A Queda Causou Condenação e Corrupção: Uma Exposição do Capítulo 6 e Parágrafos 2 e 3 da CFB1689 | Por Steve Farrisht

|

— The Founders Journal • Inverno de 2017 | Nº 107

 

A Declaração Confessional

 

Tanto a condenação quanto a corrupção para toda a raça humana seguiram o pecado de Adão. Esses conceitos estão expressos nestas palavras nos parágrafos 2 e 3 do capítulo 6 da Segunda Confissão de Londres. Muitas das provas bíblicas que acompanham este artigo serão usadas na discussão abaixo.

 

2. Nossos primeiros pais, por este pecado, decaíram de sua retidão original e da comunhão com Deus, e nós neles, e por isso a morte veio sobre todos:3 todos nos tornamos mortos em pecado4 e totalmente corrompidos em todas as faculdades e partes da alma e do corpo.5

3 Romanos 3:23
4 Romanos 5:12, etc.
5 Tito 1:15; Gênesis 6:5; Jeremias 17:9; Romanos 3:10-19

3. Sendo eles os ancestrais e, pelo desígnio de Deus, os representantes de toda humanidade, a culpa do pecado foi imputada à toda a sua posteridade, e a corrupção natural passou a todos os seus descendentes que deles procedem por geração ordinária.6 Sendo estes agora concebidos em pecado,7 e por natureza filhos da ira,8 escravos do pecado, sujeitos à morte9 e a todas as outras misérias espirituais, temporais e eternas, a menos que o Senhor Jesus os liberte.10

6 Romanos 5:12-19; 1 Coríntios 15:21, 22, 45, 49
7 Salmos 51:5; Jó 14:4
8 Efésios 2:3
9 Romanos 6:20, 5:12
10 Hebreus 2:14-15; 1 Tessalonicenses 1:10

 

Uma Passagem Bíblica Chave

 

Como exatamente o pecado de Adão no Jardim do Éden afeta todos os seres humanos de todos os tempos que descenderam dele? O texto-chave sobre esta questão é Romanos 5:12, 18-19:

 

12 Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram… 18 Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida. 19 Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos.

 

Nesses versículos Paulo parece sugerir dois efeitos que o pecado de Adão no Jardim teve sobre a descendência do primeiro homem. O apóstolo primeiro explica nos vv. 12 e 18 que — como todos os seres humanos, em certo sentido, pecaram quando Adão pecou — ​esse primeiro pecado trouxe culpa e condenação a todas as pessoas. Segundo, Paulo afirma que “pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores”, dando a entender que Adão através do primeiro pecado trouxe a corrupção para a raça humana.

 

 

Uma Analise Teológica da Discussão de Paulo

 

A teologia Protestante ensina que o efeito que o primeiro pecado de Adão tem em toda sua descendência é duplo:

 

1) faz com que, a partir do momento da concepção, sejamos corrompidos pela natureza; e
2) faz com que, desde o momento da concepção, sejamos culpados diante de Deus como pecadores.

 

O primeiro desses dois efeitos significa que, a partir do momento da concepção, todo ser humano herda de seus pais uma natureza que está inerentemente inclinada para longe de Deus e para o pecado. Este é precisamente o entendimento que Davi parecia ter quando declarou no Salmo 51:5 que: “Eis que em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe”. Davi não queria dizer que as relações sexuais por meio das quais seus pais o geraram pecaminosas; em vez disso, ele entendeu que mesmo desde a concepção seu coração estava corrompido. O profeta Jeremias declarou, de fato, que o coração humano por natureza é tão corrupto que é “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” (Jeremias 17:9). Todos nós que ficamos perplexos e chocados com nossa própria capacidade pecaminosa podemos nos relacionar com as palavras de Davi e de Jeremias.

