A Doutrina do Batismo, e a Distinção Das Alianças, por Thomas Patient

|

A Doutrina do Batismo, E A Distinção Das Alianças

Ou

Um Simples Tratado, Em Que Os Quatro Fundamentos Do Batismo,

A Saber

1. Quem pode ministrá-lo;

2. Qual a sua verdadeira forma;

3. Em nome de quem deve ser administrado;

4. Quem deve ser batizado,

 

São Diligentemente Tratados.

 

 

Como Também as Duas Alianças,

Em que é provado que a Aliança de Vida não é feita para a descendência dos crentes, como se a mesma saísse de seus lombos, e que, portanto, o Batismo de infantes é traçado a partir daí erroneamente.

 

Por THOMAS PATIENT,

Um trabalhador na Igreja de Cristo em Dublin.

 

Londres,

1654

 


“E agora por que te deténs? Levanta-te, e batiza-te, e lava os teus pecados, invocando o nome do Senhor” — Atos 22:16.

“Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo” —Efésios 2:12.

“Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito” — João 3:5-6.


 

Sumário

Prefácio

Uma Palavra Dos Editores EC

Quem Foi Thomas Patient

Carta ao Leitor Cristão

A Obra Extraordinária dos Apóstolos

A Ordenança do Batismo Explicada

Os Quatro Princípios do Batismo

O Ministro

A Verdadeira Forma Do Batismo

Batismo Em Nome Da Santa Trindade

Quem Pode Ser Batizado

O Fundamento do Batismo Infantil

A Escritura Estabelece Duas Alianças

A Nova Aliança É Incondicional

A Nova Aliança Não É Determinada Pelos Homens

A Circuncisão Não É Aliança de Vida Eterna

Primeiro Argumento

Segundo Argumento

Terceiro Argumento

Quarto Argumento

Quinto Argumento

Sexto Argumento

Sétimo Argumento

A Lei, A Fé E A Eleição

Defender Uma Aliança De Vida Vinculada À Carne É Negar Que Cristo Veio Em Carne

Atos 2:39 e o Batismo Infantil

1 Coríntios 7:14 e o Batismo Infantil

Romanos 11:16-18 e o Batismo Infantil

1 Coríntios 10:1-4 e o Batismo Infantil

O Batismo E A Santa Ceia

São Símbolos Das Coisas Espirituais

Mateus 19:13-14

Uma Aliança Com Duas Administrações?

Uma Exposição de Gálatas 4:21-26 & Gálatas 5:1-3

Não Há Fundamentos Para O Batismo Infantil

O Batismo De Crentes Por Imersão

O Batismo Do Espírito Santo Substitui O Batismo Nas Águas?

A Nova Aliança Torna Os Crentes Capazes

De Andar Nos Mandamentos De Cristo

Os Crentes Batizados Devem Andar Rigorosamente Em Cristo

A Igreja Visível

Perguntas & Respostas:              

Por Que Os Que Não Foram Corretamente Batizados Não Devem Ser Admitidos à Comunhão Da Igreja?

Conclusão

 


 

Prefácio

 

Por séculos, os Batistas têm protagonizado um conto controverso. Talvez, por desconhecerem a história, muitos cristãos evangélicos generalizam os membros dessa denominação, como se todos compactuassem com grotescos erros, equívocos e heresias que, infelizmente, definem a maioria dos Batistas hoje. Injustamente, acusam a todos de serem herdeiros dos Anabatistas (quiçá pela similaridade do nome); ou julgam sermos todos da mesma estirpe dos denominados “General Baptists” (Batistas Gerais). Entretanto, aqueles de nós, herdeiros dos “Particular Baptists” (Batistas Particulares), que conhecemos nossas origens, temos firme e limpa consciência diante de Deus, que em todas as doutrinas temos honrado o Evangelho.

 

Esse livro é uma joia rara, do século XVII, que evidencia a cosmovisão reformada da fé Cristã daqueles que são dignos de levarem consigo o nome dessa denominação, em defesa da verdade e para a glória de Deus e Seu Filho. Obviamente, não colocamos instituições humanas acima do Senhor, como se fossem ídolos do coração; contudo, cremos piamente que, sendo a Igreja de Cristo responsável por proclamar as Boas Novas, é nossa obrigação amar a comunidade da qual fazemos parte, e desfazer todo mal-entendido que se preste a destruir e profanar o nome dos santos.

 

Nessas páginas, o leitor que tiver dúvidas a respeito da doutrina do Batismo encontrará respostas consistentes com as demais doutrinas bíblicas ensinadas por nossos irmãos da Reforma, Calvino, Zuínglio, Beza e outros.

 

O objetivo dessa obra é instruir aqueles que querem deixar-se ensinar pela Escritura, e não difamar, atacar ou injuriar os piedosos eleitos de Deus de outras denominações quaisquer. É nosso desejo, com sinceridade de coração, que todos orem para que sua fé seja guiada pelo Espírito, e então, julguem se aquilo em que creem é mera tradição de homens ou a vontade revelada de Deus.

 

Rafael Abreu


 

Uma Palavra dos Editores EC

 

Estamos verdadeiramente muito felizes no Senhor, por Ele ter preservado e feito este excelente tratado atravessar séculos e chegar às nossas mãos hoje, confirmando assim esta boa obra pela mão de Seu servo Thomas Patient (Salmos 119:16-17; Eclesiastes 12:11). Também agradecemos ao nosso Deus pela graça que Ele agora nos concede de podermos fazer esta publicação em parceria com o irmão Rafael, pela graça de Deus, para Sua glória somente.

 

Sem dúvida alguma, este foi um dos escritos que mais edificaram nossas almas. É muito solene para nós pensar nas circunstâncias que nosso irmão e ministro no Senhor, escreveu, e em seu trabalho na seara do Senhor, e em como a sua luta pela verdade foi relevante a ponto de nos beneficiar mesmo depois de tanto tempo.

 

O assunto abordado neste tratado por Patient é da mais alta importância, esperamos que os leitores dediquem seu tempo e atenção para examinar seu precioso conteúdo, isso é válido especialmente para os Cristãos Batistas brasileiros, para que redescubram as raízes de sua fé e busquem reformar as suas vidas à luz das Escrituras.

 

Por fim, exortamos ardentemente a todos que compartilham de nossa santíssima fé, que lutem por ela, com suas palavras e com sua vida. Alguns dos motivos que fizeram Thomas Patient escrever este tratado, a saber, calúnias, difamações e mentiras, estão bem vivos ainda hoje. Alguns ao olharem para o título deste tratado leram: “A Doutrina do Batismo, E A Ruptura Das Alianças”, ao invés de: “A Doutrina do Batismo, E A Distinção Das Alianças”. Portanto exortamos a todos os que amam a verdade que lutem por ela sabendo que “nada podemos contra a verdade, senão pela verdade” (2 Coríntios 13:8).

 

É apenas a verdade que capacita qualquer alma a glorificar a Deus.

 

Que nosso Deus nos ajude a viver e anunciar a Sua verdade, para Sua glória. Amém!

 

William Teixeira e Camila Almeida

EC, 11 de janeiro de 2015.

 


 

 

Quem Foi Thomas Patient

 

Thomas Patient foi o segundo filho de John Patient, amigo e companheiro do navegador e capitão holandês Kornelius Jacobus Mey, cujas embarcações estiveram ligadas à colonização do Novo Mundo e à construção do Fort Nassau, no que hoje é a cidade de Albany, EUA. John Patient era adepto da fé Reformada e assim também se tornou seu filho.

 

Thomas Patient foi instruído, numa casa paroquial, segundo as doutrinas da Igreja Anglicana, à qual pertencia toda a família de sua mãe. Não sabemos quando se tornou Batista de fato; Charllote Fell Smith (1901) afirma que Patient começou a cultivar dúvidas sobre a doutrina do Batismo logo após chegar à Nova Inglaterra; mas Joshua E. Wills (1919) afirma que, ironicamente, depois de ter ouvido treze sermões de clérigos anglicanos, a favor do batismo infantil por aspersão, Patient, decidiu-se batizar por imersão. Este último também afirma que Patient foi batizado por Thomas Helwys, pregador de uma pequena Igreja Batista em Londres, que foi arduamente perseguida, mas que, por fim, cresceu em número e influência.

 

Certo é que devido à grande perseguição que acometeu milhares de piedosos naquela época, Patient emigrou-se para a Nova Inglaterra em 1630, após John Winthrop ter sido apontado Governador de Massachusetts. Polêmico, Patient se envolveu em diversas controvérsias. Sua habilidade e intelectualidade foram reconhecidas por seus oponentes quando falava acerca dos princípios do Batismo. Sua opinião vigorosa acerca da liberdade do indivíduo também lhe causou problemas. Patient atraiu a atenção e oposição de Winthrop devido a suas ideias acerca do governo civil e religioso. Enquanto Winthrop mantinha resquícios das características do pensamento inglês acerca dessas questões, Patient afirmava:

 

“O Magistrado não deve se intrometer em questões religiosas e de consciência,

nem forçar os homens a esta ou àquela religião, porque Cristo é o único Rei e Juiz

da Igreja e da consciência.”

 

Sob pretexto de rebelião, Patient que deixou a Inglaterra e os Anglicanos à procura de liberdade para adorar a Deus, foi obrigado, pela mesma razão, a deixar a Nova Inglaterra. Seu espírito heroico, contudo, fez com que cruzasse selvas, rios, montanhas e territórios indígenas, até que finalmente chegasse à velha colônia da Virgínia, onde sofreria ainda mais nas mãos dos hiper-Anglicanos.

Sacodindo o pó de seus pés, Patient mudou-se para o sul de Nova Jersey, para terras indígenas, onde pregou para a tribo Cohanzick, cerca de dez ou quinze anos antes de John Eliot começar seu trabalho esplêndido e mostrar ao mundo amor sacrificial pelos nativos.

 

Depois disso, em 1639, Thomas Patient retornou ao Velho Continente com o famoso Peter Minuit (responsável pela compra da Ilha de Manhattan em 1626, diretor da colônia holandesa entre 1626 e 1633 e fundador da Nova Suécia em 1638). De volta à Inglaterra, em um cenário religioso mais favorável, Patient tornou-se amigo próximo do proeminente Willian Kiffin, pastor da Igreja Batista de Devonshire Square, e juntos, subscreveram as confissões londrinas de 1644 e 1646.

 

Em 8 de março de 1649, Patient foi escolhido pelo Parlamento como ministro capaz, e foi enviado para pregar o Evangelho à cidade de Dublin. Ele acompanhou o exército comandado pelo General Ireton (que mais tarde se tornaria genro de Cromwell). Na Irlanda, em 1641 milhares de protestantes foram assassinados pelos Romanistas; o exército inglês se dirigia para aquele país por causa dos frequentes massacres sofridos pelos adeptos da Reforma. Ali, por alguns anos, pregou para uma grande congregação na Christ Church Cathedral, obtendo grande sucesso em propagar as doutrinas da Reforma. Naquele país também ajudou a fundar várias Igrejas Batistas. Alarmados pelo progresso dos Batistas no país, o Governador Fleetwood e outros Pedobatistas quiseram unir as duas denominações, o que foi rejeitado por Patient e demais Batistas. Os ministérios de Patient e outros piedosos foram precursores de um poderoso avivamento religioso naquele país. Anos mais tarde, a retirada do exército de Cromwell, e o consequente temor de novos massacres, fez com que os Independentes fugissem dali. Entretanto, restaram cerca de treze Igrejas Batistas, das quais quatro sobreviveram à crise das pestes e à emigração.

 

Em 1666 Thomas Patient retornou à Inglaterra onde novamente se juntou a Willian Kiffin, que o escolheu para ser seu auxiliar em 28 de Junho do mesmo ano. Porém, Patient foi impedido de assumir suas funções por ocasião de sua morte, em 30 de Julho de 1666, causada pela peste bubônica, que matou um quinto da população de Londres entre 1665 e 1666.

 


 

Carta ao Leitor Cristão

 

A Quem O Autor Deseja Toda Graça E Paz De Deus O Pai,
Através De Nosso Senhor Jesus Cristo

 

Não há senão um pequeno intervalo de tempo que o Senhor atribuiu aos homens, nesta vida, para correr a carreira Cristã que lhes foi proposta [Hebreus 12:1]. Considerando que devemos trabalhar enquanto é dia, “pois a noite vem, quando ninguém pode trabalhar” [João 9:4], e também que Cristo Jesus foi, mas voltará outra vez; e visto que deixou a Seus servos muitos talentos, pedirá contas, quando toda recompensa ou punição dos homens será dada a cada um segundo suas obras [Mateus 16:27]; cada Cristão deve estar motivado e incitado a um consciente e cuidadoso aperfeiçoamento da sua força [Efésios 4:12] para a glória de Deus e serviço nessa peregrinação.

 

Este, dentre vários outros motivos, levou-me a apresentar este tratado. Também fui forçado por muitos de meus irmãos na Inglaterra, e posteriormente na Irlanda, os quais antes já me ouviram sobre o que aqui está contido.

 

Amado leitor, sei que o mundo está cheio de livros recheados de muita sabedoria humana, que, embora o Apóstolo tenha chamado de “inimizade contra Deus” [Romanos 8:7], é agradável aos corações incrédulos da nossa era. Assim, se é que os comichões nos seus ouvidos os fazem fugir da sã doutrina [2 Timóteo 4:3], poupem a si mesmos. Vocês verão que com a maior simplicidade e clareza possível, darei evidências bíblicas daquilo que o Senhor fez conhecido a mim, para esclarecimento da doutrina à qual Deus, através de Seu grande poder, sujeitou meu coração que, outrora, devido à minha ignorância e erro, era contrário.

 

A Graça De Deus Em Minha Vida

 

Após Deus ter se agradado de revelar Seu Filho a mim e trabalhar uma mudança em meu coração, o que de mais importante Ele revelou foi o significado de “fazer cada vez mais firme a minha vocação e eleição” [2 Pedro 1:10]. Atentando para o quanto os hipócritas se distanciam quando professam piedade, e para o fato de que podem simular toda a graça do Filho de Deus, descobri que este era um trabalho cheio de muitos obstáculos. Essa tarefa se mostrava cada vez mais difícil porque achei meu próprio coração desesperadamente perverso e cheio de engano, como descrito em Jeremias 17:9. Também descobri que as artimanhas e sutilezas do diabo, eram várias.

 

Abandonando Deus

Estive constantemente sob diversas tentações, e profunda deserção quando Deus (embora por breve tempo) escondeu de mim a luz de Seu rosto e se retirou. Nesse tempo, julguei que estas tentações eram as únicas coisas necessárias para provar se CRISTO estava em mim; para provar minha fé, e minha sinceridade. Tive pouco descanso e paz até o Senhor ter esclarecido aquela grande dúvida, dando-me certeza e confiança bem fundamentada de meu interesse nEle. Naquele momento, encontrei uma pequena disposição para procurar rigorosamente por outras verdades. Tendo recebido tão grande benefício espiritual, comungando com Deus e com meu próprio coração, e procurando a diferença entre o falar do Espírito de Deus, meu próprio espírito e o espírito de satanás, pensava em exercitar-me em verdades que ainda me pareciam muito remotas.

 

Certeza Seguida Por Tentações Severas

 

Mas quando alcancei um bom grau de certeza de que eu era do Senhor, então em pouco tempo fui tentado a tocar os pontos fundamentais da Religião. Essas tentações, como eram grande causa de problemas e inquietudes em minha alma, produziram grande avidez, dia e noite, no uso dos melhores meios que Deus me mostrou. O Senhor guiou minha alma com veemência, sem que me fadigasse.

 

Geralmente, quando um caso ou alguma questão difícil era respondida para minha satisfação e conforto, outra se estabelecia asperamente. Durante anos me ocupei delas; era ignorante a respeito do verdadeiro caminho, no qual Cristo introduz Seu povo.

 

A Ilegalidade Do Prelado E Da Liturgia Da Igreja Da Inglaterra, Bem Como A Ministração Impura Da Eucaristia Em Suas Assembleias Paroquiais

 

Convencido da ilegalidade do Governo de Bispos, da liturgia da Igreja da Inglaterra, e da impureza da Eucaristia nas Assembleias Paroquiais, resolvi, segundo a vontade de Deus, examinar a religião quanto aos cultos e ordem no templo como tinha feito com relação a outros aspectos. Pelo poder Divino, me converti da Igreja da Inglaterra, embora com grande dificuldade, pois estava bem provido de argumentos e era capaz de debater a favor daquele falso caminho. Mas Deus, pelo poder de Seu Santo Espírito e à clara luz das Escrituras, sujeitou meu coração à obediência da verdade, de maneira que dela me aproximei com amor.

 

Fuga Para A Nova Inglaterra, A Aspersão E Frutos Da Carne

 

Naquela época, muitos Cristãos piedosos estavam indo para a Nova Inglaterra. Fui para lá ainda não convencido do meu erro e cegueira quanto à aspersão dos crentes. De fato, pensava ter boas justificativas para tal prática; até então, defendia os mesmos argumentos que ainda hoje são utilizados para fundamentá-la.

 

Preocupado Sobre A Questão Do Batismo

 

No entanto, descobri, sob tão clara luz, como estive vergonhosamente iludido em muitas coisas; iludido por aqueles acerca dos quais nada podia pensar, exceto que eram os próprios servos do Senhor. Percebi o perigo de receber verdades por tradição e resolvi examinar a assunto do Batismo.

 

Constantemente recorria às reuniões do povo na Nova Inglaterra, desejando ter boa satisfação nelas, nas suas doutrinas e práticas, antes de participar da Santa Ceia. Para tanto, ouvia a pregação da palavra de muitos que, com frequência, falavam sobre o Batismo dos filhos dos crentes. Então, comecei a averiguar os fundamentos disso, o peso de seus argumentos e o genuíno contexto e significado das passagens que, segundo eles, provavam seu ponto de vista. Constatei que as Escrituras estavam sendo deturpadas e violadas; a interpretação não era adequada aos textos. Também concluí que a base de seus principais argumentos era demasiadamente contrária a diversos princípios da Religião, nos quais acreditávamos eles e eu.

 

Deus Fala Com Os Humildes E Simples

 

Decidi examinar estas coisas como havia feito antes em muitos outros pontos e com grande proveito e benefício. Contudo, depois de ter me decidido, tentações vieram sobre meu coração persuadindo-me de que eu era fraco. Se a aspersão não é a forma correta de Batismo, como homens eminentes da teologia, piedosos e comunidades, não descobriram isso antes de mim? Parecia não haver propósito em me preocupar. Finalmente compreendi que por muito tempo fui induzido ao erro ao me submeter àquela hierarquia corrupta e sua liturgia.

 

As Ovelhas Humildes

 

Outra vez, refleti sobre quando os anjos levaram a mensagem de boas novas a todas as pessoas, no segundo capítulo de Lucas. O Senhor quis que declarassem o nascimento de Cristo a pobres e simples pastores que guardavam seu rebanho à noite.

 

Em primeiro lugar, a maravilhosa notícia foi entregue e revelada a eles, enquanto homens importantes e instruídos de Israel de nada sabiam.

 

O Ladrão Na Cruz

O ladrão na cruz teve mais profundo julgamento que o Sínodo Geral, ou o Conselho de Homens Sábios de Jerusalém. Acerca disso, disse também Jesus: “Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim te aprouve” (Mateus 11:25-26).

 

As Pedras

 

Em Lucas 19:39-40 os fariseus quiseram que Cristo repreendesse Seus discípulos por darem testemunho dEle. Jesus respondeu-lhes dizendo: “Asseguro-vos que, se eles se calarem, as próprias pedras clamarão”. Cristo não disse que se Seus discípulos humildes e fracos negligenciassem o testemunho, os fariseus instruídos clamariam. Porém, afirmou que caso Seus discípulos fossem negligentes, as pedras clamariam. Isso mostra que Deus ama escolher as coisas mais simples e tolas, através das quais revela Sua vontade.

 

Aqueles Que Temem

 

Então, percebi que Deus revela a Si mesmo aos homens, não por serem considerados habilidosos:

 

“O segredo do Senhor é com aqueles que o temem;

e ele lhes mostrará a sua aliança.” (Salmos 25:14).

 

Em João 15:14-15, Cristo disse: “Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer”.

Também Davi disse: “Tu, pelos teus mandamentos, me fazes mais sábio do que os meus inimigos; pois estão sempre comigo” (Salmo 119:98). O Senhor ensina aqueles que O temem e conscientemente guardam Seus mandamentos, guiando-os em discernimento e no caminho que Lhe agrada.

 

Bebês E Criancinhas

 

Ainda, encontrei outras objeções. Entendi que não é a homens capazes e fariseus que Deus ensina, mas a bebês e criancinhas, cujos corações estão prostrados em obediência e temor. Mesmo assim, eu ainda estava sujeito a tanto mal em meu coração que me perguntava se poderia ou não estar enganado. Com humilhação e orações fervorosas, pedi ao Senhor que me ensinasse, guiasse e revelasse Sua vontade. Tendo novamente decidido buscar o esclarecimento sobre esta verdade, fui encorajado por saber que me satisfaria em Deus como em outras vezes, quando Ele foi bondoso ao me fazer entender tantas questões difíceis.

 

Dúvidas Por Vir E Sofrimento Pela Verdade

 

Mais uma vez esta dúvida veio a mim: por que eu deveria me preocupar com algo tão discutível? Se em minha busca e averiguação acerca do Batismo infantil eu tivesse minha consciência abalada e me voltasse contra essa prática, então seria desprezado e menosprezado por todos os homens piedosos daquele país. Seria, no mínimo, banido e privado dos benefícios da Santa Ceia. Seria minha ruína, não saberia para onde ir.

 

Coração Mal E Traiçoeiro

 

Devido às dúvidas, tive um conflito doloroso. Meu coração perverso e enganoso resistia à ação do Espírito de Deus. Porém, considerando que os fundamentos dessas dúvidas desanimadoras se levantaram da carne e de Satanás, como quando Pedro disse: “tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso”. Minha resposta foi tal qual a de Jesus: “Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens” [Mateus16:22-23].

 

Não Venda A Verdade

 

Fiquei em agonia e conflito. Mas agradou ao Senhor fazer aquela passagem habitar em meu coração: “Compra a verdade, e não a vendas; e também a sabedoria, a instrução e o entendimento” [Provérbios 23:23]. Compre a verdade a qualquer preço, mas não a venda por preço algum. Se a verdade me custar a vida, devo comprá-la, e ainda que eu alcance todo o favor e amizade do mundo, não devo vendê-la. Isso forjou em mim uma resolução firme e imutável. Buscaria o conhecimento de Deus aprendendo a palavra da paciência de Cristo, mesmo quando as verdades fossem dolorosas, pois Cristo disse: “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo” [Apocalipse 3:10]. Sobre minha aceitação e prática que traria a cruz (isto é, desprezo e ódio dos homens), descobri que Cristo disse: “[…] Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade” [João 18:37]; isso me satisfez e, da parte do Senhor; eu deveria buscar diligentemente qual era a vontade dEle sobre esse ponto.

 

Ignorância Sobre O Batismo De Crentes

Senti a presença especial de Deus comigo, levando meu coração ao Senhor pela fé e à oração sincera para ser instruído e guiado. Naquele tempo não conhecia ninguém que se opusesse ao Batismo infantil e conversava apenas com aqueles que eram favoráveis a esta prática. Meu coração carnal desejava obter satisfação no pedobatismo. Quanto mais eu conferia ou ouvia alguma pregação sobre o assunto, mais ficava convencido da insensatez e ignorância daquela interpretação e prática. Ouvi um homem pregar quinze sermões sobre o assunto, insistindo naquilo que muitos autores consideráveis haviam escrito.

 

Estudo Dos Eruditos

 

Com muita atenção, também procurei muitos autores, dia e noite, que tivessem escrito sobre isso, ponderando e examinando seus argumentos. Muitas vezes perdi o sono, até que foi do agrado do Senhor revelar Sua vontade a mim. Então fui iluminado em meu entendimento para ver as respostas para tudo o que tinha ouvido. O Senhor, então, veio não apenas com uma clara luz sobre o assunto em questão, mas, por três dias, um após o outro, veio à minha alma com claras manifestações de Seu amor e com as Escrituras de modo pertinente e adequado à minha condição.

 

Mandato Da Corte Geral Da Nova Inglaterra

 

Naquele tempo foi expedido um mandato para que me prendessem e levassem perante o tribunal da Nova Inglaterra, o que não foi problema para mim, pois estava cheio de uma alegria inexplicável. Aquela descoberta, da parte de Deus, me trouxe contentamento sobre a verdade que você encontrará neste tratado. Deus operou em mim um verdadeiro arrependimento e tristeza de coração por estar em caminho pecaminoso por tão longo tempo, tanto em opinião quanto em prática.

 

Sobre Este Tratado

 

Neste tratado, não refutei ninguém, mas devido à minha longa experiência neste assunto, ataquei o principal argumento, que é o alicerce sobre o qual se fundamenta todos os outros, e empreguei meu conhecimento a fim de respondê-lo, uma vez que, derrubado, todos os outros cairão com ele.

 

Caro leitor, julgo que a clara evidência à luz da Escritura, a qual darei para confirmar a imersão dos que creem, será suficiente para reprovar todas as trevas geralmente afirmadas em muitos longos discursos sobre o Batismo infantil.

 

Os Ataques Do Diabo

 

Mas, além disso, observei que esta verdade tem sido alvo de grande malícia e desprezo de Satanás:

 

Regeneração Batismal

 

Primeiro, aquilo que Satanás fez através de suas sutilezas e pretensões na primeira apóstasia[1], semeou este erro na mente das pessoas: “se tal ordenança foi feita para regenerar e transmitir graça, então, quem seria considerado incapaz de recebê-la? Seria um ato de grande impiedade não permitir que as crianças, ou qualquer outra pessoa, não a recebesse”.

 

O Batismo Administrado Por Parteiras

 

Segundo, parteiras batizam. Esse inimigo sútil, o Diabo, destrói a ordenança de Deus e estabelece outra, a sua própria. Permanece ainda entre os papistas e, geralmente, entre crentes carnais, tanto sacerdotes como povo, que, concluindo que grande perigo corre a criança falecida antes de ser batizada, toleram o Batismo feito por parteiras, caso achem que uma criança morrerá. Colocam excessivo valor no Batismo, como se o mesmo sal-vasse.

 

Aliança Na Nova Inglaterra

 

Mas muitos homens bons têm renunciado a isto. Embora o Diabo tenha mostrado sua malí-cia cegando-os para praticar tal mal, a verdade está sendo descoberta, e disso trata esse livro.

 

Seekers[2]

 

Outros veem as trevas e o erro de se batizar crianças sob qualquer argumento. Mas o Diabo mostra sua fúria contra esta ordenança também neles. Ao invés de aceitarem a ordenança da parte do Senhor, se opõem dizendo: “Não há ordenança nem Igreja verdadeira no mundo”.

 

Quakers[3]

 

Sua malícia também aparece quando ostentam dizendo-se acima de qualquer ordenança:

“Cristo e as ordenanças já passaram; a dispensação foi para aquela época, mas, agora, temos Cristo em Espírito; tendo vindo em matéria o que era perfeito, a sombra já se passou”.

 

As Muitas Falsificações Do Diabo

 

O Diabo estranhamente se parece consigo mesmo. Como se tivesse esquecido sua linguagem (dos papistas e dos crentes carnais, que afirmam não ser mais válida a ordenança do Batismo e que a salvação ou condenação depende dela), agora, através de outros diz: “o que é se lavar ou mergulhar em um pouco de água, senão coisa vil e legalista?” Os enganos e invenções de Satanás são tantos, que as ordenanças de Cristo são difamadas e conde-nadas.

 

Falsas Acusações Contra Os Santos

 

Além disso, Satanás revela sua malícia espalhando contendas entre os que são obedientes e justos, a fim de prejudicá-los com fábulas, como se todos partilhassem das mesmas opiniões daquelas estranhas criaturas de Münster, na Alemanha[4]. Também induz outros a espreitarem os santos para descobrirem suas fraquezas e à procura de pecados, como os egípcios no Mar Vermelho, para sua própria destruição; a nuvem era negra para eles, mas dava luz aos israelitas (Êxodo 14:20). Os olhos dos egípcios viam apenas o lado negro da nuvem e, por isso, tropeçaram e caíram. Os israelitas viam a luz e por isso estavam seguros. Isso se compara à conversão dos santos (Hebreus12:1), que é em parte iluminada, suas bondades e virtudes, e em parte sombria, suas falhas. O homem “que odeia a seu irmão está nas trevas” (1 João 2:11). O tentador acusou Jó de não servir a Deus a troco de nada; Jó estava resguardado; Deus havia lhe dado honra, riqueza e autoridade, como se lê em Jó 29. Tal injúria, Satanás manifesta também nos dias de hoje contra a prosperidade dos santos, tentando minar a sagrada obediência destes com maledicências sobre orgulho e busca de interesses próprios. Aqueles que professam a verdade, geralmente são apedrejados e sofrem violência das multidões quando não estão sob a proteção de magistrados piedosos.

 

A Fraqueza Do Escritor

 

Meu amigo em Cristo, não leia esse livro com preconceito no coração por causa do mesmo,

pelo modo como foi redigido ou pela simplicidade do estilo. Não é intenção agradar aos homens, mas com fidelidade, cumprir um dever perante Deus, de quem recebi o que agora lhe entrego. Também, foi para responder o pedido de muitos Cristãos, o qual negligenciei nos últimos anos devido à minha indisposição para essa obra. Entretanto, se você colher alguma satisfação ou se for edificado na verdade por esta frágil tentativa, que Deus, o Autor de todo dom perfeito, receba o louvor que só a Ele é devido, e não esse Seu servo indigno,

 

Thomas Patient.

 


 

A Doutrina do Batismo E A Distinção das Alianças

OU Um Simples Tratado Cristão, explicando:

A Doutrina Do Batismo, E As Duas Alianças Feitas Com Abraão E Sua Semente. 

 

 

A Obra Extraordinária dos Apóstolos
 

Atos 2:37-38

 

“E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos?

E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo.”

 

 

O Contexto Do Texto

 

Meu texto depende especialmente desse capítulo. No início deste, você notará que os apóstolos e a Igreja estavam unidos em um só lugar, quando finalmente veio o dia de Pentecostes. Jesus havia ordenado que eles esperassem até que se cumprisse a promessa feita, a qual João predisse: “aquele que vem após mim […] vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo” (Mateus 3:11). E agora tal promessa havia se cumprido. Como nos relata o autor de Atos: “E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (Atos 2:2-4).

 

Este Foi O Cumprimento Da Profecia De João

Entendo que esse era o Batismo do qual João falara, ou seja, do Espírito Santo, e de fogo, que Cristo distribuiria. Como você pode ver, essa foi uma ocasião extraordinária e especial comunicada aos apóstolos para darem testemunho da morte de Cristo, da ressureição e da ascensão.

 

Os Dons Extraordinários Do Espírito Santo

 

O Senhor, para este fim, comunicou a eles os dons extraordinários do Espírito Santo de maneira também extraordinária. Ali estavam sinais visíveis de que línguas de fogo foram repartidas entre eles. Ali estava o Espírito Santo com os efeitos extraordinários do Batismo à medida que a obra interior era evidenciada por sinais exteriores. Tudo isso foi extraordinário, para que os Apóstolos estivessem aptos para a extraordinária obra que Deus reservou para fazerem.

 

Razões Por Que O Espírito Santo Desceu

De Maneira Extraordinária Sobre Os Apóstolos

 

Primeiro, porque eles seriam testemunhas oculares da majestade do Cristo encarnado.

 

Segundo, eles seriam os mestres de obra que lançariam os fundamentos sobre os quais todos os futuros ministros, até o fim do mundo, devem edificar. Eles redigiram a Escritura.

 

Terceiro, eles destruiriam toda a adoração judaica e todas as administrações mosaicas extintas pela morte de Cristo.

 

Cristo Equipou Os Apóstolos Com Dons Extraordinários Que Aperfeiçoaram Esta Obra

 

Para prepará-los para essa obra extraordinária, Cristo, como efeito de Seu governo à direita de Deus, derramou esses dons sobre eles como mencionado anteriormente. Sendo ouvido este “falar em outras línguas”, a multidão que estava reunida ficou admirada. Alguns pensaram que os que falavam estavam bêbados, mas Pedro se colocando de pé com os onze, começou a erguer sua voz para ensiná-los.

 

O Conteúdo Do Sermão De Pedro Aos Judeus Sobre A Descida Do Espírito Santo

 

Pedro prova pela Escritura que esses dons do Espírito Santo, agora dados a eles, foram previamente prometidos pelo Senhor como fruto de Sua ascensão. Neste sermão, Pedro se empenha em provar [Atos 2:23-25]:

Primeiro, que Jesus era o Cristo, um homem aprovado por Deus através de sinais e milagres. Deus operou através dEle entre eles.

 

Segundo, que Ele sofreu e morreu de acordo com o conselho e vontade de Deus.

 

Terceiro, que Ele ressuscitou dos mortos.

 

Quarto, que Deus O exaltou pela Sua mão direita para ser Senhor e Cristo.

 

Pedro prova isso através dos dons visíveis do Espírito Santo que eles podem ver e ouvir. Temendo que não tivessem entendido de Quem ele falava, Pedro diz em Atos 2:36: “a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo”. “E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos?” (v. 37).

 

Os Benefícios Da Pregação Do Evangelho

 

Observa-se no texto que a pregação e o ouvir o Evangelho são meios especiais para a conversão de almas. Isso fica claro quando Pedro prega e claramente mostra que aquele a quem tinham crucificado e assassinado era Senhor e Juiz. Ele foi exaltado e recebeu honra de Deus Pai. Quando ouviram isso, o coração deles se afligiu.

 

O Começo Da Verdadeira Conversão

 

Devemos observar que a verdadeira conversão começa com uma tormenta no coração. Quando o coração daqueles homens se compungiu, perguntaram a Pedro e aos outros Apóstolos: “Que faremos, irmãos?”

 

Como Aqueles Que Começaram A Receber A Luz Salvadora São Afetados

 

Observe que a disposição daqueles que estão sendo iluminados é desejar mais daqueles por meio de quem Deus falou às suas almas.

