Exposição de Hebreus 2:1-15, por C. H. Spurgeon

|

Verso 1. Portanto, convém-nos atentar com mais diligência para as coisas que já temos ouvido, para que em tempo algum nos desviemos delas. Nós já as temos ouvido. Não as esqueçamos! Não as deixemos ser como os troncos que seguem boiando no ribeiro. Façamos um esforço violento para mantê-las em nossas memórias e, acima de tudo, para ponderá-las em nossos corações.

2, 3. Porque, se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda a transgressão e desobediência recebeu a justa retribuição, como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação. Eles não podiam brincar com a mensagem dos anjos, sem receber o justo castigo de Deus. Muito menos, então, podemos brincar com o Evangelho de Cristo! Nós não temos um salvador angelical, mas o próprio Deus, na Pessoa de Seu Filho, Se dignou a ser o Mediador da Nova Aliança. Portanto, consideremos isso, para que não brinquemos com essas coisas. Vejam vocês, queridos amigos, que não precisamos ser grandes pecadores deliberados, para que morramos, é apenas uma questão de negligência. Vejam como isso é colocado aqui: “como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação?”. Vocês não precisam se dar ao trabalho de desprezá-la, ou resisti-la, ou se opor a ela. Vocês podem com facilidade se perder, simplesmente por negligenciá-la. Na verdade, a grande massa daqueles que perecem são aqueles que negligenciam a grande salvação!

3. A qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram. Os apóstolos e os outros seguidores de nosso Senhor constantemente testemunhavam os Seus milagres e Sua ressurreição.

4. Testificando também Deus com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade. Aqueles que duvidam da verdade do Evangelho, ou os que dizem que o fazem, são frequentemente encontrados acreditando declarações históricas que não são em metade tão bem comprovadas. Um homem se senta e lê um livro das guerras gaulesas e ele acredita no que Júlio César escreveu, ainda que não haja a metade ou um décimo de tanta evidência para provar que ele o escreveu quanto existe para provar que o nosso Senhor Jesus viveu, morreu e ressuscitou dos mortos! O testemunho da verdade destas grandes questões de fato foi confirmado por Deus, Ele mesmo, com sinais, maravilhas e milagres. Homens honestos e verdadeiros, apóstolos e outros, os testemunharam, e eles também foram certificados pela Divindade encarnada, pelo próprio Senhor, que se digna a falar conosco pelo Seu Espírito. Não podemos, portanto, brincar com este Evangelho, sem incorrer na mais grave culpa!

5. Porque não foi aos anjos que sujeitou o mundo futuro, de que falamos. Nós somos os pregadores disso, e não os anjos! E o grande Autor e Consumador de nossa fé é o Homem, Jesus Cristo, e não um anjo. Nós não temos, agora, o ministério dos anjos, mas o ministério dos homens, pela qual o Senhor dos anjos envia Suas mensagens para seus companheiros.

6-8. Mas em certo lugar testificou alguém, dizendo: Que é o homem, para que dele te lembres? Ou o filho do homem, para que o visites? Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos, de glória e de honra o coroaste, e o constituíste sobre as obras de tuas mãos; Todas as coisas lhe sujeitaste debaixo dos pés. Este era o estado original do homem. Deus o fez para ser seu vice regente na Terra e Ele ainda manteria essa posição se não fosse que desde que ele se rebelou contra o seu próprio Soberano, até mesmo os animais do campo tomam a liberdade de ser rebeldes contra ele. O homem não está agora em seu estado original e, portanto, ele já não governa. E vemos muitos homens que estão muito longe de serem seres nobres, pois eles são medianos e rastejantes. No entanto, a glória do homem não está totalmente perdida, como veremos.

8, 9. Ora, visto que lhe sujeitou todas as coisas, nada deixou que lhe não esteja sujeito. Mas agora ainda não vemos que todas as coisas lhe estejam sujeitas. Mas, vemos Jesus. Aqui está o Homem representativo, que é supremo sobre tudo. “Nós vemos Jesus”.

9. Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos. Oh, quão glorioso é perceber a nossa posição em Cristo e ver como Ele nos ergueu, não apenas para o lugar de onde o primeiro Adão caiu, mas Ele nos fez ficar tão firmemente ali que não devemos descer novamente em torno das ruínas da Queda! Glória ao Seu santo nome!

10, 11. Porque convinha que aquele, para quem são todas as coisas, e mediante quem tudo existe, trazendo muitos filhos à glória, consagrasse pelas aflições o príncipe da salvação deles. Porque, assim o que santifica, como os que são santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha de lhes chamar irmãos. O Cristo e os Cristãos são um, o Homem, Cristo Jesus, e os homens a quem Ele redimiu somos um! Ele até mesmo tornou-Se participante da nossa natureza, de modo que agora somos uma família e Ele não se envergonha de chamar-nos irmãos e irmãs. Dirijo-me a alguém que se envergonha de Cristo, ou que têm vergonha do pobre povo de Deus, e que não gostaria de ser conhecido por ser membro de uma Igreja pobre? Ah, como vocês deveriam ter vergonha de cultivarem qualquer orgulho em seus corações, pois Cristo não Se envergonha de chamar o Seu povo de irmãos! Oh, que condescendência maravilhosa! Ele fez isso muitas vezes nos Salmos, onde Ele fala de seus irmãos.

12. Dizendo: Anunciarei o teu nome a meus irmãos, Cantar-te-ei louvores no meio da congregação. Essa é uma citação do Salmo 22.

13. E outra vez: Porei Nele a Minha confiança. Assim adentra na própria fé de Seu povo!

13, 14. E outra vez: Porei nele a minha confiança. E outra vez: Eis-me aqui a mim, e aos filhos que Deus me deu. E, visto como os filhos participam da carne e do sangue. Como vocês conhecem o seu custo, pois talvez tenham dores sobre vocês neste exato momento. Na verdade, vocês “participam da carne e do sangue”. Talvez vocês estejam sofrendo de desânimo e depressão de espírito. Se assim for, lembrem-se que por mais que vocês possam, em espírito, às vezes, subir ao céu, mas vocês ainda “participam da carne e do sangue”.

14, 15. Também Ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão. Ele, assim, tomou sobre Si a carne e sangue como a morrer em nossa natureza, para que, desta forma, Ele pudesse matar a morte, e nos libertasse de todo o medo da morte. Vocês não veem que se o Homem representativo, Cristo Jesus, morreu, Ele também ressuscitou, e de igual forma todos os que estão nEle assim ressuscitarão também? Se vocês estiverem nEle, vocês devem ressurgir novamente! Portanto, não tenham medo de se deitar em seu último sono, porque a trombeta despertará vocês e seus corpos serão moldados de novo à semelhança de Seu corpo glorioso e sua alma e corpo juntos habitarão na infinita bem-aventurança para sempre! “Portanto, consolai uns aos outros com estas palavras”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.