Feliz És Tu, Ó Israel!, por R. M. M’Cheyne

|

“Bem-aventurado tu, ó Israel! Quem é como tu? Um povo salvo pelo Senhor, o escudo do teu socorro, e a espada da tua majestade; por isso os teus inimigos te serão sujeitos, e tu pisarás sobre as suas alturas.” (Deuteronômio 33:29)

 

Estas são as últimas palavras de Moisés, o homem de Deus. Ele estava agora com cento e vinte anos; seus olhos não estavam obscurecidos nem lhe fugira o vigor. Por quarenta anos ele liderou o povo em meio ao deserto. Ele cuidou deles, e orou por eles, e os liderou como um pastor lidera seu rebanho. E agora, quando Deus disse que ele deveria deixá-los, ele determinou separar-se deles abençoando-os. E, a esse respeito, como em muitos outros, ele prenunciou o Salvador, de quem está escrito, que “e levou-os fora, até Betânia; e, levantando as suas mãos, os abençoou. E aconteceu que, abençoando-os ele, se apartou deles e foi elevado ao céu” [Lucas 24:50-51].

 

Em primeiro lugar, podemos entender essas palavras literalmente como a bênção de Moisés ao povo de Israel. Ele olhou por cima do deserto através do qual ele os levou, e este era todo brilhante cravejado com as coisas maravilhosas que Deus fizera por eles. Ele se lembrou da mão elevada e do braço estendido com os quais Ele os tirara do Egito. Lembrou-se também de como abriu um caminho para eles através do Mar Vermelho, quando seus inimigos afundaram como chumbo nas águas impetuosas, permaneceu lembrando como Ele foi adiante deles em uma coluna de nuvem de dia, e uma coluna de fogo à noite. Moisés lembrou-se de como Ele adoçou as águas de Mara, pois eles estavam sedentos e também lembrou-se de como Ele os alimentou com maná do alto, o homem comeu a comida dos anjos. Moisés recordou como ele feriu a rocha em Refidim, e águas jorraram; como ele ergueu as mãos para o pôr-do-sol, e Israel prevaleceu contra Amaleque; como ele recebeu a Lei da própria mão de Deus para eles. Ele feito brotar de novo a água da pederneira em Meribá e também lembrou-se de como ele erguera a serpente de bronze no deserto.

 

E olhando para trás sobre toda esta trajetória de maravilhas de quarenta anos, durante a qual as suas vestes não tinham envelhecido, nem a fraca sola de seu pé havia inchado, como poderia ele apenas abençoá-los? Ele sentiu-se como Balaão: “Benditos os que te abençoarem, e malditos os que te amaldiçoarem”. E nesse sentido, quando ele tinha visto a cada uma das tribos separadamente, deixando a cada uma a sua bênção profética, ele resume o todo nestas palavras gloriosas: “Não há outro, ó Jesurum, semelhante a Deus” [Deuteronômio 33:26].

 

Mas, em segundo lugar, estas palavras podem ser entendidas tipicamente como a bênção de Moisés ao povo de Deus para o fim dos tempos. Nenhum homem pode ler o Antigo Testamento de forma inteligente, sem ver que o povo de Israel era um povo típico, que a retirada de Seus escolhidos para fora do Egito, o trazê-los através do Mar Vermelho, e através do deserto e sua condução à terra da promessa, eram todos tipos da maneira com a qual Deus traz Seus escolhidos para fora de seus pecados, e os conduz através mundo de pecado e miséria para a Canaã celestial, o descanso que resta para o povo de Deus. Se, então, a escravidão, a libertação, a incredulidade, os inimigos, as jornadas, a orientação e o remanescente dos israelitas, eram todos tipos do relacionamento de Deus com o Seu próprio povo para o fim dos tempos, estamos bastante justificados por compreender estas palavras como a bênção de Moisés, o homem de Deus, a todos os verdadeiros filhos de Deus.

