Pecado e Graça, por C. H. Spurgeon

|

Sermão Nº 3115, publicado em uma quinta-feira, dia 22 de outubro de 1908.
Pregado por C. H. Spurgeon, no Tabernáculo Metropolitano, Newington,
Na noite do Dia do Senhor, em 1 de Novembro de 1874.

 

“Onde o pecando abundou, superabundou a graça.” (Romanos 5:20)

 

Há duas forças muito poderosas no mundo que tem estado aqui desde o momento em que Eva comeu do fruto proibido no Jardim do Éden. Essas duas forças são o pecado e a graça Divina. Um grande poder é o pecado, um poder obscuro, misterioso, sinistro, mas cheio de força. As dores da humanidade, de onde vieram, senão do pecado? Nós não teríamos conhecido guerra, nem peste, nem fome, nem nada de doença ou tristeza teria ferido a raça humana se o pecado não tivesse semeado sua semente do mal nesta terra! O pecado é a caixa de Pandora de onde todo o mal veio para a humanidade. Veja os estragos que a morte fez, seus outeiros estão em toda parte! Sua poderosa foice corta homens para baixo como o cortador corta a erva do campo, mas a morte veio pelo pecado e depois da morte vem o juízo e, ao ímpio, a desgraça que nunca poderá ser descrita, a ira eterna cuja escuridão da tempestade mais selvagem pode não imitar! Quem cavou esse abismo? Foi a justiça de Deus por causa do pecado e o pecado deve, portanto, ser acusado de autoria da tristeza, doença, morte e inferno. Esta não é uma potência média com a qual entramos em conflito, é um verdadeiro Golias, perseguindo e desafiando toda a raça humana!

 

O poder de lutar e vencer o pecado nunca é descrito na Palavra de Deus como a bondade nata da natureza humana! Ela é apenas como a cera diante do fogo, ou como a gordura de carneiros sobre o altar, é consumida em um momento no feroz calor do pecado. A força para combater o pecado nunca é descrita nas páginas da Palavra de Deus como o poder do esforço humano para guardar a Lei. Na verdade, isso foi tentado e fracassou totalmente! O caminho para o Céu não é nas laterais íngremes do Sinai, essa montanha granítica é muito acidentada e muito alta para os pés humanos subirem sem ajuda. Não, não podem ser encontradas as armas com que o homem possa destruir seus pecados e lutar pelo seu caminho para a felicidade eterna.

 

A única força contra o pecado é a graça Divina, então meu texto nos diz, e podemos aprender a mesma verdade de Deus a partir de cem paralelos. E o que é a graça? A graça é o favor gratuito de Deus, a graça imerecida do sempre gracioso Criador contra quem temos ofendido, o generoso perdão, a bondade infinita, espontânea do Deus que tem sido provocado e irritado com o nosso pecado, mas que, deleitando-se com a misericórdia e entristecido de ter que ferir as criaturas que Ele fez, está sempre pronto para passar pela transgressão, a iniquidade e o pecado, e para salvar o Seu povo de todos as terríveis consequências de sua culpa. Aqui, meus irmãos e irmãs em Cristo, há uma força que é totalmente equivalente aos requisitos para o duelo com o pecado, pois esta graça, que eu falarei, é a graça Divina, e, portanto, é onipotente, imortal e imutável. Este favor de Deus nunca muda, e quando uma vez se propõe a abençoar alguém, Deus o abençoa e ninguém pode revogar a bênção! O gracioso propósito do favor gratuito de Deus a um homem indigno é mais do que para corresponder ao pecado do homem, pois traz, para suportar seu pecado, o sangue do Filho do Deus encarnado; e o majestoso e misterioso fogo do Espírito eterno que queima o mal e totalmente o consome! Com Deus Pai, Deus Filho e Deus o Espírito Santo unidos contra o pecado, os propósitos eternos da graça são compelidos a ser realizados, o pecado deve ser superado e meu texto provou ser verdade: “Onde o pecando abundou, superabundou a graça”.

 

I. Para ilustrar o grande princípio do meu texto, peço-lhes que notem, em primeiro lugar, que o contexto nos remete à ENTRADA DA VERDADEIRA LEI. “Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça”.

