A Suficiência da Morte de Cristo Para Nossa Salvação, por João Calvino

|

“E desde a hora sexta houve trevas sobre toda a terra, até à hora nona. E perto da hora nona exclamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni; isto é, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? E alguns dos que ali estavam, ouvindo isto, diziam: Este chama por Elias, e logo um deles, correndo, tomou uma esponja, e embebeu-a em vinagre, e, pondo-a numa cana, dava-lhe de beber. Os outros, porém, diziam: Deixa, vejamos se Elias vem livrá-lo. E Jesus, clamando outra vez com grande voz, rendeu o espírito. E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras; E abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados; E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos. E o centurião e os que com ele guardavam a Jesus, vendo o terremoto, e as coisas que haviam sucedido, tiveram grande temor, e disseram: Verdadeiramente este era o Filho de Deus” (Mateus 27:45-54)

 

Vimos ontem que as zombarias e blasfêmias dos inimigos de Deus não impediram a morte e a paixão de nosso Senhor Jesus de produzir e mostrar o Seu poder em meio a tanto desprezo e ingratidão do mundo. Por aqui vemos todos aqueles que eram de alguma reputação e dignidade entre os judeus, que abertamente zombaram do Filho de Deus, mas isso não O impediu de ter compaixão de um pobre ladrão e recebê-lo para a vida eterna; todavia, de modo algum, é necessário que alguém obscureça ou diminua a glória do Filho de Deus. Se é argumentado que um pobre ladrão não é de modo algum comparável com aqueles que governam a Igreja, que eram mestres da lei; não é apropriado, quando falamos da salvação que foi adquirida por nós através da bondade gratuita de Deus; para buscar excelência em qualquer de nossas pessoas, antes devemos voltar para o que São Paulo diz:

 

“Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores” (1 Timóteo 1:15).

 

Então, quando viermos a considerar o fruto da paixão e morte de nosso Senhor Jesus Cristo, todos os homens têm que ser humilhados, e ali terão que ser encontradas neles apenas a pobreza e vergonha, a fim de que Deus possa por este meio derramar sobre eles os tesouros da Sua misericórdia, não tendo outra consideração para fornecer para nós, a não ser na medida em que Ele vê que estamos laçados nas profundezas de todas as misérias. Desde então, esse ladrão era um homem desaprovado por todos, e Deus o chamou assim repentinamente, quando o nosso Senhor tornou eficaz a Sua morte e paixão que Ele sofreu e suportou […], isso deve muitíssimo nos confirmar. Isso não é em absoluto, então, uma questão da demonstração de Deus como Ele estende a mão para aqueles que parecem ser dignos dela e que têm algum mérito em si, ou que eram respeitáveis e de boa reputação entre os homens, mas quando Ele retira pobres almas condenadas das profundezas do inferno, quando Ele se compadece daqueles de quem toda a esperança de vida havia sido perdida, aqui é onde a Sua bondade resplandece. Isso também é o que deve nos dar a entrada para a salvação. Pois os hipócritas, embora professem ser de alguma forma limitados pela graça de Deus, mas fecham a porta contra si mesmos, por sua arrogância. Pois eles são tão inflados com orgulho que não podem conformar-se ao nosso Senhor Jesus Cristo. Então, primeiro, nós podemos estar muito certos de que Jesus Cristo chama a Si mesmo os miseráveis pecadores que têm apenas confusão em suas pessoas, e que Ele estende os braços para recebê-los. Porque, se não temos certeza, nunca seremos capazes de tomar coragem para vir a Ele. Mas quando nós estamos bem convencidos de que é para aqueles que são os mais miseráveis que Ele envia a salvação que Ele adquiriu, desde que eles se reconheçam como tais, e se humilhem, e estejam completamente confundidos, fazendo-se censuráveis (como eles de fato o são), perante o julgamento de Deus; é assim que devemos ser assegurados, é assim que teremos fácil participação na justiça que aqui nos é oferecida, e pela qual nós obtemos a graça e favor diante de Deus.

 

