Uma Estratégia Para As Missões, por James E. Adams (Carta Circular preparada para a Assembleia Geral, março de 2003 – ARBCA – Editada)

|

[Carta Circular preparada para a Assembleia Geral, março de 2003 — ARBCA • Editada]

 

Fui convidado a escrever esta carta, para que circule entre as igrejas de nossa Associação, e minha fervorosa oração é que ela seja um instrumento útil nas mãos de Deus para o desenvolvimento de uma estratégia para cobrir a terra com o conhecimento do Senhor.

 

Nós estamos fazendo um certo exame introspectivo e perguntando a nós mesmos: Quão bem nós, como igrejas de Cristo, estamos obedecendo a ordem de ir e fazer discípulos de todas as nações, batizando-os no Nome tríplice do Deus Triuno? Percebemos que, se quisermos considerar seriamente a realização de Sua comissão, nós precisamos de mais do que apenas uma visão. Nós devemos ter um plano para efetivar esta tarefa imensa de anunciar o Evangelho a uma geração perdida e confusa.

 

Como um grupo de igrejas reformadas, nós podemos ser ajudados pelo grande volume missionário de Iain Murray, A Esperança Puritana (The Puritan Hope), no qual ele traça a expansão do Evangelho às suas raízes na grandiosa antiga teologia Puritana que temos em comum. Iain faz uma observação importante pelo historiador da igreja americana Ken-neth Scott Latourette, que remonta o grande movimento de missões modernas aos avivamentos dos séculos XVII e XVIII: “Este Protestantismo era caracterizado por uma vitalidade abundante e uma ousadia sem par na história Cristã. Através dele, pela primeira vez, planos foram seriamente elaborados para levar a mensagem Cristã a todos os homens… Nunca antes os seguidores de qualquer fé formularam planos abrangentes cobrindo toda a superfície da terra para efetuar esses fins”.

 

Posto que estamos constantemente buscando desenvolver um plano de ação agradável a Deus em nossa geração, é importante ver o que a Igreja fez no passado. Existe um padrão da Igreja Primitiva que devemos seguir? E sobre o grande missionário do Novo Testamento, o apóstolo Paulo? Ele é apenas um herói memorável com uma personalidade dinâmica? Nós vemos as suas viagens apenas como porção da história irrepetível da redenção?

 

Eu admito que Deus usou Paulo não apenas para estabelecer quase metade da fundação apostólica. Na sabedoria de Deus, o papel de Paulo foi mais do que ser apenas o grande teólogo apostólico do Novo Testamento. Ele também foi o missionário para as nações, e, portanto, parece fundamental que atentemos especialmente não somente para as suas palavras, mas para a sua prática no ministério.

 

Enquanto estive na Costa Rica, em 1974, eu comecei a ler e estudar duas excelentes obras por um distinto missionário Anglicano, Roland Allen. Métodos Missionários — Os de São Paulo ou os Nossos? e Expansão Espontânea da Igreja compreendem um chamado reformado para retornar aos métodos do Novo Testamento para missões. Allen diz: “Aqui está um apelo a todos os que querem ouvir a apresentação dos padrões herdados da vida da Igreja ao exame minucioso do Espírito”. Através dos anos eu me tornei cada vez mais convencido de que Deus colocou a obra missionária de Paulo na vanguarda da expansão da Igreja Primitiva para nos conceder princípios a serem seguidos em nosso serviço a Ele, mesmo no século XXI. Podemos traçar princípios do ministério de Paulo que nos ajudarão na formulação de uma estratégia para cobrir a terra com a realidade do Senhorio de Jesus Cristo.