 

Em vez de dar qualquer declaração histórica sobre a introdução da Lei nos dias de Moisés, falarei sobre o assunto experimental da introdução da Lei de Deus em nossos corações. Aqueles de vocês que foram convertidos lembram-se da época em que a Lei do Senhor entrou pela primeira vez em seus corações. A Lei gravada nas duas tábuas de pedra, a Lei registrada na Bíblia faz apenas muito por nós, mas quando a Lei realmente entra no nosso coração, é que ela faz muito por nós. O que ela faz? A primeira coisa que a Lei faz para a maioria dos homens é desenvolver o pecado que está neles. Paulo escreve: “Mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás” [Romanos 7:7]. Mas assim que ele descobriu que havia uma Lei contra um determinado pecado, por algum instinto profano de sua natureza não renovada, ele queria fazer a mesma coisa que ele foi proibido de fazer! Foi assim conosco, o primeiro efeito da entrada da Lei de Deus em nossos corações foi desenvolver o pecado que já estava dentro de nós. “Isso é uma coisa terrível”, diz alguém. Sim, é, mas olhe para o assunto por um outro aspecto. Aqui está um homem que tem dentro de si uma doença terrível que será fatal se for permitida a permanecer, então o médico dá a ele um remédio que lança a doença para fora. O homem costumava ter uma pele bonita, mas depois que ele tomou esse medicamento, seu rosto está coberto de manchas. É uma coisa ruim? Sim, as manchas são ruins, mas a doença escondida era pior! Enquanto a doença estava escondida dentro de seu sistema e o estava matando, ele provavelmente nem sabia que ela estava lá. Ele sabia que ele não estava bem e, talvez, pensou que estava morrendo como resultado de algum outro problema. Mas agora ele vê o que é a doença, e todo mundo o vê, e agora o que parecia ser uma coisa ruim pode tornar-se realmente boa para o homem.

 

Assim é que muitas vezes acontece mental, moral e espiritualmente. O coração maligno de um homem é cheio de inimizade contra Deus, mas ele pensa, e talvez ele tenha razão no pensamento, que ele é aparentemente um homem estritamente moral. Mas, eis que a Lei de Deus, com seus requisitos da perfeita pureza e obediência absoluta, entra em seu coração e ele se rebela contra ela, e agora o pecado está aparente, até para si mesmo! Agora, é provável que esse homem se arrependa do pecado. É altamente provável que este desenvolvimento do seu pecado latente vai levá-lo a formar uma opinião diferente de si mesmo, a partir de qualquer outra que ele já tinha antes e, portanto, embora o pecado seja mau e o desenvolvimento dele seja mau, mas, onde o pecado abundou, a graça deverá ser muito mais abundante e então o que é bom sairá do que é mau, afinal de contas!

 

Quando a Lei entra coração de um homem, ela também revela o seu pecado num relevo muito forte. Ele nunca viu seu pecado ser tão sombrio quanto agora vê que ele é. A vara é torta, mas você não percebe o quanto ela é torta até que você coloque uma régua reta ao lado dela. Você tem um lenço e ele parece ser muito branco, você dificilmente poderia desejar que ele fosse mais branco, mas você coloca o lenço na neve recém caída e você quer saber como poderia ter pensado que ele fosse sequer branco! Assim, a pura e santa Lei de Deus, quando nossos olhos estão abertos para ver a sua pureza, mostra o nosso pecado em sua verdadeira escuridão e dessa forma faz nosso pecado abundar! Mas isso é para o nosso bem, para que a visão do nosso pecado nos desperte para a percepção de nossa verdadeira condição, leve-nos ao arrependimento, nos mova pela fé ao precioso sangue de Jesus e já não nos permita descansar em nossa justiça própria! E assim pode-se dizer de nós que, embora a entrada da Lei fez com que o nosso pecado para abundasse, “onde abundou o pecado, superabundou a graça”.

 

A entrada da Lei de Deus no coração muito geralmente causa grande angústia. Lembro-me bem dessa experiência e alguns de vocês também. Quando a Lei entrou em nossos corações, não veio apenas com uma régua reta e perfeito padrão de brancura para nos mostrar a nossa deformidade e nossa escuridão, mas também veio com um chicote pesado, e o chicote veio sobre nossos ombros e cada vez que era sentido, ferroou-nos a correr. Há pouco tempo, eu me encontrei com um irmão que disse para mim: “Você não pode descrever também a força a angústia de uma consciência condenada, pois”, ele disse, “eu me lembro quando eu calculei quanto tempo demoraria antes que devesse, no comum curso da natureza, estar no inferno. Eu disse a mim mesmo: ‘E se eu viver até os 80 anos de idade, no entanto, quão pouco tempo será antes que eu deva sofrer a ira infinita de Deus!’”. Sim, esse é o efeito que a Lei do Senhor muitas vezes produz sobre um homem quando ela entra em seu coração. Ela traz um espelho diante de si e diz para ele: “Olhe ali e veja não só o que você fez, mas também o que é a justa consequência de suas más ações”. Um homem já não evade da justiça de Deus, quando a Lei uma vez fica dentro de seu coração, ele fecha a boca, exceto por gemidos e suspiros, e ele tem muitas deles.

