Uma Exposição De Provérbios 31, por John Gill

|

[Exposição da Bíblia Inteira • Editado]

 

INTRODUÇÃO A PROVÉRBIOS 31

 

Este capítulo contém a última parte do livro de Provérbios; que alguns acham que é a quinta, outros a sexta. Ele contém as instruções da mãe de um príncipe, cujo nome era Lemuel, as quais ela deu a ele; e que são tão valiosas, que foram anexados aos provérbios de Salomão. O prefácio ou introdução delas está em Provérbios 31:1; o dirigir-se ao seu filho, Provérbios 31:2. Os vícios contra os quais ela o adverte são impureza e intemperança; de modo que ela o dissuade deles, por causa das consequências perniciosas de ambos para reis e seus súditos (Provérbios 31:3). Aconselha preferencialmente a dar vinho e bebida forte para as pessoas pobres, como as que estão em perigo; como sendo mais útil para eles, pelo menos, menos prejudicial (Provérbios 31:6); e exorta o filho para os deveres do seu cargo; invocando a causa dos pobres e oprimidos, e administrar a justiça para eles (Provérbios 31:8). E, em seguida, em geral descreve uma mulher virtuosa; talvez concebido como uma instrução para seu filho na escolha de uma esposa (Provérbios 31:10); embora mais do que isso podem ser pretendidos por meio disso.

 

VERSÍCULO 1

Palavras do rei Lemuel, … Não são as que foram ditas por ele, mas as que foram faladas para ele; ou declaram o que a sua mãe disse, como o que se segue mostra; desse rei não temos descrição em outros lugares sob este nome. Grotius pensa ser o rei Ezequias, cuja mãe Abia, filha de Zacarias, a quem ele supõe ser um homem sábio, de quem ela tinha aprendido muito, instruiu seu filho dessa maneira; mas não dá nenhuma outra razão para essa conjectura, senão que este capítulo segue a coleção de provérbios feitos pelos homens de Ezequias; mas eles são expressamente ditos serem de Salomão, e as palavras de Agur os segue mais imediatamente; e, além disso Ezequias não aparece ter sido viciado em vícios que este príncipe foi; muito mais provável é a conjectura de Dom Patrick, de que ele era um príncipe de um outro país, talvez na Caldéia, uma vez que uma palavra Caldéia é três vezes utilizada no endereçar de sua mãe para ele, e outra palavra em uma terminação Caldéia; e ele supõe que sua mãe era uma senhora judia, que ensinou seu filho as lições contidas neste documento. Mas a percepção geral de escritores judeus e Cristãos é que se refere ao próprio Salomão; cujo nome Lemuel ou é uma alteração do nome de Salomão, um nome afetuoso que sua mãe Bate-Seba lhe deu quando jovem, e ele pensou apto para escrevê-lo assim como sua mãe falou; já que mães, muitas vezes, dão esses apelidos para seus filhos em afeição a eles: ou este era um outro nome dele, como parece que ele tinha mais de um; que significa “para Deus”, alguém que foi dedicado a Ele, como ele foi por seus pais e por si mesmo; ou aquele que pertencia a Deus, como era Salomão; ele era amado de Deus, e, portanto, chamado Jedidias (2 Samuel 12:24); aquele a quem Deus era um Pai, e ele um filho para Ele; e ele foi escolhido por Ele para suceder seu pai Davi no reino (2 Samuel 7:13). Hillerus [1] diz que palavra significa “defronte de Deus”, ou “perante a face do primeiro”, ou de Deus e era um tipo de “o anjo de rostos”, ou da presença de Deus, Isaías 63:9;

 

a profecia que lhe ensinou sua mãe; quer na sua juventude, ou, quando chegou ao trono; a quem ela teve acesso, e com quem ela costumava ter liberdade; e, particularmente, quando ela viu que ele era inclinado para, ou seguia para, os vícios contra os quais ela o adverte. Sua instrução é chamada de “profecia”, porque ela o entregou em uma previsão dos pecados seu filho seria tentado e susceptível de cair; e essa previsão era ou através de sua sagacidade natural, ou sob um espírito de profecia; ou melhor, é assim chamado, porque qualquer sábio ditado, ou doutrina de significância e importância, e especialmente se foi por inspiração Divina, foi assim chamado (veja Provérbios 30:1); enquanto Salomão nos diz o que o seu pai Davi lhe ensinou, e aqui o que sua mãe Bate-Seba lhe deu instruções; e que teria sido bom se tivesse tomado os conselhos que ela lhe deu, e ele deu a seu filho; veja Provérbios 4:3.

 

VERSÍCULO 2

 

Como, filho meu? … O que eu devo chamar-te? Embora tu sejas um rei, eu posso te abordar, em linguagem mais adequada, ou usar um apelativo mais agradável do que isso, e que se segue? Permita-me, tua mãe, para falar a ti como meu filho; e o que devo dizer-te? Eu quero palavras, quero sabedoria; oh, que eu sabia o que dizer a ti, que seria adequado e proveitoso; ou o que estou prestes a dizer-te? coisas de maior significado e importância, e, portanto, me escute; e por isso o modo de falar é projetado para excitar a atenção: ou o que devo pedir de ti? Nenhuma parte do teu reino, ou qualquer participação no governo dele; só este favor: evite os pecados impróprios a um príncipe, e de fazer o dever de um rei, mais tarde mencionado. O Targum e versão Siríaca a representa como exclamando, reprovando e ameaçando; como: Ai meu filho! É esta a vida que tu planejaste viver, entregar-se ao vinho e às mulheres? Que vergonha, meu filho, é nisto que está se tornando o teu nascimento, educação e dignidade? É este o fruto de todas as dores que ao dar-te a luz? Considera a impropriedade que tu estas cometendo;

e como, filho do meu ventre? que me nasceu no sofrimento, dado à luz na dor, e tomei tanto cuidado e esforço para criá-lo de uma forma religiosa, e formá-lo para ser útil na Igreja e Estado? não um filho adotivo, mas a minha própria carne e sangue; e, portanto, o que digo deve ser considerado proceder de puro carinho por ti, e exclusivamente para o teu bem (veja Isaías 49:15);

 

e como, filho dos meus votos? quem eu pedi a Deus, e prometi dar novamente a Ele, e o fiz; razão pela qual ela poderia chamá-lo de Lemuel, como Ana chamou seu filho de Samuel, por um motivo parecido (1 Samuel 1:28); um filho por quem ela tinha feito muitas orações, para seu bem temporal e espiritual; e por quem ela tinha feito muitas promessas, votos e resoluções, que ela cumpriria e, portanto, ela deve ser tão feliz como ao trazê-lo ao mundo, e cria-lo até ser um homem, e vê-lo estabelecido no trono de Israel.

 

VERSÍCULO 3

 

Não dês às mulheres a tua força, …Força do corpo, que está enfraquecido por um uso excessivo de busca por gratificação sexual [2] com uma multiplicidade de mulheres; veja Provérbios 5:9; e força de espírito, razão e sabedoria, que é prejudicado pela conversa com essas pessoas; em que o tempo é consumido e perdido, o que deve ser gasto na melhoria do conhecimento: ou “as tuas riquezas”, como na Septuaginta e versões em árabe, os teus bens, que meretrizes devoram, e que trazem um homem a um pedaço de pão, como o pródigo estava, Provérbios 6:26; e até mesmo drena os cofres de reis e príncipes;

 

nem os teus caminhos ao que destrói os reis; não dê a tua mente para tomar tais cursos, e buscar essas formas e métodos, que trazem a ruína para reis e reinos, como a conversa com prostitutas faz (veja Provérbios 7:26). Alguns pensam que o desígnio deste conselho é alertar contra desejos ambiciosos de ampliar os seus domínios invadindo os países vizinhos, e fazendo a guerra com os reis vizinhos, para a ruína deles; mas o primeiro é melhor. O Targum é: “Nem os teus caminhos às filhas dos reis”.

 

Salomão foi dado às mulheres, que se mostraram muito perniciosas para ele (1 Reis 11:1). Alguns o compreendem, “que destrói conselhos” [3], pois a prostituição enfraquece a mente, assim como o corpo.