 

Obediência Acompanha A Verdadeira Conversão

 

O que eles fazem, diligentemente, é inquirir sobre o que deveriam fazer. Isso demonstra obediência. Eles, crendo ser Cristo tanto Senhor como Salvador, submeteram-se ao Seu senhorio. Uma alma verdadeiramente convertida é uma alma obediente.

 

Todos São Chamados Ao Arrependimento Pelo Evangelho

No versículo 38, Pedro lhes responde com as seguintes palavras: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado”. Disso, observamos que onde o evangelho é pregado, todos os homens são convocados ao arrependimento.

 

Todo O Que Crer E Se Arrepender Deverá Ser Batizado

 

Por último, este é o dever de todo homem que crê e se arrepende: ser batizado.

 

É sobre esta última observação do texto que falarei agora para a satisfação das almas que estão duvidosas desta verdade e para confirmação daqueles que já creem nisso.

 

 

 

CAPÍTULO DOIS

 

A Ordenança do Batismo Explicada

 

Para a melhor e mais clara exposição do assunto, explicarei o que é a ordenança do Batismo com quatro pontos que ficarão evidentes se examinarmos a Comissão que Cristo deu aos Seus discípulos em Mateus 28:19-20. Aqui, vemos que os onze foram enviados por Cristo que tem todo poder no céu e na terra: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado”.

 

Os Quatro Princípios do Batismo

 

Devemos observar quatro elementos na Comissão, essenciais à ordenança do Batismo. São eles:

 

Primeiro, o ministro [quem pode batizar];

Segundo, a forma [como se deve batizar];

Terceiro, em Nome de Quem se deve batizar; e

Quarto, quem pode ser batizado.

 

O Ministro

 

Primeiro, quem são os ministros que podem administrar essa ordenança?

 

Sãos os discípulos que pregam o Evangelho. A partir do décimo sexto versículo, os onze são assim chamados: “os onze discípulos partiram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes tinha designado […] E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os […]” [Mateus 28:18-19].

 

Quem São Os Ministros Legítimos?

 

As pessoas ordenadas a irem são discípulos capazes de ensinar a doutrina do Evangelho para a conversão de almas à fé e arrependimento. Está claro que aqueles que foram enviados para ensinar são também enviados para batizar. Então, desta Comissão percebi que o ministro autorizado a trazer Deus para a alma, e levar a alma a Deus, é o ministro legítimo do Batismo. Este é o teor da Nova Aliança, Hebreus 8:10 e Cânticos 6:3: “[…]Porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo […] Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu”.

 

O Que O Verdadeiro Ministro Prega

 

Deve-se mostrar Deus em Cristo em todas as doutrinas fundamentais da fé para a salvação do homem. Além disso, é preciso pregar a conformidade da alma a Deus bem como os deveres da alma perante Deus. Onde Deus levantar um ministro com habilidades dadas por Ele mesmo para declarar a doutrina da fé e arrependimento, esse ministro está aparelhado com o conhecimento de Deus para ensinar todas as ordenanças fundamentais de acordo com a Comissão, que diz: “Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado”. Sem dúvidas este é o ministro justificado e enviado pelo Senhor de acordo com Sua Comissão.

 

O Verdadeiro Ministro Deve Conhecer O Batismo

 

Ainda que um homem seja capaz de pregar a doutrina da fé habilmente para a conversão de almas à fé, sem o conhecimento da doutrina do Batismo e como este deve ser administrado, é certo que esse homem não é um verdadeiro ministro, de acordo com a Comissão. Ele é ignorante acerca de sua Comissão. Quando almas se converterem à fé, ele não saberá como ensinar as ordenanças fundamentais de Deus, nem poderá mostrar o mal das práticas supersticiosas das quais foram nutridas pelas tradições.

 

Ministro De Acordo Com Os Dons De Deus

 

Não obstante, ouso dizer que na mesma medida em que receberam esse dom, também são advertidos em 1 Pedro 4:10 a exercê-lo: “Cada um administre aos outros o dom como o recebeu”; de sorte que é legítimo para qualquer Cristão, nesse sentido, exercer tal dom, o qual Deus lhes conferiu.

 

Os Pedobatistas Não São Ministros Enviados Por Deus

 

É certo que estes que são completamente ignorantes acerca de como devem administrar a ordenança do Batismo nunca foram enviados por Deus para fazê-lO; que ao invés de imergir, aspergem; e ao invés de fazer isso a quem verdadeiramente pode ser batizado, o crente, batizam crianças incrédulas e ignorantes[5]; invés de batizarem em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, aspergem em nome de coisas quaisquer.

A Verdadeira Forma Do Batismo

 

Em segundo lugar, a verdadeira forma de Batismo ordenada pelo Senhor Jesus é a imersão, afundando completamente, ou enterrando, o corpo na água e não apenas borrifando água, como vemos muitas vezes. Quanto a isso, embora haja menção frequente da ordem de Cristo, em Sua última vontade e testamento, em momento algum a palavra “Batismo” expressa aspersão ou efusão; essa palavra expressa imersão. Portanto, a palavra frequentemente utilizada para Batismo significa “mergulhar”, “submergir em água”, como se fosse “afogar”, (com relação à maneira). Veja o caso de Naamã, que mergulhou sete vezes no Jordão (2 Reis 5:14). É esse o sentido da palavra (pelo menos nessa passagem) tanto no grego quanto no latim.

 

Além disso, a frase da ordenança de Cristo [Mateus 29:19] implica necessariamente imersão. Portanto, a palavra “batizando”, cuja tradução comum é acompanhada da preposição “em” ou “dentro” [d’água], equivale a “mergulhar”; a preposição que implica “com” [água] não está presente e, portanto, não equivale a aspergir.

 

Isso pode ser observado [nas melhores traduções][6]: “eu vos batizei em água; ele, porém, vos batizará no Espírito Santo” (Marcos 1:8). João batizava no deserto [cf. NVI] e no Rio do Jordão (vv. 4-5). O mesmo em Apocalipse 1:10, em que João estava em espírito no dia do Senhor. Também em 1 Coríntios 10:2: o povo foi batizado na nuvem e no mar. Isso equivale a “eu vos batizo, ou, eu vos mergulho, em água”. O mesmo em Marcos 1:16: “os quais lançavam a rede ao mar” cujas palavras têm igual significado. Seria muito impróprio dizer que João batizava com o deserto e que André e Simão lançavam a rede com o mar.

 

A Imersão Nos Lembra Dos Israelitas No Mar Vermelho E Dos Egípcios Que Retratam As Coisas Velhas E Cruéis Que Mantinham Os Santos Em Cativeiro

 

Os israelitas passaram sob a nuvem e no mar, onde os egípcios que eram seus senhores e chefes, perseguidores e inimigos, que procuravam sua destruição, foram afogados, deixados para trás e não mais vistos. Isto foi, pelo Espírito Santo, chamado de Batismo (1 Coríntios 10:2). Eles foram batizados na nuvem e no mar.

 

Batizados NO Mar Vermelho

 

Observe aqui que a tradução não é com a nuvem e com o mar (Marcos 1:18) bem como em outros lugares a tradução não é com água, indicando aspersão, mas na nuvem e no mar. Isso indica imersão ou submersão. Portanto, eles passaram para a terra seca atravessando o Mar Vermelho que se levantou em ambos os lados como paredes, e aos olhos humanos eles submergiram e se afogaram. Mas [na verdade,] estavam seguros e salvos de seus inimigos.

 

Felipe E O Eunuco

 

No Batismo do eunuco por Filipe, vemos que esta ordenança de Cristo não é por aspersão, mas por imersão, colocando a pessoa dentro da água ou sob a água. Está escrito: “e desceram ambos à água” [Atos 8:38], tanto Filipe que batizava quanto Eunuco que estava sendo batizado. Estando eles na água, Filipe batizou ou imergiu o eunuco como João fez com Jesus no Rio Jordão.

 

Ambos Entraram Na Água

 

Está escrito que eles desceram ou, entraram, na água. Por conseguinte, eles também subiram ou, saíram da água. Veja Atos 8:38-39 e Mateus 3:16. Observe a expressão em: “E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água”. Portanto, Ele esteve na, [ou seja, dentro da] água.

 

João Batizava Onde Havia Muita Água

 

Que esta ordenança de Cristo não é por aspersão, mas por imersão, ou submersão, vemos no fato de que João Batista (quando realizava sua obra de batizar) permanecia no deserto, próximo ao Rio Jordão e, mais tarde, em Enom[7], próximo a Salim. O porquê de João habitar ali é dado pelo Espírito do Senhor: por que havia ali muitas águas. Isso não seria necessário caso a ordenança devesse ser administrada por aspersão e não imersão.

 

Em Seu Batismo, O Crente Testifica De Sua União Com Cristo

Na Morte Para O Pecado, Satanás, A Lei E Sua Maldição

 

Devido à própria natureza da ordenança de Cristo, esta não deve ser administrada por aspersão, mas por imersão. É uma ordenança tal que a pessoa que a ela se submete visivelmente assume ser [como] Jesus Cristo o Senhor, por meio do quê o crente é visivelmente plantado na morte de dEle.

O crente é por este meio mortificado em Cristo. Ele possui uma vívida semelhança a Cristo até que venha a falecer, quando pela fé que ele agora professa, escapa da morte e obtém a vida eterna.

 

O crente tem comunhão com Cristo em Sua morte e considera a si próprio morto com Ele para o pecado, para Satanás, para a lei e para a maldição que dela decorre (Gálatas 3:27; Romanos 6:2-9; 1 Coríntios 15:29).

 

De modo algum a semelhança a Cristo é cultivada em alguém através da aspersão. Pela imersão, essa semelhança é vividamente estabelecida e demonstrada.

 

A Imersão Assemelha-Se À União Do Crente Com Cristo E Seu Sepultamento

 

O Batismo é uma ordenança de Cristo em que a pessoa que a ela se submete, visível e claramente se assemelha ao sepultamento de Cristo e ao seu próprio sepultamento no que diz respeito ao velho homem e suas velhas cobiças e corrupções; (como os egípcios,) a velha natureza deve ser levada embora e não mais vista (Romanos 6:4 e Colossenses 2:12). A aspersão, de maneira alguma se assemelha com vivacidade ao sepultamento de Cristo ou ao sepultamento da pessoa como a imersão o faz.

 

A Imersão E O Sair Da Água Assemelha-Se À União

Do Crente Com Cristo Em Sua Ressureição E Nova Vida Celestial

 

O Batismo é uma ordenança de Cristo em que a pessoa que a ela se submete, visível e claramente demonstra a ressureição de Jesus e declara que Ele, cuja vida foi tirada da terra, está vivo; e que, embora Ele tenha morrido e sido sepultado, não foi deixado no túmulo para ver a corrupção, mas foi ressurreto e agora vive para sempre.

 

O Evangelho Mostra As Seguintes Características Do Batismo

 

Como por este meio [o indivíduo batizado] mostra a ressureição de Cristo, da mesma forma mostra sua própria ressureição, tendo sido conformado à semelhança de seu Senhor. Ele considera sua alma vivificada e ressurreta com Cristo de agora em diante para viver para Deus, que é a Fonte de Vida, e para Cristo Jesus, que por ele morreu e ressuscitou. O crente é ajudado a caminhar em novidade de vida no mundo presente, tendo sido gerado na nova esperança de que no mundo por vir ele será glorificado, tanto na alma quanto no corpo, para a vida eterna. Romanos 6:4-11, Atos 8:33-36, Colossenses 2:12, 1 Coríntios 15:29, 1 Pedro 1:3.

 

Aspersão Não Se Assemelha Ao Evangelho De Jesus Cristo

De modo algum a aspersão se assemelha com vivacidade à ressureição de Cristo ou às almas e corpos que são por Ele ressurretos. Além disso, esta ordenança foi e ainda deve ser administrada por meio da imersão ou colocando a pessoa em, ou dentro da água, e não borrifando-a.

 

A Imersão Mostra A Conformidade A Cristo

 

A imersão prega a conformidade com Cristo em Seus sofrimentos e aflições: “Importa, porém, que seja batizado com um certo batismo; e como me angustio até que venha a cumprir-se!” (Lucas 12:50).

 

O Batismo Representa Os Sofrimentos De Cristo, Nossa Salvação E União Com Ele

 

Um dos objetivos do Batismo é representar os sofrimentos de Cristo e nosso sofrimento com Ele. Isso é demonstrado vividamente pela imersão na água. Assim, quando os santos expressam suas aflições eles se colocam em profundezas ou em águas profundas, como Davi no Salmo 130: “Das profundezas a ti clamo, ó SENHOR”, expressando suas profundas aflições. Deus diz em Isaías 43:2: “Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão”. Portanto, o crente deve ser submerso e imergido por completo em água para mostrar que agora ele está decidido a levar a cruz de Cristo e sofrer. Não apenas isso, mas ao sair da água, sendo levantado pelas mãos do ministro, ele mostra que as almas que creem são salvas e libertas de todas as suas aflições, como no Salmo 34:17: “Os justos clamam, e o Senhor os ouve, e os livra de todas as suas angústias”.

 

Isso Retrata Nossa Salvação Completa E Total

 

Isto é um sinal ou representa nossa salvação: “[…] se salvaram pela água; que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva” (1 Pedro 3:20-21), e “quem crer e for batizado será salvo” (Marcos 16:16). Assim como o Batismo representa e confirma nossos sofrimentos e aflições com Cristo, representa também nossa salvação e libertação de todas elas. De um lado, a imersão e submersão do crente na água, de outro, o ressurgir do crente.

 

 

CAPÍTULO TRÊS

 

Batismo Em Nome Da Santa Trindade

 

Ou
Em Nome De Quem O Batismo Deve Ser Administrado?

 

Qual terceiro fundamento da ordenança do Batismo e o que se entende por “Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”?

 

A ordem é que o ministro deve imergir o crente em nome do Pai, Filho e Espírito Santo. Isso que o Senhor Jesus ordena é essencial a este sacramento.

 

A Trindade Se Faz Conhecida Por Seus Nomes

 

O Pai, Filho, e Espírito se fazem conhecer pelo mesmo modo que o homem: através do nome. Isso está aqui subentendido. Pelos nomes Pai, Filho, e Espírito Santo, sabemos que o Evangelho anuncia um único Deus em três Pessoas distintas. O Evangelho descreve esse Deus como o motivo de nossa fé: “Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis e dos filhos de Israel. E eu lhe mostrarei quanto deve padecer pelo meu nome” (Atos 9:15-16).

 

O Nome O Torna Conhecido

 

Na Comissão deve-se entender por “nome”, o mistério Divino do Evangelho através do qual Deus é revelado e feito conhecido.

 

O Nome “Pai” E Suas Particularidades

 

O Evangelho mostra como o Pai se revela de maneira diferente do Filho e do Espírito, da seguinte forma:

 

                • Primeiro, ao ordenar o Filho [nosso sacerdote e sacrifício] (1 Pedro 1:18-19).

                • Segundo, ao escolher e eleger o Filho (Isaías 28:16; 1 Pedro 2:5).

                • Terceiro, ao prometer o Filho (Isaías 9:6).

                • Quarto, ao enviar o Filho (Gálatas 4:4; João 3:16).

                • Quinto, ao colocar sobre o Filho todas as nossas iniquidades,

                • Sexto, ao esmagar o Filho e colocá-lO no túmulo (Isaías 53).

                • Sétimo, ao justificar e aceitar livremente aqueles que creem no Filho.

                • Através disso, entendemos o nome “Pai”.

 

O Nome “Filho” E Suas Particularidades

 

Pelo nome “Filho”, entendemos:

 

                • Primeiro, que é através desse nome que Ele se faz conhecido aos filhos e filhas dos homens, como vindo em carne (Hebreus 2:14; Romanos 9:5; 1:3).

                • Segundo, Ele cumpriu a lei para morrer como o único Justo, e como cordeiro sem mancha.

                • Terceiro, Ele fez de Sua alma um sacrifício pelos pecados; um sacrifício perfeito pelos pecados e transgressões de Seu povo (Hebreus 10:12-14; e Isaías 53).

                • Quarto, Ele não apenas morreu por nossos pecados, mas ressuscitou para nossa justificação (Romanos 4:25).

                • Quinto, Ele ascendeu ao Céu.

                • Sexto, Ele intercede por nós (Hebreus 2:25).

                • Sétimo, Ele derrama o Espírito e dá dons aos homens (Zacarias 12:10; Efésios 4:10-12).

 

Em tudo isso o Filho se faz conhecido por Seu próprio nome.

 

O Nome “Espírito” E Suas Particularidades

 

Por último, o Espírito se faz conhecer no Evangelho como Aquele que:

 

                • Primeiro, convence o mundo do pecado (João 16:8) e atormenta o coração dos homens com um senso de pecado, e da ira de Deus por causa do pecado (Atos 2:37).

                • Segundo, Ele revela o Pai, o Filho e os grandes mistérios do Evangelho à alma de pobres pecadores convictos. Cristo diz: “Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade […] Ele me glorificará” (João 16:13-14). Nenhum homem entende as coisas do homem, a não ser o espírito que nele está (1 Coríntios 2:11). Da mesma maneira, nenhum deve ou pode entender as coisas de Deus [por si mesmo], senão pelo Espírito de Deus (1 Coríntios 2:9-10).

                • Terceiro, o Espírito não apenas revela a miséria do homem e seu estado de perdição por causa do pecado, mas revela também o remédio que repousa no grande amor de Deus em Cristo (como já mencionado) e produz em seu coração a verdadeira fé e arrependimento, tornando o coração disposto à obediência.

                • Esta é a “obra” ou “ofício” do Espírito, pelo qual Ele se faz conhecido.

 

O Crente Manifesta Estas Verdades Ao Ministro

 

Uma alma deve ser batizada quando vier ao pregador e a ele fizer saber que o Espírito a convenceu de seu estado perdido e condenável devido ao pecado; e que o mesmo Espírito lhe revelou o grande amor de Deus o Pai através do dom de Cristo, a propiciação por seus pecados e que morreu pelo pior dos pecadores; e que acredita nisso, e que tem seu coração transformado de uma conduta pecaminosa para renovada obediência. Pois ninguém pode declarar ao ministro ter verdadeiramente se convertido, a não ser através do conhecimento da obra do Pai, Filho e Espírito.

 

 

 

CAPÍTULO QUATRO

 

Quem Pode Ser Batizado

 

Em quarto lugar, consideraremos sobre quem deve ser batizado. Aquele que pode ser batizado é alguém que foi ensinado, “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os” (Mateus 28:19). “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado” (Atos 2:38), ensinando que a pessoa a ser batizada deve ter aprendido e se arrependido.

 

A principal questão sempre me pareceu ser quem pode estar sujeito ao Batismo, ou quem deve ser batizado, portanto, insistirei nesse ponto. Esforçar-me-ei para tornar claro que esta pessoa deve ser crente, uma pessoa arrependida, como vemos em Marcos 16:15-16: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado”.

 

Fé E Arrependimento Vêm Antes Do Batismo

 

Antes do Batismo, deve-se crer no Evangelho: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os” (Mateus 28:19). Batizando quem? Aqueles que foram ensinados, ou, feitos discípulos através do ensino. No texto, vemos que depois de Cristo ter derramado o Espírito sobre os discípulos, e depois dos judeus terem sido convertidos, Pedro ordena a todos (com autoridade que recebera do Céu) a serem batizados, ou seja, imergidos: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados”. De maneira semelhante, você poderá notar que Pedro ordena Cornélio e sua família a serem batizados (Atos 10:48). Aqui ele diz aos seis irmãos que estavam com ele: “ode alguém porventura recusar a água, para que não sejam batizados estes, que também receberam como nós o Espírito Santo?”.

 

Pedro Batizou Sendo Um Apóstolo Extraordinário Com Autoridade Especial

 

Através da notável autoridade que recebeu do Céu, Pedro ordenou que fossem batizados em nome do Senhor Jesus.

 

Ananias Batizado De Maneira Especial

 

Então encontramos Ananias que, de modo especial, foi enviado ao apóstolo Paulo em sua conversão à fé (Atos 22:16). Aqui Ananias também, pela autoridade recebida de Cristo, diz: “E agora por que te deténs? Levanta-te, e batiza-te, e lava os teus pecados, invocando o nome do Senhor”. Aqui, você pode ver a ordem expressa de Deus ordenando-o (após sua conversão) a ser batizado.

 

A Sucessão Do Batismo

 

Deus ordenou aos Seus ministros a batizarem, ou seja, imergirem apenas os crentes. Seus ministros (por mérito da autoridade dada por Ele mesmo) deixaram claro que apenas os discípulos devem ser batizados. Observamos que eles faziam dessa maneira, e dessa maneira apenas, batizavam aqueles que creram e se arrependeram: “E com muitas outras palavras isto testificava, e os exortava, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa. De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, e perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações” (Atos 2:40-42).

 

A Prática Apostólica É: Primeiro A Conversão, Depois O Batismo

 

Observe a prática dos apóstolos, que eram guiados pelos dons infalíveis do Espírito. Primeiro, eles faziam discípulos, depois, eles os batizavam.

 

Da mesma maneira, você encontrará em Atos 8:12-13 que Filipe estava pregando ao povo de Samaria, e que muitos creram e foram batizados (ele estava pregando as coisas acerca do Reino de Deus e do nome de Jesus Cristo): “Mas, como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, se batizavam, tanto homens como mulheres. E creu até o próprio Simão; e, sendo batizado, ficou de contínuo com Filipe; e, vendo os sinais e as grandes maravilhas que se faziam, estava atônito”. Este é o percurso dos mensageiros de Cristo que foram por Ele enviados.

 

Batizados Em Nome Do Pai, Filho E Espírito Santo

A Abrangência Do Nome De Jesus

 

Primeiro, os homens eram convertidos pela pregação e depois batizados em nome do Pai, Filho e Espírito Santo, ou em nome do Senhor Jesus. O nome “Pai” e “Espírito” estão inclusos quando se menciona apenas o nome de Jesus. Portanto, podemos encontrar, no mesmo capítulo, que Filipe (pelo Espírito do Senhor) foi direcionado ao Eunuco, pertencente à Candace, rainha dos etíopes; encarregado de todo seu tesouro; que esteve em Jerusalém para adorar e retornava lendo o profeta Isaías. Filipe correu para a carruagem. Depois de terem conversado sobre o significado da Escritura, pregou a ele sobre Jesus (Atos 8:32). “E, indo eles caminhando, chegaram ao pé de alguma água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado? E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus” — “Implicando que não é lícito um homem que não crê ser batizado — “E mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o batizou. E, quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco; e, jubiloso, continuou o seu caminho” (Atos 8:36-39).

 

O Cristão Deve Se Oferecer Ao Batismo

 

Nessa passagem, observe que Filipe pregou Cristo a esse homem. Antes de descerem à água o Eunuco perguntou: “o que me impede?” É dever daquele que crê se oferecer para o Batismo. Não há empecilho ou impedimento à ordenança do Batismo, exceto a incredulidade. Filipe disse: “'Você pode, se crê de todo o coração” (ou seja, a palavra “pode” é mais bem lida como “é lícito”) ensinando claramente que não é licito serem batizados os que não creem, sejam jovens ou velhos.

 

O Batismo De Famílias Não É Prova De Batismo Infantil

 

Você encontrará [na Escritura] várias famílias que foram batizadas após terem se convertido, sobre as quais muitos dizem (pela ignorância e falta de entendimento da Escritura) que tinham bebês. Mas, para impedir o erro na mente daqueles que assim pensam, provarei que estas famílias eram todas convertidas à fé no Evangelho.

 

Lídia E Sua Família

 

“E uma certa mulher, chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia, e o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia. E, depois que foi batizada, ela e a sua casa, nos rogou, dizendo: Se haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ficai ali. E nos constrangeu a isso” (Atos 16:14-15).

 

O texto menciona que apenas Lídia foi convertida. Não há relato de que sua família também se converteu, apenas que os de sua casa foram batizados. Porém, o último versículo diz: “E, saindo da prisão, entraram em casa de Lídia e, vendo os irmãos, os confortaram, e depois partiram” [Atos 16:40]. Aqui vemos claramente que a casa de Lídia[8] consistia de irmãos que eram capazes de serem visitados e confortados por Paulo e Silas, tanto quanto Lídia, em cujo lar estiveram.

 

O Carcereiro E Sua Família

 

Também no mesmo capítulo, é mencionado o carcereiro e sua família, e que foram todos batizados. Nos versículos 31 a 34, pode-se verificar que [Paulo e Silas] pregaram a Palavra de Deus para ele e todos de sua casa. “Então, levando-os para a sua própria casa, lhes pôs a mesa; e, com todos os seus, manifestava grande alegria, por terem crido em Deus”.

 

Está claro que toda a casa do carcereiro ouviu a Palavra de Deus e creu, e se alegrou juntamente com ele. Todos foram batizados. Isto é uma prova clara de que ouvindo o Evangelho, e crendo, desejaram ser batizados.

 

Estéfanas E Sua Família

 

O mesmo ocorre na casa de Estéfanas, comparando 1 Coríntios 1:16 com o capítulo 16 e versículo 15 e 16 da mesma epístola, em que é dito que Paulo batizou a casa de Estéfanas e que “Agora vos rogo, irmãos (sabeis que a família de Estéfanas é as primícias da Acaia, e que se tem dedicado ao ministério dos santos), que também vos sujeiteis aos tais, e a todo aquele que auxilia na obra e trabalha”.

 

Paulo afirma que eles foram “as primícias da Acaia”. Eles eram ministros. Eles se entregaram para servir aos Santos. Eles trabalharam. A igreja deveria se submeter a eles. Portanto, eles não eram bebês, ou pequenos infantes, mas cristãos convertidos, crentes; pessoas arrependidas.

 

Crispo E Sua Família

 

Para maior clareza da matéria: “Crispo, principal da sinagoga, creu no Senhor com toda a sua casa; e muitos dos coríntios, ouvindo-o, creram e foram batizados” (Atos 18:8).

 

Batismo De Famílias

 

Podemos ver, então, os claros exemplos que temos para confirmar qual o modo pelo qual os apóstolos tanto ensinaram como praticaram o Batismo, de acordo com a grande Comissão dada do céu pela autoridade de Cristo:

 

  • Para pregar o Evangelho a toda criatura,
  • Para que, aqueles que cressem e fossem batizados, fossem também salvos;
  • E para que fizessem discípulos através do ensino,
  • Imergindo-os em nome do Pai, Filho e Espírito Santo.

Com tudo isso, vemos ambos: a ordenança e abundantes exemplos de Batismo de crentes, mas nenhum fundamento, nem mesmo sombra, para aspersão de infantes.

 

A Aspersão De Infantes É Um Ídolo Da Invenção Humana

 

Agora, a propósito, digo quão triste é isto, que tantas pessoas (por costume e tradição) se precipitem nessa invenção da idolatria humana.

 

A Negligência No Batismo

 

A solene ordenança do Batismo repousa sobre o dever da lei expressa de Cristo a todos os que creem. Os ímpios desprezam e condenam este sacramento como se fossem inimigos do mesmo. Que tais almas saibam que, como Cristo é Rei, assim esta é uma de Suas leis e uma ordenança fundamental do Evangelho pelo qual Ele chama todos os crentes e penitentes à obediência. E que as almas tementes a Deus tenham isso guardado em seus corações.

 

Um Ídolo Ocupa O Lugar Do Batismo

 

Por centenas de anos, o Batismo deixou de ser pregado e praticado por aqueles que se julgam bons. E isto torna o fato ainda mais triste e lamentável: que no lugar desta preciosa ordenança de Deus (que Cristo confirmou com seu sangue) fizeram um ídolo para si, a saber, a aspersão de crianças.

 

Sem dúvida, se há ídolos nesse mundo, adorados e estabelecidos entre os homens, este é um deles, que consiste ou na adoração de um falso deus, ou na adoração errada ao Deus verdadeiro.

 

Embora não seja um ídolo do primeiro tipo, é, sem dúvida, um ídolo do segundo tipo, visto ter sido estabelecido pela invenção humana em lugar da solene ordenança de Deus. Este é um pecado pelo qual Deus afligiu o povo em Levítico 10:1-2. Ele se parece com o verdadeiro Batismo e se coloca no lugar deste, mas de fato não o é, por tudo que já foi mencionado:

 

  • É administrado por falsos ministros; ignorantes acerca da natureza desta ordenança;
  • Por aspersão e não imersão;
  • Às crianças incrédulas e não homens e mulheres que creram.
  • E tudo isso feito em nome de coisas quaisquer.

 

Ao passo que comissão ensina que os verdadeiros ministros devem imergir homens e mulheres crentes, em nome do Pai, Filho e Espírito Santo. De maneira que não há nada que Deus tenha ordenado no Batismo de crianças, ou seja:

 

  • O ministro não é legítimo.
  • O sujeito não é legítimo.
  • A forma é incorreta.
  • E também o nome em quem batizam não é legítimo.

 

Que toda alma julgue com seriedade se Deus pode aceitar aquilo que nada tem a ver com Sua própria ordenança, mas que, ao contrário em cada detalhe lhe é contrária.

 

 

 

CAPÍTULO CINCO

 

O Fundamento do Batismo Infantil

 

Os papistas defendem que a ordenança do Batismo transmite graça através da obra realizada. Isto é frequentemente rejeitado por todos os autores protestantes, e, portanto, julgo não ser digno de atenção esse erro grotesco.

 

Mas sabendo que a principal controvérsia é sobre quem pode ser batizado (se infantes ou crentes), devo concluir que a administração do Batismo a crianças corrompe os princípios já citados. Trataremos agora do principal argumento (ou fundamento) dos que defendem o pedobatismo (exceto os papistas), que é:

 

“Embora não haja mandamento ou exemplo de Batismo infantil [na Escritura], essa prática é uma consequência da Aliança de Vida feita com os crentes e sua descendência, sendo que, desse modo, o rito da Aliança também pertence a eles”.

 

Resposta

 

A Aliança de Vida não é feita com a descendência dos crentes; portanto, o Batismo infantil é uma consequência errada de um pensamento errado.

 

Isso Se Opõe Às Leis E Aos Mandamentos Do Novo Testamento

 

Quaisquer conclusões que os homens tirem da Escritura, que contradigam os claros mandamentos de Deus, não podem ser de Deus; tais conclusões são (de acordo com a própria Palavra) de Satanás, ou na melhor das hipóteses, do coração do homem.

 

Rogo que você observe seriamente que o Batismo de crentes é a ordenança solene do Novo Testamento. A ela se unem muitos outros mandamentos, além de ser encorajada com a promessa de remissão de pecados e salvação.

 

[Portanto, se afirmarmos que o Batismo infantil é uma consequência de alguma interpretação do Antigo Testamento, essa interpretação é falsa, pois contradiz o Novo Testamento, que estabelece o Batismo de crentes].

 

Argumento

 

Ninguém que conclua algo contrário a esta solene ordenança, pode ser de Deus. Deus não contradiz a si mesmo nem a Seus mandamentos.

 

Exemplo

 

Quando Cristo começou a ensinar a Seus discípulos que o Filho do Homem deveria padecer muitas coisas e ser rejeitado pelos anciãos, pelo sumo sacerdote e pelos escribas; e ser morto; e ressuscitar no terceiro dia; Ele disse isso abertamente. Pedro começou a reprová-lO, mas Jesus o repreendeu, dizendo: “Arreda, Satanás”. Donde observamos:

 

Qualquer conclusão ou argumento que os homens usem para se opor ao dever, ou impedir que o cumpram os servos de Deus, (usando a Escritura como pretexto), devemos rejeitar e dizer: “para trás de mim, Satanás. Isto é uma ofensa!”

 

Cristo afirma claramente que argumentos e persuasões que deturpam os deveres da ordenança de Deus, são do diabo.

 

Portanto, todos estes livros e argumentos criados para defender o Batismo de crianças, estão fundamentados nessa falsa conclusão. Eles se opõem ao dever que é: toda pessoa que crê e se arrepende deve ser batizada.

 

Todos Os Sermões, Argumentos E Livros Que Defendem

O Batismo Infantil Não São De Deus

 

A tendência desses é opor-se à prática do Batismo do crente e impedi-la. Digo deles o mesmo que Cristo disse. Eles não são de Deus. Deixo o exposto acima para que você avalie se o Batismo é ou não uma prática legítima.

 

Em seguida, examinaremos tanto a prática quanto os fundamentos dos quais deriva.

 

A Aliança Da Circuncisão

 

O fundamento do Batismo infantil é que a Aliança da Graça pertence aos filhos dos crentes. Consequentemente, o Batismo, sendo um sinal dessa Aliança, também deve ser administrado aos filhos dos crentes. Alega-se que isso se baseia na Aliança da Circuncisão, a Aliança que pertencia a Abraão e sua descendência (Gênesis 17:7-14).

 

Os Crentes Gentios E Sua Descendência

 

Daí se conclui que a Aliança da Graça, ou seja, de Vida Eterna, pertence tanto aos crentes como à semente nascida de seus corpos. O argumento de todos estes (exceto os papistas) que defendem a efusão ou aspersão de crianças é:

 

“O Pacto que Deus fez com Abraão, pertencia também aos seus filhos, portanto, a circuncisão, o sinal dessa Aliança, também pertencia à sua posteridade. De igual modo, a Nova Aliança agora pertence aos crentes (gentios) e sua descendência. Assim, o Batismo, sendo um sinal dessa Aliança, também deve ser administrado a eles e à sua posteridade”.

 

Este Erro Destrói O Evangelho

 

Provaremos que esse fundamento (de onde se segue o Batismo infantil) está longe de ser verdadeiro; mas, ao contrário, é um erro tal, que, se mantido, abala todo o Evangelho.

 

 

CAPÍTULO SEIS

 

A Escritura Estabelece Duas Alianças

 

Nesse e nos próximos capítulos:

 

  • Primeiro, mostrarei que a Escritura estabelece duas alianças, uma, a Aliança da Graça, e outra, a Aliança de Obras. Uma aliança incondicional, outra uma aliança condicional.
  • Em seguida, provarei que a Aliança da Circuncisão não era uma Aliança de Vida Eterna, mas uma aliança condicional, uma Aliança de Obras.

 

 

Somente Os Cristãos Têm Direito À Aliança Da Graça

 

  • Terceiro, provarei que ninguém, exceto os crentes, teve ou terá direito à Aliança da Graça.

 

Uma Resposta Àqueles Que Alegam o Contrário

 

  • Quarto, responderei às passagens (especialmente as do Novo Testamento) geralmente utilizadas como argumento em defesa da Aliança de Vida na carne.

