Gloriando-se na Cruz de Cristo, por Robert Murray M’Cheyne

|

“Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo.” (Gálatas 6:14)

 

Doutrina: Gloriando-se na cruz.

 

I. O assunto aqui falado por Paulo e á a cruz de Cristo. Essa palavra é usada em três sentidos diferentes na Bíblia. É importante distingui-los:

 

1. Ela é usada para significar a cruz de madeira, o madeiro sobre o qual o Senhor Jesus foi crucificado. A punição da cruz foi uma invenção Romana. Era usada apenas no caso de escravos, ou malfeitores mui notórios. A cruz era feita de duas vigas de madeira que se cruzavam. Ela era colocada no chão e o criminoso, estendido sobre ela. Um cravo era pregado em cada mão, e outros dois em ambos os pés. Em seguida, a cruz era levantada na posição vertical, e deixada cair em um buraco, em que era presa. O homem crucificado era então era deixado para morrer, pendurado por suas mãos e pés. Esta foi a morte a que Jesus se rebaixou. “Ele suportou a cruz, desprezando sua ignomínia”. “Tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz” (Mateus 27:40, 42; Marcos 15:30, 32; Lucas 23:26; João 19:17, 19, 25, 31; Efésios 2:16).

 

2. Ela é usada para significar o caminho da salvação por Jesus Cristo crucificado. Assim, em 1 Coríntios 1:18: “Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus”, em comparação com o versículo 23: “Mas nós pregamos a Cristo crucificado…”. Aqui é evidente que a pregação da cruz e a pregação de Cristo crucificado são a mesma coisa. Este é o significado da passagem diante de nós: “Mas longe esteja de mim gloriar-me…”. Este é o nome dado a todo o plano de salvação pelo Redentor crucificado. Essa pequena palavra implica toda a obra gloriosa de Cristo por nós.

 

Esta palavra implica o amor de Deus em dar o Seu Filho (João 3:16); o amor de Cristo em entregar a Si mesmo (Efésios 5:25); a encarnação do Filho de Deus; Sua Substituição, um por muitos, seus sofrimentos expiatórios e morte. Toda a obra de Cristo está incluída nessa pequena expressão: a cruz de Cristo. E a razão é simples; Sua morte na cruz foi o ponto mais baixo de Sua humilhação. Foi ali que Ele clamou: “Está consumado”, o trabalho da minha obediência está consumado! Meus sofrimentos terminaram, a obra da Redenção está completa, a ira do meu povo está extinta. E, então, Ele reclinou a cabeça, entregou o espírito. Daí toda a Sua obra consumada é chamada de: a cruz de Cristo.

 

3. Cruz também é uma palavra usada para significar os sofrimentos suportados por aqueles que seguem a Cristo.

 

“Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me” (Mateus 16:24). Quando um homem se determina a seguir a Cristo, ele deve abandonar seus prazeres e suas companhias pecaminosas. Ele encontra escárnio, zombaria, desprezo, ódio e perseguição dos antigos amigos. O seu nome e desprezado como mau. “E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições”. Agora, encontrar-se com tudo isso é “tomar a cruz”. “E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim” [Mateus 10:38].

 

Na passagem diante de nós as palavras são usadas no segundo sentido, o plano de salvação por meio de um Salvador crucificado.

 

Queridos amigos, é isso que está diante de vocês no pão partido e vinho derramado; toda a obra de Cristo para a salvação dos pecadores. O amor e a graça do Senhor Jesus estão todos reunidos em um foco ali. O amor do Pai, o Pacto com o Filho, o amor de Jesus, Sua encarnação, obediência, morte todas estão postas diante de vocês nestes pão e vinho partidos. É um sermão doce, silencioso. Muitos sermões não contêm Cristo do começo ao fim. Muitos O mostram com ar de dúvida e imperfeitamente. Mas aqui não há outra coisa senão Cristo e este crucificado. A mais rica e eloquente ordenança! Orem para que a própria visão deste pão partido possa quebrantar seus corações, e faça-os fugir para o Cordeiro de Deus. Orem por conversões a partir da visão do pão partido e vinho derramado. Olhem com atenção, queridas almas e crianças pequenas, quando o pão é partido e o vinho vertido. É uma visão que afeta o coração. Que o Espírito Santo abençoe isso. Caros crentes, olhem vocês com atenção, para que obtenham visões mais profundas, mais plenas do caminho do perdão e da santidade.

