O Senhor Sabe Livrar, por R. M. M’Cheyne

|

“Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e reservar os injustos para o dia do juízo, para serem castigados.” (2 Pedro 2:9)

 

Há apenas duas grandes classes de pessoas no mundo: os piedosos e os injustos; e a maneira em que Deus lida com essas duas classes configura a história do universo. A uma dessas classes cada um de vocês pertence. (1) Os piedosos são aqueles que nasceram de novo, que são feitos participantes da natureza Divina, e vivem para Deus. (2) Os injustos são aqueles que são ímpios, que nunca nasceram de novo, que vivem para si mesmos e para o mundo. Deus lida de forma muito diferente com essas duas classes.

 

 

I. Seu tratamento aos piedosos.

 

1. Ele lhes permite cair em tentações. Toda a Bíblia mostra que é comum para os crentes serem conduzidos através de muitas e grandes tentações. Tentações podem ser compreendidas de duas maneiras. (1) Solicitações para pecar. Todos os crentes podem cair nestas. A velha natureza permanece; embora crucificada, e mortificada, e odiada, contudo ela permanece. Satanás atira seus dardos inflamados, coloca armadilhas para a alma. O mundo espreita por nossa hesitação. Sem dúvida, Noé sentiu estas no mundo antigo, e Ló, enquanto caminhava pelas ruas de Sodoma. (2) Tribulações. Todos os tipos de tribulações tentam a alma para ver se esta permanecerá em Cristo ou não, censuras e perseguições. Muitas vezes, a tribulação é ardente. Toda a Bíblia testifica que é comum que os crentes caiam nestas. O curso normal de um crente passa por meio destas: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar” [1 Coríntios 10:13]. Não pense que isso é estranho. Tiago diz “tende grande gozo quando cairdes em várias tentações” [Tiago 1:2]. E Paulo diz que ele serviu ao Senhor “com toda a humildade, e com muitas lágrimas e tentações” [Atos 20:19]. Você pode achar estranho que Deus nos conduza por tal caminho para a glória, a saber, pelas lágrimas e tentações. Por que Ele deixou Noé viver tanto tempo em um mundo de provações? Por que Ele deixou Ló permanecer no meio de Sodoma?

 

Primeiramente, para manifestar a realidade da graça. Está escrito: “E até importa que haja entre vós heresias, para que os que são sinceros se manifestem entre vós” [1 Coríntios 11:19]. Pela mesma razão, deve haver tentações, para que aqueles dentre vós que são realmente filhos de Deus se manifestem. Em um momento em que não há tribulação ou tentação, é fácil receber a Palavra com alegria, e muitos entre vocês parecem ser Cristãos, mas quando a tentação vem, muitos caem, muitos que, uma vez, pareciam ir bem, estar comovidos e esperar diligentemente na Palavra. Talvez se você fosse autorizado a prosseguir suavemente ao longo da vida, sem tentações, você teria ficado com um nome de quem vive por todos os seus dias; mas a tentação veio, e você afundou, só para mostrar que você não era dEle. Noé, porém, é preservado em meio ao mundo antigo, e não se conformou com o mundo, para mostrar que havia um poder Divino operando nele, para mostrar que há um Deus eletivo, perdoador, defensor. Ló é preservado de Sodoma para mostrar a mesma coisa. E vocês que são crentes são preservados pelo poder de Deus, através de várias tentações.

 

Em segundo lugar. Para condenar o mundo. Noé foi movido com temor, pelo que ele condenou o mundo. Quando um miserável companheiro-verme e companheiro-pecador foi habilitado a viver acima do mundo, a ter comunhão com Deus, e entrar e sair dentre eles, vivendo para a eternidade, isso provou-lhes que havia um Salvador, que havia um Deus de graça. Um crente é uma demonstração viva do caminho da salvação. Ló condenou os homens de Sodoma, quando afligia a sua alma dia a dia, quando ele viveu entre eles como um pecador perdoado, confirmado pelo Espírito Santo. E assim, poucos crentes neste lugar estão condenando-o. Oh, se você nunca tivesse visto o que é a conversão, se você não tivesse exemplos de um crente santo, renovado em sua vizinhança, você permaneceria com um rosto mais ousado no julgamento! Mas, ah! cada crente neste lugar condena você. Por que não lavar-se, onde fomos lavados?!

 

Em terceiro lugar, para que sejamos conformados a Cristo. Não estranheis a ardente prova que vem sobre vós para vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse; mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo [1 Pedro 4:12-13]. Cristo foi tentado pelo Diabo, e odiado pelo mundo; e devemos estar contentes de compartilharmos os Seus sofrimentos. Deus quer que sejamos como o nosso Cabeça em todas as coisas.

 

2. O Senhor sabe livrá-los.

 

(1) Eles não sabem como livrarem-se. Não tenho dúvidas de que Noé disse muitas vezes: Eu temo que também serei levado com o dilúvio; eu temo que a minha fé me faltará; eu não sei o que fazer. E Ló muitas vezes tremeu em Sodoma; e Davi, quando Saul o perseguia. Muitos de vocês não sabem como livrarem-se. Estão cercados, como com um dilúvio, por antigos companheiros e concupiscências, um mundo que odeia, um leão que ruge.