 

“Bem-aventurado tu, ó Israel! Quem é como tu? Um povo salvo pelo Senhor, o escudo do teu socorro, e a espada da tua majestade; por isso os teus inimigos te serão sujeitos, e tu pisarás sobre as suas alturas”. A partir destas palavras, eu extraio o seguinte:

 

Doutrina. Que o povo de Deus é um povo feliz, porque eles são salvos pelo Senhor.

 

 

I. Israel é um povo feliz porque é escolhido pelo Senhor.

 

1. Isto foi verdadeiro no que se refere ao antigo Israel. Moisés lhes disse claramente: “O Senhor não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos, pois vós éreis menos em número do que todos os povos; mas, porque o Senhor vos amava, e para guardar o juramento que fizera a vossos pais” [Deuteronômio 7:7-8a]. Aqui há algo estranho que o mundo não pode entender. Ele os amou porque Ele os amou, não porque eles eram melhores, ou maiores, ou mais dignos do que outra nação, mas por que Ele os amou. Peculiar, soberano, inexplicável amor! Ele não presta contas de Seus assuntos, assim, “pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece” [Romanos 9:16].

 

2. Isto é verdadeiro para todo o povo de Deus até os dias atuais. Davi diz: “Bem-aventurado aquele a quem tu escolhes, e fazes chegar a ti” [Salmos 65:4]. Cristo diz: “Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós” [João 15:16]. E Paulo diz: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo; como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor” (Efésios 1:3-4). Ah! sim, meus amigos, o nosso Deus é um Deus soberano: “Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer” [Romanos 9:18].

 

Cada crente é uma testemunha disso. Existe algum crente aqui? Bem, eu tomo você para testemunhar. Você era morto e descuidado com sua alma, você poderia ser feliz com o mundo, embora estivesse não perdoado e não santificado. Como você foi levado a fugir da ira vindoura? Você despertou a si mesmo do sono? Ah! não, você sabe bem que se Deus o tivesse deixado você estaria disposto a permanecer dormindo. Como o preguiçoso, você teria dito: “Um pouco a dormir, um pouco a cochilar; outro pouco deitado de mãos cruzadas, para dormir” [Provérbios 24:33]. Mas Deus despertou você, pela Sua Palavra, pelos Seus ministros, ou pela Sua providência; e Ele não o teria deixado ir até que clamasse: “O que devo fazer para ser salvo?”. Outrossim, você foi trazido da convicção de pecado à convicção de justiça; de uma consciência perturbada a um coração em paz ao crer. Como ocorreu isso, você veio por si mesmo a Jesus, ou você foi trazido pelo Pai? Ah! Vocês bem sabem que não receberam isto de um homem, nem por meio de um homem Deus os conduziu à visão de Jesus. Ele que, primeiro, trouxe às trevas a luz que brilhou em seus corações, e incitou vocês ao ato de fé em Jesus; e assim, vocês foram salvos; pois, “ninguém pode ir a Cristo se o Pai não o trouxer”. Do início ao fim, a obra é de Deus. Pela graça sois salvos; e bem-aventurado, de fato, é “aquele a quem tu escolhes, e fazes chegar a ti”.

 

Objeção. Mas alguém pode objetar que esta doutrina ministra ao orgulho; que fazer um homem acreditar que ele é um escolhido e favorito de Deus faz com ele fique inchado de orgulho.

 

A isto eu respondo que esta é própria verdade que corta o orgulho pelas raízes. Como está escrito: “Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido?” [1 Coríntios 4:7]. Se há um crente dentre vocês:

 

(1) Eu proponho a ele olhar em volta daqueles da sua própria família que permanecem sem Cristo e sem Deus no mundo. Talvez você seja o único em sua casa que conhece e ama o Salvador. Agora, eu pergunto a você: Quem te fez diferente? Você é por natureza algo melhor do que sua parentela, para que fosse escolhido e eles deixados? Como, então, você pode ser orgulhoso?

(2) Ou, olhe em volta de sua vizinhança, você verá embriaguez e contaminação, você ouvirá perjúrios e profanidade. Agora eu pergunto: Quem te fez diferente? Ou em que você era melhor do que eles? Pode você, então, ser orgulhoso?

