Graciosos Lábios de Cristo, por Charles Haddon Spurgeon

|

Sermão Nº 3081, Publicado numa quinta-feira, 27 de fevereiro de 1908.
Por C. H. Spurgeon, em New Park Street Chapel, Southwark.

 

“A graça se derramou em teus lábios.” (Salmos 45:2)

 

QUE tema interminável existe no nome e na Pessoa de nosso bendito Senhor e Salvador Jesus Cristo! Os poetas das Escrituras nunca mencionam Sua Pessoa, mas eles mergulham de uma vez em rapsódias! Eles nunca cantam sobre Seu Nome, ou sobre Suas glórias, mas ao mesmo tempo parecem estar tão encantados pelo espírito da poesia que eles decolam com êxtases de alegria e seu amor mal consegue encontrar palavras para se expressar. O amor salta por cima da linguagem entre homens cultos, e assim o faz mais palpavelmente nas Sagradas Escrituras. Pegue, por exemplo, os Cânticos. Ali, o amor tencionou a linguagem ao máximo a fim de incorporar sua veemente paixão. Sim, tencionou tanto, que alguns de nós, se não preenchidos com amor por Deus, podemos apreciar pouco de sua brilhante elocução. Aqui, também, veja, o Salmista, com a harpa na mão, nem bem começa a meditar na Pessoa do Messias, exclama: “O meu coração ferve com palavras boas, falo do que tenho feito no tocante ao Rei. A minha língua é a pena de um destro escritor. Tu és mais formoso do que os filhos dos homens; a graça se derrama em Teus lábios”.

 

Não teremos tempo para um prefácio, mas devemos prosseguir sem demora à discussão do nosso texto. A graça se derramou nos lábios de Cristo. Consideremos, primeiro, a plenitude de Sua graça. Em segundo, a natureza de Sua graça. E, em terceiro, me esforçarei para mostrar a você as maneiras pelas quais Jesus Cristo demonstra que a graça se derramou em Seus lábios.

 

I. Comecemos com a palavra, “DERRAMOU”, sugerindo A PLENITUDE DA GRAÇA. “A graça se derramou em teus lábios”.

 

Outros entre os filhos dos homens tiveram “graça”. Poetas têm falado palavras de graça e Profetas de outrora já proferiram palavras maravilhosas que foram Divinamente inspiradas. De modo que pode-se dizer que a sua doutrina “caiu” como a chuva, e seu discurso “destilou” como o orvalho. Tais imagens, no entanto, são muito fracas para descrever o nosso Senhor Jesus! Ele não apenas falou como o orvalho, nem a sua mensagem simplesmente caiu como chuvisco, e sim “SE DERRAMOU” de Seus lábios! Sempre que Ele falava, um fluxo abundante de palavras de graça fluía dEle como uma catarata de eloquência. Jesus Cristo não tinha um pouco de graça, mas esta era “derramada” nEle. Não um vaso de azeite sobre Sua cabeça, mas Ele tinha uma botija e um vaso de azeite esvaziado sobre Ele; a graça foi derramada em Seus lábios!

 

Percebo que Calvino traduz esta passagem assim: “A graça é derramada de Teus lábios”. Deus não apenas deu graça ao Seu Filho nos lábios, mas o Filho, quando Ele fala, se Ele aborda as pessoas na doutrina e exortação ou se Ele pede a seu Pai em nome delas, sempre que os lábios estão abertos para falar com Deus pelos homens, ou sobre Deus aos homens, Ele sempre tem “graça derramada de seus lábios”. E quando eu me volto para a tradução da Septuaginta dessa passagem, encontro que ela tem a ideia da própria exaustão da graça: “graça é vertida de Teus lábios”, como se esvaziasse até que não sobre nada. Jesus Cristo tinha graça esgotada em Sua pessoa. NEle “habitou toda a plenitude da Divindade”. Toda a graça foi dada a Ele. O próprio esgotamento da reserva inesgotável, tanto como dizer que Deus não podia dar mais do que a Jesus Cristo; Ele mesmo não poderia receber ou possuir mais graça. Foi tudo derramado em Sua Pessoa, e quando Ele fala, Ele parece esgotar a graça! A máxima extensão da imaginação não pode conceber nada mais gracioso, e a contemplação do Cristão mais devoto não consegue pensar em palavras mais majestosas em bondade, mais ternas em simpatia, mais cheias de mel e mais exuberantes em sua doçura do que as palavras de graça que saíam dos lábios de Jesus Cristo!

 

“A graça se derramou em teus lábios”. Ah, Cristão, você pode ter alguma graça nos seus lábios, mas você não a tem “derramada” neles! Você pode ter alguma graça em seu coração, mas ela é lançada ali como uma pequena chuva do céu, você não a tem “derramada” ali! Você pode ser sempre tão cheio de graça, mas Cristo é mais cheio do que você é, e quando você está sempre tão reduzido em graça, é um consolo saber que com Ele está a graça abundante, abundância que não conhece a falta, pois a graça se derramou em Seus lábios! Não tenha medo de ir a Ele em todo tempo de necessidade, nem pense que Ele deixará de te confortar. Seus confortos não são como as águas derramadas na terra que não se ajuntam; elas produzem correntes perpétuas, pois a graça se derramou em Seus lábios! Ele não tem abastecimento racionado, nenhuma provisão limitada para lhe dar, mas peça o que for, você terá tanto quanto sua fé pode desejar e seu coração pode suportar, pois a graça se derramou em Seus lábios na mais rica plenitude!

