O Maravilhoso Significado do Batismo, por John Piper

|

Uma Celebração Do Batismo

 

[Por John Piper, 18 de abril de 1982]

 

“E, depois que João foi entregue à prisão, veio Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho do reino de Deus, E dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo. Arrependei-vos, e crede no evangelho” (Marcos 1:14-15), um outro homem, João Batista, estava preparando o povo de Israel, chamando-os ao arrependimento, a voltarem-se para Deus em fé e obediência, e serem batizados. O que o Batismo de João significa?

 

A Origem Do Batismo Cristão

 

Isso significava que o Messias havia chegado; que Ele estaria reunindo um novo povo para Si mesmo; a marca deste novo povo não é o judaísmo, mas o arrependimento e a fé. Por isso os judeus não responderiam à exigência de João para o arrependimento: “Mas nós temos Abraão por nosso pai, e carregamos as marcas da circuncisão, o sinal do pacto”. O que importa no novo povo não é quem são seus pais, mas para quem você vive; e, portanto, um novo símbolo para o novo povo da aliança é dado, a saber, o batismo; e é dado no ministério de João apenas para aqueles que se arrependem e creem. Em outras palavras, ao chamar todos os judeus para serem batizados, João declarou poderosamente que a descendência física não produz uma participação na família de Deus, e, portanto, a circuncisão que significava um relacionamento físico será agora substituída pelo batismo, que significa a relação espiritual. E assim João Batista estabelece as bases para a compreensão do Novo Testamento sobre o batismo, que a tradição Batista hoje tenta preservar.

 

O próprio Jesus aceitou o Batismo de João, a fim de identificar-Se com o ensino de João e com este novo povo de fé. Os discípulos de Jesus aderiram à prática de João e batizaram como uma parte do ministério de Jesus (João 3:26; 4:2). Então, no fim de Seu ministério terreno, Jesus comissionou a igreja para “fazer discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mateus 28:19).

 

Várias semanas depois, os apóstolos pregaram o seu primeiro sermão para o povo judeu, que se reuniam para o Pentecostes em Jerusalém. Pedro concluiu com estas palavras: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar” [Atos 2:38-39]. Seguindo os passos de João Batista e, em obediência ao mandamento do seu Senhor, os apóstolos chamam a nação de Israel a arrepender-se e significar este arrependimento através do batismo. E a promessa que eles sustentavam não é apenas para esta geração, mas para os seus filhos também, e não só para aqueles próximos, mas para aqueles que estão distantes. É para todos os que ouvem e respondem ao chamado de Deus. O perdão dos pecados e o dom do Espírito Santo é oferecido a todos os que se voltam para seguir a Cristo e seguem a expressar essa transformação no batismo.

 

Assim, podemos ver como a ordenança do batismo Cristão começou com João Batista, foi aceito por Jesus no início de Seu ministério, foi praticado por Seus discípulos, foi ordenado pelo Senhor depois de Sua ressurreição, e foi oferecido na igreja primitiva para todos os que se arrependem e creem em Jesus Cristo. E podemos ver o significado que ele alcançou. Era um sinal de arrependimento e fé em Cristo como Salvador e Senhor de um novo povo. O batismo simboliza a conversão a Jesus. Ele representa uma conversão da vida antiga e um alinhamento de nós mesmos com Cristo. Como São Paulo disse: “De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida” (Romanos 6:4). Ele simboliza a morte para o velho caminho descrente e a vivificação de uma nova pessoa que confia e obedece a Jesus.

 

Batismo De Crentes Versus O Batismo Infantil

 

Uma das coisas que faz de nossa visão de batismo ser distinta é que não concebemos que os infantes devem ser batizados. A razão é que, por um lado, os infantes não são capazes de arrependimento ou fé; e, por outro lado, a noção de que uma pessoa deve herdar as bênçãos de um Cristão ou ser considerado um Cristão, em virtude da fé de seus pais é contrária ao ensino do Novo Testamento. A defesa mais crível e respeitável do batismo infantil, diz que, assim como em Israel a circuncisão foi dada às crianças de oito dias de idade, assim, na igreja, o batismo deve ser administrado às crianças de pais Cristãos. Agora, nós argumentamos que existe uma correspondência entre a circuncisão como um sinal da aliança com Israel e batismo como um sinal da nova aliança. Cremos, a saber, que, assim como a circuncisão foi administrada a todos os filhos físicos de Abraão que compunham o Israel físico, assim o batismo deve ser administrado a todos os filhos espirituais de Abraão que compõem o Israel espiritual, a Igreja.

