele fecha os olhos e se recusa a olhar pois vê um rio, cujo nome é morte, e ele vê que as ondas são negras e espumam com a ira de Deus. Olhe, senhor, olhe, peço-te, pois fechar os olhos sobre ele não vai secá-lo, e você vê o que está além desse rio? Ah, ele não ousa pensar, pois depois da morte dele vem o inferno e a ira de Deus! Ó homem, olhe, eu te suplico, olhe, pois esta será sua porção, a menos que você se arrependa e fuja para Cristo buscando por Sua misericórdia! Mas não, ele cobre seus olhos e volta para suas alegrias, pois ele não pode suportar olhar para o que certamente será o seu quinhão. Mas vamos lá, Cristão, você que lavou as vestes e as branqueou no sangue do Cordeiro, o que você vê? Suponha que deveria ser sua sorte morrer antes do Mestre vir em Seu segundo advento, o que você vê? “Eu vejo”, ele diz, “um acolchoado onde eu reclino, e fecho meus olhos na terra, para abri-los no Céu! Eu vejo anjos esperando e rodeando essa cama, e o Mestre o Senhor da vida, pronto para receber o meu espírito”. O que vem depois do que você vê? “Não, eu não posso te dizer, porque meus olhos estão deslumbrados com a glória e minha língua não é capaz de descrever o que Deus revela aos Seus filhos pelo Espírito Santo, mas há glória sem fim para sempre com o Senhor, o descanso que não conhece o medo, o Sabath sem fim”. Oh! a glória, a glória que dura para sempre na presença do Mestre a quem nós servimos e que o Pai que nos amou desde de a antiguidade, esta é a sua perspectiva agora! E irmãos e irmãs assim como tão brilhante é a sua expectativa, peço que vocês façam mais do que outros!

 

 

II. Este é um campo muito amplo, mas temos que deixá-lo, porque o nosso tempo nos falta, e devemos chamar a atenção para aquelas QUESTÕES EM QUE PODEMOS NATURALMENTE VER QUE O CRISTÃO FAZ MAIS DO QUE OUTROS.

 

Eu pensei em não proferir minhas próprias ideias, nesta manhã, mas fortalecer a mim mesmo, voltarei para a própria linguagem do Mestre; então eu devo encaminhá-lo novamente para este quinto capítulo de Mateus, e você verá, olhando do versículo 13 ao 16, que nosso Senhor espera que Seu povo dê um exemplo mais piedoso do que os outros fazem. Observe que eles devem ser o sal da terra e a luz do mundo, eles devem ser como uma cidade edificada sobre um monte, e, portanto, vistos de todos.

 

Se você não fosse um professante, meu amigo, você certamente teria alguma influência, e estaria sob a responsabilidade por ela, mas como Cristão o seu lugar neste mundo é peculiarmente de influência. Você não é como uma pedra, afetada pela atmosfera, ou coberta por musgo, uma coisa meramente passiva, não, você é ativo, e deve afetar os outros como o sal que tempera. Você não é uma vela apagada que pode existir sem afetar os outros, você é uma vela acesa, e pode ser tão iluminado, sem dispersar luz ao redor, você é feito com o propósito de exercer influência, e seu Mestre avisa que se a sua influência não é salutar e boa, você é uma pessoa irremediavelmente inútil, pois quando o sal perder o seu sabor, não presta para nada, senão para ser pisado pelos homens. É esperado de você, portanto, que influencie os outros para o bem. Você é um empregador? Deixe sua influência ser sentida por seus servos. Você é um filho em casa? Deixe sua influência ser sentida ao redor da lareira de comunhão. Você é, talvez, uma empregada doméstica, então tome cuidado para que, como a pequena empregada que servia a esposa de Naamã, busque o bem da família.

 

Sua influência deve agir em silêncio e sem ostentação, como a influência do sal que não é barulhenta, no entanto, potente; você não pode passar por este mundo, com razão, dizendo: “Se eu não fizer nenhum bem, pelo menos eu não faço nenhum dano”; isto pode ser o apelo de uma pedra ou um tijolo, mas não pode ser uma desculpa para o sal insípido, pois se quando o sal é esfregado na carne não tempera e a preserva, é um sal ruim e não realiza o que dele é esperado, que tem causado prejuízo para o dono por ter deixado a carne apodrecer; e se você neste mundo, de acordo com sua capacidade e meios, não afeta outras pessoas para o bem, você tem condenado a si mesmo a ser uma carga inútil, imprestável da terra! O Mestre espera que, como Ele colocou uma forte influência de Sua graça em você, que você seja como o sal!