 

O apóstolo Paulo chama essa inclinação natural do coração humano para longe de Deus e para o pecado de “a carne” (por exemplo: Romanos 7:18; Gálatas 5:16; Efésios 2:3, etc.) e muitos teólogos modernos empregam o termo “natureza pecaminosa”. A corrupção de coração que todos os seres humanos herdam como efeito do primeiro pecado no Jardim significa que nós não temos a capacidade de fazer o bem espiritual, como o apóstolo Paulo deixa claro na acusação pungente da humanidade em Romanos 3:10-18. Paulo não quer dizer que uma pessoa vivendo separada de Cristo é incapaz de fazer qualquer bem em qualquer sentido, mas o que ele quer dizer é que nossos corações humanos por natureza são tão corruptos que nunca poderemos agir visando o summum bonum que é a glória de Deus. Aqueles atos que podem parecer bons e, de fato, são benéficos para o bem-estar da sociedade humana em algum nível inferior, carecem dessa medida pura de toda bondade verdadeira, estão destituídos de deleite consciente e de amor pelo Deus infinitamente glorioso. O desejo de glorificar a Deus através de nossas ações foi sufocado pela corrupção de nossos corações e não se manifesta em nenhum de nossos pensamentos, afetos ou ações antes de sermos regenerados.

 

Humanos Caídos Tem o Coração Corrompido

 

Até agora vimos que, por causa do primeiro pecado de Adão no Jardim, todos os seres humanos são concebidos no ventre de sua mãe com o coração corrompido que o Apóstolo Paulo chama de “a carne”. Teólogos reformados concordam com outros evangélicos que os seres humanos recebem esta corrupção de coração de seus pais no momento da concepção.

 

Adão começou a manifestar tal corrupção de coração ao se esconder de Deus (Gênesis 3:10), com quem ele anteriormente gostava da companhia (Gênesis 1:28; 2:8, 19, 22), seu embaraço sobre si mesmo (3:10), Quando antigamente ele não estava envergonhado (2:25), e sua propensão à autojustificação (3:12), quando antigamente nenhuma de suas ações ou pensamentos precisava de explicação, pois não haviam falhado em igualar o bem revelado. Esta foi a manifestação da imediata aplicação da justa ameaça: “No dia em que comerdes dela, certamente morrereis” (2:17). A corrupção havia entrado na experiência de Adão e Eva. Ela tinha vindo a residir na mente e afetos de Adão e constituiu a morte espiritual que atormentou Davi de acordo com o Salmo 51 e que passou a todos sem exceção, de modo que, como “mortos em delitos e pecados”, somos “por natureza Filhos da ira” (Efésios 2:1, 3).

 

 

Humanos Caídos Estão Sob Condenação

 

Essa corrupção, no entanto, foi o resultado de Adão ter entrado em um estado de condenação por sua desobediência. A condenação veio sobre a corrupção, não a corrupção sobre condenação, embora certamente esta seja exacerbada pelo dilúvio de pecados que fluem de tal corrupção da alma. Ao argumentar precisamente sobre esse ponto, Paulo em Romanos 5:12, 18 estabelece uma conexão entre o primeiro pecado de Adão e a realidade de que todos os seres humanos estão diante de Deus culpados do pecado mesmo desde o momento da concepção. Paulo afirma claramente que o pecado de Adão trouxe “juízo sobre todos os homens para condenação”. De fato, nada menos do que seis vezes em Romanos 5:12-21 Paulo afirma de diferentes maneiras que o único pecado de Adão no Jardim resultou em morte e em condenação para todos os seres humanos (Romanos 5:12, 14, 15, 16, 17, 18). Mas como exatamente o pecado de Adão no Jardim está conectado a todos os seres humanos? Dito de outra forma, como devemos entender o apóstolo Paulo em Romanos 5:12 quando ele escreve que quando Adão pecou no Jardim, “todos pecaram”?