 

E quem são esses filhos espirituais de Abraão? Gálatas 3:7 diz: “Sabei, pois, que os que são da fé são filhos de Abraão”. Uma vez que a única maneira de entrar no verdadeiro Israel de Deus, a Igreja, é através do arrependimento e da fé em Jesus Cristo, assim o símbolo desta entrada só deve ser administrado àqueles que creem. O Batismo de Crentes testemunha o ensino de João Batista (Mateus 3:9), de Jesus (Mateus 21:43), e dos apóstolos que “nem por serem descendência de Abraão são todos filhos… não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência” (Romanos 9:7-8). Uma mudança muito importante ocorreu na maneira como Deus compõe o Seu povo. No Antigo Israel, Deus formou o Seu povo através de descendência natural. Mas na Igreja, o verdadeiro Israel, Deus está formando o Seu povo e não por parentesco natural, mas por meio de conversão sobrenatural à fé em Cristo. Sim, há uma correspondência entre a circuncisão para o Antigo Israel e o batismo para a Igreja. Ambos simbolizam a adesão à comunidade de aliança. Mas também há uma diferença crucial. Com a vinda de João Batista, e Jesus e os apóstolos, a ênfase agora é que o estado espiritual de seus pais não determina a sua participação na comunidade da aliança. Os beneficiários das bênçãos de Abraão são aqueles que têm a fé de Abraão. Estes são aqueles que pertencem à comunidade da aliança, e estes são os que (de acordo com a prática do Antigo Testamento) devem receber o sinal da aliança.

 

Portanto, o que nós celebramos no batismo, hoje, é a poderosa obra de Deus nos corações de crianças e adultos ao trazê-los ao arrependimento e à fé em Cristo. Quando perguntamos se Jesus é o seu Salvador e Senhor, celebramos a verdade eternamente importante que eles receberam dEle, a si mesmos. Quando os batizamos em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, nós celebramos o envolvimento de toda a Divindade em sua conversão e sua nova relação com cada pessoa da Trindade. Quando os imergimos em água, nós celebramos a morte e sepultamento de Jesus Cristo pelos nossos pecados. Quando os emergimos da água, nós celebramos a ressurreição de Jesus e a sua participação na mesma. E quando eles saem das águas batismais, celebramos a novidade de vida em amor e alegria que Jesus nos concede.

 

Minha oração é que todos os próprios candidatos ao batismo, e todos os que testemunham o batismo deles, experimentem um reavivamento do amor a Deus por tudo que Ele fez por nós em fazer-nos parte do novo povo da Aliança por meio do arrependimento e da fé.

 

Considerações sobre o Batismo

 

[Por John Piper, Mensagem da noite de Domingo, 29 de setembro de 1980]

 

O Novo Testamento ensina muito claramente que somos salvos pela fé. “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo” (Atos 16:31; veja também João 3:16). “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus” (Efésios 2:8). “Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus” (Gálatas 3:26).

 

O Novo Testamento também ensina que a fé é um ato do coração; ela vem do florescer de nossas emoções e vontade. Romanos 10:10 diz: “Com o coração se crê para a justiça”. Devemos decidir tomar a Cristo como nosso Senhor e nosso Salvador e devemos amá-lO pela beleza de Sua santidade.

 

Mas a transição da morte para a vida, das trevas para a luz, da desesperança à esperança, da escravidão do pecado para a escravidão a Deus não é meramente uma questão de ideias ou emoções. Inclui toda a pessoa, e, portanto, o Novo Testamento chama não apenas para a fé no coração, mas também a confissão nos lábios. “A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo” (Romanos 10:9). Claro que isso não significa que uma pessoa que está paralisada e não pode falar não pode ser salva. Tal noção trataria a confissão como uma adição mecânica à fé. Mas Jesus disse: “Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca” (Mateus 12:34). Confissão com a boca é simplesmente o transbordar da fé. Quando Paulo insiste na confissão ele quer dizer: o coração deve estar cheio de fé, e nunca devemos limitar a vida em Cristo a um assunto meramente emocional ou interior.