 

II. Para não falar mais nisso, passemos a considerar O TIPO DE GRAÇA QUE FOI DERRAMADA NOS LÁBIOS DE JESUS CRISTO E QUE FLUIU DE SEUS LÁBIOS.

 

É importante observar que Jesus Cristo tem o que nenhum dos filhos dos homens já teve: Ele tem graça inerente. Adão, quando foi criado por Deus, tinha alguma graça inerente que Deus lhe deu, mas não tanto da graça de Deus, a fim de preservar a integridade do seu caráter. Ele só tinha a graça da pureza, como poderia se mostrar na inocência de sua natureza racional. Deve ter havido muita graça na constituição do homem, visto que ele foi originalmente criado à semelhança de Deus, no entanto não poderia ter havido perfeita graça nele, pois ele não guardou seu primeiro estado. Mas Jesus Cristo tinha toda a graça que Adão tinha e toda a graça que qualquer homem inocente poderia ter tido, na perfeição mais sublime! E essa graça divina sempre esteve nEle. Você e eu não temos nada dessa graça racional. Ouvimos os homens dizerem que as crianças não nascem em pecado, nem são formadas em iniquidade, que elas têm uma graça inerente; mas ainda não nos encontramos com o homem que encontrou uma criança tão maravilhosa! De qualquer forma, as crianças têm sido fortemente estragadas ao crescerem até a maturidade, pois elas não têm dado muita prova de graça posteriormente. Não, amados, nós somos naturalmente desprovidos de graça, uma descendência de malfeitores, toda a nossa graça inerente foi estragada por Adão. Não importa o quão cheio o vaso possa ter sido originalmente, foi esvaziado pela Queda. Adão quebrou o vaso de barro e derramou cada gota de seu conteúdo, e não temos mais nada sobrando. Mas, em Jesus não havia pecado; Ele tinha a graça inerente em Si mesmo.

 

E em seguida, Ele teve uma graça que Ele derivou da constituição de Sua Pessoa, sendo tanto Deus como Homem. A Humanidade de Cristo derivava graça da Divindade de Cristo. Eu não duvido que suas duas naturezas estavam unidas em tal união maravilhosa que o que o Homem fazia, o Deus confirmava, e o que o Deus queria, aquilo o Homem fazia. Nem o Homem Cristo Jesus nunca agia sem o Deus Cristo Jesus. Nem sequer falava sem o Deus — o Deus dentro dEle — o Deus que Ele é, tão verdadeiramente como é o Homem. Nós só podemos falar como homens, a não ser quando o Espírito de Deus fala através de nós. O maior e mais poderoso de todos os profetas só falou como homem inspirado, mas Jesus falou como Homem e Deus, unidos. “Graça”, esta graça inexprimivelmente Divina, Sua própria graça Divina foi derramada em Seus lábios e fluiu de Seus lábios.

 

Porém ainda mais. Eu compreendo que o Senhor Jesus Cristo, quando Ele falava, também tinha, assim como Seus ministros, a ajuda de Deus, o Espírito Santo. De fato, somos informados de que Deus não deu o Espírito a Ele por medida. Este é um fato mui notável e eu creio que ele é colocado nas Escrituras com o propósito de fazer-nos honrar o Espírito Santo, que Jesus Cristo como um pregador — tanto quanto podemos julgar a partir da Palavra de Deus — não foi tão bem sucedido na conversão como alguns de Seus seguidores foram. Se você se voltar para a vida de Paulo, notará quantos milhares foram conduzidos, através de sua pregação, a conhecer o Senhor. E se você ler o relato do sermão de Pedro no dia de Pentecostes, verá que três mil foram convertidos naquele único dia. Você nunca ouviu falar de tal exemplo na vida de Cristo. Quando Ele morreu, deixou apenas cerca de 500 discípulos. O motivo foi este: Jesus disse: “Eu honrarei o Espírito Santo. Vou deixar o mundo saber que não é por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor. E embora Eu fale como nunca homem nenhum falou, e tenha mais eloquência do que qualquer mortal jamais poderá atingir, eu vou, em Minha soberania, conter-me do exercício do Espírito. Os olhos das pessoas devem ser vedados e eles deverão dormir, seus corações se encerarão de gordura e eles serão como embrutecidos. Depois, nos anos seguintes, falarei mais através de um pescador humilde do que falei por Mim mesmo. Honrarei mais o instrumento mais fraco do que honrei a Mim mesmo como um Pregador”.