 

 

Realismo e Representacionalismo

 

Realismo ou Cabeça Natural

 

Os teólogos protestantes sugeriram duas teorias para explicar a afirmação apostólica de Romanos 5:12 que todos os seres humanos pecaram em Adão. A visão Realista (também chamada visão do Cabeça Natural) entende que Paulo em Romanos 5:12 para quis dizer que todos os seres humanos estavam fisicamente presentes seminalmente em Adão na época de seu pecado no Jardim do Éden, de modo que quando Adão pecou, ​​todos os seres humanos literal e fisicamente pecaram nele. Os defensores da visão Realista aduzem Hebreus 7:9-10 em seu apoio. Nessa passagem, o escritor de Hebreus afirma que Levi pagou dízimos ao rei-sacerdote Melquisedeque, embora Levi ainda não tivesse nascido, porque “ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro” (Hebreus 7:10).

 

Essa visão não é inteiramente errada. À luz da passagem de Hebreus 7, a síntese bíblica que levou os redatores da Confissão a dizer: “todos os seus descendentes que deles procedem por geração ordinária. Sendo estes agora concebidos em pecado, e por natureza filhos da ira”, a visão da cabeça natural opera de forma comprovadamente “verdadeira” entre os filhos caídos de Adão. No entanto, essa visão não é suficientemente abrangente para fornecer um fundamento coerente para outras partes necessárias das doutrinas do pecado e da redenção.

 

Cabeça Representativa ou Federal

 

Muitos teólogos Reformados reconheceram a validade em alguns aspectos da visão Realista, mas viram a visão Representativa como a ideia principal nessas questões. Historicamente, eles haviam encontrado que a visão realista era muito mais persuasiva. Em sua criação, Adão estava no lugar de toda a raça humana, e todo ser humano descendente dele “por geração ordinária” tinham participação em sua obediência espiritual ou em sua falha em obedecer. Por sua justiça teriam vida; por seu pecado teriam morte. Nele, Adão, como cabeça representativa da raça humana, Deus investiu o status espiritual de toda a raça de tal maneira que quando Adão cometeu o primeiro pecado, Deus considerou que o pecado era o pecado de todos os seres humanos de todos os tempos. Dito de outra forma, poderíamos dizer que, em função de adão ser a cabeça representativa, Deus imputou o primeiro pecado de Adão a todos os seres humanos, de modo que somos concebidos nos ventres de nossa mãe culpados de pecado diante de Deus. Não somente os seres humanos incorrem em culpa diante de Deus pelos pecados reais que cometemos; mas também nos tornarmos culpados de pecado diante de Deus desde a concepção, porque o Senhor imputa o primeiro pecado de Adão a todos nós, sua descendência.

 

Em seu comentário sobre Romanos, B.H. Carroll articula claramente essa verdade revelada. “A responsabilidade da raça estava apenas sobre Adão”, deduziu; “não poderia ter estado sobre Eva, porque ela era descendente de Adão, tanto quanto nós”. A afirmação de Paulo, dada pela revelação divina em harmonia com a dedução exegética da narrativa do Gênesis, de acordo com Carroll, é esta: “Deus criou apenas um homem, e nesse homem estava toda a raça humana, inclusive Eva”. Isso claramente envolve a conclusão de que o pecado de Adão e o meu pecado, embora ambos sejam violações da lei divina, são diferentes de duas maneiras. “Adão não tinha essa depravação herdada. Deus o fez reto. Sempre que cometo um pecado, não cometi esse pecado do ponto de vista de Adão, mas o cometi por causa de uma natureza má herdada de Adão, e esse pecado não é segundo a semelhança da transgressão de Adão”. À luz disso, surge uma segunda distinção: “Se eu cometo um pecado, a raça humana não é responsável por meu pecado, porque eu não sou a cabeça da raça”. Consequentemente, “a raça não permanece de pé ou cai em mim” (Veja o comentário de Carrol sobre Romanos 5:1-21).

