As Orações dos Apóstolos, por A. W. Pink

|

[Introdução do livro A Guide to Fervent Prayer • Editado]

 

Muito tem sido escrito sobre o que geralmente é chamado de “Oração do Senhor” (que eu prefiro ao termo “Oração da Família”) e muito sobre a oração sacerdotal de Cristo em João 17, mas muito pouco sobre as orações dos apóstolos. Pessoalmente, eu não conheço nenhum livro dedicado às orações apostólicas, e com exceção de um folheto sobre as duas orações de Efésios 1 e 3 quase não tem havido exposição separada delas. Não é fácil explicar essa omissão. Alguém poderia pensar que as orações apostólicas são tão cheias de doutrinas importantes e valores práticos para os crentes que eles deveriam ter atraído a atenção daqueles que escrevem sobre temas devocionais. Enquanto muitos de nós muito depreciam os esforços daqueles que nos querem fazer crer que as orações do Antigo Testamento são obsoletas e inadequadas para os santos desta Idade Evangélica, parece-me que mesmo os professores Dispensacionalistas devem reconhecer e apreciar a adequação peculiar aos cristãos das orações registradas nas epístolas e no livro do Apocalipse. Com exceção das orações de nosso Redentor, somente nas orações apostólicas encontramos louvores e petições dirigidas especificamente ao “Pai”. De todas as orações das Escrituras, só estas são oferecidos em nome do Mediador. Além disso, apenas nestas orações apostólicas encontramos a plenitude dos clamores do Espírito de adoção.

 

Quão grande benção é ouvir alguns santos idosos, que há muito tempo andam com Deus e desfrutaram de comunhão íntima com Ele, derramando seus corações diante do Senhor em adoração e súplica. Mas quanto mais abençoados que nós nos tenhamos o privilégio de ouvir os louvores a Deus e clamores daqueles que conviveram com Cristo durante os dias de Sua habitação entre os homens! E se um dos apóstolos ainda estivessem aqui na terra, que grande privilégio consideraríamos ouvi-lo quando estivesse dedicado a oração! Tão grande privilégio, me parece, que a maioria de nós estaríamos muito disposta a sofrer uma inconveniência considerável e viajar uma longa distância, a fim de sermos assim favorecidos. E se o nosso desejo fosse concedido, quão atentos nós ouviríamos as suas palavras, como se diligentemente procurássemos entesourá-los em nossas memórias. Bem, nem tanta inconveniência, nem tal viagem é necessária. Aprouve ao Espírito Santo gravar uma série de orações apostólicas para nossa instrução e satisfação. Não constatamos a nossa apreciação de tal benefício? Será que já fizemos uma lista delas e meditamos sobre sua implicação?

 

Não Encontramos Nenhuma Oração Apostólica Em Atos

 

Na minha tarefa preliminar de levantamento e classificação das orações registradas dos apóstolos, duas coisas me impressionaram. A primeira observação foi uma surpresa completa, enquanto a segunda foi totalmente esperada. Aquilo que pode nos parecer estranho, e para alguns dos meus leitores, pode ser quase surpreendente, é esta: o livro de Atos, que fornece a maioria das informações que possuímos sobre os apóstolos, não tem uma única oração deles em seus vinte e oito capítulos. Ainda assim, um pouco de reflexão deve nos mostrar que esta omissão está em pleno acordo com o caráter especial do livro; pois Atos é muito mais histórico do que devocional, composta muito mais de uma crônica do que o Espírito operou através dos apóstolos do que dentro deles. As ações públicas dos embaixadores de Cristo estão ali ressaltadas, ao invés de seus exercícios privados. Eles são certamente mostrados como sendo homens de oração, como é visto por suas próprias palavras: “Mas nós, nos consagraremos à oração e ao ministério da palavra” (Atos 6:4). Uma e outra vez nós os observamos envolvidos neste exercício santo (Atos 9:40; 10:9; 20:36; 21:5; 28:8), mas não nos é dito o que eles disseram [em oração]. O mais próximo que Lucas chega de registrar palavras claramente atribuíveis aos apóstolos está em Atos 8:14-15, mas mesmo ali, ele apenas nos dá a quintessência daquilo pelo qual Pedro e João oraram. Eu considero a oração de Atos 1:24 como a dos 120 discípulos. A grande oração eficaz registrada em Atos 4:24-30 não é a de Pedro e João, mas de toda a companhia (v. 23), que se reuniram para ouvir seu relato.