 

 

Duas Alianças, Uma De Obras E Outra Da Graça: A Antiga Aliança E A Nova Aliança

 

A Escritura menciona duas alianças. Isso está muito claro. Uma é a Aliança de Vida Eterna, a outra é a Aliança de Obras, na qual a vida eterna não foi comunicada ou dada, como vemos em Jeremias 31:31-34:

 

Eis que dias vêm, diz o Senhor, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá. 32 Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porque eles invalidaram a minha aliança apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor. 33 Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. 34 E não ensinará mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o Senhor; porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados.

 

Observem nessa passagem as duas alianças, a Antiga e a Nova. Também há menção de duas alianças no oitavo capítulo de Hebreus. Ali você encontrará as mesmas palavras, e ficará claro que Jesus é o ministro da Nova Aliança, nos versículos 6 e 7:

 

Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas. 7 Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda.

 

Jesus Cristo É Quem Administra A Nova Aliança

 

Jesus Cristo mantém a Si mesmo singular Ministro da Nova Aliança, sendo a Igreja composta por todos aqueles que estão nEle, o Israel de Deus, a descendência de Abraão. Se você está em Cristo então você é descendente e herdeiro de Abraão conforme a promessa (Gálatas 3:29 [veja todo o capítulo]). Aqueles que estão em Cristo agora fazem parte desta Aliança. Em Hebreus 8:13 vemos que a outra Aliança era meramente uma Aliança de Obras, sobre a qual é dito que envelheceu.

 

A Velha Aliança Desapareceu

 

Está escrito que a velha Aliança, de Obras, foi válida para a descendência segundo a carne de Abraão até que Cristo veio do próprio Abraão e nela pôs fim. Disso temos prova em Hebreus 9:15-16.

 

A Primeira Aliança Foi Confirmada Por Sangue De Animais;

A Segunda, Pelo Sangue De Jesus Cristo

 

A primeira foi confirmada pelo sangue de cabras e bezerros, a segunda pelo sangue de Cristo. Aquele que estuda a Escritura entende que de fato há duas Alianças distintas, a da Graça e a de Obras. Uma é incondicional, a outra é condicional.

 

CAPÍTULO SETE

 

A Nova Aliança É Incondicional

 

Uma Aliança é incondicional quando não exige que homem cumpra alguma cláusula; o próprio Deus a cumpre: “E farei com eles uma aliança eterna de não me desviar de fazer-lhes o bem; e porei o meu temor nos seus corações, para que nunca se apartem de mim” (Jeremias 32:40). Como se vê, Deus se encarrega das duas partes:

 

  • Primeiro, de não deixar nem se esquecer de Seu povo, mas fazer-lhe bem;

 

  • Segundo, de colocar temor no coração desse povo, e ensiná-lo a conhecê-lO; e perdoar-lhe as iniquidades e de seus pecados não mais se lembrar.

 

 

Esta Aliança Não Contém Nada Mais Do Que Aquilo Que O Próprio Deus Irá Cumprir

 

“Porque assim diz o Senhor DEUS: Eu te farei como fizeste, que desprezaste o juramento, quebrando a aliança. Contudo eu me lembrarei da minha aliança, que fiz contigo nos dias da tua mocidade; e estabelecerei contigo uma aliança eterna” (Ezequiel 16:59-60).

 

O profeta não diz “me lembrarei da aliança de vocês”, mas “da minha aliança”, de modo que “aliança de vocês” é aquela que foi quebrada e cujo juramento foi desprezado. Isso mostra claramente ser ela uma Aliança de Obras, como também se pode ver em Neemias 10:29: “Firmemente aderiram a seus irmãos os mais nobres dentre eles, e convieram num anátema e num juramento, de que andariam na lei de Deus, que foi dada pelo ministério de Moisés, servo de Deus; e de que guardariam e cumpririam todos os mandamentos do Senhor nosso Senhor, e os seus juízos e os seus estatutos”. Devemos discernir as duas Alianças, a que Deus chama de “Sua”, e a outra, a Aliança de Obras, a qual foi quebrada.

 

A Aliança de Vida Eterna também nos é revelada em Ezequiel 36:25-27: “Então, aspergirei[9] água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias e de todos os vossos ídolos vos purificarei. E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis”.

Esta Nova Aliança depende exclusivamente de Deus. Estando nela, Deus promete purificar “de todas as vossas imundícias e de todos os vossos ídolos”. É Ele quem tira o coração de pedra e dá um coração de carne. Ele coloca em Seu povo Seu Espírito para que ande conforme Seus caminhos, chamando-o à obediência de Sua verdade. Se o homem pecar, Deus se compromete a perdoá-lo, e a não mais se lembrar dos pecados e transgressões, de maneira que é impossível que a aliança seja quebrada, ou que a alma dela se extravie.[10]

 

O Testemunho De Davi E De Isaías

 

Quanto a isso, Davi mostra a benignidade da Aliança da Graça, bem como sua certeza e perfeição em todos os aspectos:

 

“Ainda que a minha casa não seja tal para com Deus, contudo estabeleceu comigo uma aliança eterna, que em tudo será bem ordenado e guardado, pois toda a minha salvação e todo o meu prazer está nele” (2 Samuel 23:5).

 

Também o profeta Isaías convida e persuade as almas a virem a Cristo, dizendo:

 

“Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as firmes beneficências de Davi” (Isaías 55:3).

 

Davi É Um Tipo De Cristo

 

Ou seja: Deus certamente mostrará benignidade a todas as almas que fizerem parte desta Nova Aliança; de maneira alguma essa Aliança dependerá de condições a serem cumpridas, mas apenas do Senhor, como está escrito:

 

“A minha benignidade lhe conservarei eu para sempre, e a minha aliança lhe será firme, e conservarei para sempre a sua semente, e o seu trono como os dias do céu. Se os seus filhos deixarem a minha lei, e não andarem nos meus juízos, se profanarem os meus preceitos, e não guardarem os meus mandamentos, então visitarei a sua transgressão com a vara, e a sua iniquidade com açoites. Mas não retirarei totalmente dele a minha benignidade, nem faltarei à minha fidelidade. Não quebrarei a minha aliança, não alterarei o que saiu dos meus lábios. Uma vez jurei pela minha santidade que não mentirei a Davi.

 

A sua semente durará para sempre, e o seu trono, como o sol diante de mim. Será estabelecido para sempre como a lua e como uma testemunha fiel no céu” (Salmos 89:28-37).

 

A Aliança De Vida Eterna Feita Com Cristo E Sua Descendência Espiritual

 

Davi e sua descendência eram tipos desta aliança que é garantida a todos aqueles com quem uma vez foi feita. A isto alude o autor de Hebreus quando diz:

 

Por isso, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento; para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta” (Hebreus 6:17-18).

 

Como Deus Age Na Nova Aliança

 

Considere bem que, nesta Aliança, Deus não requer nada de nós, mas Ele mesmo se compromete a nos tornar capazes de realizar Sua vontade.

 

Se Ele nos manda orar, Ele mesmo promete conceder Seu Espírito para assistir em nossas fraquezas. Se nos ordena a seguir em todos os Seus caminhos, Ele mesmo promete colocar Seu Espírito em nós para que isso façamos.

 

Objeção

 

“Por Que Embora a Aliança da Graça Seja Incondicional As Promessas Dependem de Uma Condição?”

 

Alguns alegam que o Evangelho depende da condição de fé e arrependimento.

 

Resposta

 

É verdade que a promessa de salvação e remissão de pecados é oferecida ao mundo sob essa condição, através da mensagem do Evangelho. Porém a misericórdia imerecida de Deus é que satisfaz tal exigência nos corações dos eleitos, e apenas neles.

 

Não devemos pensar que esta graça, a fé e arrependimento, são características das pessoas as quais por suas próprias habilidades o Evangelho alcança. [Só têm fé e arrependimento, aqueles cujos corações o Espírito regenerou. Portanto, é o próprio Deus quem cumpre essa condição.]

 

O Senhor É Quem Cumpre A Condição

Na Nova Aliança, o Senhor cumpre a exigência e também dá a salvação. Está escrito: “eles serão o meu povo, e eu lhes serei o seu Deus” [Jeremias 32:38], e também:

 

“Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. E não ensinará mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o Senhor; porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados” [Jeremias 31:33-34].

 

A Lei De Fé E Arrependimento É Parte Da Aliança

 

De acordo com Efésios 2:8, a lei de fé e arrependimento está incluída na Aliança: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus”.

 

A Fé É Dom De Deus

 

Deus afirma que a fé é um meio instrumental de nossa salvação, e é Ele quem a opera em nós gratuitamente. Portanto, fé certamente é um dom da aliança, e sobre esse argumento Paulo diz em Filipenses 1:29 que: “Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele”, onde o “crer” é concedido por Deus. Também em Atos 18:27, falando de Apolo, Lucas diz: “aproveitou muito aos que pela graça criam”. Em Hebreus 12:2 Jesus é tido como ambos: autor e consumador da fé.

 

Todas essas passagens mostram que a fé é dada na Nova Aliança bem como a salvação é oferecida sob essa exigência.

 

O Arrependimento É Dom De Deus

 

O arrependimento também é dom da Nova Aliança, bem como a remissão de pecados, oferecida sob essa condição: “Deus, porém, com a sua destra, o exaltou a Príncipe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento e a remissão de pecados”. Atos 5:31. E: “E, ouvindo eles estas coisas, apaziguaram-se e glorificaram a Deus, dizendo: ‘Logo, também aos gentios foi por Deus concedido o arrependimento para vida’” (Atos 11:18).

 

Observe que para Seu povo, tanto judeus como gentios, Deus garante e dá gratuitamente o arrependimento, a salvação e remissão de pecados. Os ministros de Deus são ordenados: “disciplinando com mansidão os que se opõem, na expectativa de que Deus lhes conceda não só o arrependimento para conhecerem plenamente a verdade”, o que prova claramente que embora a fé e o arrependimento sejam condições sob as quais o Evangelho é ofertado, na Nova Aliança o Senhor dá essa fé e arrependimento, bem como o perdão e a vida eterna.

 

A Aliança Da Graça Foi Parcialmente Anunciada Aos Patriarcas

 

Esta Aliança da Graça para a vida eterna foi, em primeiro lugar, mais obscura e sombria aos nossos primeiros pais. Em Gênesis 3:15, Deus fala diretamente ao Diabo, para grande terror dessa criatura e grande conforto dos eleitos: “E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”.

 

Esta declaração contém em substância, a Aliança da Graça. Cristo, o verdadeiro descendente espiritual e essência da Escritura, a nós é prometido.

 

Sobre o Filho, Deus diz: “Eu, o Senhor, te chamei em justiça, e te tomarei pela mão, e te guardarei, e te darei por aliança do povo, e para luz dos gentios” (Isaías 42:6). O dom de Cristo é chamado de “Aliança”, aqueles a quem Ele é prometido, todas as bênçãos celestiais e espirituais são dadas. Todas as promessas estão em Cristo e somente nEle: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” (Efésios 1:3).

 

O Diabo Odeia Os Dons De Deus Na Semente Da Mulher

 

Deus disse que poria inimizade entre a descendência da serpente e a descendência da mulher. Isso necessariamente decorre do fato de Ele ter colocado ou infundido na semente da mulher os dons de santidade e pureza, e Seu precioso amor, de maneira que esta nova natureza fosse odiada pelo diabo por lhe ser oposta. Semelhantemente, a descendência da mulher deve odiar o Diabo e sua natureza má.

 

O salmista escreveu: “Vós, que amais ao Senhor, odiai o mal” [Salmo 97:10].

 

Cristo nos diz: “Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; e assim os inimigos do homem serão os seus familiares” (Mateus 10:34-36).

 

Em Lucas 12:52 está escrito: “Porque daqui em diante estarão cinco divididos numa casa: três contra dois, e dois contra três”. O que ocasionaria essa discórdia senão a nova natureza que o Senhor infunde em Seus filhos, que não pode consentir com a descendência da serpente? Também Pedro diz: “E acham estranho não correrdes com eles no mesmo desenfreamento de dissolução, blasfemando de vós” (1 Pedro 4:4).

 

Assim, entendemos que em Gênesis 3:15 está contida a Nova Aliança.

 

 

 

CAPÍTULO OITO

 

A Nova Aliança Não É Determinada Pelos Homens

 

Ao contrário da Aliança da Circuncisão, a nova Aliança nunca esteve atrelada a qualquer obra da carne, mas foi confirmada por Deus em Cristo, e apenas nEle, à todas as almas que dela fazem parte. Isso se pode ver na promessa feita a Abraão: “Em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gênesis 12:3).

 

Observe que as bênçãos para a vida eterna não são prometidas a uma nação específica. Em Cristo, todos os povos serão como um só povo; se estiverem em Cristo, todos receberão as promessas feitas a eles. O mesmo pode-se dizer da promessa feita para aqueles que não estão Cristo: todos serão malditos.

 

Qual O Significado Das Bênçãos Prometidas A Abraão E Sua Descendência

 

Deus dirige Seu discurso especificamente a Abraão, mas Cristo, no que diz respeito à natureza humana, é descendência dele. As bem-aventuranças ou, a justificação para a vida eterna, a qual foi confirmada em Abraão como pai de todas as nações, é chamada pelo apóstolo Paulo de “Evangelho”: “Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti” (Gálatas 3:8).

 

Portanto, essas bênçãos citadas em Gênesis 12:3 são interpretadas por Paulo como “a justificação pela fé em Cristo”. Em Atos 3:26 estas bênçãos são interpretadas também como o “apartar, a cada um de vós, das vossas maldades”.

 

A Aliança Da Graça Em Genesis 15:5

 

A promessa do Evangelho (ou da Aliança) também pode ser encontrada em Gênesis 15:5. Aqui, Deus manda Abraão olhar para o céu e contar as estrelas (como se isso fosse possível), prometendo-lhe uma descendência numerosa. Abraão creu em Deus e isso lhe foi imputado como justiça. Esta promessa é citada pelo apóstolo Paulo como a Aliança do Evangelho, em contraste com a Aliança da Circuncisão, que era vinculada [especificamente] à descendência carnal de Abraão: “Que diremos, pois, ter alcançado Abraão, nosso pai segundo a carne? Porque, se Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não diante de Deus. Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça” (Romanos 4:1-3). O apóstolo confirma que a promessa do Evangelho em Gênesis 12:3 e Gênesis 15:5 é a Nova Aliança, pela qual é dada, através da fé, a justificação para vida eterna. Essa Nova Aliança exclui a Aliança da Circuncisão, chamada de “obra”.

 

As Duas Alianças Foram Feitas Com Abraão

 

Essas duas Alianças foras feitas com Abraão em Gênesis 17: os versículos de 1 a 6 se referem à Nova Aliança; os versículos de 7 a 14, à Aliança da Circuncisão na carne. Nos versículos 4 e 5, lemos: “Quanto a mim, eis a minha aliança contigo: serás o pai de muitas nações; e não se chamará mais o teu nome Abrão, mas Abraão será o teu nome; porque por pai de muitas nações te tenho posto”. Em Romanos 4:17-18, o apóstolo Paulo claramente nega que Abraão ou sua descendência foram justificados pela Circuncisão. Nisto ele mostra que, pela fé, Abraão seria o pai de muitas nações, e que sua descendência espiritual, judeus e gentios, seria justificada.

 

Gênesis 18:18

 

Esta promessa, ou Aliança, foi feita com Abraão em Gênesis 18:18. “Abraão […] nele serão benditas todas as nações da terra”. Como Cristo foi descendente de Abraão segundo a carne, a promessa se cumpriu, pois “nele” significa “através de Cristo”; ou seja, “em Cristo, [seu descendente], serão benditas todas as nações da terra”.

 

A Semente Em Isaque

 

Tendo Isaque nascido de Abraão, foi dito pela segunda vez: “[na tua descendência] serão benditas todas as nações da terra” (Gênesis 22:18); onde “descendência” deve ser mais estritamente entendido como “Cristo”, como o apóstolo declara em Gálatas 3:16. Aí, Paulo explica que a palavra “descendência”, não está no plural, “descendências”, mas no singular, como se referisse a Cristo. Então, as bênçãos na descendência, Cristo, são interpretadas como a confirmação de Deus de Sua Aliança em Cristo. Note que estas bênçãos, as quais Davi também considera com a confirmação da Aliança em Cristo, não estão vinculadas à carne de Abraão e sua descendência segundo a carne, mas a Abraão como pai de toda a descendência espiritual em todas as nações. Esta Aliança foi confirmada na descendência, Cristo, a todas as nações.

 

Os judeus, segundo a carne, não têm mais direito às bênçãos que qualquer outro povo a não ser pela fé. Apenas a fé os une a esta descendência e lhes faz participantes da Aliança.

 

Os Eleitos Foram Abençoados E Os Demais Não

Nos Salmos, Davi diz que a bem-aventuranças consiste na remissão de pecados e no purificar da maldade o coração. Paulo, por sua vez, afirma: “para que nisso vos abençoasse, no apartar, a cada um de vós, das vossas maldades” (Atos 3:26). Pedro diz que as bênçãos foram “confirmadas em Abraão e sua descendência”. Embora Cristo tenha cumprido esta Aliança para os eleitos, os demais não receberam estas bênçãos. Eles nunca foram abençoados, nem com a justificação nem com o perdão de pecados, pois nunca estiveram em Cristo. Eles nunca foram semente espiritual de Abraão; não andaram segundo a fé como a verdadeira descendência andou, Romanos 4:12 e Gálatas 3:29: “E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa”.

 

Abraão E Sua Descendência Espiritual São Aqueles Que Fazem Parte Da Aliança Da Graça

 

Mostrei pela clara luz da Escritura que existem duas alianças: a Aliança da Graça, e a Aliança de Obras. A Aliança da Graça pertence a Abraão e sua descendência espiritual em Cristo. Desde Adão e da semente espiritual da mulher, existem aqueles que nasceram da promessa. “Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência” (Romanos 9:8). Portanto, hoje, todos os que nasceram de novo, tanto judeus como gentios, são descendentes espirituais e filhos. Eles têm direito à promessa de salvação.

 

 

 

CAPÍTULO NOVE

 

A Circuncisão Não É Aliança de Vida Eterna

 

Em seguida, provarei que a Aliança da Circuncisão não é a Aliança de Vida Eterna, mas uma aliança representativa [um tipo], uma Aliança de Obras; ela também é chamada pelo Senhor de Aliança na Carne, Gênesis 17:13. Portanto, temos certeza de que não é a Aliança de Vida Eterna.

 

O Uso Da Palavra “Perpétuo” Na Lei

 

Para melhor entendimento dessa verdade, primeiro explicarei algumas palavras utilizadas [com relação à] aliança.

 

Primeiro, a expressão “Aliança Perpétua”. Para alguns, elas parecem ter o mesmo significado de “Aliança de Vida” porque é dita ser eterna. Porém, a palavra “perpétua” deve ser entendida como “em todo o tempo da lei”, na época do Estado judaico. Esta palavra sempre deve ser interpretada dessa maneira quando aplicada aos judeus em sua geração. Por exemplo, no capítulo 16 de Levítico, versículos 33 e 34, está escrito: “Assim fará expiação pelo santo santuário; também fará expiação pela tenda da congregação e pelo altar; semelhantemente fará expiação pelos sacerdotes e por todo o povo da congregação. E isto vos será por estatuto perpétuo, para fazer expiação pelos filhos de Israel de todos os seus pecados, uma vez no ano”, aqui, “perpétuo” necessariamente deve ser entendido como “até a vinda de Cristo”. O mesmo para Números 25:13: “E ele, e a sua descendência depois dele, terá a aliança do sacerdócio perpétuo, porquanto teve zelo pelo seu Deus, e fez expiação pelos filhos de Israel”, onde se fala do sacerdócio cerimonial que é um tipo de Jesus Cristo, que poria um fim naquilo.

 

Esse é o significado onde quer que “perpétuo” ou “eterno” se junte à “Aliança”, “descendência” ou “gerações”; deve ser entendido unicamente como “no tempo da Lei”, no tempo ou período dos sacerdotes, até a [primeira] vinda de Cristo, e não depois disso. “E os ungirás como ungiste a seu pai, para que me administrem o sacerdócio, e a sua unção lhes será por sacerdócio perpétuo nas suas gerações” (Êxodo 40:15). E também em Êxodo 30:20-21, onde Moisés diz: “Quando entrarem na tenda da congregação, lavar-se-ão com água, para que não morram, ou quando se chegarem ao altar para ministrar, para acender a oferta queimada ao Senhor. Lavarão, pois, as suas mãos e os seus pés, para que não morram; e isto lhes será por estatuto perpétuo a ele e à sua descendência nas suas gerações” (Êxodo 30:20-21).

Objeção

 

Alguns alegam que Gênesis 17:7 estabelece a Aliança da Graça: “E estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência depois de ti em suas gerações, por aliança perpétua, para te ser a ti por Deus, e à tua descendência depois de ti”.

 

Resposta

 

A isto, respondo que Deus também se compromete a ser SENHOR daqueles [que fizerem parte] da Aliança de Obras, que depende de alguma condição realizada pelo homem; ou ainda, que Ele se faz SENHOR na Aliança incondicional da Graça em Cristo Jesus, o Mediador, a qual não depende de nenhuma obra:

 

 

Primeiro Argumento

 

A Aliança Da Circuncisão Era Condicional

 

Devo deixar claro que é o próprio Deus, e unicamente Ele, quem estabelece a condição na Aliança de Obras. Este é o primeiro argumento que usarei para provar que a Circuncisão é uma Aliança de Obras e não de Vida Eterna: é condicional. O que Deus promete ser ou dar a Abraão e sua descendência carnal dependia do fato de que Abraão e sua semente deveriam cumprir sua parte na aliança, como claramente se vê em Gênesis 17:7-14. O Senhor se compromete a ser o Deus de Abraão e da sua descendência carnal e dá-los a Terra de Canaã. Nesse sentido, Ele seria seu Deus, para lhes dar posse daquela boa terra, e todas as bênçãos dela, sob a condição de que tanto Abraão como seus filhos mantivessem sua parte na Aliança.

 

A Circuncisão

 

As condições da aliança que deveriam cumprir eram:

 

  • Abraão deveria ser circuncidado;
  • Todo homem nascido em sua casa ou comprado por dinheiro deveria ser circuncidado.

 

A Antiga Aliança Era Um Jugo De Escravidão

Apesar de ser mencionada aqui apenas a circuncisão, todas as obras da lei estão incluídas nessa aliança. O apóstolo, que melhor conhecia a Escritura, explica: “Porque a circuncisão é, na verdade, proveitosa, se tu guardares a lei; mas, se tu és transgressor da lei, a tua circuncisão se torna em incircuncisão” (Romanos 2:25). E também em Gálatas 5:2-3, o apóstolo diz: “Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. E de novo protesto a todo o homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei”. Isto também está claro em Gálatas 6:12-13, aqui o apóstolo diz: “Todos os que querem mostrar boa aparência na carne, esses vos obrigam a circuncidar-vos, somente para não serem perseguidos por causa da cruz de Cristo. Porque nem ainda esses mesmos que se circuncidam guardam a lei, mas querem que vos circuncideis, para se gloriarem na vossa carne”.

 

Paulo diz que era absurdo querer impor a circuncisão a outros, ou ser circuncidado, e não obedecer à Lei.

 

No texto anteriormente citado está claro que a (natureza da) circuncisão os obriga a cumprir a Lei. Por causa disso, encontramos em Atos 15:1: “alguns […]ensinavam assim os irmãos: Se não vos circuncidardes conforme o uso de Moisés, não podeis salvar-vos”, sobre o que no versículo 10 Pedro diz: “por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar?”. O que era esse jugo senão que os homens deviam manter a Lei, além de serem circuncidados?

 

Portanto, a circuncisão mantinha debaixo de si a Aliança de Obras e o jugo da escravidão, e Paulo, em Gálatas 5:1-3, ensina que os Crentes devem estar “firmes na liberdade com que Cristo nos libertou” uma vez que Jesus já nos libertou dessa Aliança e desse jugo.

 

Livres Da Lei

 

Observe que o cumprimento de toda a Lei, da qual Cristo nos libertou por meio de sua morte, era necessário na Aliança da Circuncisão. Como se Deus dissesse:

 

“Abraão, Eu serei o seu Deus, e o Deus de sua descendência. Libertá-los-ei, Protegê-los-ei, defendê-los-ei e abençoá-los-ei com a terra de Canaã, e com o fruto de seu ventre em seus celeiros e lagares, e com toda sorte de bênçãos; sob a condição de que vocês sejam circuncidados e observem a Lei”.

 

Deus estabelece a aliança de maneira que se Abraão e sua descendência falhassem em cumprir sua parte do pacto, Ele teria a liberdade de também não cumprir a Sua, como vemos em Jeremias 11:2-5.

Ouvi as palavras desta aliança, e falai aos homens de Judá, e aos habitantes de Jerusalém. 3 Dize-lhes pois: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Maldito o homem que não escutar as palavras desta aliança, 4 que ordenei a vossos pais no dia em que os tirei da terra do Egito, da fornalha de ferro, dizendo: Dai ouvidos à minha voz, e fazei conforme a tudo quanto vos mando; e vós sereis o meu povo, e eu serei o vosso Deus. 5 Para que confirme o juramento que fiz a vossos pais de dar-lhes uma terra que manasse leite e mel, como se vê neste dia. Então eu respondi, e disse: Amém, ó Senhor.

 

Deus claramente Se compromete a ser o Deus deles, e a abençoá-los com Canaã, sob a condição de que eles deveriam observar a Lei: “vós me sereis a mim por povo, e eu vos serei a vós outros por Deus”.

 

A Aliança Da Graça Foi Feita Com Abraão 24 Anos Antes Da Aliança Da Circuncisão

 

Devemos ter em mente que a Aliança de Vida foi feita com Abraão quando este tinha 75 anos (Gênesis 12:4). Ou seja, isso se deu 24 anos antes de estabelecer-se a Aliança de Obras. Sua alegria, e de toda sua descendência espiritual, estava e está naquela Aliança confirmada por Deus em Cristo, que ainda vigora a todos os crentes em todas as nações. A Aliança da Circuncisão era condicional e não incondicional. Portanto, não era Aliança de Vida, mas Aliança de Obras.

 

 

Segundo Argumento

 

A Circuncisão Era Uma Aliança Específica Para A Descendência Carnal De Abraão

 

A Aliança de Obras era uma Aliança da nação de Israel, [ou seja, com a descendência carnal, e não espiritual, de Abraão]; uma aliança na carne: “Com efeito será circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por teu dinheiro; e estará a minha aliança na vossa carne por aliança perpétua” (Gênesis 17:13). Esta não é a Aliança da Graça para a vida eterna, que foi confirmada por Deus em Cristo a todas as nações. “Em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gênesis 12:3). “E em tua descendência serão benditas todas as nações da terra” (Gênesis 22:18), como havia anteriormente falado.

 

O Senhor disse que essa Aliança da Circuncisão seria uma Aliança Perpétua na carne. Paulo afirma que esta é uma Aliança de Obras: “Que diremos, pois, ter alcançado Abraão, nosso pai segundo a carne? Porque, se Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não diante de Deus” (Romanos 4:1-2).

 

Objeção De Que O Evangelho Não Foi Eficaz Para A Maioria Dos Judeus

 

Estas palavras (Romanos 4:1-2) foram ditas por Paulo para nos prevenir de uma dúvida que estava na cabeça dos Romanos, ocasionada pela resposta anterior do apóstolo. Embora ele tivesse admitido, no começo do terceiro capítulo, que os judeus circuncisos tinham alguma vantagem sobre os outros povos, principalmente quanto à pregação do evangelho entre eles, ele os faz lembrar que este Evangelho de fato foi eficaz, mesmo não o sendo para todos[11]. Em seguida, no versículo 9, o apóstolo manifesta seu entendimento de que os judeus segundo a carne e os que fazem parte da Aliança da Circuncisão, não estão mais livres da culpa e da condenação que os pagãos, incircuncisos ou não-judeus segundo a carne.

 

A Vantagem Dos Judeus

 

“Pois quê? Somos nós mais excelentes? De maneira nenhuma, pois já dantes demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado; como está escrito: Não há um justo, nem um sequer” (Romanos 3:9-10). Aqui o apóstolo prova que os judeus, segundo a carne, (na Aliança da Circuncisão) eram igualmente condenáveis e estavam debaixo do pecado assim como os incrédulos; todos igualmente culpados diante de Deus (v.19). No versículo 20, ele conclui que ninguém será justificado diante de Deus pelas obras da Lei. Isso deixa bastante claro que ser judeu, ou ser circuncidado, ou estar debaixo da Lei, é a mesma coisa. Tendo Paulo concluído que não havia diferença entre ser judeu na Aliança da Circuncisão e ser gentio, agora ele mostra como ambos, judeus e gentios, são justificados para a vida; ou seja, gratuitamente pela graça de Deus através da redenção em Cristo Jesus, a quem Deus tornou propiciação, pela fé em Seu sangue. Assim, ele substitui completamente as Obras da Lei, no que diz respeito à justificação, pela fé. Isso mostra claramente que existe uma única maneira pela qual judeus e gentios são justificados, que é a fé em Jesus Cristo, a verdadeira semente prometida na Nova Aliança.

 

Não Eram Os Judeus Melhores Que Os Gentios E Incrédulos?

 

“Que diremos, pois, ter alcançado Abraão, nosso pai segundo a carne?” (Romanos 4:1). O apóstolo parece perguntar: “pode um judeu ser descendência de Abraão, estar debaixo da Antiga Aliança, e mesmo assim não ter privilégio algum sobre os pagãos ou gentios, no que diz respeito à vida eterna? Pode um homem ser judeu da semente de Abraão, da aliança da carne e estar tão perto da justificação e da vida eterna quanto um gentio profano que não é descendente de Abraão, nem faz parte dessa aliança? Quais privilégios obteve Abraão naquela aliança?”.

 

Os Privilégios Dos Judeus

 

O próprio apóstolo responde a essas perguntas nos versículos 2 e 3, e em todo o capítulo 4 de Romanos, fazendo clara distinção entre as duas Alianças: a Circuncisão, a Aliança de Obras; e a promessa de Jesus Cristo, pela fé daqueles que creem. Paulo diz do segundo versículo em diante que se Abraão foi justificado pelas obras, ele tinha de que se gloriar, mas não diante de Deus; interpreta que a aliança com nosso pai Abraão, feita em sua carne e na carne de sua posteridade, era uma Aliança de Obras na qual ele não tinha do que se gloriar diante de Deus. A razão disso é que ele só seria justificado diante de Deus por outra Aliança, ou promessa (Gênesis 15:5-6). “Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça” (Romanos 4:3).

 

Justificação Apenas Pela Fé

 

O apóstolo segue mostrando que a justificação não era pela Aliança de Obras, cravada na carne de Abraão, mas pela fé na semente prometida na Aliança da Graça, o que é provado pelo testemunho de Davi em Salmos 32:1-8.

 

A Graça Da Justificação É Apenas Para Os Judeus?

 

Tendo dito tudo isso, Paulo agora pergunta se a graça da justificação veio para os da circuncisão, apenas, ou se os incircuncisos também poderiam recebê-la; visto que “Creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça”.

 

Quem Pode Receber A Justificação Para A Vida Eterna?

 

Se foram feitas duas alianças com Abraão, a do Evangelho pela fé, e a da carne, pelas obras, em qual delas foi prometida a justificação para a vida eterna?

 

A resposta é clara, pois o apóstolo Paulo diz que não foi na circuncisão. Abraão não foi justificado na, ou pela, Aliança da Circuncisão, mas na promessa da semente que Deus deu a Seu povo, pela fé nessa semente. Mesmo na incircuncisão, Abraão foi justificado. Ou seja, 24 anos antes de a Aliança da Circuncisão ter sido feita com ele. Ele foi justificado ao crer na promessa do Messias que seria seu descendente, em quem todas as nações da terra seriam abençoadas.

 

Deus prometeu que o Messias seria descendência de Abraão segundo a carne e este foi o grande alvo de sua fé. Ele creu para a justiça, não apenas que teria bênçãos e a justificação, mas que o Salvador que viria, seria seu descendente.

O Selo Visível Da Aliança Aponta Para A Futura Encarnação De Cristo

 

Como selo da retidão pública confirmada em Abraão, pai de todas as Nações, Deus o elegeu para Si, quer dizer, sua família, numa aliança externa. Isso mostraria ao mundo que, de fato, assim como Deus escolheu essa nação para Si, o Messias viria encarnado.

 

A Circuncisão Aponta Para O Sofrimento E A Morte De Jesus Cristo

 

Para guardar a Lei, o judeu segundo a carne deveria derramar o sangue de seu filho [ou servo] ao cortar-lhe a carne do prepúcio. Isso prefigurava como Cristo, a verdadeira semente da descendência de Abraão, deveria cumprir e satisfazer a Lei ao derramar Seu sangue e ter Sua carne traspassada.

 

A Circuncisão Era Um Selo Apenas Para Abraão

 

De tal maneira que essa marca na carne era como um sinal, para confirmar aliança e guiar Abraão à Cristo: “E recebeu o sinal da circuncisão, selo da justiça da fé quando estava na incircuncisão, para que fosse pai de todos os que creem” (Romanos 4:11).

 

Observe que o apóstolo chama a circuncisão de “sinal”, não de “selo”. E aqui estão as razões pelas quais o selo [da justiça da fé] era restrito a Abraão [e não a seus filhos]:

 

Primeiro, porque ele foi justificado pela fé antes de receber o sinal da circuncisão. Não se pode dizer, porém, que seus descendentes, com apenas oito dias de idade tinham fé, de maneira que também pudessem ser selados e justificados.

 

Segundo, é que Abraão seria o pai de todos os que cressem. Isto não se aplica a nenhum dos descendentes de Abraão, apenas a ele mesmo. Nenhum de seus filhos era pai de todas as nações. A promessa de Deus a Abraão, de fazer dele pai de todas as nações na Aliança da Graça, é acompanhada pelo sinal externo, na carne, vinculado à sua descendência.

 

Terceiro, é que o Espírito de Deus confirmou este selo apenas e especialmente a Abraão, e a ninguém mais de sua semente segundo a carne. Onde a Escritura não tem boca para falar, não devemos ter ouvidos para ouvir. A Bíblia afirma que a circuncisão foi apenas um selo da justiça pela fé para Abraão, mas não diz que também o era para sua semente.

