Graça, Eleição e Glória, por A. W. Pink

|

[Capítulo 8 do livro A Guide to Fervent Prayer • Editado]

 

“E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus nos chamou à sua eterna glória, depois de havemos padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoe, confirme, fortifique e estabeleça. A ele seja a glória e o poderio para todo o sempre. Amém” (1 Pedro 5:10-11)

 

“E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus nos chamou”. No último capítulo (utilizando a análise de Thomas Goodwin) foi apontado que este título mui abençoado tem relação com o que Deus é em Si mesmo, o que Ele é em Seu propósito eterno, e o que Ele é em Suas atuações em relação ao Seu povo. Aqui, nas palavras que acabamos de citar, vemos as três coisas unidas em uma referência ao chamado eficaz de Deus, pelo que Ele traz uma alma das trevas da natureza para a Sua própria maravilhosa luz (1 Pedro 2:9). Esta especial chamada interior do Espírito Santo, que produz imediata e infalivelmente arrependimento e fé em seu objeto, fornece, assim, a primeira prova evidente ou exterior que o novo crente recebe de que Deus é, em verdade, para ele “o Deus de toda graça”. Embora esta não tenha sido a primeira saída do coração de Deus para ele, no entanto, está é a prova de que o Seu amor fora estabelecido sobre ele desde a eternidade. “E aos que predestinou a estes também chamou” (Romanos 8:30). Deus tem “elegido desde o princípio [o Seu povo] para a salvação” (2 Tessalonicenses 2:13-14). No devido tempo, Ele opera a salvação deles pelas operações invencíveis do Espírito, que capacita e faz com que eles creiam no Evangelho. Eles creem através da graça (Atos 18:27), pois a fé é o dom da graça Divina (Efésios 2:8), e ela é dada a eles, porque eles pertencem à “eleição da graça” (Romanos 11:5). Eles pertencem a essa eleição favorecida porque o Deus de toda a graça, desde a eternidade passada, os escolheu para serem os monumentos eternos da Sua graça.

 

A Regeneração é o Fruto da Eleição, Não a Sua Causa

 

A graça que havia no coração de Deus, que O levou a chamar-nos é evidente a partir de 2 Timóteo 1:9: “Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação; não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos”. A regeneração (ou chamada eficaz) é a consequência e não a causa, da predestinação Divina. Deus resolveu nos amar com um amor imutável, e este amor designou que fôssemos participantes de Sua glória eterna. Sua boa vontade por nos O moveu de modo infalível a realizar todas as resoluções da Sua livre graça para conosco, de modo que nada pode impedi-lO, embora no exercício de Sua graça Ele sempre age de uma maneira que seja consistente com as Suas demais perfeições. Ninguém magnifica a graça de Deus mais do que Goodwin; no entanto, quando perguntado: “Será que a prerrogativa Divina da graça significa que Deus salva os homens, mesmo que eles continuem a ser o que quiserem?”, ele respondeu:

 

Deus me livre. Nós negamos tal soberania assim compreendida, como se ela salvasse qualquer homem sem regra, muito menos contra regra. O próprio versículo que fala de Deus como “o Deus de toda graça” em relação à nossa salvação acrescenta “que nos chamou”, e nosso chamado é um chamado santo (2 Timóteo 1:9). Embora o fundamento do Senhor permaneça, ainda assim é acrescentado: “e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade” (2 Timóteo 2:19), ou ele não pode ser salvo.

 

Ajuda-nos a obter uma melhor compreensão deste título Divino: “o Deus de toda graça”, se o compararmos com outro encontrado em 2 Coríntios 1:3: “o Deus de toda a consolação”. A principal distinção entre os dois está em sendo este último mais restrito ao aspecto da dispensação da graça de Deus, como as palavras que se seguem mostram: “Que nos consola em toda a nossa tribulação” (2 Coríntios 1:4). Como “o Deus de toda a consolação”, Ele não somente é o Doador de toda a real consolação e o Sustentador em todas as tribulações, mas também o Doador de todos os confortos temporais ou misericórdias. Pois, qualquer refrigério natural ou benefício que nós derivamos de Suas criaturas é devido somente a Sua bênção para nós. Da mesma forma, Ele é o Deus de toda a graça: graça buscadora, graça vivificante, graça perdoadora, graça purificadora, graça da provisão, graça da restauração, graça da preservação, graça da glorificação, graça de todo tipo, e em plena medida. No entanto, embora a expressão “o Deus de toda a consolação” sirva para ilustrar o título que estamos aqui considerando, no entanto, fica aquém daquele. Pois, as dispensações da graça de Deus são mais extensas do que as de Seu conforto. Em certos casos, Deus dá a graça onde Ele não dá conforto. Por exemplo, a Sua graça iluminadora traz consigo as dores da convicção do pecado, o que às vezes duram uma temporada longa antes que qualquer alívio seja concedido. Além disso, sob Sua vara de correção, a graça sustentadora é concedida, onde o conforto é retido.

