Dei Gratia, por C. H. Spurgeon

|

Dei Gratia, Sermão Nº 958. Pregado na manhã de Domingo, 30 de outubro de 1870.

Por C. H. Spurgeon, no Tabernáculo Metropolitano, Newington.

 

 

“Para louvor da glória de sua graça.” (Efésios 1:6)

 

Nenhuma verdade de Deus é mais claramente ensinada na Palavra de Deus do que essa: que a salvação dos pecadores é inteiramente devido à graça de Deus. Se houver qualquer coisa absolutamente clara nas Escrituras, plenamente declarada é que os homens são perdidos por suas próprias obras, mas salvos pelo favor gratuito de Deus, sua ruína é justamente merecida, mas sua salvação é sempre o resultado da misericórdia imerecida de Deus. Em variadas formas de expressão, mas com constante clareza e positividade, esta verdade é uma e outra vez declarada. No entanto, claro como esta verdade é, e influente assim que deve ser em todas as partes de nossa crença doutrinária, é frequentemente esquecida. Muitas das heresias que dividem a Igreja Cristã nasceram da confusão sobre este ponto. Fosse a palavra “graça” plenamente lida, marcada, e apreendida, o grande sistema evangélico seria muito mais firmemente estabelecido, e claramente pregado, mas o esquecimento de que “pela graça sois salvos”, é um erro comum entre todas as condições de homens. Pecadores esquecem disso, e eles buscam a salvação pelas obras da Lei, pois eles se recusam a renderem-se à soberana graça de Deus, e entrincheiram-se atrás da cerca cambaleante de sua justiça própria, e santos esquecem isso também, e, portanto, suas mentes ficam nebulosas, seus espíritos caem na escravidão legal, e onde eles deveriam se alegrar no Senhor sem cessar, tornam-se desanimados e cheios de temor incrédulo. Irmãos e irmãs, estou pregando aqui incessantemente as Doutrinas da Graça, que são cada dia mais queridas por mim, e sempre que eu as prego, espero que elas não sejam cansativas para vocês, mas se elas forem, esse fato triste não me induziria a ficar em silêncio sobre elas, mas sim me incitaria para proclamá-las mais frequente e fervorosamente! Seu enfado delas seria uma prova clara de que você necessita ouvi-las de novo, e de novo, e de novo, até que suas almas sejam trazidas para deleitarem-se nelas; não há nenhuma música celeste igual ao som da palavra “graça”, salvo somente a melodia celestial do nome de Jesus! Um dos primeiros pais foi chamado o doutor angélico, certamente ele é o mais angelical, o qual pregou mormente sobre graça! graça entre os atributos representa a Crisóstomo, ele tem uma boca de ouro, é o Barnabé, pois é cheio de consolação, é o Boanerges, pois fulmina a justiça própria, ela é a estrela da esperança do homem, a fonte de sua vida eterna, a semente de seu futuro bem-aventurado.

 

I. Vamos extrair do texto a nossa primeira observação: NA SALVAÇÃO COMO UM TODO VEMOS A GLÓRIA DA GRAÇA DE DEUS.

 

Assim, o apóstolo nos diz: “Para louvor da glória de Sua graça”. Todos os atributos de Deus têm a sua própria oportunidade adequada para a exibição em si próprio, para cada qualidade da natureza Divina há uma glória, e o Senhor cuida de que deva haver um momento em que esta glória será vista como a tornar-se objeto de louvor para as criaturas inteligentes. Há grande glória em Seu poder, e desde a antiguidade Aquele que fala e é feito, Quem manda e permanece firme, fez os Céus e a Terra. Foi um grande triunfo do poder, e outros grandiosos atributos combinados para fazer a exibição ainda mais gloriosa! A sabedoria estava lá para equilibrar as nuvens; A prudência traçava um círculo sobre a face do abismo; A verdade nomeou os tempos e as estações, e a bondade organizou os lugares habitáveis ??da Terra para os seres vivos, e para os filhos dos homens. Todos os atributos de Deus foram exercidos, mas o poder foi grandemente magnificado, o poder que por uma palavra criada, e por sua mera vontade fez todas as coisas ficarem para trás! Na ocasião, quando a glória do poder de Deus foi revelada, as estrelas da alva juntas cantavam, e todos os filhos de Deus bradavam de alegria. Eles viram a glória do poder Divino, e renderam as suas alegres homenagens. Na augusta ocasião muitos dos atributos de Deus foram exaltados, mas não havia espaço para “o louvor da glória de Sua graça”. A graça não encontrou objetos em uma criação pura sobre a qual pudesse exibir a plenitude de Sua glória. Havia espaço para a bondade de Deus, a benevolência, o favor, a benignidade e o amor, mas a graça Divina em seu significado verdadeiro e mais profundo precisa de criaturas indignas sobre as quais operar, criaturas pecadoras que possam ser perdoadas, criaturas caídas que possam ser restauradas, justificadas, e não havia nenhumas tais criaturas condenadas que pudessem estar na criação, pois esta veio da Mão Divina.