Ao que se diz, “E desde a hora sexta houve trevas sobre toda a terra, até à hora nona”; em nossa língua comum diríamos das doze horas até às quinze horas. Mas o escritor do Evangelho seguiu a maneira comum de falar daquele tempo. Pois, quando diz a terceira hora, não está querendo dizer três horas, mas que essa é a primeira parte do dia. Em resumo, há aqui duas coisas a observar. Uma delas é que eles contavam as horas de forma diferente do que fazemos hoje, pois eles contavam o dia de sol a sol, e havia as doze horas do dia, ao passo que nós medimos o dia por 24 horas, calculando a partir da meia-noite à meia-noite seguinte. Os relógios tiveram que ser feitos de forma diferente, de modo que as horas eram mais longas no verão do que no inverno, e de acordo com isso os dias eram mais longos ou mais curtos, por isso, as horas eram longas ou curtas. O outro ponto é que eles dividiam o dia em quatro quartos de três horas, e cada parte foi nomeada pela primeira hora do quarto. Então, desde o raiar do sol até à segunda parte do dia foi chamado de a primeira hora. A segunda parte do dia começava às nove horas e se estendia até ao meio-dia, esta era por eles chamada de a terceira hora. E a hora sexta, começava a partir do meio dia e ia até às quinze horas. A última, durava até o pôr do sol e o dia estava terminado. É por isso que é dito por um dos escritores do Evangelho que Jesus Cristo foi crucificado por volta da terceira hora. E aqui é dito que isto aconteceu na sexta hora. O escritor do Evangelho quis dizer que a partir da sexta hora até a hora nona, houve trevas. Pois nosso Senhor Jesus foi crucificado entre às nove horas e meio dia, Ele havia sido condenado acerca de nove horas por Pilatos. E São Marcos que dizer o fim da terceira hora, não o começo, quando ele descreveu o tempo em que Jesus Cristo foi levado ao Gólgota. Agora, Ele ficou na cruz até a hora nona, quando já o final do dia estava se aproximando. Por isso, é mais provável que o nosso Senhor Jesus não permaneceu em agonia na cruz por mais de três horas.

 

Durante esse tempo, é dito que houve trevas sobre toda a terra, isto é, a Judéia. Pois o eclipse não foi geral por todo o mundo. Na verdade, isto teria obscurecido o milagre que Deus quis mostrar. Porque eles, então, poderiam ter atribuído este eclipse às forças da natureza. Por outro lado, não há muitas pessoas que falaram dele no sentido de que isso aconteceu em outros países. Na verdade, aqueles que fazem menção disso são justamente conjecturados. Mas eis que a terra da Judéia é que foi coberta pela escuridão. E a que horas? Por cerca de três horas depois do meio-dia, quando o sol ainda não estava prestes a se por, como se costuma dizer. Mas, para além das forças comuns da natureza devia haver escuridão para causar medo e espanto a todos. Muitos consideram que isso foi feito, como sinal de repulsa, como se Deus quisesse chamar os judeus a prestarem contas, a fim de que eles pudessem ter algum sentimento em relação ao crime tão hediondo que eles haviam cometido, e como se Ele significasse para eles por este sinal visível que até mesmo todas as criaturas deveriam, como que esconderem-se de uma coisa tão horrível, quando Jesus Cristo foi, assim, entregue à morte. Mas temos que observar que de uma maneira a morte de nosso Senhor Jesus Cristo teve que ser realizada como um crime terrível, isto é, no que diz respeito aos judeus. Deus detestou também sua iniquidade e demasiada vilania, pois estas superaram a todos os outros. Na verdade, se nós odiamos o assassinato e essas coisas, o que isso será quando chegamos à pessoa do Filho de Deus? Em relação a Quem os homens foram tão loucos a ponto de quererem aniquilar Aquele que era a Fonte da Vida, de modo que eles se levantaram para destruir a memória dAquele por Quem fomos criados, e no poder de Quem nós subsistimos!

 

No entanto, a morte de nosso Senhor Jesus não permaneceu meramente como um sacrifício de cheiro suave. Pois devemos sempre lembrar que [esta ocorreu para] a reconciliação do mundo, como já declarado anteriormente. Além disso, a escuridão veio a fim de que o sol desse testemunho da majestade Divina e celestial de nosso Senhor Jesus. Embora, então, por esse minuto Ele não foi apenas humilhado e se tornou desprezível diante dos homens, até mesmo esvaziando-Se de tudo, como diz São Paulo; ainda assim, mesmo o sol O homenageia, e como um sinal disso ele permaneceu escondido. Já que é assim, então, saibamos que Deus, para tornar o perverso ainda mais indesculpável, quis que Jesus Cristo em Sua morte fosse declarado Rei soberano de todas as criaturas, e que este triunfo do qual fala São Paulo no segundo capítulo de Colossenses já começou, quando ele diz que Jesus Cristo triunfou na cruz (Colossenses 2:14-15). É verdade que Ele aplica isso ao fato de que Ele riscou a cédula que nos era contrária, e que Ele nos absolveu diante de Deus, e por causa disso Satanás foi derrotado; o que foi mostrado por este eclipse do sol. No entanto, os judeus estavam convencidos de sua ignorância, mesmo de sua ignorância maliciosa e fanática, como se tivesse sido visto com seus olhos que Satanás os possuía, e que eles haviam, por assim dizer, se tornado monstros contrários à natureza. Isso, em resumo, é o que temos que lembrar quando se fala da escuridão que ocorreu.