 

VERSÍCULO 4

Não é próprio dos reis, ó Lemuel, … não é adequado para eles, é muito impróprio para eles; é desonroso para eles, para tais como Lemuel era, ou seria; ou esteja longe disso os reis, não deixe que tal coisa seja feita nem por eles, nem por ti;

não é dos reis beber vinho; nem dos príncipes o desejar bebida forte; é lícito aos reis beber vinho de forma moderada, e para os príncipes, conselheiros e juízes beber bebida forte; não significando aquilo que é feito de malte, que naqueles tempos não era utilizado; mas de mel, tâmaras, romãs, e outras coisas semelhantes; mas então é muito impróprio para qualquer um deles beber qualquer desses em excesso; é muito vergonhoso para qualquer homem beber imoderadamente, para fazer de si mesmo uma besta, e muito mais um rei ou juiz, que, de todos os homens, deve ser sério e sóbrio; tanto para que eles possam realizar o seu bem o seu ofício, quanto para manter a grandeza e dignidade do mesmo, o que de outra forma se tornaria inútil e desprezível, sim, pernicioso, como se segue. Salomão, não obstante este conselho, deu a si mesmo ao vinho, bem como às mulheres, (Eclesiastes 2:3). O Targum é: “Cuidado com reis, ó Lemuel, com reis que bebem vinho, e com os príncipes que bebem bebida forte”.

 

Assim, a versão siríaca, não mantenha nenhuma companhia com eles, nem siga o seu exemplo; veja Eclesiastes 10:17. A última cláusula pode ser apresentada “nem dos príncipes dizer, onde está a bebida forte? [4] onde deve ser obtido? onde está o melhor? como bêbados fazem; o que está de acordo com a leitura marginal; mas o “Cetib”, ou escrita, é ?? “ou” [5]; mas alguns o traduzem como um nome, “o desejo da bebida forte” [6], não é apropriado para os príncipes cobiçá-lo.

 

VERSÍCULO 5

 

Para que bebendo, e se esqueçam da lei, … A lei de Deus por Moisés, que os reis de Israel eram obrigados a escrever uma cópia, e lê-la diariamente, para imprimi-la em suas mentes, para que nunca se esqueçam dela, mas sempre governarem de acordo com ela, (Deuteronômio 17:18); ou a lei dos seus antepassados, ou o que foi feito por eles mesmos, que por meio de intemperança podem ser esquecidos; pois este pecado entorpece a mente e prejudica a memória, e faz os homens esquecidos;

 

e pervertam o direito de todos os aflitos; um rei no trono, ou um juiz no banco, bêbado, deve ser muito impróprio para seu oficio; uma vez que ele deve ser incapaz de atender à causa diante dele, de perceber o verdadeiro estado do caso; e, enquanto ele se esquece da lei, que é a sua regra de julgamento, então ele confundirá o ponto em debate, e trocará uma coisa por outra; e “muda” [7] e altera, como a palavra indica, o julgamento da pessoa aflita e oprimida, e dá a causa contra ela, a qual deve ser a favor ela; e, portanto, é de grande importância que os reis e juízes fiquem sóbrios. Uma certa mulher, que está sendo injustamente condenada por Filipe, rei da Macedônia, quando bêbado, disse: “‘Gostaria de apelar para Filipe, mas isso deverá ser quando ele estiver sóbrio’; o que lhe despertou; e, mais diligente examinando a causa, ele deu uma sentença mais justa [8].

 

VERSÍCULO 6

 

Dai bebida forte ao que está prestes a perecer, … Tu, ó Lemuel, e outros reis e juízes, em vez de beber bebidas fortes vocês mesmos, ao menos em excesso; dê-las em sua grande abundância e liberalidade para pessoas pobres em circunstâncias famintas, que devem perecer, se não forem aliviadas; vai fazer-lhes bem, moderadamente utilizado; e se eles beberem muito livremente, o que não convém, no entanto, não seriam acompanhados de consequências tão ruins como se reis e príncipes o fizessem;

 

e o vinho aos amargurados de espírito; de disposições melancólicas, sob apreensões sombrias das coisas; pressionado com o peso de sua aflição e pobreza: ou, “amargo na alma” [9], como Deus lidou amargamente, como Naomi diz que foi o seu caso, e, portanto, chamou seu próprio nome de Mara, que significa amargo; de tal espírito entristecido, e amargor assim na alma, era Ana; e assim Jó, e outros; pessoas em grande aflição e angústia, para quem a própria vida é amarga (veja 1:20); agora vinho para tais é muito animador e consolador (veja Juízes 9:13).

 

VERSÍCULO 7

 

Que beba, e esqueça da sua pobreza, … que tem sido muito urgente sobre ele, e que o aflige; que beba até que ele esteja alegre, e se esqueça de que ele é um homem pobre; no entanto, até que esqueça de se preocupar com isso, e ter pensamentos ansiosos de como ele deve conseguir alimentos e vestes” [10].

 

E da sua miséria não se lembre mais; a angústia da sua mente por causa de suas circunstâncias difíceis; ou “seu labor” [11], como isso pode ser compreendido, assim na Septuaginta e versões em árabe, o labor de seu corpo, as dores que ele tem para conseguir um pouco de comida para si e sua família. O Targum é: “E não se lembre mais de suas vestes rasgadas;”

 

Seus trapos, uma parte de sua pobreza. Tal virtude o vinho pode ter para no presente dissipar o cuidado, do qual é dito que nada pode ser melhor [12], e para induzir a um esquecimento da miséria, da pobreza e de outros problemas. […] Alguns, por aqueles que estão “prestes a perecer”, entendem malfeitores condenados, prestes a ir morrer; e pensam na prática judaica de dar vinho misturado com mirra ou incenso, ou uma poção entorpecente para os tais, de forma que eles não sejam sensíveis de sua miséria [13], tal como os judeus parecem ter oferecido a Cristo (Marcos 15:23), é fundamentado nesta passagem; mas o sentido dado é melhor: o todo pode ser aplicado de uma forma espiritual para aquelas pessoas que se veem em um estado e condição de “perecer”; cujas consciências estão carregadas com culpa, cujas almas são preenchidas com um sentimento de ira, têm uma visão do pecado, mas não de um Salvador; observando uma lei quebrada, amaldiçoadora, condenatória, a espada flamejante da justiça revolvendo-se, mas nenhuma justiça para responder por eles, sem paz, sem perdão, sem sacrifício expiatório, apenas olham sobre si perdidos e desfeitos, e assim “amargurados de espírito”; tendo um espírito angustiado neles, um peso sobre seus espíritos: o fardo de culpa sobre eles pesado demais para suportar, de modo que não podem olhar para cima: ou estão “amargurados na alma”; o pecado é feito amargo para eles, e eles estão chorando amargamente por ele: agora a essas pessoas “vinho”, em um sentido espiritual, deve ser dado; o Evangelho, que é como o melhor vinho, que desce docemente, deve ser pregado a eles; eles devem ser informados do amor de Deus e de Cristo pelos pobres pecadores, o que é melhor do que o vinho; e as bênçãos da graça devem ser colocadas diante deles, como a paz, o perdão, a justiça e a vida eterna, por Cristo, o leite e vinho é dado, sem dinheiro e sem preço; destes eles devem beber, ou participar, pela fé, livremente, amplamente, e para a plena satisfação; por meio do qual eles vão “esquecer” a sua “pobreza” espiritual, e se considerarão como possuidores das riquezas da graça, como ricos na fé e herdeiros do reino; e assim não se lembrarão mais de seu miserável estado por natureza, e a angústia de suas almas na visão disso, a menos que seja para ampliar e adorar as riquezas da graça de Deus em sua libertação.