 

Batismo Como Uma Expressão Pública De Fé

 

Para preservar esta verdade, o Novo Testamento chama para mais um ato no processo de passagem da morte à vida, da alienação de Deus para a reconciliação com Deus, a saber, o batismo. As últimas palavras de Jesus aos seus discípulos: “ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado”. Assim, Pedro conclui seu primeiro sermão, depois que Jesus se foi, com as palavras: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo” (Atos 2:38)

 

Às vezes, nós nos referimos ao batismo como um símbolo. Isso pode estar dizendo muito pouco, a menos que nós nos lembremos de que existem duas formas para simbolizar algo. Se você escrever a palavra AMOR [LOVE] em um quadro negro para um grupo de alunos do segundo grau e dizer que este é o símbolo do idioma Português [Inglês] para o compromisso do coração para o bem-estar de alguém, isso é um tipo de simbolismo. Mas se você leva sua amada para uma lagoa e, sentando-se com ela debaixo de uma árvore, você retira um anel de diamante do seu bolso, pede-lhe para casar com você, e oferece o anel como um símbolo de seu amor, então você está fazendo algo muito diferente — você está expressando amor através de uma ação simbólica. O professor que escreve AMOR na lousa não precisa ter qualquer amor. Mas a entrega de um anel de diamante é o amor em ação.

 

O batismo é um símbolo de fé nesse segundo sentido. É uma expressão com o corpo inteiro da aceitação do coração do senhorio de Cristo. Por que é tão apropriado que Jesus o tenha ordenado a todo o Seu povo? Eu penso que é apropriado, porque o que acontece em se tornar um Cristão envolve o corpo, bem como o coração. Na conversão, o coração é livre do pecado para ser escravizado a Deus. Mas em Romanos 6, Paulo realmente salienta que nossos corpos também estão envolvidos ao longo desta mudança. Por exemplo, no versículo 13: “Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniquidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça”. Parece apropriado que uma vez que o senhorio de Cristo reivindica todo o nosso corpo, devemos expressar a nossa aceitação deste senhorio com uma ação de todo o corpo. E a ação que Jesus ordenou é o batismo. O batismo dá expressão à nossa fé, que somos de Deus, da cabeça aos pés.

 

A igreja primitiva batizou por imersão e via este ato como uma aceitação da morte com Cristo e a ressurreição para uma nova vida. Quando todo o corpo é imerso em água, o crente simboliza e expressa seu desejo de que nenhum aspecto de sua pessoa escape da morte com Cristo e da renovação pelo Espírito.

 

Eu estive pensando sobre a piscina batismal de Bethlehem. Eu nunca vi nada parecido. É muito parecido com uma catacumba ou uma tumba. Você entra por uma porta pequena, e, em seguida, ela abre levemente aqui, em uma pequena sala. O teto é muito baixo (Rick terá que se curvar). Mas esta atmosfera tumular apertada é talvez, simbolicamente, muito apropriada. Paulo disse em Romanos 6:3-4: “Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte?

 

De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida”.

Então eu sugeri a Rick e Marie, e Steve e Cindy que, enquanto eles entram por aquela porta estreita e se movem ao longo do caminho de passagem para esta piscina, eles façam com que sua movimentação signifique o seu desejo de morrer com Cristo para o pecado e de andar em novidade da vida — vida inteiramente dedicada a Deus.

 

Irmãos, Magnifiquem o Significado do Batismo

 

[Por John Piper, 1 de janeiro de 1995]

 

Recordo-me de um belo dia, em 1973. O Professor Leonhard Goppelt havia convidado seu seminário universitário sobre o batismo a um retiro no sul de Munique, no sopé dos Alpes da Baviera. Ele era Luterano e eu era o único americano, e um Batista. Nós nos conhecemos em um mosteiro e por várias horas debatemos a questão do batismo infantil versus batismo de crentes. Foi um espetáculo de dois homens: uma espécie de Davi e Golias. Só não havia israelitas Batistas me aplaudindo. Nem o Professor Goppelt caiu. Mas até hoje eu acredito que o lançar das minhas pedras era verdadeiro e que somente o poder impermeável de uma tradição do século XVII protegia o bastião do pedobatismo.