 

(3) Ou, olhe em volta do mundo Papista e Pagão afogado na mais tenebrosa ignorância sem ninguém para lhes falar sobre o claro caminho de Salvação por Jesus. Olhe sobre nove décimos do mundo que carecem da pura luz do Evangelho, e diga-me: Quem te fez sobressair? E como você pode ser orgulhoso?

 

(4) Ou, olhe além deste horizonte mundano, olhe para baixo para os reinos das trevas e da morte eterna, e veja os anjos que caíram “Longe outra vez contemple em êxtase, Milhões de espíritos que por uma só falta foram banidos do Céu, e dos esplendores eternos arremessados por sua rebeldia”. Olhe para estas inteligências majestosas “guardado sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande Dia”, e diga-me: Quem te fez diferente? Em que melhor é você, por natureza, do que demônios? Homens não-convertidos são filhos do Diabo. Não há luxúria no coração do Diabo que não esteja em cada coração natural. E ainda assim Deus passou por eles, e veio para salvar-te. Deus veio e o acordou quando você estava em uma condição natural, e não melhor do que demônios, sim, ele passou pelos Pagãos, assim ele tem deixado seus vizinhos em seus pecados, seus próprios filhos não despertados, mas ele tem despertado você.

 

Oh! mui misterioso amor eletivo! Você bem pode clamar com Paulo: “Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!” [Romanos 11:33]. E isto o faz orgulhoso? Antes, isto não faz você enterrar a sua cabeça no pó, e nunca mais erguer os seus olhos? E isto não o faz feliz? “Bem-aventurado tu, ó Israel! Um povo salvo pelo Senhor”.

 

Não oferece a você nenhum júbilo, sentir que Deus pensou sobre você em amor antes da fundação do mundo? Que quando Ele estava sozinho desde toda a eternidade, Ele deu a você o Seu Filho para ser redentor? “Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei” [Jeremias 1:5]. Não dá nenhuma alegria a você pensar que o Filho de Deus pensou em você com amor antes que o mundo existisse: “achando as minhas delícias com os filhos dos homens” [Provérbios 8:31], que ele veio ao mundo carregando o seu nome sobre o Seu coração, que Ele orou por você na noite de Sua agonia: “E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela tua palavra hão de crer em mim”? [João 17:20]. Não oferece júbilo saber que Jesus pensava em você durante o Seu suor sangrento; que Ele pensou em você quando estava na cruz, e intencionou aqueles sofrimentos para estar em seu lugar? Ó, filhinhos como isto deveria elevar os seus corações em santo arrebatamento acima do mundo; acima de seus cuidados irritantes; de suas brigas mesquinhas; de seus prazeres contaminantes; se vocês guardassem esta santa alegria interiormente; acolhendo a própria palavra de seu Senhor: “Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estiver, também eles estejam comigo, para que vejam a minha glória que me deste; porque tu me amaste antes da fundação do mundo” [João 17:24].

 

Ó mundo incrédulo! Vocês não conhecem nada desta alegria. É tudo presunção frenética aos seus olhos, e isso é exatamente o que a Bíblia diz: Um estranho não participa da alegria do crente. Isto é exatamente o que Cristo disse: “Mas vós não credes porque não sois das minhas ovelhas” [João 10:26]. Levem esta coisa com vocês: “Nós erámos uma vez exatamente o que você é agora (cada crente falará a você) nós éramos exatamente tão insensíveis e incrédulos como você é. Nós, uma vez, desprezamos e rimos de cada pessoa com as quais nós somos um agora no Senhor; mas nós fomos despertados por Deus, e fugimos para Cristo, e somos redimidos e felizes conhecendo a nossa eleição de Deus”. Oh! que esta seja a sua história, e então, você conhecerá o significado destas palavras: “Bem-aventurado tu, ó Israel!”.

 

 

II. Israel é um povo feliz, porque eles são justificados pelo Senhor: “O Deus eterno é a tua habitação” (v. 27). “Ele é escudo que te socorre” (v. 29).