 

A quarta razão está no versículo 13 [de Romanos 4]. A promessa não foi feita a Abraão, nem à sua descendência, pela Lei, ou seja, pela Aliança da Circuncisão, mas pela justiça da fé. Porque, se os que são da Lei são herdeiros, então a fé é vã e não tem efeito, pois a Lei opera a ira [v.15]. Portanto, é pela fé que a graça assegura as promessas. E isso não àqueles que são da Lei, mas àqueles que são da fé de Abraão, o pai de muitas nações (Como está escrito: Por pai de muitas nações te constituí) perante aquele no qual creu, a saber, Deus, o qual vivifica os mortos, e chama as coisas que não são como se já fossem” [Romanos 4:17].

 

Em toda a Escritura, não há lugar em que esteja mais claro que a Antiga Aliança é uma Aliança de Obras do que em Romanos 4. Paulo, explicando que a circuncisão e a fé são opostas, mostra que Abraão e toda sua descendência espiritual haviam sido justificados em outra Aliança, não na Aliança da Circuncisão, e que esta é uma aliança de obras e não a da graça. Isso é o suficiente para provar que na Antiga Aliança não havia promessa de justificação e vida eterna.

 

Apêndice Do Segundo Argumento

 

Além disso, que a aliança da carne deve ser entendida como Aliança de Obras, vemos em Filipenses 3:2-3: “Guardai-vos dos cães, guardai-vos dos maus obreiros, guardai-vos da circuncisão; porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus em espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne”. Por “carne”, ele quer dizer “aliança feita na carne”, isto é, circuncisão. E continua: “[…] se algum outro cuida que pode confiar na carne, ainda mais eu: Circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu; segundo o zelo, perseguidor da igreja, segundo a justiça que há na lei, irrepreensível” [vv. 4-6].

 

A Justiça Da Antiga Aliança Não É Melhor Do Que Esterco

 

Paulo afirma que a Antiga Aliança não era outra coisa senão esterco ou impureza se comparada à promessa de Cristo, à justiça e salvação através do Filho, que ele havia recebido pela fé. Paulo sofreu a perda de todas as coisas por causa de Jesus Cristo e considerou todos os privilégios da circuncisão, e da Aliança de Obras, como escória para ganhar a Cristo [Filipenses 3:8]. Se a promessa de Cristo, salvação e justificação através dEle, tivesse sido feita na Aliança da Carne, à linhagem de Abraão, então seria muito impróprio o apóstolo considerá-la e desprezá-la como se fosse completamente vazia de Cristo. Seria um grave pecado para qualquer homem desprezar tal Aliança e os privilégios com ela adquiridos.

 

Gálatas 3: As Duas Alianças

Note que em Filipenses, Paulo faz uma distinção clara entre as duas Alianças, a da fé, e a da Circuncisão; a Isso ocorre novamente em Gálatas 3:3: “Sois vós tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, acabeis agora pela carne?”. Ele mostra a diferença entre a aliança espiritual e a aliança carnal. Os gálatas, tendo lhe ouvido pela primeira vez, abraçaram o Evangelho, a Palavra da Nova Aliança. Porém, agora queriam adotar juntamente com o Evangelho a Aliança de Obras, na carne, pela qual procuravam ser aperfeiçoados.

 

Gálatas 4: Sara E Agar

 

Em Gálatas 4, Paulo faz clara distinção entre as duas Alianças e as duas sementes, a de Sara, e a de Agar. Ele mostra que a Aliança da Circuncisão é a Aliança de Obras assim como Sara era livre e Agar escrava.

 

Gálatas 5 e 6

 

Esta distinção também é feita em Gálatas 5 e Gálatas 6. Se considerarmos seriamente essas passagens, veremos que elas provam que a Aliança da Circuncisão é uma Aliança de Obras. É a Aliança à qual se opõe o Evangelho, a Aliança da Graça. A Aliança da Carne é oposta à Aliança de Vida Eterna, pois naquela, devia-se cumprir todas as Obras da Lei, mas quanto a essa, nos é dito: “Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração” [Jeremias 31:33; Hebreus 8:10, 10:16]. A Circuncisão é uma Aliança na carne e não no coração, e por isso não pode ser uma Aliança de Vida Eterna, apenas uma Aliança de Obras.

 

 

Terceiro Argumento

 

A Antiga Aliança Estabeleceu Bênçãos Temporárias Em Canaã.

 

Hebreus 8:6 Mostra Que Cristo É O Mediador De Uma Melhor Aliança.

 

Ora, não há promessa de vida eterna na Antiga Aliança, mas apenas bênçãos temporais na Terra de Canaã. A promessa do SENHOR de ser Deus daquele povo, está relacionada à proteção e provisão na Terra de Canaã e a outros privilégios: “Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas” (Hebreus 8:6). Aqui o apóstolo mostra que a Antiga Aliança, que desaparecera, pois estava fundamentada em “piores promessas”, que devem ser entendidas como “promessas temporais”.

 

Ouvi as palavras desta aliança, e falai aos homens de Judá, e aos habitantes de Jerusalém. 3 Dize-lhes pois: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Maldito o homem que não escutar as palavras desta aliança, 4 que ordenei a vossos pais no dia em que os tirei da terra do Egito, da fornalha de ferro, dizendo: Dai ouvidos à minha voz, e fazei conforme a tudo quanto vos mando; e vós sereis o meu povo, e eu serei o vosso Deus. 5 Para que confirme o juramento que fiz a vossos pais de dar-lhes uma terra que manasse leite e mel, como se vê neste dia. Então eu respondi, e disse: Amém, ó Senhor. [Jeremias 11]

 

A Terra de Canaã Estava Anexada Às Obras da Lei

 

Deus, sendo o Deus do Seu povo, lhes deu Canaã, [pois a Aliança consistia no seguinte: o Senhor, de Sua parte lhes daria a Terra Prometida, e o povo, por sua vez, cumpriria as obras da Lei]. Observe que as palavras no texto são: “vós sereis o meu povo, e eu serei o vosso Deus. Para que confirme o juramento que fiz a vossos pais de dar-lhes uma terra que manasse leite e mel”.

 

As Promessas De Canaã

 

Veja que Canaã e suas bênçãos estavam vinculadas às obras da Lei:

 

“Vês aqui, hoje te tenho proposto a vida e o bem, e a morte e o mal; porquanto te ordeno hoje que ames ao Senhor teu Deus, que andes nos seus caminhos, e que guardes os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, para que vivas, e te multipliques, e o Senhor teu Deus te abençoe na terra a qual entras a possuir” (Deuteronômio 30:15-16).

 

Deuteronômio 7:12-13

 

No último versículo ele pressiona o povo a obedecer a Sua voz para que pudessem habitar a Terra que o Senhor jurou que daria a seus pais, Abraão, Isaque e Jacó. O mesmo ocorre em Deuteronômio 7:12-13:

 

Será, pois, que, se ouvindo estes juízos, os guardardes e cumprirdes, o Senhor teu Deus te guardará a aliança e a misericórdia que jurou a teus pais; 13 e amar-te-á, e abençoar-te-á, e te fará multiplicar; abençoará o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, o teu grão, e o teu mosto, e o teu azeite, e a criação das tuas vacas, e o rebanho do teu gado miúdo, na terra que jurou a teus pais dar-te.

 

A Aliança De Obras

 

Deus se comprometeu a ser o Deus da nação de Israel para dá-los as bênçãos de Canaã sob a condição de obedecerem às obras da Lei. Esta aliança, pela qual Deus elegeu para Si aquele povo e o separou para Si, de todas as nações da Terra, é evidentemente uma Aliança de Obras. Nesta Aliança os judeus estavam sujeitos ao cumprimento da lei, às cerimônias, e ao serviço Deus. Sob essa condição, Deus seria o seu Deus e lhes daria Canaã.

 

A Aliança Incondicional Está Em Cristo

 

Pelo que há uma enorme diferença entre Deus prometer ser o Deus de um povo em uma Aliança condicional, fora de Cristo, e em uma Aliança incondicional estabelecida por Ele mesmo em Cristo. Nesta Aliança Ele nunca foi o Deus de toda a família de Abraão, ou de toda a casa de Israel. Os eleitos fazem parte dela, e os demais foram rejeitados (Romanos 11:7).

 

 

Quarto Argumento

 

Na Nova Aliança O Dinheiro Não Pode Comprar Privilégios Como Na Antiga Aliança

 

O quarto argumento é que um homem poderia comprar uma pessoa e introduzi-la na Aliança, com todos os privilégios, por uma pequena quantia de dinheiro. Se esta fosse uma Aliança de Vida, onde o Espírito e os dons espirituais do Senhor são dados, o que Pedro disse a Simão, o mago, se aplicaria aqui: “O teu dinheiro seja contigo para perdição” (Atos 8:20).

 

Por esta razão, certamente a Aliança da Circuncisão não é uma aliança espiritual. Isso se vê nas palavras da Aliança de Gênesis 17:12-13:

 

O filho de oito dias, pois, será circuncidado, todo o homem nas vossas gerações; o nascido na casa, e o comprado por dinheiro a qualquer estrangeiro, que não for da tua descendência. 13 Com efeito será circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por teu dinheiro; e estará a minha aliança na vossa carne por aliança perpétua.

 

Observe que todo aquele que fosse comprado por dinheiro deveria ser circuncidado. Se um israelita comprasse um Mouro, ou o pagão mais selvagem do mundo, ainda assim deveria circuncidá-lO. Sendo circuncidado, faria parte daquela aliança.

 

A verdade é que a circuncisão era uma das ordenanças carnais que o autor de Hebreus diz ser uma “alegoria para o tempo presente” (Hebreus 9:9).

A pessoa a ser circuncidada deveria pertencer à família de Abraão. Este é o requisito; Deus não exigia que uma pessoa fosse espiritualmente qualificada, como agora o faz sob o Evangelho. Em geral, o Senhor deu a Lei e o Mandamento a Abraão de modo que toda sua família fosse circuncidada.

 

O Ministro Da Circuncisão

 

Os circuncidados não precisavam ser membros de uma instituição para se tornarem crentes. Nem era necessário que aqueles que se submetessem à circuncisão fossem discipulados ou catequizados. Mas apenas isso era suficiente: ser da família de Abraão, nascido em sua casa, ou comprado por dinheiro. Assim, o escravo adquirido podia verdadeiramente fazer parte da Aliança de Deus e ter o direito de comer a Páscoa como se fosse nascido na casa e da semente de Abraão.

 

 

Quinto Argumento

 

Homens Que Não Faziam Parte Da Aliança Podiam Ser Salvos E Homens Que Faziam Parte Da Aliança Podiam Ser Condenados

 

O quinto argumento é este: homens fora da Aliança podiam ser salvos, e os que faziam parte dela podiam ser condenados.

 

Ló E Sua Descendência Não Estiveram Na Aliança

 

Por exemplo, Ló, na cidade de Sodoma, e todos os piedosos daqueles dias em todo o mundo, exceto Abraão e sua casa, não faziam parte da Circuncisão, mas ainda assim foram salvos. Ló foi considerado homem justo e reto. Essa aliança, porém, nunca foi feita com ele ou sua posteridade, os Amonitas e Moabitas, mesmo sendo filhos de um crente, assim como eram os descendentes de Abraão. [Por outro lado] embora os filhos de Israel fossem numerosos como a areia do mar e participantes da Aliança, ainda assim, apenas o Remanescente foi salvo (Isaías 10:22-23).

 

Jó, Seus Quatro Amigos E Outros Piedosos

 

O mesmo pode-se dizer acerca de Jó, da terra de Uz, e seus quatro amigos. Além desses, piedosos e antigos foram citados em Jó 8:8-10 e Jó 15:10: “Também há entre nós encanecidos e idosos, muito mais idosos do que teu pai”. Como se dissessem: “há outros, muito mais velhos que seu pai, que concordam com nosso argumento. Eles são muito sábios e piedosos e podem ser questionados sobre os mistérios celestiais”. Eles se referiam a pessoas muito mais velhas que o pai de Jó. É óbvio que nem eles, nem seus filhos ou famílias, tinham direito à circuncisão e à Canaã. Mas, mais certo que isso, é que mesmo assim faziam parte da Aliança de Vida Eterna. Isso mostra que a Circuncisão nada mais era que uma aliança terrena e representativa. Alguns homens bons e piedosos não tiveram parte nela, e outros, maus e perversos tiveram.

 

Os Filhos Perversos E Ímpios De Davi E Outros Que Estiveram Ou Não Na Aliança

 

Não lemos que todos os filhos de Davi estavam nessa aliança? Mas quantos, exceto Salomão, tinham direito à Aliança de Vida? O próprio Abraão teve oito filhos. Cada um deles gerou uma raça. Deus não fez a aliança da Circuncisão com todos, apenas com Isaque. Os demais, porém, eram verdadeiramente filhos do crente Abraão assim como Isaque era. Ismael e os outros seis filhos que Abraão teve com Quetura eram todos filhos do mesmo crente Abraão, assim como o era Isaque. Entretanto, esta aliança não abrangia a nenhum deles nem suas descendências. Apenas Isaque foi chamado de “sua semente”. Embora não devamos ser tão cruéis a ponto de pensar que eles não eram eleitos de Deus na Aliança da Graça, estamos certos em afirmar que não pertenciam à Circuncisão, nem receberam a herança de Canaã.

 

Os Remanescentes De Deus Na Antiga Aliança

 

O profeta Isaías nos diz em Isaías 1:9 que se Deus não tivesse separado para Si um pequeno Remanescente, Israel seria como Sodoma e Gomorra.

 

Assim, havia em toda a nação de Israel (que participava da Aliança da Circuncisão) apenas um pequeno grupo, separado dos demais, que estava na Aliança de Vida. Romanos 9. Em Romanos 11:5-7 o apóstolo afirma que os eleitos entre os de Israel alcançaram o que buscavam, porém os demais foram endurecidos. Alguns perguntam quem eram “os outros” [citados na passagem]; eles eram os filhos de Israel que também participavam da Aliança da Circuncisão.

 

O Evangelho Da Aliança Confirmado E Proclamado

A Todos Os Judeus Pelos Santos Profetas

 

Está claro que houve um Evangelho confirmado por Deus em Cristo, pregado e anunciado aos judeus pelo ministério dos profetas. Os eleitos creram e os demais foram endurecidos e permaneceram na antiga Aliança da Circuncisão, à qual tinham direito por serem da casa de Abraão.

Isaías 8:18

 

Ninguém, todavia, tinha direito à Aliança do Evangelho a não ser pela regeneração e novo nascimento. Por isso, Deus disse: “Eis-me aqui, com os filhos que me deu o Senhor, por sinais e por maravilhas em Israel, da parte do Senhor dos Exércitos, que habita no monte de Sião” (Isaías 8:18), mostrando que alguns, dentre todo o Israel, foram dados a Cristo na Aliança da Graça. Os demais permaneceram longe de Cristo, pois não foram admitidos na Aliança de Vida Eterna pela fé. Nem todos os de Israel participavam da Nova Aliança, apenas alguns poucos, de maneira que era possível estar na Aliança da Circuncisão e ser condenado, bem como estar fora dela e ser salvo.

 

Portanto, esta não pode ser uma Aliança de Vida Eterna, apenas uma Aliança de Obras.

 

 

Sexto Argumento

 

A Antiga Aliança Pode Ser Quebrada E Rejeitada

 

A Aliança da Circuncisão pode ser quebrada. “E o homem incircunciso, cuja carne do prepúcio não estiver circuncidada, aquela alma será extirpada do seu povo; quebrou a minha aliança” (Gênesis 17:14).

 

Observe que, embora o homem fosse nascido da família e descendência de Abraão, ele poderia negar seus direitos e quebrar a aliança, sendo, portanto, extirpado do povo de Deus.

 

A Nova Aliança Não Pode Ser Quebrada Porque Não É Condicional

 

Esta é a Velha Aliança da qual falou Jeremias: “[…] Eis que dias vêm, diz o Senhor, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porque eles invalidaram a minha aliança apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor” (Jeremias 31:31-32). Como mostrei anteriormente, é impossível que a Nova Aliança seja quebrada porque é uma Aliança incondicional, sem cláusulas a serem cumpridas pelo homem. “Porque [nessa Aliança] Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade” (Filipenses 2:13). Portanto, “não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece” (Romanos 9:16). Sobre esta Nova Aliança, o Senhor diz:

 

“Naqueles dias e naquele tempo farei brotar a Davi um Renovo de justiça, e ele fará juízo e justiça na terra. Naqueles dias Judá será salvo e Jerusalém habitará seguramente; e este é o nome com o qual Deus a chamará: O Senhor é a nossa justiça. Porque assim diz o Senhor: Nunca faltará a Davi homem que se assente sobre o trono da casa de Israel; nem aos sacerdotes levíticos faltará homem diante de mim, que ofereça holocausto, queime oferta de alimentos e faça sacrifício todos os dias. E veio a palavra do Senhor a Jeremias, dizendo: Assim diz o Senhor: Se puderdes invalidar a minha aliança com o dia, e a minha aliança com a noite, de tal modo que não haja dia e noite a seu tempo, também se poderá invalidar a minha aliança com Davi, meu servo, para que não tenha filho que reine no seu trono; como também com os levitas, sacerdotes, meus ministros” (Jeremias 33:15-21).

 

A Aliança De Obras É Condicional

 

1 Samuel 2:30 menciona esta Aliança de Obras, condicional, que o Senhor fez com Eli:

 

“Portanto, diz o Senhor Deus de Israel: Na verdade tinha falado eu que a tua casa e a casa de teu pai andariam diante de mim perpetuamente; porém agora diz o Senhor: Longe de mim tal coisa, porque aos que me honram honrarei, porém os que me desprezam serão desprezados.”

 

Lembre-se de que [nessa Aliança] as promessas do Senhor dependiam de algo. Deus é livre para cumprir ou não tais promessas uma vez que, aqui, o homem não respeitou sua parte no Pacto.

 

A Glória Da Aliança Incondicional É Confirmada Por Deus Em Cristo

 

Mas esse não é o caso das promessas incondicionais de Deus em Cristo (Gálatas 3:17). “Porque todas quantas promessas há de Deus, são nele sim, e por ele o Amém, para glória de Deus por nós” (2 Coríntios 1:20). Mas a Aliança da Circuncisão é apenas uma Aliança de Obras em que, a pobre criatura que dela faz parte, pode quebrá-la, rejeitá-la e ser extirpada dentre o povo.

 

“Assim diz o SENHOR: Onde está a carta de divórcio de vossa mãe, pela qual eu a repudiei? Ou quem é o meu credor a quem eu vos tenha vendido? Eis que por vossas maldades fostes vendidos, e por vossas transgressões vossa mãe foi repudiada” (Isaías 50:1).

 

Não Há Carta De Divórcio Na Nova Aliança

O divórcio confirma a violação da aliança por parte de Israel. Sabemos que a Aliança com esse país era a circuncisão. Aqueles que conhecem o mínimo da natureza da Aliança da Graça têm a certeza de que uma alma não pode se divorciar do Senhor.

 

Objeção

 

Alguns afirmam que muitas pessoas [confessaram a Cristo e por isso] fazem parte da Aliança da Graça, estando eles sob o Evangelho, mas [que tais indivíduos] podem ser excluídos do meio do povo de Deus [pela maneira ímpia como vivem].

 

Ou seja, dizem ser possível fazer parte da Nova Aliança e mesmo assim ser rejeitado.

 

Resposta

 

Havia uma regra infalível para julgar se Abraão, Isaque, Jacó e seus descendentes estavam ou não na Aliança da Circuncisão. Porém, na Nova Aliança não temos regra semelhante. Pessoas podem professar estarem em Cristo e na graça apenas da boca para fora. Essa não é uma confissão verdadeira; aqueles que assim se dizem seguidores de Cristo nunca o foram, de fato. Não é possível saber quem está na Aliança da Graça, e quem não está apenas através da confissão; as pessoas podem enganar a si mesmas e a outros.

 

Considere o seguinte: foi o Deus grande e fiel quem declarou que Abraão, sua semente e posteridade, estavam na Aliança da Circuncisão. Agora, porém, são homens infiéis, hipócritas, dissimulados e orgulhosos que dizem estar na Aliança da Graça.

 

Nossa única certeza é que tão certa quanto todo o Israel estava na Aliança da Circuncisão (Gênesis 17:10-11 e Salmo 105:9-11), Deus nunca se divorcia das almas que estão na Aliança de Vida.

 

Portanto, é um grande equívoco evadir-se do que temos dito com tal argumento.

 

Os Hipócritas Não Estão Na Aliança Da Graça

 

Deus, por Si mesmo, testifica de Sua Aliança com Abraão, Isaque e Jacó. Assim, que nenhum homem se glorie com a justificativa tão pobre e infundada de que alguns dos descendentes de Israel também podiam estar aparentemente, apenas, na Aliança da Circuncisão como os hipócritas na Aliança da Graça.

 

Muitos Israelitas Aparentavam Nunca Terem Estado Na Aliança Da Graça

 

Não há nada mais claro que isso: todos os israelitas estavam real e verdadeiramente na Aliança da Circuncisão, proferida pela boca do próprio Deus; e não há nada mais certo que isso: nem todos, porém, se mostram estar na Aliança da Graça.

 

Israel Natural Cumpriu Os Frutos Da Carne

 

Caso fosse necessário, poderíamos provar com muitas passagens bíblicas que a maioria dos de Israel se mostravam incrédulos, vivendo nos frutos manifestos da carne: embriaguez, blasfêmia, mentira, prostituição, roubo, inveja e ignorância. Não tinham fé e conhecimento [de Deus]. Todos estes pecados notórios eram frequentes na Igreja de Israel. Eles cobiçavam as mulheres de seus vizinhos e eram dados à opressão e à idolatria repugnante. Todos estes pecados são manifestações dos frutos da carne, e aqueles que vivem de tal forma, segundo o apóstolo Paulo, não podem entrar no reino de Deus e de Seu Filho Cristo Jesus. Aqueles que vivem de tal forma são visivelmente filhos do Diabo. Portanto, ao dizer que todo o povo de Israel era visivelmente piedoso, e que visivelmente fazia parte da Aliança da Graça, comete-se um erro grosseiro.

 

Os Ignorantes E Os Cegos Confundem As Duas Alianças Que Deus Fez Com Abraão

 

Isso não se pode negar: que os judeus mencionados em João 8:37-45 não eram outra coisa senão filhos de Abrão, pertencentes à Aliança de Obras. Cristo, porém, estava longe de concluir que tinham direito na Aliança do Filho e da adoção Divina. Ao contrário, Cristo afirma: “Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade” [v. 44]. Jesus nega que eles sejam filhos de Deus. De maneira que a cegueira e as trevas na mente dos homens, consistem disso: confundir as duas Alianças feitas com Abraão, uma delas, a espiritual; a aliança divina feita com o Pai dos que creem. Esta aliança é somente para aqueles que andam pela fé. A outra é a temporal, a Antiga Aliança, feita com a descendência de Abraão segundo a carne e com os que se juntavam à sua família.

 

Em resumo, a Aliança da Circuncisão é uma Aliança de Obras porque pode ser quebrada; isso não é verdade para a Aliança de Vida Eterna.

 

 

Sétimo Argumento

 

Se Considerarmos Que A Antiga Aliança É A Aliança de Vida Eterna, Derrubamos Os Pontos Fundamentais da Religião

 

Se assumirmos que a Aliança da Circuncisão é uma Aliança de Graça para a vida eterna, então destruímos alguns pilares da Religião. É impossível que esse entendimento, contrário a outros pontos essenciais da fé, seja verdadeiro.

 

Exemplos

 

Antes de dar alguns exemplos, precisamos lembrar que a Aliança da Circuncisão foi feita com Abraão e sua descendência; com Isaque, Jacó e seus filhos. Assim, os nascidos na casa, ou na família, de Israel, ou os comprados com dinheiro, tinham parte naquela Aliança, pois a herdaram juntamente com seus privilégios.

 

Dizer Que A Aliança Da Graça Está Vinculada À Carne,

Derruba Os Pontos Fundamentais De Nossa Religião

 

Os privilégios mais importantes e preciosos da Aliança da Graça são a adoção como filhos, a justificação e a obra interna da santificação. Todos esses privilégios devem ser adquiridos por aqueles que herdam a Aliança da Graça. Os defensores do Batismo de crianças devem admitir que [ao receberem essa ordenança, crianças que ainda não creram[12]] são adotadas, justificadas e santificadas.

 

A Depravação E A Total Inabilidade Do Homem É Um Ponto Fundamental Da Religião

 

Este é primeiro ponto fundamental da Religião Cristã que precisa ser negado [se considerarmos que a Circuncisão era uma Aliança de Vida Eterna]: que toda a raça humana é por natureza filha da ira (Efésios 2:2) e todos, tanto judeus como gentios, estão debaixo do pecado (Romanos 3:9).[13] “Não há um justo, nem um sequer”. Esta é uma doutrina essencial do Evangelho, geralmente reconhecida por todos os piedosos: “[…]Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência; entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também” (Efésios 2:2-3).

 

O Testemunho De Paulo Quanto À Depravação Total E Inabilidade Do Homem

 

Paulo diz que sua depravação e inabilidade, mesmo sendo da linhagem de Israel [Filipenses 3:5-6], é igual a dos gentios. A afirmação de Davi no Salmo 14:2-3 é utilizada pelo apóstolo em referência a si mesmo e a todos os judeus.

 

“Pois quê? Somos nós mais excelentes? De maneira nenhuma, pois já dantes demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado; como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só” (Romanos 3:9-12).

 

O Testemunho De Davi No Salmo 51

 

No Salmo 51, versículo 5, Davi diz: “Eis que em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe”.

 

A Maldade Daqueles Que Afirmam Que Os Que Estão Na Aliança Natural De Abraão Também Estão Na Aliança da Graça

 

Mas amados, esta doutrina é clara na Escritura, e é claramente experimentada por todos os Cristãos piedosos. Essa verdade, no entanto, deve ser destruída se [assumirmos] que todos de Israel foram adotados como filhos e herdaram a Aliança de Vida eterna; que todos herdaram a justificação; e assim, que nenhum deles era filho da ira; que nenhum esteve em estado de condenação; que nunca provaram nem estiveram debaixo do pecado; e que nunca houve um ímpio; pois herdaram a Aliança da Graça, e de justiça, e nunca estiveram mortos em delitos e pecados.

 

Esse Ponto De Vista Nega A Firmeza Na Aliança Da Graça

 

Outro ponto fundamental da Religião Cristã ao qual esse erro se opõe, é a firmeza na Aliança de Vida Eterna [perseverança dos santos]. Não devo insistir em provar que esta doutrina é uma verdade fundamental. Assumirei que essa é uma característica da própria natureza da Nova Aliança, como já visto em várias passagens já citadas, como Salmo 125:1-2 e Salmo 89:30-34:

 

“Os que confiam no SENHOR serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre. Assim como estão os montes à roda de Jerusalém, assim o Senhor está em volta do seu povo desde agora e para sempre.”

Se os seus filhos deixarem a minha lei, e não andarem nos meus juízos, Se profanarem os meus preceitos, e não guardarem os meus mandamentos, Então visitarei a sua transgressão com a vara, e a sua iniquidade com açoites. Mas não retirarei totalmente dele a minha benignidade, nem faltarei à minha fidelidade. Não quebrarei a minha aliança, não alterarei o que saiu dos meus lábios.”

 

Se considerarmos que todos os nascidos judeus herdaram a Aliança da Graça, então concluímos que esta aliança pode ser quebrada, pois a maioria deles foi condenada, e não foi salva (Isaías 10:22-23). Embora Israel fosse como a areia do mar, somente um remanescente foi salvo:

 

Também Isaías clama acerca de Israel: Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo. Porque ele completará a obra e abreviá-la-á em justiça; 23 porque o Senhor fará breve a obra sobre a terra. E como antes disse Isaías: Se o Senhor dos Exércitos nos não deixara descendência, teríamos nos tornado como Sodoma, e teríamos sido feitos como Gomorra. Que diremos pois? Que os gentios, que não buscavam a justiça, alcançaram a justiça? Sim, mas a justiça que é pela fé. Mas Israel, que buscava a lei da justiça, não chegou à lei da justiça.

 

Paulo diz em Romanos 11:5: “Assim, pois, também agora neste tempo ficou um remanescente, segundo a eleição da graça”. E no versículo 7: “mas os eleitos o alcançaram, e os outros foram endurecidos”. Todos, exceto o remanescente, estavam cegos e endurecidos.

 

Portanto, se essa numerosa multidão (como areia do mar) estivesse realmente na Aliança da Graça, devemos inferir também que a maioria decaiu da Aliança e, por conseguinte, da Vida Eterna.[14]

 

Não Se Pode Estar Verdadeiramente Na Aliança De Vida E Graça E Decair Dela

 

Aqueles que são desta opinião, [que a Antiga Aliança é uma Aliança de Graça], se opõem completamente à perseverança dos santos, pois, nesse caso, uma alma pode estar verdadeiramente na Aliança de Vida Eterna e ainda assim perecer e ser condenado.

 

Esse Ponto De Vista Aniquila A Necessidade De Conversão E Regeneração

 

O terceiro fundamento que este erro destrói, é a necessidade de conversão, ou regeneração. Esta doutrina é magnificamente confirmada por Cristo no Evangelho como verdade elementar em João 3:4-5, quando, conversando com Nicodemos, disse: “aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus”. E também em João 8:24: “se não crerdes que EU SOU, morrereis em vossos pecados”. No último versículo de João 3 lemos: “Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece”.

 

Se A Semente Segundo A Carne Estava Na Aliança Da Graça, Por Que Cristo

Ordenou Que Eles Acreditassem Para Receberem A Vida Eterna?

 

Os erros acima mencionados, dos que creem que a Aliança de Vida é transmitida aos filhos, se contradizem. [Visto que Deus estabelecera com Abraão a Aliança da Graça, como já demonstrado] os israelitas poderiam ter questionado Cristo: “Porque você prega esta doutrina, que exceto se nascermos de novo, não poderemos entrar no reino de Deus?” Eles poderiam dizer: “desde o nascimento já fazemos parte da Aliança da Graça e já temos a vida eterna; não precisamos crer e nascer de novo para entrar no reino de Deus. Por que você diz que morreremos em nossos pecados exceto se crermos que você é o Cristo? Por que declara morte, se não crermos, mesmo sabendo que conhecemos outro caminho para a vida eterna, o qual é: ser nascido de um membro da igreja ou de um crente?”

 

Em 1 João 5, o Espírito Santo diz: “Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida”. Crer que a Aliança de Vida é transmitida aos filhos é dizer: “Não! Muitos têm a vida eterna sem ter Cristo, pois são descendentes de crentes”. Contra esses, também testemunha o apóstolo: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” [Atos 4:12].

 

Esse Erro Abre Uma Nova Porta De Entrada Para Aliança De Vida E Graça

 

Esse erro declara: “Existe outro nome pelo qual podemos nos achegar à Aliança de Vida Eterna e sermos salvos”. De maneira que o testemunho de Cristo, que no Evangelho afirma poderosamente não haver outro caminho para a vida senão pela fé e regeneração, é destruído. Isso abre outra porta de entrada para a Aliança de Vida, bastando apenas ser filho de um crente, embora Cristo tenha dito a Nicodemos: “O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito” [João 3:6].

 

Se Esse Ponto De Vista Fosse Verdadeiro,

Não Seria Necessário Procurar A Conversão De Ninguém

 

Aqueles que são desta opinião defendem o contrário. Para que devemos procurar a conversão dos filhos dos crentes, sejam eles judeus ou gentios crentes, se eles herdaram a Aliança de Vida Eterna? Já não estão em tão bom estado sem terem se convertido, crido ou nascido de novo, como os que creram experimentaram o novo nascimento?

 

Essa Falsa Doutrina Justifica Os Judeus E Seus Argumentos Contra João Batista E Jesus Cristo

 

Essa doutrina tende a justificar a rebelião dos judeus contra João Batista e Cristo. Mateus 3:7-9 nos relata o encontro dos saduceus e dos fariseus com João quando este batizava: “Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento, e não presumais, de vós mesmos, dizendo: Temos por pai a Abraão”. Era preciso que aquelas pessoas se convertessem a fim de serem batizadas por João e introduzidas na Aliança da Graça. Elas não deviam pensar, tão erroneamente, que por serem filhas de Abrão segundo a carne, teriam parte na Nova Aliança. Era como se João dissesse: “E não presumais de vós mesmos, dizendo: ‘Temos por pai a Abraão e somos seus filhos segundo a carne. Por isso, não precisamos do Batismo ou de nenhuma outra obra de conversão, nem de verdadeiro arrependimento para obtermos os privilégios da Nova Aliança’”. Também em João 8:31-33: “Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes tu: Sereis livres?”.

 

Observe que esses judeus perversos e obstinados eram da mesma opinião de que estavam em condição boa o suficiente por serem descendentes de Abraão segundo a carne. Mas Jesus responde: “[…] todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre” [vv. 34-35]. Cristo está dizendo a esses filhos de Abraão que eles estão longe de serem os filhos adotivos de Deus, na Aliança de Vida, e que eles tinham por pai o Diabo. Acerca deles, Cristo também disse: “[…] se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados” [v. 24].

 

Jesus Não Acreditava Que A Aliança Da Circuncisão Era Uma Aliança de Vida Eterna

 

Cristo estava longe de ter essa opinião. Ele não achava que a Aliança da Circuncisão era a Aliança de Vida. De fato, Ele tem o cuidado de repreender aqueles que criam nisso. Esse erro era o principal obstáculo que impedia os judeus de crerem e se arrependerem. Os judeus pensavam que a Antiga Aliança lhes garantia a salvação pelo simples fato de serem descendentes de Abraão e de terem nascido com a herança da circuncisão. Essa opinião tão putrefata era um dos enganos do Diabo para entorpecê-los em um estado de incredulidade e impiedade. Eles achavam que o novo nascimento era desnecessário. Se esse pensamento fosse correto, todos os filhos de Abraão fariam parte da Aliança de Vida, mas nenhum outro homem faria parte dela, a menos que fosse regenerado. Cristo, no entanto, ensina a necessidade de conversão a todos os judeus, que naquele momento, estavam completamente sob a Aliança da Circuncisão. Até mesmo Nicodemos, mestre em Israel, necessitava do novo nascimento.

