O Julgamento de Jesus, por João Calvino

|

“E foi Jesus apresentado ao presidente, e o presidente o interrogou, dizendo: És tu o Rei dos Judeus? E disse-lhe Jesus: Tu o dizes. E, sendo acusado pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos, nada respondeu. Disse-lhe então Pilatos: Não ouves quanto testificam contra ti? E nem uma palavra lhe respondeu, de sorte que o presidente estava muito maravilhado. Ora, por ocasião da festa, costumava o presidente soltar um preso, escolhendo o povo aquele que quisesse. E tinham então um preso bem conhecido, chamado Barrabás. Portanto, estando eles reunidos, disse-lhes Pilatos: Qual quereis que vos solte? Barrabás, ou Jesus, chamado Cristo? Porque sabia que por inveja o haviam entregado. E, estando ele assentado no tribunal, sua mulher mandou-lhe dizer: Não entres na questão desse justo, porque num sonho muito sofri por causa dele. Mas os príncipes dos sacerdotes e os anciãos persuadiram à multidão que pedisse Barrabás e matasse Jesus. E, respondendo o presidente, disse-lhes: Qual desses dois quereis vós que eu solte? E eles disseram: Barrabás. Disse-lhes Pilatos: Que farei então de Jesus, chamado Cristo? Disseram-lhe todos: Seja crucificado. O presidente, porém, disse: Mas que mal fez ele? E eles mais clamavam, dizendo: Seja crucificado. Então Pilatos, vendo que nada aproveitava, antes o tumulto crescia, tomando água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo. Considerai isso. E, respondendo todo o povo, disse: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos. Então soltou-lhes Barrabás, e, tendo mandado açoitar a Jesus, entregou-o para ser crucificado.” (Mateus 27:11-26)

 

Nós já vimos pelos versículos anteriores que o nosso Senhor Jesus assim ofereceu-Se de Sua própria vontade como sacrifício de reparação por todas as nossas iniquidades por meio de Sua obediência, e Ele estava disposto a ser condenado para limpá-los. É por isso que se diz que Ele não respondeu a todas as acusações que foram levantadas contra Ele. Ele tinha o suficiente com o que responder, mas Ele ficou em silêncio, como também é mencionado pelo profeta Isaías. Isso não foi apenas para mostrar a Sua paciência, mas, a fim de adquirir para nós a liberdade para estarmos hoje habilitados para a glória, em Seu Ser justo e inocente diante de Deus (de fato, apesar de que a nossa consciência nos acuse e nos condene), sabendo que Deus nos recebeu em misericórdia, e que todas as nossas faltas são abolidas pela perfeição que foi encontrada em nosso Senhor Jesus Cristo. Assim, então, foi como o Filho de Deus adquiriu para nós a liberdade de sermos capacitados para a glória corajosamente, de forma que somos os filhos de Deus e considerados justos diante dEle, isto é, quando Ele não quis oferecer nenhuma resposta para mostrar Sua integridade. Além disso, pode-se num primeiro momento achar estranho que Ele seja, assim, capturado e, no entanto, responde que Ele é o Rei dos Judeus. Pois, essas coisas parecem contraditórias; mas São João prossegue ainda mais longe, e diz que Ele declarou que Seu reino não era deste mundo, e então Ele também declarou que Ele era o Filho de Deus; de fato, Ele protestou que tinha vindo ao mundo para dar testemunho da verdade. Mas tudo isso concorda com facilidade. Pois nosso Senhor Jesus certamente tinha que declarar-Se ser o Rei dos judeus, a não ser que Ele desejasse rejeitar as profecias.

 

Além disso, Ele teve que ser declarado Filho de Deus. Mas isso não levou à Sua absolvição. Isso foi, antes, para que não houvesse um julgamento prolongado, mas que Ele pudesse ser condenado. Notemos bem, então, quando o silêncio de Jesus Cristo é citado, que era na medida em que Ele não deseja oferecer qualquer desculpa. Quanto à Sua pessoa, Ele manteve a Sua boca fechada. No entanto, Ele não deixou de fazer tal confissão como Ele tinha que fazer. É também por isso que São Paulo diz que Ele fez uma boa confissão diante de Pôncio Pilatos (1 Timóteo 6:13). Pois, se essa fosse uma questão de Jesus Cristo entrar em Sua própria autodefesa, o juiz já teria sido convencido de Sua integridade. Ele poderia, então, facilmente ter vencido o Seu caso com um discurso. Isso é o que maravilha Pilatos. No entanto, nosso Senhor Jesus Cristo não deixou de prestar esse testemunho como Deus havia confiado a Ele — não intencionando a instrução (pois aquele não era o lugar), mas para confirmar e ratificar a doutrina da qual Ele já havia dado testemunho.

