A Vida E O Ministério De Charles Spurgeon, por John Piper

|

[Palestra Inaugural sobre Spurgeon no Reformed Theological Seminary Orlando, Flórida, 10 abril de 2013]

 

Charles Spurgeon era o tipo de Calvinista que teria celebrado a fundação do Instituto Nicole de Estudos Batistas [Nicole Institute of Baptist Studies] neste Seminário Teológico Reformado não-Batista [Reformed Theological Seminary], em Orlando. Uma das razões pelas quais podemos saber disso é que Spurgeon nomeou George Rogers para ser o primeiro diretor de seu Colégio de Pastores. Rogers era um Congregacional pedobatista. Ele não poderia nem mesmo ter sido um membro da igreja pastoreada pelo próprio Spurgeon, o Tabernáculo Metropolitano1.

 

Spurgeon era Batista, mas como alguns de nós, e talvez como Roger Nicole, ele nem sempre encontrou os seus mais profundos irmãos-de-alma entre sua própria denominação Batista. Ele colocou isto desta forma:

 

Se eu discordar de um homem em 99 pontos, mas acontecer de eu ser um com ele no batismo, isto nunca poderia fornecer um fundamento para a unidade, semelhantemente, como eu tenho unidade com outra pessoa por acreditarmos nos mesmos 99 pontos, e só acontecer de divergirmos sobre uma ordenança2.

 

Na verdade, no final de 1880, durante a Grande Controvérsia do Declínio sobre o liberalismo na União Batista, foram os evangélicos Anglicanos que apoiaram Spurgeon, enquanto ele foi difamado pela maioria dos Batistas mais liberais. Havia na vida e pregação de Spurgeon uma robustez, alegria, seriedade, exaltação de Cristo, uma estima da expiação, centralidade de Deus, de forma que ele sentia uma afinidade com quem tinha esses mesmos instintos, independentemente da denominação. Eis como ele descreveu seu Calvinismo:

 

Para mim, o Calvinismo significa a colocação do Deus eterno na cabeça de todas as coisas. Eu olho para tudo através de sua relação com a glória de Deus. Eu vejo Deus em primeiro lugar, e o homem muito abaixo nesta lista… Irmãos, se vivemos em sintonia com Deus, temos prazer de ouvi-lO dizer: “Eu sou Deus e não há outro”3.

Ele era um completo Calvinista, não pela adesão a algum sistema ou uma tradição ou denominação, mas porque ele pensava que o Calvinismo era simplesmente um pobre nome para o evangelho bíblico puro-sangue.

 

O Puritanismo, o Protestantismo, o Calvinismo [disse ele, são simplesmente] …nomes pobres que o mundo tem dado à nossa grande e gloriosa fé — a doutrina do apóstolo Paulo, o evangelho de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo4.

 

É por isso que ele estava livre para e não tinha vergonha de pregar todo o conselho de Deus, mesmo se este fosse chamado de Calvinismo, ele era o Evangelho. “As pessoas vêm a mim por uma coisa… Eu prego-lhes um credo Calvinista e uma moralidade Puritana. Isso é o que eles querem e isso é o que eles recebem. Se eles querem alguma outra coisa eles devem ir para outro lugar”5.

 

Mas ele estava tão focado na expiação por meio da cruz e na supremacia de Jesus Cristo, que ele podia sentir o aroma do novo nascimento em muitos lugares fora de seu círculo Calvinista.

 

Longe de mim sequer imaginar que entre os muros de Sião haja somente Cristãos Calvinistas ou que, aqueles que não compartilham das nossas ideias não serão salvos6. […] Alegro-me em confessar que tenho certeza de que há alguns do povo de Deus mesmo na Igreja de Roma7.

 

No primeiro domingo no recém-construído Tabernáculo Metropolitano com 5.600 lugares, em Londres, Spurgeon definiu essas coisas em perspectiva. Era 1861, e Spurgeon tinha 27 anos de idade. Ele estava em sua igreja desde que ele tinha 19 anos e agora estava se mudando para um enorme edifício novo.

 

Eu gostaria de propor que o tema do ministério nesta casa, enquanto este púlpito estiver de pé e esta casa for frequentada por adoradores, seja a pessoa de Jesus Cristo. Eu nunca me envergonho de confessar-me um Calvinista; eu não hesito em levar o nome de Batista; mas se me perguntarem qual é o meu credo, eu respondo: “É Jesus Cristo”8.