 

É verdade que hoje estamos iluminados pela morte e paixão de nosso Senhor Jesus Cristo. Pois, como é que o Evangelho nos mostra o caminho para a salvação? Como somos iluminados para chegar a Deus, a não ser uma vez que o Filho de Deus nos é apresentado com o fruto e do poder da Sua morte? Jesus Cristo é realmente o Sol da Justiça, porque Ele adquiriu para nós a vida, por Sua morte. Mas os judeus foram privados de tal benefício. E, em que o sol foi obscurecido, eles foram convencidos que de todas as pessoas, eles eram reprovados, e a doutrina não mais lhes seria proveitosa, nem lhes seria útil para a salvação, uma vez que por sua malícia haviam tentado extinguir e abolir tudo o que podia dar-lhes esperança, pois esta esperança estava inteiramente na Pessoa do Mediador, a quem tentaram destruir por sua malícia e ingratidão. Era certo, então, que eles estavam completamente destituídos de toda a luz da salvação, a fim de que a ira de Deus se declarasse de forma visível sobre eles.

 

Segue-se que o nosso Senhor Jesus clamou, dizendo: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”. São Mateus e São Marcos recitam em língua Siríaca estas palavras de nosso Senhor Jesus, que são extraídas de Salmo 22. E as palavras não são assim pronunciadas por todos os escritores dos Evangelhos como o texto do Salmo apresenta. Mesmo nesta palavra “Eli”, que é “Meu Deus”, vemos que São Marcos diz: “Eloí” (Marcos 15:34). Mas isso é uma distorção da linguagem, como vimos antes; pois os judeus que retornaram da Babilônia nunca tiveram uma língua totalmente pura, como antes. Ademais esta exclamação é tirada do Salmo 22:1. Deus quis especialmente que isto fosse recitado em duas línguas, para mostrar que era algo importante, e para o qual devemos atentar. Na verdade, a menos que queiramos imaginar (como fazem muitas pessoas irracionais) que o nosso Senhor Jesus falou de acordo com a opinião de homens e não de acordo com Seu sentido e Seu sentimento, nós certamente devemos ser movidos por isto, e os nossos sentidos devem maravilharem-se, quando Jesus Cristo queixa-se de ser desamparado e abandonado por Deus Seu Pai. Pois é uma coisa muito sem graça e muito tola, dizer que o nosso Senhor Jesus não foi de todo tocado com a angústia e ansiedade em Seu coração, mas que Ele houvesse simplesmente dito: “Eles dizem que estou abandonado”. Isso mostra que aqueles que olham para tais glosas, não são apenas ignorantes, mas são totalmente zombadores. Além disso, eles nunca deixam de blasfemar, como cães mastim, contra Deus. E todos aqueles que falam assim, é certo que eles não têm mais religião do que os cães e os animais irracionais, pois eles não sabem o quanto a sua salvação custou ao Filho de Deus. E o que é pior, eles zombam dEle apenas como os vilões que são.

 

Então, temos que manter como um fato conclusivo que o nosso Senhor Jesus, que está sendo trazido para tal extremo e angústia, clamou com grande voz: (sim, como aqueles que são atormentados ao extremo), “Deus meu, Deus meu, por que que me desamparaste?” Na verdade, nós já dissemos que seria uma declaração fria a partir da história de Sua morte, se não considerarmos a obediência que Ele prestou a Deus, o Pai. Esta, então, é a principal coisa que temos que considerar se quisermos ter certeza de nossa salvação. É que, se cometemos muitas faltas e rebeliões e iniquidades contra Deus, tudo isso será enterrado, na medida em que o nosso Senhor Jesus por Sua obediência nos justificou e nos tornou aceitáveis a Deus, Seu Pai. Agora esta obediência, no que consiste, a menos que Jesus Cristo, embora a morte fora difícil e terrível a Ele, ainda assim, não recusou estar sujeito a ela? Pois se Ele não tivesse experimentado nisto nenhuma dificuldade ou contradição, isto não teria sido obediência. Mas, apesar de que nosso Senhor Jesus, por natureza, morreu em horror, de fato foi um fardo terrível para Ele o ser encontrado diante do tribunal de Deus, em nome […] dos miseráveis pecadores (pois Ele estava ali, como se tivesse que sustentar todos os nossos fardos), no entanto, Ele não deixou de humilhar-Se a tal condenação por nossa causa, nós sabemos que houve nEle uma obediência perfeita, e nisto nós temos boas razões para glorificá-lO, como diz o Apóstolo na Epístola aos Hebreus,

 

“Nosso Senhor Jesus foi ouvido quanto ao que temia” (Hebreus 5:7).

 

Embora isto tenha sido assim, ainda que Ele teve que suportar algo tão duro e penoso, de fato, totalmente contrário a todo o afeto humano, isto era necessário, pois:

 

“Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu” (Hebreus 5:8).

 

Vemos, então, o Apóstolo, que especifica particularmente que o nosso Senhor Jesus teve que ser assombrado pelo medo; pois, sem isto nós não saberíamos quão precioso foi esse sacrifício pelo qual fomos reconciliados. Na verdade, São Pedro também mostra que o nosso Senhor Jesus sofreu não só em Seu corpo, mas na alma, quando Ele diz que Ele lutou contra as dores da morte.