 

Até mesmo alguns Cristãos se opõem a essa doutrina da imputação do pecado de Adão por Deus a toda a sua descendência, comparando-a com a objeção colonial americana contra a “tributação sem representação”. “Por que deveria ser”, a objeção diz, “que eu deveria sofrer por causa do pecado de Adão?”. Os teólogos têm geralmente oferecido pelo menos as seguintes três respostas a essa objeção: Primeiro, todo aquele que se opõe à doutrina do pecado imputado também cometeu pecados reais pelos quais ele ou ela está condenado por Deus (Romanos 6:23). Segundo, Deus é um Deus de justiça perfeita, então, quando ele criou Adão como nossa cabeça representativa, Adão foi nosso representante perfeito, de modo que se nós, como a cabeça representativa perfeita, estivéssemos presentes no Jardim, teríamos feito a mesma escolha de pecar como Adão fez. Em terceiro lugar, se objetarmos a imputação de Deus do pecado de Adão para nós, então os Cristãos também não devem objetar como sendo uma injusta a imputação de Deus de nossos pecados a Jesus na cruz e a imputação de Deus da justiça de Jesus para nós em nossa justificação (2 Coríntios 5:21)?

 

Vantagens Doutrinárias e Experienciais do Representacionalismo

 

Teólogos Reformados não só têm procurado responder a objeções, mas têm oferecido argumentos fortes para apoiar a visão Representativa, entre as quais os mais citados são os seguintes.

 

1. Se a visão Realista estava correta, então por que Deus condena os seres humanos apenas pelo primeiro pecado de Adão? Afinal, os seres humanos estavam em união seminal com seu primeiro pai quando ele pecou todos os outros pecados de sua vida depois de comer o fruto no Jardim do Éden. A visão Representativa, por outro lado, entende o primeiro pecado como especialmente grave porque era a violação do Pacto de Obras entre Deus e Adão como a cabeça representativa de toda a raça humana, e de modo que o primeiro pecado trouxe condenação para o todos os humanos de modo que os pecados subsequentes de Adão não poderiam trazer.

2. Em 1 Coríntios 15:22, 45-49, o apóstolo Paulo estabelece um contraste entre Adão e Jesus Cristo que indica que Jesus tem o mesmo tipo de relacionamento com os eleitos que Adão tinha com toda a humanidade. “Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo” (1 Coríntios 15:22). No entanto, sobre essa analogia se funda a visão Realista, porque os eleitos, naturalmente, não estavam seminalmente presentes em Jesus. Jesus tem um relacionamento representativo de liderança em relação aos cristãos, de tal maneira que Deus imputa aos crentes a justiça de Jesus na justificação. Se a analogia Jesus-Adão de 1 Coríntios 15 deve permanecer de pé, então Adão deve ter tido uma relação de cabeça representativa em relação a toda a humanidade de tal maneira que Deus imputou seu primeiro pecado a toda a humanidade.

3. Romanos 5:12-21, como já vimos, é muito parecido com 1 Coríntios 15:22, 45-49. Em Romanos 5 Paulo novamente expõe Adão como um tipo de Cristo, e assim como o pecado, a condenação e a morte vêm através de uma “só ofensa” de Adão, assim a justiça, a justificação e a vida vêm através de um “só ato de justiça” de Jesus (Romanos 5:18). Adão era a cabeça representativa de toda a humanidade na aliança das obras, e Cristo era a cabeça representativa dos eleitos no Pacto da Graça. Esta analogia novamente quebra sob a visão realista, mas concorda corretamente na visão Representativa.

 

James Petigru Boyce, um teólogo Batista do Sul que estudou sob Charles Hodge em Princeton e foi o fundador do Seminário Teológico Batista do Sul deu uma forte defesa da visão Representativa e a resumiu em uma comparação ponto a ponto na página 258 de seu Abstract of Systematic Theology [Suma de Teologia Sistemática]. Sua apresentação estava em colunas lado a lado; abaixo suas correlações são apresentadas em uma forma narrativa.

 

• Em Adão o pecado é imputado e em Cristo a justiça é imputada.