 

VERSÍCULO 8

 

Abre a tua boca a favor do mudo, … Não quem naturalmente é assim, mas aquele que não pode falar em seu próprio nome, ou por falta de elocução, ou o conhecimento das leis; ou que é tímido, medroso, e receoso, sendo intimidado pela majestade de um tribunal de um juiz, ou pelos seus procuradores; ou aquele, como os que não têm uma língua, nem dinheiro, para falar por eles, o órfão e a viúva; estes últimos têm o seu nome, na língua hebraica, a partir da mudez. Aqui a mãe de Lemuel aconselha-o a abrir a boca livremente, prontamente, com ousadia, e intrepidamente, e pleitear por essas pessoas. Mesmo

 

pela causa de todos que são designados à destruição; cuja destruição é resolvida por seus acusadores e procuradores; e que estão em perigo dela, sendo acusado de crimes capitais; a não ser que algumas pessoas de sabedoria, poder e autoridade interponham-se em seu nome. Pode ser tido como “na causa de todos os filhos da mudança”, ou “perecendo” [14]. Os filhos do mundo, que passam com todas as coisas nele, como Kimchi; ou órfãos, cujos ajuda passa, como Jarchi; ou melhor, estranhos, como os outros, que passam de um lugar para outro e cujo estado e condição é susceptível de muitas mudanças que podem ser ignorantes das leis do país onde estão, e podem estar precisando de pessoas para interceder por eles.

 

VERSÍCULO 9

 

Abre a tua boca, julga retamente, … Depois de ouvir a causa, pronuncie uma sentença justa; entregue-a livremente e de forma imparcial, com toda a prontidão e coragem, não se importe com as censuras de homens perversos e injustos;

 

e faze justiça aos pobres e aos necessitados; que são oprimidos pelos ricos, não podem advogar por si, nem pagar para que outros intercedam por eles; e tu, faça-o livre e fielmente. Assim como a mãe de Lemuel adverte-o contra as mulheres e vinho, ela o aconselha a fazer os deveres de seu cargo na administração da justiça imparcialmente para todos, e particularmente em ser o defensor e juiz do indigente e angustiado.

VERSÍCULO 10

Mulher virtuosa quem a achará, … Esta parte do capítulo é dissociada do restante na Septuaginta e versões em árabe; e Huetius [15] pensa que é uma composição de outra pessoa, e não da mãe de Lemuel, cujas palavras ele supõe acabarem em Provérbios 31:9; mas geralmente se pensa que o que segue até o fim do capítulo é uma continuação de suas palavras, no qual ela descreve uma pessoa adequada para ser a esposa de seu filho. Alguns pensam que Bate-Seba deu a essência, a soma e a substância desta descrição bonita, a Salomão; que a coloca na forma artificial que esta, cada verso começa com uma letra do alfabeto hebraico em ordem até que passe por ele todo; embora antes, parece ser uma composição de Salomão descrevendo o caráter e as virtudes de sua mãe Bate-Seba. Mas, seja como for, a descrição é elaborada a tal ponto, e escrita em tais linhas fortes, que não pode concordar com qualquer uma das filhas do caído Adão, literalmente entendido; nem com Bate-Seba, mãe de Salomão; nem com a virgem Maria, como os papistas imaginam que era imaculada e sem pecado, do que não há nenhuma prova; nem, de fato, com qualquer outra; pois, embora algumas partes da descrição podem reunir-se em algumas, e outras [partes] em outras, ainda não todas em uma só; por isso o sentido místico e espiritual do todo deve ser procurado.

 

Alguns por “mulher virtuosa” compreendem a alma sensível, sujeita à compreensão e razão, como Gérson; outros às Escrituras, como Lyra, que conduz à virtude, contêm grandes riquezas em si, muito acima de rubis; no que os homens podem confiar com segurança como regra de fé e prática; e vai fazer-lhes bem, e não mal, continuamente. Outros, “Sabedoria”, que no início deste livro é representada como uma mulher que faz provisão para a sua família, e dita ser mais preciosa do que rubis; e deve ser entendido como Cristo; o que eu prontamente apoiaria, mas esta mulher virtuosa é dita ter um marido (Provérbios 31:11); o que não pode concordar com Cristo, que é, Ele mesmo, o Marido de Sua igreja e povo, a que a igreja dEle, penso eu, é o significado aqui; nem este é o singular sentido da passagem, mas o que é apoiado por muitos dos antigos escritores Cristãos, como Ambrose, Bede, e outros; e seja quem for que compare Provérbios 31:28 com Cantares de Salomão 6:8, verá facilmente a conformidade; e serão levados a observar que Salomão escreveu ambos, e tinha uma vista para uma única e mesma pessoa, a igreja de Cristo, que é muitas vezes representada por uma “mulher” (Isaías 54:1); uma mulher adulta e pronta para casar, como a igreja do Evangelho pode ser realmente dita ser, em comparação à igreja judaica, que era a igreja na infância; uma mulher realmente casada com Cristo; uma mulher fértil, trazendo muitos filhos com Ele; uma mulher bonita, especialmente aos Seus olhos, com os quais ela é a mais formosa entre as mulheres; uma mulher, o vaso mais frágil, incapaz de fazer qualquer coisa sem Ele, mas tudo através dEle: uma “virtuosa”, de pureza inviolável em seu amor e afeição a Cristo, seu Marido; firme em sua adesão a Ele pela fé, como seu Senhor e Salvador; incorrupta em doutrina, sincera e espiritual na adoração, mantendo a pureza da disciplina, e santidade de vida; e mantendo o mistério da fé com a consciência limpa: ou a “mulher de força” [16], valente e vigorosa, como a palavra indica, quando usada para homens (1 Samuel 16:18). A igreja é militante, tem muitos inimigos, e estes fortes e poderosos, assim como astutos e espertos. Ainda, com todo o seu poder e astúcia, não podem superá-la; as portas do inferno não prevalecerão contra ela; ela luta contra todos eles, e é mais do que uma vencedora sobre eles; ela é de grande força espiritual, o que ela tem a partir de Cristo, para lutar as batalhas do Senhor, para resistir a todos os inimigos, para exercer a graça, e fazer toda a boa obra; e todos os seus verdadeiros membros perseveram até o fim; ou uma “mulher de riquezas” [17], que recebe provisão e riquezas por sua sabedoria e prudência, assim Aben Ezra; uma mulher de sorte, como se costuma dizer: Tal é a igreja de Cristo, através de Suas riquezas insondáveis comunicadas a ela; riquezas da graça que agora possui, e riquezas da glória a que ela tem direito. Mas “quem achará tal mulher? há apenas uma para ser encontrada [18], apesar de existirem muitas igrejas particulares, há apenas uma igreja dos primogênitos, que consiste dos eleitos de Deus, do qual Cristo é o Cabeça e o Marido (Cantares de Salomão 6:9); e há Um só que poderia encontrá-la, seu próprio Fiador, Salvador e Redentor (compare com Apocalipse 5:3). Isto supõe a perda dela, enquanto ela estava em Adão; a busca de Cristo por ela, como fez na redenção, e fez no chamado eficaz; e quem perfeitamente a conhece, e todos os seus membros, e onde eles estão; e quem descobre, e confere-lhes as bênçãos da graça e bondade;

 

O seu valor muito excede ao de rubis; mostrando o valor que Cristo, o seu Marido, coloca sobre ela, a estima que ela é tida por Ele; que a reconhece como Sua porção e herança; como preferível ao ouro puro, e prata mais escolhida; como seu tesouro peculiar; como suas joias, e mais valiosa do que as pedras mais preciosas: isso aparece pelo Seu encarregar-se dela; cumprir e sofrer o que Ele fez em seu lugar; o preço que Ele pagou por ela é muito excedente ao de rubis; ela é comprada com um preço, mas não com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, mas com o precioso sangue de Cristo; o preço do resgate pago por ela é Ele mesmo, que é mais precioso do que rubis, e todas as coisas que podem ser desejadas (1 Pedro 1:18).