 

No entanto, temos de observar, por um lado, que o crime que mais perturbou os judeus foi que Ele despertou problemas e impediu-os de pagar tributos ao imperador de Roma. Isso também era para irritar o governador, um homem pagão que foi enviado para lá pelo Imperador. Agora é muito certo que o nosso Senhor Jesus havia declarado ser Ele mesmo rei, mas não um rei terreno. Como, de fato, vemos que quando os judeus desejam coroá-lO, Ele retira-Se e esconde-Se no monte. Ainda mais, Ele embota o fio daquela calúnia, porque teria sido uma calúnia contra o Evangelho, se Ele tivesse pervertido a ordem e a aplicação da lei do mundo. Pois Aquele que veio para nos chamar para o reino celeste e fazer-nos participantes dele não desejava abolir os reinos terrenos, uma vez que até mesmo eles são sustentados por Ele e por Seu poder. O Evangelho, então, não precisa ser acusado, a menos que Jesus Cristo viesse para usurpar qualquer poder ou autoridade terrenos. É por isso que Ele disse a Pilatos especificamente que o Seu reino não é deste lugar.

 

Na verdade, o que aconteceria se o Reino de nosso Senhor Jesus Cristo estivesse na terra? O que ganhamos com a esperança nEle, uma vez que a nossa condição é tão miserável no mundo? Os incrédulos têm uma porção muito melhor do que nós, em relação às aflições que temos que suportar. Verdade é que os castigos de Deus têm efeito em todos os lugares e que aqueles que o desejam tanto quanto possivelmente não podem deixar de estarem sujeitos a muitas misérias e aflições. Mas, mesmo assim, estejamos sempre prontos para a disciplina mais rígida. Porque Deus deve começar Seus castigos em Sua casa e em Sua Igreja. Se, então, nosso Senhor Jesus fosse um rei terreno, parece que estaríamos completamente alienado dEle. Além disso, suponham que só tivéssemos facilidades neste mundo, e que por meio do Filho de Deus tivéssemos aqui, por assim dizer, um paraíso, porém, a nossa vida é apenas uma sombra. Nossa felicidade, então, seria muito breve e frágil. Então, nós certamente devemos saber e estar inteiramente convencidos de que o reino de nosso Senhor Jesus é celestial, a fim de que possamos alcançar a vida eterna para a qual somos chamados. Isso, então, é como o reino de Jesus Cristo é eterno, porque não consiste em nada que é deste mundo, aqui onde tudo é corruptível.

 

Aprendamos, portanto, a suportar pacientemente nossas adversidades, sabendo que elas não diminuem nem prejudicam de modo algum a graça que foi adquirida para nós por nosso Senhor Jesus Cristo. Porque, na verdade, essas são ajudas para a nossa salvação, como São Paulo mostra em Romanos 8:28. Quando somos desprezados e ridicularizados pelo mundo, temos que sofrer muitas injúrias, estamos com fome e com sede, nossas asas são cortadas, somos perseguidos por todos os lados; devemos considerar: “Assim é que Deus nos aceita”. É como se Ele nos dissesse: “Olhe para o alto. Não coloque sua mente sobre o que está neste mundo”. Isso, em resumo, é o que temos de observar.

 

Na verdade, não é sem motivo que o nosso Senhor Jesus quis adicionar como uma confirmação de que Ele nasceu e veio ao mundo para falar a verdade. […]. Por isso vemos que é uma doutrina importante saber que o reino de nosso Senhor Jesus Cristo não é deste mundo. Pois se fosse uma frase trivial, Ele a mencionaria brevemente. Mas quando Ele declarou que Ele veio ao mundo para falar a verdade, é como se quisesse tornar-nos atentos, e que cada um deveria meditar em seu coração, e aplicar bem o seu estudo nesta doutrina. Isto é, que nos retiremos do mundo e de todas as criaturas, a fim de chegar a este Rei celestial, e buscar nEle os benefícios espirituais que nos são aqui comunicados, de forma que possamos apreciá-los de acordo com a medida que Ele sabe ser útil para nós, para a nossa salvação. Na verdade, de tudo o que vemos ser o resumo do Evangelho, observemos particularmente esta palavra: que Jesus Cristo veio ao mundo para falar a verdade, a fim de que possamos chegar à convicção de que, quando somos atentos à Sua doutrina, de maneira alguma seremos desapontados, uma vez que é uma coisa totalmente segura e certa que o que Ele prometeu Ele fará acontecer. Quando Davi anela estar seguro contra todas as tentações, ele diz que a Palavra de Deus é como prata purificada sete vezes e que tem sido bem provada pelo fogo. Assim tão frequentemente como nós entramos em dúvida sobre as promessas de nosso Senhor Jesus Cristo, e como seremos incomodados e molestados (como o Diabo também usa tais artimanhas para nos desanimar e nos fazer perder a coragem), voltemos a este testemunho, que, em qualquer caso, nosso Senhor Jesus apareceu no mundo, a fim de ser para nós uma testemunha fiel. Esperemos hoje que Ele mostre na prática que não é em vão que Ele nos deu todas estas promessas, porque elas são infalíveis. Isso, então, em resumo, é o que temos que lembrar.

