Graça e Paz Multiplicadas Pelo Conhecimento de Deus e de Jesus, Nosso Senhor, por A. W. Pink

|

[Capítulo 10 do livro A Guide to Fervent Prayer • Editado]

 

“Graça e paz vos sejam multiplicadas, pelo conhecimento de Deus, e de Jesus nosso Senhor; visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou pela sua glória e virtude.” (2 Pedro 1:2-3)

 

Nenhum estudo aprofundado das orações dos apóstolos, ou das orações da Bíblia como um todo, seria completo sem um exame das bênçãos com que os apóstolos (com exceção de Tiago), antecederam as suas epístolas. Essas saudações iniciais eram muito diferentes do mero ato de cortesia, como quando o comandante dos soldados Romanos em Jerusalém escreveu uma carta nestes termos: “Cláudio Lísias, a Félix, potentíssimo presidente, saúde” (Atos 23:26). Os seus discursos introdutórios eram muito mais do que uma formalidade cortês, sim, do que as expressões de um desejo gentil. Sua “Graça a vós e paz” era uma oração, um ato de adoração, em que Cristo era sempre abordado em união com o Pai. Isso significa que um pedido por essas bênçãos foi feito diante do trono. Tais bênçãos evidenciavam a afeição calorosa que os apóstolos tinham por aqueles a quem escreveram, e demonstravam os seus desejos espirituais em nome deles. Ao colocar estas palavras de bênção no início de sua epístola, o apóstolo Pedro manifesta poderosamente como seu próprio coração foi afetado pela bondade de Deus para com seus irmãos.

 

Aquilo que agora envolve a nossa atenção pode ser considerado sob os seguintes tópicos. Primeiro, olharemos para a essência da oração: “graça e paz”, essas são as bênçãos suplicadas a Deus. Em segundo lugar, devemos ponderar a medida desejada de sua concessão: “vos sejam multiplicadas”. Em terceiro lugar, contemplaremos o meio de sua comunicação: “pelo conhecimento de Deus, e de Jesus nosso Senhor”. Em quarto lugar, examinaremos o motivo que levou o pedido: “Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade” (v. 3). Antes de preencher esse esboço ou fazer uma exposição desses versículos, apontaremos o que está implícito por meio desta oração (especialmente para o benefício de jovens pregadores, para quem é especialmente vital aprender como um texto deve ser ponderado).

 

As Implicações Vitais desta Bênção

 

Na busca do apóstolo por Deus quanto a tais bênçãos como estas para os santos, as seguintes lições vitais são ensinadas por implicação: (1) que ninguém pode merecer qualquer coisa das mãos de Deus, pois a graça e mérito são opostos; (2) que não pode haver paz verdadeira à parte da Divina graça “Não há paz para os ímpios, diz o meu Deus” (Isaías 57:21); (3) que, mesmo o regenerado permanece em necessidade, constante precisão, da graça de Deus; e (4) o regenerado, portanto, deve ser vil aos seus próprios olhos. Se quisermos receber mais de Deus, então devemos apresentar os nossos corações a Ele como vasos vazios. Quando Abraão estava prestes a fazer súplica ao Senhor, ele humilhou a si mesmo como “pó e cinza” (Gênesis 18:27); e Jacó reconheceu que ele não era digno da menor de Suas misericórdias (Gênesis 32:10); (5) Tal pedido como o que Pedro está fazendo aqui é uma confissão tácita da total dependência dos crentes sobre a bondade de Deus, de forma que somente Ele é capaz de suprir as suas necessidades; (6) Ao pedir que a graça e paz fossem multiplicadas a eles, o reconhecimento é feito que não só o início e continuidade delas, mas também o seu crescimento procede da boa vontade de Deus; (7) Por isso, a intimação é dada: “abre bem a tua [nossa] boca” (Salmos 81:10) para Deus. Sim, é um mau sinal o contentar-se com pequena graça. “Nunca foi bom aquele que não deseja crescer mais”, diz Manton.