 

Mais adiante, o Senhor tomou ocasião para dar uma demonstração de glória de Sua justiça. Nós não sabemos exatamente quando ou como, pois o registro não é completo e claro, mas nós temos os contornos, houve uma grande rebelião no Céu; algumas dessas inteligências brilhantes conhecidas por nós como os anjos, por algum motivo ou outro, se revoltaram contra o governo Divino, sob a liderança daquele brilhante filho da alva, que é agora para sempre chamado de o príncipe das trevas. Houve guerra no céu contra a regra do Eterno, em seguida, voaram adiante os raios de força de Jeová, e os rebeldes foram subjugados ao mesmo tempo pelo Seu irresistível poder; então Sua justiça flamejou em esplendor, pois lemos sobre o abismo do Inferno que foi escavado para os ímpios, e do fogo eterno no Inferno preparado para o Diabo e seus anjos; arremessado das ameias do Céu, eles caíram nas profundezas do Inferno. Expulsos dos tronos de sua glória, eles se tornaram errantes sem esperança ao longo dos reinos de miséria, o louvor da glória da justiça Divina pôde ser lido nestas linhas terríveis: “E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia” [Judas 1:6]. A justiça Divina deverá ser ainda mais exibida nesse tremendo dia em que o Grande Trono Branco será estabelecido e todas as nações serão reunidas diante dele, e os injustos receberão a vingança devida à sua rebelião contra a Majestade de Deus! Glorioso será o atributo da justiça, “quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu com os anjos do seu poder, com labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo; os quais, por castigo, padecerão eterna perdição, longe da face do Senhor e da glória do seu poder” [2 Tessalonicenses 1:7b-9]. Em tudo isso nós não vemos nenhuma revelação da “glória da Sua graça”. Para anjos caídos Ele distribuiu justiça. Sobre eles a santidade lançou seu fogo consumidor, mas nenhuma palavra da misericórdia foi ouvida, não foi dada nenhuma esperança de restauração. O Mediador não tomou os anjos, mas Ele tomou a descendência de Abraão. Assim, também, no último terrível julgamento, justiça, e não misericórdia, será a regra da hora, Ele deverá dá a cada um segundo as suas obras.

 

Ainda assim, deve haver uma oportunidade para glorificar o atributo de graça. Sempre que podemos perceber claramente que um atributo existe em Deus, podemos razoavelmente concluir que haverá algo sobre o qual esse atributo seja exercido. É sempre uma circunstância esperançosa de que há misericórdia em Deus, e que esta misericórdia dura para sempre, por isso parece ser inevitável que a misericórdia deve ser exercida e, por isso, quando vemos o pecado no mundo, nós esperamos ver a misericórdia exibindo o seu poder. Além disso, eu vejo no dispensário do cirurgião um remédio potente, e isso me sugere que uma determinada doença está sob seus olhos, e quando ela está feroz, eu naturalmente olho para ver o tal remédio em uso. Quando você lê sobre a graça no coração de Deus, da piedade, do favor gratuito, da soberana misericórdia, isto claramente implica que haveria culpados a quem esse favor gratuito, em devido tempo, seja concedido! Assim, vemos que Deus escolheu a salvação dos filhos dos homens, como a plataforma para a exposição de Sua graça; que, em Sua eleição, Sua graça pode demonstrar Sua glória, assim como em outros eventos a glória do Seu poder ou da Sua justiça tem sido demonstrada.

 

Eu quero que você observe que a exibição da glória de qualquer atributo não é uma mera prova de que um tal atributo existe, mas uma revelação incomum e magnifica desse atributo, de modo que excita a atenção e admiração de todos os espectadores. Deixe-me voltar novamente para uma exibição do poder de Deus e lembrá-lo de um evento memorável na história deste mundo durante a nossa própria época histórica. Lemos de Faraó: “Para isto mesmo te levantei; para em ti mostrar o meu poder” [Romanos 9:17]. Faraó, um homem de uma disposição peculiarmente determinada, de um espírito altivo e arrogante, resolveu resistir aos mandamentos do Senhor e manter Israel em cativeiro. Jeová decretou revelar nele o que Seu poder podia fazer, depois de primeiro tê-lo advertido por Seus servos, Moisés e Arão, que operaram grandes maravilhas na presença de Faraó, o Senhor começou a tratar com o rei arrogante. Ele transformou as águas do Egito em sangue, e fez morrer os seus peixes, a terra produziu rãs em abundância, até nas câmaras dos seus reis. “Falou ele, e vieram enxames de moscas e piolhos em todo o seu termo. Converteu as suas chuvas em saraiva, e fogo abrasador na sua terra. Feriu as suas vinhas e os seus figueirais, e quebrou as árvores dos seus termos. Falou ele e vieram gafanhotos e pulgão sem número. E comeram toda a erva da sua terra, e devoraram o fruto dos seus campos” [Salmos 105:29-35]. Ele enviou uma escuridão sobre toda a terra, até mesmo a escuridão que pode ser apalpada, e o coração do rei foi intimidado por um tempo, mas, na obstinação desesperada endureceu o seu coração ainda mais, fez sua testa de bronze, e mais uma vez disse: “Quem é o Senhor, cuja voz eu ouvirei, para deixar ir Israel? Não conheço o Senhor, nem tampouco deixarei ir Israel” [Êxodo 5:2]. Saraivada após saraivada a artilharia do Céu foi descarregada em cima dele, o Senhor poderoso na batalha não deu ao Seu inimigo nenhuma trégua, um por um Ele trouxe Suas reservas, e armando setas frescas sobre o seu arco. O monarca nobre viu-se surpreendido com os golpes repetidos, e perplexo com os horrores de seu Adversário Onipotente, finalmente foi dado o golpe de mestre que levou o tirano aos seus joelhos! O Anjo da Destruição foi enviado para ferir todos os primogênitos do Egito, e um sumamente grande e amargo clamor subiu de todos os lares no pavor da noite, pois todos os primogênitos foram mortos, desde o primogênito de Faraó, que estava assentado sobre o trono, ao primogênito da serva atrás do moinho! Foi então que o monarca atônito levantou-se de noite, e disse a Moisés e a Arão: “Levantai-vos, saí do meio do meu povo, tanto vós como os filhos de Israel; e ide, servi ao Senhor, como tendes dito” [Êxodo 12:31].