 

Deus Dispensa todos os Tipos de Graça Precisamente de Acordo com a Necessidade

 

Não apenas há em Deus todos os tipos concebíveis de graça disponíveis para nós, mas Ele sempre a concede justamente na hora de nossa necessidade; pois, nessa ocasião, o Seu favor concedido gratuitamente obtém a melhor oportunidade em que mostrar-se. Somos livremente convidados a chegar com confiança ao trono da graça, para que possamos “alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno” (Hebreus 4:16), ou como Salomão o expressou, que o Senhor Deus sustentasse a causa de Seu povo Israel “a cada qual no seu dia” (1 Reis 8:59). Esse é o nosso gracioso Deus, ministrando a nós em todos os momentos, assim como em todas as questões. O apóstolo Paulo declara (falando para os crentes): “Não veio sobre vós tentação, senão humana [ou seja, apenas tal que é comum à natureza humana decaída, pois o pecado contra o Espírito Santo só é cometido por tais que têm como que uma afinidade incomum com Satanás e seus maus desígnios para impedir o reinado da graça de Cristo]; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar” (1 Coríntios 10:13). O Senhor Jesus Cristo declarou: “Todo o pecado e blasfêmia [com exceção exatamente da mencionada acima] se perdoará aos homens” (Mateus 12:31). Pois, o Deus de toda graça opera arrependimento e perdoa todos os tipos de pecados, aqueles cometidos após a conversão, bem como aqueles antes, como os casos de Davi e Pedro demonstram. Diz Ele: “Eu sararei a sua infidelidade, eu voluntariamente os amarei” (Oséias 14:4). Plena causa cada um de nós tem para dizer ternamente a partir da experiência: “a graça de nosso Senhor superabundou” (1 Timóteo 1:14).

 

A Prova Infalível de Sua Abundante Graça em Direção Àqueles que São Seus

 

“E o Deus de toda a graça… nos chamou à sua eterna glória”. Aqui está a maior e mais grandiosa prova de que Ele é realmente o Deus de toda graça para o Seu povo. Nenhuma evidência mais convincente e bendita é necessária para manifestar a boa vontade que Ele tem por eles. A graça abundante que há em Seu coração em relação a eles e o propósito beneficente que Ele tem para eles são feitas claramente evidentes aqui. Eles são “os [únicos] chamados de acordo com o seu propósito” (Romanos 8:18), a saber, aquele “eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor” (Efésios 3:11). O chamado eficaz que traz da morte para a vida é a primeira abertura irrompendo a graça eletiva de Deus, e é a base de todos os atos de Sua graça por eles, posteriormente. É então que Ele começa aquela Sua “boa obra” naqueles em que Ele finalmente completará no “dia de Cristo Jesus” (Filipenses 1:6). Por meio disso, eles são chamados a uma vida de santidade aqui e a uma vida de glória no porvir. Na cláusula “nos chamou à sua eterna glória”, somos informados sobre aqueles de nós que uma vez já foram “por natureza filhos da ira” (Efésios 2:3), mas agora, pela graça de Deus são “participantes da divina natureza” (2 Pedro 1:4), também serão participantes da glória eterna de Deus. Embora o chamado eficaz de Deus não os traga para a posse real disso, de uma vez, ainda assim, os qualifica totalmente e capacita-os a participar de Sua glória para sempre. Assim, o apóstolo Paulo diz aos Colossenses que está “Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz” (Colossenses 1:12).