 

Nós devemos começar esclarecendo algumas pré-suposições fundamentais. Em primeiro lugar, a base doutrinária de nossa estratégia missionária é aquela glória no Evangelho da livre e soberana graça. Nenhum outro Evangelho tem o poder de mudar vidas e estabelecer igrejas. Nós não devemos ir além do que está escrito nas Sagradas Escrituras, mas nós acreditamos que o Evangelho é expresso com precisão em nossa Confissão de Fé (CFB1689). Somente Deus salva os pecadores e edifica a Sua Igreja. Em segundo lugar, Paulo praticou o amor de Cristo pelas pessoas com uma identidade íntima para com elas. Todos os Cristãos são ordenados a continuamente anunciarem ativamente as boas novas para os outros, motivados pelo amor de Cristo. Precisamos nos identificar com os judeus, gentios e todos os povos: “fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns…” (1 Coríntios 9:22-23a). Uma forma de expressar o amor de Cristo é considerar seriamente a cultura, língua e história de outras pessoas. Como J. H. Bavinck coloca tão bem em sua obra clássica, Uma Introdução à Ciência das Missões: “Pecadores abstratos, sem um corpo e sem história não existem; só existem pecadores mui concretos, cuja vida pecaminosa é determinada e caracterizada por todos os tipos de fatores culturais e históricos; pela pobreza, fome, superstição, tradições, doenças crônicas, moralidade tribal e milhares de outras coisas. Eu devo levar o Evangelho da graça de Deus em Jesus Cristo para todo o homem, em sua existência concreta, em seu ambiente cotidiano”. A percepção de que não podemos realmente nos identificar com as pessoas sem conhecê-las é funda-mental para o nosso anúncio do Evangelho aos não-convertidos.

 

Paulo, o missionário, nos chama a imitá-lo em seus princípios de vida. Ele enviou Timóteo a Corinto para lembrá-los dos seus “caminhos em Cristo, como por toda a parte ensino em cada igreja” (1 Coríntios 4:17). Qual é o padrão de vida de Paulo em missões? Ele tinha um projeto global ou plano de ação que pode nos instruir? Que melhor exemplo para um plano estratégico para as missões nós podemos conceber do que o que nos foi dado na Escritura?

Existem quatro princípios básicos que podemos observar na Escritura.

 

Em primeiro lugar, é a igreja que envia missionários.

 

Missionários sempre foram enviados pela igreja no primeiro século. Vemos essa obediência espontânea à grande comissão de Cristo na igreja de Antioquia, quando eles impuseram as mãos sobre Barnabé e Saulo (Paulo) e os enviaram (Atos 13:1-3 e 14:26). A igreja escolhe a partir de seus líderes espirituais, esses dois homens para servirem como missionários, levando as boas novas para lugares distantes (Atos 15:26). Ao enviarmos missionários, devemos ter em mente que o Espírito Santo é Aquele que os separa para a obra que Ele os chama a fazer (Atos 13:2). Nós, como igrejas, simplesmente reconhecemos o impressionante chamado de Deus para eles para que façam a Sua obra.

 

Paulo, o apóstolo e missionário, diz: “De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus” [2 Coríntios 5:20]. O que fazemos sempre recai na ação de Deus. Nas palavras de Bavinck: “Nós adentramos em uma terra após a outra em todo o mundo; buscamos e pregamos, e todo o tempo é Deus Quem completa a Sua obra de reconciliação através de nós”.

 

A pergunta de Paulo: “E como pregarão, se não forem enviados?” [Romanos 10:15], obriga-nos a enfrentar nossa responsabilidade como igrejas, para que enviemos homens para pregarem o Evangelho, começando novas igrejas e incentivando igrejas recentes em lugares obscuros do mundo. Ao longo da última geração, muitos homens tornaram-se motivados para servirem ao Senhor, mas faltava orientação concreta no serviço efetivo. Eles se prepararam para ir; mas quando nossas igrejas não conseguiram direcioná-los e enviá-los, eles saíram com outros grupos. Este não é o momento em que devemos ter uma estratégia para enviar homens para serem missionários, tanto onde vivemos quanto até os confins da terra? Como líderes, o nosso cumprimento da Grande Comissão deve envolver não somente o dedicar-nos à pregação, mas também ao envio de outros homens para que preguem.