 

No entanto, em pouco tempo, endureceu novamente o coração de Faraó, que perseguiu os israelitas com cavalos e com carros. Você conhece a história, mas vamos repassá-la mais uma vez, porque grande é o Senhor e mui digno de ser louvado, e Seus atos poderosos que ocorreram na antiguidade devem ser tidos em memória perpétua, mesmo no Céu, devemos cantar o cântico dos Moisés, o servo de Deus, e do Cordeiro. Vamos, então, ensaiar aqui em baixo. Você se lembra de como Faraó em seu orgulho perseguiu os filhos de Israel, dizendo: “Eu vou buscar, alcançarei, repartirei os despojos; meu desejo será satisfeito sobre eles, vou tirar a minha espada, a minha mão os destruirá”. Em sua alta presunção ele se atreveu a perseguir os escolhidos do Senhor até ao coração do mar! Então, “o Senhor, na coluna do fogo e da nuvem, viu o campo dos egípcios; e alvoroçou o campo dos egípcios. E tirou-lhes as rodas dos seus carros, e dificultosamente os governavam. Então disseram os egípcios: ‘Fujamos da face de Israel, porque o Senhor por eles peleja contra os egípcios’” [Êxodo 14:24-25]. Mas em vão viraram-se para fugir, em um momento Moisés estendeu a sua vara, e as águas, sob o comando de Deus, retornaram e cobriram os carros e os cavaleiros, e todos os exércitos do Faraó. Afundaram-se como chumbo em grandes aguas, as profundezas os cobriu, nenhum deles foi deixado! Em seguida, foi vista a glória do poder de Jeová, e, em seguida, foi ouvido o louvor desta glória, pois Miriã tomou o adufe e saiu na dança, enquanto as filhas de Israel a seguiram, e todas as hostes de Israel entoaram o refrão de sua canção, “Cantai ao Senhor, porque gloriosamente triunfou; e lançou no mar o cavalo com o seu cavaleiro” [Êxodo 15:21], então foi dado a conhecer o louvor da glória do poder de Jeová!

 

Agora, irmãos e irmãs, na obra da salvação do homem vocês têm um caso paralelo, pois um atributo não é mais glorioso do que o outro. “O louvor da glória de Sua graça” em resgatar o homem da profunda ruína em que ele tinha caído, em dar o bem-Amado para sangrar e morrer, derrotando o pecado, a morte e o Inferno, levando cativo o nosso cativeiro, elevando-nos ao Céu, e nos concedendo que sejamos participantes da Sua glória através do mérito de Jesus Cristo, nosso Senhor, em tudo isso, eu digo, a graça é tão gloriosa quanto era o poder no Mar Vermelho! Nenhuma coisa restrita então, pouca coisa, não sujeita a ser sussurrada, ou descrita com a respiração suspensa, mas algo magnífico, e grande, e glorioso será a obra da Salvação, que é para o louvor da glória de tão grande e favorito atributo como a graça de Deus! Eu tentaria, se eu pudesse, pensar no que a graça em seu máximo deve ser; mas quem, ao buscar, pode encontrar isso, senão Deus? Não é possível para a mente humana conceber o poder no seu máximo; a derrocada de Faraó somente oferece uma suposição sobre o que a Onipotência de Deus pode realizar, que pode abalar todos os mundos ao pó, dissolver o universo, e aniquilar a criação. O poder no seu máximo, quem deverá apreendê-lo? E a graça, meus irmãos e irmãs, a graça em seu máximo; eu estava prestes a dizer para você ver isso no Senhor Jesus, e hei de errar, se eu falar assim? Porque nEle habita corporalmente toda a plenitude da Divindade! Ele é o Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade! Mas, meus irmãos e irmãs, nossas mentes não pode ver o máximo poder da graça; o intelecto humano não é gigantesco o suficiente para compreender tudo, mas acredite, se em algum lugar o pleno louvor da glória da graça de Deus é visto, este é contemplado na salvação dos eleitos filhos e filhas dos homens! Quando todos os eleitos forem congregados juntamente, e a Igreja de Deus no Céu deverá ser perfeita, nenhuma pedra viva faltando de toda a estrutura, então, através deste edifício esta inscrição será escrita em letras da luz de Deus, “Para o louvor da glória de Sua graça”. A obra da salvação do princípio ao fim, como um todo, foi concebida e executada, e deve ser aperfeiçoada para o louvor da glória da graça de Deus! Assim, a porção sobre o primeiro ponto: A salvação é do Senhor, e nela a graça reina sem rival!