 

Mas, olhemos para além do mais delicioso dos fluxos de graça para a sua Fonte comum. É a infinita graça que há na natureza de Deus, que se compromete a fazer bom o Seu propósito beneficente e que fornece continuamente estes fluxos. Deve ser bem observado que quando Deus proferiu essa grande carta da graça “[Eu] me compadecerei de quem eu me compadecer”, Ele a prefaciou com estas palavras: “Eu farei passar toda a minha bondade por diante de ti, e proclamarei o nome do Senhor diante de ti” (Êxodo 33:19). Toda esta graça e misericórdia que está no próprio Jeová, e que deve ser feita conhecida de Seu povo, era para atrair a atenção de Moisés antes que a sua mente se voltasse a considerar a soma dos Seus decretos ou graça designada. O verdadeiro oceano de bondade que está em Deus está empenhado em promover o bem de Seu povo. Foi essa bondade que Ele fez passar diante dos olhos de Seu servo. Moisés foi animado pela contemplação de uma riqueza tão ilimitada de benevolência, tanto que ele estava completamente certo de que o Deus de toda graça seria realmente gracioso para aqueles a quem Ele escolheu em Cristo antes da fundação do mundo. E é esta graça essencial enraizada no próprio ser de Deus que deve ser o primeiro objeto da fé; e quanto mais a nossa fé é direcionada para a mesma, mais nossas almas serão sustentadas na hora da tribulação, convencidas de que tal Pessoa não falhará conosco.

 

O Argumento em que Pedro Baseia Sua Petição

 

Em quarto lugar, examinemos o fundamento sobre o qual o apóstolo Pedro baseia sua petição: “E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus nos chamou à sua eterna glória”. Esta cláusula é, sem dúvida, trazida para engrandecer a Deus e para exemplificar Sua maravilhosa graça. Ainda assim, considerada separadamente, em relação à oração como um todo, é o apelo feito pelo apóstolo em apoio à petição que segue. Ele estava fazendo pedido para que Deus aperfeiçoe, confirme, fortaleça e estabeleça os Seus santos. Isso foi equivalente a dizer: “Desde que Tu já fizeste o maior, conceder-lhes o menor; vendo que eles devem ser participantes da Tua glória eterna em Cristo, dê-lhes o que eles precisam enquanto permanecerem neste mundo passageiro”. Se nossos corações fossem mais engajados com quem nos chamou, e com o que Ele nos designou, não só nossas bocas se abririam mais, mas seríamos mais confiantes, sendo cheias de louvores a Deus. Ele não é outro senão Jeová, que está sentado no Seu trono resplandecente, cercado pelas adoradoras hostes celestes, Quem em breve dirá a cada um de nós: “Vinde a Mim e deleita-te em Minhas perfeições”. Você pensa que Ele reterá qualquer coisa que seja verdadeiramente para o seu bem? Se Ele me chamou para o céu, há alguma coisa necessária na terra que Ele me negará?

 

Que apelo poderosíssimo e predominante é este! Em primeiro lugar, é como se o apóstolo dissesse: “Tu tens atentado para as obras das Tuas mãos. Tu realmente os chamaste das trevas para a luz, mas eles ainda são terrivelmente ignorantes. É Teu gracioso prazer que eles passem a eternidade em Tua presença imediata no alto, mas eles estão aqui no deserto, e estão rodeados de fraquezas. Então, tendo em vista tanto um quanto o outro, continue todas as outras obras da graça em direção a eles e neles, que são necessárias a fim de trazê-los para a glória”. O que Deus já fez por nós, não somente deve ser um motivo de confiante expectativa do que Ele ainda fará (2 Coríntios 1:10), mas isso deve ser usado por nós como um argumento ao fazer nossos pedidos a Deus. “Visto que Tu me regeneras-te, faça-me agora crescer na graça. Visto que puseste em meu coração um ódio ao pecado e uma fome de justiça, intensifica os mesmos. Posto que Tu me fizeste um ramo da Videira, faça-me um ramo mui frutífero. Pois que me uniste ao Teu Filho amado, permita-me manifestar os Teus louvores, para honrá-lO em minha vida diária, e, portanto, para recomendá-lO àqueles que não O conhecem”. Entretanto, estou antecipando um pouco o próximo ponto.