 

Pode ser pensado, por algumas pessoas, ser uma coisa muito triste que a Lei entre em coração de um homem a lhe quebrantar e causar tanta tristeza e angústia que eu estou tentando descrever. Ah, mas não é assim; é uma coisa muito abençoada! Você não pode esperar que Deus te vista até que Ele o tenha despido, nem que o cure até que Ele tenha cortado a carne orgulhosa fora de suas feridas. Quando uma mulher está costurando com um fino fio de seda branco, ela deve ter uma agulha fina para ir primeiro, para fazer o caminho para que o fio atravesse depois. E a angústia de espírito que a Lei cria na alma é a agulha afiada que faz o caminho para que o fio de seda fina do Evangelho entre em nosso coração e, assim, nos abençoe. Agradeçamos a Deus, se alguma vez nós já experimentamos a entrada de Sua Lei em nossos corações para que, embora faça o pecado abundar, a graça se faça muito mais abundante!

 

Quando a Lei entra completamente no coração de um homem, o leva ao desespero de si mesmo. “Oh,” ele diz, “eu não posso guardar essa Lei!”. Uma vez que ele pensou que ele era tão bom quanto as outras pessoas e um pouco melhor do que a maioria, e ele não sabia, mas que com um pouco de polimento e uma pequena ajuda, ele seria bom o suficiente para ganhar o favor de Deus e ir para o Céu! Mas quando a Lei entrou em seu coração, ele logo quebrou o seu ídolo em átomos! O dragão da justiça própria rapidamente cai diante dos Dez Mandamentos de Deus e é tão quebrado que nunca poderá ser reparado. Os homens estabelecem um pedaço dela em cima de seu pedestal novamente, mas assim que a Lei do Senhor estiver no mesmo templo que a justiça própria, a justiça própria nunca poderá ser exaltada novamente! Para algumas pessoas parece ser uma coisa terrível dar a um homem uma opinião tão ruim de si mesmo, mas, na verdade, é a maior bênção que poderia vir a ele, pois quando ele se desespera de si mesmo, ele correrá para Cristo, para que Ele o salve! Quando a última casca tiver desaparecido de seu armário, ele clamará para o grande Doador do Pão da Vida, da qual se um homem come, viverá para sempre! Você deve matar de fome a justiça própria do pecador para torná-lo disposto a se alimentar de Cristo, e, portanto, a própria profundidade do seu desespero, quando ele acha que deve ser perdido para sempre só vai levá-lo, pelo amor abundante de Deus, para a mais completa valorização das alturas da graça de Deus!

Mais uma vez, quando a Lei de Deus entra no coração de um homem, ela pronuncia uma maldição sobre ele. Essa foi uma cena singular que foi vista defronte do monte Ebal e do monte Gerizim, onde uma companhia lia as maldições, e a outra companhia lia as bênçãos do Livro da Lei. Agora, a Lei não pode fazer nada por um pecador, senão dizer-lhe: “Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as cumprindo” [Deuteronômio 27:26]. Mas o Evangelho chega e ele responde à maldição da Lei com palavras como estas: “Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano” [Salmos 32:1-2]. Deixe que a Lei amaldiçoe como puder, a bênção do Evangelho é mais rica e mais forte, pois o Evangelho diz: “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” [Romanos 5:1]. E, “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito” [Romanos 8:1].

 

II. Agora eu mudo a nossa linha de pensamento e chego mais perto de casa para os Cristãos, por perceber que o grande princípio do nosso texto também é ilustrado na EXPERIÊNCIA POSTERIOR DO CRENTE.

 

Alguns novos convertidos imaginam que, assim que eles acreditam em Cristo e encontram a paz com Deus, eles serão perfeitos e não terão mais pecado dentro deles. Tal ideia errônea só irá prepará-los para uma grande decepção, pois a conversão não é o fim da batalha com o pecado, é apenas o começo da batalha. A partir do momento que um homem crê em Jesus, e é assim salvo, ele começa a sua luta ao longo da vida contra seus pecados inatos. Ouvi dizer que existem alguns irmãos e irmãs que se tornaram perfeitos, e tenho o prazer de ouvir isso, se for verdade. Mas estou feliz que eles não são membros da minha família! Eu não acho que eu poderia viver com eles com muita tranquilidade, como eu geralmente tenho descoberto que as chamadas pessoas “perfeitas” normalmente não são agradáveis nem um pouco ??ao se associarem com aqueles que não professam ser perfeitos. Nós gostaríamos que fôssemos perfeitos e desejamos que outras pessoas sejam perfeitas, mas até agora as nossas investigações nos levaram a acreditar que a perfeição que é reivindicada por certas pessoas é, em todos os casos, um erro, e em muitos casos é uma ilusão e uma farsa! Nossa opinião é que os homens, depois de serem convertidos, e começam a examinar-se à luz da Palavra de Deus, se eles são pelo menos um pouco como nós, encontram pecado em toda parte dentro deles, pecado nos afetos, na forma que os corações cobiçam coisas ruins; o pecado no juízo, de modo que muitas vezes comete erros mais graves e honestamente coloca amargo por doce e o doce por amargo;  o pecado nos desejos, de modo que embora nós tentemos contê-los, eles vagueiam aqui e ali, onde não deviam; pecado na vontade, de modo que a vontade do Senhor será prova que ele ainda é muito orgulhoso e quer ter o seu próprio caminho, e não está disposto a se curvar submisso à vontade de Deus; pecado na memória, de forma que as pessoas mais piedosas muitas vezes podem lembrar um trecho de uma velha canção má que costumavam ouvir ou cantar, muito mais rapidamente do que elas podem se lembrar de um texto das Escrituras que querem entesourar em suas memórias, pois a memória tornou-se desequilibrada, como todo o resto de nossas faculdades, e é rápida para manter o mal e lenta para reter o que é bom!