 

 

II. Em segundo lugar, ESTA É A VERDADE DE CADA DETALHE DA SALVAÇÃO.

 

Eu entendo que a partir da posição do meu texto. O 5º versículo fala da predestinação e adoção, e o 6º versículo fala de aceitação no Amado. A posição do meu texto coloca todos os três destes sob a mesma marca, todos eles são “para o louvor da glória de Sua graça”. Irmãos e irmãs, o mar é salgado, como um todo, e cada gota dela é salgada em seu grau, se toda a obra da salvação é por graça, todos os detalhes desta obra são igualmente de graça. Os raios do sol como um todo possuem certas propriedades; analise um único raio de sol, e você deverá encontrar todas as propriedades lá. Agora, eu tenho justamente dito que toda a salvação poderá se assemelhar a um grande templo, e que em toda a sua frente estaria escrito: “Para o louvor da glória de Sua graça.” Agora, alguns dos antigos edifícios orientais foram erguidos por alguns monarcas, e foram dedicados a eles, não somente o edifício inteiro foi criado para a sua honra, mas cada tijolo separadamente foi carimbado com o brasão real! Não só a estrutura inteira, mas cada tijolo individualmente levou a impressão do construtor! Assim é na questão da salvação, toda é por graça, e cada porção particular dela manifesta igualmente sua medida do favor gratuito de Deus. Deixe-me começar do início, e muito brevemente ensaiar as diferentes etapas da salvação de um pecador. Houve, em primeiro lugar, a eleição de homens e mulheres por Deus antes de todos os tempos; foi Ele quem escolheu para Si um povo para mostrar o Seu louvor; esta escolha não foi feita em qualquer grau por conta de qualquer dívida para com o homem, nem por causa de qualquer mérito que existia nos homens, ou estava previsto existir, foi o resultado do favor gratuito ou graça da parte de Deus que alguém fosse escolhido para se tornar Seu filho e filha! “Sim, ó Pai, porque assim te aprouve” [Mateus 11:26], é a resposta do Salvador à pergunta por que Deus escondeu estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelou aos pequeninos. Se alguém é eleito, não é por causa de um merecimento natural ou reivindicação de preferência, ou qualquer excelência essencial nele que demandava que Deus deveria fazer a escolha, nós éramos herdeiros da ira, como os outros, nenhumas obras foram tidas em consideração quaisquer que fossem. A eleição Divina, de acordo com Paulo no 9º capítulo de Romanos foi: “Não por causa das obras, mas por aquele que chama” [verso 11]. “Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece” [Romanos 9:16].

 

Isto é ainda mais claro, talvez, quando vamos para a próxima etapa, ou seja, a da redenção. Cristo redimiu o Seu povo da maldição da Lei, tendo sido feito uma maldição por eles. Pode alguém ver o Filho de Deus que expira no Calvário, carregando os pecados do homem, e dizer que aqueles por quem Ele morreu eram dignos de que Cristo devesse morrer por eles? É uma blasfêmia completa conectar qualquer ideia de mérito com um presente tão grandioso e gratuito como o dom de Jesus Cristo para nos redimir dos nossos pecados! Por que, senhores, se tivéssemos, cada um de nós, sido perfeitos, e se tivéssemos guardado as leis de Deus, sem omissão, como serafins fazem no Céu, ainda teríamos feito apenas o que era nosso dever! Não poderia ter havido nenhum mérito sobre o nosso serviço que merecesse que Cristo morresse por nós! Deveria o Deus Eterno ser tido como sendo um tal devedor às Suas criaturas que Lhe era necessário velar o Seu esplendor em forma humana, e ser desprezado e rejeitado e cuspido? Deverá ser dito que o Filho de Deus era devedor ao homem para que Ele devesse sangrar e morrer por eles? Eu tremo enquanto eu levanto a questão ou sugiro o pensamento! Deve ser pura, espontânea, imparcial misericórdia que pregou o Salvador no madeiro, nada poderia ter trazido Ele do trono de glória para a cruz de aflição, senão graça, pura, ilimitada graça!

 

E quando eu passo adiante da redenção para a próxima etapa, ou seja, para o nosso chamado eficaz, é a mesma coisa. Deus tem o prazer de chamar muitos de nós pela Palavra do Evangelho, e cada chamado do Evangelho é uma coisa graciosa, pois não merecemos ser chamados para longe de nossos pecados. Se nós rejeitamos esses chamados, e resistimos a eles, e ainda assim, depois de tudo, a graça eficaz de Deus vem de uma forma mais poderosa e torna o indisposto disposto, e corrige a obstinação do nosso coração, ora, isto deve ser enfaticamente graça! O chamado comum do Evangelho a todo o pecador a vir a Cristo, e crer nEle e viver, o chamado que é dado no Evangelho todos os dias, é graça. Mas, prosperar essa chamada, e torná-la eficaz, mesmo para aqueles que têm até agora resistido, ora, isto é graça sobre graça, superabundante graça! Se você espalhar uma mesa para os famintos, isto é um favor para eles, se você os convida a vir, e convida de novo e de novo, é grande favor, mas se você “força-os a entrar” [Lucas 14:23], como a parábola diz, e dize-lhes para sentarem-se ali, e assentar-se até que conquistasse o coração deles, e os persuadisse a aceitar a sua generosidade, isto é misericórdia sobre misericórdia! No entanto, tal é o chamado eficaz. Uma vez que o amor de Deus tenha compelido você e eu a virmos e sermos salvos quando nós por tanto tempo nos levantamos contra Ele, oh, isso é “para o louvor da glória de Sua graça!”