 

Além disso, quando Pilatos diz: “Que é a verdade?”. Notemos que não era, por assim dizer, por meio de um desejo de aprender que ele fez tal pergunta, mas era, por assim dizer, por despeito e em zombaria, como hoje esse vício é visto em muitos. Quando falamos da verdade de Deus, estamos nos referindo à doutrina do Evangelho. São Paulo (em Efésios 1) lhe atribui este título, a fim de que possamos ser capazes de distingui-lo de todos os outros conhecimentos. Pois tenham certeza, se alguém nos oferece todo o relato de algo que aconteceu, isso é verdade; mas quando Deus nos chama para Si mesmo, e Ele quer nos retirar do mundo, a fim de que possamos chegar à vida celestial, esta é uma verdade que deve ser colocada na posição soberana e por comparação todo o restante deve ser como nada.

 

Agora, observemos como o mundo presta reverência para com a doutrina do Evangelho. Os homens mais sábios do mundo (que são considerados como tal) são tão cegos pela presunção que quando isso é falado a eles: “Como agora?”, eles dizem, “nós temos vivido tanto tempo no mundo, e nós conheceríamos apenas o Evangelho e nada mais que existe? Todos eles, em seguida, serão escandalizados quando for dito a eles que a verdade de Deus foi ocultada e que agora é necessário guardá-la mais zelosamente. Ouvimos como eles zombam da ideia. Assim foi com Pilatos. Pois, na medida em que ele foi enviado pelo Imperador para ser seu representante na terra da Judéia, pareceu-lhe que um grande erro foi feito a ele quando uma verdade foi dita ser desconhecida para ele. “E como assim? Devemos, então, agir como tolos? Não há nada, senão mentiras em nós? Será que não podemos discernir entre o bem e o mal? E eu que estou nomeado para o oficio, que tomo o lugar do Imperador, que represento a sua pessoa, você deve me afrontar exatamente porque eu não conheci o que é a verdade?”. Esta, então, é a intenção de Pilatos. Ele está inflado com orgulho como um sapo e ele não deseja ter a reputação de não conhecer a diferença entre o bem e o mal. Na verdade, não vemos que ele espera pela resposta de nosso Senhor Jesus, mas ele lança esta palavra como que em despeito, e deixa o lugar. Já que é assim, então, estejamos avisados. Se hoje há muitos Pilatos que recusam-se a serem ensinados na escola de Deus e tornarem-se dóceis, como se eles já fossem sábios o suficiente, que não sejamos impedidos de colocar-nos sob a obediência da fé, a fim de aceitar o que nosso Senhor demonstrou e propôs a nós, isto é, reconhecendo que a verdade não cresce em nossas mentes, na medida em que só há vaidade e falsidade ali, e estamos mergulhados em escuridão até que o Senhor nos chame para fora dela. Reconheçamos, então, que a verdade supera todos os nossos sentidos e faculdades, e Deus certamente deve ser o nosso Mestre a fim de nos manter nela; também que somos pequenos para receber o que Ele nos mostra. Que possamos guardar essa verdade tão preciosa para que, quando dermos uma volta no céu na terra, e parecer que aprendemos tudo, que saibamos que isso é apenas fumaça e que se provará efêmero até que estejamos firmados nesta Palavra, que é certa e imutável. Isso, então, em resumo, é o que temos que lembrar.

 

Agora é dito: “E, estando ele assentado no tribunal, sua mulher mandou-lhe dizer: Não entres na questão desse justo, porque num sonho muito sofri por causa dele”. Não há dúvida de que Deus desejou dar testemunho da inocência de Jesus Cristo, de muitas maneiras; como até mesmo pela boca de Pilatos (como já mencionamos e como veremos ainda mais plenamente), não que Deus já não tivesse designado o que seria feito por Seu Filho Unigênito. Assim, desde que Ele quis que Ele fosse o Sacrifício para pagar pelos pecados do mundo, as Escrituras tinham que ser cumpridas. No entanto, também nosso Senhor Jesus tinha que ser mostrado justo e inocente, a fim de que nós pudéssemos conhecer tanto melhor que Ele sofreu a condenação que era devida a nós e que merecemos e que podemos sempre olhar para nossas falhas e pecados em tudo que está aqui nos relatado sobre a morte e a paixão de nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Sobre isso se diz: “Pilatos deseja ser capaz de absolver o nosso Senhor Jesus”. Pois, embora ele tivesse autoridade soberana além de recurso, ele ainda permanecia em um país estrangeiro e com um povo amotinado, embora tivesse uma guarnição na cidade, a sedição o perturbou. É por isso que ele queria prosseguir por meio sutis e amáveis, a fim de que o povo fosse apaziguado. Em seguida, é dito que ele apresenta o que era seu costume: “Ora, por ocasião da festa, costumava o presidente soltar um preso, escolhendo o povo aquele que quisesse”. Ele lhes permite escolher entre Jesus Cristo ou Barrabás, que era (como diz São João) um ladrão. Os outros escritores dos Evangelhos dizem que ele era um malfeitor conhecido, que até tinha sido um assassino, e havia instigado sedição e problemas na cidade. Ele é uma praga, e deveria ser detestável a todos. Ainda assim, não obstante, as pessoas clamam: “Queremos Barrabás, e deixem-no ser perdoado, e que Jesus Cristo seja crucificado”.

