A Vontade de Deus, por A. W. Pink

|

[Apêndice I do livro, A Soberania de Deus]

 

Concernente à Vontade de Deus, alguns teólogos têm diferenciado entre Sua vontade decretiva e Sua vontade permissiva, insistindo que há certas coisas que Deus diretamente pré-ordenou, mas há outras coisas que Ele meramente tolera existir ou acontecer. Mas tal distinção não faz distinção nenhuma, na medida em que Deus somente permite o que está de acordo com a Sua vontade. Toda essa distinção não teria sido inventada, se esses teólogos não tivessem concebido que Deus pode ter decretado a existência e atividades do pecado sem que Ele fosse o autor do pecado. Pessoalmente, nós preferimos adotar a distinção feita pelos antigos Calvinistas entre a vontade secreta e vontade revelada de Deus, ou, para expressar de uma outra forma, Sua vontade ordenada e Sua vontade preceptiva.

 

A vontade revelada de Deus se faz conhecida em Sua Palavra, mas a Sua vontade secreta é encoberta em Seus próprios conselhos. A vontade revelada de Deus é a definição de nossos deveres e o padrão da nossa responsabilidade. A razão primária e básica do porquê eu deveria seguir um certo curso ou fazer certa coisa é porque Ele é o Deus de tudo o que eu tenho e a Sua vontade é claramente definida para mim em Sua Palavra. O fato de que eu não devo seguir um certo curso, de eu dever abster-me de fazer certas coisas, é porque elas são contrárias à vontade revelada de Deus. Mas, suponha que eu desobedeço a Palavra de Deus. Então, eu não estou contrariando a Sua vontade? E se assim for, como pode ainda ser verdade que a vontade de Deus é sempre feita e Seu conselho é cumprido em todo tempo? Tais questões evidenciam a necessidade de defender esta distinção aqui citada. A vontade revelada de Deus é frequentemente quebrada, mas Sua vontade secreta nunca é frustrada. É legitimo para nós fazermos tal distinção concernente à vontade de Deus, a qual é clara nas Escrituras. Tome essas duas passagens: “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação” (1 Tessalonicenses 4:3); “Porquanto, quem tem resistido à sua vontade?” (Romanos 9:19). Algum leitor reflexivo declararia que a “vontade” de Deus tem precisamente o mesmo significado em ambas as passagens? Nós certamente esperamos que não. A primeira passagem refere-se à vontade revelada de Deus, esta última, à Sua vontade secreta. A primeira passagem refere-se a nosso dever e a última declara que o propósito secreto de Deus é imutável e certamente acontecerá, não obstante à insubordinação das criaturas. A vontade revelada de Deus nunca é perfeitamente ou completamente cumprida por qualquer um de nós, mas Sua vontade secreta nunca falha em realizar-se, mesmo até as particularmente minuciosas. Sua vontade secreta vai incidir essencialmente em eventos futuros; Sua vontade revelada, em nosso dever presente. Uma tem a ver com o seu propósito irresistível, a outra com a manifestação do que Lhe agrada. Uma está acima de nós e realiza-se através de nós, a outra é para ser feita por nós.

 

A vontade secreta de Deus é o Seu eterno e imutável propósito concernente a todas as coisas que Ele fez. Para alguns fins designados, Ele conduz certos meios e, assim, Deus declara expressamente: “O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade” (Isaías 46:10). Esta é a absoluta e eficaz vontade de Deus. Sempre efetuada, sempre realizada. A vontade revelada de Deus não contém o Seu propósito e decreto, mas nosso dever — não o que Ele vai fazer de acordo com Seu eterno conselho, mas o que devemos fazer se quisermos agradar a Deus, e isso é expresso nos preceitos e promessas de Sua Palavra. Tudo o que Deus determinou em Si mesmo, o que faz em Si mesmo, o que faz pelos outros ou se tolera ser feito, embora seja em seu próprio peito, não é feito conhecido por algum evento de providência, ou por preceito, ou por profecia — é a Sua vontade secreta. Essas são as coisas profundas de Deus, os pensamentos do Seu coração, os conselhos de Sua mente, que são impenetráveis ​​a todas as criaturas. Mas quando estas são feitas conhecidas, elas se tornam Sua vontade revelada. Tal é quase todo o livro do Apocalipse, em que Deus nos deu a conhecer “coisas que brevemente devem acontecer” (Apocalipse 1:1 — “devem” porque Ele eternamente propôs que deveriam).