 

Lucas 16 e Ezequiel 18

 

Ezequiel 18:9-13 mostra o que deve acontecer com o filho de um judeu justo, caso se torne ladrão, se derramar sangue ou andar de maneira perversa.

 

Jesus também ensina, através de parábola, que mesmo sendo judia, uma pessoa pode ser irremediavelmente condenada: “Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama” [Lucas 16:24]. Abraão, sendo seu pai, responde: “Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado” [v. 25].

 

Observe que o homem no inferno, irremediavelmente condenado, chama Abraão de pai, e Abraão o reconhece como filho. Aqui vemos claramente que uma pessoa pode ser filha de Abraão e ainda assim ser condenada. Abraão não reconhece outros privilégios do homem rico, pelo fato de este ser “seu filho”, a não ser o que aquele homem havia alcançado “nesta vida”, ou “neste mundo”. O inferno era a melhor porção daquele homem no mundo “por vir”. Se ele tivesse nascido herdeiro da Aliança de Vida, como esta sentença de Abraão seria verdadeira?

 

Amados, considere o quanto esse pensamento é contrário a todo o teor do Evangelho, e quão destrutivo ele é aos princípios fundamentais: a necessidade de Cristo, e da regeneração. Considerem como ele destrói todo o senso de necessidade de conversão, e ajuda a endurecer o homem, assim como o fez àqueles judeus que estavam totalmente cegos por acharem que, por serem filhos de Abraão, segundo a carne, tinham herdado a vida eterna.

 

Esse Conceito Destrói A Doutrina Da Nova Aliança

 

Quarto, essa opinião destrói a doutrina da Nova Aliança, sua natureza, e a maneira como Deus a estabelece com Seus eleitos. Pois, Deus faz uma nova Aliança ao escrever Suas leis no coração e na mente do homem, e ao infundir nele o conhecimento salvífico e a fé. Através disso, Deus une a alma a Si, e perdoa todos os pecados. Sem nenhuma condição a ser cumprida pelos homens, Deus, gratuitamente em Cristo, se compromete a ser o Deus daqueles que creem, e se compromete a fazer deles o Seu povo. Somente dessa maneira, e de nenhuma outra, Deus faz Sua Aliança com pobres almas. Seria um sonho achar que uma nação inteira está na Nova Aliança sendo que seus cidadãos não têm as leis de Deus gravadas em seus corações.

 

Esse Conceito Destrói A Doutrina Da Justificação Pela Fé Em Cristo

 

O quinto fundamento que essa opinião destrói, é a doutrina da justificação pela fé em Cristo; ela estabelece outro caminho para a justificação, que não seja a fé: ser filho de pais crentes.

 

Esse Conceito Destrói A Igreja

 

Em sexto lugar, essa opinião destrói a essência da Igreja que, agora, sob o Evangelho, deve ser formada pelos santos que foram chamados [de modo eficaz] (1 Coríntios 1:2), que adoram em Espírito e em verdade (João 4:23); pedras vivas (1 Pedro 2:5); redimidos de suas vãs maneiras de viver (1 Pedro 1:18); e que são trazidos das trevas para Sua maravilhosa luz (1 Pedro 2:9).

 

Esse Conceito Traz Para Dentro Da Igreja Os Nascidos Segundo A Carne

 

Esse erro se opõe à verdade de Deus comunicada em toda a Escritura, pois torna membros da Igreja todos os filhos dos crentes, que lhes são nascidos segundo a carne, e os filhos desses filhos, e também os filhos desses outros filhos, e assim eternamente. Isso porque a Aliança da Circuncisão não era [válida] apenas para Abraão e seus descendentes imediatos, mas para “descendência depois de ti [Abraão] em suas gerações” (Gênesis 17:7). Portanto, se a Aliança da Circuncisão for nosso parâmetro, a Igreja necessariamente deve ser constituída por todas as gerações, de centenas de anos posteriores, de um crente. Assim, seria estabelecida novamente uma linhagem natural [de crentes] e outra de pagãos por natureza.

Como Isso Destrói A Igreja Evangélica

 

De maneira que esse dogma, necessariamente destrói a verdadeira essência da Igreja, porque, inevitavelmente, admite a ela todos os filhos incrédulos e não regenerados nascidos de crentes.

 

Provoca A Negligência Do Batismo

 

Além disso, admite aqueles que não foram feitos discípulos, e estes, achando que de fato o são, vivem no pecado da negligência do Batismo do Senhor, contentando-se com aquela falsificação desta ordenança que tiveram na infância.

 

Essa Opinião Maligna Faz Com Que A Igreja Seja Constituída De Salvos E Ímpios

 

Essa opinião maligna faz da Igreja uma congregação de piedosos e promíscuos; de indivíduos não batizados, tanto bons como maus. Qual passagem há no Evangelho para justificar que uma assembleia tal como esta é a verdadeira Igreja de Cristo? Que ela consiste em algumas pessoas religiosas e um mundo de filhos incrédulos admitidos e recebidos sem nunca terem sidos batizados segundo o mandamento do Senhor?

 

Esse Tipo De Igreja Não Pode Ser A Verdadeira, Ordenada Por Cristo

 

Nego que tal assembleia possa ser considerada Igreja de Cristo. Que grande erro é este, que se opõe a tantos pontos fundamentais do Evangelho!

 

Objeção

 

Muitos argumentam que, embora administrem o Batismo a crianças, contudo não admitem que elas participem da Santa Ceia.

 

Resposta

 

A pergunta, então, é: quando admiti-las?

 

Veja que caminho tortuoso é este. Considera-se que as crianças estejam no Pacto da Graça e de Vida Eterna, mas nega-lhes os privilégios obtidos dele. A Santa Ceia não é um privilégio da Nova Aliança tanto como o Batismo? Se for, como pode alguém se atrever a negar esse direito das crianças? Quanto tempo levava para que os apóstolos admitissem à Santa Ceia os discípulos que antes já tinham batizado?

 

A Ordem Do Evangelho

 

Observe a passagem: “De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, e perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações” (Atos 2:41-42).

 

Portanto, não há fundamento algum, nem desculpa alguma, para impedir que participe da Santa Ceia os membros que receberam as demais ordenanças de Deus, que foram recebidos na Igreja por esse suposto Batismo.

 

Esse Conceito Estabelece Que Alguns Têm A Vida Eterna

À Parte Da União Com Cristo Pela Fé

 

Por último, desta opinião decorre outro erro grosseiro: que alguns têm direito à Aliança de Vida sem estarem unidas a Cristo pela fé.

 

É triste ver que as pessoas que afirmam conhecer o Evangelho, e se dizem ministros de Deus, estejam tão cegas a ponto de guiar o povo a um erro como este; e que se empenham em impregnar milhares de pobres almas com este engano, que se opõe à essência do Evangelho; pressupondo que toda a Nação de Israel estava na Aliança de Vida Eterna, assim como os filhos incrédulos dos crentes, mesmo a maioria deles não estando unidos a Cristo pela fé.

 

 

CAPÍTULO DEZ

 

A Lei, A Fé E A Eleição

 

 

A Semente Prometida E O Fim Da Antiga Aliança

 

Depois da Queda, Deus estabeleceu com os homens algumas alianças. A primeira foi feita com Adão. O motivo dela, não estava tão claro até que vieram as outras, com Noé, Abraão e Moisés. Todas tinham a mesma essência, pois se firmavam na promessa de Cristo. Estas alianças persistiriam na linhagem escolhida até que Ele viesse.

 

Jesus, é a semente prometida da mulher (Gênesis 3:15), a Nova Aliança. Todas as promessas se cumprem nEle; todas as bênçãos espirituais são dadas nEle. Este é o ponto principal do Evangelho anunciado aos homens: que Ele viria da mulher. Tendo Ele vindo, trouxe consigo o fim dessas antigas alianças.

 

Caim, Abel E Seus Sacrifícios: O Fundamento Da Adoração É A Fé

 

Embora não saibamos por qual regra Caim e Abel ofereceram sacrifícios, certo é que eles a receberam de Deus. De outra forma, como Abel poderia ter realizado um culto aceitável, se não houvesse fundamento para tal? Abel teve fé (Hebreus 11:4); daí concluímos que havia algo que regulasse o culto[15].

 

A Escritura relata que ao cabo de dias, Caim e Abel levaram seus sacrifícios a Deus. Abel levou os primogênitos de suas ovelhas e da sua gordura, o mesmo que Deus haveria de ordenar, através de Moisés, que Israel oferecesse (Êxodo 34:19 e 13:12-13). Caim, por sua vez, levou o fruto da terra. Esse tipo de oferta também seria ordenado por Moisés como parte da Aliança com os judeus (Deuteronômio 18:4 e 26:2). Veja também Levítico 2:12-14 e Provérbios 3:9.

 

A Lei De Deus Estabelecia Quais Animais Eram Puros

E Quais Eram Impuros E Também Proibia Comer Sangue

 

Na época de Noé, por exemplo, já havia distinção entre animais puros e impuros que entrariam na arca. Ora, mas de onde vinha a definição de pureza e impureza? Da Lei. Foi pela Lei que Deus proibiu que o povo se alimentasse de animais impuros. Moisés proferiu isso em Levítico 11. “Não faças tu comum ao que Deus purificou” (Atos 10:15).

 

Também pela Lei, Deus proibiu que se comesse sangue: “A carne, porém, com sua vida, isto é, com seu sangue, não comereis” (Gênesis 9:4). Moisés faz a mesma proibição em Levítico 17:10.

 

A Antiga Lei Da Separação

 

Em Gênesis 6:4-5 Deus mostra um dos motivos pelos quais Ele trouxe o dilúvio: “os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos”. Disso, devemos entender que havia alguma lei que proibia o casamento dos descendentes de Sete com os descendentes de Caim. Uma lei semelhante foi proferida por Moisés em Deuteronômio 7:2-3.

 

Leis Pré-Israelitas

 

Entendemos que estas leis foram dadas por Deus a Adão e seus filhos. Elas também foram dadas a Abraão e a Moisés, que as escreveu com alguns acréscimos. A conclusão tirada de tudo isso, é que Deus, tendo prometido que a semente da mulher viria encarnada, instituiu a forma de culto [e algumas outras regras] que valeriam para toda a descendência da qual viria o Messias. A primeira promessa de Cristo, feita a Adão e Eva, era que o Verbo viria encarnado [da descendência que recebeu a Lei].

 

A Posteridade De Caim É Rejeitada

 

Deus rejeitou Caim por causa da desobediência quanto à forma de culto e a fé necessária para realizá-lO. Quando Sete foi gerado, Deus o elegeu juntamente com sua descendência segundo a carne. A raça de Sete era a Igreja de Deus. A Escritura afirma que o Messias viria da descendência de sua família, e não da posteridade de Caim, nem de nenhum outro.

 

O Mundo Antigo Destruído Pelo Dilúvio

 

Depois de ter Deus destruído o mundo pelo dilúvio, havia apenas oito pessoas na Terra, a família de Noé. Todos estavam na Aliança, até que Deus levantou e elegeu Sem pela boca de Noé, seu pai (Gênesis 9:26). Cam e Jafé, com suas descendências, eram tão filhos do crente Noé como Sem. Entretanto, A Aliança prossegue de Sem, apenas, até Abraão. Até aquele momento, o número de pessoas no mundo havia crescido consideravelmente, mas a igreja de Deus parecia bem pequena. Então o Senhor tomou para Si, mais especificamente, a família de Abraão, da qual Cristo haveria de vir.

Deus Elege Abraão

 

O principal motivo pelo qual Deus elegeu a família de Abraão, e não a de Ló, nem de nenhuma outra dos demais piedosos que viviam no mundo, não era porque Abraão e sua família criam. Se assim fosse, então Ló e sua família, bem como as famílias de todos os homens piedosos, necessariamente estariam na Aliança da Circuncisão, porque todos eram crentes, assim como Abraão.

 

Porque A Aliança Da Circuncisão Foi Feita Com Abraão

E Sua Descendência E Não Com Outros

 

A Aliança da Circuncisão foi feita com Abraão e sua família não porque eles creram, mas porque Cristo haveria de vir de sua descendência. Por isso, Jesus disse à mulher de Samaria: “Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus” (João 4:22).

 

Os Oito Filhos de Abraão

 

Abraão tinha oito filhos [mas nem todos faziam parte da Aliança da Circuncisão]. Um era filho de Sara (Gênesis 21:2), um de Agar (Gênesis 16:1-4) e os outros seis de Quetura (Gênesis 25:1-2). A Aliança de Obras pertencia apenas a Isaque e sua descendência. Pois quando Deus prometeu que seria o Deus de Abraão e sua posteridade (Gênesis 17:7), e que lhes daria terra de Canaã, Ele disse isso com relação ao filho que viria de Sara; ela é que seria “mãe de nações”. Note que Abraão, emocionado pelo nascimento de Ismael, se alegrou e disse: “Disse Abraão a Deus: Tomara que viva Ismael diante de ti!” (Gênesis 17:18), como se estivesse pedindo a Deus: “Senhor, entendo que Tu fizeste uma Aliança comigo, e com minha descendência depois de mim. Que Ismael seja a semente sobre a qual esta Aliança será estabelecida”. Deus responde que havia ouvido esta oração e abençoaria a Ismael, fazendo-o frutificar e multiplicar grandemente; mas que, na verdade, Sua Aliança seria com Isaque.

 

Ou seja, a Aliança da Circuncisão com Ismael e os outros seis filhos de Quetura, foi invalidada pela eleição de Isaque, o único escolhido nessa Aliança.

 

A Rejeição Dos Outros Filhos E Sua Posteridade

 

Portanto, embora todos os outros sete fossem filhos de um verdadeiro crente, como Isaque também o era, eles foram dispensados desta Aliança e de seus privilégios.

 

 

Jacó Foi Amado E Esaú Rejeitado

 

Quando Isaque teve seus dois filhos com Rebeca, Deus elegeu a Jacó e sua descendência, e desprezou Esaú. Deus disse: “Duas nações há no teu ventre, e dois povos se dividirão” (Gênesis 25:23). Jacó foi escolhido e considerado uma nação. Esaú foi rejeitado e considerado outra nação. Está claro que existem duas nações e dois povos, e que a eleição foi para toda uma raça, bem como a rejeição para toda a outra raça. “O mais velho servirá o mais novo”. Isso é interpretado em Malaquias1:2-3 como amor a Jacó e ódio a Esaú, pois este, desprezou o direito de primogenitura, e seus privilégios, mesmo sabendo que havia de herdá-los. Por “amor a Jacó”, devemos entender “pela eleição de Jacó”, de acordo com (Deuteronômio 7:7). Ali, falando a toda a nação, Moisés disse: “O Senhor não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos, pois vós éreis menos em número do que todos os povos; mas, porque o Senhor vos amava”.

 

O Amor E A Eleição Mostram A Descendência Escolhida

 

Esta eleição e este amor são os mesmos para toda a nação de Israel. Portanto, devemos ter em mente que essa é apenas uma eleição segundo a carne, de Jacó e seus filhos, na Aliança da Circuncisão do povo de Israel. Em Gênesis 21 está escrito: “Por em Isaque será chamada a tua descendência”. E o significado disso se encontra em Gênesis 17: a semente que daria continuidade à Aliança da Circuncisão era Isaque, e não Ismael ou os outros seis filhos de Quetura. Nenhum deles seria o grande povo que Deus prometera, [do qual viria o Messias] (Gênesis 18:18).

 

A Igreja Sob A Circuncisão

 

Na Circuncisão, apenas a Igreja de Israel foi abençoada. Embora Abraão fosse o “pai” das demais nações, a Aliança da Circuncisão se limitava à Isaque, e sua família, e àqueles que nasceram de Jacó, e sua família.

 

Esta é uma interpretação literal e verdadeira desses textos, mas ainda existe um sentido espiritual: Isaque e sua descendência segundo a carne apontam para Cristo e sua descendência espiritual. A semente temporária em uma aliança temporária, segundo a carne, aponta para a de Cristo e sua semente espiritual em uma Aliança eterna.

 

A Eleição Espiritual

A eleição espiritual[16] foi prefigurada nessas passagens, como claramente afirmam os apóstolos, que não eram ministros da Letra, mas do Espírito (2 Coríntios 3:6). Jacó e toda nação nele, foram eleitos naquela Aliança exterior. Esaú e sua posteridade não. Estes foram rejeitados e desprezados. Jacó, no ventre de sua mãe, não era mais filho de um crente do que Esaú [O mesmo podemos dizer acerca da Eleição incondicional de Deus; Ele pode ou não ter elegido o filho de um crente].

 

Portanto, fora com esse erro de que a Aliança da Circuncisão foi feita com os crentes e seus filhos.

 

Fazer A Aliança de Obras Válida Para Os Crentes E Seus Filhos É Um Grande Erro

 

A Antiga Aliança não foi feita com Abraão e sua descendência pelo fato de serem considerados crentes, mas por que o Messias viria dessa família, e não de outra. O Messias viria de Isaque, e não de Ismael, nem dos outros seis filhos de Quetura. Cristo viria de Jacó e sua posteridade, não de Esaú.

 

Veja quão grande erro cometem aqueles que pensam que a aliança foi feita com Abraão e seus filhos por serem crentes.

 

Por Que Haver Uma Descendência Segundo A Carne

Agora Como Se Cristo Já Não Tivesse Vindo Encarnado?

 

A Antiga Aliança foi feita com Abraão e seus filhos porque Cristo seria descendente dessa família. [Como Cristo já veio encarnado, não há motivos para dizer que a Nova Aliança também vale para os filhos dos crentes, pois Ele não virá uma segunda vez como descendente deles].

 

 

 

CAPÍTULO ONZE

 

Defender Uma Aliança De Vida Vinculada À Carne
É Negar Que Cristo Veio Em Carne

 

Quando Cristo veio e se tornou carne, os pilares que sustentavam a Aliança da Circuncisão foram arrancados. Portanto, esta Aliança cessou. Defender a aliança na carne é negar que Cristo veio e se manifestou completamente em carne.

 

A Aliança De Vida Eterna Feita Apenas Com Os Crentes

 

De tudo o que foi dito anteriormente, chegamos a esta conclusão: nunca houve uma Aliança de Vida Eterna feita com os homens, nem antes de Cristo nem depois dEle, exceto com os que creram ou creem.

 

A Nova Aliança

 

A objeção de que os privilégios espirituais se encontram tanto no Evangelho quanto na Lei, já foi respondida. [Além disso, também já] negamos que toda descendência segundo a carne tenha direito à Aliança da Graça.

 

Admitimos, porém, que a pregação do Evangelho foi primeiro para Israel. Nesse sentido os judeus foram chamados de “filhos dos profetas” e “filhos da Aliança” (Atos 3:25-26). Mas, agora, os privilégios são mais amplos, pois, nesse mesmo sentido, [todos os crentes, de] todas as nações são filhos dos profetas e da Aliança, visto que Cristo, Profeta e Ministro de Deus, veio os comissionou para pregar essa Nova Aliança, o Evangelho, a todas as nações.

 

A União Com Cristo

 

Em seguida, mostraremos que ninguém pode ter direito à Aliança da Graça a não ser que esteja unido a Cristo pela fé.

 

A Nova Aliança Foi Confirmada Por Deus Apenas Em Cristo

 

Como já dissemos, Deus confirmou a Nova Aliança em Cristo, Gálatas 3:17. “Porque todas quantas promessas há de Deus, são nele [em Jesus] sim, e por ele [Jesus] o Amém” (2 Coríntios 1:20).

 

A Nova Aliança Pertence Aos Comprados Pelo Sangue De Cristo

 

Portanto, essa Aliança não pode pertencer a nenhuma alma que não esteja em Cristo, pois o sim e o amém estão nEle. “Este cálice é o novo testamento no meu sangue” (1 Coríntios 11:25). Se a Nova Aliança está no sangue de Cristo, então que têm os mundanos e os miseráveis incrédulos a ver com esta Aliança, se não têm fé neste sangue?

 

Em Mateus 3:17 o Senhor diz: “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo”. Observe as palavras “em quem”. Deus não se agrada daqueles que não estão nEle. Ou seja, só podem agradar os que foram eleitos, por Sua graça, na Aliança de Vida (Efésios 1:5-7).

 

Aceitáveis Somente No Amado, Jesus Cristo

 

“Nos fez agradáveis a si no Amado” [Efésios 1:6]. Fora do Amado não pode haver aceitação. Por isso, está escrito: “Agradou-se o SENHOR de Abel e de sua oferta” (Gênesis 4:4 — versão do autor). O autor de Hebreus, no capítulo 11, versículo 4, nos diz que: “pela fé Abel ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo”. Pela fé na semente prometida, Abel foi justificado e aceito por Deus. Em Efésios 1:3, lemos: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo”. Portanto, nenhuma bênção espiritual nos lugares celestiais podem pertencer aos que não estão em Cristo, “Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo” [1 Coríntios 15:22]. Ninguém é vivificado se não estiver em Cristo, pois a ressurreição dos perversos não é para a vida, mas para a condenação (João 5:28-29). A promessa de Gênesis 18:18: “certamente virá a ser uma grande e poderosa nação, e nele serão benditas todas as nações da terra”, implica que fora da verdadeira semente, todas as nações da terra serão malditas. Gênesis 12:3, 22:18; Gálatas 3:8-11.

 

Somente Os Que Estão Unidos A Cristo Pela Fé Estão

Salvos E Na Aliança Da Graça

 

Devo confessar que é triste que num tempo como este, quando os meios da graça e conhecimento do Evangelho já foram tão plenamente estabelecidos, seja tão forçoso provar que o homem não é salvo e nem é aceito diante de Deus na Aliança da Graça, sem estar unido a Cristo pela fé. Mas, seja como for, o apóstolo disse: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” [Atos 4:12], apenas pelo nome de Jesus, e pela fé pessoal nEle. Por isso Pedro afirma: “Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna” (João 6:68). Jesus é o caminho, a verdade e a vida (João 14:6). Ninguém tem direito ao amor e misericórdia do Pai, nem à Aliança de Vida, nem a nenhum privilégio espiritual, a não ser por Cristo. Ele é o caminho estreito que leva à vida, e há poucos que o encontram (Mateus 7:14). Por isso o apóstolo disse: “Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida” (1 João 5:12). Nenhuma criança [herda de seus pais crentes] a Aliança de Vida, nem a justificação. Todos os patriarcas e todos os homens santos, pela fé e perseverança, não por raça, herdaram as promessas: “Sejais imitadores dos que pela fé e paciência herdam as promessas” [Hebreus 6:12].

 

Hebreus 11:12

 

Esse texto fala de Abrão que creu e teve fé; que foi o pai de toda uma descendência espiritual (Gênesis 5:5-6).

 

Os Judeus Incrédulos

 

A Aliança de Vida Eterna nunca foi feita com incrédulos; todos estão debaixo do pecado e a ira de Deus permanece sobre eles (Romanos 3:9; João 3:36). Embora os judeus fossem descendência de Israel e filhos da Aliança da Circuncisão, Cristo lhes disse: “se não crerdes que EU SOU, morrereis em vossos pecados” (João 8:24). O Evangelho foi anunciado à nação de Israel: “Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (João 3:18). Os judeus nunca estiveram na Aliança de Vida por serem descendência de Abraão; caso contrário, a falta de fé não lhes teria condenado e nenhum deles teria se perdido.

 

O próprio Jesus chama os judeus incrédulos de “mundanos”: “Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia”[17] (João 15:19). Este mundo do qual Cristo tirou seus discípulos, e pelo qual eram odiados, é a nação dos judeus, que estavam na Aliança da Circuncisão. Isso prova que todos os incrédulos daquele povo eram do mundo, e, portanto, não estavam na Aliança da Graça.

 

Romanos 4:16

 

Em Romanos 4:16 o apóstolo Paulo afirma: “Portanto, é pela fé, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a posteridade”.

Decorre do texto que, se a promessa, ou a aliança, ou qualquer outro privilégio espiritual, estiver vinculado à carne, ou puder ser obtido de outra maneira que não for a fé, não se trata de “graça”.

 

A Fé Diferencia O Povo De Deus Dos Demais

 

Fé é o primeiro dom que diferencia o povo de Deus dos demais: “E não fez diferença alguma entre eles e nós, purificando os seus corações pela fé” (Atos 15:9 [veja vv. 7-8]). Portanto, é impossível que os que não têm fé estejam na Aliança da Graça. Não encontramos ninguém que pertença à Aliança de Vida por ser da descendência natural de Abraão, mas somente por estarem em Cristo pela fé: “Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa” (Gálatas 3:28-29). “Porque, se os que são da lei são herdeiros, logo a fé é vã e a promessa é aniquilada” (Romanos 4:14). [Observe, pelos versículos 10 e 11, que] o apóstolo está, de fato, dizendo: “se os que são da Aliança da Circuncisão são os herdeiros espirituais, logo a fé é vã e a promessa é aniquilada”. Também em Romanos 9:7-8, lemos: “Nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência. Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência” (Romanos 9:7-8).

 

Somente Os Que São Nascidos Da Promessa São Contados Como Descendência de Abraão

 

Paulo nega que os herdeiros de Abraão, seus filhos segundo a carne, eram a semente espiritual. Mas aqueles que são filhos da promessa, ou, gerados da promessa, são contados como semente escolhida [em Cristo] e unida a Ele pela fé.

 

Somente Os Nascidos De Novo Pela Promessa São Da Semente Divina

 

Isso era representado e prefigurado pela descendência temporária e segundo a carne de Isaque. As almas que eram nascidas em sua casa ou que eram compradas por dinheiro, estavam na Antiga Aliança e receberam seus privilégios. Mas os regenerados e nascidos de novo pela promessa são a semente espiritual; estes são nascidos do alto. É disso que o salmista fala: “Uma semente o servirá; será declarada ao Senhor a cada geração” (Salmo 22:30). Pois a nação de Israel, e sua eleição representativa numa Aliança temporária, apontavam para esta eleição espiritual[18] numa Aliança Espiritual, confirmada por Deus em Cristo Jesus.

 

Caim E Seu Sacrifício Foram Rejeitados Porque Ele Não Tinha Fé

 

Ninguém, senão os que creem, está na Aliança da Graça, pois “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hebreus 11:6). Abel e sua oferta foram aceitos por Deus, pela fé (Gênesis 4:4). Caim, porém não teve fé e, por isso, não foi aceito.

 

A Maldade De Todo Homem Antes Da Conversão

 

Os pensamentos dos homens são continuamente maus, até que creiam (Gênesis 6:5; 8:21). Todas as imaginações são maldade, e continuamente só maldade, até que se convertam.

 

Suas palavras são maldade: “Raça de víboras, como podeis vós dizer boas coisas, sendo maus? Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca. O homem bom tira boas coisas do bom tesouro do seu coração, e o homem mau do mau tesouro tira coisas más” (Mateus 12:34-35). E assim como seus pensamentos e palavras são maus, da mesma forma, suas ações são todas más, até os afazeres comuns[19]. Todas suas ações naturais, como comer e beber, são maldade. “Os olhos altivos, o coração orgulhoso e a lavoura dos ímpios é pecado” (Provérbios 21:4 [cf. KJV]). Se [para tais homens] arar a terra é pecado, quanto mais suas ações civis, seus deveres religiosos, e seus sacrifícios; são todas essas coisas, abominações para Deus (Provérbios 28:9, 15:8; Isaías 1).

 

Daí, concluímos que a Aliança da Graça e de Vida eterna não pode pertencer àqueles que não creem. Pois é impossível estar na Aliança da Graça ainda assim não ser aceito, juntamente com suas ações.

 

O Homem Natural É Tão Sábio Perante Deus Quanto A Cria De Um Jumento

 

Toda a humanidade, [em seu estado corrompido], é comparada às bestas: “Mas o homem vão é falto de entendimento; sim, o homem nasce como a cria do jumento montês” (Jó 11:12). Veja também Jeremias 2:23-24. Quanto a esses, o Senhor diz: “quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos que se prostituem, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte” (Apocalipse 21:8).

 

Que Deus Conceda Arrependimento Àqueles Que Têm Essa Opinião

 

Amados, se alguém foi tão iludido para que acreditasse em tão grande engano, (que os filhos dos crentes herdam a Aliança de Vida, como se já tivessem fé), peço a Deus que lhe dê arrependimento e que este erro fundamental seja rejeitado.

CAPÍTULO DOZE

 

Atos 2:39 e o Batismo Infantil

 

Agora, responderei às alegações de que o Batismo infantil é uma prática bíblica; principalmente aquelas tiradas de passagens do Novo Testamento para apoiar esse erro. Esforçar-me-ei em expor essas interpretações falsas e perversas, que tentam provar que a Aliança da Graça entre os gentios é válida para os filhos dos crentes no Evangelho.

 

Estou certo de que nunca, desde a fundação do mundo, pais ou filhos estiveram na Aliança da Graça exceto os que individualmente e com seus próprios corações creram em Cristo.

 

Resposta Ao Argumento Tirado de Atos 2:39

 

Primeiro, falarei de Atos 2:39[20] que geralmente é usado como prova da hereditariedade da Aliança: “Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar”.

 

Note que esse texto, na verdade, deveria ser tomado como um argumento contra a prática [do Batismo infantil]. Pois o texto afirma que “a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar”[21]. Essa é uma verdade fundamental se por “promessa” entendermos “o dom do Espírito Santo”, ou “remissão de pecados”, ou ambos[22].

 

Chamados Por Deus

 

É a mais pura verdade que tantos quantos Deus chama, esses têm parte com Cristo e todas as promessas nEle; somente esses. O texto diz: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo” [v.38]. De maneira que, o “perdão de pecados” e o “dom do Espírito Santo”, é a promessa que pertence “aos que creem, a seus filhos e a todos os que estão longe”, e, seguramente, isso deve ser entendido à luz de Romanos 8:30: “E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou”[23]. Justificação e remissão de pecados é dado apenas aos chamados. Isso está de acordo com: “E por isso [Cristo] é Mediador de um novo testamento, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia debaixo do primeiro testamento, os chamados recebam a promessa da herança eterna” (Hebreus 9:15). Veja que os predestinados à Aliança de Vida e às bênçãos dela decorridas, são primeiro chamados: “[…] chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1 Pedro 2:9). O texto é claro ao provar que a promessa pertencia aos judeus, aos pagãos que abraçavam a fé e seus filhos, e também aos gentios, que ouviram a Pedro. A promessa pertence a “tantos quantos Deus nosso Senhor chamar”.

 

A Promessa Não Pertencia Aos Judeus Incrédulos

 

Exceto os que se renderam ao espírito de engano, quem ousará afirmar que as promessas do Espírito Santo, de remissão de pecados e de vida eterna, pertencem a outros [que não foram chamados por Deus]? Seria alguém tão ignorante a ponto de julgar que essas promessas pertenciam a todos os judeus segundo a carne, chamados ou não, mesmo tendo eles continuado descrentes, endurecidos de coração e impenitentes? Não é esta uma interpretação corrompida contra as palavras de Cristo àquele povo? “Se não crerdes que EU SOU, morrereis em vossos pecados” (João 8:24). Cristo dirigiu este discurso a judeus, descendentes de Abraão, que estavam na Antiga Aliança. Não diz João Batista: “Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece”?

 

A Promessa Pertence Àqueles Filhos A Quem Deus Chama

 

Mas se por “filhos” entendemos “tantos deles quantos Deus chamar”, seja naquele tempo ou até o fim do mundo, é certo que a tais filhos pertence à promessa da graça.

 

Os Filhos Incrédulos

 

A Escritura é firme e plena quanto a isso: a promessa da graça não pertence a nenhum dos filhos daqueles judeus crentes, exceto aos que foram chamados. Pois Deus os encerra sob a incredulidade, e por causa dessa incredulidade, eles são quebrados (Romanos 11:20). Se a incredulidade os excluiu da relação externa que tinham [com Cristo] na Aliança vinculada à carne, antes da morte de Jesus, e se a vinda de Jesus em carne colocou fim àquela aliança, por completo, dando lugar unicamente à Nova Aliança, da qual Cristo é o Mediador, esses judeus incrédulos obrigatoriamente não são chamados.

A Promessa De Remissão De Pecados Não Era Para Os Judeus Incrédulos

 

A promessa de remissão de pecados estava longe de pertencer aos judeus incrédulos, [mesmo sendo eles] a verdadeira descendência de Abraão; o apóstolo Paulo afirma: “Mas, como alguns deles se endurecessem e não obedecessem, falando mal do Caminho perante a multidão, retirou-se deles, e separou os discípulos” (Atos 19:9), e: “Então os judeus, vendo a multidão, encheram-se de inveja e, blasfemando, contradiziam o que Paulo falava. Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios; porque o Senhor assim no-lo mandou […] Mas os judeus incitaram algumas mulheres religiosas e honestas, e os principais da cidade, e levantaram perseguição contra Paulo e Barnabé, e os lançaram fora dos seus termos” (Atos 13:45-47, 50). Por isso Paulo disse, em Romanos 11, que Deus elegeu segundo a graça um certo número, dentre os judeus, os quais obtiveram o perdão de pecados, tendo os demais sido cegados e endurecidos.

 

Mas parece ser esse o entendimento daqueles que se utilizam de Atos 2:39 para defender a continuidade da aliança na carne [ou seja, para defender o direito dos filhos à aliança]: se eles fossem judeus, mesmo que não fossem chamados, e mesmo que não tivessem fé em Cristo, mas fossem endurecidos em sua incredulidade contínua, ainda assim, a promessa da remissão de pecados e o dom do Espírito Santo pertenceria a eles.

 

A Aliança Na Carne

 

Deixo essa interpretação, que defende a aliança na carne, para que os inteligentes considerem quão errôneo é afirmar que a promessa de remissão de pecados pertence às crianças incrédulas dos judeus, as quais Deus não chamou. Claramente se vê, nesse texto, que, na verdade, a promessa pertence àqueles que Deus, por Sua graça especial, chamou para serem Seus filhos pela graça.

 

 

 

CAPÍTULO TREZE

 

1 Coríntios 7:14 e o Batismo Infantil

 

Outra passagem usada, ou melhor, deturpada, em defesa desse erro, é esta:

 

“Porque o marido descrente é santificado pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos” (1 Coríntios 7:14).

