Deus Salva A Quem Ele Quer!, por Jonathan Edwards

|

[Uma compilação do Sermão A Soberania De Deus Na Salvação Dos Homens]

 

Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer.” (Romanos 9:18)

 

O apóstolo, no início deste capítulo, expressa sua grande preocupação e tristeza de coração pela nação dos judeus, que foram rejeitados por Deus. Isso o leva a observar a diferença que Deus fez por eleição entre alguns e outros dentre os judeus, e entre a maior parte daquele povo e os Cristãos gentios. Ao falar isso, ele entra em uma discussão no ponto mais específico da soberania de Deus na eleição de alguns para a vida eterna, e rejeição dos outros, que é encontrado em qualquer outra parte da Bíblia. Durante seu discurso Paulo cita várias passagens do Antigo Testamento, confirmando e ilustrando esta doutrina.

 

No versículo 9, ele nos remete ao que Deus disse a Abraão, mostrando a eleição de Isaque ao invés de Ismael: “Porque a palavra da promessa é esta: Por este tempo virei, e Sara terá um filho”, então o que Deus disse a Rebeca, mostrando a sua eleição de Jacó ao invés de Esaú: “O maior servirá ao menor”. No verso 13, há uma passagem de Malaquias: “Amei a Jacó, e odiei a Esaú”. No verso 15, para o que Deus disse a Moisés: “Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia”. E o verso anterior do texto, para o que Deus diz a Faraó: “Porque diz a Escritura a Faraó: Para isto mesmo te levantei; para em ti mostrar o meu poder, e para que o meu nome seja anunciado em toda a terra”. Isto que o apóstolo diz no texto, parece referir-se especialmente aos dois últimos trechos citados: o que Deus disse a Moisés no versículo 15, e o que Ele disse a Faraó no versículo imediatamente anterior. Deus disse a Moisés: “Terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia”. A isso o apóstolo se refere na primeira parte do texto. E nós sabemos o quão frequentemente é dito que Deus endureceu o coração de Faraó. É a isso que o apóstolo parece ter se referido na última parte do texto: “e endurece a quem quer”. Podemos observar no texto:

 

1. O tratamento diferente de Deus para com os homens. Ele se compadece de alguns, e endurece a outros. Quando Deus é mencionado aqui como endurecendo alguns dos filhos dos homens, não devemos entender que Deus por alguma eficiência positiva endurece o coração de qualquer homem. Não há ato positivo em Deus, por meio do qual Ele empregue Seu poder para endurecer o coração. Supor tal coisa seria fazer de Deus o autor imediato do pecado. É dito que Deus endurece o coração dos homens de duas formas: através da retenção das poderosas influências do Seu Espírito, sem a qual o coração do homem permanecerá endurecido, e endurecendo cada vez mais; neste sentido, Ele os endurece, isto é, não impede que os homens endureçam. E, também, ao ordenar as coisas na Sua providência, de modo que, por meio do abuso de sua própria corrupção, os homens tenham ocasiões para seu endurecimento. Assim, Deus envia Sua Palavra e ordenanças aos homens que, pelo seu abuso, provocam uma ocasião de seu próprio endurecimento.

 

Por isso, o apóstolo disse, que para alguns ele era “um cheiro de morte para morte” [2 Coríntios 2:16]. Assim, Deus é representado enviando Isaías sobre esta incumbência, a saber, engordar o coração do povo, e fazer-lhe pesados os ouvidos, e fechar-lhe os olhos; para que ele não veja com os seus olhos, e não ouça com os seus ouvidos, nem entenda com o seu coração, nem se converta e seja sarado (Isaías 6:10). A pregação de Isaías era, em si mesma, de uma tendência contrária, ou seja, tendia a torná-los melhores. Porém o fato do povo ter abusado da pregação de Isaías, tornava esta uma ocasião de seu endurecimento. Como Deus é dito aqui endurecendo os homens, assim é dito que Ele pôs um espírito de mentira na boca dos falsos profetas (2 Crônicas 18:22). Ou seja, Ele tolerou um espírito de mentira entrar neles. E assim Ele se diz ter ordenado Simei amaldiçoar Davi (2 Samuel 16:10). Não que Ele diretamente lhe ordenara, pois é contrário aos mandamentos de Deus. Deus proíbe expressamente amaldiçoar o governante do povo (Êxodo 22:28). Mas Ele, naquele tempo, suportou a corrupção das obras de Simei, e ordenou aquela ocasião agitada como uma manifestação do seu descontentamento contra Davi.