 

Paulo, um Exemplo na Oração

 

A segunda característica que me impressionou, enquanto contemplava o assunto que está prestes a envolver-nos, é que a grande maioria das orações gravadas dos apóstolos surgiu a partir do coração de Paulo. E isso, como já dissemos, era realmente de se esperar. Se alguém perguntar por que isto é assim, várias razões podem ser dadas em resposta. Em primeiro lugar, Paulo era, por excelência, o apóstolo dos gentios. Pedro, Tiago e João ministraram principalmente aos crentes judeus (Gálatas 2:9), que, mesmo em seus dias de não-convertidos, foram acostumados a dobrar os joelhos diante do Senhor. Mas os gentios tinham saído do paganismo, e, então, era apropriado que seu pai espiritual fosse também o seu exemplo devocional. Além disso, Paulo escreveu duas vezes mais epístolas Inspiradas por Deus do que todos os outros apóstolos juntos, e ele deu expressão a oito vezes o número de orações em suas epístolas que o outros fizeram nas suas. Mas principalmente, chamamos a atenção para a primeira coisa que o Senhor disse de Paulo depois de sua conversão: “eis que ele está orando” (Atos 9:11). O Senhor Jesus Cristo estava, por assim dizer, batendo na tecla da vida subsequente de Paulo, pois ele seria eminentemente distinguido como um homem de oração.

 

Não é que os outros apóstolos eram desprovidos desse espírito. Porque Deus não emprega ministros sem oração, uma vez que Ele não tem filhos mudos. “Clamam a ele de dia e de noite” é apontado por Cristo como uma das marcas distintivas dos eleitos de Deus (Lucas 18:7). No entanto, alguns de seus servos e alguns de seus santos estão autorizados a desfrutar comunhão mais próxima e constante com o Senhor do que outros, e tal era obviamente o caso (com exceção de João) com o homem que em uma ocasião, chegou a ser arrebatado ao paraíso (2 Coríntios 12:1-5). Uma medida extraordinária “do espírito de graça e de súplicas” (Zacarias 12:10) foi-lhe concedida, a fim de que ele parecesse ter sido ungido com o espírito de oração acima até mesmo do que seus companheiros apóstolos. Tal era o fervor de seu amor por Cristo e pelos membros do Seu Corpo místico, tal era a sua solicitude intensa pelo seu bem-estar e crescimento espiritual, que continuamente jorrava de sua alma um fluxo de oração a Deus e de ação de graças por causa deles.

 

O Amplo Espectro da Oração

 

Antes de prosseguir, deve-se salientar que nesta série de estudos não me proponho a limitar-me às orações de súplicas dos apóstolos, mas sim utilizá-las em maior alcance. Na oração Escriturística está incluído muito mais do que simplesmente dar a conhecer os nossos pedidos a Deus. Nós precisamos ser lembrados deles. Além disso, nós, os crentes, precisamos ser instruídos em todos os aspectos da oração em uma época caracterizada pela superficialidade e ignorância da religião revelada por Deus. A Escritura-chave que nos apresenta o privilégio de divulgar as nossas necessidades diante do Senhor enfatiza isto mesmo: “Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças” (Filipenses 4:6). A menos que expressemos gratidão por misericórdias já recebidas e demos graças ao Pai por Ele nos conceder o favor continuado de fazer petições a Ele, como podemos esperar obter o seu ouvido e, portanto, receber respostas de paz? No entanto, a oração, em seu sentido mais elevado e máximo, se eleva acima das ações de graças pelos presentes outorgados: o coração é retirado em contemplar o próprio Doador, de modo que a alma se prostre diante dEle em veneração e adoração.

 

Embora não devemos nos desviar do nosso tema imediato e entrar no assunto da oração em geral, no entanto, deve-se salientar que ainda há um outro aspecto que deve ter precedência sobre ação de graças e súplica, ou seja, auto-aversão e confissão da nossa própria indignidade e pecaminosidade. A alma deve solenemente lembrar-se de Quem é que ela está se aproximando, que é o Altíssimo, diante de quem os serafins cobrem seus rostos (Isaías 6:2). Embora a graça Divina tenha feito do Cristão, um filho, contudo, ele ainda é uma criatura, e, como tal, está a uma distância infinita e inconcebível abaixo do Criador. É adequado que ele deva sentir profundamente esta distância entre ele e seu Criador e reconheça-a, tomando o seu lugar no pó, diante de Deus. Além disso, precisamos lembrar que somos por natureza: não apenas criaturas, mas criaturas pecadoras. Assim, é necessário que haja um sentimento e um reconhecimento disto enquanto nos curvamos diante do Santo. Só desta forma podemos, com algum significado e realidade, pleitear a mediação e méritos de Cristo como o fundamento de nossa aproximação.