 

VERSÍCULO 11

 

O coração do seu marido está nela confiado, … Cristo, seu Criador é o seu Marido, que a pediu em casamento, e a tem prometido para Si mesmo em justiça; e de quem o puro amor, e inviolável apego a Ele, Ele está plenamente satisfeito, bem como de sua fidelidade em manter o que Ele ordenou a ela; Ele confia a ela o Seu Evangelho e ordenanças, os quais ela mantém fielmente e observa; e com seus filhos nascidos nela, que são amamentados ao seu lado, a quem ela dá os seios das ordenanças, carrega-os em seus lados, e os embala em seus joelhos, como uma mãe terna e cuidadosa faz (Isaías 60:4);

 

assim ele não necessitará de despojo; Ele nunca necessita de nada; por meio da palavra pregada nela; espólio e despojos devem ser retirados das mãos dos poderosos, e Ele repartirá o despojo com eles; ou têm almas arrebatadas das mãos de Satanás, e trazidas para o seu reino (Isaías 53:12). A versão Septuaginta entende isso sobre a mulher virtuosa, e não sobre o seu marido; “Alguém como ela não necessitará de bom despojo”; agora, espólio e despojos, por vezes, significam comida, como no Salmo 111:5; e assim Jarchi interpreta-os aqui; e, em seguida, o sentido que ela não terá necessidade de provisões espirituais; ela deve ter a abundância deles a partir de seu Marido, que repousa tal confiança nela; ou não carecerá de excelentes tesouros, como a versão em árabe, que também entende sobre ela; tais são a palavra e ordenanças, e as promessas particularmente preciosas, que são mais alegria do que um grande despojo (Salmo 119:162); e assim Ambrose interpreta [19]  isso sobre a igreja, que não precisa de despojo, porque ela está cheia deles, mesmo com os despojos do mundo, e do Diabo.

 

VERSÍCULO 12

 

Ela só lhe faz bem, e não mal, … Ou, retribui bem a Ele, dá-Lhe graças por todas as coisas boas dadas por Ele a ela; buscará o Seu interesse, e promoverá a Sua honra e glória ao máximo; todas as boas obras que ela faz, as quais ela está qualificada para fazer, e disposta a executar, são todas feitas em Seu nome e força, e tendo em vista a Sua glória; nem ela fará nenhum mal voluntária e conscientemente contra Ele, contra Suas verdades e ordenanças; ou que seja prejudicial à Sua honra, e prejudicial ao Seu interesse (2 Coríntios 13:8);

 

todos os dias da sua vida; através do que ela deseja servi-lO em verdadeira justiça e santidade; e ser firme e constante e sempre abundante na Sua obra (Lucas 1:74).

VERSÍCULO 13

 

busca lã e linho, … Para obtê-los, a fim de tecê-los e trabalhá-los até que se tornem peças de vestuário; ela não para até que eles sejam trazidos a ela, e ela é apressada para pega-los; mas ela os busca, o que mostra a sua vontade de trabalhar, como é depois mais plenamente expresso. Era comum nos tempos antigos grandes personagens fazerem trabalhos como estes. […] Os judeus têm um ditado [20], que não há sabedoria em uma mulher, senão na roca; sugerindo, que esta é a sua sabedoria ocupar-se da fiação, e dos negócios de sua casa; nos casamentos romanos, a palavra “thalassio” foi muitas vezes repetida [21], a qual significa um recipiente em que o trabalho de fiação era colocado; e isso era feito para colocar na mente da noiva qual seria seu trabalho. Agora, quanto ao sentido místico dessas palavras; como da lã saiu as vestes, e do linho as roupas interiores são feitas; por um pode ser significado os atos externos da Religião, e pelo outro os internos; ambos devem ser feitos, e não um sem o outro. Os atos exteriores da Religião são, ouvir a palavra, atender as ordenanças, e todas as boas obras, que compõem uma peça de roupa da conversação que deve ser mantida; e eles devem ser feitos de modo a serem vistos pelos homens, mas não por essa razão. E os atos internos de Religião são, o temor de Deus, a humildade, a fé, a esperança, o amor, e outras graças, e os exercícios delas, que adornam o novo homem, para ser colocado como uma veste; e estes devem seguir juntos; exercício corporal sem poderosa piedade, é pouco proveitoso; e pretensões de espiritualidade e religião interna, sem levar em conta os deveres exteriores da religião, são todos em vão. Daí Ambrose, sobre o texto, observa que alguém pode dizer: “É o suficiente adorar e servir a Deus em minha mente; que necessidade tenho eu de ir à igreja, e visivelmente me misturar com os Cristãos? Esse homem teria uma roupa de linho, sem uma peça de roupa de lã, isso esta mulher não conhecia, ela não recomenda tais obras”.

 

Ela procurou todas as oportunidades de fazer boas obras externamente, como os crentes fazem; e buscou o reino de Deus, a piedade interna, que se encontra na paz, justiça e alegria no Espírito Santo. Não que tais vestuários sejam unidos com o manto de justiça de Cristo, para tornarem-se uma veste de justificação; um traje com linho e lã, nesse sentido, não há de vir sobre os santos (Levítico 19:19);

 

e trabalha de boa vontade com suas mãos; ou, “com o prazer de suas mãos” [22]; como se suas mãos tivessem prazer em trabalhar, como a igreja e todos os verdadeiros crentes fazem; os quais são feitos voluntários no dia do poder do Senhor sobre eles, para servi-lO, bem como para serem salvos por Ele; em cujo corações Ele opera tanto o querer quanto o fazer; e estes fazem o que fazem alegremente: estes fazem a obra do Senhor, não por força da lei, nem pelo temor da punição, mas em amor; não por constrangimento, mas espontaneamente, não tendo outro constrangimento senão além do amor de Deus e de Cristo; e não com visão mercenária e egoísta, mas tendo em vista a Sua glória; e eles encontram um deleite e prazer em tudo o que fazem. Os caminhos de Cristo são caminhos de delícias; os seus mandamentos não são pesados, seu jugo é suave.

 

VERSÍCULO 14

 

Como o navio mercante, … Não como um único, mas como uma marinha deles, que cruzam os mares, vão para a parte externa, e voltam carregados com ricas mercadorias: por isso a Igreja de Cristo, e seus verdadeiros membros, como navios de carga, lidam com o Céu, pela oração e outras práticas religiosas, e voltam com as riquezas da graça e da misericórdia, para ajudá-los em tempo de necessidade; e apesar de terem muitas vezes passagens difíceis e perigosas, são atirados com tempestades e cobertos com ondas; ainda sim, Cristo é o seu Piloto, a fé a sua vela, e esperança a âncora, eles enfrentam os mares, enfrentam todas as tempestades, e voltam para casa em segurança com a sua mercadoria;

 

ela traz de longe o seu pão: a partir de um país distante, do Egito particularmente, de onde trigo para o pão, como a palavra usada aqui significa, era buscado e transportado em navios para diversas partes do mundo [23]; a que a alusão pode ser: em um sentido espiritual, pode significar que a igreja traz o seu pão ou pão do céu, a boa terra distante; onde Deus seu Pai, Cristo seu Marido, e seus amigos são os anjos; com quem ela mantém uma correspondência e, a partir daí ela tem a sua comida para sua família; não a partir de baixo, na terra; não pó, comida da serpente; nem cinzas, do que um coração enganoso se alimenta; nem cascas, que suínos comem; mas o trigo do Céu, o pão dos anjos, o oculto maná celestial; o Pão da Vida, que desce do Céu; o Evangelho da graça de Deus, a boa notícia de um país distante.

 

VERSÍCULO 15

 

Ela levantou-se também enquanto ainda é noite, … ou seja, antes da ascensão da manhã, como Aben Ezra explica, antes do romper do dia; um grande tempo antes do dia, assim como Cristo foi dito levantar para orar (Marcos 1:35), enquanto ainda estava escuro; assim a igreja aqui: o que mostra sua afeição por sua família, seu cuidado com seus filhos, e zelo ardente para o interesse do Marido e bem estar; uma forma diferente de espírito daquele nela em Cantares de Salomão 5:2;

 

e dá mantimento à sua casa, e uma porção para suas donzelas; em alusão a uma concessão [24] diária estabelecida de alimento dado a tais; e espiritualmente podem ser entendidas, por sua “casa” ou família, o mesmo com a família de Cristo, que é nomeada a partir dEle mesmo, que consiste de várias pessoas, pais, jovens e crianças; e por suas “donzelas”, os ministros da palavra (veja Provérbios 9:3); que são mordomos na família, e têm a comida para eles colocada em suas mãos para a dispensar; é por isso a igreja dá carne para sua família, alimenta-os com conhecimento e compreensão, com as sãs palavras de Cristo, com as boas doutrinas do Evangelho; estes têm uma certa porção dada a eles, e eles, por direito, cortam e dividem a palavra da verdade, e dão a cada um a sua porção de alimento no tempo devido, de acordo com sua idade e circunstâncias; leite de fato para bebês e carne para homens fortes (veja Lucas 12:42). O Targum traduz a palavra por “porção pelo serviço”: compreendendo não uma porção de comida, mas de trabalho, uma tarefa definida, e assim a palavra é usada em Êxodo 5:14. As versões Septuaginta, siríaco, e árabe, a traduzem como “obras”, o que pode ser muito bem aplicado ao trabalho e serviço do ministério Evangelho, e as várias porções dele.

