A Necessidade De Decidir-se Pela Verdade, por C. H. Spurgeon

|

Um discurso universitário, por C. H. Spurgeon.
Extraído de A Espada e a Espátula, março de 1874.

 

Algumas coisas são verdadeiras e algumas coisas são falsas. Eu considero isso como um axioma; mas há muitas pessoas que, evidentemente, não acreditam nisso. O princípio vigente da época atual parece ser: “Algumas coisas são verdadeiras ou falsas, de acordo com o ponto de vista do qual você olha para eles. Preto é branco e branco é preto, de acordo com as circunstâncias, e não importa particularmente como você os chame. A verdade, evidentemente, é verdade, mas seria rude dizer que o oposto é uma mentira; não devemos ser intolerantes, mas lembrar-nos ‘Quantos homens, tantas mentes’”. Nossos antepassados eram peculiares sobre a manutenção de marcos; eles tinham fortes noções sobre pontos fixos da doutrina revelada, e foram muito tenazes quanto ao que eles criam ser bíblico; seus campos estavam protegidos por sebes e diques, mas seus filhos arrancaram as cercas, encheram os valados, nivelaram tudo, e lançaram, como o salto de um sapo, as pedras de fronteira. A escola do pensamento moderno ri da positividade ridícula dos Reformadores e Puritanos; ela está avançando em gloriosa liberalidade, e em pouco tempo anunciará uma grande aliança entre o céu e o inferno, ou melhor, uma fusão das duas instituições sobre termos de concessão mútua, permitindo que a mentira e a verdade residam lado a lado, como o leão com o cordeiro. Ainda assim, por tudo isso, a minha firme convicção antiquada é que algumas doutrinas são verdadeiras, e que as declarações que são diametralmente opostas a elas não são verdadeiras; de forma que, quando “Não” é o fato, “Sim” está fora de questão e que, quando o “Sim” pode ser justificado, o “Não” deve ser abandonado. […].

 

Temos uma fé para pregar, meus irmãos, e somos enviados com uma mensagem de Deus. Não somos deixados para fabricarmos a mensagem à medida que avançamos. Nós não somos enviados pelo nosso Mestre com este tipo de comissão geral: “Como você pensará em seu coração e inventará em sua cabeça enquanto você marcha, assim pregue. Mantenha-se informado dos tempos. Seja o que for que as pessoas queiram ouvir, diga isto e elas serão salvas”. Em verdade, nós não lemos assim. Há algo definido na Bíblia. Esta não é como um pedaço de cera a ser moldado à nossa vontade, ou um rolo de tecido a ser cortado de acordo com a moda vigente. Seus grandes pensadores evidentemente olham para as Escrituras como uma caixa de letras com a qual eles brincam, e fazem o que eles gostam; ou um frasco de mago, do qual eles podem derramar qualquer coisa que escolherem, do ateísmo ao espiritismo. Eu sou muito antiquado para me prostrar e adorar esta teoria. Há algo dito a mim, na Bíblia — dito a mim seguramente — não coloque diante de mim um “mas” e um “talvez”, e um “se”, e um “pode ser”, e cinquenta mil suspeitas por trás disso, de modo a ser realmente a extensão e resumo disso, de maneira a não ser assim de modo algum; mas revele-me como verdade infalível, que deve ser crida, o oposto disso é erro mortal, e vem do pai da mentira.

 

Acreditando, portanto, que há tal coisa como verdade, e tal coisa como falsidade, que há verdades na Bíblia, e que o evangelho consiste em algo definitivo, que deve ser crido pelos homens, isso nos faz ser decididos quanto ao que nós ensinamos, e a ensiná-lo de forma decidida. Temos de lidar com os homens que estarão perdidos ou salvos, e eles certamente não serão salvos pela doutrina errônea. Temos de lidar com Deus, de quem somos servos, e Ele não será honrado por nossas falsidades pregadas; nem Ele nos dará uma recompensa, e dirá: “Muito bem, servo bom e fiel, tu mutilaste o evangelho tão judiciosamente quanto qualquer homem que já viveu diante de ti”. Nós estamos em uma posição muito solene, e o nosso espírito deve ser o do antigo Micaías, que disse: “Vive o Senhor que o que o Senhor me disser isso falarei” (1 Reis 22:14). Nem mais nem menos do que a Palavra de Deus somos chamados a declarar, mas somos obrigados a anunciar em um espírito que permita que os filhos dos homens saibam que, seja o que for que eles pensem sobre isso, nós cremos em Deus, e não seremos abalados em nossa confiança nEle.