 

2. O fundamento de Seu diferente tratamento para com a humanidade: a saber, Sua soberana vontade e prazer. “Terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia”. Isso não significa, simplesmente, que Deus nunca mostra misericórdia ou a nega contra a Sua vontade, ou que Ele está sempre disposto a fazê-lo quando Ele faz isso. Um sujeito disposto ou servo, quando ele obedece as ordens de seu senhor, ele pode nunca fazer qualquer coisa contra a sua vontade, mas ele pode não fazer de bom grado e com prazer; embora ele não possa dizer que fez a sua vontade no sentido do texto. Mas a expressão implica que é mera vontade de Deus, vontade soberana, que supremamente ordena este acontecimento. A vontade Divina não possui restrição, limitação ou obrigação.

 

Doutrina. Deus exerce Sua soberania na salvação eterna dos homens. Ele não somente é soberano e tem o direito soberano de dispor e ordenar cada acontecimento; e Ele não somente pode proceder de uma maneira soberana, se quiser, e ninguém pode acusar este Seu direito como excessivo; mas Ele realmente faz isso, Ele exerce o direito que Ele tem.

 

O Que é a Soberania de Deus?

 

A soberania de Deus é o Seu direito absoluto e independente de dispor de todas as criaturas de acordo com Seu próprio prazer. Considerarei esta definição por suas partes:

 

A vontade de Deus é chamada de: o Seu mero prazer.

 

1. Em oposição a qualquer restrição. Os homens podem fazer as coisas de forma voluntária, e ainda pode haver um grau de restrição. De um homem pode ser dito fazer uma coisa voluntariamente, isto é, ele mesmo faz, considerando todas as coisas, ele pode optar por fazê-la; no entanto, ele pode fazê-la por medo, e a coisa em si pode ser considerada cansativa para ele, e dolorosamente contra a sua inclinação. Quando os homens fazem coisas assim, não pode ser dito que eles as fizeram de acordo com seu mero prazer.

 

2. Em oposição a ela estar sob a vontade de outrem. Um servo pode cumprir as ordens de seu mestre, e pode fazer isto por vontade própria, e alegremente, e pode deleitar-se em fazer a vontade do seu senhor; mas quando ele faz isso, ele não o faz de seu próprio mero prazer. Os santos fazem a vontade de Deus voluntariamente. Eles optam por fazê-la; ela é sua comida e bebida. No entanto, eles não fazem isto por seu mero prazer e vontade arbitrária, porque a sua vontade está sob a direção de uma vontade superior.

 

3. Em oposição a qualquer obrigação própria. Um homem pode fazer muito voluntariamente uma coisa que ele é obrigado a fazer, mas não pode ser dito que ele agiu a partir de sua própria mera vontade e prazer. Aquele que age a partir de seu próprio mero prazer está em plena liberdade, mas aquele que está sob qualquer obrigação propriamente dita, não está em liberdade, mas está obrigado.

 

Ora, a soberania de Deus supõe, que Ele tem o direito de dispor de todas as Suas criaturas de acordo com Seu mero prazer no sentido explicado. E o Seu direito é absoluto e independente. Os homens podem ter o direito de dispor de algumas coisas de acordo com seu prazer. Entretanto este direito não é absoluto e nem ilimitado. Os homens podem dizer que têm o direito de dispor de seus próprios bens como bem entenderem. Mas o direito não é absoluto, antes possui limites e obrigações. Eles têm o direito de dispor de seus próprios bens como bem entenderem, desde que não façam isso de forma contrária à lei do Estado a que estão sujeitos, ou contrária à Lei de Deus. O direito dos homens de dispor de suas coisas como querem, não é absoluto, porque não é independente. Eles não possuem um direito independente, mas em algumas coisas dependem da comunidade a que pertencem, para o direito que eles têm, e em tudo dependem de Deus. Eles recebem todo o direito que eles têm de qualquer coisa a partir de Deus. Mas a soberania de Deus implica que Ele tem um direito absoluto, ilimitado e independente de dispor das Suas criaturas como Ele quiser.

 

Deus Realmente Exerce a Sua Soberania na Salvação dos Homens

 

Mostrarei como Deus exerce esse direito em diferentes particularidades.

 

1. Ao chamar um povo ou nação, e dar-lhes os meios da graça, e deixando outros sem estes. De acordo com a determinação Divina, a salvação é oferecida em conexão com os meios de graça. Às vezes, Deus pode fazer uso de meios muito improváveis, e conceder a salvação dos homens que estão sob mui grandes desvantagens; mas Ele não concede graça sem absolutamente nenhum meio, antes Deus exerce Sua soberania ao conceder esses meios.