 

Quanto a este costume de soltar um prisioneiro na Páscoa, vemos que os homens são guiados por suas tolas devoções. Pois certamente parecia que a festa era muito melhor conservada por libertar um prisioneiro, e que esse era um serviço a Deus. No entanto, tudo aquilo era apenas uma abominação. Pois diz-se que aquele que justifica o malfeitor é tão condenável diante de Deus como aquele que pune os inocentes. Deve haver, portanto, um sentimento de equidade naqueles a quem Deus enviou e estabeleceu no trono da justiça. Pois ao armá-los com Sua espada, Ele não lhes disse: “Façam o que parecer bem aos vossos olhos”. Ele certamente deseja que eles tenham um cuidado paternal sobre o povo e que eles vigiem bem contra o aumento da crueldade e de fazer o mal aos outros por abusar de seu crédito e autoridade, mas sim que eles sejam humanos e compassivos. No entanto, os malfeitores devem ser castigados, e assim Deus ordena. Mas, o que os homens fazem? Eles imaginam que estão mantendo a festa da Páscoa, quando eles estão ofendendo a Deus e estão transgredindo abertamente a Sua Palavra. Por meio disso, devemos ser advertidos a não seguirmos as nossas fantasias, quando se é uma questão de honrar a Deus, mas agradar a Sua vontade em tudo e por meio de tudo. Então, não conjuremos qualquer devoção de acordo com o que parece bom para nós, mas estejamos satisfeitos em fazer o que Deus nos ordena a fazer e o que Ele aprova. Nós até mesmo vemos o que este costume é, o que os homens fazem da lei hoje, que tudo o que é recebido como um estatuto comum parece ser lícito. Embora isso possa ser, Deus não deixa de condená-lo. Nós vemos o abuso que ocorreu, que esta corrupção provocou, a saber, que Barrabás foi preferido ao Filho de Deus.

 

Também a princípio, pode-se achar estranho que o nosso Senhor Jesus seja, portanto, escarnecido e que um ladrão e assassino seja mais privilegiado do que Ele, que ele encontre mais favor entre os homens, e que Jesus Cristo recebeu tal vergonha e desgraça. Pois, não foi o suficiente que o Filho de Deus fosse crucificado e que Ele suportasse uma espécie de morte cheia de opróbrio e que, além disso, houve grandes tormentos? Pois a morte pela cruz era, por assim dizer, a punição de ladrões. Não era apenas como a forca seria hoje, mas como a roda. Não teria sido suficiente, então, que Jesus Cristo, depois de ter sido açoitado e cuspido na face, fosse mergulhado nas profundezas, com que fosse necessário por comparação mostrar que Ele é execrável a todo o mundo? Pois, se julgarmos pelos nossos sentidos e não olharmos para além da aparência, certamente seremos confundidos, mas temos de elevar os olhos pela fé e chegar ao que temos mencionado anteriormente, a saber, que Deus governa tudo isso por Seu conselho. Não paremos, então, com o que o povo fez com Pilatos, mas contemplem este decreto imutável de Deus: que para melhor humilhar-nos, Ele quis que Seu Filho fosse mergulhado em completa confusão e que Ele mesmo fosse posto abaixo de todos os malfeitores do mundo, à medida em que Ele foi crucificado entre dois ladrões, como veremos mais tarde. Isso, então, é o que temos que observar quando é dito aqui que Barrabás tinha que ser libertado e Jesus Cristo castigado em seu lugar, como se fosse o homem mais detestável do mundo.

 

Pilatos, mesmo depois de tudo isso, tenta fazer com que o nosso Senhor Jesus escape, mas por meios diabólicos, ou seja, ele chicoteia-O (o que era então chamado de “castigar”) e queria soltá-lO depois de tê-lO, assim, castigado, como a quem tivesse cometido alguma falha. Pelo que ele fingiu para acalmar as pessoas. Agora, se o nosso Senhor Jesus, assim, escapasse, o que teria acontecido com o Evangelho, o que teria acontecido com a salvação do mundo? Pois esta “correção” como Pilatos chamou, poderia para sempre ter sido uma marca de vergonha, como se o Evangelho fosse uma doutrina perversa, uma vez que o juiz do país a condenou, e nosso Senhor Jesus em Sua pessoa fora totalmente rejeitado. Enquanto isso, nós teríamos perecido, pois não havia nenhum outro meio para nos reconciliar com Deus, a não ser pela morte de Seu Único Filho.