 

Em que devemos ser categóricos, irmãos? Bem, há senhores enérgicos que imaginam que não há princípios fixos para seguir. “Talvez algumas doutrinas”, disse um para mim, “talvez algumas doutrinas sejam consideradas como estabelecidas. Isso é, talvez, constatado que há um Deus, mas alguém não deve dogmatizar sobre sua personalidade: muitas coisas podem ser ditas pelo panteísmo”. Tais homens rastejam no ministério, mas eles geralmente são astutos o suficiente para esconderem a liberalidade de suas mentes sob a fraseologia Cristã, agindo, assim, em coerência com os seus princípios, pois a sua regra fundamental é que a verdade não possui nenhuma consequência.

 

Quanto a nós, quanto a mim, de qualquer maneira, estou certo de que há um Deus, e eu quero pregá-lO como um homem que está absolutamente seguro. Ele é o Criador do céu e da terra, o Mestre da providência, e o Senhor da graça: que o Seu nome seja bendito para todo o sempre! Nós não teremos perguntas e debates quanto a Ele.

 

Estamos igualmente certos que o livro que se chama “a Bíblia” é a Sua palavra, e é inspirada; não inspirada no sentido em que Shakespeare, Milton e Dryden podem ser inspirados, mas em um sentido infinitamente mais elevado; de modo que, desde que tenhamos o exato texto, nós consideramos as próprias palavras como sendo infalíveis. Nós cremos que tudo estabelecido no livro que vem de Deus deve ser aceito por nós como Seu seguro testemunho, e nada menos do que isso. Deus me livre que sejamos enredados por essas várias interpretações do modo de inspiração, que equivalem a pouco mais do que rejeitá-lo. O livro é uma produção Divina; ele é perfeito, e é a última instância de recurso, “o juiz, que encerra a disputa”. Eu, mais cedo suporia blasfemar contra o meu Criador do que questionar a infalibilidade de Sua palavra.

 

Também temos certeza a respeito da doutrina da Santíssima Trindade. Não podemos explicar como o Pai, o Filho e o Espírito podem ser cada um distinto e perfeito em Si mesmo, e ainda que estes três são um, de modo que há um só Deus; contudo nós verdadeiramente cremos, e queremos pregá-lO, sem nos importarmos com o Unitário, Sociniano, Sabeliano, ou qualquer outro erro. Nós manteremos esta doutrina firme para sempre, pela graça de Deus.

 

E, irmãos, não haverá nenhum som incerto em nós quanto à doutrina da expiação. Nós não podemos deixar o sangue fora de nosso ministério, ou a vida dele se dissolverá; pois podemos dizer do nosso ministério: “O sangue é a vida do mesmo”. A eficaz substituição de Cristo; o sacrifício vicário de Cristo, em nome de Seu povo, que vivamos por meio dEle. Isso nós anunciaremos até morrermos.

 

Nem podemos vacilar em nossa mente por um momento sobre o grande e glorioso Espírito de Deus; o fato de Sua existência, Sua personalidade, e o poder de Suas obras; a necessidade de Suas influências, a certeza de que nenhum homem é regenerado, exceto por Ele; que nascemos de novo pelo Espírito de Deus e que o Espírito habita nos crentes, e é o autor de todo o bem em si, o santificador e preservador deles, sem o Qual eles não podem fazer nenhuma coisa boa que seja. Nós não devemos hesitar em absoluto quanto a pregar essa verdade.

 

A necessidade absoluta do novo nascimento é também uma certeza. Nós descemos com a demonstração quando tocamos nesse ponto. Jamais envenenaremos o nosso povo com a noção de que uma reforma moral será suficiente, mas vamos repetidas vezes dizer-lhe: “Necessário vos é nascer de novo” [João 3:7]. Nós não entramos na condição do ministro escocês, que quando o velho John Macdonald pregou à sua congregação um sermão aos pecadores comentou: “Bem, Sr. Macdonald, este foi um bom sermão que você pregou, mas é muito inoportuno, pois eu não conheço uma única pessoa não-regenerada em minha congregação”. Pobre alma, com toda probabilidade, ele mesmo não era regenerado. Não, nós não ousamos lisonjear nossos ouvintes, mas temos que continuar a dizer-lhes que eles nascem pecadores, e devem nascer de novo e serem santos, ou eles nunca verão a face de Deus em aceitação.

Nós não hesitaremos sobre o tremendo mal do pecado. Falaremos sobre esse assunto tanto com pesar como categoricamente; e, apesar de alguns homens mui sábios levantarem questões difíceis sobre o inferno, não devemos hesitar ao declarar os terrores do Senhor, e o fato de que o Senhor disse: “E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna” [Mateus 25:46].