 

Meus queridos irmãos e irmãs, passemos ao próximo passo, do chamado eficaz para o perdão e justificação. Eu penso que não é necessário que eu diga que o perdão do pecado deve ser sempre o efeito da graça; essa declaração é evidente por si mesma, não pode ser devido a qualquer homem que ele deve ter seus pecados perdoados, pois o pecado que merece um perdão não é pecado! Ele não pode ser devido a qualquer homem que Deus deveria fazê-lo justo, sendo ele mesmo injusto, o que deve ser uma ação espontânea da parte de Deus, que flui de Sua pura bondade e Amor. Nenhum homem pode reivindicar o perdão, seria um sacrilégio sugerir que ele poderia; perdão e justificação, então, devem nos ser gratuitamente dados pela graça de Deus através da redenção que há em Cristo Jesus.

 

Observem bem que a próxima série de etapas que chamamos de santificação, ou perseverança, ou melhor ainda, preservação graciosa, todos esses devem ser por graça também. Nenhum homem tem qualquer reivindicação a Deus para preservá-los de entrar em pecado; eu sou obrigado a evitar o pecado, é meu dever, mas que Deus me envie graça pela qual estou habilitado para evitar o pecado não é direito meu; deve ser o Seu amor gratuito que faz isso. E se dia após dia Ele tem o prazer de dirigir a minha obstinação, e trazer o meu espírito errante de volta, se depois de milhares de deslizes Ele ainda restaura a minha alma, e estabelece os meus passos, eu não me atrevo a me elogiar por isso; eu devo, agradecido, colocar a coroa da minha perseverança na justiça sobre a cabeça da infinita graça que tem operado todas as minhas obras em mim!

 

Amados, se vocês forem, em seu tempo livre, investigar todas as etapas da obra da graça, estarão convencidos de que vocês não poderiam dizer mais de um do que de outro: “Isto é por graça Divina”, mas vocês teriam que confessar isto igualmente em absoluto. Não há nenhum ponto na vida do Cristão onde seu próprio mérito o justifica, nenhum período em que sua própria força vem em auxílio do poder Divino! Deve ser a graça que faz com que a alma morta viva, e é igualmente a graça que mantém a alma viva, vivendo; e deve ser a graça que lava a alma escurecida pelo pecado, e a torna branca como a neve, e deve ser igualmente a graça que guarda essa alma de voltar à sua antiga imundícia. Da fundação ao pináculo do templo da nossa salvação é tudo por graça!

 

Alguns filósofos céticos têm meio que admitido que pode ter havido uma exibição de força Divina no começo, quando os grandes astros do Céu foram inicialmente levados a girar, mas depois eles se atrevem a questionar se qualquer poder novo é empregado para preservar as estrelas em seus cursos. Você e eu sabemos que nenhuma força do passado será suficiente para a demanda atual, e acreditamos que o poder Divino está sempre fluindo para instar sobre as rodas do universo, e é assim também no pequeno mundo dentro de nós. Foi a graça que pôs nosso coração se movendo em direção a Cristo e à santidade, é igualmente a graça que nos mantém ainda seguindo após o prêmio da soberana vocação em Cristo Jesus. Como as águas que cobrem os canais do mar, assim a graça abrange toda a nossa salvação, em cada jota e cada til da nossa carta celeste, a graça orientou a pena; do princípio ao fim a salvação é gratuita. “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie” [Efésios 2:8-9]

 

 

III. Agora, irmãos e irmãs, em terceiro lugar, depois de ter mostrado que a salvação é pela graça como um todo e de graça em todos os seus detalhes, observarei que AS GLÓRIAS PECULIARES DESTA GRAÇA DEVEM SER RESSALTADAS, e consideradas por nós.

 

Quais são as glórias peculiares da graça Divina? Esta não é uma doutrina da moda, mas vamos falar isso clara e honestamente. Em primeiro lugar, é uma glória peculiar da graça que ela seja soberana e que o favor de Deus seja dado ao homem de acordo com a absoluta vontade do Deus todo-poderoso, e sem nenhuma razão conhecida por nós, senão o beneplácito de sua vontade. Quando um homem doa qualquer coisa em bondade para com os pobres, ele gosta de exercer sua soberania no dom, mas nenhum homem é tão absolutamente possuidor das coisas boas da vida, como para ter o direito ao exercício de uma completa e absoluta soberania sobre os seus bens, deve haver algum limite para os direitos humanos. Um homem, mesmo em seus presentes gratuitos, não deve dar para alguns, e ele deve, de preferência a dar aos outros. Mas o grande e misericordioso Deus não tem limites para a Sua absoluta vontade, não há direitos remanescentes para o homem caído diante de Deus, exceto o direito de sofrer a imposição de justiça. O homem tem perdido todos os direitos sobre Deus, que no terreno do direito, ele não pode receber nada, senão eterna ira, absolutamente nada! Nem qualquer reivindicação ou pretensão de reivindicação em qualquer grau de influência na determinação do Altíssimo no dom da Sua graça, sobre as cabeças de todos os homens Ele fala com voz de trovão: “Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia” [Romanos 9:15]. Soberania absoluta é uma das glórias da graça Divina.