É verdade que a Escritura muitas vezes diz que nós somos redimidos pelo sangue de Jesus Cristo, na medida em que Ele ofereceu Seu corpo como um sacrifício. É também por isso que se diz que a Sua carne é para nós comida e Seu sangue é para nós bebida espiritual. Mas isso é dito concernente à nossa insensatez. Porque somos rudes, o Espírito Santo nos traz de volta ao que é visível na morte de Jesus Cristo, a fim de que possamos ter uma certeza absoluta do penhor de nossa salvação. No entanto, não devemos rejeitar o que é mostrado em todas as outras passagens, para não invalidarmos o fato de que a morte e a paixão de nosso Senhor Jesus não serviriam para tirar as iniquidades do mundo, exceto na medida em que Ele obedeceu verdadeiramente humilhando-Se até uma morte assustadora. E Ele obedeceu, e não em tudo o que Seus sentidos foram levados, mas, apesar de que Ele tivesse que sofrer terrores e extremos terrores, ainda assim Ele colocou a nossa salvação acima de qualquer outra consideração. Isso, então, é o que temos que observar nesta passagem, isto é, que o Filho de Deus não somente suportou em Seu corpo uma morte tão cruel, mas que Ele foi comovido imediatamente, tendo que suportar terríveis assombros como se Deus O tivesse abandonado. Pois, na verdade, Ele também sofreu por nossa causa, e teve que experimentar a condenação que era devida aos pobres pecadores.

 

Por nossos pecados nós estamos, por assim dizer, alienados de Deus, e Ele deve apartar-Se de nós, e nós temos que saber que Ele tem, por assim dizer, nos rejeitado. Essa é a coisa certa para os pecadores. É certo que Jesus Cristo nunca foi rejeitado por Deus, Seu Pai. No entanto, Ele teve de sofrer essas angústias e Ele teve que lutar bravamente para repeli-las, a fim de que hoje o fruto da vitória pudesse ser nosso. Portanto, devemos lembrar que, quando o Senhor Jesus foi colocado em tal situação, como se Deus Seu Pai tivesse tirado dEle toda a esperança de vida, na medida em que Ele estava ali em nossa pessoa, suportando a maldição de nossos pecados que nos separavam de Deus. Pois onde repousa a nossa felicidade, a não ser no fato de que somos vivificados pela graça de Deus e iluminados pela Sua luz? Ele é a fonte da vida e de todo o bem, e os nossos pecados colocam, por assim dizer, uma longa distância entre Ele e nós. Jesus Cristo, então, teve que experimentar isso. Vejamos agora o que alguém poderia dizer. “É possível que Jesus Cristo tenha experimentado esses terrores, uma vez que nEle há somente perfeição completa? Pois parece que isso afasta a fé de que Ele deveria ter e de tudo o que nós devemos crer sobre Ele. Isto é, Ele era totalmente imaculado. Ora, a resposta para isso é muito fácil, pois quando Ele foi tentado por Satanás, é certo que Ele tinha que ter essa apreensão de que Ele estava, por assim dizer, em cima de uma torre e que Ele estava sujeito a tal ilusão de acordo com a Sua natureza humana. No entanto, isso não tirou nada de Seu poder Divino. Em vez disso, temos a oportunidade de magnificar Sua bondade para conosco, na medida em que Ele assim humilhou-se a Si mesmo por nossa salvação.

 

Agora, é dito que clamou: “Deus meu, por que me desamparaste?”. Em primeiro lugar, é muito certo que Jesus Cristo, na medida em que Ele era Deus, não poderia ter tal apreensão. Não, não. Mas quando Ele sofria, Sua Divindade teve que dar lugar à Sua morte e paixão, as quais Ele teve que suportar. Isso, então, é o poder de nosso Senhor Jesus que foi mantido, por assim dizer, oculto por um tempo, até que Ele tivesse obtido tudo o que era necessário para a nossa redenção. Ainda de acordo com o homem, notemos que esta queixa, e esse sentimento de terror dos quais falamos agora, de maneira nenhuma prejudicaram a fé de nosso Senhor Jesus Cristo. Pois uma vez que Ele era homem Ele tinha toda a Sua confiança em Deus, como já vimos, e ontem isso foi suficientemente tratado. Isto foi então um o verdadeiro padrão de verdade, perfeição e inteira confiança. Diz-se agora que Ele estava em tal angústia que Ele parecia estar abandonado por Deus, Seu Pai. No entanto Sua fé sempre foi perfeita, não foi nem abatida nem abalada de qualquer forma que seja. Como, então, Ele diz: “Por que me desamparaste?”. Isso foi por apreensão natural. Eis, então, o nosso Senhor Jesus Cristo, que de acordo com a fraqueza da Sua carne, foi, por assim dizer, abandonado por Deus, e ainda assim não deixou de confiar nEle. Como, de fato, vemos duas partes nestas palavras que são superficialmente contrárias, ainda que, de fato, concordem muito bem. Quando Ele diz: “Deus meu, Deus meu”, e Ele repete a palavra de tal forma a demonstrar a constância de Sua fé. Ele não diz: “Onde está Deus? Como é que Ele pode ter me deixado?”, Mas se dirige a Ele. Ele devia estar inteiramente persuadido e certo de que Ele sempre encontraria acesso favorável, a Deus Seu Pai. Eis aqui (digo eu) um certo e infalível testemunho da fé de nosso Senhor Jesus Cristo. Quando no meio da calamidade e angústia em que Ele se encontrava, Ele não deixou de clamar a Deus seu Pai, e não de forma presunçosa, mas porque Ele estava certo de que iria encontrá-lO propício ao invoca-lO. Eis no que (digo eu) a fé de nosso Senhor Jesus Cristo é suficientemente declarada. No entanto, Ele repete a palavra, porque esta luta é difícil, como se Ele desafiasse todas as tentações que Satanás preparou para Ele, e Ele procurou a confirmação da fé para que Ele pudesse sempre persistir clamando a Deus.