 

Antes de tudo, isto é verdade por que Cristo é o nosso refúgio e proteção, e Cristo é Deus. (1) É dito sobre Ele: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”. (2) E outra vez, é dito sobre Ele: “…O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e: Cetro de equidade é o cetro do seu reino” [Hebreus 1:8]. (3) Também está escrito: “Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele” [Colossenses 1:16-17]. (4) Novamente, é dito sobre Ele: “o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente” [Romanos 9:5]. (5) Mais uma vez, Tomé disse sobre Ele: “Meu Senhor, e meu Deus”. (6) E Ele é chamado Deus “manifestado na carne” [1 Timóteo 3:16]. Assim, então, Ele é de fato, “Emanuel, Deus conosco”. Ele é o Criador do mundo, o Deus de provisão, o Deus dos anjos. E este é o Ser que veio para ser o Salvador de pecadores, até mesmo do principal!

 

Agora, irmãos, eu desejo que vejam a utilidade do Salvador sendo Deus, e quanto do pleno consolo e júbilo do crente é encontrado nisto. Tudo o que Deus faz é infinitamente perfeito: Ele nunca falha em nada que Ele promete. Tudo, portanto, que o Salvador fez foi infinitamente perfeito. Ele não podia, e nem poderia, falhar em algo que Ele prometeu.

(1) Cristo Jesus prometeu suportar a ira de Deus em lugar dos pecadores. Seu coração foi estabelecido sobre isso desde toda a eternidade, pois, antes que o mundo fosse feito, Ele nos diz: “achando as minhas delícias com os filhos dos homens” [Provérbios 8:31]. Para este fim Ele tomou sobre si a nossa natureza; tornou-se um homem de dores e experimentado no sofrimento. De Seu berço na manjedoura até a cruz, a nuvem escura da ira de Deus esteve sobre Ele, e, especialmente, em direção ao fim de Sua vida, a nuvem passou a ser a mais escura, ainda assim, ele alegremente sofreu tudo “como me angustio até que venha a cumprir-se!” [Lucas 12:50]. O cálice da ira de Deus foi dado a Ele sem mistura; ainda assim Ele disse: “não beberei eu o cálice que o Pai me deu?” [João 18:11]. Agora, nós podemos estar bem certos que desde que Ele é o Filho de Deus, Ele sofreu tudo o que os pecadores deveriam ter sofrido. Se Ele tivesse sido um anjo, Ele poderia ter deixado alguma parte inacabada; mas desde que Ele era Deus, Sua obra deve ser perfeita. Ele mesmo disse: “Está consumado”; e uma vez que Ele era Deus que não pode mentir, nós estamos bem seguros que todo o sofrimento é consumado, que nem Ele nem seu corpo podem sofrer algo mais por toda a eternidade.

 

(2) Porém, mais uma vez, ficou comprometido a obedecer à Lei em lugar dos pecadores. O homem não só tinha quebrado a Lei de Deus, mas havia falhado em obedecê-la. Agora, como o Senhor Jesus veio para ser um Salvador completo, Ele não apenas sofreu a maldição da Lei quebrada, mas obedeceu a Lei em lugar dos pecadores. Através de toda a Sua vida e fez do fazer a vontade de Deus Sua comida e bebida. Agora, podemos ter a certeza de que uma vez que Ele era o Filho de Deus, Ele fez tudo o que os pecadores deveriam ter feito. Sua justiça é a justiça de Deus; assim, que nós podemos estar certos, que cada pecador que obtém esta justiça é mais justo do que se o homem jamais houvesse caído; mais justo do que os anjos, tão justo quanto Deus. “Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica” [Romanos 8:33].

 

Ó pecadores descuidados! Este é o Salvador que nós estamos sempre pregando para vocês, este é o Divino Redentor a quem vocês têm sempre pisoteado??. Você pensaria ser uma grande coisa se o rei deixasse o seu trono, e batesse à sua porta, e lhe suplicasse para aceitar um pouco de ouro; mas, oh! quanto maior coisa há aqui. O Rei dos reis deixou Seu trono, e morreu, o justo pelos injustos, e agora bate à sua porta. Pecador descuidado, você ainda permanece resistente?