 

No entanto, Jesus Cristo tinha o Espírito sem medida, para que cada frase Sua fosse cheia de poder Divino. “As palavras”, disse Jesus, “que vos falo, são espírito e vida” [João 6:63]. Assim, você vê, Suas palavras não são apenas do Espírito, mas elas são Espírito. Parece-me que, assim como aquele que viu a Cristo, viu o Pai, assim aquele que ouviu Cristo, ouviu também o Espírito Santo. Entretanto, os frutos do Seu ministério, como a honra devida à Sua Pessoa, vão além do breve prazo da Sua permanência na terra. Ele foi rejeitado de sua geração, porém mais tarde declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dentre os mortos, Jesus Cristo, nosso Senhor [Romanos 1:4]. Da mesma forma, Suas palavras, embora não aparentemente produtivas no momento, estavam tão cheias de poder vivificador do Espírito que eram, depois, os meios de conversão de milhares de milhares, além da capacidade de contar dos mortais! Todas as conversões sob Pedro, Paulo e os outros apóstolos foram por Jesus Cristo. As palavras que Ele falou em segredo, eles publicaram e espalharam. Todas as conversões agora são por Seu nome e por Sua Palavra! “O testemunho de Jesus é o espírito de profecia” [Apocalipse 19:10]. Se um apóstolo falava de si mesmo, suas palavras caíam no chão, mas o que seu Mestre lhe disse para falar era abundantemente bem sucedido! Jesus Cristo tem o Espírito sem medida e aqui está um outro tipo de graça, da qual pode-se dizer: “A graça se derramou em teus lábios”.

 

III. Passamos rapidamente por essas duas divisões, e agora vamos seguir para a terceira. Consideremos agora, AS VÁRIAS MANEIRAS PELAS QUAIS NÓS DISCERNIMOS “GRAÇA” COMO SENDO “DERRAMADA NOS LÁBIOS” DE CRISTO E COMO ELA FLUI DE SEUS LÁBIOS.

 

Primeiro, vamos considerar nosso Salvador como o Fiador eterno da Aliança e veremos que a graça foi derramada em Seus lábios. Quando Deus Pai originalmente estabeleceu a Aliança, ela foi algo dessa forma, “Meu filho, Tu desejas, e Eu também concordo conTigo, salvar uma multidão que nenhum homem pode numerar, a quem Eu elegi em Ti. Mas, para sua salvação, para que Eu seja justo e justificador daqueles que creem, é necessário que alguém seja o Representante deles, para ficar responsável por sua obediência às Minhas Leis, e seja seu Substituto para sofrer quaisquer penalidades em que incorram. Se Tu, Meu Filho, concordará em ter a punição deles e suportar a penalidade de seus crimes, Eu, por minha parte concordarei que Tu verás a Tua semente, prolongarás os Teus dias, e que o prazer do Senhor prosperará em Tuas mãos. Caso Tu estiveres preparado para prometer que suportarás o castigo de todas as pessoas a quem Tu salvarás, Eu, da Minha parte, estou preparado para jurar por Mim mesmo, porque Eu não posso jurar por alguém maior, que todos aqueles por quem Tu expiarás serão infalivelmente libertados da morte e do inferno, e que todos aqueles por quem Tu suportares o castigo deverão, portanto, ficar livres, e nem minha ira se ascenderá contra eles, por maiores que sejam os seus pecados”. Jesus tomou a palavra e disse: “Meu Pai! Eis-me aqui: no rolo do livro está escrito de mim, deleito-me em fazer a Tua vontade, ó meu Deus” [Salmo 40:7; Hebreus 10:7].

 

Agora, isso foi falado na eternidade, além do que a fé em asas de águia pode subir e tal graça foi vertida dos lábios de Cristo, quando Ele fez essa simples declaração, que dezenas de milhares de santos entrariam no céu, simplesmente em razão da Sua promessa solene! Tal graça derramou-se dos lábios de Jesus de forma que, desde os dias de Adão, quando uma transgressão envolveu a raça em ruína, até os momentos em que o segundo Adão fez expiar a iniquidade, os santos todos entraram Céu somente pela fé da promessa de Cristo! Nem uma gota de sangue havia sido derramada, nenhuma agonia sofrida, o contrato não havia sido executado, a estipulação ainda não cumprida, mas o juramento do Fiador foi o bastante; os ouvidos do Pai não precisavam de outra confirmação. Seu coração estava satisfeito. Sim, além disso, no mesmo momento em que Jesus falou a palavra no ouvido de Seu Pai, todos os santos estavam nEle justificados e feitos completos, a salvação deles estava segura! Assim que Jesus Cristo disse: “Meu Pai, Eu pagarei a penalidade, eles terão a Minha justiça, e Eu terei os pecados deles”, sua aceitação foi um fato eterno! Ele nunca voltaria atrás em Seu acordo, nem nunca se desviaria de Sua Aliança. Este é o primeiro aspecto em que vemos a graça escorrendo dos lábios de Cristo.

 