 

Irmãos e irmãs em Cristo, em que parte do nosso corpo o pecado não habita? Existe alguma única faculdade, ou de poder, ou propensão que temos que não nos levarão a nos extraviar se nós não impedirmos? Não somos obrigados a estar sempre em nossa guarda contra nós mesmos e de nos ver como uma guarnição de soldados teria que assistir os nativos de um país que haviam subjugado, mas que estavam ansiosos para jogar fora o jugo dos estrangeiros que os tinham vencido? De forma semelhante, a graça é um estrangeiro na posse de nossa natureza e ela a detém por sua própria força superior que ela ganhou, e só por sua força sobrenatural que estamos impedidos de cair de volta em nossa antiga posição! Assim você vê como o pecado abunda, mesmo no coração de um crente. Mas, bendito seja Deus, a graça faz-se muito mais abundante ali, pois, embora a vontade ainda seja forte, há um poder superior que domina e a controla para que a nossa vontade seja gradualmente conformada à vontade de Deus. Os nossos afetos, embora sejam inclinados a rastejar aqui embaixo, elevam-se em direção a Cristo, pois Ele realmente conquistou os nossos corações. Nossos desejos se extraviam, mas a sua principal tendência é para a santidade. Bendito seja o nome do Senhor, a menos que estejamos muito enganados, queremos fazer o que é agradável à sua vista! Nossa memória, também, embora eu já confessei suas falhas, muitas vezes nos permitem lembrar de Jesus Cristo e nunca se esquecerá dEle, mesmo que se esqueça de qualquer outro. Sim, e toda a nossa natureza, embora eu tenha realmente falado de seus defeitos, é uma nova natureza que Deus tem operado dentro de nós, uma natureza que é parecida com o Divino e nesta natureza a graça triunfa sobre o pecado de forma que onde abunda o pecado, a graça se faz muito mais abundante.

 

A mesma verdade de Deus pode ser aprendida de outra maneira. O pecado abunda no crente, e não apenas na forma do pecado original em que ele nasceu e na tendência para o pecado que está sempre presente com ele, mas pecado marca a melhor coisa que ele já fez. Alguma vez você já examinou uma das suas próprias orações? Alguma vez você olhou para elas de forma crítica depois de acabar? Devo dizer-lhe o que era? Era como algo que o homem tinha fabricado e que, quando observado a olho nu, parecia muito bonito. Coloque um microscópio sobre ele e olhe para ele. Dê uma agulha, se quiser, para que parece ser uma das peças mais polidas de metal concebível, e assim que você o coloca sob o microscópio, você diz: “Ora, eu tenho uma barra de ferro bruto aqui! Certamente não pode ser uma agulha”. Sim, é, mas agora você está olhando para ela com um poder muito além da sua visão comum. E, do mesmo modo, quando a graça de Deus abre os olhos de um homem para ver suas melhores ações como elas são aos olhos de Deus, ele vê que essas ações são marcadas pelo pecado. Não há nada que ele tenha feito que para ele pareça ser o que deveria ser, quando ele olha para ela corretamente à luz da Palavra de Deus. A ação mais consagrada de sua vida, a comunhão mais devota com Cristo, o fervor mais intenso por Deus está muito aquém do que deveria ser e tem algo nele que não deveria estar ali! Quando a graça de Deus é forte dentro de nós, faz o pecado aparecer tão abundante mesmo à nossa própria visão, vemos isso em cada hino que cantamos, em cada oração que oramos, em cada sermão que pregamos!