 

Assim, em termos gerais, a oração inclui a confissão dos pecados, petições para o fornecimento de nossas necessidades, e a reverência dos nossos corações para com o Doador. Ou, podemos dizer que os ramos principais de oração são humilhação, súplica e adoração. Por isso esperamos incluir no escopo desta série não apenas passagens como Efésios 1:16-19 e 3:14-21, mas também versos simples, como 2 Coríntios 1:3 e Efésios 1:3. Que a cláusula “Bendito seja Deus” é em si uma forma de oração fica claro no Salmo 100:4: “Entrai pelas portas dele com gratidão, e em seus átrios com louvor; louvai-o, e bendizei o seu nome”. Outras referências podem ser dadas, mas que isto seja suficiente. O incenso que foi oferecido no tabernáculo e no templo consistia de várias especiarias compostas em conjunto (Êxodo 30:34-35), e era a mistura de um com o outro que fazia o perfume tão aromático e refrescante. O incenso era um tipo de intercessão de nosso grande Sumo Sacerdote (Apocalipse 8:3-4) e das orações dos santos (Malaquias 1:11). De igual modo deve haver uma mistura proporcional de humilhação, súplica e adoração em nossas abordagens ao trono da graça, um não deve excluir o outro, mas deve haver uma mistura de todos eles juntos.

 

Oração, Um Dever Primário dos Ministros

 

O fato de que tantas orações são encontradas nas Epístolas do Novo Testamento chama a atenção para um aspecto importante do dever ministerial. As obrigações do pregador não acabam totalmente quando ele sai do púlpito, pois ele precisa regar a semente que ele semeou. Por causa dos jovens pregadores, permita-me estender m pouco este ponto. Já foi visto que os apóstolos perseveravam “na oração e no ministério da palavra” (Atos 6:4), e, assim, eles deixaram um excelente exemplo a ser observado por todos os que os seguem na vocação sagrada. Observe a ordem apostólica; ainda, sim, não se limitem apenas a observá-la, mas prestem atenção e pratiquem-na. O sermão mais laborioso e cuidadosamente preparado é provável que seja inútil para os ouvintes, a menos que tenha nascido da angústia da alma diante de Deus. A menos que o sermão seja o produto de fervorosa oração, não devemos esperar que ele desperte o espírito de oração em quem a ouve. Como já foi apontado, Paulo misturava súplicas com as suas instruções. É nosso privilégio e dever nos retirarmos para um lugar secreto depois que deixamos o púlpito, e ali implorar a Deus para escrever Sua Palavra nos corações daqueles que nos ouviram, para impedir o inimigo de arrebatar a semente, e assim abençoar nossos esforços para que possam dar frutos para o Seu louvor eterno.

 

Lutero costumava dizer: “Há três coisas que são necessárias para fazer um pregador de sucesso: súplica, meditação e tribulação”. Eu não sei de que elaboração o grande Reformador fez isto. Mas acho que ele quis dizer o seguinte: que a oração é necessária para trazer o pregador em um estado adequado para lidar com as coisas Divinas e revesti-lo com poder Divino; que a meditação na Palavra é essencial, a fim de fornecer-lhe material para a sua mensagem; e que a tribulação é necessária como lastro para o seu navio, pois o ministro do Evangelho precisa de tribulações para mantê-lo humilde, assim como ao apóstolo Paulo foi dado um espinho na carne para que ele não se exaltasse indevidamente pela excelência das revelações que lhe foram dadas. A oração é o meio designado para receber comunicações espirituais para a instrução de nosso povo. Devemos estar muito tempo com Deus antes que possamos ser capacitados a ir e falar em Seu nome. Paulo, ao concluir sua epístola aos Colossenses, os informa das fiéis intercessões de Epafras, um dos seus ministros, que estava longe de casa, visitando a Paulo. “Saúda-vos Epafras, que é dos vossos, servo de Cristo, combatendo sempre por vós em orações, para que vos conserveis firmes, perfeitos e consumados em toda a vontade de Deus. Pois eu lhe dou testemunho de que tem grande zelo por vós” (Colossenses 4:12-13). Poderia um elogio como este ser feito a seu respeito quanto à sua congregação?