 

Toda a humanidade está, por natureza, em circunstância semelhante diante de Deus. No entanto, Deus distingue grandemente alguns dos outros pelos meios e vantagens que Ele de concede. Os selvagens, que vivem em partes remotas do continente e estão sob a mais grosseira escuridão pagã, bem como os habitantes da África, estão, naturalmente, em circunstâncias exatamente semelhantes para com Deus, como nós nesta terra. Eles não estão mais alienados ou distantes de Deus em sua natureza do que nós; e Deus não tem mais causas para acusá-los do que a nós. E, contudo, que grande diferença Deus fez entre nós e eles! Nisso, Ele exerceu Sua soberania.

 

Ele fez isso no passado, quando Ele escolheu apenas um povo, para torná-los Seu povo da Aliança, e dar-lhes os meios de graça, e deixou todos os outros, e os entregou à escuridão pagã e à tirania do Diabo, Deus os deixou a perecer de geração em geração por muitas centenas de anos. A terra que no passado estava povoada por muitas grandes e poderosas nações. Havia os egípcios, um povo famoso por sua sabedoria. Havia também os assírios e caldeus, que eram nações grandes, sábias e poderosas. Havia os persas, que por sua força e política sujeitaram uma grande parte do mundo. Havia as nações renomadas dos gregos e romanos, que eram famosos por todo o mundo por seus excelentes governos civis, por sua sabedoria e habilidade nas artes da paz e da guerra, e que por sua destreza militar subjugarão e reinaram sobre o mundo. Porém, todos aqueles foram rejeitados. Deus não os escolheu para serem o Seu povo, mas deixou-os por muitas eras na grosseira escuridão pagã, a perecer por falta de visão; e escolheu um único povo, a posteridade de Jacó, para ser o Seu próprio povo, e para dar-lhes os meios de graça: “Mostra a sua palavra a Jacó, os seus estatutos e os seus juízos a Israel. Não fez assim a nenhuma outra nação; e quanto aos seus juízos, não os conhecem” (Salmo 147:19-20). Esta nação era um povo pequeno e desprezível em comparação com muitas outras pessoas: “O Senhor não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos… Sabe, pois, que não é por causa da tua justiça que o Senhor teu Deus te dá esta boa terra para possuí-la, pois tu és povo obstinado” (Deuteronômio 7:7; 9:6). Deus lhes dá a entender, que não era por nenhuma outra causa, senão o Seu livre amor eletivo, que O levou a escolhê-los para ser Seu povo. A razão dada ao porquê Deus os amava foi: porque Ele os amava (Deuteronômio 7:8). Que é o mesmo que dizer que foi agradável à Sua vontade soberana, colocar o Seu amor sobre você.

 

Deus também mostrou a Sua soberania na escolha das pessoas, quando outras nações foram rejeitadas, que vieram dos mesmos progenitores. Assim, os filhos de Isaque foram escolhidos, quando a posteridade de Ismael e dos outros filhos de Abraão foram rejeitadas. Assim os filhos de Jacó foram escolhidos, quando a posteridade de Esaú foi rejeitada; como o apóstolo observa em Romanos 9:7: “Nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência”. E novamente nos versículos 10-13. “E não somente esta, mas também Rebeca, quando concebeu de um, de Isaque, nosso pai; porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama), foi-lhe dito a ela: O maior servirá ao menor. Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú”. O apóstolo não se refere apenas à eleição das pessoas de Isaque e de Jacó ao invés de Ismael e Esaú; mas de sua posteridade. Na passagem, já citada de Malaquias, Deus tem o respeito às nações, que foram os descendentes de Esaú e Jacó; Malaquias 1:2-3: “Eu vos tenho amado, diz o Senhor. Mas vós dizeis: Em que nos tens amado? Não era Esaú irmão de Jacó? disse o Senhor; todavia amei a Jacó, e odiei a Esaú; e fiz dos seus montes uma desolação, e dei a sua herança aos chacais do deserto”.

