Cristo Em Vós, A Esperança Da Glória, por R. M. M´Cheyne

|

“Aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória.” (Colossenses 1:27)

 

O Evangelho é aqui descrito como “Cristo em vós, esperança da glória”. Existem dois sentidos distintos que podem ser inferidos a partir destas palavras, e eu não posso determinar positivamente qual é o verdadeiro. É possível que tanto um como outro sejam pretendidos. Falarei de ambos.

 

I. Cristo em vós, significa Cristo abraçado pela fé como a nossa justiça e força; e este é o fundamento seguro sobre o qual esperamos a “glória”. Este sentido é empregado em Efésios 3:17: “Para que Cristo habite pela fé nos vossos corações”. Quando o coração de um pecador é aberto pelo Espírito Santo, quando a beleza e a excelência do Salvador são mostradas a ele, o coração abraça interiormente a Cristo, unindo-se a Ele. Cada novo vislumbre de Cristo, renova na alma o seu ato interno de apegar-se ao Senhor Jesus. Cada reprovação, cada tentação, cada queda no pecado, todo o luto, faz com que a alma mais seriamente, com firmeza, abrace plenamente o Senhor Jesus: e assim, pela fé contínua, Cristo pode ser dito como habitando no coração; como em Efésios 3:17: “Para que Cristo habite pela fé nos vossos corações”. Cristo, assim, abraçado é a esperança da glória. É essa inabalável fé constante, este achegar-se a Cristo como sendo toda a nossa justiça que dá uma doce, calma e pacífica esperança cheia de glória. A alma que pode dizer: Cristo é meu; também pode dizer: a glória é minha; pois não precisamos de nada além de Cristo para nos abrigar no dia do julgamento. Vocês podem dizer que Cristo é em vós, a esperança da glória? Se vocês não têm Cristo, vocês não têm boa esperança da glória.

 

II. Cristo formado na alma pelo Espírito. Veja Gálatas 4:19. Cristo formado na alma também é a esperança da glória; e isso eu considero ser o pleno significado desse versículo. Então, João 15:4 “Estai em mim, e eu em vós”; João 17:23: “Eu neles, e tu em mim”; João 17:26: “e eu neles esteja”.

 

1. A mente de Cristo é formada na alma, 1 Coríntios 2:16: “Nós temos a mente de Cristo”. Pela palavra “mente” eu entendo os poderes de raciocínio do homem. Agora, cada crente tem a mente de Cristo formado nele, ele pensa como Cristo: “Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação” (2 Timóteo 1:7). Sendo esta a mesma mente do Senhor. Eu não quero dizer que um crente tem a mesma mente que tudo vê, o mesmo julgamento infalível a respeito de tudo assim como Cristo tem; mas a partir de Sua luz, ele percebe as coisas como Cristo o faz.

 

Ele vê o pecado como Cristo vê. Cristo vê o pecado como mau e amargo. Ele vê este como sendo imundo e abominável; seus prazeres como totalmente ilusórios. Ele o vê como muito perigoso. Ele vê a ligação inseparável entre o pecado e o sofrimento. O mesmo acontece com um crente.

 

Ele vê o Evangelho como Cristo o vê. Cristo vê a maravilhosa glória no Evangelho. O caminho da salvação que Ele mesmo trouxe à luz. Vê a mais completa e livre salvação para ele, aquilo que mais glorifica a Deus e traz felicidade para o homem. Assim faz o crente.

 

Ele vê o mundo como Cristo o vê. Cristo sabe o que há no homem. Ele olhou para este mundo como sendo uma vaidade em comparação com o sorriso de Seu Pai. O que há no mundo, suas riquezas, suas honras, seus prazeres foram como nada para Ele. Ele via estas coisas como passageiras. O mesmo acontece com o crente.

 

Ele vê o tempo como Cristo o viu. “Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar” [João 9:4] “Eis que venho sem demora” [Apocalipse 3:11]. É assim que um crente olha para o tempo.

 

Ele vê a eternidade como Cristo faz. Cristo olhou para tudo à luz da eternidade. “Na casa de meu Pai há muitas moradas”. Tudo é precioso aos olhos de Cristo, apenas, uma vez que isso conduz à eternidade. Assim, com os crentes.

 

2. O coração de Cristo. Por “coração” quero dizer as afeições, esta parte de nós que ama ou odeia, confia ou teme. Temos o coração de Cristo formado em nós: “E porei dentro de vós o meu Espírito” [Ezequiel 36:27], “e eu neles esteja” [João 17:26], “as minhas palavras estiverem em vós” [João 15:7].

 

(1) O mesmo amor a Deus. O deleite intenso que Jesus tinha em Seu Pai. “Pai justo, o mundo não te conheceu; mas eu te conheci” [João 17:25], “Não estou só, porque o Pai está comigo” [João 16:32], “Graças te dou, ó Pai”, “Aba Pai”. “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” [Lucas 23:46]. Assim é com cada crente.