 

Então, eu tenho certeza que ele ficaria satisfeito não só com a fundação do Instituto Nicole de Estudos Batista no RTS, mas também porque estamos aqui principalmente para magnificar a Jesus Cristo e Sua palavra, e não o homem, Charles Spurgeon.

 

Mas deixe-me dar-lhe apenas uma razão bíblica para fazer da vida deste homem a lente para olharmos para Jesus. Você pode pensar que eu iria para Hebreus 11, que é um grande argumento bíblico para amar biografia Cristã. Mas eu citarei em vez disso Filipenses 3:17: “Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam”. Não basta manter os olhos em Cristo. E não apenas manter seus olhos em Paulo, que imita a Cristo (1 Coríntios 11:1). Mas manter os olhos sobre aqueles que “andam de acordo com o exemplo que você tem em [Paulo]”. Então, primeiro há Cristo, depois Paulo, em seguida, aqueles que seguem o exemplo de Paulo, em seguida, os Filipenses, cada um sendo inspirados e guiados por aqueles que vieram primeiro.

 

E, certamente, não há nenhuma razão para pensar que esse processo de imitação e inspiração apropriada deve parar após a terceira geração que segue Cristo. Então, eu diria, onde quer que você veja uma vida vivida no poder de Cristo, de acordo com a palavra de Cristo, para a glória de Cristo “mantenha seus olhos sobre esta vida”. Spurgeon é uma dessas vidas e é isso que estamos fazendo.

 

Charles Haddon Spurgeon nasceu em 19 de junho de 1834 em Kelvedon, Essex, na Inglaterra o primeiro de 17 filhos. Ele foi convertido na idade de 16, notadamente em uma tempestade de neve por meio de um pregador leigo, e um ano mais tarde se tornou o pastor da Capela Waterbeach em Cambridge e nunca teve qualquer formação teológica de maneira formal. No entanto, ele foi, talvez, o pastor mais bem lido na Inglaterra. Os 5.103 volumes de Sua biblioteca pessoal foram comprados em 1906 por William Jewell College, em Liberty, Missouri, por $ 2.500, e, em seguida, em 2006, pelo Midwestern Baptist Seminary, em Kansas City, Missouri, por $ 400.000.

 

Cerca de três anos mais tarde, em 1854, com a idade de 19, ele começou seu ministério em New Park Street Church, Londres, com cerca de 200 pessoas. Dois anos depois, 1856, ele se casou com Susannah Thompson, que lhe deu dois filhos gêmeos, Charles e Thomas (que sucedeu ao pai como pastor após a morte deste). Ele pregou nesta igreja, que mais tarde passou a chamar-se Tabernáculo Metropolitano, por 38 anos e morreu com a idade de 57 anos em 1892 (quatro anos antes no nascimento de minha avó).

 

Spurgeon é considerado por muitos como um dos maiores pregadores desde os dias dos apóstolos. Ele havia pregado mais de 600 vezes antes que atingisse os 20 anos de idade. Naqueles tempos pré-rádio, pré-televisão e pré-internet, seus sermões vendiam cerca de 20.000 exemplares por semana sendo traduzidos para 20 idiomas. Os sermões em coleção preenchem 63 volumes equivalentes aos 27 volumes da nona edição da Enciclopédia Britânica, e “se destaca como o maior conjunto de livros escritos por um único autor na história do Cristianismo”9. Não havia microfones e ele projetou sua voz de forma que mais de 5.000 pessoas pudessem ouvi-lo semana após semana.

Você pode pensar que seu filho seria uma testemunha tendenciosa, mas por outro lado, filhos de pastores são muito frequentemente críticos de seus pais. Não é um juízo distorcido quando Charles diz:

 

Não havia ninguém que pudesse pregar como o meu pai. Na variedade inesgotável, sabedoria graciosa, proclamação vigorosa, súplica amorosa e ensino lúcido, com uma infinidade de outras qualidades, ele deve, pelo menos em minha opinião, ser considerado como o príncipe dos pregadores10.

 

E certamente este não é um título ruim para alguém com tais dons extraordinários e notáveis ??qualidades que o acompanharam na capacidade e realização em uma classe quase sozinho. E o que eu gostaria de fazer no tempo que temos é direcionar sua atenção para duas dessas qualidades que me inspiraram e que oro para que sejam instiladas nos pastores que estão sendo treinados aqui no RTS e por meio do Instituto Nicole de Estudos Batistas.