 

De onde se conclui que essa “santidade” é uma aliança de santidade. Ou seja, que Deus escolhe o pai [ou a mãe] crente para uma aliança consigo e a criança se torna santa.

 

Para melhor entendermos esse texto, consideraremos como e em que sentido Deus estabelece uma aliança com alguém:

 

A Antiga Aliança

 

Deus pode tomar uma pessoa para Si através da Antiga Aliança. Nesse caso, ela deve ser separada do mundo.

 

Porém, essa “separação” é a santidade que só os judeus segundo a carne podiam ter; uma santidade “legal”, [pois dependia do cumprimento das leis moral, cerimonial e civil]. Nessa aliança, eles eram separados para Deus das demais nações do mundo. Nela, a palavra “santo” significa “separado” ou “colocado à parte”. Os sacerdotes, por exemplo, eram “santos”. Pela lei [cerimonial], eles eram colocados à parte do restante de Israel para oferecer o pão da propiciação.

 

A Aliança De Vida

 

Há também a Nova Aliança, ou Aliança de Vida. Nela, Deus toma um povo para Si ao escrever Sua Lei nos corações e mentes [daqueles que foram escolhidos], para santificá-los e justificá-los. Como resultado dessa Aliança, Deus infunde santidade nesses corações, [ou seja, torna esse povo capaz de obedecer a lei moral]. Não existe nenhum outro tipo de santidade relacionada a essa Nova Aliança. A única santidade que o homem pode ter nessa Aliança de Vida Eterna é [a que gera] um coração purificado pela fé, sendo todas as vontades e afeições poderosamente subjugadas pela graça de Deus, separadas do pecado e das vaidades; separadas para o céu e para as coisas espirituais.

[Esses são os dois únicos meios de alcançarmos a santidade. Através da Antiga Aliança, nos é impossível. Resta-nos a Aliança de Vida; mas, como já mencionado antes, só têm parte nela os que foram escolhidos por Deus].

 

Ninguém Nasce Com Santidade

 

Os hipócritas podem ter aparência [de santidade], mas os eleitos e escolhidos verdadeiramente são santos. Deus purifica seus corações pela fé, Atos 15:9. Com o sacrifício [de Cristo], Ele aperfeiçoou para sempre os que são santificados (Hebreus 10:14). A santificação no Espírito e a fé na verdade sempre andam de mãos dadas (2 Tessalonicenses 2:13). Logo, é impossível que esse seja o entendimento dessa passagem [1 Coríntios 7:14]: que todos os filhos dos crentes estão na Aliança de Vida Eterna, e têm seus corações purificados e santificados pela obra do Espírito e pela fé, antes mesmo de terem nascido[24].

 

Os Nascidos Da Carne Não Têm Santidade Interior

 

A Escritura não menciona nenhum outro meio de se alcançar a santificação. Não podemos alcançá-la pela Antiga Aliança, visto que foi abolida pela morte de Cristo, como lemos nos capítulos 8 e 9 de Hebreus. Portanto, estava longe de ser a intenção do apóstolo, inferir este erro: que os filhos dos crentes são revestidos com justiça e santidade (Efésios 4:24).

 

O Verdadeiro Significado Do Texto

 

O verdadeiro significado do texto é esse: os coríntios enviaram muitas dúvidas e questões para o apóstolo. Ele responde, especificamente, a cada uma, como por exemplo, no primeiro versículo desse capítulo. Parece que entre as dúvidas, havia uma sobre a condição de alguns judeus [que eram casados com estrangeiras]; esta dúvida baseava-se em Esdras 9 e Deuteronômio 7:2-4. Casar com estrangeiro era contra a lei. Esdras ordenou que todos os homens casados com mulheres estrangeiras, despedissem suas esposas [Esdras 10], pois aqueles casamentos eram ilegais, contrários à Lei que o Senhor havia dado a Israel. Os homens, então, despediram suas mulheres, e as crianças nascidas delas foram tidas como ilegítimas, impuras e [frutos] de um relacionamento ilegal.

 

O Casamento De Crentes Com Incrédulos No Novo Testamento

 

Esses coríntios propuseram essa questão ao apóstolo: os casados com maridos ou esposas incrédulas permaneciam em idolatria? Poderiam ter comunhão legítima em seu leito? Esses relacionamentos não eram impuros e ilegais como no tempo de Esdras?

Paulo, então, responde nos versículos 12 e 13 [de 1 Coríntios 7]: “Mas aos outros digo eu, não o Senhor: Se algum irmão tem mulher descrente, e ela consente em habitar com ele, não a deixe. E se alguma mulher tem marido descrente, e ele consente em habitar com ela, não o deixe”. Mas como eles ainda poderiam perguntar por que o relacionamento matrimonial não era [mais considerado] impuro, Paulo também diz no versículo 14: “Porque o marido descrente é santificado pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos”. Como se estivesse dizendo: “A razão porque o marido crente deve continuar com sua esposa incrédula, é que, agora que o muro entre judeus e gentios foi derrubado, a incrédula pode justificadamente ser a esposa de um crente”. Não há mais lei (no Novo Testamento) contra tais casamentos[25]. Isso é especialmente verdadeiro quando o casamento for efetuado sendo ambos ainda descrentes.

 

O Casamento, A Separação E A Santidade Dos Filhos

 

1 Coríntios 7:14 garante que esse tipo de casamento é legítimo. O marido incrédulo é “santificado”, ou “colocado à parte”, ou “separado”, ou “feito santo” para a esposa crente, pois a lei do casamento separou esse homem, de todos os outros homens, para ser dela, e somente dela; caso contrário, seus filhos seriam impuros. Observe o que o apóstolo disse: “[…] Doutra sorte, os vossos filhos seriam impuros; porém, agora, são santos”. Ou seja, se a Lei de Deus não tivesse colocado o incrédulo à parte para o crente, e justificado o relacionamento no leito conjugal, então os filhos gerados nesse relacionamento seriam impuros e vis. Mas agora eles são santos. Agora eles são gerados de um matrimônio santo, de acordo com a santa lei do casamento, e não são como aqueles filhos da época de Esdras que foram considerados impuros. De maneira que o apóstolo conclui que os filhos gerados na coabitação legítima e santificada com um incrédulo, são puros, ou “santos”. Todos os filhos de pagãos, gerados em matrimônio santo, são santos nesse sentido. Pois, assim como o relacionamento entre um homem e uma mulher, na cama, em desacordo com a Lei, é chamado fornicação, imundície e profanação, o relacionamento entre duas pessoas, mesmo sendo uma delas pagã, estando de acordo com a lei do casamento, é santo e puro. Portanto, os filhos gerados nesse relacionamento são puros, ou, gerados em santidade.

 

[Resumindo: a santidade da qual fala o texto não está relacionada à pureza de coração, ou à separação do pecado; antes, tem a ver com a legitimidade da família constituída de membros crentes e incrédulos quando o crente se converteu depois de casado.]

 

A Lei De Deus Quanto Aos Pagãos

 

Ninguém duvidava da santidade [do casamento entre duas pessoas] pagãs porque nunca houve lei que proibisse o matrimônio. Mas para os judeus, que tinham uma Lei expressa contra o casamento com qualquer outra nação, era ilegítimo ou impuro se relacionar ou dormir com quaisquer outros que também não fossem judeus ou prosélitos.

 

A Lei Do Matrimônio No Antigo Testamento Era Parte De Um Muro De Separação Entre Judeus E Gentios

 

Aquela lei era parte de um “muro de separação” entre judeus e gentios, e foi abolida com a vinda de Cristo. Portanto, o sentido desse texto [de 1 Coríntios 7:14] é esse:

 

Primeiro, o apóstolo ordena que os crentes continuem com seus maridos ou esposas idólatras.

 

Segundo, seus relacionamentos eram santos.

 

Terceiro, se não fosse assim, os filhos seriam impuros; mas agora eles são santos.

 

 

 

CAPÍTULO QUATORZE

 

Romanos 11:16-18 e o Batismo Infantil

 

“E, se as primícias são santas, também a massa o é; se a raiz é santa, também os ramos o são. E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira, não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti”.

 

A Interpretação Usual É A Nação De Israel

 

Na interpretação correta, essa “raiz” é Abraão, e as “primícias” são Isaque e Jacó[26]. Os “ramos” são o povo de Israel que saíram de seus lombos. Então os judeus, por causa da incredulidade, foram cortados fora; e os gentios foram enxertados. Se examinarmos esse texto cuidadosamente, veremos que nada nele apoia [a prática do Batismo infantil].

 

Alguma Coisa Nesse Texto Diz Que Há Uma Aliança

De Vida Eterna Para Os Gentios Crentes E Seus Filhos?

 

Consideremos o texto e vejamos se há nele alguma prova da Aliança de Vida Eterna para os filhos dos gentios. É isso que o texto deve provar [se é que a opinião desses que defendem o Batismo de crianças é válida]. Sem isso, a alegação é vã. Para uma melhor averiguação, consideraremos que aqui, a “raiz” deve ser entendida como Abraão, e “primícias”, Isaque e Jacó. Assim, como faz o apóstolo, devemos distinguir entre o Abraão gerado das obras e o Abraão crente e fiel.

 

Lembre-se: Abraão Estava Sob Duas Alianças

 

Devemos entender que Deus fez duas Alianças com Abraão. Abraão era santo em um duplo sentido: estava separado pela Aliança de Graça incondicional, [ou seja, Deus o havia chamado e justificado pela fé em Cristo]; e estava separado pela Aliança de Obras, que era condicional, [ou seja, era santificado ao obedecer a Lei].

 

Apenas A Semente Que Crê É Santa

 

Todo o povo judeu é santo no sentido de estar separado dos demais [povos] de outras nações, pois está na Aliança de Obras. Mas somente aqueles da descendência espiritual de Abraão, os que creem, ou, os ramos, são santos no sentido da Aliança de Vida.

 

As Primícias

 

O mesmo pode-se dizer dos outros Patriarcas, pois também estavam na aliança espiritual. Eles, as primícias, eram santos no sentido da Aliança de Vida. Devemos ter em mente que “as primícias” eram tão santas como a raiz.

 

A Distinção Das Alianças E Das Sementes

 

Entender a diferença entre as duas Alianças e as descendências, esclarecerá a questão do Batismo infantil. Falamos sobre essas diferenças no começo do capítulo: duas Alianças e duas sementes entre o povo Israel. Entre os judeus, que estavam todos na Aliança de Obras, havia os que estavam também na Aliança da Graça. Por exemplo, o apóstolo fala de todo o povo de Israel, e em seguida, de alguns selecionados dentre eles, os quais Deus separou de antemão; assim, ele cita o caso de Elias, em 1 Reis 19. Naquele tempo Deus havia separado sete mil dentre os da nação de Israel, que também estavam sob a Aliança da Circuncisão. Algo semelhante houve também no tempo do apóstolo: “Assim, pois, também agora neste tempo ficou um remanescente, segundo a eleição da graça” [Romanos 11:5]. Paulo continua: “Mas se é por graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a graça já não é graça” [v. 6]. Aqui, faz-se clara distinção entre as duas sementes de Israel, bem como das duas Alianças. Uma é a Aliança de Obras, condicional, a outra é a Aliança da Graça, incondicional. Então, o principal objetivo do apóstolo aqui, é mostrar que Deus arrancou do meio de Sua igreja a descendência segundo a carne, que estava apenas na Aliança de Obras. Essa aliança já não tinha mais força; ela era “antiquada e envelhecida e estava prestes a desaparecer” (Hebreus 8:13). Apesar disso, Deus escolheu remanescentes que foram eleitos e chamados dentre os da semente natural de Israel, até o fim; os demais foram endurecidos na incredulidade.

 

Portanto, quando Paulo diz que “alguns dos ramos foram quebrados”, não devemos entender que Abraão como pai e raiz dos crentes na Aliança da Graça foi quebrado. Caso contrário, concluiríamos que é possível ser arrancado da Aliança de Vida, o que é um erro grosseiro. Esses ramos quebrados são os de Israel que estavam na Aliança da Circuncisão. Essa Aliança era naquele tempo o muro de separação entre judeus e gentios, mas esse muro foi demolido por Cristo. Ele se tornou a essência da Nova Aliança.

 

Gálatas 5:6 e 6:16

O apóstolo agora afirma que “em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor”. Logo, todos os judeus que não creram, deixaram de ser membros da Igreja de Deus. Pois Abraão já não era mais considerado o pai e a raiz da Igreja, mas um fiel e crente na Aliança de Vida Eterna. A incredulidade fez com que os judeus fossem cortados.

 

Por Que Os Judeus Incrédulos Não Foram Cortados Fora Quando Estavam Sob A Lei?

 

Por que a incredulidade não fez com que os judeus fossem cortados centenas de anos antes? A resposta é simples: enquanto a Aliança de Obras permaneceu firme, Israel, sendo descendência segundo a carne de Abrão, estava na aliança e usufruía de seus privilégios. Isso independia da fé ou da graça.

 

Os Frutos Espirituais Permanecem

 

Mas, uma vez que Cristo tenha vindo encarnado, a Antiga Aliança cessou e resta apenas a Aliança de Vida. Permanecem em Cristo somente os “ramos” que creem, ou seja, os frutos espirituais; sejam judeus ou gentios.

 

As Primícias E Os Ramos

 

De maneira que, se considerarmos seriamente qual o propósito do apóstolo ao escrever essa passagem, veremos que a “massa” e os “ramos” aos quais ele se refere, precisam ser santos, pois as primícias e a raiz são santas. Isso significa que os judeus que foram espiritualmente eleitos e aqueles a quem Ele chamou até o fim do mundo, são santos. Temos a confirmação disso no versículo 28: “quanto ao evangelho, são inimigos por causa de vós; mas, quanto à eleição, amados por causa dos pais”. Não que Deus tivesse odiado e rejeitado esses judeus por causa dos gentios, ou amado alguns deles por causa de seus pais. Antes, por causa [da incredulidade no] Evangelho, alguns se tornaram inimigos [e outros, pela fé foram enxertados em Cristo].

 

A Nova Aliança E A Natureza Dos Gentios

 

Somente pela fé em Cristo, os gentios são descendência espiritual de Abraão e ramos enxertados na boa Oliveira. “E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa” (Gálatas 3:29). Romanos 11:20-24 declara que os gentios são, contra a natureza, enxertados na raiz de Abraão. [Admitir a prática do Batismo infantil] é afirmar que os filhos dos gentios crentes são frutos naturais da oliveira. Isso não só está em desacordo com o ensino do apóstolo, como também é contra as palavras expressas: “Os gentios são enxertados contra a natureza, e permanecem pela fé”.

 

Seria um estranho mistério concluir que toda a nação dos judeus estava na Aliança de Vida Eterna, e que muitos deles não tiveram fé.

 

Por que os judeus foram cortados [da Oliveira, ou seja,] da Aliança de Vida Eterna? Por causa da incredulidade. Seria, então, a descendência incrédula de gentios crentes enxertada no lugar deles? Se usarmos esse texto para defender a aliança na carne, concluiremos que sim. Quão vergonhoso seria distorcer a Sagrada Escritura a fim de adequá-la [à prática do Batismo infantil]. Esse capítulo [de Romanos] mostra que havia duas sementes e duas alianças, uma de graça, o Evangelho, e outra de obras; e que o homem não pode obter o direito a esta Nova Aliança a não ser pela eleição, que é meramente pela graça.

 

O Fim Do Pacto De Obras

 

A Aliança de Obras cessou e, com isso, ninguém mais pode receber os privilégios desse pacto por ser descendente de Abraão segundo a carne. Cristo, vindo encarnado, colocou fim nessa Aliança na carne. Os judeus incrédulos não são Igreja de Deus; quanto mais os gentios incrédulos! Pois se a incredulidade impediu os judeus [de participarem da Nova Aliança], certamente impedirá também os gentios. [Romanos 11:23] diz que se algum judeu não permanecer na incredulidade, este deverá ser enxertado novamente. Nós, permanecemos firmes somente por causa da fé, e porque somos enxertados contra a natureza.

 

Judeus E Gentios Permanecem No Corpo De Cristo Somente Pela Fé

 

Dito isso, concluímos que não há outro caminho, no Evangelho, para entrar ou permanecer na Igreja de Deus, a não ser pela fé, seja judeu ou gentio. O apóstolo estava longe de concluir que os gentios se achegam a Cristo por sua própria natureza; ao invés disso, ele afirma que eles são enxertados contra a natureza. Isso claramente estabelece que, sem fé, tanto judeus como gentios estão fora [do Corpo de Cristo].

 

O Fundamento Da Aliança Na Carne Que Deus Fez Com Abraão

 

Como já mencionei antes, a Antiga Aliança foi feita com Abraão não porque ele já era crente, mas sim porque teve fé que Cristo seria seu descendente segundo a carne, [conforme prometido]. Se pudermos encontrar na Escritura qualquer gentio de quem Cristo descendeu segundo a carne, então teríamos razão em afirmar que uma aliança representativa foi válida na descendência desse gentio até a primeira vinda do Messias.

 

O Anticristo Nega Que Cristo Veio Em Carne

Mas espero que ninguém será anticristo a ponto de negar que Cristo veio em carne. Em 2 Coríntios 5:16, Paulo diz: “Assim que daqui por diante a ninguém conhecemos segundo a carne, e, ainda que também tenhamos conhecido Cristo segundo a carne, contudo agora já não o conhecemos deste modo”.

 

[Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem e, presentemente, já está no mundo (1João 4:2-3)].

 

O Que Significa E O Que Não Significa Conhecer Cristo Segundo A Carne

 

Homens eram conhecidos como pessoas privilegiadas na Igreja de Deus, por estarem na Aliança da Circuncisão. Mas “daqui por diante”, [uma referência à vinda de Cristo], “a ninguém conhecemos”, nem ao próprio Cristo, como permanecendo naquela Aliança. Isso porque Ele é agora conhecido por ser Aquele que recebeu um ministério mais excelente que o ministério da Circuncisão; o Mediador de uma Aliança melhor com promessas melhores [Hebreus 8:6-7]. Estas palavras confirmam o que foi dito: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” [2 Coríntios 5:17]. E: “Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão, nem a incircuncisão tem virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura” [Gálatas 6:15]. Portanto, agora não mais conhecemos homens por causa da carne. Não conhecemos a Cristo por causa da circuncisão, mas porque veio encarnado, sendo o Ministro e Mediador de uma melhor aliança, firmada em melhores promessas.

 

Estar Na Aliança Pela Fé É O Oposto De Estar Na Aliança Por Natureza

 

Romanos 11 pouco é útil para defender que a Aliança de Vida Eterna é válida para a descendência dos crentes; de fato, esse capítulo corta o mal pela raiz ao afirmar que nenhum gentio, nem os filhos dos gentios, são enxertados na Árvore, a não ser contra a natureza, o que deve acontecer pela fé.

 

Duas Sementes E Duas Alianças

 

Portanto, ao compreender o quadro completo e o propósito desse texto, veremos que havia duas sementes e duas Alianças; e que certo número dos que eram da Antiga Aliança foram eleitos para a Nova Aliança e o restante de todo o povo de Israel se fez cego e endurecido, e nunca obteve direito a essa Nova Aliança.

 

Quando Jesus Cristo, a essência da Antiga Aliança, veio, então essa Antiga Aliança cessou, restando-nos agora uma única aliança, a Nova Aliança. Nela estão apenas os que creram e permanecem no Corpo de Cristo. Todos os incrédulos, judeus ou gentios, estão completamente excluídos da Igreja e de todos os privilégios da Igreja.

 

 

 

CAPÍTULO QUINZE

 

1 Coríntios 10:1-4 e o Batismo Infantil

 

“Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem, e todos passaram pelo mar. E todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar, e todos comeram de uma mesma comida espiritual, e beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo”.

 

A Pregação Da Nova Aliança Estabelece As Coisas Celestiais,

Não As Sombras Terrenas

 

Essa é outra passagem usada para provar que a Aliança da Salvação está vinculada à carne. Mas amados, o propósito do apóstolo aqui (como em toda Escritura) é explicar o mistério e a essência daquilo que as coisas terrenas representavam e eram sombras.

 

“E Todos [Os Judeus] Foram Batizados Em Moisés”

 

Amados, saibam que todas essas coisas das quais o apóstolo fala, eram representações e cerimônias que pertenciam aos judeus. “E todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar”. Paulo não diz que eles foram todos batizados em Cristo, mas em Moisés. Essa é a principal questão da qual tratarei.

 

Moisés Foi Apenas Um Tipo Para Um Povo Que Também Era Um Tipo

 

Devemos entender que Moisés era um tipo de Cristo. Ele era o salvador enviado para tirar o povo da terra do Egito, de sua escravidão, e leva-los à Canaã. Ele era o mediador de uma aliança temporária (Gálatas 3:19). A Aliança temporária era um tipo da aliança espiritual bem como Israel era um tipo da Igreja. A redenção temporária de Israel do Egito para Canaã era também um tipo da redenção espiritual do pecado, da escravidão, do mundo e do diabo para a Canaã celestial.

 

Abraão E Moisés Estavam Sob A Aliança De Obras

 

A Aliança da qual Moisés foi mediador era a Aliança da Circuncisão. Essa era a Aliança de Obras que foi entregue a Abraão e depois disso, comunicada por escrito a Moisés. Atos 15:1 diz que alguns ensinavam ser necessário circuncidar e guardar a Lei de Moisés e que “Se não vos circuncidardes conforme o uso de Moisés, não podeis salvar-vos”. Esses falsos mestres eram da mesma opinião desses que em nossos dias defendem ser a Aliança da Circuncisão uma Aliança de Vida. Eles concluíam que as pessoas que estivessem fora da Circuncisão não poderiam ser salvas. No versículo 5, lemos: “Alguns, porém, da seita dos fariseus, que tinham crido, se levantaram, dizendo que era mister circuncidá-los e mandar-lhes que guardassem a lei de Moisés”. Mas no versículo 10, Pedro lhes respondera: “Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar?”. Esse “jugo” era a Aliança da Circuncisão, que da parte de Deus, era a promessa da terra de Canaã, e o que nela havia de bom, como também a proteção e preservação; e da parte dos judeus, a obrigação de cumprir a Lei. Observe que Esdras e Neemias haviam jurado, juntamente com o povo, obedecer essa Aliança sob pena de maldição. [Portanto, visto que nenhum homem pode cumprir a Lei, esse jugo era insuportável].

 

Os Falsos Mestres Da Galácia Tentaram Fazer Da Circuncisão Uma Aliança De Vida

 

Essa era a Aliança à qual os falsos mestres persuadiram os gálatas a aceitarem como Aliança de Vida, dizendo-lhes não haver salvação fora dela. Essa Aliança o apóstolo Paulo chama de “carne”, em Gálatas 3:3. Em Romanos 4:1-2, ele diz: “Que diremos, pois, ter alcançado Abraão, nosso pai segundo a carne? Porque, se Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não diante de Deus”. Paulo está dizendo que a Aliança na carne é uma Aliança de Obras. No versículo 10, ele deixa claro que a Circuncisão é oposta ao Evangelho, no qual Abraão creu antes de ser circuncidado. No capítulo 3 de Gálatas, ele também mostra que a Aliança da Graça se opõe à Aliança de Obras. Uma ele chama de “Espírito”, outra de “carne”. Além disso, o apóstolo explica, no capítulo 5, versículos 1-3: “Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão. Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. E de novo protesto a todo o homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei”.

 

A Primeira Aliança Era Um Jugo De Servidão

 

Observe novamente que, como Pedro (Atos 15:10), Paulo também chama aquela Aliança de “jugo de servidão”. É evidente que [os crentes] foram libertos e desobrigados daquilo que foi abolido. [Os que estão sob o Evangelho] estão livres do jugo, o qual ninguém pode suportar. O versículo 4, por sua vez, mostra que a circuncisão é oposta à Aliança da Graça e é melhor explicado à luz de Gálatas 6:12-13.

 

Moisés Era Um Tipo Do Redentor, Mediador E Salvador

 

A libertação do Egito é um tipo da libertação do inferno. A nação de Israel, segundo a carne, que foi redimida do Egito, é um tipo da Igreja, que foi redimida da servidão espiritual. Moises era, então, um tipo de Cristo, nosso Redentor, Mediador e Salvador. É isso que nos diz o apóstolo em 1 Coríntios 10:6.

 

A Fé E O Batismo Mostram Que A Igreja Está Na Nova Aliança

 

Esse é o sentido do texto: quando uma pessoa crê e mostra fé em Cristo, ela deve ser batizada em Cristo Jesus, o Mediador da Nova Aliança.

 

O Batismo Em Moisés E O Batismo Em Jesus

 

O judeu ao nascer, ou o servo comprado por dinheiro, ou o estrangeiro que coabitasse com alguma família de Israel, que tinham direito à Aliança da Circuncisão, da qual Moisés era o mediador, era “batizado em Moisés, na nuvem e no mar”. Esse Batismo era uma confirmação real da libertação do Egito para Canaã pelas mãos desse Moisés, assim como nosso Batismo é uma confirmação do livramento da morte e da condenação eterna por Jesus, o Mediador.

 

O Alimento Espiritual Mostra Jesus Cristo

 

No versículo 3 [de 1 Coríntios 10] o apóstolo fala figuradamente de um alimento espiritual. Não que o maná, que alimentou toda a nação de Israel, era em si espiritual, mas era uma figura do pão espiritual. Em João 6:32-33, Cristo diz aos judeus: “Disse-lhes, pois, Jesus: Na verdade, na verdade vos digo: Moisés não vos deu o pão do céu; mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu. Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo”. Observe o tempo verbal: Deus não “deu” o pão, Deus “dá” o pão. Esse é o pão verdadeiro, e não aquela sombra terrena.

 

“E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede”.

 

As Ordenanças De Hebreus 9

 

As ordenanças carnais (Hebreus 9:10) prefiguravam as coisas espirituais. Pois os sacrifícios pelo pecado apontavam para Cristo, mas não eram Cristo, de fato; assim também a remissão de todo o povo de Israel, alcançada por meio dos sacrifícios, deve ser entendida como um tipo [da graça que alcançamos em Cristo].

 

Os Sacrifícios E A Ira De Deus

Uma pessoa podia estar sob aquela remissão, que prefigurava a verdadeira graça, e ao mesmo tempo sob a ira de Deus. [Por outro lado], um pobre gentio, do mais longínquo lugar da terra, poderia crer, como Raabe, e ser verdadeiramente justificado, mesmo não estando debaixo dessas ordenanças do Antigo Pacto. Daí, concluímos que nem todos os judeus tinham a Aliança de Vida Eterna embora tivessem uma Aliança temporária, da Lei e dos privilégios que não eram Cristo, mas que para ele apontavam.

 

A Antiga Aliança Apenas Apontava Para As Coisas Celestiais

 

Essas coisas são chamadas em Hebreus 9:23, de “figuras das coisas que estão no céu”, e em Gálatas 4:9, de “rudimentos fracos e pobres”. A obediência à Lei era um tipo da obediência pela fé (Deuteronômio 30:12-14 e Romanos 10:6-10).

 

Portanto, amados, a obediência literal à Lei praticada pelos judeus, embora prefigurasse a fé em Cristo, não era uma obediência espiritual.

 

 

 

CAPÍTULO DEZESSEIS

 

O Batismo E A Santa Ceia

São Símbolos Das Coisas Espirituais

 

Alguns podem dizer que, embora o Batismo e a Santa Ceia sejam sinais das coisas espirituais, esses sacramentos não são de fato espirituais.

 

Tipos E Figuras Apontavam Para A Vinda De Cristo

 

As Ordenanças Do Evangelho Confirmam Que Ele Já Veio

 

Amados, aqui se encontra o fundamento de tão grande erro: a falta da distinção entre os tipos e figuras que apontavam para a vinda de Cristo, e os sacramentos que confirmam e ratificam que Ele já veio. Aqueles que apontavam para a vinda do Messias pertenciam ao povo de Israel, a descendência de Abraão segundo a carne que era um tipo da Igreja, a descendência espiritual.

 

As Ordenanças Do Evangelho Mostram Que Cristo Habita No Coração Pela Fé

 

Mas agora, esses sinais, ou seja, os sacramentos instituídos desde a vinda de Cristo, para confirmar que Ele veio, pertencem somente à Igreja, àqueles em cujos corações, pela fé, Cristo já habita. Cristo é a essência, o Mediador de uma aliança espiritual, de maneira que a administração espiritual da aliança espiritual pertence somente a estes que estão em Cristo e em Sua Nova Aliança pela fé.

 

O Batismo Deve Ser Ministrado Somente Aos Que Professaram A Fé

 

No Novo Testamento, fé e arrependimento são requisitos para aqueles que querem ser batizados: “[…]que impede que eu seja batizado? E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração” (Atos 8:36-37). Isso implica que não é lícito batizar qualquer que não creia de todo o coração.

 

Do mesmo modo, quando Cristo administrou a Santa Ceia, ordenou que fosse recebida por Seus discípulos: “E, quando comiam, Jesus tomou o pão, e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos” (Mateus 26:26-27). Paulo, por sua vez, disse: “Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice” (1 Coríntios 11:28).

 

Se não fecharmos os olhos diante de tão clara luz, veremos que certamente as ordenanças da Antiga Aliança não requeriam tais qualificações. No entanto, esses são requisitos fundamentais a serem encontrados naqueles que participam desses sacramentos da Nova Aliança.

 

A Fé Não Era Necessária Para A Circuncisão

 

Não era necessário que a pessoa a ser circuncidada cresse e se arrependesse, ou tivesse fé em Cristo, ou se convertesse e tornasse discípula pela pregação da palavra. A instituição dessa antiga ordenança foi: “Com efeito será circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por teu dinheiro” (Gênesis 17:13). Ainda que fossem os mais ignorantes e incrédulos, ou que fossem filhos de pais perversos, esses deveriam ser circuncidados.

 

O Batismo É A Confirmação Do Novo Nascimento Do Crente

 

Mas o Batismo é a confirmação de nosso novo nascimento, nossa regeneração e união com Jesus Cristo pela fé. Pertence, portanto, somente àqueles que nasceram da água e do Espírito.

 

A Páscoa E A Santa Ceia

 

Judeus, cativos, escravos comprados por dinheiro, pagãos e até canaanitas; todos participavam da Páscoa. Mas a Ceia do Senhor pertence apenas aos discípulos capazes de discernir o corpo de Cristo pela fé. Sem fé, trazemos julgamento para nós mesmos e nos fazemos culpados do corpo e do sangue do Senhor. “Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice”. O ensino do apóstolo nesse capítulo é principalmente que, assim como Israel, a Igreja de Deus da Antiga Aliança, era corrigida por Deus para mostrar ao mundo que Ele não tolerava o pecado e repreendia duramente Seu povo por causa da perversidade, também a Igreja, na Aliança da Graça, não pode escapar sem repreensões e admoestações caso se tornem contra Deus em seus pecados. Esse é o escopo do texto; as advertências são dadas aos que estão na Igreja e professam estar na Aliança da Graça, pois se essa profissão não for verdadeira, estão em terrível pecado.

 

Objeção

“Os santos do Antigo Testamento não cumpriam as ordenanças com o coração voltado para as coisas espirituais?”

Resposta

 

Ninguém duvida que assim o fizessem, pelo contrário, podemos citar, por exemplo, o caso de Abel que, pela fé, ofereceu sacrifício mais excelente do que o de Caim. Os deveres da Aliança de Obras executados pela fé, que tinham Cristo em vista, eram aceitos, embora cerimonialmente.

 

A Realização Das Cerimônias Da Lei Não Dependia Da Fé

 

Observe que os judeus que não tinham fé eram tão capazes de realizar as cerimônias requeridas pela Lei na Antiga Aliança, quanto os verdadeiros crentes.

 

O Catecismo Do Livro de Oração Comum[27] Está De Acordo Com Essa Doutrina

 

Mas de modo algum o mesmo pode ser dito sobre os deveres da Nova Aliança: arrependimento, oração em espírito, ações de graças, e diversos outros meios da graça perpétuos e universais a todos os santos. Os judeus incrédulos não eram capazes de verdadeiramente realizarem essas coisas; eles cumpriam as ordenanças apenas porque eram regras e instituições dadas [à sociedade]. O Catecismo do Livro de Oração Comum, recebido como regra por todos que participavam da liturgia, diz que a profissão de fé e o arrependimento são requisitos para o Batismo. E livro litúrgico confirma a doutrina pela qual temos batalhado, que somente aqueles que têm fé e arrependimento em seus corações, e professam isso, devem ser batizados.

 

Objeção

 

Alguns não trazem seus amigos para serem curados, e Cristo, ao ver a fé daqueles que os trazem, não lhes cura? Se os crentes creem por outros, para a cura de suas enfermidades, não podem também crer para a salvação deles?

 

Resposta

 

Esse é um argumento dos papistas com o qual alguns se voltam para seus ídolos, ao invés de se separarem deles.

 

Deus deu o dom de cura a muitos, de maneira que a fé de um contribui para a cura de outro. Podemos citar, como exemplo, o caso do Centurião (Mateus 8:5-13), e de Jairo, o principal da sinagoga. Mas isso não prova que um homem pode vir a ter união com Cristo, bem como a justificação e a vida eterna através da fé de outro.

 

Nesse caso, o profeta disse: “O justo viverá pela sua fé” (Habacuque 2:4 e Romanos 1:17). Também está escrito: “Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (João 3:18). Alguns argumentam que em Hebreus 7, até Levi pagou dízimo por meio de Abraão. Por que então não podemos crer e nos arrepender por meio de nossos pais crentes?

 

Abraão Pagou Dízimo A Melquisedeque Como Figura Pública

 

Parece-me que o ato de Abraão de pagar dízimos a Melquisedeque foi realizado como figura pública. Assim, ele representou sua posteridade; mas isso não significa que ele tenha crido e se arrependido para sua posteridade.

 

O Pecado E A Queda De Adão Como Pessoa Pública

 

Sabemos que Adão, em sua Queda, cometeu pecado como uma pessoa pública, [ou seja, sendo ele representante de toda humanidade]. Com isso, toda a humanidade caiu em pecado, Romanos 5. Entretanto, isso não significa que todos os demais atos de Adão eram realizados como figura pública. Se toda a posteridade de crentes, centenas de anos depois, como Levi e Abraão, tivessem crido e se arrependido por meio de seus pais, então todos os homens creem, pois todos são descendentes de Noé.