 

Não só vemos pecado em nossas melhores coisas, mas também descobrimos o pecado em nossas omissões. Nós nunca fomos incomodados sobre este assunto antes, mas agora temos que lembrar que o que nós não fazemos muitas vezes é pecaminoso, e não apenas o mal que cometemos, mas o bem que omitimos, o bem que negligenciamos ou esquecemos de fazer. Há muito pecado ali. Então começamos a examinar nossos pensamentos e nossas expressões triviais. E os vemos todos contaminados com o pecado. Testado sob a luz da Palavra de Deus, tudo parece ser uma colmeia de ponta a ponta com o pecado, de forma que o pecado, de fato, se faça abundante. Bem, o que então? Por que, então, este texto abençoado vem docemente para os nossos corações. “O sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado”. E agora, quão gloriosamente a graça é abundante! Agora vamos provar o poder desse sangue precioso que pode nos fazer mais brancos que a neve, de modo que o próprio Deus dirá para cada um de nós: “Não há mancha em você.” Amados irmãos e irmãs em Cristo, eu acredito firmemente que um profundo e claro sentido do pecado é necessário para uma estimativa correta do poder do amor perdoador. Eu tenho certeza que é uma grande bênção para nós quando temos um sentimento profundo de nossa pecaminosidade. Deus proíba que nós oraremos como o Fariseu: “Deus, eu te agradeço porque não sou como os demais homens”. Muito melhor seria para nós imitarmos o publicano, e clamarmos: “Deus, sê propício a mim, pecador”. Ninguém, senão aqueles que estão perdidos, apreciam o Salvador que veio buscar e salvar o que estava perdido! Ninguém, senão aqueles que sentem que eles são sujos e vis valorizam justamente Seu sangue purificador. Oh, amado, quando o pecado abunda, então é o momento de lembrar que a graça superabunda! Pecador como você é, você está perdoado, você está “aceito no amado”, você é salvo, você é um filho de Deus, você deve estar no Céu em pouco tempo, para louvar para sempre a graça que será coroada com glória!

 

Uma vez mais sobre esse ponto. Acredito que muitos de vocês já tiveram uma experiência semelhante à minha e que têm tido vezes em que vocês têm vivido especialmente perto de Deus e caminham na luz de Sua face, quando, de repente, o pecado que habita em vocês surge para atacá-los quando vocês menos esperavam. Eu sei que as minhas fortes tentações muitas vezes vêm-me logo após a minha maior alegria da comunhão com Deus. Elas parecem vir como aguda corrente de ar frio no momento em que vocês saem de uma sala quente, e vocês mal sabem o que fazer, vocês não estão preparados para ela. Às vezes acontece que um tentador que você pensou que tinha há muito tempo superado, virá como um leão de um matagal, ou uma paixão que você pensou que tinha sido mais eventualmente conquistada, virá te derrubar como um furacão das colinas e seu pequeno e pobre esquife sobre o lago parece bem sobrecarregado com esse ataque furioso! Então, quando vocês olham para si mesmos, e se surpreendem ao encontrar tantos pecados em si mesmos, sabem que o pecado abunda, o que vocês fazem então? Bem, eu acredito que, em tais ocasiões, os Cristãos tentam se aninhar mais do que nunca sob as asas de Deus e sentem-se mais humildes, e eles vão para o sangue precioso de Jesus com um desejo mais intenso de provar novamente do seu poder de purificação! E eles clamam ao Forte por força e eles se sentem — mais do que jamais antes — que eles precisam do poder santificador do Espírito Santo. Ralph Erskine disse que ele estava com mais medo de um Diabo adormecido do que de um Diabo vociferador, e havia uma boa razão para o medo, pois, quando o Diabo estava rugindo, os santos estariam mais atentos do que quando ele estivesse em silêncio. A pior tentação no mundo é não ser tentado em absoluto. Mas quando há uma forte tentação e sua alma está plenamente ciente disso, vocês estão de guarda contra ela. A onda da tentação pode até levar vocês mais alto sobre a Rocha Eterna, de modo que vocês se agarrem a ela com um aperto mais firme do que jamais fizeram antes e então, novamente onde abunda o pecado, a graça se fará muito mais abundante!

 

III. Agora eu devo concluir com algumas observações gerais sobre outro assunto. A grande verdade revelada em nosso texto não é apenas ilustrada pela entrada da Lei nos corações dos crentes e na vida posterior dos Cristãos, mas também em TODAS AS BÊNÇÃOS DA SALVAÇÃO.