 

Deus mostrou a Sua soberania, quando Cristo veio, ao rejeitar os judeus, e chamar os gentios. Deus rejeitou essa nação que eram os filhos de Abraão segundo a carne, e que tinha sido seu povo peculiar por tantos séculos, e que exclusivamente possuía o único Deus verdadeiro, e escolheu o pagão idólatra ao invés deles, e os chamou para ser Seu povo. Quando o Messias veio e nasceu de sua nação, e a quem tanto esperavam, Ele foi rejeitado por eles. Ele veio para os Seus, e os Seus não O receberam (João 1:11). Quando a dispensação gloriosa do Evangelho veio, Deus passou pelos judeus, e chamou aqueles que tinham sido pagãos, para desfrutar dos privilégios do mesmo. Eles foram cortados, para que os gentios fossem enxertados em seu lugar (Romanos 11:17). Agora é chamada amada, a que não era amada. E mais são os filhos da mulher solitária, do que os filhos da casada (Isaías 54:1). Os filhos naturais de Abraão, são rejeitadas, e Deus suscita das pedras filhos a Abraão. Essa nação, que foi tão honrada por Deus, tem sido agora, por muitas eras, rejeitada, e permanece dispersa por todo o mundo, um monumento notável da vingança Divina. E agora Deus distingue grandemente algumas nações dos gentios em relação a outras, e tudo de acordo com a Sua vontade soberana.

 

2. Deus exerce Sua soberania nas vantagens que Ele concede a pessoas particulares. Todos precisam de salvação da mesma forma, e todos são, naturalmente, não merecedores dela; mas Ele dá algumas vantagens maiores para a salvação a uns do que a outros. Para alguns, Ele designa o seu lugar em famílias piedosas e religiosas, onde eles podem ser bem instruídos e educados, e têm pais religiosos para dedicar-lhes a Deus, e fazer muitas orações por eles. Deus coloca alguns sob um ministério mais poderoso do que os outros, e em locais onde há mais das efusões do Espírito de Deus. Para alguns, Ele dá muito mais dos esforços e influências despertadoras do Espírito, do que para outros. Isto acontece de acordo com a Sua mera vontade soberana.

 

3. Deus exerce Sua soberania algumas vezes concedendo salvação aos pequenos e medíocres, e a nega aos sábios e grandes. Cristo em Sua soberania passa pelas portas de príncipes e nobres, e entrar em alguma casa e ali faz morada, e tem comunhão com os seus obscuros habitantes. Deus em Sua soberania reteve a salvação do homem rico, que se regalava esplendidamente todos os dias, e a concedeu ao pobre Lázaro, que estava sentado mendigando em seu portão. Deus desta forma lança o desprezo sobre os príncipes, e em todo o seu esplendor fulgurante. Então, Deus às vezes passa por homens sábios, homens de grande entendimento, eruditos e grandes estudiosos, e dá salvação aos outros de pouco conhecimento, que só compreendem algumas das partes mais claras das Escrituras, e os princípios fundamentais da Religião Cristã. Sim, parece haver poucos grandes homens que são chamados, em relação aos outros. E Deus em Sua ordenação faz que assim se manifeste a Sua soberania: “Porque, vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados. Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; e Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são” (1 Coríntios. 1:26–28).

 

4. Concedendo salvação a pessoas que tiveram poucas vantagens. Às vezes Deus abençoará meios fracos para produzir efeitos surpreendentes, quando os mais excelentes meios não são bem sucedidos. Deus, às vezes, retêm a salvação daqueles que são os filhos de pais muito piedosos, e a concede a outros, que foram criados em famílias ímpias. Assim, lemos de um bom Abias na família de Jeroboão, e de um piedoso Ezequias, filho de ímpio Acaz; e de um piedoso Josias, filho de um ímpio Amon. Mas, ao contrário, também lemos a respeito dos perversos Amnon e Absalão, filhos do santo Davi, e de um vil Manassés, filho de um bom Ezequias. Às vezes, alguns, que tiveram meios eminentes de graça, são rejeitadas, e deixados a perecer, e outros, sob muito menos vantagens, são salvos. Assim, os escribas e fariseus, que tinham tanta luz e conhecimento das Escrituras, foram em sua maioria rejeitados, e os pobres publicanos ignorantes foram salvos.

A maior parte das pessoas, entre os quais Cristo estava muito familiarizado, e que O ouviram pregar, e O viram fazer milagres cotidianamente, foram deixados; e a mulher de Samaria foi tomada, e muitos outros samaritanos, ao mesmo tempo, que só ouviram pregar Cristo quando Ele ocasionalmente passou por sua cidade. Assim, a mulher de Canaã, que não era do país dos judeus, foi tomada e viu Jesus Cristo uma única vez. Então os judeus, que tinham visto e ouvido Cristo, e visto Seus milagres, e por quem os apóstolos trabalharam tanto, não foram salvos. Mas os gentios, muitos deles, que, por assim dizer, não ouviram as boas novas de salvação senão transitoriamente, abraçando-as, foram convertidos.