 

O Nosso Chamado e a Justificação são Motivos de Grande Louvor e Expectativa

 

Nesta obra única do chamado, Deus Se mostrou ser o Deus de toda graça para você, e isso deve grandemente fortalecer e confirmar a sua fé nEle. “Aos que chamou a estes também justificou” (Romanos 8:30). A justificação é composta de duas coisas: (1) Deus perdoando-nos e declarando-nos ser “inocentes”, como se nunca tivéssemos pecado; e (2) Deus nos declarando ser “justos”, exatamente como se tivéssemos obedecido perfeitamente a todos os Seus mandamentos. Para estimar a plenitude de Sua graça no perdão, você deve calcular o número e a atrocidade de seus pecados. Eles eram mais do que os cabelos da sua cabeça; pois você “nasce como a cria do jumento montês” (Jó 11:12), e desde as primeiras auroras da razão, toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente (Gênesis 6:5). Quanto à criminalidade, a maioria de seus pecados foram cometidos contra a voz da consciência, e consistiam em privilégios desprezados e misericórdias abusadas. No entanto, a Sua Palavra declara que Ele lhe perdoou “todas as ofensas” (Colossenses 2:13). Como isso deve derreter o seu coração e levá-lo a adorar “o Deus de toda graça”. Como isso deve fazê-lo plenamente convencido de que Ele continuará a lidar com você não de acordo com as suas transgressões, mas segundo a Sua própria bondade e benignidade. É verdade, Ele ainda não o livrou da corrupção que habita no seu interior, mas isso concede nova ocasião para Ele mostrar a Sua paciente graça para com você.

Embora maravilhoso como é tal favor, ainda assim o perdão dos pecados é apenas metade do lado legal da nossa salvação, e a parte negativa e inferior dela. Embora, por um lado, tudo que estava registrado contra mim no que diz respeito ao débito tenha sido apagado, contudo, por outro lado, não há um único item em meu crédito. Desde a hora do meu nascimento até o momento da minha conversão nenhuma boa ação foi registrada na minha conta, pois nenhuma das minhas ações ocorreu em um princípio puro, não sendo realizada para glória de Deus. Fluindo de uma fonte suja, os fluxos de minhas melhores obras eram poluídos (Isaías 64:6). Como, então, Deus poderia me justificar, ou declarar-me ter alcançado o padrão exigido? Esse padrão é uma conformidade perfeita e perpétua à Lei Divina, pois nada menos assegura a sua recompensa. Aqui, novamente as riquezas maravilhosas da graça Divina aparecem. Deus não somente apagou todas as minhas iniquidades, mas creditou em minha conta uma justiça plena e sem falhas, tendo imputado a mim a perfeita obediência de Seu Filho encarnado: “Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo… Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos [ou seja, legalmente constituídos] justos” (Romanos 5:17, 19). Quando Deus efetivamente lhe chamou, o revestiu “com o manto de justiça [de Cristo]” (Isaías 61:10), e essa veste concede a você um direito inalienável à herança (Romanos 8:17).

 

A Glorificação, Desde o Princípio, Era o Objetivo Final de Deus Para Nós

 

“Que em Cristo Jesus nos chamou à sua eterna glória”. Quando Deus regenera uma alma Ele lhe dá fé. Ao exercer fé em Cristo, aquilo que a desqualificava para a glória eterna (ou seja, a sua contaminação, culpa e amor ao pecado) é removida, e um título seguro para o céu é concedido. O chamado eficaz de Deus é tanto a nossa qualificação quanto um pagamento inicial pela glória eterna. Nossa glorificação era o grande objetivo que Deus tinha em vista desde o princípio, e tudo o que Ele faz por nós e opera em nós aqui, são apenas os meios e os pré-requisitos para esta finalidade. Depois de Sua própria glória nisso, a nossa glorificação é o propósito supremo de Deus ao eleger-nos e chamar-nos. “Por vos ter Deus elegido desde o princípio… para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo” (2 Tessalonicenses 2:13-14). “E aos que predestinou… também glorificou” (Romanos 8:30). “Não temais, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino” (Lucas 12:32). “Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mateus 25:34). Cada um desses textos estabelece o fato de que o povo crente em Cristo deve herdar o reino celestial e eterna glória da parte do Deus Triuno. Nada menos do que isso foi em que o Deus de toda graça estabeleceu o Seu coração como a porção de Seus filhos amados. Assim, quando a nossa eleição é feita manifesta inicialmente por Seu chamado eficaz, Deus é tão decidido quanto a essa glória que Ele imediatamente nos concede um título a ela.