 

VERSÍCULO 16

 

Examina uma propriedade e adquire-a, … O campo são as Escrituras, onde estão escondidos os ricos tesouros das doutrinas e promessas do Evangelho; e a Igreja, e todas as pessoas verdadeiramente iluminadas consideram para que uso este campo pode ser colocado, em que conta ele será usado; quão rentável as Escrituras são, para o ensino, repreensão, correção e instrução na justiça; que mina rica e valioso tesouro estão nelas; coisas mais desejáveis, e de maior valor, que milhares de ouro e prata; e, portanto, comprará este campo de qualquer maneira, e não vai vendê-lo; irá se separar de tudo o que eles têm antes que sejam separados dele; até da própria vida, que num sentido impróprio é chamado de compra do mesmo, embora seja sem dinheiro e sem preço (veja Mateus 13:44);

 

planta uma vinha com o fruto de sua mão; sua própria vinha, cujas plantas são um pomar de romãs (Cantares de Salomão 1:6); que através do ministério da Palavra, são plantadas na casa do Senhor, e florescem ali; esta igreja é dita ser cultivada por seus ministros, que plantam e regam, como Paulo e Apolo fizeram (1 Coríntios 3:6). E é observável que no texto hebraico há uma dupla leitura; o “Keri”, ou a leitura marginal, é feminino; mas o “Cetib”, ou escrita, é masculino; para mostrar que ela fez isso por meio de homens, ela fez uso deles em sua vinha para esse serviço; sendo, como Aben Ezra observa, não era costume e negócio de mulheres plantar vinhas, mas de homens. Pode ser traduzido: “ele plantou”, e ser aplicado a seu marido, Cristo; que, através do ministério da Palavra em Sua igreja, planta almas nela; e felizes são aqueles que são a plantação do Senhor! Árvores de justiça, para que Ele seja glorificado (Isaías 61:3).

 

VERSÍCULO 17

Cinge os seus lombos de força, … Mostrando sua prontidão para toda boa obra; e com que alegria, espírito e resolução se estabelece sobre isso; e com que eficiência e prontidão ela as realiza: a alusão é ao cingir e o arregaçar das vestes longas, usada nos países do Oriente, quando todo o trabalho foi definido com seriedade, o que exigiu eficiência (veja Lucas 17:8); estando a força das criaturas em seus lombos (Jó 40:16); os lombos são por vezes expressados como força, como em Plautus [25], e o sentido é a mesmo com o que se segue;

 

e fortalece os seus braços; faz tudo o que ela encontra a ser feito com toda a sua força e energia, como a igreja faz; não em sua própria força, mas na força de Cristo; de Quem ela busca por isso, e em cuja força ela prossegue em empreendimento; por Quem os braços de suas mãos são feitos fortes, mesmo pelo poderoso Deus de Jacó; e porque ela, assim, aplica-se a Ele por isso, ela é dita fazer isso por si mesma (Gênesis 49:24); aqui ela interpreta o homem, e age a porção varonil (1 Coríntios 16:13).

 

VERSÍCULO 18

 

Vê que é boa a sua mercadoria… Que se transforma em boa conta; que a sua negociação com o Céu é de grande vantagem; que ela cresce em riqueza; que a sua mercadoria com a Sabedoria, ou Cristo, é melhor do que o lucro da prata, e o ganho, mais que ouro refinado; e, apesar de suas viagens são realizadas com dificuldade e perigo, ainda são rentáveis e, portanto, ela não é desencorajada, mas determinada a persegui-los; ela é como o homem negociante que busca boas pérolas, que encontra uma pérola de grande valor, que vale toda a sua angústia (veja comentários sobre Provérbios 31:14 e veja Provérbios 3:14);

 

e a sua lâmpada não se apaga de noite; […] sua lâmpada de profissão [de fé], que é sempre mantida em chamas, Lucas 12:35; ou a gloriosa luz do Evangelho, que sempre continua nos tempos mais tenebrosos em que a igreja esteve; ou sua prosperidade espiritual, que, embora possa ser atenuada, nunca será extinta; quando a lâmpada dos ímpios é muitas vezes apagada (Jó 21:17). Pode denotar sua diligência no trabalho; que, como ela levanta no início da manhã (Provérbios 31:15), também fica até tarde da noite, e nunca está cansada de fazer o bem, noite e dia. Ambrose interpreta isso como a lâmpada da esperança, que arde no meio da noite, e para e pela qual os homens trabalham (Romanos 8:24).

 

VERSÍCULO 19

 

Estende as suas mãos ao fuso … […] Ou roda de fiar, mais propriamente, a própria roda, que é segurada pela mão direita, e virada;

e suas mãos pegam na roca; ou amparo, vara, ou bastão, sobre o qual a lã é envolvida, que é girada, e é segurada na mão esquerda; pois, embora as mãos são mencionados nas duas cláusulas, ainda que seja só com uma mão que a roda é girada, e a roca segurada com a outra. Não só lã e linho foram procurados por ela (Provérbios 31:13); mas ela os gira, e trabalha-os em peças de vestuário, sua teia não é como a da aranha, fiado de suas próprias entranhas, em que ela se pendura; a que a esperança e confiança de um hipócrita são comparados, e cujas teias não se tornam peças de vestuário para cobri-los (Jó 8:140; mas a teia da igreja é tanto para enfeite, para o adorno de sua profissão, e para a defesa e proteção contra as calúnias do mundo; pois por elas são feitas boas obras, como Ambrose interpreta-os.

 

VERSÍCULO 20

 

Abre a sua mão ao pobre, … Sua generosidade é muito extensa, atinge a muitos, e à distância; isso é feita com grande alegria e prontidão; para fazer o bem e se comunicar, ela não se esquece, sendo aceitável a seu Senhor e Marido (Hebreus 13:16);

 

e estende as suas mãos ao necessitado; ela dá com as duas mãos, generosamente e abundantemente. Pode ser aplicado à igreja, dando alimento espiritual por seus ministros para aqueles que são pobres de espírito, espiritualmente pobres e necessitados, e que têm fome e sede de justiça.

 

VERSÍCULO 21

 

Não teme a neve na sua casa, … que sua família deve sofra com o rigor de uma estação fria, quando está geando e nevando;

 

porque toda a sua família está vestida de escarlata: a versão Vulgata Latina diz “com a dupla” [26], ou seja, com vestimenta dupla; e assim a Septuaginta e versões em árabe, juntando as palavras ao verso seguinte; e este, alguns pensam, é o melhor entendimento das palavras; uma vez que a cor escarlate não veda contra o frio, não mais do que qualquer outra, enquanto roupas duplas o fazem; e a qual pode ser aplicada à veste de justificação, ou o manto da justiça de Cristo, como um; e à veste de santificação, interno e externo, como o outro. Um, mesmo a justiça de Cristo, ou Cristo, o Senhor nossa justiça, é um esconderijo contra o vento, e um refúgio contra a tempestade; um abrigo suficiente por causa do frio da neve, e todas as inclemências do tempo; pelo qual a ira vingativa e justiça de Deus podem ser significadas, mas o outro é um protetor das insinuações maliciosas e injúrias dos homens. Mas tivesse a palavra sido projetado para significar “dupla”, que teria sido no número “dual”; como não é, e é sempre usado nesta forma de “escarlate”; e assim o Targum, Jarchi e Aben Ezra o interpreta; cuja cor é um emblema do sangue de Cristo, pelo qual a igreja é justificada (Romanos 5:9); e toda a família da fé, toda a família de Cristo e família de Deus, estão todos justificados pela mesma justiça de Cristo, que consiste em Sua obediência ativa e passiva, a todos em quem o seu sangue carmesim é colocado. É uma peça de roupa até os pés, que cobre todo o Seu povo; todos eles são feitos justos por aquela obediência de Cristo; todos eles estão vestidos de escarlate igualmente, todos os reis e sacerdotes para Deus, todos justificado igualmente, e serão glorificados igualmente. O sentido literal é que, se sua família está vestida de escarlata em comum; muito mais pode-se pensar que as roupas grossas e adequadas seriam fornecidas para eles, para protegê-los do frio no inverno [27].