 

Um olhar dos olhos de Cristo quebrou e derreteu o coração orgulhoso de Pedro; ele saiu e chorou amargamente. Orem para que um único olhar deste pão partido possa fazer o mesmo por vocês. Quando o centurião romano, que velava ao lado da cruz de Jesus, O viu morrer, e rochas se fenderam, ele bradou: “Verdadeiramente este era Filho de Deus!” [Mateus 27:54]. Olhe para este pão partido, e você verá a mesma coisa, e que seu coração seja levado a clamar por pelo Senhor Jesus. Quando o ladrão moribundo olhou o rosto pálido de Emanuel, e viu a Majestade santa que sorriu com Seus olhos agonizantes, clamou: “Senhor, lembra-te de mim!” [Lucas 23:42]. Este pão partido revela a mesma coisa. Que a mesma graça seja dada a você, e que possa suscitar o brado: “Senhor, lembra-te de mim!”. Oh! obtenham visões mais plenas de Cristo, queridos crentes. O milho da safra, às vezes, amadurece mais em um dia do que em semanas anteriores. Assim, alguns Cristãos ganham mais graça em um dia do que durante os meses anteriores. Orem para que este possa ser um dia de colheita e de amadurecimento em suas almas.

 

II. Os sentimentos de Paulo em relação à cruz de Cristo: “Longe de mim…”.

 

1. Está implícito que ele absolutamente havia deixado o caminho da justiça pelas obras da Lei. Todo homem natural busca a salvação através tentar melhorar a si mesmo aos olhos de Deus. Ele tenta consertar sua vida, ele coloca um freio na língua, ele tenta comandar seus sentimentos e pensamentos, tudo para tornar-se melhor aos olhos de Deus. Ou, então ele irá mais longe: tenta cobrir pecados passados por meio de observâncias religiosas. Ele se torna um homem religioso; ora, chora, lê e participa dos sacramentos, fica profundamente ocupado com a religião, e tenta colocá-la em seu coração, tudo para tornar a si mesmo, na aparência, bom aos olhos de Deus, para que ele possa colocar Deus sob dívida para perdoá-lo e amá-lo.

 

Paulo tentou este plano por muito tempo. Ele era um Fariseu, segundo a justiça que há na lei, irrepreensível; ele viveu uma vida exteriormente inculpável, e foi altamente considerado como um homem dos mais religiosos. “Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo” [Filipenses 3:7]. Quando aprouve a Deus abrir os seus olhos, ele abandonou esta forma de justiça própria para todo o sempre; ele não tinha mais qualquer paz em olhar para dentro: “e não confiamos na carne” [Filipenses 3:3]; ele se despediu para sempre dessa forma de buscar a paz. Ele a pisoteou: “E as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo” [Filipenses 3:8]. Oh! é uma coisa gloriosa, quando um homem é levado a pisotear a sua justiça própria, esta é a coisa mais difícil do mundo.

 

2. Ele dirigiu-se ao Senhor Jesus Cristo. Paulo teve tal visão da glória, brilho e excelência do caminho da Salvação por meio de Jesus, que isso preencheu todo o seu coração. Todas as outras coisas afundaram em pequenez. Todo monte e outeiro foi abatido, o torto foi endireitado, os lugares ásperos aplainados, e a glória do Senhor foi revelada. Como o nascer do sol faz com que todas as estrelas desapareçam, assim a ascensão de Cristo sobre a sua alma fez todo o restante desaparecer. Os sofrimentos de Jesus por nós encheram os seus olhos e o seu coração. Ele viu, creu e alegrou-se. Cristo, supriu todas as suas necessidades. Da cruz de Cristo um raio de luz celestial inflamou a sua alma, enchendo-o de luz e alegria indizíveis. Ele sentiu que Deus foi glorificado, e ele foi salvo. Ele abriu caminho para o Senhor com todo o propósito do coração. Como Jonathan Edwards diz: “eu estava inefavelmente satisfeito”.

3. Ele se gloriava na cruz. Ele confessou a Cristo diante dos homens, ele não tinha vergonha de Cristo diante daquela geração adúltera. Paulo se vangloriou de que este era o caminho do perdão, da paz e da santidade. Ah! que mudança! uma vez ele blasfemou contra o nome de Jesus, e perseguia até a morte aqueles que invocavam o Seu nome; agora esta é toda a sua jactância: “E logo nas sinagogas pregava a Cristo, que este é o Filho de Deus” [Atos 9:20]. Uma vez ele se gloriou de sua vida inculpável, quando ele estava entre os Fariseus; agora ele se gloria no fato de que ele é o principal dos pecadores, mas que Cristo morreu por tais como ele. Uma vez ele se gloriou de sua erudição, que ele se sentou aos pés de Gamaliel; agora ele se gloria em ser considerado como louco por amor de Cristo, em ser uma criancinha conduzida pela mão de Jesus. À mesa do Senhor, entre seus amigos, nas cidades pagãs, em Atenas, em Roma, entre os sábios ou insensatos, diante de reis e príncipes, ele se gloria nisto como a única coisa digna de ser conhecida: o caminho da salvação por Jesus Cristo e este crucificado.