 

Goodwin deu um exemplo notável do que acabamos de dizer, a partir do relacionamento de Deus com Davi. Enquanto Davi era apenas um simples menino pastor, Deus enviou Samuel para ungi-lo rei abertamente diante de seu pai e irmãos (1 Samuel 16:13). Por esse ato solene Deus o investiu com um direito visível e irrevogável ao reino de Judá e Israel. Deus adiou por muitos anos a sua posse real do trono do reino, no entanto, seu título Divino ao mesmo foi dado em Sua unção, e Deus Se ocupou em fazer isto firme, jurando não Se arrepender. Então Deus suportou Saul (uma figura de Satanás), que ordenou todas as forças militares de seu reino e a maioria de seus súditos, para fazer o seu pior. Deus fez isso para demonstrar que nenhum conselho Seu pode ser frustrado. Embora por um período Davi esteve exposto como uma perdiz nas montanhas e tinha que fugir de um lugar para outro, no entanto, ele foi milagrosamente preservado por Deus e, finalmente, trazido ao trono. Assim, na regeneração, Deus nos unge com o Seu Espírito, nos separa e nos concede um título para a glória eterna. E embora posteriormente, Ele deixe os inimigos ferozes soltos contra nós, deixando-nos a enfrentar as mais difíceis lutas e contendas com eles, ainda assim a Sua poderosa mão está sobre nós, nos socorrendo, fortalecendo e restaurando quando somos temporariamente vencidos e levados cativos.

 

Não Há Nada de Transitório em Relação à Glória Para a Qual Somos Chamados

 

Deus não nos chamou para uma [glória] evanescente, mas para uma glória eterna, dando-nos um título a ela no novo nascimento. Naquele momento, uma vida espiritual foi comunicada à alma, uma vida que é indestrutível, incorruptível e, portanto, eterna. Além disso, nessa ocasião recebemos “o Espírito de glória” (1 Pedro 4:14) como “o penhor da nossa herança” (Efésios 1:13-14). Além disso, a imagem de Cristo está sendo progressivamente moldada em nossos corações durante esta vida, o que o apóstolo Paulo chama ser “transformados de glória em glória” (2 Coríntios 3:18). Assim, nós não somente somos feitos “idôneos para participar da herança dos santos na luz” (Colossenses 1:12), mas é-nos, então, concedido um direito eterno de glória. Porque pela regeneração ou chamado eficaz, Deus nos gera para a herança (1 Pedro 1:3-4); um título desta nos é dado nesse momento, o qual é válido para sempre. Esse título é nosso, tanto pela estipulação do pacto de Deus quanto pela herança testamentária do Mediador (Hebreus 9:15). “E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e coerdeiros de Cristo”, diz Paulo (Romanos 8:17). Thomas Goodwin o resume da seguinte forma:

 

Coloque essas três coisas juntas: em primeiro lugar, que essa glória a que somos chamados é em si mesma eterna; segundo, que a pessoa que é chamada tem um nível de glória que começou nela, a qual nunca morrerá ou perecerá; terceiro, que ela tem o direito à eternidade, e isso a partir do momento de seu chamado, e o argumento está completo.

 

Essa “glória eterna” são “as abundantes riquezas da sua graça” que Ele derramará sobre o Seu povo nos séculos vindouros (Efésio 2:4-7), e como esses versículos nos dizem, mesmo agora, nós, jurídica e federalmente, nos assentamos “nos lugares celestiais, em Cristo Jesus”.