Em segundo lugar, a graça é derramada em Seus lábios como o maior dentre todos os profetas e mestres. A Lei foi dada por Moisés, e havia um pouco de graça em seus lábios, pois Moisés, mesmo quando pregou a Lei, pregou o Evangelho, privilegiado como estava a olhar firmemente para o fim daquela que é abolida. Quando ele ensinou a oferta do cordeiro, do bezerro e da pomba, houve Evangelho expresso na própria Lei, na Lei de cerimônias Levíticas. Mas os raios que brilhavam na face de Moisés eram apenas feixes de graça, eles não eram “como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade”. E quando outros profetas ascenderam em diferentes períodos da primeira dispensação da Lei, cada um tinha uma medida qualquer de graça. Se considerarmos tanto o heroico Elias, ou o melancólico Jeremias, ou Isaías, aquele vidente seráfico que falou mais de Cristo do que todo os outros, vemos que cada um e todos tinham alguma graça em seus lábios. O que eles pregavam era doutrina graciosa e bem digna de ser recebida, mas quem já ensinou doutrinas tais como as de Jesus? Onde, dentre os escritos dos profetas e sábios da antiguidade, podemos encontrar palavras como as que Jesus proferiu? Quem ensinou ao povo que eles devem amar a todos os homens? Quem ensinou ao povo tais doutrinas maravilhosas como as que você encontra em todos os Seus sermões? Quem poderia ter sido tão grande Mestre? Quem poderia tão abençoadamente ter profetizado ao Seu povo, a não ser o próprio Jesus Cristo? Minha alma, contemple Jesus como, o único Rabino da Igreja! Veja-O como Único Senhor e Mestre! Pegue Suas doutrinas e artigos de fé de Seus lábios, e de Seus lábios apenas! Estude Sua Palavra e faça dela seu único guia! Interprete todo o restante sob a Sua luz. Quando você tiver feito isso, você dirá: “Ó Profeta da minha salvação, Mestre de Israel, em verdade a graça se derramou em Teus lábios! Nenhum livro me concedeu tal instrução como o Teu, nenhum ministro aborda-me em palavras como o meu Pastor fala. Nenhuma aprendizagem tem em si tais profundidades de sabedoria como a sabedoria de Cristo!”. Mais desejáveis são Suas palavras do que o ouro, sim, do que muito ouro fino. A graça foi derramada em Seus lábios como o maior de todos os Profetas!

 

Em terceiro lugar, Cristo tinha graça derramada em Seus lábios como o mais eloquente de todos os pregadores. Uma das alegrias que eu espero encontrar no Céu é ouvir Cristo falar ao Seu povo. Eu concebo que havia tal majestade sobre Jesus Cristo quando Ele falou sobre a terra, quem nem Demóstenes, nem Cícero, nem Péricles, nem todos os oradores dos tempos antigos ou modernos jamais poderiam alcançar! Ele tinha uma voz, eu suponho, mais doce do que até mesmo a música que veio das harpas dos anjos! Ele tinha os olhos expressivos de simpatia para com aqueles a quem Ele se dirigiu. Ele tinha um coração que animava todas as expressões do Seu rosto. Sua piedade era tal que poderia quebrar o coração de pedra. Sua sublimidade poderia elevar a mente sensível. Cada palavra Sua era uma pérola, cada frase era de ouro puro. “Nunca homem algum falou assim como este homem” [João 7:46]. Nenhum poeta, em seu êxtase mais sublime, poderia ter entendido tais pensamentos elevados como os que o Salvador anunciou aos Seus ouvintes e quando, inclinando Suas inspirações, Ele consentia em falar palavras claras e simples para Seus companheiros; há uma simplicidade evidente, desprovida de enfeites no discurso familiar de Cristo, a qual o homem não pode, nem ao menos atingir! Jesus Cristo foi o maior e o mais simples de todos os pregadores. Poderíamos deixar de lado todos os outros em comparação com Ele. Nós conhecemos homens que poderiam conter a multidão inquieta e mantê-la encantada. Alguns de nós já ouvimos algum poderoso homem de Deus que acorrentou nossos ouvidos, nos manteve firmes, e constrangeu a nossa atenção o tempo todo em que falava. Justiça, pecado, retidão e juízo vindouro nos absorveram, enquanto eles alistavam nossas simpatias. Mas se você tivesse ouvido ao Salvador, você teria ouvido as coisas mais maravilhosas do que qualquer mero homem jamais poderia ter falado! 

 

Eu acho que se os ventos selvagens O pudessem ouvir, eles teriam cessado seu barulho. Se as ondas O pudessem dar ouvidos, teriam abafado o tumulto e a costa agitada do oceano teria sido suavizada! Se as estrelas O pudessem ouvir, teriam parado sua marcha apressada. Se o sol e a lua tivessem ouvido Aquele cuja voz é mais potente do que a de Josué, eles teriam parado. Se a criação O pudesse ouvir, então encantada, ela teria parado seus movimentos incessantes e as rodas do universo teriam ficado imóveis, para que todos os ouvidos pudessem ouvir, para que todos os corações pudessem bater e para que todos os olhos pudessem brilhar! E para que assim almas pudessem ser elevadas, enquanto Jesus Cristo falava. Conta a fábula de Hércules que ele tinha correntes de ouro em sua boca com a qual ele acorrentava os ouvidos dos homens. É verdade de Jesus que Ele tinha correntes de ouro em Sua boca com as quais acorrentava os ouvidos e também o coração dos homens! Ele não tinha necessidade de pedir atenção, pois a graça foi derramada em Seus lábios. Dia feliz! Dia feliz quando eu sentar-me-ei aos pés de Jesus Cristo e ouvi-lO-ei pregar! Ó amado, o que então devemos pensar de nossa pobre pregação, eu não posso dizer! É uma misericórdia que Jesus Cristo não pregue mais aqui agora, pois, depois de ouvi-lO, nenhum de nós pregaria de novo, tão envergonhados seríamos de nós mesmos. Às vezes, quando tentamos pregar, e depois ouvimos um ministro mais capaz, nos sentimos tão superados que nossa pregação parece nada, de forma que não ousamos tentar novamente. É uma misericórdia existir um véu entre nós e Cristo. Nós não poderíamos ouvi-lO pregar, ou então todos nós desocuparíamos os nossos púlpitos! Mas no Céu espero sentar encantado aos Seus pés. E se Ele vai falar por um milhão de anos, gostaria de pedir a Ele para falar por mais um milhão! E se Ele ainda falará, mesmo assim, pois a doce redundância dessa graça é derramada em Seus lábios, minha alma arrebatada se sentaria e amaria, e em sorrisos exultaria ao ouvir meu Salvador falar!