 

Almas despertadas e ansiosas! Este é o Salvador que sempre vos oferecemos; Este é o refúgio, a rocha que tem seguido você. Você está ansioso por sua alma; e por que, então, não vem se esconder aqui? Você acha que honra a Cristo por duvidar se o Seu sangue e justiça são suficientes para cobri-lo? Você acha que honra a Deus, fazendo-O de mentiroso, e recusando-se a acreditar no testemunho que Ele tem dado de seu Filho? Oh! Não duvide mais dEle. Outro dia, e pode ser tarde demais. Fuja como os homens que têm um inferno eterno perseguindo-os, e um refúgio eterno diante deles. Tome o céu por violência. “Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, pois eu vos digo que muitos procurarão entrar e não poderão”.

 

E você que já correu para o refúgio, para o Salvador: “Bem-aventurado tu, ó Israel! Quem é como tu? Um povo salvo pelo Senhor”. O Deus eterno é teu refúgio; e a quem você pode temer? Lembre-se, habite nEle. Nas horas escuras do pecado e tentação, Satanás sempre tenta fazer você sair deste refúgio. Ele tentará fazer você duvidar se Cristo é Deus; se a Sua obra é uma obra consumada; se pecadores podem esconder-se nEle; se um apóstata pode esconder-se nEle; mas não lance fora a sua confiança. Rapidamente corra para Cristo; e então, o Deus eterno será teu refúgio. Na hora da morte, você pode terá um vale sombrio para atravessar; você pode perder de vista todas as suas evidências; você pode sentir que todas as suas graças partiram, e clamar: “Todas estas coisas estão contra mim”. Permaneça, como um necessitado pecador, corra para o Deus Salvador. Jogue fora a questão se você jamais acreditou ou não, e diga: “Eu acreditarei agora”; e assim, agora à noite, raiará a luz, e você morrerá com o Deus eterno e seu refúgio. Os seus olhos fecharão para este mundo apenas para abrirem para o mundo aonde não há dúvida, e nem medo, e nem morte.

 

 

III. Israel é um povo feliz, porque é santificado pelo Senhor: “por baixo estão os braços eternos” e “a espada da tua majestade”.

 

No capítulo anterior (32:11-12), Deus compara o Sua condução de Israel a uma águia e seus filhotes: “Como a águia desperta a sua ninhada, move-se sobre os seus filhos, estende as suas asas, toma-os, e os leva sobre as suas asas, assim só o Senhor o guiou; e não havia com ele deus estranho”. Novamente, em Isaías, é dito: “Em toda a angústia deles ele foi angustiado, e o anjo da sua presença os salvou; pelo seu amor, e pela sua compaixão ele os remiu; e os tomou, e os conduziu todos os dias da antiguidade” [63:9]. Mais uma vez, na história da ovelha perdida, encontramos que o Salvador não apenas encontrou a ovelha perdida, mas, “achando-a, põe-na sobre os ombros, cheio de júbilo”. Este é exatamente o mesmo significado como o do texto: “por baixo estão os braços eternos”, e, novamente, “a espada da tua majestade”.

 

Quando um novo crente encontrou a paz em Jesus, ele, então, começa a anelar por caminhar santamente. Tão logo ele encontre a doce calma de uma alma perdoada, ele começa a conhecer a amarga ansiedade de uma alma que teme o pecado: “É verdade, eu vim a Cristo, e devo ter paz, mas agora eu começo a temer que não serei capaz de confessar a Cristo diante dos homens. Agora começo a ver que o mundo inteiro está contra mim, que todas as coisas estão me tentando a pecar, e eu temo voltar para o mundo. Temo ser enlaçado novamente. Meus companheiros, como posso resisti-los? e Satanás, como posso lutar contra ele?”.