 

5. Deus exerce Sua soberania em chamar alguns para a salvação, que têm sido muito horrendamente ímpios, e deixando outros, que foram pessoas morais e religiosas. Os fariseus eram uma seita muito rigorosa entre os judeus. Sua religião era extraordinária. Eles não eram como os demais homens, roubadores, injustos ou adúlteros (Lucas 18:11). Havia moralidade neles. Eles jejuavam duas vezes por semana, e davam o dízimo de tudo que possuíam. Eles eram religiosos. Mas ainda assim eles foram, em sua maioria, rejeitados, e os publicanos, as meretrizes e um tipo abertamente vicioso de pessoas entraram no reino de Deus diante deles (Mateus 21:31). O apóstolo descreve a sua justiça, enquanto fariseu: “segundo o zelo, perseguidor da igreja, segundo a justiça que há na lei, irrepreensível” (Filipenses 3:6).

 

O jovem rico veio e ajoelhou-se diante de Cristo, dizendo: “Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?”. Ele era uma pessoa moral. Quando Cristo ordenou-lhe guardar os mandamentos, ele disse, e em seu próprio ponto de vista com sinceridade: “Mestre, tudo isso guardei desde a minha mocidade” [Marcos 10:20]. Ele, obviamente, tinha sido criado em uma boa família, e era um jovem de tais maneiras amáveis ??e conduta correta, que é dito: “E Jesus, olhando para ele, o amou” [Marcos 10:21]. Ainda assim, ele foi deixado; enquanto o ladrão, que foi crucificado com Cristo, foi escolhido e chamado, mesmo na cruz. Às vezes Deus mostra Sua soberania, mostrando misericórdia para com o principal dos pecadores, por aqueles que foram assassinos, profanadores e blasfemos. E mesmo quando eles estão velhos, alguns são chamados na última hora. Deus, por vezes, mostra a soberania de Sua graça ao mostrar misericórdia para com alguns, que passaram a maior parte de suas vidas a serviço de Satanás, e tem pouco para gastar no serviço de Deus.

 

6. Na salvação de alguns daqueles que buscam a salvação, e não outros. Alguns dos que buscam a salvação, como se sabe, tanto a partir das Escrituras e da observação destas são logo convertidos; enquanto outros procuram por longo tempo, e, contudo, não a obtêm por fim. Deus ajuda alguns a atravessarem as montanhas e as dificuldades que estão no caminho, Ele subjuga Satã, e os livra de suas tentações, mas os outros são arruinados pelas tentações com as quais eles se encontram. Alguns nunca são completamente despertos; enquanto para outros, Deus tem o prazer de dar as convicções completas. Alguns são deixados aos seus corações inconstantes; a outros, Deus os sustenta até o fim. Alguns são libertos de uma confiança em sua justiça própria; outros nunca superam essa obstrução em seu caminho, enquanto eles vivem. E alguns são convertidos e salvos sem nunca terem empregado tão grandes esforços como alguns que, não obstante, perecem.

 

 

Venho Agora Dar as Razões Pelas Quais Deus, Assim, Exerce Sua Soberania na Salvação Eterna dos Filhos dos Homens.

 

1. É agradável para o desígnio de Deus na criação do universo exercer cada atributo, e, assim, manifestar a glória de cada um deles. O desígnio de Deus na criação foi o de glorificar a Si mesmo, ou fazer manifesta a glória essencial de Sua natureza. Foi ajustado que Sua infinita glória deveria brilhar; e era o desígnio original de Deus fazer uma manifestação de Sua glória, como ela é. Não que era Seu desígnio manifestar toda a Sua glória para a apreensão das criaturas; pois é impossível que as mentes das criaturas possam compreendê-la. Mas foi o Seu desígnio fazer uma verdadeira manifestação de Sua glória, como representante de todos os Seus atributos. Se Deus glorifica um atributo, e não outro, quão defeituosa seria a manifestação da Sua glória; e a representação não estaria completa. Se todos os atributos de Deus não são manifestados, a glória de nenhum deles se manifesta como ela é; pois os atributos Divinos refletem a glória uns dos outros.

 

Assim, se a sabedoria de Deus se manifestar, e não a Sua santidade, a glória de Sua sabedoria não iria se manifestar como ela é; pois uma parte da glória do atributo da sabedoria Divina é que ela é uma sabedoria santa. Semelhantemente, se a Sua santidade se manifestar, e não a Sua sabedoria, a glória de Sua santidade não iria se manifestar como ela é; pois uma coisa que pertence à glória da santidade de Deus é que ela é uma santidade sábia. Assim é com relação aos atributos de misericórdia e justiça. A glória da misericórdia de Deus não aparece como ela é, a não ser que seja manifesta como uma misericórdia justa, ou como uma misericórdia consistente com a justiça. E assim é com respeito à soberania de Deus, ela reflete a glória de todos os Seus outros atributos. E esta mesma soberania de Deus faz parte da glória da misericórdia de Deus, que é uma misericórdia soberana. Portanto, todos os atributos de Deus refletem a glória uns dos outros.