 

Mas agora, eu vi que a “batalha da Baviera” foi travada no nível errado. Desde que cheguei a Igreja Batista de Bethlehem, em Minneapolis, eu ensinei cerca de dez classes, de quatro semanas, de membresia. Quase todas as vezes, tem havido Luteranos ou Católicos ou Presbiterianos ou Aliancistas ou similares que foram “batizados” como crianças, mas querem ser unir à nossa igreja. Mês a mês o meu entendimento do porquê de eu aceitar o Batismo de crentes aumentou. E agora eu vejo que eu nunca cheguei à raiz na Baviera.

 

Aqui está a forma como o meu pensamento progrediu. Houve três estágios (não muito diferentes da infância, adolescência e maturidade).

 

Fase 1: Os Sujeitos Do Batismo

 

Primeiro, eu vi que todo batismo registrado na Bíblia foi o batismo de um adulto que havia professado fé em Cristo. Em nenhum lugar na Bíblia há qualquer exemplo de uma criança sendo batizada. Os “batismos de casas” (mencionados em Atos 16:15, 33 e 1 Coríntios 1:16 são apenas exceções a isso, se supõe-se que a “família” incluía crianças. Mas, de fato, Lucas nos afasta deste pressuposto em Atos 16:32, dizendo que Paulo primeiro “lhe pregavam a palavra do Senhor, e a todos os que estavam em sua [do carcereiro] casa”.

 

Além da ausência do batismo de crianças na Bíblia, eu também percebo (como todo estudante Batista sabe) que a ordem do comando de Pedro era “Arrependei-vos, e sejam batizados” (Atos 2:38). Eu não via razão alguma vez para inverter a ordem.

 

Mas, eu gradualmente passei a ver que essas observações eram apenas sugestivas, não convincentes. Que nenhuns batismos infantis são registrados não prova que não houve nenhum. E que Pedro disse: “Arrependei-vos, e sejam batizados”, para um público adulto não descarta a possibilidade de que ele dissesse algo diferente sobre as crianças. Então eu cresci em minha segunda etapa e decidi: “É melhor afastar-me dos exemplos de batismo para o ensino sobre o batismo”. Talvez o significado da narrativa de Lucas seja esclarecido pela exposição de Paulo e Pedro.

 

Fase 2: O Significado Do Batismo

 

Evidentemente Romanos 6:1-11 veio à mente. Mas essa foi a arma favorita do Professor Goppelt, porque isso não contém nem uma palavra sobre a fé ou sobre qualquer resposta consciente a Deus até o versículo 11; e ali a resposta veio após o batismo. Assim, ele usa Romanos 6 como a defesa clássica do batismo infantil […].

 

Mas, Colossenses 2:12 e 1 Pedro 3:21 me pareciam ser devastadores para o ponto de vista Pedobatista. Paulo compara o batismo com a circuncisão e diz: “Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos”. Isto diz claramente: no batismo somos ressuscitados por meio da fé. O batismo é eficaz como uma expressão de fé. Eu não vejo como uma criança poderia receber corretamente este sinal de fé.

 

Em seguida, 1 Pedro 3:21 diz: “Que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, o batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo”. Este texto assusta muitos Batistas porque parece aproximar-se da noção Católica, Luterana e Anglicana que o rito em si salva. Mas, ao fugirmos deste texto, desperdiçamos um argumento poderoso para Batismo de Crentes. Porque, assim como J. D. G. Dunn diz, esta é a coisa mais próxima que temos de uma definição que inclui a fé. O batismo é “um apelo a Deus”. Ou seja, o batismo é o clamor de fé a Deus. Nesse sentido e a esse nível, ele participa dos meios de salvação de Deus. Isso não deve nos assustar mais do que a frase: “Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus […] serás salvo” [Romanos 10:9]. O movimento dos lábios no ar e o movimento do corpo em água salvam apenas no sentido de que eles expressam o apelo e a fé do coração em direção a Deus.

 

Assim, pareceu-me que Colossenses 2:12 e 1 Pedro 3:21 costuraram o caso contra o batismo de infantes, que ainda não podiam crer em Cristo ou apelar a Deus.