 

Queridos amigos, vocês foram levados a se gloriarem somente na cruz de Cristo?

 

1. Você se desprendeu do antigo caminho da salvação pelas obras da Lei? Seu coração natural está firmado sobre este caminho. Você está sempre buscando se tornar melhor e melhor até que você possa colocar Deus sob a obrigação de perdoá-lo. Você está sempre olhando para dentro de si mesmo, buscando por justiça ali. Você está olhando para a suas convicções, para sua tristeza pelos pecados passados, para suas lágrimas e orações ansiosas. Ou você está olhando para o seu interior, para sua honestidade, para o abandono dos conselhos dos ímpios e para as lutas por uma nova vida. Ou, então você está olhando para os seus próprios exercícios religiosos, para o seu fervor e coração, para o crescimento em oração ou na frequência à casa de Deus. Ou você está olhando para a obra do Espírito Santo em você, para as graças do Espírito. Ai! Ai! A cama é mais curta do que você possa esticar-se sobre ela, a cobertura é mais estreita do que você possa cobrir-se nela. Desespere-se por perdão neste caminho. Desista para sempre. Seu coração é desesperadamente corrupto. Cada justiça que há em seu coração vem acompanhada de vileza e corrupção, e não pode aparecer diante da vista de Deus. Considere tudo como perda, trapos de imundícia, refugo, para que você possa ganhar a Cristo.

 

2. Vá ao Senhor Jesus Cristo. Acredite no amor do Senhor Jesus Cristo. Ele se deleita na misericórdia; Ele está pronto para perdoar, misericórdias fluem dEle. Ele justifica o ímpio. Você já viu a glória da cruz de Jesus? Isto atraiu o seu coração? Você se sente inexplicavelmente satisfeito com esse caminho de Salvação? Você vê que Deus é glorificado quando você é salvo? que Deus é um Deus de majestade, verdade, santidade imaculada e justiça inflexível, e ainda assim você é justificado? Será que a cruz de Cristo preenche o seu coração? Isto produz uma grande calma em sua alma, um descanso celestial? Você ama essa expressão: “a justiça de Deus”; “a justiça que é pela fé”, a justiça sem as obras? Você contempla a cruz? Será que a sua alma descansa ali?

 

3. Glorie-se apenas na cruz de Cristo. Observe, não pode haver um Cristão secreto. A graça é como perfume escondido na mão, ela denuncia a si mesma. Um Cristão vivificado não pode manter o silêncio. Se você realmente sente a doçura da cruz de Cristo, você será constrangido a confessar a Cristo diante dos homens. É como “o bom vinho… que se bebe suavemente, e faz com que falem” [Cânticos 7:9]. Você O confessa em sua família? Você dá a conhecer ali que você é de Cristo? Lembre-se, você deve ser resoluto em sua própria casa. A marca do hipócrita é ser um cristão em todos lugares, exceto em sua própria casa. Entre os seus companheiros, você tem a Cristo por um amigo a quem você encontrou? Na loja e no mercado, você está disposto a ser conhecido como um homem lavado no sangue do Cordeiro? Você almeja que todos os seus negócios estejam sob as doces regras do Evangelho? Venha, então, à mesa do Senhor e confesse Aquele, que salvou a sua alma. Oh! Permita que esta possa ser uma verdadeira, livre e plena confissão. Jesus Cristo é o meu doce alimento, meu cordeiro, minha justiça, meu Senhor e meu Deus, meu tudo em todos. “Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz”. Uma vez você se vangloriou nas riquezas, amigos, fama, pecado; mas, agora, em um Jesus crucificado.

 

III. Os efeitos. “O mundo está crucificado para mim e eu para o mundo”. “Se alguém está em Cristo Jesus, nova criatura é…” [2 Coríntios 5:17]. Quando o mendigo cego de Jericó teve seus olhos abertos pelo Senhor, este mundo estava todo modificado para ele, e ele para o mundo.