 

A glória de um atributo não pode ser manifestada, como ela realmente é, sem a manifestação de outro atributo. Um atributo é defeituoso sem outro, e, por conseguinte, a manifestação será defeituosa. Por isso, foi da vontade de Deus manifestar todos os Seus atributos. A glória declarativa de Deus nas Escrituras é muitas vezes chamada de: o nome de Deus, porque ele declara Sua natureza. Mas, se o Seu nome não significar a Sua natureza como ela é, ou não declarar qualquer atributo, ele não é um nome verdadeiro. A soberania de Deus é um dos Seus atributos, e uma parte da Sua glória. A glória de Deus eminentemente aparece em Sua soberania absoluta sobre todas as criaturas, grandes e pequenas. Assim como a glória de um príncipe está em seu poder e domínio, assim também a glória de Deus é a Sua soberania absoluta. Aqui aparece a infinita grandeza e majestade de Deus acima de todas as criaturas. Portanto, é da vontade de Deus manifestar a Sua soberania. E a Sua soberania, assim como seus outros atributos, é manifestada nos exercícios do mesmo. Ele glorifica o Seu poder no exercício do poder. Ele glorifica Sua misericórdia no exercício da misericórdia. Da mesma forma, Ele glorifica a Sua soberania no exercício da soberania.

 

2. A mais excelente criatura está sob Deus, que é soberano; e quanto maior for a posição em que ela aparece, mais gloriosa é a Sua soberania. A soberania de Deus em seu ser soberano sobre os homens, é mais gloriosa do que o ser soberano sobre as criaturas inferiores. E a Sua soberania sobre anjos é ainda mais gloriosa que a Sua soberania sobre os homens. Pois quanto mais nobre a criatura é, ainda maior e mais alta foi a manifestação de Deus em Sua soberania sobre ela.

 

É uma honra maior para um homem ter o domínio sobre outros homens do que sobre animais; e uma honra ainda maior ter domínio sobre príncipes, nobres e reis, do que sobre os homens comuns. Então a glória da soberania de Deus é demonstrada em Seu ser soberano sobre as almas dos homens, que são criaturas tão nobres e excelentes. Deus, portanto, exercerá a Sua soberania sobre eles.

 

E quanto mais o domínio de alguém se estende sobre um outro, maior será a honra. Se um homem tem domínio sobre outro apenas em alguns casos, ele não está ali muito exaltado, como em ter domínio absoluto sobre sua vida e fortuna, e tudo o que ele tem. Assim, a soberania de Deus sobre os homens se mostra gloriosa por se estender a todas as coisas que lhes dizem respeito. Ele pode dispor delas em relação a tudo o que lhes diz respeito, de acordo com o Seu próprio prazer. Sua soberania se mostra gloriosa no que abrange as suas questões mais importantes, até mesmo o estado eterno e condição das almas dos homens. Aqui vemos que a soberania de Deus é sem obrigações ou limites, na medida em que abrange a um caso de tamanha e infinita importância. Deus, portanto, em conformidade com o Seu desígnio de manifestar a Sua própria glória, exercerá a Sua soberania em relação aos homens, sobre as Suas almas e corpos, mesmo na mais importante questão de sua salvação eterna. Ele tem misericórdia de quem quer ter misericórdia, e endurece a quem quer.

 

 

APLICAÇÃO

 

1. Assim aprendemos que somos absolutamente dependentes de Deus nesta grande questão da salvação eterna de nossas almas. Somos dependentes não só da Sua sabedoria para planejar uma maneira de realizá-la, e de Seu poder para efetuá-la, mas nós somos dependentes de Sua mera vontade e prazer em fazer isto. Nós dependemos da vontade soberana de Deus para todas as coisas que pertencem a ela, desde a fundação até à pedra do pináculo. Foi da vontade soberana de Deus, que Ele planejasse uma maneira de salvar qualquer um dentre a humanidade, e nos desse Jesus Cristo, Seu Filho unigênito, para ser o nosso Redentor. Por que Ele olhou para nós, e nos enviou um Salvador, e não aos anjos caídos? Foi por causa da vontade soberana de Deus. Foi de Seu soberano prazer escolher que meios empregar. O fato dEle ter nos concedido a Bíblia, e as ordenanças da Religião, foi por Sua soberana graça. O Seu oferecimento destes meios para nós, mais do que quaisquer outros, o Seu oferecimento de influências de despertamento por meio de Seu Espírito, e Sua concessão de graça Divina, todos se dão apenas por Seu soberano prazer. Quando Ele diz: “Haja luz na alma de um alguém”, esta é uma palavra de poder infinito e graça soberana.