 

Oração, um Dever Universal dos Crentes

 

Mas que não se pense que esta marca enfática das Epístolas indicam um dever apenas dos pregadores. Longe disso. Estas epístolas são dirigidas a filhos de Deus em geral, e tudo o que neles está é necessário e adequado para sua caminhada cristã. Os crentes também devem orar muito, não só para si, mas por todos os seus irmãos e irmãs em Cristo. Devemos orar deliberadamente de acordo com esses modelos apostólicos, pedindo as bênçãos particulares que precisamos. Eu há muito tempo tenho sido convencido de que não há melhor caminho — caminho mais prático, valioso e eficaz — de expressar solicitude e afeição para com os nossos irmãos em Cristo do que levá-los diante de Deus pela oração, nos braços de nossa fé e amor.

 

Ao estudar essas orações nas Epístolas e meditar sobre elas cláusula por cláusula, podemos aprender mais claramente que bênçãos devemos desejar para nós mesmos e para os outros, isto é, os dons e graças espirituais das quais temos grande necessidade de ser solícitos. O fato de que essas orações, inspirados pelo Espírito Santo, foram colocados em registro permanente no Volume Sagrado declara que os favores particulares procurados aqui são aqueles que Deus deseja que busquemos obter dEle (Romanos 8:26-27, 1 João 5:14-15).

 

Os Cristãos Devem Dirigir-se a Deus Como Pai

 

Vamos concluir estas observações preliminares e gerais, chamando a atenção para algumas das características mais definidas das orações apostólicas. Observe, então, para quem estas orações são dirigidas. Embora não exista uma uniformidade engessada de expressão, mas sim variedade adequada neste assunto, contudo a maneira mais frequente, em que a Divindade é abordada é como Pai: “o Pai das misericórdias” (2 Coríntios 1:3); “O Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo” (Efésios 1:3, 1 Pedro 1:3); “O Pai da glória” (Efésios 1:17); “O Pai de nosso Senhor Jesus Cristo” (Efésios 3:14). Nesta língua, vemos evidência clara de como os santos apóstolos tomaram atenção à injunção de seu Mestre. Pois, quando eles pediram a Ele, dizendo: “Senhor, ensina-nos a orar”, Ele respondeu assim: “Quando orardes, dizei: Pai nosso, que estás nos céus” (Lucas 11:1-2). Isto Ele também ensinava por meio de exemplo, em João 17:1, 5, 11, 21, 24 e 25. A instrução e exemplo de Cristo foram registrados para o nosso aprendizado. Nós não somos desatentos de quantos ilegalmente e levianamente se dirigiram a Deus como “Pai”, mas seu abuso não garante a nossa negligência em reconhecer esse relacionamento abençoado. Nada é mais calculado para aquecer o coração e dar a liberdade de expressão vocal do que uma percepção de que estamos nos aproximando de nosso Pai. Se temos recebido verdadeiramente “o Espírito de adoção” (Romanos 8:15), não vamos extingui-lO, mas, por meio dEle, clamemos: “Aba, Pai”.

 

A Brevidade e Precisão da Oração Apostólica

 

Em seguida, observemos a sua brevidade. As orações dos apóstolos são curtas. Não alguns, ou mesmo a maioria, mas todas elas são extremamente breves, a maioria delas englobava apenas um ou dois versos, e a mais longo estende-se a apenas sete versos. Como isto repreende as orações longas, sem vida e cansativas de muitos púlpitos. Orações prolixas são geralmente vazias. Cito novamente Martinho Lutero, desta vez a partir de seus comentários sobre a oração do Senhor dirigida aos leigos símplices:

 

Quando orares deixe que as tuas palavras sejam poucas, mas os teus pensamentos e afeições muitas, e acima de tudo, deixe-os serem profundos. Quanto menos falar, melhor orarás. A oração externa e corpórea é aquele zumbido dos lábios, aquele balbuciar externo que é feito sem qualquer atenção, e que atinge os ouvidos dos homens; mas a oração em espírito e em verdade é o desejo interno, os movimentos, os suspiros que emanam das profundezas do coração. A primeira é a oração dos hipócritas e de todos os que confiam em si mesmos, a última é a oração dos filhos de Deus, que andam em Seu temor.