 

Esta, então, é a oferta da vida: a morte de nosso Senhor Jesus. Assim, vemos que o Diabo esforçou-se mui fortemente para que, de modo algum, o nosso Senhor Jesus morresse. No entanto, quem levou os sacerdotes e seus companheiros a perseguir a Jesus Cristo à morte, a não ser o Diabo? Isso é verdade, pois ele trabalha, por assim dizer, como um louco. De acordo como nós vemos que Deus envia um espírito de perturbação e de frenesi sobre todos os homens maus para que eles se contradigam e sejam como ondas do mar que batem um sobre o outro, deste modo o Diabo foi conduzido quando tentou abolir a memória de nosso Senhor Jesus por um lado e, em seguida, no entanto, queria impedir a redenção da humanidade. Mas Deus assim operou aquilo que Ele quis, de forma que a inocência de Seu Filho fosse testemunhada através da própria boca do juiz; entretanto, mesmo assim, Ele também quis que Ele morresse, a fim de fazer o sacrifício para a nossa salvação e redenção. Deus tem apenas uma vontade única e simples, mas ela é admirável para nós, e Ele tem tantas formas singulares de proceder, que devemos curvar nossas cabeças em reverência e ainda reconhecer que o nosso Senhor Jesus sofreu, não de acordo com o desejo dos homens, mas porque nós tínhamos que ter uma tal medida do infinito amor de nosso Deus, que Jesus Cristo teve que declarar isso a nós para mostrar quão preciosas as nossas almas são a Ele, e quão cara é a salvação delas a Ele. Consideremos, então todas essas coisas.

 

Além disso, é dito no final por São João, apesar de Jesus Cristo ter sido chicoteado, as pessoas ainda se esforçam mais por clamar que Ele fosse morto. Então Pilatos O questiona novamente; sim, porque ele soube que Jesus fez de Si mesmo o Filho de Deus, e esta palavra o afeta, e ele está mais assustado com Ele do que antes. É por isso que ele lhe pergunta: “De onde és tu?”. Quando Jesus Cristo não responde: “Não me falas a mim? Não sabes tu que tenho poder para te crucificar e tenho poder para te soltar?” [João 19:9-10]. Agora, aqui vemos por que os judeus trazem tal acusação contra o nosso Senhor Jesus Cristo. É verdade que o crime que poderia melhor mobilizar o governador do país foi ter atribuído a Ele mesmo o reino e o domínio; mas quando veem que a sua malícia é descoberta, e que Pilatos também entende que eles são apenas mentirosos, por isso eles dizem: “Nós temos a lei pela qual Ele deve morrer”. Pois esse privilégio tinha sido reservado a eles, a fim de que eles não tivessem quaisquer disputas religiosas. Pois os Romanos, que eram um povo profano e que serviam aos seus ídolos apenas através de cerimônia, queriam manter seu império por meio de deixar cada um fazer de acordo com sua religião.

Diante disso, eles dizem: “Ele se fez o Filho de Deus e, assim, Ele blasfemou”. É verdade que se o nosso Senhor Jesus não tivesse sido o Redentor do mundo, isso lhe teria rendido sujeição à pena de morte, fazer-Se o Filho Unigênito de Deus. Pois, nós todos somos filhos de Deus quando Ele nos adotou por Sua graça. Essa é a maneira comum de falar disso na Sagrada Escritura. Aqueles que receberam alguma graça especial são chamados de “filhos de Deus” ainda em outra forma, como príncipes e magistrados. Com maior razão, então, Jesus Cristo, que foi supremamente ungido com graças e poderes pelo Espírito Santo, pode muito bem ser chamado de “Filho de Deus”. Mas se Ele não tivesse sido Redentor do mundo, e chamasse a Si mesmo “Filho Unigênito de Deus” por excelência, este teria sido realmente um crime mortal. Mas como é que os judeus O acusam disso? Isso é antes de tudo, pela ignorância da Escritura, na medida em que eles não conhecem que Aquele que deve ser o Redentor deve ser o Deus vivo manifesto. Desde que, então, eles não têm a real compreensão das Escrituras, e eles não foram exercitados nela, mas foram feitos brutais por sua indiferença, é por isso que eles são tão ousados ao condenar Jesus Cristo. Agora, vemos semelhante temeridade em todas as pessoas ignorantes. Hoje, quando elas clamam: “Herege!”. Não é que as provas estejam à disposição, mas as pessoas com mentes mais fechadas são movidas por uma tal raiva que eles desejam ser fanáticos para honrar a Deus, e eles não sabem nem por que e nem como. Além disso, era necessário investigar se Jesus Cristo era o Messias ou não. Mas os judeus O rejeitaram, sem fazer qualquer investigação. Aprendamos com isso, se quisermos ter um zelo que Deus aprova: devemos ser governados por verdadeiro conhecimento e ser ensinados por Sua Palavra. Pois nós podemos ser capazes de tocar de leve a superfície, mas isso será apenas por argumentos hostis de Satanás, se não falamos como estudiosos da verdade de Deus; porque Ele é o único Juiz competente, e Ele reserva para Si o ofício de nos mostrar qual é a Sua vontade. Já que é assim, então, sigamos a Palavra de Deus com simplicidade, e também sejamos pacíficos. Em seguida, que o nosso zelo seja governado por isso. Isso é o que devemos observar, em primeiro lugar.