 

Bavinck nos lembra que “a adequada atuação dos oficiais na congregação é sempre propícia para a propagação do Evangelho”. Em Efésios 4, Paulo estabelece os vários ofícios da igreja e sua existência: “…para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo… Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor” (Efésios 4:12-16). Bavinck prossegue dizendo:

 

Aqui nós temos em poucas e profundas palavras a difícil lição que estamos em processo de aprendizagem em todos os campos de missão e em todo a nossa obra evangelística. Essa igreja somente, que é em si uma comunhão espiritual e viva, um todo orgânico, tem poder “para aumentar o corpo”. Toda obra, embora dispendiosa e bem organizada, que não está enraizada em uma igreja que tem encontrado o segredo do amor mútuo, está, finalmente, sem poder.

 

Em segundo lugar, o propósito da igreja no envio de missionários é fazer discípulos que formam igrejas.

 

A obra missionária de Paulo estabeleceu igrejas em todos os lugares. Esse padrão não era peculiar ao tempo apostólico. Na verdade, ao longo dos séculos, os esforços missionários da Igreja Cristã resultaram na formação de “igrejas totalmente equipadas”. Latourette nos informa que “havia ordem na expansão; no momento em que eram feitos convertidos em qualquer lugar em que ministros foram nomeados, a partir deles mesmos… aqueles por sua vez poderiam organizar e trazer à unidade da Igreja visível qualquer novo grupo de Cristãos em sua vizinhança”. O grande historiador da igreja, Harnack, em sua obra Missão e Expansão, conta como a “federação Cristã de igrejas” se estendiam por todo o Império Romano no período de um pouco mais de um século depois que a “primeira igreja Cristã gentílica em Antioquia da Síria” foi fundada.

 

O primeiro século de missões cobriu o Império não por causa da angariação de fundos e organização técnica, mas sim porque as igrejas enviavam homens que estavam dispostos a dar tudo, mesmo arriscando as suas vidas, para plantarem igrejas. Eles indicavam anciãos em cada cidade (Atos 15:26; Tito 1:5) para continuar o trabalho. Esta foi a prática que Paulo seguiu em seus métodos missionários. Depois que os judeus de Antioquia e Icônio apedrejaram a Paulo e deixaram-no como morto, ele se levantou e voltou para a cidade e, em seguida, partiu no dia seguinte para Derbe (Atos 14:19-20). Lucas nos diz que eles pregaram o Evangelho “e fizeram muitos discípulos” e voltaram para fortalecer os discípulos e incentivá-los a permanecer fiéis à fé. Em seguida, é-nos dito que “…E, havendo-lhes, por comum consentimento, eleito anciãos em cada igreja, orando com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido” (Atos 14:22-23). Mesmo que estes novos convertidos tivessem uma origem pagã, as igrejas que eles formavam ordenavam anciãos mesmo tendo sido discipulados dentro de um tempo relativamente curto. Não é incomum em nossos dias existirem igrejas estabelecida por missões passarem anos sem terem os seus próprios anciãos como pastores do povo. Estamos seguindo o padrão bíblico? Será que estamos encomendando-os ao Senhor e confiando nEle? (Eu recomendo Vós Sois Minhas Testemunhas de Gordon Keddie para a sua leitura sobre esta passagem).

 

Precisamos ser lembrados de que nem nós, como igrejas emissárias, nem os nossos missionários são indispensáveis ??para as células recém-formadas do corpo, a Igreja de Cristo. Se devemos completar a tarefa que nos foi dada por nosso Senhor, devemos confiar Suas igrejas a anciãos locais que, pela Sua graça, pastorearão fielmente o Seu povo. Este é o padrão Paulino para o plantio de novas igrejas e para cobrir a terra com o Evangelho.

 

Paulo e seus colaboradores fiéis careciam de muito da ajuda que agora temos ao levar a mensagem para discipular as nações. Mesmo sem a velocidade do transporte e comunicações modernas, Paulo conseguiu feitos incríveis. A Igreja Primitiva enviou Paulo para levar o Evangelho às regiões distantes. No livro de Atos, Lucas registra as viagens de Paulo para nada menos que trinta e dois países, cinquenta e quatro cidades e nove das ilhas do Mediterrâneo!