 

Assim como Ele colocou a luz ardente de Sua graça sobre você, Ele espera que você seja como uma lâmpada, dispersando luz a todo o redor; seja advertido por esta que não é a minha palavra, antes é a Palavra dAquele a quem você chama de Mestre e Senhor! Imagine que você O ouve falando, a partir daqueles queridos lábios que são como lírios que gotejam mirra, e em vez de ver as minhas mãos levantadas em sinal de advertência, finja que você vê o sinal dos cravos em Suas mãos e deixe as palavras virem com força à sua alma!

 

Em seguida, se eu ler a partir do verso 17 ao 20, sou ensinado que o Senhor espera de Seu povo um desempenho mais exato da Divina vontade do que até mesmo os fariseus pretenderam dar. Observe que Ele fala aqui sobre jotas e tis nunca omitidos, e sobre aqueles que violam o menor dos Seus mandamentos, e assim ensina aos homens, e entendo que Ele quer que observemos a mínima de Suas palavras e entesouremos Seus mandamentos. Vocês acham, queridos irmãos e irmãs, que haveria tantas seitas em meio à Cristandade se todos os crentes honestamente quisessem saber a verdade de Deus e conhecer a vontade de Cristo? Eu não acho que haveria, eu não posso pensar que o nosso Senhor tenha escrito um livro tão duvidoso e ambíguo em suas expressões, de forma que os homens precisem diferir em pontos simples ao interpretá-lo, eu tenho medo que trazemos preconceito a ele, o preconceito de nosso temperamento constitucional, ou dos nossos pais, ou da igreja com a qual estamos associados, e nós prestamos reverência ao livro de outra pessoa, talvez um catecismo, talvez, o livro de Oração Comum, acima e além da própria Bíblia! Agora, tudo isso é errado, e devemos purificar-nos disto, e vir para a própria Palavra de Deus! E quando chegamos a este Livro, devemos estar aberta e humildemente, com este sentimento: “Desejo agora desaprender a doutrina mais preciosa ou prática que eu já aprendi, se o Senhor me mostrar que é inconsistente com a Sua vontade, e eu desejo aprender essa verdade que me trará mais escárnio, ou a ordenança que me apresentará as maiores inconveniências, se for a Sua vontade, porque eu sou Seu servo, e eu não desejo em nada sustentar a minha própria opinião ou ser minha própria regra”. Penso que todos ficaríamos muito unidos, se, pelo Espírito de Deus, começássemos a ler nossas Bíblias desta forma. Certamente o Senhor espera isto de nós. Eu não acho que Ele espera isso de alguns professos, pois certamente Ele nunca conseguirá isto, pois eles estão bastante satisfeitos em dizer: “Eu participo da minha igreja paroquial, e essa é a fé da nossa igreja”, ou, “minha avó juntou-se aos Dissidentes, e, portanto, eu continuo com eles, e além disso, depois de tudo, você sabe que não há divisões no Céu”.

 

Essa última afirmação é um dos pretextos mais superficiais já projetados na terra para desculpar o homem de ser escrupulosamente obediente a cada palavra de Seu Senhor e Mestre! Eu não duvido, ó discípulo, que você alcançará o céu, mesmo que você confunda alguns dos ensinamentos do Mestre, mas eu não duvido que você alguma vez chegará lá, se você deliberadamente desprezar Suas Palavras ou recusar-se a aprender o que Ele veio ensinar! Nosso Senhor nos disse: “Ide, pois, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”, e, portanto, se você não se tornar um discípulo e aprender de Cristo, nós ainda nem começamos com você, você também não pode ser batizado ou levar o nome do Deus Triuno. Jesus fará você obedecer Sua vontade, assim como confiar em Sua graça. Lembre-se disto, amado. Essa exigência de obediência exata não possui nenhuma palavra minha, mas do Mestre.