 

Outra glória desta graça é Sua completa liberdade. Não se espera que o homem faça qualquer coisa para ganhar ou obter a graça de Deus, ele não a teria se ele estivesse a esperá-la, ele não poderia se fosse exigida, ele tem tão completamente se afastado de Deus que ele perdeu o favor de Deus, perdeu o que estava em seu poder, e não pode ganhá-la novamente. Nem Deus concede o seu favor sobre qualquer homem por causa de qualquer coisa que Ele vê no homem, nem sua riqueza, nem fama, nem sua posição, nem o seu caráter, Ele olha para baixo sobre o homem, e passa por reis e príncipes para deixar o Seu amor repousar sobre os pobres! Ele olha para os homens, e muitas vezes escolhe o transgressor mais grosseiro e o principal dos pecadores, estes devem se tornar monumentos eternos de Seu poder para salvá-los! Isso Ele faz, e continua ainda a fazer mais livremente, de forma espontânea, porque é o que parece bem aos Seus olhos.

 

Outra glória de Sua graça é a Sua completude. Onde Deus concede Sua graça, não é pouca graça, é para cobrir todos os pecados do homem, sejam eles quais forem, embora eles possam ser multiplicados de forma que ele não possa contá-los, e tão grosseiros que ele não possa estimá-los, a graça de Deus faz uma limpeza de todos eles. “Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim, e dos teus pecados não me lembro” [Isaías 43:25]. “Apaguei as tuas transgressões como a névoa, e os teus pecados como a nuvem; torna-te para mim, porque eu te remi” [Isaías 44:22]. “Todo o pecado e blasfêmia se perdoará aos homens” [Mateus 12:31]. Blasfêmia é expressamente mencionada como uma forma violenta de ataque mal e direto a Deus; as formas mais abomináveis da iniquidade humana a graça de Deus apaga do Livro da Memória, e Ele toma aqueles que cometeram esses pecados hediondos, muda sua natureza, os faz Seus filhos, e os recebe, enfim, para a Sua glória, e tudo por causa do favor gratuito, que está em Seu coração em relação a eles.

Outra glória desta graça é sua continuação infalível, onde uma vez que a graça de Deus foi concedida, nunca é retirada. Se Deus, em Sua misericórdia, visita um homem com graça, Ele nunca mais, posteriormente, revoga o perdão que Ele dá, ou recobra o favor que Ele concedeu. “Porque os dons e a vocação de Deus são sem arrependimento” [Romanos 11:29]. Não é um riacho intermitente que flui hoje, e secou amanhã; nem meteoro fugaz deslumbrando todos os espectadores, e em seguida desaparece na escuridão:

 

“A quem, uma vez Ele ama, Ele nunca deixa,

Mas ama-os até o fim.”

 

Sua graça é imutável, Sua misericórdia dura para sempre!

 

Outra glória dela é que é pura e sem mistura. A graça de Deus em salvar almas governa sozinha, o mérito humano não se intromete aqui e ali para fazer uma colcha de retalhos do todo. Triunfante se pode dizer: “Eu tenho pisado sozinho o lagar, e dos povos não havia ninguém comigo”. A graça é o Alfa, A graça é o Ômega, é a glória da graça que nenhum dedo mortal, toca sua obra, e nenhum martelo humano é levantado nela. Isto é o que os homens não podem suportar, pois eles quererão que o homem tenha algum mérito, faça algum pouco, mas isto não deverá ocorrer! A graça de Deus […] salva, e somente ela do princípio ao fim! Preciso acrescentar que é uma glória desta que, enquanto se revela, assim, tão plenamente, nunca interfere com qualquer outro atributo de Deus? Interferir, foi isso eu disse? Ela só tende a ilustrar todas as outras glórias do caráter Divino!

 

Deus é absoluto em Seu favor, mas Ele nunca é injusto, Ele dá a Sua justiça para todos; Ele atribui a cada um a sua parte devida. “O quê?”, você pergunta, “ele é justo para aqueles a quem favorece? Será que Ele não passa por seus pecados?”. Eu respondo:

 

“Sim”, mas eu também digo: “Não”. Ele faz passar por seus pecados na medida em que estão relativos, mas Ele o faz com justiça, porque Ele primeiro colocou seus pecados sobre sua veracidade, e exigiu de Cristo a vingança devida por suas transgressões! Ele é tão justo para com os Seus santos, como se Ele não tivesse misericórdia deles, pois em seu Substituto Sua justiça recebeu o pagamento integral de Suas exigências! Não há nenhum atributo de Deus que a graça alguma vez desprezou, está nos melhores termos com a verdade de Deus, embora a verdade diga: “Eu de maneira nenhuma pouparei o culpado”. Deus não poupou os culpados, pois Ele colocou a culpa em Cristo, e não O poupou. E agora o Seu povo não é culpado, pois eles são absolvidos, não há condenação para eles, sua transgressão é perdoada, e seu pecado é coberto. Digo mais uma vez esta é a glória da graça, uma das suas coroas especiais e adornos, embora tenha sua maneira e obras tão livremente como se a justiça estivesse morta, e a santidade tivesse murchado, mas nunca faz invadir o reino de qualquer um desses atributos brilhantes! Deus é tão justo, e tão santo como se Ele não fosse gracioso, e ainda Sua infinita soberania maneja seu cetro indiscutível no reino da salvação.