 

Este é o momento em que o novo crente começa a fazer um grande número de resoluções em sua própria força. Se ele somente pudesse manter-se fora do caminho da tentação, e separar-se do mundo, ele acha que poderia manter-se santo, mas Deus logo lhe ensina a insuficiência de sua própria força. Suas resoluções são todas quebradas inteiramente; seus hábitos de andar estreitamente desaparecem como fumaça diante do sopro da tentação; e o filhinho de Deus senta-se para chorar por causa da chaga de seu próprio coração, e a clamar: “Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte?”.

 

Se aqui há alguém assim me ouvindo, permita-me, peço-te, recomendar um novo plano, de longe um caminho melhor. Entregue a si mesmo aos braços eternos. Quando o pecado surgir; quando o mundo vem como uma inundação; quando a tentação chega de repente sobre você; se incline para trás sobre o Espírito todo-poderoso, e você está seguro. O que faz uma criancinha que tem sido colocada sobre o chão para caminhar, quando percebe que seus pequenos membros estão se desequilibrando, de forma que o primeiro sopro do vento a derrubará? Será que ela não se lança aos braços da de sua mãe? Quando ela não consegue ir, ela consente em ser conduzida; e assim deve ser com você, débil filho de Deus. Deus concedeu a você que pela fé se apegue a Cristo somente por justiça; e assim obter a paz do justificado. Ore agora, para que Deus dê a você fé resignada, para que você possa confiar nEle somente por força, para que você possa render a si mesmo aos braços eternos. Vá e aprenda o que isto significa: Jeová Nossa Justiça é o mesmo Jeová Nossa Bandeira. Então, mas não até então, você conhecerá plenamente o significado desta bênção: “Bem-aventurado tu, ó Israel! Quem é como tu? Um povo salvo pelo Senhor”.

 

 

Objeção: Eu não vejo, nem ouço ou sinto o Espírito, como posso render-me aos Seus braços?

 

Resposta. Esta é a própria descrição Bíblica da obra do Espírito: “O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito” [João 3:8]. Você não vê o vento, nem compreende como ele sopra, e ainda assim você estende a vela para pegar a brisa; e assim, o alto navio é sustentado sobre um mar muito agitado até o porto de descanso. Somente incline-se sobre o Espírito, embora você não compreenda o Seu agir. Embora, agora, você não O veja, ainda assim creia nEle. E você se alegrará com júbilo inefável e cheio de glória; você será sustentado sobre as ondas ásperas deste mundo até o porto de descanso. Você também não conhece como o manancial brota; você não compreende o funcionamento pelo qual os mananciais de água não falham; e ainda assim, você leva o cântaro até a fonte, e nunca volta com ele vazio. Então, dependam do suprimento invisível do Espírito; tomem uma provisão diária para necessidades diárias; vão confiantes aos mananciais da salvação, e vós tirareis água com alegria. “Se alguém tem sede, venha a mim e beba”. “Bem-aventurado tu, ó Israel! Quem é como tu?”. Tende bom ânimo. Nós confiamos que Aquele que começou a boa obra em vós, há de aperfeiçoá-la até o Dia de Cristo Jesus.

 

Mas, ah! pobres almas sem Cristo, não há promessa do Espírito para vocês. Todas as promessas são sim e amém em Cristo. Fora de Cristo não há promessa; não há outra coisa senão ira. Não há braços eternos debaixo de vocês. Vocês são sensuais, não têm o Espírito. Não há pecado no qual vocês não possam incorrer, até naquelas que fazem os homens estremecerem e empalidecerem. Em nenhum lugar Deus prometeu guardá-los destes pecados. Vocês não têm o Espírito, não podem amar a Deus, ou fazer qualquer boa obra, vocês podem apenas pecar. Ó almas miseráveis! que continuam pertencendo à linhagem do velho Adão, vocês não podem deixar de dar maus frutos; e o fim será a morte. Oh! que vocês fossem embora e chorassem por sua miserável condição, e clamassem a Deus para trazê-los para fazer parte de Seu bem-aventurado Israel, que é escolhido, justificado, santificado e salvo pelo Senhor!

 

Igreja de São Pedro, 29 de Janeiro de 1837.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.