 

Olhe novamente, a partir do versículo 21 ao 26 e, apesar de que eu não pretendo expor cada palavra, eu falo que Cristo quer que Seu povo se destaque de todos os outros com brandura. Outros retaliarão sobre aqueles que os injuriam, e lhes atacarão com nomes agressivos, e vão mesmo ao ponto de dizer: “Tolo!”, e, talvez, vão ainda mais longe, até virem a amaldiçoar e imprecar julgamentos terríveis. Um homem briguento, quando ele está em uma briga com outro, e tem prazer nela, ele não se importa quantos irão odiá-lo, ou quantos ele odeia, sua religião é bastante coerente com o pior temperamento. Ele pode fazer suas orações, ou ele pode oferecer seus dons ao seu deus, e ainda assim ser tão mal-intencionado como ele quiser. Mas com o Cristão não é assim, e nem deve ser, suportaremos uma grande quantidade de afrontas antes de darmos qualquer resposta seja qual for, e quando respondermos, devemos ser mansos como nosso Mestre. Amontoando brasas de fogo sobre a cabeça de nosso inimigo, retornar bondade abundante é a vingança certa para um Cristão, e todas as outras vinganças lhe são impedidas, ele não é de contender por seus direitos. Ele está mais para dizer: “Eu sei que é meu direito, mas vou cedê-lo, antes do que lutar, eu sei que esse homem me faz uma injustiça, mas eu vou suportar isso antes do que agradar meu temperamento, ou meu espírito ser contaminado por um mau pensamento”. “Oh”, diz alguém, “isto é algo difícil”. Você acha que é assim? Você é um Cristão, então? Pois, enquanto em minha alma eu sinto que é difícil, meu coração sente desejo de fazê-lo, e eu amo isso, e depois de aspirar, e eu acho que todo Cristão verdadeiro, embora por motivo de fraqueza muitas vezes quebre essa regra abençoada, contudo ele vê beleza nela, e não acha que é penoso. Não, ao invés disso, o ponto mais difícil para ele é que é tão pouco inclinado para a natureza gentil e amorosa de seu querido Senhor e Mestre!

 

Mas devo passar, para o próximo ponto em que o Cristão deve se destacar, que é na pureza. Leia a partir do versículo 27 ao 32. Eu não entro em detalhes, mas pureza é fervorosamente ordenada. O ímpio diz: “Bem, eu não cometo nenhum ato de fornicação, você não me ouve cantar uma canção lasciva”, e dizendo isso, ele se sente contente. Mas o Mestre dos Cristãos espera que nós levemos o ponto muito mais adiante. Um olhar impuro é um crime para nós, e um mau pensamento é um pecado; isso me choca além da medida, a saber, quando ouço de pessoas que se professam Cristãos que se enquadram na prática de ações indecentes, não como são chamados criminosos na sociedade comum, mas relaxados, carnais e cheios de lascívia. Rogo a todos vocês que em suas conversas com outrem evitem qualquer coisa que tenha a aparência de impureza a este respeito.

 

Olhares e gestos, passo a passo, levam a folias e desporto que começam em folia e terminam em lascívia; seja casto como a neve, não deixe um olhar indecente contaminar você. Nós não gostamos de dizer muito sobre essas coisas, elas são tão delicadas, e nós tremeremos para que não venhamos a sugerir o que queremos evitar, mas, pelas lágrimas de Jesus, pelas chagas de Jesus, pela morte de Jesus, odeie até a túnica manchada pela carne, e evite tudo o que cheira a falta de castidade. Fuja das paixões da mocidade como fez José; corra de qualquer risco, antes de cair na impureza, pois é uma vala profunda, e é abominação ao Senhor cair nela. Tentações fortes ficam à espreita para os jovens em uma grande cidade como esta, mas deixe que o jovem aprenda de Deus a purificar o seu caminho, tomando cuidado de acordo com a Sua Palavra. Que todos vocês sejam guardados de cair, e sejam apresentados irrepreensíveis diante da presença de Deus com grande alegria! Você não deve ser comumente casto, você deve ser muito mais do que isso, o próprio olhar e pensamento de impureza devem ser odiosos para você. Ajude-nos, ó Espírito de Deus!