 

Em quarto lugar, a graça foi vertida aos lábios de Cristo como o Prometedor Fiel. Eu olho para todas as promessas da Palavra de Deus como sendo as promessas de Jesus, bem como as promessas do Pai e do Espírito Santo. Todas as promessas de Deus, nos é dito, são sim e amém em Cristo Jesus, para glória de Deus por nós. E, como as promessas são todas feitas nEle, por isso elas são todas faladas por Ele. Agora, você não concordará comigo quando digo que, em verdade, a graça é derramada em Seus lábios, como o Fiel Prometedor? Às vezes, lemos as Suas promessas. Ouvimos com os nossos ouvidos, e como há graça nelas!

 

Tome-se, por exemplo, aquela grandiosa promessa como favo de mel: “Porque os montes se retirarão, e os outeiros serão abalados; porém a minha benignidade não se apartará de ti, e a aliança da minha paz não mudará, diz o Senhor que se compadece de ti” [Isaías 54:10]. Vire-se para o outra: “Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti” [Isaías 43:2]. “Não temas, tu verme de Jacó, povozinho de Israel; eu te ajudo, diz o Senhor, e o teu redentor é o Santo de Israel” [Isaías 41:14]. Ouça palavras doces como estas: “Vinde a Mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e Eu vos aliviarei. Tomai o meu jugo sobre vós e aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração. E achareis descanso para as vossas almas” [Mateus 11:29-30].

 

Amados, não é preciso que eu lhes diga quão preciosas estas promessas são! A melhor maneira de pregar sobre o Prometedor Fiel é citar algumas das Suas promessas. Eu não vou lhes dizer que tesouros há no gabinete de Cristo; eu abrirei a porta e deixarei que vocês olhem um pouco mais para os tesouros por si mesmos. “Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti” [Isaías 49:15]; “Eu nunca te deixarei, nem te desampararei” [Josué 1:5; Hebreus 13:5]; “Até à velhice te levarei” [Isaías 46:4]. “Todo aquele que o Pai Me dá, virá a mim; E todo aquele que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora”; Ele não é, de fato, cheio de graça como o Fiel Prometedor? Vocês, pobres almas, que tem bebido das fontes da promessa, bem conhecem a Sua fidelidade e a graça que nEle há! Vocês vieram muitas vezes doentes e cansados a essa fonte e suas forças foram renovadas até que fossem como gigantes refrescados com vinho novo! Seus espíritos estavam deprimidos e suas almas estavam cheias de melancolia, mas quando vocês vieram aqui, vocês provaram o vinho que alegra o coração do homem! Algum homem já falou como esse Homem quando Ele fala como o Fiel Prometedor?

 

Em quinto lugar, a graça é derramada em Seus lábios como o Pretendente e o Conquistador do coração do Seu povo. Ó Amado, Cristo trabalha duro para ganhar o amor de Seu povo! Ele prepara Sua festa, os cevados já estão mortos, mas aqueles que são convidados não virão, por isso Ele diz aos Seus mensageiros: “Sai pelos caminhos e valados, e força-os a entrar, para que a Minha casa se encha” [Lucas 14:23]. No entanto, que difícil questão é fazer pobres almas a se apaixonarem por Jesus! Em vão o ministro discorre sobre Seus encantos! Em vão ele tentar pintar Seus traços, o melhor que pode. Somos pobres borradores e estragamos a beleza que tentamos retratar! Pecadores dizem: “Isso é Jesus? Então, não há beleza nEle que nos agrade”. E eles se afastam e escondem o rosto dEle. Com lágrimas fluindo dos nossos olhos, nós procuramos “achar palavras agradáveis”, e usamos a melhor linguagem que nossos corações podem ditar, mas não podemos ganhar as suas almas! Às vezes, nós nos dirigimos a vocês com palavras ásperas que pegamos emprestadas de alguns Boanerges antigos. Em outras vezes, com palavras suaves, que um Crisóstomo poderia aprovar, mas ainda assim elas são em vão. Mas oh, quando Jesus pleiteia Sua própria causa, quão docemente Ele o faz! Você nunca prestou atenção ao coração quando Jesus Cristo começa a cortejá-lo, quando Ele abre o ouvido e diz: “Pobre alma, Eu te amo e porque Eu amo você, eu vou dizer o que você é. Você está banido em campo aberto, você repousa sobre seu sangue, você está morto em delitos e pecados; mas Eu te amo, você não me amará?” “Não”, diz o coração, “eu não amarei”. “Mas”, diz Jesus, “Meu amor é profundo como o inferno, é insaciável como a sepultura. Eu serei seu e você será Meu”. E você já notou como logo a alma teimosa começa a ceder e a dura pedra começa a fluir como as lágrimas de Niobe até que, por fim, o coração diz: “Ó Jesus! Te amar? Sim, eu amo, pois Tu me amaste primeiro!”