 

VERSÍCULO 22

 

Faz para si cobertas de tapeçaria, … Para os móveis e ornamentos de sua casa, ou para a sua cama; o que pode significar as ordenanças do Evangelho, e a administração decente, ordenada e bonita delas, em que a igreja tem comunhão com o seu Senhor (veja Cantares de Salomão 1:16). A versão Vulgata Latina traduz, “vestes de diversas cores”, como era a túnica de José (Gênesis 37:3); e, em um sentido espiritual, pode ser aplicado às peças acima mencionadas, e concorda com o que vem antes e adiante;

 

Seu vestido é de seda e de púrpura; a púrpura de Tiro, que Strabo diz ser a melhor [28]; ou seda púrpura, de seda de uma cor roxa: ou linho fino desta cor. Um vestido adequado para uma rainha, como a igreja é, que é representada como vestida com roupas de ouro forjado, com vestidos bordados (Salmo 45: 9; veja Ezequiel 16:10). Esta não é a sua própria roupa natural, pois ela não tem nada, por natureza que mereça o nome; nem de seu próprio trabalho, não de obras de justiça feitas por ela; nem de sua própria força, mas o que Cristo fez por ela, e a vestiu; e que é muito rico em si mesmo, a melhor roupa, muito ornamental para ela; seu vestido de casamento, e que durará para sempre (veja Isaías 61:10).

 

VERSÍCULO 23

 

Seu marido é conhecido nas portas, … da cidade, onde os tribunais de justiça foram mantidos, e casos ouvidos e julgados por juízes, os anciãos da terra, mais tarde mencionados; entre os quais o marido da mulher virtuosa esteve, onde era conhecido, tomado conhecimento, e celebrado; não tanto pelas belas roupas que ela fez para ele, como Jarchi; mas sim por sua sabedoria, como Gérson, e por ser o marido de uma mulher; que, tomando tais cuidados dos seus assuntos internos, Ele estava mais à vontade para participar de negócios públicos, e realizar transações com reputação. Cristo é o Marido da igreja em geral, e das igrejas particulares, e de cada crente privado; ele os amou, pediu-lhes de Seu Pai, e os prometeu para Si mesmo; e é gentil, terno e amoroso, e simpático Marido para Sua igreja e povo; os alimenta e cuida deles, e fornece todas as coisas para eles, e compartilha com eles tudo o que Ele tem, e Ele é “conhecido” por eles, na dignidade de Sua Pessoa, na excelência de Seus ofícios e a plenitude de Sua graça ; Ele é conhecido por eles na relação de um Marido; Ele é bem conhecido na igreja de Deus, na assembleia de seus santos (Salmo 76:1); Ele é conhecido nas portas de Sião, no ministério público da Palavra e ordenanças; Seu nome é celebrado, torna-se grande e famoso, onde quer que o Seu Evangelho for pregado em todo o mundo; Ele é “conhecido nas províncias”, como diz o Targum; ou “entre as cidades”, como diz a versão siríaca; entre as nações do mundo, nas cidades dos gentios; como Ele será, mesmo desde o nascer até o pôr do sol (Malaquias 1:11);

 

e assenta-se entre os anciãos da terra; quando Ele se senta em Sua casa, em Sua mesa rodeada por Seus santos, Seus anciãos; ou como Rei, Cabeça, e Marido de Seu povo, em Seu trono na igreja, cercado com, os vinte e quatro anciãos, os representantes das igrejas evangélicas (Apocalipse 4:2). E, especialmente, quando Ele tomar para Si o Seu grande poder, e reinar gloriosamente perante os Seus anciãos, os patriarcas, profetas e apóstolos, e todos os Seus santos, que virão com Ele; a quem amou com um amor eterno; que foram escolhidos nEle antes da fundação do mundo; e tinha graça dada a eles, nEle, antes que o mundo começasse (Isaías 24:23); e quando Ele virá para julgar o mundo, e aparecerá em grande glória, e será visto e conhecido de todos; e se assentará em Seu trono de glória, e os Seus anciãos, sentando-se em doze tronos para julgar as tribos de Israel (Mateus 19:28); assim Ambrose o interpreta como o juízo universal.

 

VERSÍCULO 24

 

Faz panos de linho fino, e vende-os, … Ela não somente busca lã e linho, e os fia, mas torna-os em linho fino, que ela dispõe para sua própria vantagem e da família. Kimchi [29] diz palavra que significa revestimentos para a noite, bem como para o dia, isso parece significar lençóis de linho. A versão árabe acrescenta: “vende para os habitantes de Bosra”. Isso, no sentido místico, pode significar tanto as boas obras que a igreja faz, e que ela propõe como um padrão e um exemplo para os seus membros; ou instrução Divina, como outras, a pregação do Evangelho, e as verdades dela; que ela vende, e outros compram, embora ambos sem dinheiro e sem preço; pois, como ela recebe gratuitamente, ela dá gratuitamente. Ou a justiça de Cristo, que é chamada de linho fino e de vestes brancas; que, propriamente falando, é feita por Cristo, e vendido por Ele, ou comprado dEle, como dito antes, sem dinheiro; Apocalipse 19:8. Ainda, essa a própria igreja faz, por apoderar-se dEle pela fé, e que ela dá livremente para outros no Evangelho; que é, portanto, chamado de “o ministério da justiça” (2 Coríntios 3:9);

e entrega cintos aos mercadores; para dispô-los para ela; seja para vender para os outros, para os sacerdotes egípcios, que as usavam; ou para seu próprio uso, para colocar seu dinheiro em cintas sendo usado para esse fim (veja Gill em Mateus 10:9). Ou, “um cinto ao cananeu[30], os cananeus ou fenícios sendo geralmente comerciantes, a palavra é indicativa de um. Por esses podem ser entendidos ministros da palavra; pois, como os sacerdotes de Roma são chamados mercadores da terra e falsos mestres são ditos fazer os homens de mercadorias (Apocalipse 18:3); assim ministros fiéis, que comercializam para o bem das almas, e procurar não deles, mas eles, e não as suas próprias causas, mas a de Cristo, podem ser chamados de comerciantes: e a estes “o cinto da verdade” é dado; e estes a Igreja exorta a cingir os lombos com ele, assim como todos os seus membros, para que possam estar prontos para toda boa obra, e particularmente preparados para anunciar o Evangelho da paz (Efésios 6:14).

 

VERSÍCULO 25

 

A força e a honra são seu vestido, … Força, não do corpo, mas da mente. A igreja está vestida com força, como seu Senhor, o Cabeça e Marido, é dito ser (Salmo 93:1); e que ela tem a partir dEle; pois apesar dela ser o vaso mais frágil, e fraca em si mesma, mas é forte nEle; e é capaz de suportar e fazer todas as coisas, com uma fortaleza de espírito para resistir a todos os inimigos, e perseverar em fazer o bem, e ela está vestida com “honra”; com roupas honrosas, adequada à sua posição e dignidade; em vestes de ouro, com vestidos bordados; com as vestes da salvação, e o manto da justiça;

 

e se alegrará com o dia futuro; Aben Ezra interpreta isso sobre a idade avançada, ou do mundo por vir; e Jarchi e Gérson sobre o dia da morte: tendo plenitude de alimentos e roupas, ela não tem medo de falta na velhice, ou em qualquer momento de aflição que venha; e tendo um bom nome, ri da morte, e parte em paz; assim estes o interpretam. A igreja de Cristo não teme falta, a qualquer momento, nem precisa de qualquer de seus membros; eles têm uma roupa que nunca fica gasta, uma justiça que vai responder por eles em um tempo por vir; o pão é dado, e sua água é certa. Eles não necessitarão de nenhuma coisa boa; toda a sua necessidade é provida por Cristo; eles têm esperança em sua morte, e nos gloriamos, em seguida, e cantamos: “Ó morte, onde está o teu aguilhão?” (1 Coríntios 15:55); eles terão confiança no dia do julgamento, e não terão vergonha; virão a Sião com alegria eterna; e se alegrarão com Cristo, anjos e santos, por toda a eternidade.