 

2. Adoremos com a maior humildade a terrível e absoluta soberania de Deus. Como acabamos de mostrar, é um atributo eminente do Ser Divino, a saber, que Ele é soberano sobre esses excelentes seres tais como as almas dos homens, e que, em todos os aspectos, inclusive no de sua salvação eterna. A grandeza infinita de Deus, e a Sua exaltação acima de nós, não aparece em nada mais do que em Sua soberania. Fala-se dela na Escritura como uma grande parte da Sua glória: “Vede agora que eu, eu o sou, e mais nenhum deus há além de mim; eu mato, e eu faço viver; eu firo, e eu saro, e ninguém há que escape da minha mão” (Deuteronômio 32:39). “Mas o nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou” (Salmo 115:3). “Cujo domínio é um domínio sempiterno, e cujo reino é de geração em geração. E todos os moradores da terra são reputados em nada, e segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: Que fazes?” (Daniel 4:34-35).

 

Nosso Senhor Jesus Cristo louvou e glorificou o Pai pelo exercício de Sua soberania na salvação dos homens: “Naquele tempo, respondendo Jesus, disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim te aprouve” (Mateus 11:25-26). Vamos, portanto, dar a Deus a glória da Sua soberania, assim como adorar Aquele, cuja soberana vontade ordena todas as coisas, vendo a nós mesmos como sendo nada em comparação com Ele. Domínio e soberania exigem reverência humilde e honra. A soberania absoluta, universal e ilimitada de Deus requer que devamos adorá-lO com toda a humildade possível e reverência. É impossível que possamos exceder em humildade e reverência diante deste Ser, que pode dispor de nós, por toda a eternidade, da maneira que Lhe agradar.

 

3. Aqueles que estão em um estado de salvação atribuem à graça soberana somente, e dão todo o louvor Ele, que os faz diferente dos outros. Piedade não é motivo para se gloriar, a não ser em Deus: “Para que nenhuma carne se glorie perante ele. Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção; para que, como está escrito: Aquele que se gloria glorie-se no Senhor” (1 Coríntios 1:29-31). Tal não é, por qualquer meio, em qualquer grau atribuído à sua piedade, seu estado e condições seguras e felizes, a qualquer diferença natural entre eles e os outros homens, ou a qualquer força ou justiça própria. Eles não têm nenhum motivo para exaltar-se, no mínimo grau; mas Deus é o Ser a quem eles devem exaltar. Eles devem exaltar a Deus, o Pai, que os escolheu em Cristo, que pôs o Seu amor sobre eles, e deu-lhes a salvação, antes deles nascerem e mesmo antes que o mundo existisse. Se perguntarem, por que Deus colocou Seu amor sobre eles, e os escolheu, em vez de outros, se eles pensam que podem ver qualquer causa fora de Deus estão muito enganados. Eles devem exaltar a Deus o Filho, que levou seus nomes em Seu coração, quando Ele veio ao mundo, e foi pendurado na cruz, e em Quem somente eles possuem justiça e força. Eles devem exaltar a Deus, o Espírito Santo, que por graça soberana os chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz; que por Sua própria operação imediata e livre, levou-os a uma compreensão do mal e do perigo do pecado, e os resgatou de sua justiça própria, e abriu-lhes os olhos para contemplarem a glória de Deus, e as maravilhosas riquezas de Deus em Jesus Cristo, e os santificou, e os fez novas criaturas.

 

Quando eles ouvirem sobre a maldade dos outros, ou olharem para pessoas viciosas, eles devem pensar quão ímpios uma vez foram, e quanto eles provocaram a Deus, e como eles mereciam para sempre ser deixados por Ele a perecer no pecado, e que é somente a graça soberana que tem feito a diferença. Em 1 Coríntios 6:10 estão enumerados muitos tipos de pecadores: fornicadores, idólatras, adúlteros, efeminados, abusadores de si mesmos com a humanidade. E então, no versículo décimo primeiro, o apóstolo lhes diz: “E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus”. O povo de Deus tem o maior motivo de gratidão, e a maior razão para amar a Deus, que tem lhes concedido tão grande e inefável misericórdia meramente por Sua vontade soberana.