 

Por que alguns aqui não entregaram seus corações a Jesus? Talvez seja porque Jesus não Se revelou a eles em Pessoa. Mas quando Ele o faz, eles não podem negá-lO! Eu desafio qualquer homem ou mulher a reter seu coração quando Jesus se aproxima para pedi-lo. Quando Ele mostra a Si mesmo, quando Ele remove o véu de nossos olhos e nos permite olhar para o Seu belo rosto. Quando Ele nos mostra Suas mãos feridas e Seu lado ensanguentado, eu acho que não há coração que não seja atraído a Ele. Ah, Cristão! Você não se lembra da hora em que Ele se declarou a você? Ele bateu na porta e você não O deixou entrar. Mas o quão docemente Ele te contou sobre seus pecados e em seguida te fez conhecer a Sua redenção! Então Ele te falou da sua morte, e em seguida te fez viver! Então, Ele te disse que você era impotente, e em seguida te fez forte! Então Ele te falou da sua incredulidade e em seguida te deu a fé! Oh! Ele não é cheio de graça ao ganhar os corações e as afeições de Seu povo?!

 

Em sexto lugar, Jesus Cristo tem Seus lábios cheios de graça como a Grande Consolação de Israel, o consolo de todo o Seu povo. Não há conforto, exceto o que vem do Senhor Jesus. Em nenhum ribeiro você pode saciar a sede da alma, a não ser no fluxo de graça que flui de Cristo e que nunca secará. Vamos repassar Seus atos poderosos. Vamos voltar a nossa vida e ver os vários Ebenezers que levantamos por Sua soberana graça e misericórdia. Você não se lembra de como Ele apareceu para você na solidão do deserto, e lhe disse: “Sim, eu te amei com um amor eterno”? [Jeremias 31:3] Você não se lembra como, quando rasgado com os espinhos e abrolhos do mundo, você estava desesperado e quase a morrer, Ele veio e tocou-lhe e disse-lhe: “Viva”, quando Ele ordenou que você voltasse seus olhos para Ele, e você pôde, então, dizer: “Jesus é meu, eu não temerei coisa alguma”? Ó vocês, que provaram que o Senhor é bom, vão novamente à sala do banquete, onde o Salvador confortou vocês com passas e vos alimentou com maçãs, onde Ele lhes deu os doces frutos do Reino de Deus e tirou dos cachos de Escol e espremeu-os em sua boca! Você não se lembra quando Ele te deu algo melhor do que o pão dos anjos na mesa do Senhor, ou como Ele Se manifestou para você no uso dos meios, enquanto você estava esperando por Ele? E você não dirá: “Ó, Jesus, em verdade a graça foi derramada em Seus lábios”? Alma desanimada, se Jesus fala com você hoje, você não será desanimada por mais tempo! Há tanta potência na palavra, “Jesus”, que eu acho que ela deveria ser cantada em todos os hospitais para afastar as doenças! Onde quer que haja corações doentes e espíritos perturbados, eu sempre cantaria: “Jesus!”. Quando Ele se aproxima para consolar o Seu povo, a meia-noite torna-se o meio-dia e a escuridão mais espessa torna-se uma chama de esplendor em auge, porque a graça se derramou em Seus lábios!

 

Em sétimo lugar, a graça é derramada nos lábios de Cristo como o grande Intercessor por Seu povo diante do trono de Deus. Antes que Jesus subisse ao alto e levasse cativo o cativeiro, como diz Toplady, “Com gritos e lágrimas Ele ofereceu Suas humildes vestes abaixo”. Mas agora que Jesus Cristo subiu ao alto, “com autoridade”, Ele pleiteia perante Seu Pai. Seria maravilhoso ouvir as orações de Jesus no Jardim do Getsêmani, mas oh! se pudéssemos ver nosso bendito Senhor, nesta manhã, implorando no Céu! Diante do trono de Seu Pai, Ele aponta para o Seu lado transpassado e mostra as mãos feridas. Quando nossas orações sobem ao céu, elas são orações quebradas, mas Jesus sabe como corrigi-las. Há coisas nelas que não deveriam estar lá, então Ele as corrige e então Ele toma a edição alterada de nossas orações e diz: “Meu Pai, outra petição Eu vim colocar diante de Ti”, diz o Pai, “de quem é?”, “De um do Meu povo”. E então Jesus Cristo diz: “Pai, Eu quero que isso seja feito. Olha, aqui está o preço!”. E Ele levanta as mãos e mostra Seu lado. E então, o Pai diz: “Meu filho, será feito. Tudo o que pedirdes em oração, por amor de Ti será concedido”.