 

(2) A mesma aversão ao abandono de Deus. Salmo 22:1: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”. Versículo 15: “me puseste no pó da morte”. Salmo 88:7: “Sobre mim pesa o teu furor”; Salmo 102:10: “tu me levantaste e me arremessaste”. Assim, é com os filhos de Deus. Salmo 42:9: “Direi a Deus, minha rocha: Por que te esqueceste de mim?”.

 

(3) O mesmo amor aos santos. Salmo 16:3: “Mas aos santos que estão na terra, e aos ilustres em quem está todo o meu prazer”; João 13:1: “como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim”; João 15:13: “Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos”; João 14:3: “outra vez, e vos levarei para mim mesmo”; Atos 4:4, “Saulo, Saulo, por que me persegues?”. Assim é com todos os verdadeiros crentes. Todo aquele que ama é nascido de Deus.

 

(4) Compaixão para com os pecadores. Esta foi a principal característica da personalidade de Cristo. Isso foi o que O trouxe do céu para morrer. Isso O fez chorar sobre Jerusalém, ansiando para reunir Seus filhos. Isso faz Ele adiar Sua vinda, não querendo que nenhum pereça (2 Pedro 3:9). Todos os que são de Cristo são como Ele neste ponto. O mesmo coração pulsa dentro deles.

 

(5) Ternura para com os despertados. “Não esmagará a cana quebrada” [Isaías 42:3; Mateus 12:20]. Oh, a ternura dos Seus lábios que diziam: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos” [Mateus 11:28]. Assim são todos os Cristãos.

 

3. A vida de Cristo. Eles vivem a maior parte de suas vidas no mundo como Cristo viveu. Apesar de terem muitas quedas, esfriamentos e etc., ainda assim o fluxo principal da sua vida é Cristo que vive neles. Gálatas 2:20: “Cristo vive em mim”; 2 Coríntios 6:16: “Neles habitarei, e entre eles andarei”.

 

Sendo censurados. 1 Pedro 2:23: “O qual, quando o injuriavam, não injuriava, e quando padecia não ameaçava”. Cristo sentiu profundamente a censura: “Afrontas me quebrantaram o coração” [Salmos 69:20]. Ainda assim, Ele não injuriou a ninguém, antes orou por eles. Assim são os crentes.

 

Ao fazer o bem. “O qual andou fazendo bem” [Atos 10:38]. Ele fez disto a sua comida e bebida. Assim serão todos os que têm Cristo formado neles. Eles fazem o bem, e não se esquecem de compartilhar. Eles são os almoners1 do mundo. “E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister” (Atos 2:45).

 

Sendo separado dos pecadores. Cristo andou pelo meio dos pecadores de maneira impoluta. Como um feixe de luz que adentra em um calabouço sujo, ou como um rio que purifica e fertiliza, permanecendo em si mesmo imaculado, assim Cristo passou por este mundo; e assim fazem todos os Seus próprios. Salmo101:4: “Não conhecerei o homem mau”.

 

Mas como Cristo formado em nós é a esperança da glória? (I) Não legalmente. Cristo na alma não é o nosso título de glória. Nós temos que ter uma justiça completa para este ser nosso título; mas Cristo na alma não está completo. A maioria é tristemente deficiente em muitas das principais características de Cristo. É Cristo em nós pela fé, que é o nosso título de glória. Cristo é nossa veste nupcial, o Senhor Justiça Nossa; isso, e isso somente, pode dar-nos confiança no dia do julgamento. (II) Contudo realmente é assim. (1) Esta é prova de que temos também crido em Cristo. Um homem não pode saber que ele creu em Cristo sem quaisquer evidências exteriores a si. “Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho” [1 João 5:10]. Mas se um homem creu, os efeitos de sua fé logo serão vistos. Cristo será formado nele, e então ele terá provas duplas de que Cristo é seu. “Pois aquele em quem não há estas coisas é cego” [2 Pedro 1:9]. (2) Este é o cumprimento da glória. Um crente santo como se o céu já houvesse começado: “eis que o reino de Deus está entre vós” [Lucas 17:21]. Ele pode dizer: Agora eu sei que estarei em breve no Céu, pois ele já está se iniciou em mim. Cristo vive em mim. Em breve estarei para sempre com o Senhor.

 

Aperfeiçoamento. 1. Você tem o título legal para a glória? Cristo habitando em você pela fé. Você já ouviu falar como aqueles que são iluminados por Deus abraçam a Cristo, e fazem dEle sua justiça continuamente. Você já fez isso? Você já está em Cristo? Este é o único título legal para a glória. Se você não tem isso, sua esperança é um sonho. 2. Você apresenta adequação para a glória? Cristo formado em você. Será que Cristo vive em você, e se move em você? “Sem santidade ninguém verá o Senhor” [Hebreus 12:14].

 

Dundee, 1843.

 

P. S.: Ele escreveu no fim de suas notas após este sermão: “Uma noite muito doce e solene”.

 

__________
[1] Almoner: é um capelão ou oficial da igreja que originalmente era o encarregado de distribuir dinheiro aos pobres e necessitados (Wikipédia).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.