João e Idelette Calvino, por Michael A. G. Haykin com Victoria J. Haykin

|

[Founders Journal 75 • Inverno 2009 • pp 28-31]

 

Se Martinho Lutero foi o pioneiro da Reforma, seu contemporâneo mais jovem, João Calvino (1509-1563), deve ser considerado como o teólogo sistemático da Reformação. Durante quase todo o seu ministério, a partir de 1536 até sua morte em 1564, Calvino estava exilado na Genebra de fala francesa. Estes anos em Genebra foram interrompidos, somente, por um período passado em Estrasburgo (1538-1541), e foi durante esse período que Calvino se casou.

 

Com o incentivo de alguns amigos, inclusive colegas próximos como Guilherme Farel (1489-1565), Calvino havia elaborado uma lista dos atributos que ele buscava em uma mulher. Ele não estava realmente preocupado com a beleza física, disse Farel em uma ocasião. Em vez disso, ele estava à procura de uma mulher que fosse casta, sóbria, prudente, paciente e capaz de “cuidar da minha saúde”1. Farel disse que ele conhecia exatamente a mulher. Em seguida, uma mulher de classe alta foi proposta. Mas ela não sabia falar francês, e por isso Calvino não ficou de todo contente. Calvino também estava com medo de que seu status social pudesse ser um incentivo para o orgulho. O irmão de Calvino, Antoine (d. 1573), no entanto, fez questão de seu casamento. Assim Calvino concordou em considerar o casamento, desde que a mulher prometesse aprender francês. Isso foi no início de 15402. Porém no final de março do mesmo ano, Calvino estava dizendo que ele jamais pensaria em se casar com ela, “a menos que o Senhor houvesse inteiramente me desprovido de meu juízo”3.

 

Em agosto, no entanto, ele conheceu e se casou com outra mulher, uma viúva chamada Idelette de Bure (ca. 1499-1549), que tinha dois filhos. Seu primeiro marido, Jean Stordeur (d. 1540), havia sido um líder Anabatista, que, por meio de discussões teológicas com Calvino, havia se convencido da posição Reformada.

 

Calvino não diz muito sobre sua esposa em suas cartas durante seus oito anos e meio de casamento (ela morreu em março de 1549, tendo sofrido de problemas de saúde por alguns anos), mas duas declarações revelam quão próximos eles eram4. Por exemplo, durante a primavera de 1541, antes de retornar à Genebra, Calvino estava com sua esposa, em Estrasburgo. A peste grassava na cidade, e Calvino decidiu ficar em Estrasburgo, mas enviar a sua esposa embora por sua segurança. Ele escreveu para Farel que “dia e noite a minha esposa tem estado constantemente em meus pensamentos, em necessidade de conselhos, agora que ela está separada do marido”5. A segunda afirmação aparece em uma carta escrita após a morte de seu único filho, Jacques, que morreu logo após seu nascimento prematuro em 1542: “O Senhor”, Calvino escreveu a outro amigo, Pierre Viret (1511-1571), “tem certamente infligido uma ferida aguda e amargosa na morte de nosso filhinho. Mas ele é o próprio Pai e sabe melhor o que é bom para Seus filhos”6.

 

Nas duas cartas que se seguem, Calvino dá detalhes da morte de Idelette para Viret e Farel. Sua dor intensa fala de seu profundo amor por ela. E vê-se a ternura de Calvino para com sua esposa quando ele fala das providências que ele tomou para aliviar qualquer ansiedade que ela pudesse ter tido sobre o futuro de seus filhos depois de sua morte. Essa bondade é um modelo para os cônjuges.

 

João Calvino para Pierre Viret7:

 

07 de abril de 1549

Embora a morte de minha esposa tenha sido extremamente dolorosa para mim, contudo eu subjugo a minha dor, assim como eu posso. Amigos, também, são sinceros no seu dever para comigo. Deve ser desejado, de fato, que eles pudessem beneficiar mais a mim e a eles mesmos; ainda assim, alguém dificilmente pode dizer quanto sou apoiado por suas atenções. Mas você sabe muito bem quão terna, ou melhor, serena, minha mente está. Eu não tinha um poderoso autocontrole, mas isto me foi concedido, senão não teria suportado durante tanto tempo. E realmente a minha dor não é uma dor comum, eu fui roubado da melhor companhia da minha vida, de alguém que, se tivesse sido ordenado, não somente teria sido a participante voluntária de minha miséria, mas mesmo da minha morte. Durante sua vida, ela foi a fiel ajudante do meu ministério. Com ela, nunca experimentei o menor obstáculo. Ela nunca trouxe problemas para mim ao longo de todo o curso de sua doença; ela estava mais preocupada com seus filhos do que consigo mesma. Como eu temia que esses cuidados particulares pudessem irritá-la sem nenhum propósito, aproveitei a oportunidade, no terceiro dia antes de sua morte, de mencionar que eu não falharia no cumprimento de meu dever para com seus filhos. Retomando o assunto imediatamente, ela disse: “Eu já os comprometi a Deus”. Quando eu disse que não deveria impedir-me de cuidar deles, ela respondeu: “Eu sei que você não negligenciará o que você sabe que foi comprometido a Deus”.