 

 

1. Spurgeon amava a verdade centralizada em Deus, que exalta a Cristo, saturada da Bíblia, e exultava sobre isso no púlpito.

 

Spurgeon definiu o trabalho do pregador da seguinte maneira: “Conhecer a verdade como deve ser conhecida, a amá-la como ela deve ser amada, e depois anunciá-la com o espírito certo, e em suas devidas proporções11”. Ele disse aos seus alunos “para serem pregadores eficazes vocês devem ser teólogos autênticos”12. Ele advertiu que “aqueles que rejeitam a doutrina Cristã são, quer estejam conscientes disso ou não, os piores inimigos da vida Cristã… [porque] as brasas da ortodoxia são necessárias para o fogo de piedade”13.

 

Dois anos antes de morrer, ele deu uma ilustração de como a verdade fundamental está no ministério e revela algum humor que marcou seu ministério de uma forma muito séria.

 

Alguns excelentes irmãos parecem pensar mais sobre a vida do que sobre a verdade; pois quando eu lhes aviso que o inimigo tem envenenado o pão dos filhos, eles respondem: “Querido irmão, estamos muito tristes por ouvir isso; e, para neutralizar o mal, vamos abrir a janela e deixar as crianças tomarem ar fresco”. Sim, abriremos a janela e lhes daremos o ar fresco, por todos os meios… Mas, ao mesmo tempo, isso deve ser feito sem, no entanto, deixar o outro por fazer. Prendam os envenenadores e abram as janelas também. Enquanto os homens estiverem pregando falsa doutrina, você pode falar o quanto quiser sobre aprofundar a sua vida espiritual, mas você falhará nisto14.

E posso testemunhar que, nos últimos dois meses de transição em nossa igreja, como o meu ministério oficial chegou ao fim, a expressão mais comum de gratidão é daquelas pessoas que dizem que as tempestades de sofrimento não viraram o barco de sua fé por causa do lastro centrado na verdade de Deus — da doutrina teocêntrica — fixada no fundo de seus barcos através da pregação da palavra de Deus. Mas é absolutamente crucial que os pregadores levem a sério três advertências: “Conhecer a verdade como ela deve ser conhecida, amá-la como ela deve ser amada, e depois anunciá-la com o espírito certo, e em suas devidas proporções”.

 

Paulo fala em 2 Tessalonicenses 2:10 daqueles que “perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem”. Quando pregadores percebem, como Spurgeon fez, que as pessoas perecem por não amarem a verdade, então eles se empenharão para conhecê-la, e amá-la, e proclamá-la na beleza das proporções bíblicas.

 

A fonte da verdade em todas as pregações de Spurgeon foi a inspiração de Deus e a inerrância das Escrituras Cristãs. Ele levantou a Bíblia e disse:

 

Estas palavras são de Deus… Tu livro de grande autoridade de Deus, tu és uma proclamação do Imperador do Céu; longe esteja de mim exercitar minha razão em contradizer-te… Este é o livro que está livre de qualquer erro; antes é a pureza sem mistura, perfeita verdade. Por quê? Porque Deus o escreveu15.

 

Spurgeon não era apenas um pregador alicerçado na Bíblia, mas um pregador saturado da Bíblia. Minha paixão pelos pregadores jovens de hoje é que eles não pregam sermões que pairam um pouco acima do texto constantemente e fazem pontos que as pessoas não veem no texto, mas que eles explicam o que está no texto de forma clara e exultam sobre o que está no texto apaixonadamente, e que o façam de tal forma que as pessoas possam ver exatamente de onde tiraram o que pregam, as próprias frases, a própria lógica. Spurgeon tem uma famosa passagem em que ele implora para que os pregadores se saturem da Bíblia, não somente se baseiem na Bíblia.

 

Oh, que você e eu pudéssemos entrar no coração da Palavra de Deus, e ter essa Palavra em nós mesmos! Como eu vi um inseto sobre uma folha comendo-a, e consumindo-a, assim devemos fazer com a Palavra do Senhor; não rasteje sobre sua superfície, mas coma-a até que ela tenha se apossado de nossas partes mais íntimas. É ocioso apenas deixar o olhar cair sobre a palavra… mas é uma coisa abençoada se alimentar na própria alma da Bíblia, até que, finalmente, você chegue a falar na linguagem bíblica, e seu próprio estilo seja formado nos modelos da Escritura e, o que é melhor ainda, o seu espírito seja aromatizado com as Palavras do Senhor.