 

Você vê aquele pobre homem? Seu nome é Pedro. Não muito longe está Satanás, que quer destruir sua alma. Ele tem uma grande peneira na qual ele deseja peneirar Pedro. Você consegue imaginar Satanás apresentando-se diante do Senhor, como nos dias de outrora? Ele diz: “Senhor, deixe-me ter Pedro na minha peneira, para que eu possa peneirá-lo como trigo!”. Jesus desce diante do trono e diz: “Meu Pai, eu te suplico a não deixar este grão de trigo cair no chão”. Satanás vai e pega Pedro e começa a peneirá-lo. A primeira vez, ele fica um pouco assustado. Na segunda vez, ele diz: “Homem, eu não sei o que dizes!”. Na terceira vez, ele diz: “Eu não conheço esse Homem”. E ele começa a praguejar e a jurar. Quão terrível é aquela peneira! Mas Cristo olha para ele e Pedro sai, a oração de Jesus foi proveitosa para ele, o olhar de Jesus prevaleceu com ele! “Ele saiu e chorou amargamente” e sua alma foi salva. Oh, o grande poder da intercessão! Eu não acho que as nossas orações alguma vez seriam ouvidas no Céu, se não fosse por Jesus Cristo. Ele é o grande Mediador por quem nossas orações devem ser apresentadas.

 

Em oitavo lugar, Jesus Cristo tem graça derramada em Seus lábios como o Conselheiro de Seu povo. Você já deve ter visto um advogado especial se levantar com uma maleta na mão. Ele mostra que o caso contra o prisioneiro é muito ruim. Em seguida, as testemunhas são chamadas. Depois outro defensor se levanta para defender a causa do prisioneiro, para refutar, se possível, a acusação, ou expor circunstâncias atenuantes para a redução da pena. Agora, quando estivermos diante do tribunal de Deus, Satanás se levantará, aquele velho acusador dos irmãos, e reunirá as evidências de nossa culpa e as razões pelas quais devemos ser condenados. Eu acho que posso ouvi-lo dizer que nascemos em pecado e fomos concebidos em iniquidade e, portanto, nós merecemos estar perdidos! Que temos uma natureza corrupta, que tínhamos o pecado de Adão colocado sobre nós. E então, com indisposição maliciosa, ele alegará que transgredimos a tal e tal tempo quando éramos jovens, seguindo a nossa carreira desde a juventude até a idade adulta e até mesmo à velhice, ajuntando todos os seus argumentos por um apelo à nossa incredulidade, declarando que embora tenhamos professado crer, nós duvidávamos das promessas e não poderíamos, portanto, ser filhos de Deus! Bem poderíamos, como transgressores, tremer quando, com um caso grave, os fundamentos da sentença contra nós são tão maliciosamente declarados!

 

Mas então se adianta em nossa defesa o Maravilhoso, o Conselheiro! E Ele leva Sua maleta na mão e começa a pleitear. Ouçam o que Ele diz e vejam como toda opinião muda de uma vez! “Confesso”, diz Ele, “que cada palavra que o acusador proferiu é verdade. Meu cliente se declara culpado de todas as acusações, mas eu tenho um perdão completo assinado pela própria mão de Deus, comprado pelo Meu próprio sangue”. E despojando-se, Ele mostra suas feridas e diz: “Essas pessoas foram dadas a Mim por Meu Pai antes da fundação do mundo! Suportei os seus pecados no Meu próprio corpo sobre o madeiro”. E então, subindo ao ponto mais alto, Ele atinge o clímax da graça quando Ele exclama: “Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? Podes Tu, ó Deus? Tu não os justificaste? Eu não posso, porque Eu morri por eles”. Então, Ele se senta em triunfo, dizendo: “aos que justificou, a esses também glorificou. Nada será capaz de separá-los do amor de Deus”.

 

E agora, por fim, a graça é derramada nos lábios de Jesus como o maior Juiz de todos, afinal. Será um julgamento misericordioso aquele que Jesus Cristo deverá dispensar. Ele será gracioso, porque será ao mesmo tempo misericordioso e justo. Pecadores, homens e mulheres ímpios, agora nesta Casa de Oração, vocês nunca ouviram a voz de Jesus e vocês nunca souberam o que é confessar que a graça foi derramada em Seus lábios. Mas deixem-me dizer-lhes, virá o tempo em que vocês serão levados a confessar que a graça é derramada em Seus lábios. Vocês estarão lá e O ouvirão dizer ao Seu próprio povo: “Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo”. Quando vocês O ouvirem, vocês vão pensar consigo mesmos: “Nunca tal música chegou a nossos ouvidos antes. Oh, que palavras preciosas!”. Sim, mas vocês cairão e pedirão às rochas para esconderem vocês, e montanhas para cobri-los, porque as palavras não foram ditas a vocês! Vocês tremerão quando, um a um, os soldados fiéis de Jesus Cristo vierem diante dEle. Ele dirá a um: “Em verdade, foste fiel em poucas coisas, Eu te farei governar sobre muitas coisas”. Para um outro Ele dirá: “Você lutou o bom combate, você guardou a fé, receba a coroa reservada para ti desde a fundação do mundo”. Então vocês dirão: “Oh, que graça foi derramada em Seus lábios! Quão graciosamente Ele fala!”. E vocês, o tempo todo, sentirão que Ele não está falando com vocês. Vocês estarão lá e saberão que sua vez nunca virá quando Ele falará palavras de graça para vocês. Vocês ficarão fixados no mesmo lugar petrificados ao ouvir enquanto vocês ouvem aquelas sílabas incomparáveis. Vocês riem dos santos agora, vocês os invejarão naquela ocasião! Vocês os desprezam agora, mas vocês vão estar prontos para beijar o pó dos seus pés, se vocês pudessem apenas entrar no Céu! Vocês não pediriam para sentar em um trono com eles, mas deitar aos seus pés seria suficiente para vocês, se vocês pudessem apenas ouvir Cristo dizer a vocês: “Vinde, benditos”.