 

VERSÍCULO 26

 

Abre a sua boca com sabedoria, … Quando ela abre a boca, pois não está sempre aberta, ela se expressa de uma forma discreta e prudente; bem como não fala de coisas tolas e irrelevantes, mas significativas e importantes, e de utilidade para os outros: ou “sabedoria útil” [31]. A igreja e o povo de Cristo falam da sabedoria de Deus nas obras da criação, providência e redenção; de Cristo, a Sabedoria de Deus, e como fez também a eles; do Evangelho, a sabedoria de Deus em mistério, a sabedoria oculta; e da sabedoria no oculto, ou a verdade da graça em suas almas; de suas graciosas experiências; eles não vão permitir qualquer comunicação tola, imunda e corrupta saindo de suas bocas, mas falam a língua pura de Canaã; o que é para o uso da edificação, e sendo tirado a partir das Escrituras, é rentável para a educação na justiça (veja Salmo 37:30);

 

e a lei da beneficência está na sua língua; ou “a lei do amor” [32]. Graça e misericórdia; que é a lei de Cristo (Gálatas 6:2); falando gentil e carinhosamente a todos, exortando a atos de misericórdia e bondade, e fazendo-as ela mesma: ou “a doutrina da graça está na sua língua” [33]. O Evangelho, que é chamado o Evangelho da graça de Deus e a própria graça de Deus; é a doutrina da graça e do amor de Deus Pai para com os homens em Cristo, como aparece na eleição deles nEle e redenção por Ele; da graça de Cristo em Sua encarnação, sofrimentos e morte; e da graça do Espírito na regeneração, conversão e santificação; a qual contém várias doutrinas da graça, como de justificação, o perdão dos pecados, e chamado eficaz; e da própria salvação, que é tudo de graça: e esta doutrina da graça, nos vários ramos da mesma, que a igreja, e todas as almas graciosas, não podem deixar de falar; ela está sempre em suas bocas, e frequentemente se detém sobre as suas línguas; e eles são cuidadosos em outros aspectos, para que a sua palavra seja temperada com graça, de tal forma que ministre graça aos ouvintes (Efésios 4:29).

 

VERSÍCULO 27

 

Está atenta ao andamento da casa, … O negócio de sua casa, seus assuntos internos; que seus filhos e servos tenham comida conveniente, e no devido tempo; que eles tenham roupa adequada, e mantenham as suas vestes próximas a eles, e limpas; que toda a gente faça os ofícios de sua vocação, seus vários oficiais e membros privados; que um bom decoro seja mantido, que todas as coisas sejam feitas com decência e ordem; que as regras do seu Senhor e Marido sejam observadas; que as conversas de todos em sua casa estejam de acordo com a palavra de Deus, e adequando o seu caráter: ela cuida do doentes e fracos, conforta os de mente fraca, e ajuda os que não estão firmes; ela não pode suportar os que são maus, seja no princípio ou prática; que são imorais em suas vidas, ou defeituosos em sua fé; mas adverte-os de acordo com a natureza dos seus crimes, e expulsa o obstinado ou incorrigível. As palavras podem ser traduzidas: “ela olha bem para os caminhos dos de sua casa” [34]. Seja sua casa debaixo, a forma ou entrada, que é pela fé em Cristo, e uma profissão dela; e ela cuida para que ninguém seja admitido, senão os tais que a têm; ou os caminhos internos dela, as ordenanças, decretos, nomeações, e constituições de Cristo, chamados de caminhos de Sião. Ela está preocupada que todos de sua família andem neles e observe-os. Ou sua casa acima, que é eterna, nos céus; Casa do Pai de Cristo, e, dela, em que há muitas moradas, e tabernáculos eternos; o caminho para isso também é Cristo, que é o verdadeiro caminho para a vida eterna, a porta estreita e caminho estreito que leva a ela; sem a Sua justiça imputada, e a graça regeneradora de Seu Espírito, não há entrada para ela: além disto, existem caminhos menores que concordam e coincidem; como os caminhos de fé, verdade e santidade, e os caminhos dos mandamentos de Cristo, o qual brota nela, e que a Igreja e seus verdadeiros membros tenham o cuidado de vigiar e observar. A versão árabe traduz: “os caminhos da sua casa são estreitos”; com o qual compara com Mateus 7:13. Jarchi interpreta esses caminhos da lei, que ensina o bom caminho, e a apartar-se da transgressão;

 

e não come o pão da preguiça, de uma mulher ociosa, como diz Aben Ezra. Ou, ela ficando ociosa não come pão; ela não o come sem trabalho; é “o pão do trabalho”, de muitos trabalhos que ela come, como no Salmo 127:2; ela trabalha pela comida que permanece para a vida eterna (João 6:27); o Evangelho, o pão que fortalece o coração do homem, refresca seu espírito, é feito do mais fino trigo, contém as sãs palavras de Cristo, e pelo que os homens são nutridos para a vida eterna; e que particularmente direciona a Cristo o verdadeiro pão, o pão da vida, da qual, se alguém comer ele nunca morrerá, mas viverá para sempre; e de quem os verdadeiros crentes se alimentam pela fé; mas embora isso esteja preparado para eles, e é o dom de Deus para eles, ainda devem trabalhar por ele; não há comida sem trabalho: crentes leem, ouvem, e oram, e diligentemente observam a todas as ordenanças por causa desse alimento.

 

VERSÍCULO 28

 

Levantam-se seus filhos, … Como plantas de oliveira ao redor de sua mesa; crescem até a maturidade da idade e de julgamento, e assim capazes de observar as coisas, e fazer o trabalho aqui que lhes é atribuído. Ou eles se levantam em reverência a ela, e respeito a ela, adequado à relação que têm para com ela: ou melhor, isso significa a sua disponibilidade para mostrar uma consideração a ela, e levam seu trabalho de louvá-la a sério, ou então a sua pressa em fazê-lo; eles levantam na parte da manhã, como observa Aben Ezra; sua lâmpada não sendo extinguida a noite. Jarchi interpreta esses “filhos” como discípulos; mas eles devem ser entendidos como pessoas regeneradas, jovens convertidos, nascidos em Sião, e criado por ela; os filhos dessa Jerusalém, que é a mãe de todos nós (Isaías 54:1);

 

e chamam-na bem-aventurada; bendizem a Deus por ela, por tal mãe, e desejam que sejam eles mesmos tão felizes como ela é; eles oram por sua bem-aventurança, paz e prosperidade, como todos os filhos de Sião deveriam (Salmo 122:6); a chamam abençoada, também eles o podem ser, uma vez que ela é abençoada com todas as bênçãos espirituais em Cristo; e também o são todos de sua família que realmente pertencem a ela, seus filhos e os seus servos (Salmo 84: 4; veja Cantares de Salomão 6:9);

 

seu marido também, e ele a louva; ou seja, Ele está pronto também para levantar-Se para louvá-la e elogiá-la. Jarchi diz que este é o santo Deus bendito. Cristo é o Marido da igreja, que é o seu Criador (veja os comentários sobre Provérbios 31:23); Ele a elogia por sua beleza, mas ela deve tudo a Ele; por suas porções belas e de graciosidade, que Ele descreve com admiração; por seu vestido, suas roupas, apesar de serem a partir dEle próprio; por sua fé, amor, humildade, e outras graças, apesar de serem os seus dons (veja Cantares de Salomão 1:8).