 

 

IV. Eu trouxe vocês até aqui, para o coração do texto, e agora, em quarto lugar, esta graça deve ser o OBJETO DE LOUVOR. É “para o louvor da glória de Sua graça”. Aqui precisamos de uma língua muito mais fluente do que a minha, ou melhor, aqui não é necessária nenhuma língua, mas um coração caloroso e grato pensamento para se sentar e contemplar. Como muitos de vocês quantos foram comprados com o sangue e lavados nele, como muitos de vocês quantos foram tomados dentre os homens e para ser povo peculiar do Senhor, peço-lhes agora, em silêncio, que louvem a Deus, enquanto sua mente examina todo o plano da sua salvação. Escolhidos antes que a terra existisse, graça, livre graça! Entregues nas mãos de Cristo para ser seu tesouro, tudo de graça! Resgatados com o sangue do coração de Emanuel, todos ocorreram por Seu favor gratuito para vocês! Preservados quando vocês estavam correndo no pecado, escravos de Satanás, loucos por seus ídolos, preservados em Cristo Jesus por mui sofredora e longânima graça! Chamados com aquela voz que acorda os mortos, e dotados de vida espiritual, totalmente de graça! Adotados na família Divina, feitos participantes da natureza Divina, porque a graça assim o quis, que maravilhas estão aqui! Irmãos e irmãs, no seu caso foi a graça do grau mais eminente, se vocês não dizem isso do seu caso, devo dizê-lo do meu! Acima de todos os filhos dos homens, eu humildemente afirmo ser mais endividado para com a graça de Deus, mas eu não duvido, meus irmãos e irmãs, se também afirmarem a mesma coisa! Havia especialidades sobre o nosso caráter, havia peculiaridades sobre o nosso pecado; havia dificuldades sobre a nossa constituição que todos tendiam a torna mui maravilhoso que fôssemos os sujeitos do amor Divino. Cada um de nós pode dizer:

 

“O que havia em mim que poderia merecer a estima?

Ou dar deleite ao Criador?”

 

Agora, vocês glorificarão a Deus, se vocês deixarem a sua alma em silêncio meditar ao pé do trono da graça, e adorá-lO por Sua misericórdia ter, tão amplamente, feito de vocês um favorecido.

 

Quando vocês tiverem feito isso, posso requerer de vocês, a seguir, que todos os homens vejam o resultado da graça em vocês! Tem sido uma calúnia comum contra a Doutrina da Graça que esta enfraquece as boas obras, e leva os homens à licenciosidade, uma calúnia que a vida do povo de Deus têm amplamente respondido no passado. Agora vocês a quem foi mostrada esta misericórdia, por sua vigilância, o seu ódio à própria aparência do mal, sua caminhada cuidadosa, sua íntima comunhão com Cristo, provem àqueles que nos ridicularizam, por suas vidas, que a graça é uma coisa santa onde quer que concedida, pois renova o coração e santifica a vida. Vocês estão degradando a graça de Deus quando não estão andando conforme a família da fé, vocês honram mais a Deus por santidade do que por escrever a poesia mais doce, ou por proferir as frases mais seráficas sobre isto. A vida santa é “para o louvor da glória de Sua graça”.

 

Adicione o santo viver ao seu próprio testemunho pessoal. Eu não me importo de ouvir as pessoas que se convertem falarem muito sobre o que eles eram antes da conversão, eu não estou certo de que os registros de vidas horríveis de homens baixos são sempre proveitosos se eles são escritos. Talvez a melhor coisa a dizer é: “Das quais coisas que agora estamos envergonhados”, mas ao mesmo tempo diga para os outros que a graça de Deus te salvou! Se você esteve, antes da conversão, entregue a grandes pecados, envergonhe-se deles, mas conte que a graça salvou tal como você é! Seja ousado para testemunhar em todas as companhias que a graça de Deus é igual a todas as emergências, e pode salvar o perdido de ir totalmente para baixo das mandíbulas do Inferno. Diga isso em todos os lugares: que a misericórdia de Deus pode apagar os pecados mais grosseiros e mais vis, que nenhum homem precisa se desesperar, pois o grande coração de Deus é suficientemente grande para receber o mais diabólico dos pecadores! Proclame que Ele passa pela transgressão, pela iniquidade e o pecado por amor de Jesus Cristo! Que os anjos saibam disso! Quando você for apresentado ao Céu, declare o que a graça de Deus tem feito, e até você chegar lá que os homens saibam disto aqui embaixo, “para o louvor da glória de Sua graça”.

 

 

V. E agora, por fim, deixe-me dizer sobre esta doutrina que ensinei nesta manhã: A VERDADE QUE TEMOS TENTADO PREGAR TOTALMENTE É O GRANDE MOTIVO DE ESPERANÇA PARA OS PECADORES. Pois, em primeiro lugar, se é assim que a salvação é toda pelo favor gratuito de Deus, então aqui está a esperança para cada homem! Você perguntará: “Como?”. Eu vou responder assim. Suponha que há aqui um homem que foi culpado de algum crime grave, ainda outros que têm sido culpados do mesmo crime foram perdoados, e foram os sujeitos da graça Divina, por que ele não deveria ser? Se a salvação fosse por mérito, tal homem claramente seria excluído da esperança, e justamente considerado, cada homem assim seria; nós não temos, nenhum de nós, um meio grão de mérito […]. Mas, se é de graça, por que não seria a graça de Deus colocada sobre mim, assim como em qualquer outro homem?