É muito maravilhoso, mas é certamente verdade, que há muitas pessoas no Céu, em quem o pecado uma vez abundou. No julgamento de seus semelhantes, alguns deles eram mais pecadores do que os outros. Houve Saulo de Tarso, houve o ladrão moribundo, houve a mulher na cidade que era uma pecadora, uma pecadora em um sentido muito evidente e terrível. Estes e muitos outros mais sobre os quais lemos nas Escrituras serem todos grandes pecadores, e foi uma grande maravilha da graça, em cada instância, que eles foram perdoados! Mas eles foram Cristãos ruins, quando eles foram convertidos? Muito pelo contrário! Eles amavam muito, porque eles haviam sido muito perdoados. Entre os melhores servos de Deus muitos são aqueles que uma vez foram os melhores servos do Diabo. O pecado abundou neles, mas a graça muito mais abundou quando tomou posse de seus corações e vidas. Eles estavam há muito mantidos em cativeiro pelo demônio, à sua vontade, mas eles nunca foram tão servos de Satanás como depois se tornaram servos do Deus vivo e verdadeiro! Eles jogaram todo o fervor de suas naturezas intensas para o serviço do Salvador deles e assim sobem superiores a alguns dos seus condiscípulos que não percebem tão plenamente o quanto deviam ao seu Senhor. Espero que alguns aqui presente que tenham ido longe no pecado possam ser salvos pela imensurável graça de Deus antes de deixar este edifício e que, por toda a sua vida futura, eles possam amar a Jesus Cristo e servi-lO melhor do que outros que não têm pecado tão profundamente quanto eles têm!

 

A mesma verdade de Deus aparece se pensarmos em que o pecado tem feito por nós. Ó irmãos e irmãs, o pecado infectou a natureza do homem com lepra abominável, uma doença mortal, mas Jesus curou a doença, e nos deu uma vida de um de um tipo mais santo que jamais conhecemos antes! O pecado tem nos roubado, mas Cristo restaurou-nos mais do que o pecado um dia tirou de nós! O pecado nos despojou, mas Cristo nos vestiu com um manto melhor do que a nossa justiça natural um dia poderia ter nos vestido. Bem nós cantamos sobre Jesus:

 

“NEle as tribos de Adão ganharam
Mais bênçãos do que seu pai perdeu.”

 

O pecado rebaixou-nos muito, mas Cristo levantou-nos mais alto do que estávamos antes do pecado lançar-nos para baixo! O pecado tirou do homem seu amor a Deus, mas Cristo nos deu um amor mais intenso a Deus do que Adão já teve, pois amamos a Deus porque Ele nos amou primeiro e deu Seu Filho para morrer por nós e nós temos, em sua grande graça, uma boa razão para lançarmos a Ele maior amor! O pecado tirou a obediência do homem, mas agora os santos obedecerem a um grau ainda maior do que eles poderiam ter feito antes, pois eu acho que não teria sido possível para o homem não caído sofrer, mas agora somos capazes de sofrer por Cristo e muitos mártires foram cantando para a morte pela verdade de Deus porque, enquanto o pecado os fez capazes de sofrer, a graça de Cristo os fez capazes de obedecer a Ele no sofrimento, e assim fazendo provam mais a sua fidelidade a Deus do que teria sido possível se nunca tivessem caído! O pecado, queridos irmãos e irmãs em Cristo, expulsou-nos do Éden, mas não vamos chorar, pois Cristo preparou um melhor paraíso para nós no Céu! O pecado tem nos privado do rio que ondulava sobre areias de ouro e das clareiras verdes do abençoado Jardim no qual o sofrimento nunca poderia ter vindo a menos que o pecado entrasse primeiro, mas Deus providenciou para nós “o rio puro da água da vida”, e um jardim mais belo que Éden já foi! E lá vamos morar para sempre, habitando em meio a abundante graça de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo que superabundou sobre o nosso pecado abundante!

 

O pecado nos separou de Deus, mas a graça trouxe-nos mais perto de Deus do que jamais estivemos antes que o pecado nos separasse dEle. Até Cristo tornar-se Homem, não havia nenhum homem na terra e não teria havido nenhum homem que fosse mais para Deus do que o homem poderia ser para seu Criador. Mas, agora, vive um Homem que é mais para Deus do que qualquer ser criado poderia ser, pois esse Homem também é Deus e Ele está sentado à direita do Pai e compartilha com Ele o controle do universo! Aquele Homem trouxe o gênero humano para mais perto da Divindade do que o simples ato da criação poderia ter feito. Glória a Deus por Jesus Cristo, o Homem do Céu, o Filho de Maria e o Filho do Altíssimo! O pecado operou em nós um mal incalculável, mas a graça tem feito esse mal ser um ganho para nós, pois agora somos comprados com sangue, como, de outra forma, nunca poderíamos ter sido. Agora sabemos que tanto o pecado e a justiça, já que não poderiam ter feito e agora o sussurro de velha serpente, que era uma mentira, provou ter uma verdade de Deus escondida nela, pois somos de fato como deuses, já que nos tornamos participantes da natureza Divina, em virtude de nossa união com o Cristo de Deus! Ó, assombrosa Queda, que teria nos quebrado irremediavelmente se não fosse por ainda mais maravilhosa graça! A restauração maravilhosa que tem levantado e nos fez mais perfeitos do que éramos antes de sermos arruinados, e nos elevou a uma glória que nunca poderíamos ter sonhado se tivéssemos vivido com Adão e Eva no Paraíso, e nos mantivéssemos na inocência para sempre!