 

O Cristão, em seguida, deve ser melhor do que outros na veracidade. Leia dos versículos 33 ao 37, e a essência de tudo é que, enquanto um outro homem profere a verdade, porque ele jura, você fala a verdade, porque você não pode fazer o contrário. Sua palavra comum é tão verdadeira quanto o juramento extraordinário do homem que está no banco de testemunha no tribunal de justiça, você evita essas evasões e modos de esconder a verdade, que são bastante comuns no comércio, você evita esses exageros, as mentiras que são um incômodo comum. Por que os nossos anúncios exalam mentiras! Nossas vitrines são rebocadas com elas, como: “tremendos sacrifícios”, quando a única pessoa sacrificada é o cliente! O mundo inteiro vê através de exagero, e ainda mesmo os professos continuam blefando e exagerando. Evite isto, Cristão. Se você disser a um homem que você lhe venderá um artigo a preço de custo, que seja a preço de custo ou não diga isto. Existem outros modos de recomendar seus produtos que serão tão eficazes como mentiras. Despreze ganhar um centavo por proferir o que não é verdade, e você pode permitir que em sua vizinhança se diga: “Bem, ele está sob uma regra diferente do que eu”, nem por um momento tolere isso em si mesmo! A verdade literal rigorosa em todas as coisas deve ser a lei do filho de Deus, faça com que o seu “sim”, seja “sim”, e o seu “não”, “não”. Já abordei o ponto que o nosso Salvador menciona a partir do verso 38 ao 42, a saber, que o Cristão deve se destacar em paciência. Ele deve estar pronto para sofrer a afronta de novo e de novo, antes do que ser provocado à resistência, muito menos à retaliação. Isto eu já comentei, que possamos exceder nisto.

 

E, por último, a partir do verso 42 ao 48, nosso Salvador mostra que Ele espera de nós que nos destaquemos em amor a toda a humanidade e no fruto prático disso na tentativa de fazer-lhes o bem. Devemos ser, acima de todos os outros, as pessoas mais amorosas, e as mais benignas para com as pessoas. O homem se volta dentro de si mesmo e diz: “Bem, que todo homem seja por si mesmo, isso é o que eu digo, cada um por si e Deus por todos”, que atravessa o mundo trilhando o seu caminho com estrita justiça, mas ao mesmo tempo não tem coração para condoer-se pelos enfermos, pelos pobres e pelos necessitados, que não se preocupa com a alma de qualquer outra pessoa, que tem o seu coração encerrado dentro de suas próprias costelas, abotoado em sua própria casimira, tal homem é muito parecido com o Diabo, ele certamente não é como Cristo.

 

O coração de nosso Senhor Jesus Cristo foi expansivo e altruísta, Ele deu a Si mesmo por Seus inimigos, e morreu suspirando uma oração em favor deles; Ele nunca viveu para Si mesmo. Você não pode colocar o dedo sobre um ponto de Sua vida, se dizer: “Aqui Ele viveu somente para si mesmo”. Nem Suas orações, nem a Sua pregação, nem Seus milagres, nem Seus sofrimentos, nem Suas tribulações, ou Suas glórias visavam a Si mesmo, Ele salvou os outros, mas não a Si mesmo. Seus seguidores devem segui-lO nisto de perto, o egoísmo é tão estranho ao Cristianismo como as trevas à luz! O verdadeiro Cristão vive para fazer o bem; ele olha para o exterior para ver a quem possa servir, e ele olha para os ímpios, após a Queda, e os excluídos, buscando recuperá-los. Sim, ele olha para os seus inimigos pessoais, da mesma forma, e visa a ganhá-los por repetidas gentilezas. Nenhuma nacionalidade deve limitar sua boa vontade, nenhuma seita ou clã monopolizar sua benevolência, nenhuma depravação de caráter ou a pobreza de condição deve adoecer a sua benignidade, por que Jesus recebeu pecadores, e comeu com eles. Nosso amor deve abraçar aqueles que jazem ao pé dos portões do inferno, e nós devemos nos esforçar com palavras de verdade e atos de amor para trazê-los a Cristo, que pode levantá-los para o Céu. Oh! que você possa em tudo ser gentil, calmo, humilde de espírito, mas cheio de uma ardente e fervorosa afeição para com seus semelhantes, assim você será conhecido por ser discípulo de Cristo!