 

Mas, quando se diz que Pilatos temeu mais do que nunca ouvir do citado Filho de Deus, aqui vemos na pessoa de um pobre pagão alguma aparência de religião que o comove, e o incomoda, e fala à sua consciência, de modo que ele não sabe que caminho tomar. Ali está Jesus Cristo completamente desfigurado e com as marcas de espancamento ainda sobre Ele. Ele já havia sofrido tanto opróbrio e ignomínia, tantas gotas de saliva, tantos golpes na cabeça que tinham sido dados a ele na casa de Caifás. Resumidamente, aqui está um homem que é desprezado e rejeitado por todos. Ainda assim, no entanto, o nome de Deus comove Pôncio Pilatos e desperta nele medo e espanto. E sobre nós, então, quando nos comportamos como animais selvagens? E quando alguém desejar falar-nos sobre Deus, se não formos mantidos sob controle, o exemplo de Pilatos não nos condena até o último dia? Nós vemos escarnecedores hoje, pessoas cheias de maldade. Se alguém lhes propõe: “Olhe o que Deus nos mostra”, se alguém fala a eles sobre Sua Palavra, se alguém deseja provar o que eles rejeitam; uma coisa é tão boa quanto a outra para eles. Eles tapam os seus ouvidos para nós, eles cerram os seus olhos, eles são totalmente preocupados em seus sentidos naturais, e eles são tão orgulhosos que nem sequer consideram dar qualquer audiência. Por que estão satisfeitos como eles são. “Nós já resolvemos isso”, eles dizem, “e assim deve ser feito”. É mesmo? No entanto, aqui está Pilatos, que nunca tinha ouvido uma única palavra sobre a doutrina de Deus, mesmo a lei era para ele um desdém, de modo que tudo o que os Judeus fazem, ele considera ser uma invenção, e ele adora os seus ídolos. No entanto, o nome de “Deus” o afeta, e ele é retido quando isto é falado. Isso é em consideração de alguma majestade ou alguma pompa que ele vê em Jesus Cristo? Nem um pouco. É apenas o nome de “Deus”, o que o inclina à reverência. Quantas pessoas, então, serão condenadas por esse temor de Pilatos, quando elas seguem o seu caminho e nenhum progresso pode ser feito dentre eles, embora o nome “Deus” seja falado para eles, e não apenas como uma palavra passageira, mas oferecendo-se para ensiná-los e mostrar-lhes com o dedo os testemunhos das Escrituras! Se eles não condescendem nem a pensar, nem a aplicar-se a qualquer diligência, o Diabo não deve possuí-los totalmente? Não devem eles saber que eles são como que monstros, que aboliram todas as sementes da Religião, na medida em que se fizeram obstinados contra Deus, por assim dizer, desafiando toda a natureza? Isso é, então, o que temos que lembrar.

 

Embora isso possa ocorrer, no contrário, vemos também que todos os temores que os homens têm, e todo sentimento e apreensão que eles têm ao honrar a Deus, serão, por assim dizer, apenas um raio de luz que passa diante de seus olhos e imediatamente desaparece. Pois como Pilatos teme a Deus? Nós vemos que isso absolutamente não o impede, que ele apenas demonstra um grande orgulho tal, que lhe parece que Deus não é nada mais. Isso, então, acontece com todos aqueles que não são regidos pelo Espírito de Deus que terão de um lado alguns medos pelos quais ficam apreensivos, de modo que eles se humilham por um tempo diante de Deus, mas eles não deixam de levantar seus chifres, depois de esquecerem-se, e embotarem as suas consciências para fazer o mal. Como vemos em Faraó, que às vezes ele é bastante assombrado. “E ore a Deus por mim”, ele diz. E quando ele vê o poder de Deus, de modo aparente: “Oh, isto é o dedo de Deus”, diz ele, “é preciso estar sujeito a Ele”. Mas logo depois ele torna-se pior do que nunca. Assim, então, foi com Pilatos. Isso nos adverte para que não tenhamos qualquer temor de Deus, como rajadas de vento, mas para que tenhamos uma boa raiz que permanece firme em nossos corações. Pois como é que Pilatos temia a Deus? Isso é somente para torná-lo mais indesculpável.

 

É por isso que Deus desperta as consciências dormentes, que desejam rejeitar todo o jugo, e Ele as traz de volta e incita-as a pensarem de si mesmas mais seriamente, de modo que, apesar de si mesmas, elas devem reconhecer sua pobreza e sentir seus vícios, embora elas desejem dormir neles. Todos os escrúpulos, então, que os condenadores de Deus e todos os homens ímpios têm, devem ser considerados como intimações que Deus questiona a fim de retirar deles todas as desculpas de ignorância. Mas então eles afrouxam as rédeas, eles se atiram ao abandono, e por isso eles não são de modo algum retidos, como vemos em Pilatos. No início, ele fica bastante surpreso, mas logo em seguida ele volta ao seu eu natural. “Não sabes tu”, ele diz a Jesus, “que tenho poder para te crucificar e tenho poder para te soltar?” [João 19:10]. Aqui observemos em primeiro lugar, se Ele fosse um ladrão, não obstante, ele [Pilatos] não teria sido capaz de mover um dedo a menos que Deus lhe desse o poder. Como é, então, que Pilatos se atreve a assumir tal licença ilimitada como para condenar e libertar de acordo com seu desejo e em virtude de sua posição? Pois, seria melhor que a averiguação fosse liberada de todos os assaltantes e que eles tivessem liberdade para exercer sua crueldade nos bosques do que para as pessoas sentarem-se em um trono tão honrado, pessoas que têm prazer no poder sem pensar em suas consciências, enquanto isso, lançam o mundo em total confusão. Aqui vemos (como tenho mostrado) que não havia raiz viva em Pilatos, mas apenas uma rajada de vento. Então, aprendamos a temer a Deus de modo que haja uma constância firme em nós para caminharmos em Sua obediência, e que possamos lutar virtuosamente contra tudo o que poderia nos desviar, e que esta verificação sempre possa nos impedir de retroceder: não é apropriado provocar a ira dAquele que tem todo o poder sobre nós. Isso é, em resumo, o que temos que lembrar.