 

João Calvino para Guilherme Farel8:

 

Genebra, 11 de abril de 1549
 
O conhecimento da morte de minha esposa talvez o alcançou antes deste momento. Eu faço o que posso para me impedir de ser dominado pela tristeza. Meus amigos também não deixam de fazer o que podem para aliviar o meu sofrimento mental. Quando o seu irmão partiu, a vida dela estava toda em desesperança, somente. Quando os irmãos estavam reunidos na terça-feira, eles acharam melhor que nos uníssemos em oração. Isso foi feito. Quando Abel, em nome dos demais, exortou-a à fé e à paciência, ela rapidamente (pois ela estava muito desgastada) declarou seu estado de espírito. Eu, depois, acrescentei uma exortação, que me pareceu apropriada para a ocasião. E então, como ela não fez nenhuma alusão a seus filhos, eu temendo que, contida por modéstia, ela pudesse estar sentindo preocupação a respeito deles, e que isso a fizesse sofrer mais do que a própria doença, declarei na presença dos irmãos, que eu passaria a cuidar deles como se fossem meus. Ela respondeu: “Eu já os entreguei ao Senhor”. Quando eu respondi, que isso não me impediria de cumprir o meu dever, ela imediatamente respondeu: “Se o Senhor cuidar deles, eu sei que eles estarão comprometidos a você”. Sua magnanimidade era tão grande, que ela parecia já ter deixado o mundo.

Aproximadamente na sexta hora do dia, em que ela entregou sua alma ao Senhor, nosso irmão Bourgouin9 dirigiu algumas palavras piedosas a ela, e enquanto ele estava fazendo isso, ela falou em voz alta, para que todos vissem que seu coração estava muito acima do mundo. Pois estas foram suas palavras: “Oh! gloriosa ressurreição! Oh! Deus de Abraão, e de todos os nossos pais, em ti têm os fiéis confiado durante tantos séculos passados, e nenhum deles confiou em Ti em vão. Em Ti eu também espero”. Estas frases curtas foram mais propelidas do que distintamente faladas. Estas não vieram da sugestão de outros, mas a partir de suas próprias reflexões, de modo que ela deixou claro em poucas palavras quais eram as suas meditações.

Eu tive que sair às seis horas. Tendo sido removido para outro apartamento depois de sete anos, ela imediatamente começou a esmorecer. Quando de repente sentiu sua voz falhar, ela disse: “Oremos, vamos orar. Todos orem por mim”. Eu ainda não tinha retornado. Ela estava incapaz de falar, e sua mente parecia estar incomodada. Eu, depois, falei algumas palavras sobre o amor de Cristo, a esperança da vida eterna, a respeito de nossa vida de casados? e da sua partida, durante a oração. Em plena posse de sua mente, ela tanto ouviu a oração como a assistiu. Antes das oito ela expirou, tão calmamente, que os presentes mal podiam distinguir entre sua vida e morte. Eu neste momento controlei a minha tristeza para que minhas faculdades não fossem afetadas.

Adeus, irmão, e mui excelente amigo. Que o Senhor Jesus te fortaleça pelo Seu Espírito; e que Ele possa me auxiliar também sob esta pesada aflição, certamente não me esquecerá Aquele que levanta o prostrado, fortalece os fracos e refrigera o cansado, estendendo a mão para mim desde o Céu. Saudai a todos os irmãos e toda a sua família.

Vosso,
 João Calvino

 

[Trecho de: O Cristão Amoroso: A Doçura do Amor e do Matrimônio nas Cartas de Crentes, por Michael A. G. Haykin com Victoria J. Haykin (Reformed Trust Publishing, 2009)].

 

 


[1] T. H. L. Parker, João Calvino: Uma Biografia (Philadelphia, PA: Westminster, 1975), 71.

[2] Ibid., 71-72.

[3] Citado em ibid., 72.

[4] T. H. L. Parker, Retrato de Calvino (Londres: SCM Press, 1954), 70-71.

[5] Citado em ibid. 71.

[6] Citado em ibid.

[7] Extraído de Cartas de João Calvino, compilado por Jules Bonnet (Edição de 1858; reimpressão, Nova York: Burt Franklin, 1972), 2:217-219.

[8] Extraído de Ibid., 216-217.

[9] François Bourgouin foi um dos presbíteros na igreja de Genebra.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.