 

O Caráter Especial da Segunda Epístola

 

Uma palavra também precisa ser dita sobre o caráter do livro em que esta oração particular é encontrada. Como toda segunda Epístola, esta trata de um estado de coisas em que o falso ensino e apostasia tinham um lugar mais ou menos proeminente. Uma das principais diferenças entre as duas epístolas é esta: enquanto que em sua primeira Epístola, o propósito principal de Pedro era fortalecer e confortar os seus irmãos em meio ao sofrimento a que estavam expostos devido ao mundo profano (pagão) (veja o capítulo 4), e ele agora graciosamente os adverte (2 Pedro 2:1; 3:1-4) e confirma (2 Pedro 1:5-11; 3:14) contra um perigo pior do que o mundo professo, a partir daqueles dentro da Cristandade, o qual os ameaçava. Em sua primeira Epístola, Pedro tinha representado o seu grande adversário, o diabo, como um leão que ruge (1 Pedro 5:8). Mas aqui, sem nomeá-lo diretamente, ele retrata Satanás como um anjo de luz (mas, na realidade, a serpente sutil), que já não está perseguindo, mas buscando corrompê-los e envenená-los por meio de falsos ensinamentos. No segundo capítulo, esses falsos mestres são denunciados (1) como os homens que haviam negado o Senhor que os resgatou (v. 1), e (2) como licenciosos (vv. 10-14, 19), que dão liberdade aos seus apetites carnais.

 

O apóstolo Pedro dirige sua epístola aos que “alcançaram fé igualmente preciosa pela justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo” (2 Pedro 1:1, as palavras ordenadas aqui de acordo com o texto grego e VKJ, nota marginal). A palavra fé aqui refere-se a esse ato da alma através do qual a verdade divinamente revelada é salvificamente apreendida. Sua fé é declarada ser “preciosa”, pois é um dos dons escolhidos de Deus e o fruto imediato do poder regenerador do Seu Espírito. Isto é enfatizado na expressão “alcançaram” (lagchan?, Nº 2975, em Strong e Thayer). É a mesma palavra Grega encontrada em Lucas 1:9: “coube-lhe em sorte entrar no templo do Senhor para oferecer o incenso”. Ela aparece novamente em João 19:24: “Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela”. Assim, esses santos foram lembrados de que eles deviam a sua fé salvadora não a qualquer sagacidade superior da parte deles, mas apenas às distribuições da graça. Isso ocorreu com eles, como com o próprio Pedro. A revelação foi feita a eles: não pela carne e sangue, mas pelo Pai celestial (Mateus 16:17). Na distribuição de favores de Deus uma bendita porção havia caído para eles, mesmo “a fé dos eleitos de Deus” (Tito 1:1). Eles a quem Pedro se dirige são os gentios, e o nós em que ele se inclui são os judeus. Sua fé tinha por objeto a perfeita justiça de Cristo, seu Fiador, pois as palavras “pela justiça do” são, provavelmente, melhor traduzidas e compreendidas “na justiça do” Divino Salvador.

 

A Substância da Bênção de Pedro

 

Tendo assim descrito seus leitores por sua posição espiritual, Pedro acrescenta sua bênção apostólica: “Graça e paz vos sejam multiplicadas”. A combinada bênção apostólica e saudação (que contém os elementos, graça e paz) é essencialmente o mesmo que a empregada por Paulo em dez de suas Epístolas, bem como por Pedro em 1 Pedro. Em 1 e 2 Timóteo e Tito, Paulo acrescentou o elemento misericórdia, como o fez João em João 2. Judas usou os elementos misericórdia, paz e amor. Assim, nós aprendemos que os apóstolos, ao pronunciarem bênçãos ditadas pelo Espírito sobre os crentes a quem escreveu, combinaram a graça, a palavra de ordem na era da Nova Aliança (João 1:14, 17) com a paz, a distintiva bênção Hebraica. Quem leu o Antigo Testamento com atenção se lembrará com que frequência a saudação “a paz esteja contigo”, ou algo semelhante é encontrada (Gênesis 43:23; Juízes 6:23; 18:6; etc.) “Haja paz dentro de teus muros, e prosperidade dentro dos teus palácios” (Salmos 122:7), clama Davi, enquanto ele contempla com expectativa as bênçãos espirituais e temporais que ele deseja para Jerusalém e, portanto, a favor de Israel (cf. vv. 6, 8, bem como todo o Salmo). Este texto mostra que a palavra paz era um termo genérico para designar o bem-estar. Desde a sua utilização pelo Salvador ressuscitado em João 20:19, concluímos que era um resumo de inclusão de toda bênção. Nas Epístolas e Livro do Apocalipse […] os termos graça e/ou paz são frequentemente usados ??em saudações e bênçãos conclusivas. A palavra paz é usada de maneiras diversas por oito vezes (Romanos 16:20; 2 Coríntios 13:11; Efésios 6:23; 1 Tessalonicenses 5:23; 2 Tessalonicenses 3:16; Hebreus 13:20; 1 Pedro 5:14; 3 João 14), seis dessas vezes em maior ou menor proximidade com a palavra graça, que é usada dezoito vezes (Romanos 16:20, 24; 1 Coríntios 16:23; 2 Coríntios 13:14; Gálatas 6:18; Efésios 6:24; Filipenses 4:23; Colossenses 4:18; 1 Tessalonicenses 5:28; 2 Tessalonicenses 3:18; 1 Timóteo 6:21; 2 Timóteo 4:22; Tito 3:15; Filemom 1:24; Hebreus 13:25; 1 Pedro 5:10; 2 Pedro 3:18; Apocalipse 22:21). Obviamente, a cláusula “A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco”, ou alguma variação disso, é a mais característica bênção conclusiva empregada pelos apóstolos. À luz da sua compreensão das realidades gloriosas da era do Evangelho (Atos 10, 11, especialmente vv. 1-18), é evidente, por esta bênção, que o apóstolo Pedro vê e abraça tanto judeus crentes e gentios crentes, como unidos no compartilhamento da plena bênção de grande salvação de Deus.