 

“Oh”, você diz, “estas são coisas grandes”. Sim, mas você tem um Grande Espírito para ajudá-lo, e você deve muito a seu precioso Senhor e Mestre. Eu ouvi alguém dizer: “Eu vou evitar o pecado por ser muito recolhido, vou descobrir um lugar calmo onde não serei tentado, e onde raras vezes me procurarão”. Belo soldado é você que quando o capitão diz: “conquiste a vitória”, replica: “vou manter-me afastado da luta”. Não, Cristão, vá para o seu comércio; entre na ocupação do mercado; compareça ao seu negócio; atenda a sua família, atente para as questões que Deus repartiu a você, e glorifique a Deus na batalha da vida, fazendo mais do que outros! Que Deus lhe permita fazê-lo.

 

 

III. Agora, em cerca de dois minutos devemos condensar o que deveria ter ocupado pelo menos um quarto de hora. O último ponto era lidar com razões para o nosso FAZER MAIS DO QUE OS OUTROS. Eles eram apenas estes: Em primeiro lugar, por nossos frutos somos conhecidos. Os homens nunca vão por nossa fé, pelo que está dentro de nós; eles nos conhecem por nossas obras, que são visíveis para eles. Produzi, pois, frutos da graça Divina para que o mundo saiba que vocês têm estado com Jesus. Lembre-se também que as obras são uma evidência definitiva. É coerente com o Evangelho da graça, sem dúvida, pois é uma verdade de Deus claramente revelada, que seremos julgados de acordo com as obras feitas no corpo, se elas são boas ou se são más, e você sabe que quando o Senhor nos deu a descrição do Juízo Final, Ele não disse aos seus discípulos: “Você creu em mim”, ou, “você me amou”, estes eram assuntos secretos, mas Ele disse: “Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes” [Mateus 25:42-43]. É através de suas obras que você será julgado! Ó fiéis, possa a graça permitir que vocês abundem nelas!

É por essas obras que as bocas dos acusadores devem ser silenciadas. Uma ação santa é um melhor argumento contra blasfemadores do que mil discursos eloquentes. Vocês são nossas respostas aos céticos, vocês que foram resgatados do pecado, e mantêm uma vida de santidade. Quando eles veem os homens que estão curados, estando com Pedro e João, eles não podem dizer nada contra eles. Oh, por suas obras confundam os contradizentes! Essas obras também trazem glória a Deus: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus” [Mateus 5:16].

 

E estas obras também garantem paz para sua própria consciência, e tem muito a ver com a sua íntima comunhão com Deus. “Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” [Amós 3:3]. Se você andar contrário a Ele, Ele andará contrário a você, seus pecados vão te separar do seu Deus, mas o Espírito Santo, onde mantém a santidade, mantém a paz e a comunhão na alma. “Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito” [João 15:7]. “Se guardardes os meus mandamentos”, diz o Salvador, “permanecereis no meu amor” [João 15:10], permanecerão na comunhão consciente do amor, e no gozo do mesmo! Que Deus te ajude, por amor do Seu nome!

 

Vejam aqui, vocês que dizem que creem em Cristo, mas estão vivendo em pecado, isto não faz de você um jactancioso? Vejam aqui, vocês que dizem: “Eu tenho somente que crer em alguma ocasião futura, e eu posso viver como eu gosto e ainda ser salvo”. É assim? “E, se o justo apenas se salva, onde aparecerá o ímpio e o pecador?” [1 Pedro 4:18]. Quanto àqueles cujas vidas ímpias olham na cara deles, longe de serem salvos pela sua fé fingida, são árvores duas vezes mortas, arrancadas pelas raízes! Se eles dizem que continuarão no pecado, para que a graça abunde, a sua condenação é justa!

 

A salvação de Cristo não é uma salvação em pecado, mas uma salvação do pecado. Aqueles que serão salvos por Ele devem vir e confiar nEle, assim como eles estão, e Ele lhes capacita a abandonar o seu pecado, mas enquanto eles continuam a dizer: “Nós nos deleitaremos no pecado”, não há salvação possível para eles. Deus nos conduza a Cristo, e pregue nossos pecados na Sua cruz, e nos dê a vida na vida de nosso Salvador. Amém.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.