 

• Em Adão, somos tratados como pecadores, e em Cristo somos tratados como justos.

 

• Nossa união federal com Adão não nos torna pessoalmente pecadores e em nossa união federal com Cristo não somos considerados como meramente possuidores da justiça de Cristo

 

• Nós não somos considerados como realmente culpados do pecado de Adão, mas apenas pecadores do ponto de vista representativo, então não praticamos a vida singular de perfeita obediência de Cristo, mas somos justos apenas do ponto de vista representativo.

 

• Embora não sejamos pessoalmente pecadores em Adão, contudo nascemos em pecado, naturalmente nos tornamos pecadores atuais e, embora não sejamos pessoalmente santos em Cristo, contudo nascemos de novo em santidade e graciosamente nos tornamos cada vez mais santos até a nossa santificação final.

 

Somos condenados a todas as penalidades da morte por causa do pecado de Adão; somos libertados da pena e alcançamos a vida espiritual e a imortalidade, por causa da obediência ativa e passiva de Cristo.

 

Aceitamos voluntariamente a relação com Adão e perseveramos na vida de pecado inaugurada por ele; e voluntariamente, embora pela graça eficaz de Deus, aceitamos a relação com Cristo e perseveramos na vida santa para a qual ele nos trouxe.

 

Quão incomparável é a sabedoria e a benignidade de Deus neste arranjo! Todo o esquema da redenção se desenvolve de modo pactual. O primeiro pacto é o eterno Pacto da Graça e Redenção, formulado nos conselhos internos do Deus eterno, todo sábio. É manifesto, então, por disposição pactual entre os filhos dos homens. Toda a raça que flui de Adão está conectada com ele como o primeiro homem, a raça inteira. Assim como nossa Queda e morte espiritual estão vinculadas aos seus atos, nossa restauração pela justificação e pela nova vida espiritual estão vinculadas à obra do segundo homem, o Senhor do Céu. Se não tivéssemos esse arranjo pactual, cada pessoa seria seu próprio Adão; cada pessoa seria responsabilizada por sua Queda e não poderia olhar para qualquer arranjo pactual e nem para nenhum representante, para sua restauração. O chamado seria: “Você caiu por si mesmo; agora restaure a si mesmo”. Ninguém poderia responder a esse chamado, pois o veredito de morte pairaria sobre todos aqueles que, de fato, caíram apenas com sua própria capacidade tanto de restauração como de esperança. Isso não seria nenhuma esperança, pois a justiça que merece a vida eterna se tornaria impossível desde o primeiro pecado. Sem nenhum parente redentor que nos justifique e nos dê o Espírito, nós também seríamos deixados à nossa corrupção sem nenhum meio de restauração. Mas, como está de acordo com o sábio arranjo de Deus: “Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21).

 

 


Bibliografia Selecionada

 

A Confissão Batista da Fé de 1689, cap. 6, par. 3-5.

 

Berkhof, Louis, “The Transmission of Sin”, in Man’s Need and God’s Gift [“A Transmissão do Pecado”, In: A Necessidade do Homem e o Dom de Deus], Millard Ericskon ed. Grand Rapids, Michigan: Baker Book House, 1976.

 

Boyce, J.P. Abstract of Systematic Theology [Suma de Teologia Sistemática]. Cape Coral Fl: Founders Press, 2006 (originalmente publicado em 1887).

 

Carroll, B.H. An Interpretation of the English Bible [Uma interpretação da Bíblia inglesa]. Grand Rpids: Baker Book House, 1973

 

Hoekema, Anthony A. Created in God’s Image [Criado à Imagem de Deus]. Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 1986.

 

Moo, Douglas, The Epistle to the Romans [A Epístola aos Romanos]. Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 1996.

 

Murray, John, The Imputation of Adam’s Sin [A Imputação do Pecado de Adão]. Phillipsburg, N.J.: Presbyterian & Reformed, 1959.

 

__________, The Epistle to the Romans [A Epístola aos Romanos]. Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 1965.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.