 

Agora Ele disse ainda: “Por que me desamparaste?”, Claro que isto estava de acordo com o que Ele poderia conceber como homem. Porque Ele deveria passar por esta experiência, sem, contudo, ser vencido por ela. Pois São Pedro diz:

 

“Soltas as ânsias da morte, pois não era possível que fosse retido por ela” (Atos 2:24).

 

Ou seja, que Ele fosse apreendido como um homem pobre que foi totalmente entregue e esmagado, “Era impossível”, diz São Pedro. E assim, a vitória estava no meio da luta. E isso é para glorificar ainda mais o nosso Senhor Jesus Cristo. Davi tinha experimentado isso em parte. Pois é certo que, no meio de suas aflições, por maiores que fossem, ele insistiu em clamar a Deus, de fato esperando nEle. Mas desde que ele era um homem frágil, a sua fé foi abalada, muitas vezes, como ele confessa. Mas em nosso Senhor Jesus, houve uma consideração especial (que foi tratada no último Dia do Senhor), isto é, que Ele tinha todas as Suas emoções bem controladas, por causa da integridade que havia nEle e por que não havia nEle nenhuma corrupção natural. Como às vezes acontecerá conosco que nossas dores prosseguirão a partir de um motivo justo, na verdade, os nossos medos e nossas ansiedades. Mas, mesmo assim sempre haverá vícios misturados nisso, uma vez que a corrupção está em todas as nossas paixões. Mas em nosso Senhor Jesus não havia nada de problemático ou desordenado. Segue-se, então, que Ele não estava tão tomado de angustia, que Ele sempre teve sua esperança posta corretamente em Deus, que Ele clamou apenas por Ele e permaneceu firme e constante nisso, sabendo muito bem que Ele seria o Salvador até o fim.

 

Ao que se diz que alguns dos que estavam perto dEle O zombavam. “Ele chama por Elias, deixa, vejamos se Elias vem livrá-lo”. Alguém supôs que os guardas, como ignorantes da Lei, falaram assim. Mas isso é muito abuso e tolice, pois eles não sabiam quem era Elias. Não há dúvida, portanto, que esta blasfêmia foi pronunciada por nenhuns outros além dos sacerdotes que eram versados na Lei. E eles mesmos não estavam enganados no que Jesus disse? Nem um pouco. Pois o profeta a quem chamavam de Elias não é assim pronunciado. O nome, então, não os havia enganado. Pois não há dúvida implícita, uma vez que a palavra “Elias” é pronunciada de forma completamente diferente da palavra “Eli”, isto é, “Meu Deus”. Isso não pode causar qualquer ambiguidade. Isso ocorreu, então, por certa malícia e ousadia por meio da acusação de que “Ele chama Elias” fora colocada sobre o nosso Senhor Jesus Cristo. E se nós achamos isso estranho, quisera Deus que não houvesse tais exemplos hoje. Pois alguém verá hoje os papistas que pervertem e depravam, por meio de suas calúnias, o que nós ensinamos, isto é, o que é extraído da pura verdade de Deus, e eles conscientemente blasfemam para tornar nossa doutrina odiosa para muitas pessoas ignorantes e pessoas que não ouvem o que pregamos todos os dias. Eles depravam, então, falsamente aquilo que dizemos e o levam totalmente para o lado errado, a fim de dar plausibilidade à sua mentira e entreter as pobres pessoas ignorantes com isso. É assim foi que os inimigos de Deus, possuídos por Satanás, perverteram por malícia as palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, e hoje entre os papistas se vê a mesma coisa. E isso não apenas é percebido no Papado, mas mesmo entre nós há beligerantes que dirão que queremos fazer crer que Jesus Cristo foi desprovido de toda a esperança quando vemos que Ele sofreu a angústia da morte, como se Ele tivesse sido lançado para as profundezas, na medida em que Ele estava ali em nosso nome e Ele sofreu o peso de nossos pecados. Mas isso de maneira alguma tira a constância da Sua fé, que esta possa não ter permanecido sempre em sua totalidade. E esses tratantes que fazem profissão do Evangelho, nunca deixam de blasfemar com conhecimento de causa, por que eles mostram que eles são piores do que aqueles de quem se fala aqui. Havendo, pois, o diabo hoje aguçado as línguas dos seus agentes, e que cada um por tal atrevimento brutal trata de vomitar seu veneno contra a pureza da doutrina, não achemos estranho que o nosso Senhor Jesus tenha sido caluniado assim. Mas podemos suportar com paciência essas blasfêmias, orando a Deus (como se diz no décimo segundo Salmo) para que Ele possa destruir essas línguas lisonjeiras (Salmos 12:3), que são tão cheias de vilania e de execração, e as quais tendem a blasfemar do Seu Nome e obscurecer a Sua verdade.