 

No entanto, também aqui consideramos como a glória que Pilatos atribui a si mesmo é, no entanto, uma grande vergonha para ele. Pois os seus inimigos não o poderiam ter repreendido pior do que isso: a saber, que ele deseja sustentar e reputar a si não ter qualquer discriminação entre o bem e o mal. No entanto, ele se orgulha disso. Vemos, então, na medida em que os inimigos do Deus imaginam-se ser elevados, eles devem sempre se sentir lançados em maior confusão. Deus coloca neles um tal sentimento de desaprovação que eles se vangloriam de suas iniquidades, a fim de tornarem-se detestáveis tanto no céu e na terra. O que, então, deve ser feito? Aprendamos a nos gloriarmos no bem, e consideremos o que é lícito para nós. Pois, quanto àqueles que se gloriam em sua grandeza, é certo que eles provocam a Deus, na medida em que muitas vezes adquiriram as suas riquezas e seu crédito por meios ilícitos, pelo excesso, pela crueldade, e todos os tipos de extorsões. Quando, então, eles se gloriam naquilo que, por assim dizer, desafia a Deus. Aquele que tem saqueado de todas as partes dirão: “Eu tenho feito bem”. E ali há o sangue de pessoas pobres que ele tem sugado. Ele dirá: “Eu o adquiri”. E como? Por fraudes, práticas iníquas, saqueando um, devorando outro, e tendo pervertido toda a ordem. O outro, através de ambição e meios ilícitos terá chegado a alguma dignidade. Pelo que ele deseja ser tido em reverência. Isto é desafiar a Deus abertamente.

 

Aprendamos, então, (como já disse) a nos gloriarmos no que Deus aprova. É verdade que, embora possa haver algo de bom em nós, não é lícito usurpar o louvor que Deus reserva para Si, e por conta do que devemos prestar-Lhe honra, na medida em que Ele nos deu tudo. Não é apropriado, então, aqui nos gloriarmos em nós mesmos, como se o que Deus nos concede nos pertencesse. Mas eu digo que devemos nos gloriar apenas em que aprouve a Deus nos adotar por Seus filhos, e na medida em que Ele nos dá a graça de andar com temor dEle, na medida em que Ele nos dá o poder de nos abstermos do mal. Nisto devemos nos gloriar. Então, se somos pequenos e desprezíveis de acordo com o mundo, oremos para que Ele possa nos dar paciência, e que possamos preferir estar em tal condição em vez de sermos elevados e entrementes a nos divertirmos como as pessoas do mundo fazem, os quais se fazem alegres, de modo que nada pode contê-los. Esta, em resumo, é a forma como temos que nos gloriar, ou seja, que não desejemos ser mais do que Deus nos permite, e que nós possamos desprezar tudo o que Ele desaprova, embora o mundo possa aplaudir aqueles que exercem a tirania e que praticam todo o mal em excesso. Abandonemos, então, facilmente e de bom grado todas essas glórias, não buscando nada, exceto ser reconhecidos e confessados diante de Deus como Seus filhos. Isso é, em resumo, o que ainda temos que lembrar.

 

Em conclusão, é dito: “Então Pilatos, vendo que nada aproveitava, antes o tumulto crescia, tomando água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo”. Nós já declaramos que a inocência de nosso Senhor Jesus teve que ser provada e foi testemunhada pela boca do próprio juiz. Pois, quando se diz que Jesus Cristo padeceu sob Pôncio Pilatos e que Ele foi condenado, não é o suficiente ter ouvido o relato, mas devemos estar plenamente conscientes de que Jesus Cristo não somente é inocente, mas que Ele é a fonte de toda santidade e perfeição. Por que, então, Ele é condenado? Há aqui duas coisas diferentes, ao que parece. Diz-se que Ele é o Cordeiro de Deus sem mácula. Uma vez que Ele é o Cordeiro de Deus, Ele deve ser condenado ao sacrifício. A palavra “Cordeiro” implica que Ele deve ser oferecido. E o que a Lei pronuncia sobre os sacrifícios? Que eles representam os pecados e maldições. É por isso que se diz que nosso Senhor Jesus foi amaldiçoado por nossa causa, isto é, que Ele recebeu a maldição que era devida por nossos pecados. Esta, então, é a qualidade e condição sob a qual Ele é condenado, uma vez que Deus o constituiu como um Cordeiro que deveria ser oferecido em sacrifício. Mas também Ele teve que ser reconhecido sem qualquer mácula, e Sua pureza tinha que vir diante de nossos olhos, a fim de que possamos compreender os nossos pecados, na medida em que sabemos que Jesus Cristo é o espelho de toda a perfeição; e para que possamos examinar nossas culpas para estarmos descontentes com elas e atravessarmos a condenação, que foi preparada para nós, se não fôssemos libertados por Ele.