 

Tendo um desejo sincero pelo bem-estar deles, Pedro pediu para os santos as mais preciosas bênçãos que lhes poderiam ser conferidas, para que eles pudessem ser moral e espiritualmente enriquecidos, tanto interna como externamente. “Graça e paz” contém a soma das dádivas do Evangelho e o suprimento de todas as nossas necessidades. Juntas, elas incluem todos os tipos de bênçãos, e, portanto, elas são as coisas mais abrangentes que podem ser solicitadas a Deus. Elas são os mais valiosos favores que podemos desejar para nós mesmos, e para os nossos irmãos! Elas devem ser solicitadas por meio da fé, da parte de Deus nosso Pai, em confiança na mediação e os méritos de nosso Senhor Jesus Cristo. “Graça e paz” são a própria essência, assim como o todo, da verdadeira felicidade de um crente nesta vida, o que explica o desejo do apóstolo de que seus irmãos em Cristo pudessem abundantemente participar delas.

 

Pedro Ora para que seus Irmãos Cresçam na Graça

 

A graça não deve ser entendida no sentido do distintivo favor redentor de Deus, pois estes santos já eram objetos desta graça; nem isso deve ser tomado como um princípio espiritual dentro da natureza, pois este foi dado a eles no novo nascimento. Antes, isso se refere a uma maior manifestação da natureza espiritual e semelhança Divina que alguém recebeu de Deus e uma dependência maior e mais alegre sobre o Doador (2 Coríntios 12:9). Também se refere aos dons Divinos que induzem a esse crescimento. Falando de Cristo, o apóstolo João declara: “E todos nós recebemos também da sua plenitude, e graça por [“sobre”, margem da American Standard Version] graça” (João 1:16). Matthew Poole comenta da seguinte forma:

 

E graça por graça: temos recebido não gotas, mas graça sobre graça; não somente o conhecimento e instrução, mas o amor e a graça de Deus, e os hábitos espirituais, na proporção do favor e da graça que há em Cristo (permitindo nossas pequenas capacidades); recebemos a graça livremente e com abundância, tudo a partir de Cristo, e por causa dEle; pelo que vemos o quanto a alma que recebe a graça é obrigada a reconhecer e adorar a Cristo, e pode ser confirmada no recebimento de mais graça, e de esperanças de vida eterna. (Itálicos pelo autor)

 

É evidente a partir de 1 Pedro 4:10 que a graça de Deus é multiforme, sendo dispensada aos Seus santos em várias formas e medidas de acordo com as suas necessidades, mas para a edificação não somente do indivíduo, mas do Corpo de Cristo como um todo (Efésios 4:7-16). No próprio final desta Epístola, Pedro ordena aos seus leitores, dizendo: “Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo” (2 Pedro 3:18; cf. Efésios 4:15). Assim, vemos a adequação da oração de Pedro, que Deus exerceria ainda mais Sua benignidade para com eles. Vemos também a necessidade da nossa oração, desta mesma forma, para nós mesmos e para os outros.

 

Assim, vemos que, embora o significado fundamental e referência da graça é o favor redentor de Deus, gratuitamente concedido, ainda assim o termo é frequentemente usado em um sentido mais amplo para incluir todas essas bênçãos que fluem da Sua bondade soberana. Desta forma é que a graça deve ser entendida nas bênçãos apostólicas: a oração para a contínua e crescente manifestação da expressão da boa obra que Ele já começou (Filipenses 1:6). “Graça e paz”. Os dois benefícios são adequadamente unidos, pois um nunca é encontrado sem o outro. Sem graça conciliadora, não pode haver paz sólida e duradoura. A primeira é a boa vontade de Deus para conosco; a última é a Sua grande obra em nós. Na proporção em que a graça é comunicada, a paz é apreciada: a graça santifica o coração; a paz conforta a alma.