 

Uma observação prática que eu quero fazer antes de terminar. É isso: se você recebeu esta graça que tem feito seu pecado abundar, tome cuidado para que você faça mais pela graça do que você jamais fez pelo pecado. É incrível o quanto as pessoas fazem pelo pecado, o que dão, o que gastam, e o que eles aguentam para satisfazer as suas paixões e servir o seu mestre cruel, Satanás! Eu não gostaria de adivinhar o que alguns homens desperdiçam em suas concupiscências. Eu não gostaria de fazer os cálculos do que algumas pessoas gastam em um ano no que eles chamam de seus prazeres. Bem, seja qual for a quantidade, devem eles dar mais, devem eles fazer mais por seu deus do que damos e fazemos pelo nosso? Serão eles mais intensos em sua adoração a Satanás do que nós em nossa obediência a Deus? Isso nunca deve acontecer, nem devemos permitir que eles nos superem no louvor de seu tesouro! Eles fazem a noite horrível com seus louvores a seu deus, Baco, mas não os irritamos com frequência com as canções de Sião! Seria bom, talvez, se o fizéssemos, mas somos muitas vezes covardes ao não prestar devidos louvores ao nosso Deus. Eles não têm vergonha de fazer o céu estremecer com suas notas lascivas, então, vamos criar coragem e solidamente afirmar as glórias de nosso Deus e as maravilhas do nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo! Especialmente, nunca vamos nos envergonhar de dizer: “Ele me amou e se entregou por mim, bendito seja o Seu santo nome para todo o sempre. Amém.”

 

***

 

Uma Exposição de Romanos 5, Por C. H. Spurgeon

 

Versículo 1. Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo. Este versículo merece ser impresso em letras de ouro. Se você pode verdadeiramente dizer isso. Se isto é realmente verdade sobre vocês, vocês são as pessoas mais felizes debaixo do Céu. Vamos ler o versículo de novo: “Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo”.

 

2. Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça na qual estamos firmes e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. Nós não estamos apenas em paz com Deus, mas estamos autorizados a nos aproximarmos de Deus, ter acesso a Ele, ter acesso ao Seu favor, à Sua graça. Podemos chegar a Deus quando nós quisermos, pois Ele está reconciliado conosco, e somos reconciliados com Ele, para que possamos agora pensar nEle com alegria e júbilo.

 

3. E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações. Alguém parecia dizer para o apóstolo: “Você fala sobre paz com Deus e acesso a Deus; mas você tem preocupação na mente, você está doente no corpo, você é pobre em condição, assim como outras pessoas o são”. Então, Paulo responde: Sim, nós sabemos que é assim, “mas também nos gloriamos nas tribulações.”

 

3. Sabendo que a tribulação produz a paciência. Ela é enviada para o nosso bem. Aceitamos as nossas provações como uma parte de nossa propriedade e em alguns aspectos, a parte mais rica de nossa condição! Recebemos mais bem de nossa adversidade do que de nossa prosperidade. Nossas tribulações tornam-nos homens, ao passo que as nossas alegrias poderiam nos ter desencorajado. As tribulações têm nos preparado e nos gloriamos nelas, “sabendo que a tribulação produz a paciência”.

 

4. E a paciência, a experiência; e a experiência, esperança. Quanto mais esperarmos, mais brilhante os nossos olhos ficam. Os nossos próprios problemas, quando eles passaram sobre nós, nos deixam mais fortes e mais felizes do que estávamos antes. Nossa experiência opera em nós a esperança.

 

5. E a esperança não nos deixa envergonhados; porque o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que é dado a nós. Que coisa abençoada é que quando os problemas são derramados em nosso exterior, o amor de Deus é derramado dentro de nós, quando somos tentados por fora, somos consolados por dentro, e por isso estamos fortalecidos e não temos o que temer!

 

6. Porque, quando ainda estávamos sem força, no devido tempo, Cristo morreu pelos ímpios. E, como Ele morreu por nós quando éramos ímpios, o que Ele não fará por nós agora que Ele nos fez Seus? Ele deu a maior prova do Seu amor por nós quando éramos menos dignos, assim Ele nos deixará agora? Deus me livre!

 

7. Porque dificilmente. Agora, o apóstolo passa longe de seu tema, levado pelo ainda maior assunto, do amor de Deus em Cristo Jesus e o caminho da reconciliação por Cristo, ele continua nesse tema, “Dificilmente”.

 

7. Por um homem justo ninguém morreria. Embora Aristides fosse “justo”, ninguém morreria por ele! Por mais “justo” um homem possa ser, ele não iria, por sua justiça ou retidão, ter afeição o suficiente para induzir ninguém a morrer por ele.

 

7. No entanto, talvez por um bom alguém ainda se atreva a morrer. Pode, eventualmente, haver alguns que morreriam por um John Howard, ou um homem desse tipo.