 

Diante disso, os registros do escritor do Evangelho dizem que havia ali um vaso cheio de vinagre (de fato, como já vimos, que foi misturado com fel), e que eles levaram uma cana, ou melhor, (como diz São João) um hissopo, a fim ter uma longa vara, e no fim de tudo isso eles colocaram uma esponja para fazê-la chegar à boca do nosso Senhor Jesus. São João fala aqui mais claramente, pois ele diz que Jesus Cristo, sabendo que todas as coisas foram cumpridas, disse que ele estava com sede, e por isso Ele declarou mais uma vez “Está consumado”. Isso, então, é o que temos que observar aqui, quando esta bebida foi dada ao Filho de Deus, a saber, que Ele não pediu para beber porque Ele estava com sede, pois Ele se recusou, como já vimos acima. Então, por quê? Por que esta bebida foi dada a fim de encurtar a vida. Ora, nosso Senhor Jesus desejou em tudo e por tudo esperar pela hora de Deus Seu Pai em paciência e descanso. Isso, então, é o motivo pelo que Ele não queria apressar a Sua morte, mas tornara-Se pacífico e obediente, até que tudo fosse cumprido — embora, de fato, Ele ainda não houvesse entregado o espírito e nem ressuscitado dentre os mortos. Pois Ele quer dizer que até esta hora Ele tinha mostrado uma obediência completa, de modo que nada agora O impedia de entregar a Sua alma a Deus, Seu Pai. Isso, então, é como devemos abordar esta passagem: É que o nosso Senhor Jesus declarou que nada mais faltava para a nossa redenção, exceto o afastar-Se do mundo, o que Ele estava pronto e preparado para fazer, e entregar a Sua alma a Deus. Vendo, então, que Ele mesmo havia cumprido todo o Seu dever como Mediador, e que Ele havia feito tudo o que era necessário para apaziguar a ira de Deus em relação a nós, e que a satisfação pelos nossos pecados fora cumprida, Ele estava disposto a pedir por esta bebida.

 

Agora temos aqui uma frase muito notável e excelente, quando se diz: “Está consumado”. Pois é certo que o Senhor Jesus não fala em absoluto de quaisquer coisas pequenas ou comuns. Mas Ele intenciona que pela Sua morte, temos tudo o que precisamos para ter acesso a Deus e obter a graça dEle. Não que Sua ressurreição seja excluída por isso, mas é como se Ele dissesse que Ele realizou Seu ofício fielmente, e que Ele não veio a ser um Salvador parcial, mas que até o último momento Ele executou o fardo que Lhe fora comissionado, e que Ele não havia omitido nada de acordo com a vontade de Deus, Seu Pai. Desde que é assim, nós somos instruídos a fixar totalmente a nossa confiança em nosso Senhor Jesus Cristo, sabendo que todas as partes da nossa salvação são cumpridas no que Ele fez e sofreu por amor a nós. É também por isso que a Sua morte é chamada de sacrifício perpétuo, pelo qual os crentes e os eleitos de Deus são santificados. Não queremos, então, ter certeza de que Deus é um Pai para nós? Não queremos ter liberdade de clamar por Ele? Não queremos ter descanso em nossas consciências? Não queremos ser mais totalmente seguros de que somos considerados justos, a fim de sermos aceitáveis a Deus? Permaneçamos em Jesus Cristo e não andemos aqui ou ali, e reconheçamos que é nEle que repousa toda a perfeição. Aqueles, pois, que desejam outros adereços, e quem olham de um lado para o outro para suprir o que deve faltar na morte e paixão de nosso Senhor Jesus Cristo, renunciam inteiramente o poder de que estamos falando agora. Resumidamente eles pisoteiam o sangue de Jesus Cristo, pois eles O desonram. Agora, em todo o Papado, o que há ali exceto a renúncia da morte e paixão de nosso Senhor Jesus Cristo? Por que eles pensam em fazer boas obras, porque eles as chamam de méritos, pelo que eles confiam adquirir graça diante de Deus, é certo que eles repudiam o que foi declarado por nosso Senhor Jesus Cristo: “Está consumado”. E uma vez que é assim, quando eles pensam obter a salvação diante de Deus, e eles desejam ter a remissão dos seus pecados, para onde vão, a não ser para as suas tolas devoções? Pois cada um realizará o seu pequeno dever em seu posto, de modo que todas as chamadas devoções no Papado tanto blasfemam quanto anulam o que foi pronunciado quando o nosso Senhor Jesus disse: “Está consumado”. O que se segue, então? Que saibamos que não há uma única partícula de virtude ou mérito em nós, a menos que nos apossemos desta Fonte onde está toda a plenitude dos méritos.