 

Precisamos hoje de homens que saiam com essa visão de começar igrejas. Em uma dúzia de anos (47 d.C. — 59 d.C.), o Senhor usou “o lastro Paulino” para estabelecer igrejas nas províncias romanas da Galácia, Macedônia, Acaia e Ásia! Paulo tinha completado seu trabalho nessas regiões. Ouça as suas próprias palavras: “Mas agora, que não tenho mais demora nestes sítios” [Romanos 15:23]. Carecendo de máquinas de impressão, aviões, trens, ônibus ou jipes, e sem sequer um Novo Testamento completo, ele conseguiu plantar igrejas ativas ao longo de toda uma região.

 

Missionários não são enviados para competir com os pastores nativos ou para tomar o lugar do pastor local. Acreditamos que o Senhor ressurreto concede “pastores e mestres” para pastorear todo o Seu povo em Suas igrejas em todos os lugares. Deus projetou a igreja para que ela esteja totalmente equipada com todos os dons espirituais para crescer e multiplicar-se sem “qualquer necessária referência a nós, pois, embora, enquanto estivemos lá, elas possam nos considerar como úteis conselheiros, contudo, a nossa saída não deveria afetar de modo algum a integralidade da igreja, ou privá-la de qualquer coisa necessária para a sua expansão ilimitada” (Roland Allen, A Espontânea Expansão da Igreja).

 

Se realmente desejamos a extensão do Evangelho até os confins da terra, devemos estabelecer igrejas locais que não sejam controladas por missionários ou conselhos de missão, mas que tenham os seus próprios ministros e membros agindo sob a liderança do Senhor da Igreja.

 

Nós devemos praticar um “princípio regulador” para missões, que nos chame a apresentar até mesmo nossas práticas missionárias herdadas para o exame minucioso da viva Palavra de Deus. Sim, a mudança pode ser boa quando ela advém do poderoso Espírito de Deus.

 

Enquanto nós apreciamos o trabalho missionário daqueles que vieram antes de nós, há um lugar para nós buscarmos a convocação de uma reforma na estratégia e prática missionárias. Se o nosso padrão de trabalho missionário é substancialmente diferente do padrão do Novo Testamento, algo está radicalmente errado.

 

Em terceiro lugar, a política financeira da igreja no envio de missionários deve ser bíblica.

 

A estratégia financeira da obra missionária da Igreja Primitiva contribuiu para o crescimento e sucesso das igrejas. No modelo do Novo Testamento, cada igreja local tanto recolhia e administrava os seus próprios recursos financeiros. Havia coletas especiais das igrejas para os necessitados em Jerusalém, como todas as igrejas eram ordenadas a lembrarem-se dos pobres e cuidar deles. Mas o relacionamento de Paulo com as pessoas a quem ele pregou nunca veio a partir do fato deles lhe darem dinheiro. Historicamente, grande dano foi feito à igreja quando grandes somas de dinheiro foram bombeadas para uma outra cultura. Prata e ouro não revolucionam um povo. O Evangelho coloca alegria e fogo na vida das pessoas. Dinheiro adentrando em uma comunidade a partir de uma fonte externa (mesmo a partir de irmãos e irmãs em Cristo, bem intencionados) pode privar as pessoas de sua alegria e fervor quando ele é percebido como controlando-os ou comprando a sua lealdade. Há casos tristes de tal “ajuda” monetária sendo dada com tanto alarde que parece até mesmo extinguir a obra do Espírito Santo em um local.

 

Graham Cheesman, autor de Missão Hoje, cita o excelente escrito de Roland Allen sobre as políticas financeiras de Paulo em três breves declarações:

 

1) Paulo não procurava ajuda financeira para si mesmo. Particularmente, ele não pedia apoio daqueles a quem ele pregava. Havia muitos charlatões religiosos pregando por dinheiro nos dias de Paulo e ele não queria ser confundido com eles (1 Tessalonicenses 2:7-9; Atos 20:33-34). Ao contrário, ele preferiria trabalhar de noite, para ser capaz de pregar de dia. Ele aceitou dons de outras igrejas que ele já havia fundado e havia deixado a fim de trabalhar em uma nova região (Filipenses 4:16; 2 Coríntios 11:8).