 

Tem sido objetado pelos teólogos Arminianos, que a divisão entre a vontade secreta e revelada de Deus é insustentável, porque faz com que Deus tenha duas vontades diferentes, uma oposta à outra. Mas isso é um erro, devido à sua incapacidade de ver que a vontade secreta e revelada de Deus considera objetos inteiramente diferentes. Se Deus requeresse e proibisse a mesma coisa ou se Ele decretasse que a mesma coisa deve e não deve existir, então Sua vontade secreta e revelada seriam contraditórias e sem propósito. Se aqueles que se opõem à vontade secreta e revelada de Deus como sendo inconsistentes, fizessem a mesma distinção neste caso, assim como eles fazem em muitos outros casos, a aparente inconsistência imediatamente desapareceria. Muito frequentemente os homens traçam uma distinção nítida entre o que é desejável em seus cuidados e o que não é desejável, considerando todas as coisas. Por exemplo, o pai afetuoso não deseja simplesmente considerar punir a ofensa de seu filho, mas, levando em conta todas as coisas, ele sabe que é seu dever necessário, e assim, corrige seu filho. E, embora ele diga a seu filho que ele não deseja castigá-lo, mas que isto seja o melhor a se fazer e se satisfaz com esta sua decisão, considerando todas as coisas, uma criança inteligente verá que não há inconsistência entre o que seu pai diz e o que faz. Assim, o Criador Todo-sábio pode consistentemente decretar que aconteçam coisas que Ele odeia, proíbe e condena. Deus escolhe que algumas coisas que Ele odeia completamente (na sua natureza intrínseca) existam, e Ele também escolhe que algumas coisas ainda não existam, a qual Ele ama perfeitamente (em sua natureza intrínseca). Por exemplo: Ele ordenou que o Faraó deveria deixar o Seu povo ir, porque isso era justo na natureza das coisas. Todavia, Ele secretamente havia declarado que Faraó não deixaria o Seu povo ir, não porque era justo Faraó se recusar, mas porque que era o melhor, considerando todas as coisas, que ele não os deixasse ir — ou seja, melhor porque serviu para um propósito maior de Deus.

 

Outrossim, Deus nos ordena a ser perfeitamente santos nesta vida (Mateus 5:48), porque isto é justo na natureza das coisas, mas Ele decretou que nenhum homem seria perfeitamente santo nesta vida, porque, considerando todas as coisas, é o melhor que ninguém seja perfeitamente santo (experimentalmente) antes de deixar este mundo. Santidade é uma coisa; o acontecimento da santidade é outro. Assim, o pecado é uma coisa; o acontecimento do pecado é outra. Quando Deus requer santidade Sua vontade preceptiva ou revelada considera a natureza ou a excelência moral da santidade, ‘mas quando Ele decreta que a santidade não ocorra (completa e perfeitamente), Sua vontade secreta ou decretiva considera somente o evento de ela não ocorrer. Então, mais uma vez, quando Ele proíbe o pecado, Sua vontade preceptiva ou revelada considera somente a natureza ou a moral do mau contido no pecado, mas quando Ele decreta que o pecado ocorrerá, Sua vontade secreta considera somente sua real ocorrência para servir ao Seu bom propósito. Assim, a vontade secreta e revelada de Deus considera objetos inteiramente diferentes.

 

A vontade decretiva de Deus não é a mesma vontade no mesmo sentido da Sua vontade em Seus comandos. Portanto, não há dificuldade em supor que uma possa ser contrária à outra. Sua vontade, em ambos os sentidos, é Sua inclinação. Tudo que concerne a Sua vontade revelada está perfeitamente de acordo com Sua natureza, como quando Ele ordena amor, obediência e serviço de Suas criaturas. Mas no que concerne à Sua vontade secreta tem em vista Seu fim supremo, pelo o qual todas as coisas estão agora funcionando. Assim, Ele decretou a entrada do pecado no Seu universo, embora Sua própria natureza santa odeie todo pecado com infinita repulsa. E ainda, para que seja um dos meios pelos quais Seu fim designado será alcançado, Ele permitiu sua entrada. A vontade revelada de Deus é a medida de nossa responsabilidade e o determinante de nosso dever. Com relação ao segredo de Deus, nós não temos nada o que fazer: isso está no Seu interesse. Mas, Deus sabendo que deixaríamos de cumprir perfeitamente Sua vontade revelada, ordenou Seus eternos conselhos em conformidade com isto, e estes eternos conselhos, que compõem a Sua vontade secreta, embora desconhecidos para nós, embora inconscientemente, são cumpridos por e através de nós.

 

Mesmo que o leitor esteja preparado ou não para aceitar a distinção acima sobre vontade de Deus, ele deve reconhecer que os mandamentos das Escrituras declaram a vontade revelada de Deus e ele também deve assimilar que, às vezes, Deus não impede a violação desses comandos, porque Ele não determinou como um fato impedi-lo. A vontade de Deus em permitir o pecado é evidente, pois Ele o permite. Mas certamente, ninguém dirá que o próprio Deus faz o que Ele não tem vontade de fazer.

 

Finalmente, deixe-me dizer novamente que, minha responsabilidade em relação à vontade de Deus é medida por aquilo que Ele fez conhecido na Sua Palavra. Lá eu aprendi que é meu dever usar os meios de Sua providência e a orar com humildade para que Ele possa Se agradar em me abençoar concedendo-os. Recusar assim fazer sobre o fundamento de que eu sou ignorante do que pode ou não ser os Seus conselhos secretos concernentes a mim, não é apenas um absurdo, mas assume a altura da presunção. Nós repetimos: a vontade secreta de Deus não é da nossa conta. É em relação à Sua vontade revelada que reside nossa responsabilidade. Que não há conflito entre o que é a vontade secreta e a vontade revelada de Deus, fica claro a partir do fato de que, a primeira é realizada pelo meu uso dos meios prescritos na segunda.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.