 

Embora a Paz Comece com a Justificação, Ela é Mantida pela Nossa Obediência

 

A paz é um dos principais frutos do Evangelho, enquanto é recebida em um coração crente, sendo aquela tranquilidade de espírito que advém da sensação de nossa aceitação da parte de Deus. Não é uma objetiva, mas uma paz subjetiva que está aqui em vista. “Paz com Deus” (Romanos 5:1) é fundamentalmente judicial, sendo o que Cristo fez por Seu povo (Colossenses 1:20). Ainda assim, a fé transmite uma resposta à consciência a respeito de nossa reconciliação com Deus. Na proporção em que a nossa fé repousa sobre a paz feita com Deus pelo sangue de Cristo, e de nossa aceitação nEle, será a nossa paz interior. Em e através de Cristo, Deus está em paz com os crentes, e o feliz efeito desta em nossos corações é uma perceptível “justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” (Romanos 14:17). Mas não estamos em uma capacidade para receber e desfrutar as bênçãos até que nos rendamos ao senhorio de Cristo e levemos o Seu jugo sobre nós (Mateus 11:29, 30). É necessário, portanto, que Paulo diga: “E a paz de Deus, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações” (Colossenses 3:15). Este é o tipo de paz pelo que apóstolos oraram em favor de seus irmãos. Esta paz é o fruto de uma segurança bíblica do favor de Deus, o qual, por sua vez, vem da manutenção da comunhão com Ele por uma caminhada obediente. É também a paz conosco. Estamos em paz conosco quando a consciência deixa de acusar-nos, e quando nossos afetos e vontades submetem-se a uma mente iluminada. Além disso, inclui a concórdia e amizade com os nossos irmãos em Cristo (Romanos 5:5-6). Que excelente exemplo nos foi deixado pela igreja em Jerusalém: “E era um o coração e a alma da multidão dos que criam” (Atos 4:32).

 

A Medida de Concessão Desejada: A Multiplicação de Graça e Paz

 

Graça e paz são a presente herança do povo de Deus, e delas Pedro desejava que eles fruíssem muitíssimo mais do que um simples gole ou prova. Como 1 Pedro 3:18 indica, ele desejava que eles “crescessem na graça”, e que eles fossem cheios de paz (cf. Romanos 15:13); assim, ele fez solicitação nesse sentido. “Graça e paz vos sejam multiplicadas”. Por essas palavras Pedro apela a Deus para visitá-los com ainda maiores e mais abundantes demonstrações de Sua bondade. Ele ora não somente para que Deus possa conceder a eles mais e maiores manifestações da Sua graça e paz, mas também que as fracas capacidades deles compreendessem que o Deus fizera por suas almas poderia ser grandemente ampliado. Ele ora para que uma oferta abundante de graça e de paz seja conferida a eles. Eles já foram os participantes favorecidos desses favores Divinos, mas o pedido foi feito por um aumento abundante desses benefícios. As coisas espirituais (ao contrário das materiais) não saciam no gozo delas, e, portanto, não podemos ter em demasia delas. As palavras “paz vos sejam multiplicadas” indicam que há graus de segurança sobre a nossa condição em relação a Deus, e que nós nunca deixaremos de ser dependentes da livre graça. As dimensões deste pedido nos ensinam que é nosso privilégio pedir a Deus, não somente por mais graça e paz, mas por uma ampliação das mesmas, pelo que Deus é mais honrado quando fazemos as maiores solicitações de Sua graça. Se nossos espíritos são estreitados em seu deleite de graça e paz de Deus, é devido à insignificância de nossas orações e nunca por qualquer avareza nEle.