 

4. Assim aprendemos por que causa temos de admirar a graça de Deus, pois Ele condescendeu a se ligar a nós por Pacto; pois Ele, que é, naturalmente, em Seu supremo domínio sobre nós, o nosso proprietário absoluto, e pode fazer conosco o que Lhe agrada, e não tem qualquer obrigação para conosco; pois deve, por assim dizer, abrir mão de Sua liberdade absoluta, e deixar de ser meramente soberano em Suas dispensas para com os crentes, quando uma vez eles têm crido em Cristo, e para sua mais abundante consolação, se ligam a Deus. Para que eles possam pleitear a salvação deste soberano; eles podem exigi-la por meio de Cristo, como uma dívida. E seria prejudicial para a glória dos atributos de Deus, negá-la a eles; seria contrário à Sua justiça e fidelidade. Que condescendência maravilhosa é a de tal Ser, ao assim, tornar-se vinculado a nós, vermes do pó, para o nosso consolo! Ele se comprometeu, por Sua Palavra e por Sua promessa. Mas Ele não ficou satisfeito; mas para que possamos ter consolação ainda mais forte, Ele obrigou a Si mesmo por Seu juramento: “Porque, quando Deus fez a promessa a Abraão, como não tinha outro maior por quem jurasse, jurou por si mesmo, dizendo: Certamente, abençoando te abençoarei, e multiplicando te multiplicarei. E assim, esperando com paciência, alcançou a promessa. Porque os homens certamente juram por alguém superior a eles, e o juramento para confirmação é, para eles, o fim de toda a contenda. Por isso, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento; para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; a qual temos como âncora da alma, segura e firme, e que penetra até ao interior do véu, onde Jesus, nosso precursor, entrou por nós, feito eternamente sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque” (Hebreus: 6:13-20).

 

Vamos, portanto, nos esforçar para nos submetermos à soberania de Deus. Deus insiste, que a Sua soberania seja reconhecida por nós mesmo neste grande assunto, um assunto que tão de perto e infinitamente nos interessa, como a nossa própria salvação eterna. Esta é a pedra de tropeço na qual milhares caem e perecem; e se continuarmos discutindo com Deus sobre a Sua soberania, isto será nossa ruína eterna. É absolutamente necessário que nós venhamos a nos submeter a Deus, como nosso soberano absoluto, e o soberano sobre as nossas almas; como alguém que pode ter misericórdia de quem quer ter misericórdia, e endurecer a quem Ele quiser.

5. E, por último. Podemos fazer uso dessa doutrina para proteger aqueles que buscam a salvação de dois extremos opostos: presunção e desânimo. Não presuma sobre a misericórdia de Deus, para deste modo incentivar a si mesmo a continuar no pecado. Muitos ouvem que a misericórdia de Deus é infinita, e, portanto, acham que, se eles demorarem a procurar a salvação no presente, poderão buscá-la futuramente, pois assim Deus concederá Sua graça a eles. Mas considero que, embora a graça de Deus seja suficiente, contudo, Ele é soberano, e agirá por Seu próprio prazer se Ele irá salvar ou não. Se você adiar a salvação até daqui por diante, a salvação não estará em Seu poder. E se você deverá obtê-la ou não, será como um Deus soberano se agradar. Vendo, pois, que neste caso você está tão absolutamente dependente de Deus, é melhor seguir sua direção na busca, isto é, ouvir a Sua voz hoje: “Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais seu coração”.

 

Cuidado também com o desânimo. Acautele-se dos pensamentos de desespero, porque você é um grande pecador, porque você tem continuado por tanto tempo no pecado, tem se desviado, e resistido ao Espírito Santo. Lembre-se disto, que seja qual for o seu caso, e você um tão grande pecador, se você não tiver cometido o pecado contra o Espírito Santo, Deus pode conceder misericórdia a você sem o menor prejuízo para a honra da Sua santidade, que você tem ofendido; ou à honra de Sua majestade, que você tem insultado; ou à Sua justiça, que você se tem feito seu inimigo; ou de Sua verdade; ou de qualquer um de Seus atributos. Seja você o que puder, pecador, Deus pode, se Ele quiser, glorificar grandemente a Si mesmo na Sua salvação.

 

 

[Sermão IV de Dezessete Sermões Ocasionais, nas Obras de Jonathan Edwards, Volume II, The Banner of Truth Trust, Reimpresso 1995, pp 849-854].
 

1 thought on “Deus Salva A Quem Ele Quer!, por Jonathan Edwards

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.