 

Mas, em um momento, em vez de palavras de graça, meus ouvintes — não estou falando de um sonho, mas uma realidade — em um momento, acreditem em mim, porque Deus fala! Em vez de palavras de graça, virão palavras de terror e não se achará lugar abençoado para vocês. Estas são as palavras: “Saiam, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”. Vocês não gostariam de ouvir aqueles lábios graciosos falarem tal sentença como essa a vocês. Estou certo de que vocês não estão, nenhum de vocês, ansiosos para fazer suas camas no inferno e encontrar morada na condenação! Mas, meus ouvintes, devo avisá-los fielmente. Há alguns de vocês que, se morrerem como estão, nunca irão para o Céu. Há muitos de vocês, meus expectadores regulares, e alguns de vocês que acabaram de entrar aqui nesta manhã, que sabem e seus corações confessam, que vocês estão “em fel de amargura, e em laço de iniquidade”. Cristãos, chorem por eles! Deixem fluir suas lágrimas em rios! Seria triste se eles estivessem doentes, mas isso é pior, pois eles estão doentes até a segunda morte! Seria doloroso se eles estivessem condenados a morrer pela lei, mas eles “já estão condenados”. Meus amados irmãos e irmãs, há alguns de vocês agora, não, há alguns sentados lado a lado com vocês nos bancos que são criminosos condenados! Como vocês se sentiriam se nesta manhã, assim que vocês se sentassem em seu banco, houvesse um homem ao seu lado que estivesse para ser enforcado amanhã? Vocês diriam: “Ah, que Deus possa abençoar a Palavra para a alma daquela pobre criatura! Oh, que Deus possa enviá-la ao seu coração, pois ele é um homem condenado!”. Vocês não sabem que é assim? Há um santo de Deus, e sentado ao seu lado há um filho do inferno! Aqui está um herdeiro da glória e imortalidade, e o vizinho que tocou em seu braço nesta manhã está morto em pecados e condenado a morrer! O quê? Você não chorará e sentirá por eles? Será que o seu coração é como pedra e aço? Você vai deixá-los perecer sem um suspiro, sem oração, sem uma lágrima? Não! Vamos ore por eles, para que Deus, em Sua misericórdia possa ainda dar-lhes graça para salvá-los da ira vindoura!

 

Pobres pecadores, não rejeitem meu abençoado Mestre, eu lhes suplico! Se vocês O conhecessem, vocês iriam amá-lO, eu sei! Oh pobre pecador perverso, você que se sente autocondenado, arrasado pela consciência, você não tem nenhum amor por Jesus? Ah, se você apenas soubesse o quanto Jesus Cristo ama você, você iria amá-lO de imediato!

 

Eu conheço um homem que disse que nunca ficou tão impressionado com qualquer coisa em toda a sua vida, como quando ele ouviu aquele verso:

 

“Jesus, Amante da minha alma!”

 

“Oh”, ele disse, “eu não lembro nada do sermão, mas apenas as palavras no início de um hino:

 

“Jesus, Amante da minha alma!”

 

Ele foi para um amigo meu e disse: “Você acha que Jesus Cristo é o “Amante da minha alma?”. Se eu achasse que ele era, eu acho que eu poderia amá-lO de imediato”. O amigo disse: “Ah, bem, se você se sente assim, Jesus é o Amante da sua alma”. Ó bem-amado, o que você daria se você pudesse apenas chamar Jesus Cristo de seu Amor e seu Amigo? Se você pudesse apenas saber que Ele te ama? Você suspira por um interesse em Seu amor? Ah, então Ele te ama, por que você não iria querer que Ele amasse você, se Ele não tivesse estabelecido o Seu coração sobre você! Você deseja ter a Jesus? Então, Jesus deseja mil vezes mais ter você! Digo-lhe, Cristo tem mais satisfação em salvar os pobres pecadores do que os pobres pecadores têm ao serem salvos. O pastor está mais pronto a recuperar a ovelha perdida do que a ovelha está a ser recuperada. Então deixe-me dizer-lhe, pobre alma, que Jesus não tem prazer na morte do que morre, mas Ele tem um prazer profundo como o mar, alto como o céu, amplo, como o Oriente é em relação ao Ocidente, e tão insondável como Sua própria Divindade, por salvar almas!

 

Só creia em Seu nome, pecador! Para você eu prego, você real, genuíno pecador! Você verdadeiro pecador, para você eu prego! Jesus Cristo diz: “Todo aquele que vive e crê em Mim nunca morrerá”. Você acredita nisso? Você colocará a sua confiança nEle? Você cairá em Seus braços e deixará Ele te conduzir? Você cairá sobre a Rocha Eterna e deixará que Ele o sustente? Se você fizer isso agora, neste momento, você deve tornar-se, neste momento feliz, um homem ou uma mulher transformada! Você não mais será um herdeiro da ira, mas um filho da graça! E a sua salvação se tornará inevitavelmente segura como se você estivesse agora mesmo entre os glorificados!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.