 

8. Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós. Quando não éramos mesmo justos, muito menos bons, “Cristo morreu por nós.”

 

9. Muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos salvos da ira por meio Dele. Como Ele morreu por nós, Ele certamente nos salvará. Aquele que morreu pelos ímpios nunca lançará fora aqueles que Ele justificou. A morte de Cristo por Seu próprio povo é a garantia de que Ele vai amá-los até o fim!

 

10. Porque, se nós, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida. Será que Ele nos amou quando éramos Seus inimigos? Então com toda a certeza, Ele nos ama agora que somos Seus amigos. Será que Sua morte nos salva? Então, não irá a Sua vida também nos salvar? Como Ele tomou essas dores para nos reconciliar com Seu Pai, ele não tomará as dores iguais, não, muito mais para preservar nossa segurança até o fim?

 

11. E não somente isso. Paulo parece subir uma escada e quando ele chega ao topo da mesmo, ele cria outra no topo dela e recursos para subi-la! Esta é a segunda vez que nós lemos, “E não somente isso.”

 

11. Mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora temos recebido a Expiação. Cristo fez a expiação por nós, e Deus aceitou a expiação em nosso nome. Nós mesmos também a recebemos. E agora nós estamos contentes em Deus, felizes que existe um Deus; que bom que existe um Deus assim, e felizes que Ele é o nosso Deus e Pai em Cristo Jesus!

 

12. Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte; e assim a morte passou a todos os homens, pois todos pecaram. Foi por causa do pecado de um só homem que todos nós caímos através do primeiro Adão. Alguém se opõe à justiça disso? Peço-vos, não se oponham ao que é a sua única esperança! Se você e eu tivéssemos cada um pecado por si mesmo separados de Adão, nosso caso provavelmente teria sido impossível, como é o caso dos anjos caídos que pecaram individualmente e caíram, para nunca mais serão levantados novamente! Mas na medida em que nós caímos representativamente em Adão, ele preparou o caminho para nos levantarmos representativamente no segundo Adão, Cristo Jesus, nosso Senhor e Salvador! Como eu caí por um, eu posso subir por outro! Como minha ruína foi causada pelo primeiro homem, Adão, a minha restauração pode ser causada pelo segundo homem, o Senhor do Céu!

 

13, 14 Porque até a Lei, o pecado estava no mundo: Mas o pecado não é levado em conta quando não há lei entanto a morte reinou desde Adão até Moisés, mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão o qual é a figura daquele que havia de vir. Infantes morrem, apesar de nunca terem pecado. Elas morrem porque a morte é a penalidade do pecado, e como elas morrem por falhas não suas próprias, assim elas são salvas pela justiça não a sua própria. Elas morrem pois Adão pecou. Elas vivem, pois Jesus morreu.

 

15-17. Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais pela graça de Deus, e o dom pela graça, que é de um só Homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos. O dom, porém, não é como no caso de que apenas um pecou, porque o juízo veio de uma só ofensa para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação. Porque, se ofensa de um só a morte reinou por esse; muito mais os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça, reinarão em vida por um só: Jesus Cristo. A Queda de Adão foi terrivelmente efetuada, isto foi trazido sobre a raça humana, era após era. E a morte de Cristo é maravilhosamente eficaz, pois, em nome de todos aqueles por quem Ele morreu, Sua expiação assim prevalece para limpar seus pecados para sempre!

 

19. Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um, muitos serão feitos justos. Essa é a maravilhosa doutrina do “Evangelho de Cristo.” Isso é rejeitado nestes dias maus. Eles chamam isso de simples e eu não sei o que, além disso, mas aqui é posto tão claramente quanto as palavras podem colocá-lo “como pela desobediência de um homem muitos foram feitos pecadores, assim também pela obediência de um só, muitos serão feitos justos”.

 

20. Além disso, a lei entrou para que a ofensa abundasse. A lei não foi dada a Moisés para parar o pecado, ou para perdoar o pecado, mas para fazer os homens verem como o pecado é mau e tornar evidente quão maus eles são!

 

20. Mas, onde o pecado abundou, a graça fez muito mais abundante. Havia mais graça do que terror, mesmo na Lei! Ela serviu a um propósito gracioso, por isso foi dada para nos fazer compreender a nossa culpa e isso pode nos levar a buscar a graça de Deus para o seu perdão. A salvação é inteiramente de graça! O pecado não pode sobrepujar a graça, esta teve uma luta difícil com ele, mas a graça acabará por ganhar a vitória em todos os que creem em Jesus.

 

21. Assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor. O objetivo do capítulo inteiro é consolar os crentes no tempo da angústia pelo fato do grande amor de Deus por eles na Pessoa de Jesus Cristo, seu Senhor e Salvador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.