E sendo provado que a graça de Deus é tão soberana que tem muitas vezes caído sobre o pior dos homens, por que não em mim, se eu sou o pior dos homens? E se eu encontro escrito que aquele que vem a Cristo, Ele, de modo algum o lançará fora, então eu, mesmo que seja o pior dos homens, me encorajado a vir a Cristo! Ele salvou os outros, os piores dos homens, Ele diz-me que se eu for, se alguém vier, Ele não vai rechaçá-lo, então por que eu não deveria ir? De fato, por que não? Se houvesse qualquer coisa como preparação ou prontidão, ou mérito, ou adaptação, então não haveria nenhuma esperança para mim, mas se é uma questão completamente de um puro, gratuito presente, então por que não deveria ser dado a mim também como para outrem? Isso proporciona um incentivo claro para todo pecador, e ela mantém a esperança até mesmo para o transgressor extremamente grave porque a graça é, evidentemente, magnificada em mudar a natureza de grandes pecadores! Se eu sou um grande transgressor, e desesperadamente pequei, que espaço haverá para a graça glorificar-se em mim! Aqui está a esperança para mim, por que eu não deveria ir a Deus em oração e pedir para ser feito um troféu de Sua graça?

 

E se alguém disser: “Mas se nós não somos o mais grosseiro dos pecadores, então parece que devemos ser excluídos!”. Eu respondo: Não, mas sim para ser incluídos, porque se alguém disser: “Deus salva o maior dos pecadores para glorificar mais a Sua graça”, eu responderia: Deus não é movido por qualquer motivo egoísta, Ele não salva os homens para que Ele possa receber nada por isso, e você, de quem Ele não pode derivar nada são as pessoas que provavelmente Ele salva, para provar a liberdade e imparcialidade absoluta do Seu amor. Nem por um momento imagine que vamos colocar o pecado no lugar do mérito, e fazer com que pareça que a grandeza de seu pecado é a razão pela qual o Senhor salva os homens! Se não há nenhuma razão para a graça no mérito humano, muito menos haverá no grau de demérito! Se você nunca entrou em pecado grave, graças a Deus por isso, mas por tudo isso, você é pecador o suficiente, se você vê a si mesmo como você é, você é imundo o suficiente em plena consciência, você não precisa ser em nada mais vil, porque o seu caso não parece a você como se pudesse glorificar a Deus; não é, portanto, para se argumentar que ele pareça assim, pois Ele não vê como vê o homem.

 

Quando um cirurgião encontra-se com um caso em que, aparentemente, não trará nenhum crédito para ele nos olhos vulgares se ele o curar, é a maior honra para ele que não foi dissuadido pelo medo de que isso não lhe traria nenhuma honra. É muito glorioso para Deus que Ele não seja afetado pelo louvor dos homens, há esperança para você, então, que não pode ser contado com o mais grosseiro dos transgressores. Se tudo é de graça, então não deixa de fora nem grande nem pequeno, e enquanto as graciosas promessas soam como um repique dos sinos de prata, “vinde a Mim todos os que estais cansados”, e isso com uma nota geral e universal a todos os pecadores sob Céu: “Quem nele crê não é condenado”, “crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo”, “quem crer e for batizado, será salvo”, coisas semelhantes a estas passagens, por estas, estamos muito encorajados a vir a Jesus! Esta doutrina de que a salvação é inteiramente pela graça, e não de nós em absoluto, é uma das melhores razões pelas quais eu, embora eu não me sinta bem, nem aja corretamente, nem sou correto, mas sou apenas um pedaço de pecado, uma massa de imundícia, e nada mais, devo vir como eu sou, mesmo agora, e colocar a minha confiança no sangue e justiça de Cristo, e confiar que eu, eu mesmo, deverei encontrar aceitação no Amado.

 

Oh! que alguns corações, hoje, possam, pelo Espírito Santo, ser encorajados a vir a Cristo! Se você tem alguma bondade, este sermão é uma sentença de morte para você, se você tiver quaisquer méritos, leve-os embora com você! Cristo não veio para chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. Se você não está doente, o que você está fazendo aqui? O médico veio para curar os doentes, e não aqueles que estão com saúde. Mas se você não tem nada que possa merecer qualquer coisa de Deus, então para você a palavra desta salvação é enviada, “para louvor da glória de Sua graça”.

 

Minha última palavra deve indicar brevemente o que é o privilégio de cada pecador que deverá se alegrar com a soberana graça de Deus. Tão frequentemente quanto explicamos a fé, ainda assim é preciso explicar de novo. Encontrei-me com uma ilustração tirada da guerra norte-americana. Alguém vinha tentando instruir um oficial morrendo em que a fé consistia. Por fim, ele compreendeu a ideia, e ele disse, “Eu não conseguia entender isso antes, mas eu vejo isso agora. É apenas isso, eu me rendo, eu me rendo a Jesus”. É isso que ela é! Você tem lutado contra Deus e se levantado contra Ele, experimente fazer destes termos mais ou menos favoráveis ??para si mesmo; agora você está aqui na presença de Deus, e que você deixe cair a espada de sua rebelião e diga:

 

“Senhor, eu me rendo, eu sou Teu prisioneiro. Confio na Tua misericórdia para me salvar. Eu mesmo tenho feito isso, eu caio em Teus braços”:

 

“Um verme culpado, fraco e indefeso,

Caído nos braços de Cristo me encontro.

Sejas Tu a minha força e justiça

Meu Jesus é meu tudo.”

 

 

Que Deus vos abençoe. Amém.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.