 

Assim, então, é como a nossa fé deve ser fixada em nosso Senhor Jesus Cristo. Além disso, que conheçamos acima de tudo, quando Ele foi oferecido como um sacrifício isso foi para nos absolver para sempre e para nos santificar perpetuamente, como diz a Escritura (Apocalipse 13:8). Que possamos, então, não ter outro sacrifício além deste. É verdade que, no Papado, essa abominação diabólica da missa é chamada de sacrifício diário; e eles dizem que Jesus Cristo certamente uma vez Se ofereceu como sacrifício para obter para nós a remissão de nossos pecados, mas que ainda é necessário que Ele seja oferecido diariamente, o que é blasfêmia plenamente manifesta, na medida em que usurpa o ofício que foi dado ao nosso Senhor Jesus Cristo, quando Ele foi ordenado único Sacrifício eterno, de fato, com um juramento que Deus jura que seria perpétuo. Quando, então, os homens mortais encarregam-se ainda de vir a apresentar e oferecer Jesus Cristo a Deus, será que eles não roubam a honra que Deus reserva para Si mesmo, e que não pode ser atribuída a qualquer criatura? Já que é assim, então, vemos como estes pobres cegos, supondo manterem a designação de Deus, provocam a Sua ira e Sua vingança, renunciando a morte e a paixão de nosso Senhor Jesus Cristo. E muito mais nos convém ampliar a graça de Deus, pela qual Ele nos retirou de tal abismo, que quando afirmamos nos aproximarmos dEle, é para desafiá-lO abertamente. Pois, nos privamos dEle e do fruto de Sua morte e paixão quando buscamos outro sacrifício além daquele que Ele ofereceu em Sua pessoa. Isso, então, é o que temos que lembrar.

 

Agora é dito: “E Jesus, clamando outra vez com grande voz, rendeu o espírito”. E este grito foi: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” [Lucas 23:46]. Nisto nós vemos como o nosso Senhor Jesus Cristo tanto lutou contra as dores da morte, e que a partir de então Ele foi vencedor sobre ela e Ele poderia ganhar Seus triunfos como tendo superado o que era o mais difícil. E isso diz respeito a nós, ou seja, devemos aplicá-lo para o nosso uso. Pois temos a certeza não somente que o Filho de Deus lutou por nós, mas que a vitória que Ele adquiriu para nós nos pertence, e que hoje não devemos estar em qualquer juízo assustados com a morte, sabendo que a maldição de Deus, que era terrível para nós, é abolida, e que a morte, em vez de ser capaz de ferir-nos como uma praga fatal, nos serve como remédio para nos dar passagem para a vida. Agora, como anteriormente com o exemplo de Davi, Ele disse:

 

“Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Salmo 22:1)

 

Assim, agora, Ele toma a oração feita por Davi, no trigésimo primeiro Salmo,

 

“Nas tuas mãos encomendo o meu espírito” (Salmo 31:5).

 

É verdade que Davi disse isso estando em meio a perigos. Como se ele dissesse: “Senhor, sustenta-me na Tua proteção; pois a minha alma é como se estivesse entre as minhas mãos; ela está ali como que trêmula. Pois eu me vejo exposto a todos os perigos; minha vida é como se estivesse pendurada em um fio. Ela não permanecerá, então, a menos que Tu me tomes em Tua proteção”. É assim que Davi, por esta oração, constituiu a Deus como o seu protetor. No entanto, ele não a usa para clamar a Deus até [chegar o momento de Sua] própria morte, e para ter certeza de que Deus sempre é o Salvador dos Seus eleitos, não somente ao mantê-los e guardá-los neste mundo, mas também quando Ele os toma para Si mesmo. Pois, a principal proteção que Deus mantém sobre nós é que, sendo retirados deste mundo, somos escondidos debaixo das Suas asas para nos alegrarmos em Sua presença, como São Paulo fala disto em 2 Coríntios 4:3. E o nosso Senhor Jesus também pronunciando esta oração declara que Ele morre pacificamente, tendo conquistado em todos os combates o que Ele teve de sustentar para nós, e já alcança Seus triunfos em nosso nome e para nosso proveito e salvação. Ele declara totalmente por este mesmo meio que Deus é o Seu Salvador e que Ele guarda a Sua alma com uma firme confiança. A isso é que implica este pedido que Ele faz a Ele, quando Ele diz: “Meu Deus, sê Tu o guardião da Minha alma, mesmo após a morte”.