 

Novamente, observe que se a Aliança de Vida pertence aos filhos dos crentes, as igrejas não precisam padecer por falta de membros, pois todo o mundo é filho e herdeiro de Noé.

 

[Pela lógica] dessa objeção, todos têm direito à Aliança, pois todos somos filhos de um crente: Noé.

 

 

 

CAPÍTULO DEZESSETE

 

Mateus 19:13-14

 

“Trouxeram-lhe, então, alguns meninos, para que sobre eles pusesse as mãos, e orasse; mas os discípulos os repreendiam. Jesus, porém, disse: Deixai os meninos, e não os estorveis de vir a mim; porque dos tais é o reino dos céus”.[28]

 

Alguns utilizam esse texto como argumento a favor [do Batismo infantil e] da Aliança de Vida Eterna segundo a carne. Portanto, examinaremos seu significado.

 

Quem Eram Os Pais Dessas Crianças?

 

Primeiro, o texto não menciona quem eram os pais dessas crianças que foram levadas a Cristo. É possível que elas fossem judias, da descendência de Abraão, mas não sabemos se seus pais eram crentes ou pessoas ímpias. Pelo discurso anterior, é mais provável que fossem ímpios, pois alguns haviam tentado e questionado Jesus.

 

Por Que Elas Foram Trazidas?

 

Segundo, por qual motivo aquelas crianças foram levadas a Cristo? Certamente não foi para que fossem batizadas, pois [a Escritura afirma que] Jesus não batizava, mas sim Seus discípulos. João 4:2. Para que, então, elas haviam sido levadas? Marcos diz: “, tomando-os nos seus braços, e impondo-lhes as mãos, os abençoou” (Marcos 10:16). Mateus, por sua vez, relata: “E, tendo-lhes imposto as mãos, partiu dali” (Mateus 19:15).

 

As Crianças Foram Levadas Para Que Cristo As Abençoasse E Curasse

 

Tendo já considerado essas coisas, a meu ver, é provável que aquelas crianças haviam sido levadas para que Jesus as curasse de alguma enfermidade. Naqueles dias, era normal que pessoas fossem curadas pela oração e imposição de mãos.

 

Dos Tais É O Reino De Deus

A principal expressão do texto é essa: “dos tais é o reino dos céus”. Dessas palavras, alguns concluem que todas as crianças de pais crentes pertencem ao Reino de Deus; e se pertencem ao Reino de Deus, então têm todos os privilégios desse Reino.

Entendendo O Texto

 

Mas seria muito duvidoso que essas crianças tivessem pais crentes em quinto ou sexto grau[29]. O texto diz: “de tais é o reino dos céus”, e devemos entender assim: [assim como tudo no mundo, criado por Deus], todas as crianças nascidas de crentes e os bebês pertencem ao Reino de Deus. Esse texto não pode ser tomado a favor da Aliança segundo a carne, pois como vimos, muitos filhos de crentes nunca pertenceram ao Reino de Deus nesse sentido: Adão teve Caim e Abel, Noé teve Cam e Sem, Abraão teve Ismael e Isaque, Isaque teve Esaú assim como Jacó. Em todos esses casos crentes geraram povos ímpios bem como ímpios geraram pessoas eleitas.

 

Os Pedobatistas São Contra Cristo Em João 3:3-5

 

Mas se “reino dos céus” significa o estado ou condição em que está o homem por virtude da Aliança de Vida Eterna, ao qual pertencem os filhos dos crentes, por direito de nascimento, então [esse texto] contradiz a doutrina [ensinada] por Cristo a Nicodemos em João 3:5.

 

Objeção

 

“É possível que as crianças creiam, pois Mateus 18:3-6 diz que não devemos escandalizar os pequeninos que creem”.

 

Resposta

 

Se você puder garantir que uma criança crê, e que, consequentemente pertence ao reino dos céus, não discordarei. Se for crente, está em Cristo e terá o Reino de Deus. Mas em que isso favorece a falsa doutrina do Batismo infantil?

 

Marcos 10

 

O verdadeiro significado do texto se faz mais claro quando o comparamos com Marcos 10:13-15. Aqui, “dos tais é o reino de Deus”, no versículo 14, é complementado pelo versículo 15: “Em verdade vos digo que qualquer que não receber o reino de Deus como menino, de maneira nenhuma entrará nele”. Isso interpreta a frase anterior. Ou seja, os que pela graça se assemelham a como as crianças são por natureza, esses são pela vontade de Deus, subjugados e trazidos a um estado de espírito semelhante ao de uma criança; esses são como aqueles dos quais é o Reino de Deus. Quando os discípulos discutiam quem era o maior entre eles, Cristo chamou uma criança para mostrar um padrão de humildade. Em 1 Coríntios 14:20, Paulo diz: “Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia, e adultos no entendimento”. E Pedro: “Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo” (1 Pedro 2:2).

 

A Analogia Entre O Natural E O Espiritual

 

Assim como há uma analogia entre o marido e a esposa, e Cristo e a Igreja, também há na Escritura uma analogia entre uma criança por natureza e uma criança por graça, como nascimento natural e o nascimento espiritual; uma alusão ao nascimento natural e o nascimento espiritual, a amamentação pelo seio da mãe e a amamentação dada por Deus. Um bebê por natureza confia em seus pais. Da mesma forma, o regenerado confia em Cristo. Se uma criança quiser qualquer coisa, ela pedirá a seus pais; assim, aquele que nasceu de novo deve pedir a Deus aquilo que quer. Se alguma coisa causa dano a um bebê, ele chora e queixa-se com seu pai; igualmente, se um filho de Deus é oprimido, ele clama ao seu Pai. A criança imita a seu pai e a seus irmãos; o regenerado imita a Deus, a Jesus Cristo e os piedosos.

 

Entendo que esse é o verdadeiro sentido de “dos tais é o Reino de Deus”, ou seja, das almas espiritualmente qualificadas pela graça de Deus, dos piedosos e dos regenerados, de tais é o Reino de Deus. Isso está de acordo com o contexto.

 

Portanto, peço que considere seriamente que toda a Palavra do Senhor rejeita essa Aliança da Graça segundo a carne, e o Batismo infantil, e não aprova essas ideias tão destrutivas à verdade de Deus em suas consequências.

 

 

CAPÍTULO DEZOITO

 

Uma Aliança Com Duas Administrações?

 

Alguns alegam o seguinte: “Isso que vocês chamam de Aliança de Obras, que consiste em promessas temporárias, de leis e estatutos, não deve ser entendido como outra Aliança senão a de Vida Eterna, mas com diferente forma de Administração. As crianças não tinham direito aos principais privilégios da Aliança, ou seja, à adoção e justificação, somente àquelas promessas externas feitas a seus pais”.

 

Resposta

 

Essa objeção é inconsistente com seus próprios argumentos, pois caso seja verdadeira, então a Aliança feita Abraão não foi feita com sua descendência; os descendentes de Abraão recebiam apenas a administração dessa Aliança. Eles ainda podem negar isso dizendo que os judeus recebiam a administração porque a Aliança também foi feita com eles. Mas isso, sem dúvida, é falso. Vemos, na Escritura, diversas passagens que provam a existência de duas Alianças distintas, e, portanto, essa objeção não tem fundamento.

 

Em Gênesis 17:7, Deus diz: “E estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência depois de ti em suas gerações, por aliança perpétua, para te ser a ti por Deus, e à tua descendência depois de ti”.

 

Deus Não Disse Que Estabeleceria Uma Administração

De Sua Aliança, E Sim A Sua Aliança

 

Observe que o Senhor não disse que estabeleceria uma administração da Aliança com a descendência depois de Abraão em suas gerações, mas que estabeleceria Sua Aliança. No versículo 13, lemos: “estará a minha aliança na vossa carne por aliança perpétua”. E não: “a administração da minha aliança estará na vossa carne”.

 

“Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas. Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda. Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, Em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei uma nova aliança, não segundo a aliança que fiz com seus pais No dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; como não permaneceram naquela minha aliança, eu para eles não atentei, diz o Senhor” (Hebreus 8:6-9).

 

Duas Alianças E Duas Promessas Distintas

 

Uma Aliança está confirmada em melhores promessas, outra, em piores. As “piores” promessas precisam ser entendidas como bênçãos temporárias, livramentos e privilégios. Por isso a Escritura nos diz que essas coisas servem de exemplo e sombra das coisas celestiais (Hebreus 8:5). “Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda” (Hebreus 8:7). “Como não permaneceram naquela minha aliança, eu para eles não atentei, diz o Senhor” (v. 9). “Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar” (v. 13). Essas passagens são claras como o sol ao meio dia; houve uma Aliança real feita com os judeus. Foi feita antes com Abraão e escrita por Moisés quando saíram do Egito. Eles quebraram essa Aliança (Jeremias 31:32). Em Hebreus, essa Aliança é chamada de “velha”; ela continha sombras e figuras das coisas celestiais. No capítulo 9, o autor mostra que havia dois Testamentos: o Primeiro Testamento foi confirmado por sangue de bodes, o segundo foi confirmado pelo sangue de Cristo.

 

Se isso não fosse verdade, então também não seria verdade que a Aliança foi feita com os descendentes de Abraão. Não teria havido nenhuma aliança feita com Israel, somente uma administração exterior e cerimonial.

 

Uma Exposição de Gálatas 4:21-26 & Gálatas 5:1-3

 

Resta Apenas Uma Aliança Entre Cristo E Sua Descendência

 

Que existiam duas Alianças, não se pode contestar; isso se vê no Novo Testamento, como já antes mencionado. Trataremos agora dos textos de Gálatas:

 

“Dizei-me, os que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei? Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava, e outro da livre. Todavia, o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa. O que se entende por alegoria; porque estas são as duas alianças; uma, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar. Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos. Mas a Jerusalém que é de cima é livre; a qual é mãe de todos nós” (Gálatas 4:21-26).

“Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão. Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. E de novo protesto a todo o homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei” (Gálatas 5:1-3).

 

As Duas Alianças E As Duas Sementes

 

Abraão representa Deus; ele e suas duas mulheres, Sara e Agar, são tipos, ou figuras. Elas representam as duas Alianças de Deus. Os dois filhos, Ismael e Isaque, representam as duas descendências nessas Alianças. Sara, a mulher livre, representa a Aliança da Graça, e Agar representa a Aliança de Obras. Ambas continuaram na casa de Abraão por algum tempo.

 

Abraão Gerou Ismael Sem Fé Na Promessa E Isaque Com Fé Na Promessa

 

Abraão possuiu primeiro a mulher livre, e em seguida, a escrava. A mulher livre era estéril, mas a escrava era frutífera. Assim, o primeiro filho foi gerado pela mulher escrava, pela força da natureza, sem fé na promessa. Isaque, porém, foi gerado de uma mulher livre, pela fé na promessa, e não pela força da natureza. Sara continuou na casa de Abraão juntamente com a escrava e seu filho, sem nenhuma hesitação, até que Isaque nasceu e foi desmamado. Quando houve conflito entre o filho da escrava e Isaque, Sara testemunhou contra Agar e Ismael, e não mais permitiu que todos habitassem juntos na mesma casa.

 

A Explicação Do Mistério

 

O capítulo 4 de Gálatas explica, então, o mistério:

 

A Força Da Natureza E O Poder Da Fé Na Promessa

 

Deus fez primeiro a Aliança da Graça, assim como Abraão possui primeiro a mulher livre. Esta Aliança, em grande medida, era estéril e não gerou nenhuma semente. Era tão estéril quanto Sara, principalmente com relação à semente fundamental, Jesus Cristo, de quem Isaque era um tipo. Ao mesmo tempo em que Deus fez essa Aliança, estabeleceu também outra, a Aliança de Obras, da qual Agar fazia parte. Com isso, Deus deu a Abraão descendência em abundância, gerada pela força da natureza e sem fé na promessa. Por um tempo, a Aliança da Graça continuou estéril. Nesse tempo, ambas Alianças se deram muito bem juntas na casa de Deus. Até que, finalmente, assim como Sara gerou Isaque, a Aliança da Graça trouxe Jesus Cristo, sem a força da natureza, mas pela fé na promessa (Mateus 1:21 e Lucas 1:31).

 

Jesus Cristo

 

Quando Cristo veio, a Aliança da Graça e a Aliança de Obras ainda permaneciam juntas em Israel. Mas quando Ele, o verdadeiro Isaque, se fez Ministro, os escribas, fariseus, os sumos sacerdotes e todos os filhos de Agar, na Antiga Aliança, o perseguiram.

 

A Mulher Livre E A Escrava Não Permanecem Juntas

 

Então, assim como fez a mulher livre, a Aliança da Graça testifica que a Aliança de Obras não deve mais permanecer na Igreja. Mas de agora em diante, apenas a nova Aliança e seus filhos gerados pela fé na promessa devem permanecer na casa de Deus.

 

A Abundância De Frutos Da Aliança Da Graça

 

A Aliança da Graça se tornou frutífera, tendo descendentes em todas as nações. Por isso disse o apóstolo: “Mas a Jerusalém que é de cima é livre; a qual é mãe de todos nós” (Gálatas 4:26), em que “nós” é uma referência àqueles que nasceram do alto pela fé na promessa.

 

Daí está claro que os filhos de crentes não pertencem naturalmente à Igreja. Quando Cristo, a verdadeira semente da Aliança, foi perseguido pelos judeus, que eram os filhos da Aliança de obras, o Evangelho testificou da abolição dessa Antiga Aliança, e lançou fora da Igreja de Deus todos os filhos bastardos:

 

“Então os judeus, vendo a multidão, encheram-se de inveja e, blasfemando, contradiziam o que Paulo falava. Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios” (Atos 13:45-46).

 

Agar É Um Tipo Da Antiga Aliança Que Foi Lançada Fora

 

Como vemos no capítulo 11 de Romanos, e também no capítulo 4 de Gálatas, que diz expressamente no versículo 25: “Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos”, está claro que a mulher escrava e seu filho, ou seja, que a Aliança de Obras e todos aqueles relacionados a Abraão somente por essa aliança, foram lançados fora da casa de Deus.

Quão contrária à Escritura é esta opinião de que os filhos dos crentes, apenas por causa disso, pertencem à Igreja de Deus! Se os judeus segundo a carne, que eram realmente descendentes de Abraão não tiveram a honra de serem trazidos para a Aliança da Graça, que diremos então dos filhos dos gentios que ainda são inimigos de Deus por natureza?

CAPÍTULO DEZENOVE

 

Não Há Fundamentos Para O Batismo Infantil

 

Essa Prática É Um Ídolo Do Coração Humano

 

Não existem fundamentos para o Batismo infantil, portanto, essa prática é fruto da imaginação humana, que lança a mente do povo em profundas trevas. Eles fizeram para si esse ídolo, mas Deus responde de acordo:

 

“Então veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: Filho do homem, estes homens levantaram os seus ídolos nos seus corações, e o tropeço da sua maldade puseram diante da sua face; devo eu de alguma maneira ser interrogado por eles? Portanto fala com eles, e dize-lhes: Assim diz o Senhor DEUS: Qualquer homem da casa de Israel, que levantar os seus ídolos no seu coração, e puser o tropeço da sua maldade diante da sua face, e vier ao profeta, eu, o SENHOR, vindo ele, lhe responderei conforme a multidão dos seus ídolos; para que eu possa apanhar a casa de Israel no seu coração, porquanto todos se apartaram de mim para seguirem os seus ídolos” (Ezequiel 14:2-5).

 

Aqui vemos que quando os homens levantam ídolos em seus corações, Deus responde conforme a multidão desses ídolos e abate os cegos com a certeza do julgamento.

 

Os Defensores Do Batismo Infantil Sabem Que Não Há Fundamentos
Para Essa Prática No Novo Testamento

 

Os próprios defensores do Batismo infantil, inclusive os mais intelectuais com os quais tenho encontrado, reconhecem que não existe nenhuma ordem ou exemplo dessa prática no Novo Testamento. Essa prática é uma consequência do [entendimento errado da doutrina da Aliança]. Afirmar que a Aliança de Vida Eterna é válida para os filhos dos crentes é um equívoco perigoso. Essa consequência é tão falsa e corrompida quanto o entendimento [da doutrina] do qual decorre.

 

Essa Prática Torna Vazios Os Mandamentos De Deus

 

Sem fundamento na Palavra de Deus, nem mandamento ou exemplo, a prática do Batismo infantil é mera tradição de homens, colocada no lugar da verdadeira ordenança, a saber, o Batismo de crentes. Essa tradição infundada torna os mandamentos de Deus vazios, assim como faziam os judeus: “Em vão, porém, me honram, ensinando doutrinas que são mandamentos de homens. Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos homens; como o lavar dos jarros e dos copos; e fazeis muitas outras coisas semelhantes a estas. E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição” (Marcos 7:7-9). E versículo 13: “Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas”.

 

Os Que Ensinam O Batismo Infantil
Desprezam As Ordenanças De Jesus E Exaltam Seus Próprios Ídolos

 

Amados, em quão grande pecado se encontram os que defendem essa tradição. Eles difamam o mandamento do próprio Deus, pois a Escritura diz: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo” [Atos 2:38], ou seja, sejam batizados todos os que se arrependerem. Ananias disse a Paulo: “Levanta-te, e batiza-te, e lava os teus pecados, invocando o nome do Senhor” (Atos 22:16). No capítulo 10 de Atos, Pedro manda que Cornélio e todos quantos haviam sido convidados (v. 24) e crido na pregação fossem batizados em nome do Senhor.

 

Os privilégios do Novo Testamento que pertencem aos crentes e piedosos se tornam vazios com o Batismo de crianças. As pobres almas a quem ensinam ser correta essa prática, são alimentadas com desrespeito e desobediência à ordenança do Batismo, porque esta tal invenção toma lugar do mesmo. Considere quão pecaminoso é o Batismo infantil, uma invenção supersticiosa colocada no lugar da adoração a Deus.

 

Nenhum Ídolo Deve Ser Colocado No Lugar De Deus E Suas Ordenanças

 

Não devemos separar Deus de suas ordenanças. A alma que devidamente reconhece os mandamentos de Deus, O exalta. Estabelecer uma forma de culto no lugar daquele ordenado por Deus é, de fato, colocar no lugar dEle um falso deus.

 

Nadabe E Abiú

 

Muitos perguntam onde Deus proibiu a prática do Batismo infantil. Portanto provarei com a Escritura que fazer coisas [que Deus não ordenou] no lugar daquilo que Ele ordenou é abominação. Veja como Deus trata aqueles que praticam esse pecado: “E disse o Senhor: Porque deixaram a minha lei, que pus perante eles, e não deram ouvidos à minha voz, nem andaram nela, antes andaram após o propósito do seu próprio coração, e após os baalins, como lhes ensinaram os seus pais. Portanto assim diz o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel: Eis que darei de comer losna a este povo, e lhe darei a beber água de fel” (Jeremias 9:13-15).

Veja que Divino e triste exemplo temos contra esse pecado em Levítico 10:1-2. Nadabe e Abiú ofereceram fogo estranho perante Deus, como diz o texto; o texto não diz que eles ofereceram o que Deus “tinha proibido”, mas o que Deus “não lhes ordenara”.

 

O Abandono Do Credobatismo E A Prática Do Pedobatismo

 

Este é o caso daqueles que persistem nessa tradição. Eles abandonam a Lei do Batismo de crentes colocada diante deles, e não obedecem a voz de Deus. Eles aspergem crianças por conselho dos seus próprios corações. Eles se parecem com Saul, como quando ofereceu holocausto (1 Samuel 13). Este texto se aplica a eles: “Os sábios são envergonhados, espantados e presos; eis que rejeitaram a palavra do Senhor; que sabedoria, pois, têm eles?” (Jeremias 8:9). E também este: “E edificaram os altos de Tofete, que está no Vale do Filho de Hinom, para queimarem no fogo a seus filhos e a suas filhas, o que nunca ordenei, nem me subiu ao coração” (Jeremias 7:31). Por causa dessas coisas Deus ameaçou destruí-los.

 

Uzá E A Arca

 

Veja como Uzá foi ferido por ter tocado na Arca, o que Deus não havia ordenado. Deus mandou que somente os sacerdotes se encarregassem de transportar a Arca, ninguém mais.

 

A Ordenança De Deus É Para Os Crentes Apenas E Não Para Crianças

 

Deus deu exemplo e ordem para que se batizasse apenas o crente, e não crianças. Ignorar isso foi o erro de Uzá, bem como o do rei Uzias (2 Crônicas 26:16-18). Aqui vemos o julgamento de Deus sobre Uzias porque, ao prestar culto, este fez o que Deus não havia ordenado. Deus o atingiu com lepra na testa. A mão de Deus o castigou para que isso servisse de exemplo àqueles que se aventuram em práticas pecaminosas, para oferecer quaisquer coisas a Deus que Ele mesmo não tenha ordenado, como se fosse um culto religioso, ao invés de fazer o que Ele manda. O Senhor é um Deus zeloso que visita a iniquidade do pai nos filhos até a terceira e quarta geração [Deuteronômio 5:9] daqueles que estabelecem para si mesmos alguma forma pela qual adoram a Ele.

 

Adoração Deve Ser Como Deus A Ordenou

 

Esteja certo de que a adoração é prescrita pelo próprio Deus, e não por nós mesmos. A adoração indevida que o homem coloca no lugar daquela ordenada por Deus é uma adoração aos demônios. “Deram culto a seus ídolos, os quais se lhes converteram em laço; pois imolaram seus filhos e suas filhas aos demônios e derramaram sangue inocente, o sangue de seus filhos e filhas, que sacrificaram aos ídolos de Canaã; e a terra foi contaminada com sangue”. Salmo 106:36-38. Que o homem não traga seus filhos e filhas e os ofereça a essa invenção que é o Batismo infantil!

 

O Testemunho A Favor Do Credobatismo E Contra O Pedobatismo

 

Nós e todos os homens piedosos no mundo sabemos que a Escritura é a Palavra de Deus; e que o testemunho infalível de homens Divinamente inspirados ensina que o Batismo de crentes é a ordenança instituída por nosso Senhor. Deus levantou, em todas as épocas, alguns que professaram a verdadeira Religião a fim de testemunharem contra a aspersão de crianças. Muitos, pela graça de Deus, renunciaram a esta prática pecaminosa.

 

Quando você considerar que a aspersão de crianças não foi ordenada, e que não temos exemplo algum para confirmação disso no Evangelho, verá então que esse costume é a consequência de um erro.

 

 

CAPÍTULO VINTE

 

O Batismo De Crentes Por Imersão

 

Obedecer A Deus É Bênção E Seguir As Invenções Humanas É Maldição

 

Espero que o temor de Deus mostre a você a dureza do coração daqueles que persistem na prática do Batismo infantil, negligenciando hedionda e pecaminosamente o dever tão solene do Batismo de crentes por imersão em nome do Pai, Filho e do Espírito Santo. Poderia alguém ser capaz de negar que as ordenanças solenes, de uso da Igreja do Novo Testamento, foram instituídas pelo próprio Deus, por causa de Sua própria fidelidade às promessas que fez? O Batismo infantil não foi instituído, nem está fundamentado em promessa de bênçãos, pelo contrário; os praticantes dessa “adoração” podem esperar a maldição, e não a bênção: “Tu os escutaste, Senhor nosso Deus: tu foste um Deus que lhes perdoaste, ainda que tomaste vingança dos seus feitos” (Salmos 99:8). E “Assim o provocaram à ira com as suas invenções; e a peste rebentou entre ele” (Salmos 106:29). Como fizeram em 2 Crônicas 26:19-21:

 

“Então Uzias se indignou; e tinha o incensário na sua mão para queimar incenso. Indignando-se ele, pois, contra os sacerdotes, a lepra lhe saiu à testa perante os sacerdotes, na casa do Senhor, junto ao altar do incenso. Então o sumo sacerdote Azarias olhou para ele, como também todos os sacerdotes, e eis que já estava leproso na sua testa, e apressuradamente o lançaram fora; e até ele mesmo se deu pressa a sair, visto que o Senhor o ferira. Assim ficou leproso o rei Uzias até ao dia da sua morte; e morou, por ser leproso, numa casa separada, porque foi excluído da casa do Senhor. E Jotão, seu filho, tinha o encargo da casa do rei, julgando o povo da terra”.

 

Veja que triste maldição Deus executou contra as invenções no culto. Uzias se encarregou de fazer o que cabia somente aos sacerdotes, e com isso, em certo sentido, quis colocar-se no lugar do próprio Deus. Isso se deu por causa da abundância de orgulho daquele rei para sua própria destruição.

 

Moisés Sobre Israel É Uma Figura De Cristo Sobre A Igreja

 

Moisés, como servo, foi fiel em toda a casa de Deus, dando a Israel a regra perfeita e exata de como o povo deveria prestar culto. Nada poderia ser adicionado nem diminuído (Deuteronômio 4:2).

 

Assim também Cristo, sendo o Senhor, é em tudo fiel à casa de Deus, [a Igreja, e instituiu as ordenanças e a maneira como deveriam ser administradas.]

 

“Porque toda a casa é edificada por alguém, mas o que edificou todas as coisas é Deus. E, na verdade, Moisés foi fiel em toda a sua casa, como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar; mas Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual casa somos nós, se tão somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim” (Hebreus 3:4-6).

 

“Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo […] Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam ainda de ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: Não toques, não proves, não manuseies? As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas dos homens” (Colossenses 2:20-22).

 

Os Protestantes E Seus Catecismos São Contra Os Papistas

 

Não defendem todos os protestantes, em suas disputas contra os papistas, que a fé e o arrependimento vêm antes do Batismo, refutando as alegações de que esse sacramento é para transmitir graça onde esta não existe e não para a confirmação e fortalecimento da graça onde esta existe? No Catecismo do “Common Liturgy”[30] da Igreja da Inglaterra, geralmente aceita por todos os protestantes, encontra-se a seguinte questão: “O que se requer daqueles que serão batizados?” A resposta é: “Fé e arrependimento”. Esta é uma manifestação explícita do julgamento dos protestantes que aderiram àquela liturgia, que ninguém deveria ser batizado senão os que se creram e se arrependeram. E não apenas isso, mas que também confessam fé e arrependimento. Esse é o porquê de haver no Batismo, como diz Pedro, “indagação de uma boa consciência”, 1 Pedro 3:21. Como no caso do Eunuco: “Eis aqui água; que impede que eu seja batizado? E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração” (Atos 8:36-37), e também em Atos 19:18: “E muitos dos que tinham crido vinham, confessando e publicando os seus feitos”.

 

Por Que Os Protestantes Defendem A Necessidade Da Fé Antes Do Batismo

 

Por que essa doutrina, de que a fé e o arrependimento devem preceder o Batismo, foi defendida em todas as eras? Porque os santos de todas as épocas concluíram que esse Batismo é o selo da Nova Aliança.

 

CAPÍTULO VINTE E UM

 

O Batismo Do Espírito Santo Substitui O Batismo Nas Águas?

 

Uma Resposta Às Objeções Dos Seekers E Dos Quakers

 

A Objeção Dos Seekers E Dos Quakers

 

“O Batismo de crianças é uma mera tradição que não deve ser praticada pelos cristãos. Além disso, cremos que a ordenança do Batismo foi dispensada somente aos crentes da Igreja primitiva. Nós, porém, recebemos o Batismo do Espírito Santo e, por isso, não precisamos do Batismo nas águas; esse era o Batismo de João, mas tendo vindo o Batismo do Espírito Santo, não há mais necessidade daquele”.

 

Resposta

 

Esses homens negam que qualquer ordenança de Batismo ainda seja válida. Mas essa certamente é uma opinião arrogante, contrária à doutrina de Cristo e Seu Evangelho. Em seguida, responderemos cautelosamente a essa questão:

 

O Batismo De João Era Mais Do Que Simplesmente O Batismo De João

 

Primeiro, você acha que o Batismo é de João? É verdade que João batizava na água, os que iam até ele, confessavam seus pecados e professavam fé no Cristo que haveria de vir. Porém, embora isso seja verdade, o Batismo de João, no sentido de que apontava para a vinda de Cristo, cessou. Mas Jesus, tendo vindo em carne, instituiu o Batismo de crentes por imersão outra vez, por causa de Sua morte e ressureição (Mateus 28:19-20 e Marcos 16:16). Depois de o Espírito Santo ter sido derramado de maneira extraordinária sobre Pedro, de acordo com a profecia de João [Mateus 3:11], o apóstolo, sob a direção infalível desse Espírito, ordena que todos cujos corações estavam compungidos se arrependessem e fossem batizados (Atos 2:38).

 

Todos Os Que Já Haviam Recebido O Batismo Do Espírito
Também Foram Batizados Na Água

 

Note que Pedro falava do Batismo na água, porque o Espírito Santo já havia descido sobre eles com dons extraordinários que os seguiram para testemunho do Evangelho, a saber, dons acerca dos quais Joel havia profetizado [Joel 2:28]. Assim também, em Atos 10, quando Cornélio e sua casa ouviram a Palavra de Deus, o Espírito Santo desceu sobre eles, e falaram em línguas e glorificaram a Deus. “Porventura, pode alguém recusar a água, para que não sejam batizados estes que, assim como nós, receberam o Espírito Santo?” (v.47). O apóstolo era totalmente contrário a esta opinião que temos refutado; ele ensinou exatamente o contrário: que porque haviam recebido o Espírito Santo, e os dons sobrenaturais, deveriam ser batizados. Pedro diz: “Pode alguém porventura recusar a água?”, deixando claro que se trata do Batismo na água, e mandando que fossem batizados em nome do Senhor (v. 48), pois haviam recebido o Espírito Santo. Portanto, está claro e não se pode negar que o Batismo do Espírito Santo não substitui o Batismo na água. Dizer que alguém recebeu o Batismo do Espírito é, pelo contrário, um argumento a favor do Batismo na água.

 

A Conversão De Paulo É Um Exemplo

 

Isso se vê especialmente em Paulo depois de sua conversão, quando Cristo diz a Ananias: “Vai, porque este é para mim um vaso escolhido” (Atos 9:15). Paulo foi convertido pela obra interna de fé que mudou seu coração. “E Ananias foi, e entrou na casa e, impondo-lhe as mãos” (v. 17). Duas coisas aconteceram quando Ananias impôs as mãos sobre Paulo: foi cheio do Espírito Santo e pôde ver; e levantou-se e foi batizado (vv. 17-18). Ou seja, depois de ter sido cheio do Espírito, Paulo foi batizado na água. Veja Atos 22:6-16.

 

Cristo Envia Ananias A Paulo

 

Observe que Ananias foi comissionado imediata e extraordinariamente por Cristo através de uma visão, para levar uma mensagem a Paulo. Também em visão, Cristo ordena que Paulo vá a Ananias para que este lhe dissesse o que fazer. Ananias, vendo que Paulo estava cheio do Espírito, e obedecendo à comissão dada por Cristo, manda que Paulo se batizasse.

 

Tudo isso está de acordo com Aliança da Graça em Ezequiel 36:27, em que o Senhor diz: “E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis”. E também com: “E lhes darei um só coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne; para que andem nos meus estatutos, e guardem os meus juízos, e os cumpram; e eles me serão por povo, e eu lhes serei por Deus” (Ezequiel 11:19-20).

 

Deus Deu Seu Espírito Para Que Andássemos Em Suas Ordenanças

Deus não deu Seu Espírito para que, sob o pretexto de liberdade, ignorássemos os mandamentos e ordenanças de Cristo. Pelo contrário, Deus deu Seu Espírito para capacitar e fazer com que os crentes andem em Seus caminhos e ordenanças, o que inclui o Batismo.

 

O Exemplo Dos Apóstolos Após A Morte De João

 

Observe que os apóstolos nos deixaram exemplos em que batizaram pessoas depois de Cristo ter derramado o Espírito Santo. Pela autoridade que receberam do céu, eles mandaram que todos os que se arrependeram, creram e receberam o Espírito Santo, fossem também batizados.

 

O Batismo com o Espírito Santo e com fogo, acerca do qual pregou João, foi dado extraordinariamente nas circunstâncias especiais de Atos 2. Os olhos dos homens puderam contemplar o derramar de línguas estranhas, que foi um sinal do zelo fervoroso e da alegria daqueles que proclamaram em várias línguas as maravilhosas coisas de Deus nas quais haviam crido com todo seu interior. Nessa ocasião, portanto, as línguas estranhas, ou seja, o Batismo no Espírito Santo, foi um sinal externo da obra interna do Espírito Santo.

 

Entretanto, os homens no mundo não mais podem receber desse Batismo. O Espírito dá o dom da salvação, do arrependimento e é essencial na convicção de que devemos cumprir a ordenança do Batismo na água. Ele deve estar presente nesse Batismo, pois sem Ele, não podemos dizer que esta é uma ordenança de Deus; o sinal externo, o Batismo na água, sucede a graça interna.

 

O Batismo De João Era Diferente Do Batismo Dos Apóstolos
Apenas Nesse Ponto

 

O Batismo dos apóstolos, de acordo com a comissão dada por Cristo, permanece como mandamento, e não é como o Batismo de João, que prenunciava a vinda de Cristo. Agora batizamos pessoas no Cristo já vindo em carne.

 

Objeção:

 

Os Apóstolos Praticaram Algumas Coisas Que Haviam Sido Abolidas

 

Embora alguns possam alegar que os Apóstolos praticaram coisas que já haviam sido abolidas, como a Circuncisão de Timóteo, sabe-se que eles fizeram isso entre os judeus. Aos gentios, porém, o apóstolo Paulo disse: “Se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. E de novo protesto a todo o homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei. Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído” (Gálatas 5:2-4). Não há sequer um relato de que a circuncisão foi praticada entre os gentios depois de terem ouvido a pregação.

 

Resposta:

 

Sob A Nova Aliança A Circuncisão Foi Abolida Mas O Batismo Não

 

É evidente que no Novo Testamento a Circuncisão foi abolida por ser parte da Antiga Aliança e jugo de escravidão (Gálatas 5:1-3) mas o mesmo não se dá com o Batismo. No caso da família de Cornélio, por exemplo, todos eram gentios e não conheciam o Batismo de João nem eram devotos daquela doutrina, de modo que não devemos pensar que Pedro foi condescendente com tal erro.