 

Mas é aí que a minha batalha Bavariana parou. Desde então, tenho demonstrado por uma longa sucessão de argumentos em minhas aulas de membresia que mesmo esses textos deixam em aberto a possibilidade [remota!] que uma criança possa ser batizada com a força da fé de seus pais e na esperança de sua própria eventual “confirmação”. É tão possível que essas passagens tenham relevância apenas para o estabelecimento missionário onde os adultos estão sendo convertidos e batizados. Se Paulo e Pedro houvessem abordado a questão dos lactentes em lares Cristãos, talvez eles teriam se saído como bons Presbiterianos.

 

Fase 3: A Descontinuidade Do Batismo

 

Eu duvido disso. Por agora, há uma terceira fase de raciocínio em favor do Batismo de Crentes. Há uma grande resposta bíblica e Batista para o Catecismo de Heidelberg, que diz que as crianças de pais Cristãos “pertencem ao pacto e ao povo de Deus […] elas também devem ser batizadas como um sinal da aliança, serem enxertadas na igreja Cristã e distinguidas dos filhos dos incrédulos, como foi feito no Antigo Testamento pela circuncisão, no lugar do qual o batismo é nomeado no Novo Testamento”. Em outras palavras, a justificação do batismo infantil nas igrejas reformadas paira sobre o fato de que o batismo é o homólogo do Novo Testamento da circuncisão.

 

Há, de fato, uma continuidade importante entre os sinais da circuncisão e batismo, mas os representantes Presbiterianos da teologia Reformada têm desvalorizado a descontinuidade. Esta é a diferença radical entre Batistas e Presbiterianos sobre o batismo. Eu sou um Batista, porque acredito que nesse aspecto, honramos tanto a continuidade e descontinuidade entre Israel e a igreja e entre seus respectivos sinais da aliança.

 

A continuidade é expressa assim: Assim como a circuncisão foi administrada a todos os filhos físicos de Abraão que compunham o Israel físico, assim, o batismo deve ser administrado a todos os filhos espirituais de Abraão que compõem o Israel espiritual, a Igreja. Mas quem são esses filhos espirituais de Abraão, que constituem o povo de Deus em nossa época?

 

Gálatas 3:7 diz: “Sabei, pois, que os que são da fé são filhos de Abraão”. A coisa nova, uma vez que Jesus veio, é que o povo da Aliança de Deus não é mais uma nação política, étnica, mas um corpo de crentes.

 

Por Que A Inauguração Da Nova Aliança Importa?

 

João Batista inaugurou esta mudança e introduziu o novo sinal do batismo. Ao chamar todos os judeus a se arrependerem e serem batizados, João declarou poderosa e ofensivamente que a descendência física não forma uma parte da família de Deus e que a circuncisão, que significa uma relação física, será agora substituída pelo batismo, que significa uma relação espiritual. O apóstolo Paulo abordou essa nova ênfase, especialmente em Romanos 9, e diz: “Nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência. Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência” (vv. 7-8).

 

Portanto, uma mudança muito importante ocorreu na história da redenção. Há uma descontinuidade, bem como uma continuidade.

 

Zwinglio e Calvino e seus herdeiros têm tratado os sinais da Aliança como se nenhuma mudança significativa houvesse ocorrido com a vinda de Cristo. Mas Deus compõe hoje o Seu povo hoje de forma diferente do que quando Ele se empenhou com um povo étnico chamado Israel. O povo de Deus não é formado através de parentesco natural, mas por conversão sobrenatural à fé em Cristo.

 

Com a vinda de João Batista, e Jesus e os apóstolos, a ênfase agora é que o estado espiritual de seus pais não determina a sua participação na comunidade da Aliança. Os beneficiários das bênçãos de Abraão são aqueles que têm a fé de Abraão. Estes são aqueles que pertencem à comunidade da Aliança.

 

E estes são os que devem receber o sinal da Aliança: o Batismo de Crentes. Então, se eu pudesse voltar atrás e ir à Baviera novamente, chegaria à raiz depressa. Este é o lugar onde a nossa “defesa e confirmação” serão ganhas ou perdidas. Mas, o Senhor nos conduz pela infância, adolescência e maturidade por uma razão. Cada fase do raciocínio é útil. Conheçam a sua audiência, irmãos, e magnifiquem o significado do batismo. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.