 

Quando nosso Senhor Jesus fala assim, é como se Ele assegurasse a nós todos que não podemos deixar de nos comprometer com o nosso Deus, pois Ele certamente condescende em se encarregar conosco, a fim de sustentar-nos, e que nós jamais pereceremos, estando assim sob a Sua mão. Agora, especialmente devemos notar que Jesus Cristo ao dizer: “Meu Deus, nas tuas mãos encomendo o meu espírito”, adquiriu o privilégio que é atribuído a Ele por São Estevão em Atos 7. Isso é que Ele foi constituído Guardião de todas as nossas almas. Pois como é que são Estêvão fala em sua morte?

 

“Senhor Jesus, recebe o meu espírito” (Atos 7:59).

 

Assim, então, é como são Estevão mostra o fruto desse pedido que foi feito por Jesus Cristo: a saber, que agora podemos nos dirigir a Ele, e devemos fazê-lo, declarando que uma vez que Ele nos foi dado como Pastor por Deus Pai, nós não precisamos ter dúvidas, mas, sim, estarmos em paz, tanto na vida como na morte, sabendo que tudo nos beneficiará e será voltado para nosso proveito. Como diz são Paulo, que com Jesus Cristo, ele encontrará ganho em tudo, que ele não carecerá de nada na vida ou na morte, pois tudo será útil para ele (Filipenses 1:20-24).

 

Então, aprendamos agora, quando formos assediados pela morte, que Jesus Cristo tirou o ferrão que poderia nos ferir fatalmente no coração, e que a morte não será mais prejudicial para nós, e que quando o nosso Senhor Jesus entregou a Sua alma a Deus, Seu Pai, isso não foi apenas para ser preservado em Sua Pessoa, mas, a fim de adquirir esse privilégio que é inteiramente preservado para nós em virtude deste pedido; na verdade, quando nós teremos os nossos recursos nEle, como Aquele sob a proteção de Quem não podemos perecer, pois Ele o declara. Há ainda este triunfo do que fizemos menção, que já nos beneficia. Pois nosso Senhor Jesus mostra quão preciosa é a Sua morte, quando Ele parte com tanta confiança para Deus, Seu Pai, para nos conduzir a Ele e para nos mostrar o caminho para Ele. Mas a coisa principal é que podemos saber que o fruto disso vem até nós, na medida em que Ele riscou a cédula que nos era contrária, enquanto Ele adquiriu para nós a plena satisfação pelos nossos pecados, para que possamos comparecer diante de Deus, Seu Pai, de tal forma que até mesmo a morte já não mais fará qualquer mal ou dano a nós. Embora ainda vemos em nós muitas coisas que podem nos assombrar, e nós experimentamos a nossa pobreza e miséria, ainda assim, não deixemos de nos gloriar nAquele que foi assim humilhado por nós, a fim de elevar-nos com Ele.

 

Na verdade, embora do lado humano só exista a completa vergonha, no entanto, quando Jesus Cristo foi pendurado ali na cruz, Deus já desejava naquele momento, pela boca de Pilatos que Ele fosse declarado Rei. Assim, embora o reino de nosso Senhor Jesus Cristo seja difamado perante o mundo, nós não podemos, contudo, deixar de mantê-lo como a base de toda a nossa glória, e que possamos saber que estando em opróbrio sob Sua direção, temos, no entanto, do que nos alegrar; posto que a que a nossa condição sempre será abençoada, porque todas as misérias, aflições e ignomínias que nós suportamos são mais honrosas e preciosas diante de Deus do que são todos os cetros, toda a pompa e coisas honrosas, com que os homens estão viciados. Isso, então, é como devemos chegar ao nosso Senhor Jesus Cristo, e nos apegar de tal modo a Ele que possamos conhecer que a riqueza que Ele traz para nós é preciosa, e acima de tudo, quando Ele nos conduz por Seu Evangelho, que nós possamos rejeitar todas as conveniências e confortos deste mundo; de fato, que os mantenhamos em ódio quando eles nos desviam do bom caminho. Resumidamente, que o nosso Senhor Jesus obtenha a honra que Ele merece, e de nossa parte que não sejamos como canas agitadas por cada vento, mas que estejamos fundamentados nEle, que clamemos a Deus, e na vida e na morte que a vitória seja dada a nós visto que Ele já triunfou. E enquanto nós ainda estamos aqui abaixo que possamos dar-Lhe honra ao reconhecer que é Ele Quem nos sustenta. Isto é o que Ele fará quando realmente tivermos o nosso refúgio nEle: Ele fará isso, eu digo, não de uma forma comum, mas milagrosamente. Pois, quando formos lançados até o fundo do abismo da morte, é o Seu ofício retirar-nos dali e nos levar à herança celestial que Ele adquiriu com tanta afeição para nós.

 

Agora, prostremo-nos em reverência humilde diante da majestade do nosso Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.