 

“Que [em Cristo Jesus] nos chamou à sua eterna glória”. Deus não somente nos chamou para um estado de graça, “esta graça na qual estamos firmes”, mas a um estado de glória, glória eterna, Sua glória eterna, de modo que “nos gloriamos na esperança da glória de Deus” (Romanos 5:2). Essas duas coisas estão inseparavelmente ligadas: “o Senhor dará graça e glória” (Salmos 84:11). Embora sejamos as pessoas que serão glorificadas por isso, é a Sua glória que é colocada sobre nós. Obviamente assim, pois somos criaturas totalmente miseráveis e vazias, as quais Deus encherá com as riquezas da Sua glória. Na verdade é “o Deus de toda graça” que faz isso por nós. Nem criação nem providência, nem mesmo o Seu lidar com os eleitos nesta vida, mostram plenamente a abundância de Sua graça. Somente no céu sua altura máxima será vista e apreciada. É lá que a manifestação definitiva da glória de Deus será feita, ou seja, a própria honra e glória inefável com o qual Divindade investe a Si mesmo. Não apenas contemplaremos aquela glória para sempre, mas ela será comunicada para nós. “Então os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai” (Mateus 13:43). A glória de Deus encherá tão completamente e irradiará nossas almas que ela irradiará de nossos corpos. Então, o propósito eterno de Deus será plenamente cumprido. Nessa ocasião, todas as nossas esperanças mais queridas serão perfeitamente realizadas. Então, Deus será “tudo em todos” (1 Coríntios 15:28).

 

A Glória Eterna é Nossa Por meio de Nossa União com Cristo

 

“Que em Cristo Jesus nos chamou à sua eterna glória”. A primeira parte desta cláusula é melhor traduzida “em Cristo Jesus”, o que significa que o nosso chamado para fruir da glória eterna de Deus existe em virtude de nossa união com Cristo Jesus. A glória pertence a Ele, que é a nossa Cabeça, e é comunicada a nós somente porque somos Seus membros. Cristo é o primeiro e grande Proprietário dela, e Ele a compartilha com aqueles a quem o Pai deu a Ele (João 17:5, 22, 24). Cristo Jesus é o centro de todos os conselhos eternos de Deus, os quais são “segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor” (Efésios 3:11). Todas as promessas de Deus “são nele [Cristo] sim, e por ele o Amém” (2 Coríntios 1:20). Deus nos abençoou com todas as bênçãos espirituais em Cristo (Efésios 1:3). Somos herdeiros de Deus, porque somos coerdeiros com Cristo (Romanos 8:17). Como todos os propósitos da graça Divina foram formados em Cristo, assim, eles são efetivamente executados e estabelecidos por Ele. Pois, Zacarias, enquanto bendizendo a Deus por ter “levantado uma salvação”, acrescentou, “Para manifestar misericórdia a nossos pais, e lembrar-se da sua santa aliança” (Lucas 1:68-72). Estamos “conservados por Cristo Jesus” (Judas 1). Desde que Deus nos chamou “para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor” (1 Coríntios 1:9), ou seja, para participar (na devida proporção) de tudo o que Ele é participante em Si mesmo, Cristo nosso Coerdeiro e Representante entrou em posse dessa herança gloriosa e em nossos nomes está guardando-a para nós (Hebreus 6:20).

 

Toda a Nossa Esperança Está Vinculada Somente a Cristo

Parece bom demais para ser verdade que “o Deus de toda graça” é o seu Deus? Há momentos em que você dúvida se Ele, pessoalmente, te chamou? Será que ultrapassa a sua fé, leitor Cristão, que Deus, em verdade, chamou você à Sua glória eterna? Então permita-me deixar este pensamento de encerramento a você. Tudo isso é por e em Cristo Jesus! Sua graça está estesourada em Cristo (João 1:14-18), o chamado eficaz vem por Cristo (Romanos 1:6), e a glória eterna é alcançada por meio dEle. O Seu sangue não foi suficiente para comprar bênçãos eternas para pecadores merecedores do inferno? Então, não olhe para sua indignidade, mas, para a infinita dignidade e méritos dAquele que é o Amigo de publicanos e pecadores. Se a nossa fé compreende ou não, infalivelmente segura é que esta Sua oração será respondida: “Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estiver, também eles estejam comigo, para que vejam a minha glória” (João 17:24). Essa contemplação não será transitória, como a que os apóstolos apreciaram no monte da transfiguração, mas eterna. Como muitas vezes tem sido apontado, quando a rainha de Sabá contrastou sua breve visita à corte de Salomão com o privilégio daqueles que residiam ali, ela exclamou: “Bem-aventurados os teus homens, bem-aventurados estes teus servos, que estão sempre diante de ti” (1 Reis 10:8). Essa será a nossa porção feliz ao longo dos séculos sem fim.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.