 

Assim foi com Paulo, não mais depressa ele elevou-se de seus joelhos, com a paz de Jesus em seu coração, que o mundo foi definitivamente desprezado aos seus olhos. Enquanto ele corria sobre as pedras lisas nas ruas de Damasco, ou olhava para baixo do telhado plano de sua casa sobre os belos jardins nas margens de Abana, o mundo e todo o seu deslumbrante espetáculo pareciam aos seus olhos uma coisa pobre, murcha, crucificada. Uma vez isto foi o seu tudo. Uma vez suas lisonjas macias e escorregadias eram agradáveis como música ao seu ouvido. Uma vez o coração de Paulo esteve posto sobre tudo que o olho natural: riquezas, beleza e prazeres; mas no momento em que ele creu em Jesus, tudo isto começou e definhar. É verdade que eles não foram mortos definitivamente, mas estavam pregados em uma cruz. Eles não tinham mais aquela atração viva para eles, a qual uma vez tiveram; e agora todos os dias eles começavam a perder o seu poder. Como um homem morrendo na cruz enfraquece a cada momento, enquanto o sangue do seu coração escorre a partir das suas feridas profundas de suas mãos e pés, aquilo que uma vez foi o seu tudo, começou a perder a cada momento seu poder de atração. Ele provou tanta doçura em Cristo: o perdão, o acesso a Deus, o sorriso de Deus, o Espírito habitando nEle, e por isso a cada dia o mundo tornava-se mais insípido para ele.

 

Outro efeito foi: “Eu para o mundo”. Enquanto Paulo colocava a mão sobre o seu próprio peito, ele sentia que esse também havia sido transformado. Ele uma vez foi um corajoso cavalo de corrida que corre com ímpeto e não pode ser freado; uma vez Ele foi uma raposa caçadora ao aroma impaciente da cólera; outra vez seu coração corria atrás de fama, honra e elogios do mundo; mas agora estava pregado na cruz, com o coração quebrantado e contrito. É verdade que ele ainda não estava morto e que muitos vacilos despertaram sua velha natureza, fato que o levou aos seus joelhos e o fez clamar por graça para auxílio; porém, ainda assim, quanto mais ele olhou para a cruz de Jesus, mais o seu velho coração foi mortificado. A cada dia ele sentia menos desejo de pecar e mais desejo por Cristo, por Deus e por perfeita santidade.

 

Alguns podem descobrir que nunca vieram a Cristo. Será que o mundo está crucificado para você? Uma vez que este era o seu tudo: o seu louvor, suas riquezas, suas canções, e felizes inclinações? Isso já foi pregado na cruz em sua visão? Oh! coloque a mão em seu coração. Foi-se o seu desejo ardente por coisas terrenas? Os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.

 

Você sente que Jesus crucificou as suas paixões? Você deseja que elas sejam mortificadas? Que resposta vocês podem dar, filhos e filhas do prazer, para quem a dança e música, o espelho e as respostas chistosas são a soma da felicidade? Vós não sois nada de Cristo.

 

Que resposta vocês podem dar, amantes do dinheiro, sórdidos fazedores de dinheiro, que preferem ser um pouco mais soberanos do que ter a graça de Deus em seu coração? Que resposta vocês podem dar, gratificadores da carne, caminhantes da noite, amantes da escuridão? Vós não sois de Cristo. Vocês não vieram a Cristo. O mundo está completamente vivo para vocês, e vocês estão vivos para o mundo. Vocês não podem se gloriar na cruz, e amar o mundo. Ah! pobres almas iludidas, vocês nunca viram a glória do caminho do perdão por Jesus. Vão em frente; amem o mundo, agarrem cada prazer, reúnam montes de dinheiro, alimentem e engordem as suas concupiscências, saciem-se. Do que isso adiantará a vocês quando perderem sua própria alma?

 

Alguns estão dizendo: Ó, que mundo fosse crucificado para mim e eu para o mundo! Ó, que o meu coração fosse tão morto quanto uma pedra para o mundo, e vivo para Jesus! Você realmente deseja isso? Então, olhe para a cruz. Contemple o maravilhoso dom do amor. A salvação é prometida a um olhar. Sente-se como Maria, e contemple a Jesus crucificado. Assim o mundo se tornará uma coisa ofuscada e moribunda. Quando você olha o sol isso faz com que todas as outras coisas escureçam; quando você prova o gosto de mel, isso faz com que todo o mais se torne amargo. Semelhantemente, alimentar-se de Jesus retira a doçura de todas as coisas terrenas: elogios, prazeres, desejos carnais, todos estes perdem a sua doçura. Mantenha um olhar contínuo. Corra, olhando para Jesus. Olhe, até que o caminho da salvação por Jesus preencha todo o horizonte, tão glorioso e em linguagem de paz. Então, o mundo estará crucificado para você, e você para o mundo.

 

25 de Outubro de 1840.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.