 

O Meio pelo Qual a Graça e Paz são Transmitidas

 

“Pelo conhecimento de Deus, e de Jesus nosso Senhor”. O leitor atento, que não é muito lento em comparar Escritura com Escritura, terá observado uma variação da saudação usada por Pedro em sua primeira epístola (1 Pedro 1:2). Lá, ele orou: “Graça e paz vos sejam multiplicadas”. A adição (“pelo conhecimento de Deus” etc.) feita aqui é significativa, de acordo com a mudança de propósito de Pedro e adequação ao seu objetivo atual. O estudante também pode ter notado que o conhecimento é uma das palavras de destaque desta epístola (veja 2 Pedro 1:2, 3, 5, 6, 8; 2:20; 3:18). Devemos considerar também a frequência com que Cristo é designado “nosso Senhor” ou “nosso Salvador” (2 Pedro 1:1, 2, 8, 11, 14, 16; 3:15, 18), pelo que Pedro traça um contraste acentuado entre os verdadeiros discípulos e os falsos professos do Cristianismo, os quais não se submeterão ao cetro de Cristo. Esse “conhecimento de Deus” aqui mencionado não é natural, mas um conhecimento espiritual, não especulativo, mas experiencial. Nem é simplesmente um conhecimento do Deus da criação e da providência, mas de um Deus que está em aliança com os homens através de Jesus Cristo. Isto é evidente a partir de seu ser mencionado em conexão com as palavras “e de Jesus nosso Senhor”. É, portanto, um conhecimento evangélico de Deus que está aqui em vista. Não pode haver conhecimento salvífico, exceto em e através de Cristo, mesmo como o próprio Cristo declarou: “ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar” (Mateus 11:27).

 

Na medida em que esta oração foi para que a graça e paz fossem “multiplicadas” aos santos “pelo [ou no] conhecimento de Deus”, havia uma tácita indicação de que eles tanto manteriam e progrediriam nesse conhecimento. Calvino comenta da seguinte forma:

 

Através do conhecimento, literalmente, no conhecimento; apenas a preposição en [Nº. 1722, em Strong e Thayer] muitas vezes significa “através de” ou “com”: ainda assim, ambos os sentidos podem se adequar ao contexto. Estou, no entanto, mais disposto a adotar o primeiro. Pois, quanto mais alguém avança no conhecimento de Deus, todo o tipo de bênção aumenta também igualmente, com a percepção do amor Divino.

 

O conhecimento espiritual e experiencial de Deus é o grande meio pelo qual todas as influências da graça e paz são transmitidas para nós. Deus trabalha em nós, como criaturas racionais de uma forma que está de acordo com a nossa natureza intelectual e moral, com o conhecimento precedendo todo o mais. Assim como não há paz verdadeira à parte da graça, assim não há nenhuma graça ou paz sem um conhecimento salvífico de Deus; e nenhum tal conhecimento de Deus é possível, senão em e através de “Jesus, nosso Senhor”, pois Cristo é o Meio através do qual todas as bênçãos são transmitidas aos membros do Seu Corpo místico. Quanto mais janelas há em uma casa, mais luz solar entra nela; deste modo, quanto maior o nosso conhecimento de Deus, maior é a nossa medida de graça e paz. Todavia, o conhecimento evangélico do santo mais maduro é apenas fragmentário e frágil e, portanto, requer o aumento contínuo pela bênção Divina sobre aqueles meios que foram nomeados para seu aperfeiçoamento e fortalecimento.

 

A Realização Divina que Moveu Pedro à Oração

 

“Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou pela sua glória e virtude” (v. 3). Nisso o apóstolo encontrou a motivação para fazer a solicitação acima. Foi porque Deus já havia operado tão maravilhosamente nestes santos que ele foi levado a solicitar que Ele continuasse a lidar generosamente com eles. Também podemos considerar este terceiro versículo como sendo trazido para incentivar a fé daqueles Cristãos: uma vez que Deus havia feito tão grandes coisas por eles, eles devem esperar suprimentos mais liberais da parte dEle. Observe que o motivo inspirador foi puramente evangélico, e não legal ou mercenário. Deus havia concedido a eles tudo o que era necessário para a produção e preservação da espiritualidade em suas almas, e o apóstolo desejava vê-los mantidos em uma condição saudável e vigorosa. O poder divino é o fundamento da vida espiritual, a graça é o que a sustenta, e a paz é a atmosfera em que ela vive. As palavras “tudo o que diz respeito à vida e piedade” também podem ser entendidas como referindo-se, finalmente, à vida eterna na glória: o direito a ela, uma aptidão para ela, e uma garantia dela, que já haviam sido concedidos a eles.

 

Finalmente, é essencial para o nosso crescimento Cristão perceber que o conteúdo do versículo 3 deve ser considerado como o fundamento da exortação nos versículos 5 a 7. Assim, o suprimento solicitado no versículo 2 deve ser considerado como a capacitação necessária para toda frutificação espiritual e boas obras. Vamos, então, exercer a maior diligência para permanecer em Cristo (João 15:1-5), tanto em nossas orações e em todos os nossos pensamentos, palavras e ações.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.