 

2) Paulo não trazia dinheiro para seus convertidos. Cada igreja que ele fundou imediatamente tornou-se financeiramente independente. A única exceção a esta regra foi quando ele recolheu uma oferta para uma igreja estabelecida (Jerusalém) a partir de outras igrejas estabelecidas (Corinto, etc.) como forma de expressão de fraternidade na necessidade especial. No entanto, esta foi uma coleta de novas igrejas no campo missionário para ajudar a original igreja emissária em retribuição!

 

3) As igrejas administravam os seus próprios fundos. Mesmo quando ele foi para Jerusalém com o dinheiro das províncias, Paulo levou consigo os representantes dessas igrejas para que levassem o dinheiro. Paulo manteve o dinheiro longe de suas mãos.

Em quarto lugar, a paixão e alegria da Igreja é obedecer a Grande Comissão (Mateus 28:19-20).

 

Uma das minhas melhores lembranças de pregação veio de uma conferência de pastores em Carlisle, PA, em 1969. Lembro-me bem de Ernie Reisinger introduzindo David Martyn Lloyd-Jones simplesmente como “o Doutor”. Fomos, na ocasião, privilegiados por ouvir o Dr. Lloyd-Jones pregar três mensagens à noite sobre a grande verdade bíblica da justificação. Mas, o discurso que atirou uma flecha no meu coração veio pouco antes do almoço, no último dia da conferência. O doutor havia sido convidado para falar sobre “A Responsabilidade do Evangelismo”, e o doutor passou uma hora magistralmente persuadir-nos que a grande obra missionária não é tanto dever e atividade, mas paixão e alegria ao falar de Jesus Cristo, o Salvador dos pecadores. Dr. Lloyd-Jones convidou-nos a lembrar que quando os discípulos foram ordenados pelo Sinédrio que não “falassem, nem ensinassem, no nome de Jesus”, eles responderam: “…não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido” (Atos 4:18-20).

 

Precisamos ter os nossos próprios corações queimando com essa paixão — um zelo pelo conhecimento de Deus que nos obrigue a ensinar aos outros, seja abertamente ou em secreto (por causa de governos opressores) a respeito de nosso amado Senhor.

 

Meu desejo é estimular a todos nós a um exame ativo das Escrituras e de nossos próprios corações com o objetivo de encorajar-nos uns aos outros no cumprimento do último mandamento de Cristo. Como podemos estimular-nos à obra missionária? Como podemos chegar a uma estratégia bíblica em que treinaremos evangelistas e missionários para serviço mais eficaz? O que podemos fazer para desafiar os homens jovens (e os mais velhos!) a discipularem as nações?

 

Minha esperança é que nós continuaremos discutindo os princípios aqui enunciados e, em seguida, marcharemos adiante com planos concretos para cobrir a terra com o conhecimento do Senhor. Que o Senhor da colheita nos conceda um tempo glorioso para pensarmos inteiramente em uma estratégia para missões na Assembleia Geral em Carlisle, PA. E que Ele nos conceda um grande alargamento da nossa visão e reforma e renovação em nossa prática para alcançarmos a nossa geração (e futuras, enquanto o Senhor tardar) com o Evangelho.

 

Vosso, pelo reino e glória de Cristo,

 

Dr. James E. Adams (“Grisalho”)

 

__________

P.S: Aqui está um número perfeito de livros (7) para leitura e para estarem disponíveis (se possível) na Assembleia Geral:

 

Roland Allen, Métodos Missionários — Os de São Paulo ou os Nossos?

Roland Allen, A Espontânea Expansão da Igreja.

J. H. Bavinck, Uma Introdução à Ciência das Missões.

Graham Cheesman, Missão Hoje.

Roger S. Greenway, Ide e Fazei Discípulos!

Vishal & Ruth Mangalwadi, O Legado de William Carey.

Iain Murray, A Esperança Puritana.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.