 

VERSÍCULO 29
 

Muitas filhas têm procedido virtuosamente, … Isto, de acordo com Aben Ezra e Gérson, é o que foi dito por seu Marido e filhos, e que parece ser certo; especialmente, podem ser pensados ser as palavras de seu Marido. Por essas “filhas” podem ser entendidas falsas igrejas, como a Igreja de Roma e suas filhas, que é a mãe das prostitutas (Apocalipse 17:17). Estas são “muitas”, quando a verdadeira igreja de Cristo é apenas uma, a quem ela se opõe (Cantares de Salomão 6:8). Estas podem fazer muitas coisas virtuosas externamente; podem fazer um grande espetáculo de religião e devoção; podem ter uma forma de piedade, sem o poder dela; e um nome de que vivem, e sendo mortas. A versão Vulgata Latina diz: “muitas filhas reuniram riquezas”; ou “têm possuído riquezas”, como a Septuaginta e versões em árabe e siríaco, e assim o Targum; e, nesse sentido, a frase é por vezes utilizada como obter riquezas e bens (veja Deuteronômio 8:17); e pode muito bem ser aplicada às falsas igrejas, a igreja de Roma e suas filhas, que possuem grandes riquezas e grandes emolumentos, que ainda em um curto espaço de tempo virá a ser nada (Apocalipse 18:16);

 

mas tu és, de todas, a mais excelente; em beleza real, em verdadeiras riquezas, na pureza da doutrina, na simplicidade de adoração, na santidade de vida e conversação, na religião imaculada, em fazer boas obras, chamadas assim apropriadamente. A Igreja de Cristo é “a mais formosa entre as mulheres” (Cantares de Salomão 1:8). Assim Ambrose interpreta as filhas de heresias e hereges.

 

VERSÍCULO 30

 

Enganosa é a beleza e vã a formosura, … Uma aparência bonita, um semblante gracioso, simétrico e proporção de partes, a beleza natural ou artificial, são vãs e enganosa; muitas vezes sob elas está uma natureza doente, deformada, e mente depravada; nem é o prazer e satisfação tão apreciados como é prometido, juntamente com elas. E particularmente, como elas desvanecem [35] e se consomem por uma crise de doença, e com a idade avançada, e, finalmente, com a morte? E assim, vã e enganosa são a beleza e a formosura, as pinturas artificiais de Jezabel, aquela prostituta de Roma; todos os seus enfeites de meretriz, vestidos, e ornamentos; sua pompa exagerada e espetáculo em seu culto, e os lugares da mesma (veja Apocalipse 17:4). Jarchi interpreta isso sobre a grandeza e da glória dos reis das nações;

 

mas a mulher que teme ao Senhor, essa sim será louvada; qualquer indivíduo único, homem ou mulher, que teme ao Senhor; ou um corpo coletivo deles, uma sociedade constituída por essas pessoas, como a verdadeira igreja de Cristo o faz; aqueles que têm a graça do temor em seus corações, que é o princípio da sabedoria, e inclui todo do culto religioso, interno e externo, privado e público: tais são tomados como sendo altamente valorizados pelo Senhor; Seus olhos estão sobre eles; Suas mão comunica-lhes muita graça; e muitos benefícios são concedidos sobre eles aqui, e grande honra é conferida a eles, e grande bondade é reservada para eles.

 

VERSÍCULO 31
 

Dai-lhe do fruto das suas mãos, … De acordo com Aben Ezra, estas são as palavras de seu Marido para seus filhos; exortando-os a dar-lhe o louvor e glória que é devida a ela. Jarchi interpreta isso do mundo vindouro; momento em que, é certo, as graças da igreja, e de todos os crentes, que são os frutos do Espírito neles, e de suas mãos, como exercidos por eles, como a fé, a esperança, o amor, a humildade, a paciência e, em outros, serão encontrados para homenagear e louvar; e cada uma dessas pessoas terão louvor de Deus, 1 Pedro 1:7; e também dos homens e dos anjos; a quem estas palavras podem ser uma exortação para oferecer a eles;

 

e deixe o seu próprio trabalho louvá-la nas portas; onde seu Marido é conhecido, em assembleias públicas; diante dos anjos e dos homens, no grande dia; quando suas obras vão segui-la e falar por ela, e ela será elogiada publicamente por Cristo, como todos os fiéis e justos serão (Apocalipse 14:13). As versões Septuaginta e árabe dizem: “deixe seu marido ser louvado, na porta” (veja Provérbios 31:23); assim, Ambrose o interpreta como a felicidade dos santos no Céu.

 


[1] Hillerus Onomástico. Sacr. p. 268.

[2] Venus enervat vireis”, Avienus.

[3] Don Joseph apud Schindler. col. 990.

[4] ?? ??? “ubi sechar?” Montanus, Vatlablus; “ubi (est) sicera?”; Cocceius, Michaelis; so Ben Melech.

[5] ?? ??? “siceram”, Cocceius, Junius & Tremellius, Piscator, Gussetius. p. 20. Schultens.

[6] Nunc vino pellite curas”, Horat. Carmin, l. 1. Ode 7. v. 31. “Tu spem reducis”, &c. ib. l. 3. Ode 21. v. 17.

[7] ???? “mutet”, Pagninus, Montanus, Junius & Tremellius, Piscator, Mercerus, Cocceius, Gejerus, Michaelis; “demutet”, Schultens.

[8] Valer. Maxim l. 6. c. 2. extern. 1.

[9] ???? ??? “his qui amaro sunt animo”, V. L. Pagninus, Tigurine version: “amaris animo”, Montanus, Junius & Tremellius; “amaris animus”, Vatablus, Piscator.

[10] Tunc dolor a curae rugaqae frontis abit”, Ovid. de Arte Amandi, l. 1.

 

[11] ???? “laboris sui”, Pagninus, Montanus.

[12] Cyprius poeta apud Suidam in voce οινος.

[13] Vid. T. Bab. Sanhedrin, fol. 43. 1. Bemidbar Rabba, s. 10. fol. 198.

[14] ??? ???? “filiormn transitus”, Montanus, Gejerus, Michaelis; “transeuntis, sub. seculi”, Vatablus, so Ben Melech; “filiorum mutationis loci”, Piscator; “filii mutationis, h. e. hujus mundi”, Baynus.

[15] Demonstrat. Evangel. Prop. 4. p. 234.

[16] ??? ??? “mulierem fortem”, V. L. Pagninus, Mercerus; “mulierem virtutis”, Montanus, Vatablus; “strenuam”, Junius & Tremellus, Piscator, Cocceius, Schultens.

[17] Mulierem opum”.

[18] “Conjux dea contigit uni”, Ovid. Metamorph. l. 11. fol. 6. v. ult.

[19] Enarrat. in loc. p. 1099.

[20] Vid. Buxtorf. Lex. Rabbin. col. 1742.

[21] Repeated Varro apud Chartar. de Imag. Deorum, p. 88.

[22] ???? ???? “cum voluptate altro neis manibus”, assim alguns na versão Vatablus, versão Tigurine; assim Cocceius, Michaelis, Piscator, Gejerus, Schultens.

[23] Bacchylides spud Athenaei Deipnosoph. l. 2. c. 3. p. 39.

[24] “Gauldetque diurnos, ut famulae, praebere cibos”, Claudian. de Bello Gild. v. 71, 72.

[25] “Lumbos defractos velim”, Stichus, Act. 2. Sc. 1. v. 37.

[26] ???? “indigitat vestem duplo crassiorem, Stockius, p. 1122. “duplicibus, V. L. Paguinus, versão Tigurine, Gataker, Gejerus; “penulis duplicibus”, Junius & Tremellius, Piscator; “duplicatis”, Cocceius: tais como Homer descreve, feito pela esposa de Hector, Iliad 22. v. 440, 441. Veja Odyss. 19. v. 225, 226, 241. “Mudança de veste”, David de Pomis, Lexic. fol. 218.

[27] Vid. Braunium de Vest. Sacredot. Heb. l. 1. c. 15. p. 309.

[28] Geograph. l. 16. p. 521.

[29] Sepher. Shorash. rad ???.

[30] ?????? “Chananaeo”, V. L. Mercerus, Cocceius, Gejerus; “negotiatori Phoenicio”, Schultens.

[31] ????? “de sapientia”, Mercerus.

[32] ???? ??? “lex misericordiae”, Montanus.

[33] “Instructio gratiae”, Gejerus; “lex, vel doctrina gratiae”, Cocceius, so the Targum; “doctrina benigniatis”, Junius & Tremellius, Piscator.

[34] ?????? ???? “vias domus suae”, Paginius, Montanus, Mercerus, Gejerus, Michaelis; “ambulationes domus suae”, Cocceius.

[35] Forma bonum fragile est”, Ovid. de Arte Amandi, l. 2.

 

 

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Declaração de Direitos Autorais:

 

A Nova Exposição de Toda a Bíblia por John Gill Modernizada e Digitalmente Adaptada por Larry Pierce, da Online Bible. Todos os Direitos Reservados, Larry Pierce, Winterbourne, Ontario.

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.