Agora, quando Pilatos tomou a bacia e a água para lavar as mãos, essa foi uma cerimônia muito frívola, como se ele pudesse ser absolvido diante de Deus por isso. Mas isso não era para desculpar-se diante de Deus, quando ele tentou apaziguar a fúria do povo. Pois ele não protestou diante de Deus que ele era inocente, mas ele somente disse ao povo: “Estou inocente do sangue deste justo. Considerai isso”. Como se ele dissesse: “Vocês me forçaram a isso”. Mas, tudo isso (como eu já disse) não é para desculpá-lo. Além disso, ele não está desenvolvendo absolutamente o ofício de juiz. Pois, ele deveria antes morrer cem vezes do que desviar-se de seu ofício. Quando ele viu todos os problemas do mundo, ele deveria ter esta magnanimidade de fazer o que ele sabia ser bom e justo. Mas quando ele vê que as pessoas estão tão exaltadas, ele se deixa levar. No entanto, isso tinha que ser, maldito como era, que ele atestasse a inocência de nosso Senhor Jesus Cristo, e que a partir de sua própria boca, ele O justificasse. No entanto, isso não o desculpa da condenação, mas nisto repousa a nossa consolação. Pois sabemos que, se devemos ser levados diante de Deus hoje para aparecermos diante de Seu trono, isso não seria para recebermos condenação; mas o sangue de nosso Senhor Jesus foi derramado e é o verdadeiro purificador de nossas almas, Ele nos recebe como puros e limpos.

 

Aqui, então, é onde nós devemos ter o nosso recurso. No entanto, vemos a palavra que é pronunciada pelos judeus. Pois eles são arremessados de cabeça de tal forma por Satanás que eles dizem: “O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos”. Agora, eles eram a herança de Deus, o povo eleito e escolhido dentre todas as nações da terra. No entanto, eles renunciam a esta dignidade, e a todas as promessas de salvação, desta aliança sagrada que Deus estabeleceu com a linhagem deles. Eles são, então, privados de todos os benefícios que Deus tinha distribuído anteriormente a eles, na medida em que eram descendentes da raça de Abraão. E o sangue de nosso Senhor Jesus teve que cair sobre eles, de fato, para a confusão deles e de todos os seus descendentes. Como também Ele já havia declarado a eles: “A sua iniquidade virá completamente, e o sangue dos Mártires, desde Abel, o justo, mesmo de Zacarias, filho de Baraquias, que foi assassinado há pouco tempo, deve ser lançado sobre vocês, e vocês verão que sempre assassinaram os profetas é por isso vocês têm lutado contra Deus e contra a Sua Palavra” (Mateus 23:34-36, Lucas 11:49-51, 2 Crônicas 36:15-16).

 

Isso, então, é como o sangue de nosso Senhor Jesus, que deveria ser a salvação para todo o mundo, e de fato especialmente dos judeus, uma vez que o direito de primogenitura pertencia a eles, clamou por vingança contra eles. Mas agora aprendamos a olhar profundamente dentro de nós mesmos, e a orarmos a Deus para que Ele venha sobre nós de outra maneira, tanto sobre nós, e em particular, sobre os nossos filhos; ou seja, que sejamos lavados e purificados, vendo que somos abomináveis diante de Deus por causa de nossos pecados, até que sejamos lavados e experimentemos que o sangue que já foi derramado para a nossa redenção venha sobre nós e que, assim, sejamos aspergidos pelo poder do Espírito Santo (1 Pedro 1:2 — assim diz São Pedro em sua Carta Canônica) e que possamos ter o cuidado para não rejeitar a graça que nos é oferecida por Deus, da qual os judeus foram privados por causa de sua ingratidão, e não fizeram nada, senão provocar mais e mais a Sua vingança. Que possamos, então, hoje estar dispostos a receber a purificação de nosso Senhor Jesus Cristo, que não pode ser apreendida, exceto pela fé. Oremos a Deus para que não tenhamos recebido esta lavagem em vão, mas que no dia a dia, sejamos purificados de todos os nossos defeitos. Que agrade ao nosso Deus produzir muito da pureza que foi adquirida por nosso Senhor Jesus Cristo, até que cheguemos em Seu reino, onde seremos libertos de toda corrupção dos nossos vícios.

 

Agora, curvemo-nos em humilde reverência diante da majestade do nosso Deus.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.