 

Observe, também, a sua precisão. Embora extremamente breves, ainda assim suas orações são muito explícitas. Não havia palavras vagas ou meras generalizações, mas pedidos específicos de coisas definidas. Quanta falha há neste ponto. Quantas orações ouvimos que eram tão incoerentes e descabidas, tão carentes de sentido e unidade, que, quando o Amém foi dito mal conseguíamos nos lembrar de uma coisa pela qual tinha sido dado graças ou pedido que havia sido feito! Apenas uma impressão borrada permaneceu na mente, e uma sensação de que o suplicante havia se envolvido em mais uma forma de pregação indireta do que diretamente orado. Mas examine qualquer das orações dos apóstolos e será visto, mesmo de relance, que as orações deles são como as que seu Mestre fez em Mateus 6:9-13 e João 17, composto de adorações definitivas e petições com grande definição. Não há nem moralismo nem pronunciação de banalidades piedosas, mas o derramar diante de Deus de certas necessidades e um simples pedido pelo provimento delas.

 

A Carga e Universalidade das Orações dos Apóstolos

 

Considere também a carga delas. Nas orações apostólicas registradas não há suplicas a Deus para o suprimento de necessidades temporais e (com uma única exceção) não há pedido para Ele interferir em benefício deles de forma providencial (embora petições para estas coisas são legítimas quando feitas em proporção adequada às preocupações espirituais), em vez disso, as coisas que pediam eram totalmente de natureza espiritual e piedosa: Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação; tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos; e qual a sobre-excelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder (Efésios 1:17-19); segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior; para que Cristo habite pela fé nos vossos corações; a fim de, estando arraigados e fundados em amor, poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus (Efésios 3:16-19); que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento, para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo (Filipenses 1:9-10); para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo (Colossenses 1:10); para que possamos ser inteiramente santificados (1 Tessalonicenses 5:23).

 

Note também a universalidade delas. Não que seja errado ou não espiritual orar por nós mesmos, individualmente ou suplicar por misericórdias temporais e providenciais; pretendo, em vez disso, direcionar a atenção para onde os apóstolos colocaram sua ênfase. Somente uma vez nós encontramos Paulo orando por ele mesmo, e raramente por pessoas em particular (como é de se esperar com orações que fazem parte do registro público da Sagrada Escritura, embora sem dúvida ele orou muito por indivíduos, em secreto). Seu costume geral era orar por toda a família da fé. Nisso, ele segue de perto o padrão de oração que nos foi dada por Cristo, que eu gosto de pensar como a Oração da Família. Todos os seus pronomes estão no plural: “Pai Nosso”, “dá-nos” (não apenas “dá-me”), “perdoa-nos”, e assim por diante. Assim, encontramos o apóstolo Paulo nos exortando a fazer “súplica por todos os santos” (Efésios 6:18), e em suas orações, ele nos dá um exemplo do mesmo. Ele implorou ao Pai para que a igreja de Éfeso pudesse “perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento” (Efésios 3:18-19). Que corretivo para o egocentrismo! Se eu estiver orando por “todos os santos”, incluo a mim mesmo.

 

A Omissão Impressionante

 

Finalmente, deixe-me apontar uma omissão surpreendente. Se todas as orações apostólicas forem lidas com atenção, encontraremos que em nenhuma delas foi dado espaço para aquilo que ocupa tanta proeminência nas orações dos Arminianos. Nem uma vez encontramos pedidos para que Deus salvasse o mundo em geral, ou derramasse o Seu Espírito sobre toda a carne, sem exceção. Os apóstolos não oraram pela conversão de uma cidade inteira onde uma igreja Cristã em particular estava localizada. Nisso eles novamente estavam de acordo com o exemplo dado a eles por Cristo: “Eu não rogo pelo mundo”, disse Ele, “mas por aqueles que me deste” (João 17:9). Deve-se objetar que o Senhor Jesus foi ali orar apenas pelos Seus apóstolos ou discípulos imediatos, a resposta é que, quando Ele estendeu sua oração além deles não era pelo mundo que Ele orou, mas somente para o seu povo crente até o fim dos tempos (ver João 17:20-21). É verdade que Paulo ensina “que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos [todas as classes de] homens; pelos reis e por todos os que estão em eminência” (1 Timóteo 2:1-2a), quanto a este dever muitos são lamentavelmente negligentes, embora isto não seja para a sua salvação, mas “para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade” (v. 2b). Há muito a aprender com as orações dos apóstolos.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.