 

Gostaria de citar John Bunyan como um exemplo do que quero dizer. Leia algo de sua autoria, e você verá que é quase como ler a própria Bíblia. Ele havia estudado a nossa Versão Autorizada [KJV]… até que todo o seu ser estivesse saturado com as Escrituras; e, embora seus escritos sejam encantadoramente cheios de poesia, contudo ele não pode dar-nos o seu Progresso do Peregrino — que é o mais doce de todos os poemas em prosa —, sem continuamente nos fazer sentir e dizer: “Ora, o homem é uma Bíblia viva!”. Escolha aleatoriamente qualquer passagem; e você descobrirá que o seu sangue é bíblico, a própria essência da Bíblia flui a partir dele16.

 

Eu oro para que RTS e o Instituto Nicole de Estudos Batistas sejam carinhosamente conhecido como Reformed Theological Seminary e como o Instituto Nicole de Estudos Batistas Saturados da Bíblia. Spurgeon é um grande exemplo de amor a toda a verdade bíblica e exultação sobre ela no púlpito.

 

2. Spurgeon amava as pessoas e trabalhou para ganhá-las e para edificá-las.

 

Parece que durante o seu ministério não havia uma semana que passasse sem que almas não fossem salvas através da pregação e publicação de seus sermões17. Ele e seus anciãos estavam sempre a “velar pelas almas” na grande congregação. “Um irmão”, disse ele, “ganhou para si o título de meu cão de caça, pois ele está sempre pronto para pegar os pássaros feridos”18.

 

Spurgeon nos deixou ver o desejo de seu coração pelo eterno bem das pessoas, quando disse:

 

Lembro-me de quando eu tenho pregado em momentos diferentes no país, e, por vezes, toda a minha alma agoniza pelos homens, todos os nervos do meu corpo se tencionam e eu poderia ter chorado meu próprio ser através dos meus olhos e levado todo o meu corpo para longe em uma torrente de lágrimas, se eu pudesse apenas ganhar almas” 19.

 

Ele foi consumido pela glória de Deus e pela salvação dos homens. Ele incorpora as palavras de Paulo em 2 Coríntios 12:15. “Eu de muito boa vontade gastarei, e me deixarei gastar pelas vossas almas”. E 1 Coríntios 9:22: “Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns”. Ele nunca foi levado a estar satisfeito com o que já tinha alcançado, mas sempre avançava (como Paulo em Filipenses 3:14) para uma maior santidade e fecundidade. “Satisfação com os resultados será a sentença de [morte] do progresso. Nenhum homem que é bom acha que ele não pode ser melhor. Ele não tem santidade caso pense que ele é santo o suficiente”20.

 

No ano em que completou 40 anos de idade, ele pregou uma mensagem para a conferência de seus pastores com o título de uma só palavra, “Avante!”, nela, ele disse:

 

Na vida de cada ministro deve haver vestígios de trabalho árduo. Irmãos, façam alguma coisa; façam alguma coisa; façam alguma coisa. Enquanto Comitês desperdiçam seu tempo sobre resoluções, façam alguma coisa. Enquanto sociedades e sindicatos estão fazendo constituições, vamos ganhar almas. Muitas vezes discutimos, e discutimos, e discutimos, enquanto Satanás só ri de nós… Vamos sair e trabalhar como homens21.

 

Parte de sua motivação na maneira incansável de perseguir a salvação dos pecadores era a sua crença fervorosa no futuro, a saber, a punição eterna e as glórias eternas do céu.

 

Medite com profunda solenidade sobre o destino do pecador perdido… evite todos os pontos de vista sobre o castigo futuro que o fazem parecer menos terrível, e assim deixe transbordar a sua ansiedade para salvar [almas] imortais da chama inextinguível… Pense muito também na felicidade do pecador salvo, e como o santo Baxter, derive argumentos ricos do “Descanso Eterno dos Santos”… não haverá nenhum temor de que você continue letárgico se estiver continuamente familiarizado com as realidades eternas22.

 

Quando o amor de Spurgeon pela verdade centralizada em Deus, saturada da Bíblia, que exalta a Cristo, alimentou o seu zelo por pecadores a perecer, uma avalanche de energia e ministério resultou disto.