 

Pedro Ordena O Batismo Na Água Em Atos 10

 

Pedro não dá liberdade de ser ou não batizado. Ele ordena que se batize. Em Atos 10, por exemplo, ele faz o que havia ordenado em Atos 2. O apóstolo não ensinou que o Batismo deve ser administrado para que se cumpra as promessas de bênçãos; mas que esta é uma ordenança solene de Deus, que permanece; e que toda alma que crê e reconhece sua culpa da rebelião contra Cristo, e por isso é afligida, deve ser batizada.

 

As Leis Do Batismo Estão Gravadas Na Escritura

 

Essas leis são para a administração correta dessa ordenança a todos que creem e se arrependem, para a remissão de pecados e salvação. Essa é uma ordenança permanente do Novo Testamento. Se não fosse assim, poderíamos afirmar também que Cristo cessou de ser o Mediador. É isso que querem dizer os que ousam ensinar ser o Batismo uma ordenança não mais válida nos dias de hoje.

 

A Lei De Cristo Não Muda

 

Assim como na época da ministração de Moisés, até que houvesse uma mudança no sacerdócio, a lei era imutável. Assim também o é agora. A não ser que venha outro Cristo e Salvador, ou outro Sacerdote que não seja este Ministro do Novo Testamento, não pode haver mudança na Lei. Esteja certo de que as ordenanças não mudarão (Hebreus 7:12, 18). Aqueles que confessam ser Cristo o Salvador, a Raiz de Davi, mas negam essa ordenança fundamental que é o Batismo, testificam que, na verdade, rejeitam a Cristo em seus corações e colocam um falso mediador no lugar que Lhe é devido. Dizer que o Batismo e a Santa Ceia são ordenanças solenes e símbolos da Nova Aliança que foram abolidos é inconsistente com a fé do Evangelho e com a verdadeira Religião. Em Efésios 4 o apóstolo, discursando acerca da unidade da Igreja, mostra em que consiste essa unidade. Ele diz que fomos chamados em uma só esperança, um só corpo, um só Espírito, uma só fé e um só Batismo. Esse Batismo não é o Batismo do Espírito porque o Espírito já havia sido mencionado distintamente. O Batismo do qual fala o apóstolo é a ordenança solene e permanente de Deus para todos os crentes.

CAPÍTULO VINTE E DOIS

 

A Nova Aliança Torna Os Crentes Capazes

De Andar Nos Mandamentos De Cristo

 

Efésios 4:1-6 Fala Da Unidade Visível Da Igreja

 

O apóstolo roga pela unidade da Igreja e menciona essas particularidades que são essenciais a essa unidade visível. Não se pode ter comunhão sem elas. Os membros da Igreja, em todas essas coisas, são um. Nada deveria causar separação a essa unidade.

 

Objeção

 

Alguns podem dizer que o Batismo de crentes é uma ordenança de Deus, e é pelo poder dEle que muitos são atraídos para receberem a correta administração da mesma. A outros, porém, falta-lhes o poder Divino em seus corações para os conduzirem a essa prática; isso os impede de serem batizados.

 

Resposta:

 

Todos Os Crentes Têm Poder Espiritual
Para Obedecer Aos Mandamentos De Deus

 

A objeção citada acima é um erro fundamentado em outro erro. Nela, assume-se que o homem pode crer e estar em estado de graça, mas ainda assim estar vazio do poder espiritual para obedecer aos mandamentos de Deus. Assume-se que o Cristão pode saber que algo é um mandamento de Deus, e ainda assim ser deixado sem nenhuma capacidade de obedecer ao mesmo.

 

Esse é um erro perigoso e contrário à Escritura. Na conversão, Deus coloca Sua lei no coração dos Seus filhos (Hebreus 8:10 e Ezequiel 36:26-27). Deus coloca Seu Espírito no coração dos que creem para que andem em Seus caminhos. Portanto, sem dúvida alguma Deus dá a Seu povo poder para obedecê-lO.

 

“E lhes darei um só coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne; para que andem nos meus estatutos, e guardem os meus juízos, e os cumpram; e eles me serão por povo, e eu lhes serei por Deus” (Ezequiel 11:19-20).

 

O Propósito Da Nova Aliança

 

Observe que o motivo de Deus estabelecer uma Nova Aliança e colocar Seu Espírito no coração do Seu povo é que, assim, eles andem em Seus estatutos, guardem Seus juízos e os cumpram.

 

Na conversão de Paulo, por exemplo, Deus primeiro colocou nele uma disposição para obedecer. Paulo pergunta: “Senhor, que queres que eu faça?” (Atos 9:6). Também em Atos, no capítulo 2, versículo 37, os que estavam congregados e creram no sermão de Pedro compungiram-se em seu coração e perguntaram: “Que faremos, homens irmãos?”. Veja que, ao se converterem, houve primeiro uma disposição para cumprir a vontade de Deus. Deus deu-lhes poder de se sujeitarem assim que Sua vontade foi revelada.

 

O Crente Continua A Receber Poder De Cristo

 

Além disso, Deus dá a cada crente o poder de crer. Através dessa virtude, o crente é capaz de alcançar mais virtude de Cristo, o cabeça da Igreja, para seu fortalecimento, para a obediência e para resistir ao pecado.

 

“Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus. Recebei-nos em vossos corações; a ninguém agravamos, a ninguém corrompemos, de ninguém buscamos o nosso proveito” (2 Coríntios 7:1-2).

 

O Crente É Capaz De Se Opor Ao Pecado
E De Crescer Em Santidade No Temor De Deus

 

O apóstolo nos instrui a ter fé para o aperfeiçoamento da santidade, e que esta deve se opor ao pecado no temor de Deus. “Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade” (Filipenses 2:13).

 

A Capacidade Do Crente Vem De Deus

 

O crente, pela fé, deve olhar para si mesmo e ver que, pela graça de Deus, é capaz de tirar água dos poços da salvação. Se não fosse assim, que diferença haveria entre os filhos de Deus e os filhos da desobediência? Ambos não seriam diferentes se faltasse poder de Deus àqueles de maneira que vivessem no curso da perversidade. Os filhos de Deus estariam em estado de graça e ainda assim não teriam forças para resistir ao pecado. Nessa circunstância, o ímpio teria desculpa para viver embriagado, praticando a cobiça, roubo e impureza e mesmo assim, dizer que é um crente a quem falta poder para resistir e abandonar os pecados.

 

Esta Objeção É Contrária À Verdade E À Natureza Do Cristão

 

Amados, afirmar que Deus não capacita o crente a obedecer aos Seus mandamentos é um absurdo; isso é contrário à verdade e à natureza do Cristão em estado de graça, é uma mentira enganosa.

 

Deus Dá Poder A Todos Os Cristãos Para Que Eles Cumpram Seus Deveres

 

Não é Deus quem dá o poder à alma para ouvir a Palavra, para lê-la e nela meditar, e também para orar com sinceridade e fervor?[31] Então, como seria possível faltar poder para cumprir a ordenança do Batismo, mais do que falta para cumprir o dever da oração ou outros deveres necessários para o mesmo fortalecimento espiritual? Qual capacitação, vinda de Deus, seria a mais importante e qual seria a mais desnecessária?

 

O Crente Não Deve Andar Por Vista

 

Em 2 Coríntios 5:7 o apóstolo afirma que andamos pela fé, e não por vista. O Cristão que anda apenas por vista é imaturo. Poderia ele se sentir fortalecido e pensar ser, por si próprio, capaz de cumprir seus deveres e resistir ao pecado? Não negligenciaria ele todos os deveres quando não se sentisse capacitado? Isso é contrário ao que Cristo diz a Paulo: “A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2 Coríntios 12:9), e também ao que, em seguida, Paulo afirma: “Quando sou fraco, então, é que sou forte”.

 

O Poder Da Fé Quando Aos Olhos Humanos Não Há Mais Esperança

 

Quando Paulo se tornou mais sensível à sua própria fraqueza, então se tornou mais forte pela fé, pela força de Cristo. “Deveras no Senhor há justiça e força” (Isaías 45:24). “A minha carne e o meu coração desfalecem; mas Deus é a fortaleza do meu coração, e a minha porção para sempre” (Salmo 73:26). Quando aos olhos do homem seu coração falha e lhe falta força, então Deus se mostra, com poder, na fraqueza. Isso é viver pela fé. Essa é a maneira pela qual os filhos de Deus são conduzidos.

 

 

 

CAPÍTULO VINTE E TRÊS

 

Os Crentes Batizados
Devem Andar Rigorosamente Em Cristo

 

Objeção:

 

Os Crentes Batizados Não Têm Comunhão Com Os Demais

 

Alguns, embora aceitem que o Batismo é uma ordenança de Deus, e que o Batismo de crentes é a única forma correta e descrita no Evangelho, alegam que as igrejas que adotam essa prática são muito rígidas e, portanto, não têm comunhão com outros Cristãos que não são batizados.

 

Resposta:

 

Existe Uma Diferença Entre Unidade E Comunhão Da Igreja
E Unidade E Comunhão Pessoal

 

Se conhecermos alguém não batizado e não pertencente a nenhuma igreja, ignorante acerca dessas coisas, e se tivermos fundamento para julgar que essa pessoa é piedosa, não inimiga da verdade e do Evangelho de Cristo, e que está sedenta de ouvir e aprender a vontade revelada de Deus, e que tal alma tem comunhão e está unida a Cristo, nesse caso devemos imitar o Senhor ao acolhê-la e ter comunhão com ela. Por exemplo:

 

Cornélio E Sua Família São Exemplos De Comunhão E Unidade Pessoal

 

Cornélio e sua família estavam unidos ao Senhor e tinham comunhão com Ele antes mesmo de terem se batizado. Eles não eram obstinados, nem professavam inimizade contra qualquer lei de Cristo, ao contrário, disseram ao apóstolo: “Agora, pois, estamos todos presentes diante de Deus, para ouvir tudo quanto por Deus te é mandado” (Atos 10:33).

 

Descendo o Espírito de Deus sobre eles, falaram em novas línguas e glorificaram a Deus. Pedro e outros irmãos batizados que com ele estavam se juntaram em Espírito e de coração àquele culto que Cornélio e sua família ofereceram a Deus. Até então, a família não havia sido batizada nem convencida de que o Batismo era uma ordenança de Deus.

 

A Presença do Espírito Santo Sobre Eles

Provou Que Eram Elegíveis Ao Batismo

 

Até que Pedro consultasse os demais irmãos, a família não foi obrigada a receber o Batismo. Em seguida, porém, todos foram instruídos a serem batizados: “Pode alguém porventura recusar a água, para que não sejam batizados estes, que também receberam como nós o Espírito Santo? E mandou que fossem batizados em nome do Senhor. Então rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias” (Atos 10:47-48).

 

Paulo É Um Exemplo

 

Entre o momento em que foi convertido por Cristo e sua ida a Ananias, Paulo orou. Deus teve comunhão pessoal com ele nessa oração. Cristo, falando a Ananias, diz que Paulo era um vaso escolhido.

 

Desses exemplos, julgo ser legítimo que o crente batizado esteja próximo em oração dos que são considerados piedosos, e que não são inimigos de nenhum dos mandamentos de Deus, mas que ainda não são batizados.

 

Os Não Batizados Não Fazem Parte Da Unidade Da Igreja

 

Mas os não batizados não têm comunhão com a Igreja. Está claro que a ordenança da Santa Ceia foi entregue à Igreja, a assembleia reunida de acordo com a comissão de Cristo, Mateus 28:19-20.

 

Primeiro, os ministros devem fazer discípulos, pela pregação, em todas as nações.

 

Em seguida, devem batizar os que se tornaram discípulos pela pregação.

 

Por fim, devem ensiná-los a observar todas as coisas que foram mandadas.

 

“E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século”. Ou seja, Cristo será com o povo que: primeiro, se converteu; segundo, foi batizado; terceiro, pratica todas as ordenanças da casa de Deus; assim como fizeram os onze e os que por meio deles se converteram.

 

Ao ministro é ordenado batizar os que foram feitos discípulos, e ninguém mais, bem como também é ordenado ensiná-los a observar todas as Leis de Cristo. Até que sejam batizados, os discípulos não podem ser admitidos na Igreja visível, nem participar da Santa Ceia do Senhor.

 

Os Apóstolos Obedeceram A Essa Ordem Do Evangelho

 

O ministério e as práticas dos apóstolos nos mostram que esse é o verdadeiro sentido da Comissão. Eles, pelos infalíveis dons do Espírito Santo, foram guiados firmemente na pregação e no Batismo (Atos 2:37-42).

 

Primeiro, os apóstolos ensinaram a doutrina de Jesus Cristo. Tendo ouvido, muitos se compungiram em seu coração e perguntaram o que deveriam fazer. “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado”. A ordem aqui é a mesma dada por Cristo na Comissão. Finalmente, os versículos 41 e 42 relatam[32]: “De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, e perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações”.

 

A Maneira Correta De Se Tornar Membro Da Igreja De Cristo
É Pela Fé E Batismo

 

Portanto, a ordem de Cristo é que as almas devem se juntar, ou serem acrescentadas, à Igreja pela fé e pelo Batismo. “Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo” (1 Coríntios 12:13).

 

1 Coríntios 12:13

 

Embora o texto fale sobre o Batismo no Espírito, ou seja, Sua obra interna eficaz, o sinal externo dessa obra, [o Batismo na água] também está incluído, como vemos em outras passagens da Escritura. Assim, a família de Cornélio foi convertida, depois batizada, e em seguida, se tornaram parte da Igreja.

 

Outros Exemplos No Livro De Atos

 

O mesmo se deu com a família do carcereiro, com a família de Lídia, e com a Igreja de Samaria, em Atos 8, em que todos os que creram foram batizados [ver v. 12]. O ministro que ajunta uma igreja de outra maneira que não essa, não apenas percorre um caminho inexplorado, mas também se opõe à doutrina ensinada e praticada pelos apóstolos; além disso, despreza as regras estabelecidas por Cristo para a comunhão.

 

O Porquê De O Batismo Ser Administrado Apenas Uma Vez
E A Santa Ceia Ser Administrada Com Frequência

 

O Batismo é para confirmar a regeneração e a união com Cristo, em Sua morte, sepultamento e ressureição (Romanos 6:3-5, Colossenses 2:12 e Tito 3:5). Por isso, essa ordenança deve ser recebida uma única vez, assim como o homem é regenerado uma única vez, e transportado da morte para a vida uma única vez. Mas a Santa Ceia é para o crescimento e fortalecimento na graça; é de uso constante, para anunciar a morte de Cristo até que Ele venha.

 

Opor-se A Isso É Profanar A Ordenança de Deus

 

Opor-se ou desviar-se disso é profanar a ordenança de Deus e seus propósitos. É admitir pessoas à ordenança para o crescimento em Cristo antes delas terem sido admitidas à ordenança pela qual são plantadas em Cristo para a confirmação, regeneração e união com Ele, a verdadeira raiz, a fonte de todo o crescimento espiritual.

 

O Batismo Vem Antes Da União Com A Igreja
E Das Outras Ordenanças

 

O Batismo deve ser a primeira ordenança administrada após a conversão. Antes, principalmente, da Santa Ceia. Ignorar a ordem própria, a finalidade e o uso das ordenanças que nosso Deus santo e zeloso nos preparou, é profanação. Seria grande ignorância professar ser amigo de Cristo, o Noivo, e se aventurar a tomar de Suas mãos Seus privilégios e prerrogativas, e se desfazer de Suas próprias ordens para o culto solene, sendo contrário à Comissão que por Ele foi dada.

 

Julgo que os homens que assim fazem, na verdade são carnais e inimigos de Cristo. Mas Deus terá a honra de guiar Seu povo para a maneira correta da adoração que Lhe é devida.

 

 

CAPÍTULO VINTE E QUATRO

 

A Igreja Visível

 

Como vimos anteriormente, em Efésios 4:1-6 o apóstolo menciona aquilo que é essencial à unidade da Igreja visível:

 

A Unidade

 

Um só corpo, um só Espírito, uma só fé, um só Senhor, e um só Batismo. Um só Deus e Pai de todos nós.

 

É impossível que um povo aceite e ande juntamente com quem não tem a mesma esperança e a mesma herança gloriosa; com quem não tem o mesmo Espírito nem por Ele é assistido e guiado; nem presta culto santo a Deus, nem tem a mesma fé, mas são inimigos do Evangelho. Uma comunhão como essa, em que os membros da Igreja sustentam dois Batismos, o da aspersão de crianças e o da imersão dos que creem, é inconsistente. O Batismo é uma ordenança essencial para a Igreja visível.

 

Os que não foram iluminados acerca do Batismo do Senhor não podem ser admitidos na comunhão da Igreja de Cristo, porque na unidade dos filhos de Deus há apenas uma esperança, um Espírito, um Senhor, uma fé, e um só Batismo.

 

A Principal Finalidade Da Comunhão Da Igreja

 

A principal finalidade da comunhão é que todos pratiquem os mandamentos de Cristo:

 

“Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos” (Mateus 28:20).

 

“Agora, pois, estamos todos presentes diante de Deus,

para ouvir tudo quanto por Deus te é mandado” (Atos 10:33).

 

“Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando” (João 15:14).

 

A Doutrina E A Disciplina

Sem dúvida, o verdadeiro e legítimo ministro da Igreja de Cristo deve ensinar a todos os membros a praticarem e observarem quaisquer que sejam os mandamentos e leis de nosso Senhor. Para isso, Cristo deu à Sua Igreja não apenas as doutrinas, mas também a chave para a disciplina, de maneira que qualquer membro da igreja que negligencie algum dever que o Senhor ordenou em Sua santa Palavra, consciente e voluntariamente, em especial as ordenanças fundamentais do Novo Testamento, como o Batismo e a Santa Ceia, essa alma, sendo desobediente, deve ser lançada fora da Igreja. Caso contrário, sendo conivente com esta pessoa ou tolerando-a no curso da desobediência, a Igreja peca e todos juntamente se fazem culpados dos pecados e iniquidades daquela alma. “Um pouco de fermento leveda toda a massa” (Gálatas 5:9).

 

A Comunhão Da Igreja Destrói O Pecado

 

Entre os homens, aquele que esconde um assassinato, está a par e consente com esse crime, e o tolera, também é assassino. Esse também é o caso dos ladrões.

 

A comunhão da Igreja é uma arma de combate o pecado, executa o poder de Cristo contra o mal e impede que outros alimentem e apoiem o pecado cometido por alguém, o que inevitavelmente acontece se tal Igreja aceita e admite qualquer um que negue o Batismo à comunhão. Seja qual for sua pretensão, a pessoa que não se submete nem obedece aos mandamentos de Cristo não está apta para a Igreja, pelo menos em quanto for desobediente. Isso vale pra todas as ordenanças fundamentais, como a oração, o ouvir a Palavra, o Batismo e a Santa Ceia, ações de graça, a contribuição para as necessidades dos santos e manutenção do ministro de acordo com a capacidade que Deus deu. Se admitirmos algum membro que negligencia o Batismo, também devemos admitir os que negligenciam a Palavra; e os que não contribuem segundo a capacidade que Deus lhes deu para o uso piedoso e caridoso do dinheiro; e os que não oram sob a desculpa de que não foram movidos para o cumprimento desse dever; e outros que, ainda com mais petulância, negligenciam os deveres da vocação e seus relacionamentos. Todos esses, o apóstolo, em 2 Tessalonicenses 3, ordena que sejam excluídos. Aceitar e admitir à comunhão os que negligenciam o Batismo é abrir a porta para todo tipo de desobediência e ajuntar uma assembleia de rebeldes: “deixe-me quieto com meus pecados, e te deixarei quieto com os seus”.

 

Omitir O Batismo É Pecado

 

Alguns perguntam se o homem piedoso peca se negar o batismo. Sim, certamente; pois, em 1 João 3, o apóstolo afirma que “pecado é transgredir a lei” (KJV).

 

Mas, como já vimos, as leis do Novo Testamento mandam que se creia, arrependa e seja batizado. Portanto, negligenciar isso é transgredir uma dessas leis. A obediência sincera é uma obediência completa. Por isso, Davi diz: “Então não ficaria confundido, atentando eu para todos os teus mandamentos” (Salmos 119:6).

CAPÍTULO VINTE E CINCO

 

Perguntas & Respostas:
 

Por Que Os Que Não Foram Corretamente Batizados
Não Devem Ser Admitidos à Comunhão Da Igreja?

 

Se recebermos à comunhão da igreja alguém que não se submete ao Batismo do Senhor, [administrado de maneira correta], essa pessoa está justificada do batismo ilegítimo que recebeu em sua infância, e consequentemente, não tem do que se envergonhar de tudo que fez de errado, sobre o que Ezequiel fala, e permanece na comunidade e comunhão com a Igreja. Assim, estaremos também admitindo à comunhão, a igreja e o ministro[33] pelos quais tal alma foi supostamente batizada, juntamente com os seus erros. Portanto, essa é uma séria e triste questão, que tais pessoas sejam admitidas à comunidade da verdadeira Igreja de Cristo. Admoesto para que sejam cuidadosos ao aceitarem estas pessoas ainda que tenham boas intenções. Lembre-se de que Deus feriu a Uzá ainda que ele tenha feito aquilo que fez com boas intenções.

 

Objeção

 

“Alguns alegam que a fé em Cristo leva a pessoa à adoção e, portanto, lhe garante o direito a todos os privilégios da casa de Deus.”

 

Resposta:

 

A Igreja De Cristo Deve Receber Os Fracos Na Fé
De Acordo Com A Ordem De Cristo: Pela Fé E Pelo Batismo

 

É verdade que a fé e o arrependimento são fundamentais. Mas arrependimento, de acordo com o Evangelho, é uma mudança de coração e uma firme resolução de obediência a Deus em todos os Seus mandamentos. Esse é o arrependimento que a Igreja de Cristo deve requerer de seus membros. Portanto, embora ela possa receber aqueles que são fracos na fé, devem fazê-lo para o fortalecimento da fé desses, e para o Batismo. De maneira que, embora a fé seja requisito para o Batismo, a fé e o Batismo, juntos, preparam a alma para a comunhão. “Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas. E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações”.

 

Essa é a Palavra de Nosso Senhor Jesus Cristo à qual devemos nos submeter. Somente aqueles que foram batizados, foram também admitidos à comunidade dos santos e ao partir do pão. Portanto, não devemos admitir nenhum membro à comunhão da Igreja de Cristo, senão pelo Batismo.

 

Objeção:

                                                                                                                            

Muitos Piedosos Pensam Que Já São Batizados

 

“Algumas almas piedosas acham que seu batismo na infância é válido. Até que eles sejam convencidos do erro, não lhes será permitido ter comunhão com a Igreja?”

 

Resposta

 

Não posso negar que muitos eleitos de Deus, tanto hoje quanto em épocas passadas, estão ou estiveram enganados no que diz respeito ao Batismo. A esses, não censuro. Mas estou certo de que se julgarem ser seu batismo por aspersão, na infância, uma ordenança de Deus, eles também deverão considerar essa prática um dever para com seus próprios filhos, para serem fiéis à sua consciência. Assim, como poderia a Igreja e o ministro que adotam o Batismo de crentes, admitir à comunhão aqueles que consideram essa prática um pecado grave? Como poderia ser essa união entre uns e outros, sendo que à vista daqueles, estes não apenas negligenciam o dever solene do Batismo legítimo, mas cometem pecado hediondo?

 

Pergunta

 

“Por que algumas Igrejas [Credobatistas] praticam a excomunhão, se podem admitir os Pedobatistas que não se arrependeram do batismo infantil, e consequentemente estão em pecado de omissão e comissão?”

Resposta

 

Porque se alguém vive impenitentemente, e se a Igreja sabe disso e tem comunhão com essa pessoa, então tal pecado se torna o pecado da Igreja, e não apenas daquela pessoa.[34]

 

Objeção

 

“Mas eles vivem nesse pecado por causa da ignorância.”

 

Resposta

 

Assim pressupomos, caso contrário a Escritura nos daria pouca esperança quanto ao estado deles. Pois não se pode permanecer em estado de graça sabendo que uma prática é pecado, e vivendo nela. Por isso, condenamos aqueles que desprezam as ordenanças de Deus, mas não os que as negligenciam por ignorância ou dúvidas de consciência. Mas a Igreja não pode compactuar com o pecado nem ter comunhão com os que nele persistem.

 

Objeção

 

“Fazendo assim, colocamo-nos no lugar que é devido apenas a Cristo. Isso é uma ofensa e me mantém longe dessa prática.”

 

Resposta:

 

Antes De Ser Batizada Devemos Provar Se A Pessoa Tem Realmente
A Verdadeira Obra De Conversão E Se Está Unida A Cristo

 

Essa objeção não tem fundamentos, pois professamos salvação, justificação e bem estar espiritual pela graça de Deus em Cristo, e pela fé somente. Nossa obediência a Cristo só é possível por causa da regeneração e união com Ele pela fé. É isso que causa nossa obediência; não podemos causar obediência a ninguém que não esteja na Raiz. Por isso, antes de batizarmos alguém, devemos provar se a verdadeira obra de salvação foi forjada nessa pessoa, e se ela está unida a Cristo. Não ousamos admitir infantes porque eles não guardam os princípios de Cristo, o que pode vir a ser verdade na idade adequada.

 

 

 

CAPÍTULO VINTE E SEIS

 

Conclusão

 

Os Mandamentos De Cristo Não Devem Ser Questionados

 

Aqueles de vocês que temem a Deus, observem as regras de Cristo e não acolham esses erros grosseiros em suas mentes, como se pudessem contestar, à própria vontade, os mandamentos e ordenanças de Cristo.

 

Gálatas 1:16, Filipenses 2:14, Lucas 5:5 & Salmo 119

 

Em Gálatas 1:16 o apóstolo diz que quando Deus o chamou, ele não consultou a carne nem o sangue, mas prontamente obedeceu a voz celestial. Quanto Deus dirigiu Cristo, pelo Seu Espírito, para ir aos doutores no templo, para ouvi-los e questioná-los, ele nem mesmo comunicou isso ao seu pai e à sua mãe, e ainda que lhes tivesse causado angústia, obedeceu a Deus.

 

Em Filipenses 2:14, lemos que nossa obediência deve ser “sem murmurações”, sem queixas e sem delongas. Em Lucas 5:5, lemos que Pedro pescou durante toda a noite e nada pegou, e portanto, não tinha nenhuma esperança de conseguir qualquer peixe naquele dia; ainda assim ele disse: “sobre a tua palavra, lançarei a rede”; ele não questionou a ordem de Cristo embora sua experiência e habilidade testificassem contra essa ordem. No Salmo 119, Davi diz: “Apressei-me, e não me detive, a observar os teus mandamentos” [v. 60], pois demorar-se na obediência endurece o coração e dá lugar aos impulsos da carne.

 

Portanto, admoesto a todas as almas piedosas, que considerem as leis expressas de Cristo dadas aos crentes como que sendo axiomas; e que considerem ilegítimo questionar ou queixar-se da prática delas sob quaisquer desculpas, ou admitir quaisquer objeções contra elas. Nosso Deus, que é reto, e cujas leis sãos justas, não aceitará isso. Não há nenhum argumento ou fundamento pelos quais podemos justificar tamanha ousadia.

 

O Exemplo De Abraão, Isaque E De Muitos Outros

 

Assim, temos o exemplo de Abraão, que sacrificaria seu filho, que foi prometido pelo próprio Deus, sem questionar [Hebreus 11:17-18]; além disso, Abraão também obedeceu quando Deus o ordenou que fosse para uma terra desconhecida.

 

Noé construiu uma arca. Jacó, por causa da vontade de Deus, mudou-se com toda sua família.

 

Esses homens santos de Deus aprenderam a não darem lugar ao orgulho e à rebelião de suas mentes e entendimentos não mortificados. Eles obedeceram às ordens de Deus sem demora.

 

“De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade. Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas; para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo” (Filipenses 2:12-15).

 

 


[1] “Primeira apostasia” é uma referência à Igreja Católica Apostólica Romana e à decadência desta como instituição genuinamente cristã, devido ao papado, à idolatria, e elementos de outras religiões que na idade média foram incorporados a ela.

[2] Seita que se desenvolveu a partir de 1620 na Inglaterra. Afirmavam que toda igreja era corrupta e não aceitavam os sacramentos e rituais. Para eles, Cristo deveria levantar novos apóstolos e estabelecer uma nova e verdadeira Igreja. Foram precursores dos Quakers.

[3] Sociedade religiosa que surgiu em meados do século XVII na Inglaterra. Rejeitam organizações clericais, os sacramentos (Batismo e Santa Ceia) e dão ênfase excessiva à atuação do Espírito Santo.

[4] O autor refere-se aos Anabatistas que tomaram a cidade de Münster, em 1534. Jan Matthys, um dos líderes da rebelião, se auto proclamava Enoque e afirmava que Münster seria a Nova Jerusalém. No poder, executou aqueles que rejeitavam o Batismo. Os Anabatistas são frequente e erroneamente confundidos com os Batistas.

[5] Veja página 67 (sétimo argumento) e notas 12 e 13, página 68.

[6] O texto no original grego é: εγω μεν εβαπτισα υμας εν υδατι αυτος δε βαπτισει υμας εν πνευματι αγιω. A preposição εν deve ser traduzida como “em” ou “dentro de”. A maioria das traduções em Português utiliza “com”, por isso, deve-se ter cuidado na interpretação.

[7] Cf. João 2:23. Manancial de muitas águas localizado a oeste do Rio Jordão, e entre este e o monte Ebal.

Cf. Aenon: International Standard Bible Encyclopedia & Easton’s Bible Dictionary

[8] Nota do tradutor: ainda que alguns possam contra argumentar que ali estavam outros irmãos que não pertenciam à família de Lídia, o texto não menciona que nesta família havia infantes. Portanto, sob esse aspecto, a passagem não pode ser usada nem a favor nem contra o pedobatismo. Veja o comentário de John Gill no apêndice.

[9] Veja comentário de John Gill no apêndice.

[10] Isso não implica que os participantes da Nova Aliança podem pecar o quanto quiserem. Veja capítulos 22 e 23.

[11] Sobre esse assunto, veja “Por Quem Cristo Morreu?”, de John Owen. Ed. PES.

[12] Segundo a teoria pelagiana, todos nascem na mesma condição de Adão antes da queda. Essa doutrina não tem respaldo bíblico, antes, é contrária à Sagrada Escritura. O fato de ser criança não anula a natureza pecaminosa do indivíduo. Todos nascem em pecado sendo preciso, portanto, fé e arrependimento para a salvação. Ora, a fé é um dom exercido pelo ser humano através de um ato consciente, e, portanto, ela só é dada aos eleitos que já atingiram a idade do discernimento, moral e intelectual. Crianças não são inocentes, são incapazes. Veja a próxima nota.

[13] Depravação Total: Sl.51:5; Gn.8:21; 1Co.15:22; Sl.58:3; Rm.3:9-20; Rm.5:12,18; Jr.17:9; Is.64:6; Sl.143:2; Rm.7:14-25; Ef.2:1-3; Cl.2:13; Tg.3:2.

[14] Perseverança dos Santos: Jr.32:40; Ez.36:27; Jo.6:39-40; Jo.10:26-29; Jo.17:12; Rm.5:17; Rm.8:28-30; Rm.8:39; 1Co.1:8-9; 1Co.10:13; 2Co.1:22; Fp.1:6; 2Tm.1:12; Hb.10:14,23; 1Pe.1:1-9; 1Jo.2:19.

[15] O culto que Deus aceita é prescrito por Ele mesmo, pois não há nada de bom em nós que possamos ofertá-lO. Para cultuar a Deus segundo Sua própria vontade, é preciso ter fé. Fé que por meio de Cristo, Ele aceitará culto.

[16] Veja capítulo 11, página 82; e nota 18, página 85

[17] Ou seja, os judeus incrédulos que odiavam Cristo e Seus discípulos eram do mundo.

[18] Eleição: Sl.65:4; Pv.16:4; Mt.24:22,31; Mc.4:11-12; Jo.6:44; Jo.8:47; Jo.16:16; Jo.17.2:24; At.13:38; Rm.9; Rm.11:5-10; Ef.1:4-12; 1Ts.1:4-5; 1Ts.5:9; 2Ts.2:13; 2Tm.1:9; 2Tm.2:10; Tt.1:1-2; 1Pe.1:1-2; 1Pe.2:7-10; Jd.4; Ap.17:14.

[19] “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus”. 1Co.10:31. Ora, se o homem não tem fé, nada que faça é para a glória de Deus. Se não é para a glória de Deus, é mau.

[20] Veja apêndice: comentário de John Gill sobre Atos 2:41.

[21] A leitura correta do versículo seria: “A promessa pertence àqueles de vocês, de seus filhos e outros, que Deus chamar”. E não: “A promessa pertence a vocês, que Deus chamou, e consequentemente a seus filhos”.

[22] Observe todo o texto, atentando principalmente para os versículos 4, 17,18 e 38.

[23] Ou seja, “vós”, “seus filhos”, e “todos os que estão longe”, são aqueles que foram predestinados, chamados, justifica-dos e glorificados.

[24] Se assim fosse, os filhos dos crentes nasceriam santos, e, como já mencionado, isso destruiria a doutrina da Depravação Total do Homem. Veja cap.9, sétimo argumento, página 67; e nota 12, página 68

[25] Ou seja, não há lei contra o casamento entre o cristão e um incrédulo se esse casamento se deu quando tanto o marido como a esposa eram incrédulos. O Cristão não deve se casar com um incrédulo. Veja 2 Coríntios 6:14.

[26] O autor considera que há dois tipos de “santidade”, ou seja, de separação: a separação pela Aliança de Obras, das demais nações; e a separação no sentido da Aliança de Vida, que pertence apenas aos filhos da promessa (Isaque, por exemplo, e não Ismael e os filhos de Quetura). John Gill tem uma interpretação diferente (veja apêndice), mas que apesar disso, também corrobora para o fato de que essa passagem não é um argumento a favor do Batismo infantil.

[27] Livro de orações da Igreja da Inglaterra publicado primeiramente em 1549.

[28] Veja o comentário de John Gill no apêndice.

[29] Crianças cujo pentavô ou hexavô era crente.

[30] O autor se refere ao catecismo que acompanhava o Common Prayer Book.

[31] Jo.8:43,47; Rm.10:17; Rm.8:26.

[32] Sobre o batismo dos 3.000, veja o comentário de John Gill, no apêndice.

[33] O autor refere-se aqui à Igreja Católica, aos padres e ao próprio Papa.

[34] Veja: O Pecado de Acã, Js.6:18-19 & Js.7.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.