(2) O homem não sabe como livrá-los. É comum que as almas sob tentação peçam conselho aos ministros, mas eles não podem livrá-las. Nada é mais inútil do que a ajuda de homem em uma hora de tentação.

 

(3) O Senhor sabe. Mais se entende do que as meras palavras implicam. O Senhor não apenas sabe como fazê-lo, mas certamente livrará os piedosos da tentação. Ele ama-os. Cada um dos piedosos é uma joia à Sua vista; Ele morreu por eles, e Ele não perderá nenhum deles. Quando Ele os coloca na fornalha, Ele se assenta como um refinador. Ele prometeu que eles jamais perecerão: “Eu nunca te deixarei, nem te desampararei” [Josué 1:5]. Ele, com a tentação dará também o caminho de escape: “Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça” [Lucas 22:32].

 

Não importa que tentação seja. Não importa quão grande a tentação é, e quão fraca a alma crente. Alguns filhos de Deus, por vezes, dizem: Se fosse uma tribulação menor, eu poderia suportá-la; se a fornalha não estivesse tão quente, se a tentação não fosse tão grande, eu poderia suportá-la; ou, se eu tivesse mais força, se eu fosse um crente mais velho e mais experiente. Olhe para as seguintes palavras: “sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos”. Há alguma coisa difícil para o Senhor?

 

Não importa quão poucos os crentes sejam. Havia apenas um Ló e um Noé. Talvez eles dissessem: “Já me desamparou o Senhor, e o meu Senhor se esqueceu de mim” [Isaías 49:14]. Deus é tão capaz de livrar um como mil. Uma alma é preciosa aos Seus olhos: “Vos tomarei, a um de uma cidade, e a dois de uma família; e vos levarei a Sião” [Jeremias 3:14]. “Porque eis que darei ordem, e sacudirei a casa de Israel entre todas as nações, assim como se sacode grão no crivo, sem que caia na terra um só grão” [Amós 9:9]. “Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse” [João 17:12].

 

 

II. O tratamento de Deus para com os injustos: Deus sabe “reservar os injustos para o dia do juízo, para serem castigados”.

 

1. O fim de todos os ímpios é a punição. Quaisquer que sejam os tratamentos atuais de Deus para com os ímpios, o fim deles é serem punidos. Seja quem for encontrado carregado de pecado, seu fim é ser punido. Os anjos pecaram. Eles eram de uma natureza nobre, originalmente à imagem de Deus, contudo, Deus não os poupou, mas lançou-os no inferno. O velho mundo pecou, uma grande multidão, um mundo inteiro e Deus trouxe o dilúvio sobre eles. Uma cidade em particular pecou e Deus a transformou em cinzas, e a tornou um exemplo para todos os que, posteriormente, viveriam impiamente. Este será o fim de todos nesta congregação que vivem em pecado. Ah! Isso será mais tolerável para Sodoma do que para você. O seu fim é ser queimado.

2. “Deus sabe como reservar”. O julgamento contra a má obra não é executado imediatamente. Durante a Revolução Francesa, um jovem se aproximou, e desafiou que o Deus Todo-Poderoso o fulminasse e ele caísse morto. Nenhum mal se seguiu. Muitos de vocês prosseguem no pecado assim. A primeira vez que você pecou, você tremeu com medo de que não fosse rapidamente convocado para julgamento; mas nenhum mal seguiu, e agora seu coração está inteiramente disposto a fazer o mal. Ah! você entende pouco. “O Senhor sabe como reservar”. Os caminhos de Deus não são como os nossos caminhos. Quando um homem rouba, o grito segue imediatamente: “Pare, ladrão!”, senão ele estará fora de alcance. Quando um assassinato é cometido, uma recompensa é oferecida pela captura do assassino, de modo que ele não escape das mãos da justiça. Não é assim com Deus. Ele não está com pressa para punir. Você não pode fugir de Seus domínios. Seus pés devem deslizar no tempo devido. Deus está reservando para você o dia do juízo, para que seja castigado. Ele suporta com muita longanimidade os vasos da ira, preparados para a perdição.

 

(1) Não é que você tenha pecado pouco. Muitos de vocês pecaram mais do que já outros que foram ceifados. Eu não tenho nenhuma dúvida que há muitos no inferno, que tinham, de longe, menos pecados do que alguns de vocês.

 

(2) Não é que Deus ame o seu pecado. Deus o odeia infinitamente. Cada novo pecado que você comete O provoca de forma temerosa. A cada novo Sabbath que você quebra, a cada nova concupiscência que você dá vazão, Deus fica mais e mais irado com você.

 

(3) Não é porque você está com saúde que não haja meios disponíveis para a sua destruição ao seu redor. Deus poderia golpeá-lo em uma hora. Aqui está a explicação: “Deus sabe como reservar os injustos”. Oh, utilize este dia de longanimidade, enquanto Jesus aguarda para salvá-lo, e Deus Se abstém de destruí-lo, oh, Senhor, ajude um verme!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.