 

Nenhum vivente sabe a labuta e as preocupações que eu tenho que suportar… Eu tenho que cuidar do Orfanato, tenho a carga de uma igreja com quatro mil membros, às vezes há casamentos e enterros para serem realizados, há o sermão semanal a ser revisto, a Espada e a Espátula para ser editada, e além de tudo isso, uma média semanal de cinco centenas de cartas a serem respondidas. Isso, no entanto, é apenas a metade do meu dever, pois existem inúmeras igrejas estabelecidas por amigos, com os assuntos dos quais eu estou intimamente ligado, para não falar dos casos de dificuldade que são constantemente referidos a mim23.

No seu 50º aniversário foi lida uma lista de 66 organizações que ele fundou e conduziu. Lord Shaftesbury estava lá e disse: “Esta lista de associações, instituídas por seu gênio, e supervisionados por seu cuidado, seriam mais do que suficientes para ocupar as mentes e os corações de cinquenta homens comuns”24.

 

O missionário David Livingstone, perguntou-lhe uma vez: “Como você consegue fazer o trabalho de dois homens em um único dia?”. Spurgeon respondeu: “Você esqueceu há dois em nós”25. Eu acho que ele quis dizer a presença do poder energizante de Cristo que lemos em Colossenses 1:29. Paulo diz: “para isto também trabalho, combatendo segundo a sua eficácia, que opera em mim poderosamente”. Oh, que cada pastor que veio até aqui aprendesse o segredo de laborar no poder em que Cristo poderosamente opera nele.

 

Spurgeon permanece como um testemunho do que acontece quando o amor pela centralidade de Deus, pela exaltação de Cristo, e por ser saturado pela verdade da Bíblia alimentam a chama do amor por pessoas — pessoas que estão perecendo sem a verdade — por Deus e por Cristo. Uma explosão de zelo, energia e criatividade em prol da igreja. Tudo isso com o objetivo de glorificar a Deus e trazer os pecadores para desfrutar a plenitude da alegria nEle.

 

Que Deus faça do Reformed Theological Seminary e do Instituto Nicole de Estudos Batistas um terreno fértil para esse tipo de amor pela verdade e pelas pessoas e para tal energia criativa para o ministério.

 

 


[1] Geoff Thomas, “O Progresso do Pregador” em Um Ministério Maravilhoso: Como Todo o Ministério de Charles Haddon Spurgeon Nos Fala Hoje, (Ligonier, PA: Soli Deo Gloria Publications, 1993), p. 61. Spurgeon disse: “preferia desistir de seu pastorado do que admitir qualquer homem para a igreja que não fosse obediente ao mandamento de seu Senhor [sobre o batismo].” Ibid. p. 43.

[2] Ibid. p. 61 (cf. Espada e a Espátula, XXIV, 1883, p. 83).

[3] Charles Haddon Spurgeon, Um Ministério Completo, (Edinburgh: The Banner of Truth Trust, 1960), p. 337.

[4] Um Ministério Completo, p. 160.

[5] Um Ministério Maravilhoso, p. 38.

[6] Um Ministério Maravilhoso, p. 65.

[7] C. H. Spurgeon: Autobiografia, vol. 2, (Edinburgh: The Banner of Truth Trust, 1973), p. 21.

[8] Bob L. Ross, Uma Biografia Ilustrada de C.H. Spurgeon, (Pasadena, TX: Pilgrim Publications, 1974), p. 66.

[9] Eric W. Hayden, “Você Sabia?” em História Cristã, Issue 29, Volume X, n º 1, p. 2.

[10] Autobiografia, vol. 2, p. 278.

[11] Charles Haddon Spurgeon, Um Ministério Completo, p. 8.

[12] Ibid.

[13] Um Ministério Maravilhoso, p. 128.

[14] Um Ministério Completo, p. 374.

[15] Um Ministério Maravilhoso, p. 47.

[16] Autobiografia, vol. 3, p. 268.

[17] Arnold Dallimore, Spurgeon, (Chicago: Moody Press, 1984), p. 198.

[18] Autobiografia, vol. 2, p. 76.

[19] Um Ministério Maravilhoso, pp. 49-50.

[20] Um Ministério Completo, p. 352.

[21] Um Ministério Completo, p. 55.

[22] Charles Spurgeon, Lições aos Meus Alunos, p. 315.

[23] Autobiografia, vol. 2, p. 192.

[24] Dallimore, Spurgeon, p. 173.

[25] Eric W. Hayden, “Você Sabia?” em História Cristã, Issue 29, Volume X, Nº 1, p. 3.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.