 

Nem nós nunca produziremos um som incerto quanto à gloriosa verdade de que a salvação é totalmente pela graça. Se alguma vez nós mesmos somos salvos, sabemos que somente a graça soberana o fez, e nós reconhecemos que deve ser o mesmo com os outros. Nós declararemos “Graça! Graça! Graça!” com toda a nossa força, vivendo e morrendo.

 

Nós seremos muito decididos, também, quanto à justificação pela fé, pois a salvação: “Não vem das obras, para que ninguém se glorie” [Efésios 2:9]. “Viva olhando para o Crucificado” será a nossa mensagem. A confiança no Redentor, esta será a graça salvadora pela qual oraremos ao Senhor que implante em todos os corações dos nossos ouvintes.

 

E tudo o mais que cremos ser verdade nas Escrituras, nós pregaremos com determinação. Se há questões que podem ser consideradas como discutíveis, ou relativamente sem importância, falaremos com tal medida de decisão sobre elas quanto seja decente. Mas os pontos que não podem ser discutíveis, que são essenciais e fundamentais, serão declarados por nós sem qualquer gagueira, sem qualquer interrogação das pessoas: “O que você deseja nos dizer?” Sim, e sem pedido de desculpas: “Estes são os meus pontos de vista, mas as opiniões de outras pessoas podem estar corretas”. Devemos pregar o Evangelho, não como nossos pontos de vista em absoluto, mas conforme a mente de Deus, o testemunho de Jeová a respeito de Seu próprio Filho, e em referência à salvação para os homens perdidos. Se tivéssemos sido confiados à produção do Evangelho, poderíamos tê-lo alterado para atender ao gosto deste século recatado, mas nunca fomos comissionados a originar a boa notícia, mas apenas a repeti-la, não nos atrevemos a ir além do que está escrito. O que temos sido ensinados por Deus, nós ensinamos. Se não fizermos isso, não somos aptos para a nossa posição. Se eu tiver um servo em minha casa, e eu enviar uma mensagem por meio dele até a porta, e ele a alterar, em sua própria autoridade, ele pode tirar a essência da mensagem ao fazê-lo, e ele será responsável pelo que ele fez. Ele não ficará por muito tempo em meu serviço, porque eu preciso de um servo que repete o que eu digo, tanto quanto possível, palavra por palavra; e se ele faz isso, eu sou responsável pela mensagem, e ele não. Se alguém estivesse irado com ele pelo que ele disse, isso seria muito injusto; sua discussão encontra-se comigo, e não com a pessoa que eu emprego para atuar como boca por mim. Aquele que tem a Palavra de Deus, que fale-a fielmente, e ele não terá necessidade de responder aos contradizentes, exceto com um “Assim diz o Senhor”. Esta, então, é a questão a respeito da qual estamos decididos.

 

Como devemos mostrar esta decisão? Não precisamos ter o cuidado de responder a essa pergunta, a nossa decisão mostrar-se-á em sua própria maneira. Se realmente acreditamos em uma verdade, seremos decididos sobre isso. Certamente não devemos mostrar a nossa decisão por essa intolerância obstinada, furiosa, feroz que corta qualquer outro corpo da chance e da esperança da salvação e da possibilidade de ser regenerado ou mesmo decentemente honesto, se acontecer deles diferirem de nós sobre a cor de uma escama do grande leviatã. Algumas pessoas parecem ser naturalmente talhadas na cruz; elas são fabricadas para serem irritadas e irritadas elas serão. Mais cedo do que não contender com vocês, elas levantariam uma questão sobre a cor da invisibilidade, ou o peso de uma substância inexistente. Elas estão em pé de guerra com vocês, e não por causa da importância da questão em discussão, mas por causa da importância muito maior de serem sempre o Papa do partido. Não vão para o mundo com o seu punho cerrado para a luta, carregando um revólver teológico na perna das suas calças. Não há sentido em ser uma espécie de galo de briga doutrinal, e seguirem a mostrar o seu espírito, ou um cão de caça de ortodoxia, prontos para enfrentar os ratos heterodoxos por pontuação. Pratiquem suaviter in modo, bem como a fortiter in re1. Estejam preparados para lutar, e sempre tenham a sua espada afivelada à sua coxa, mas usem uma bainha; não pode haver sentido em acenar sua arma diante dos olhos de todos para provocar o conflito, segundo o costume de nossos amados amigos da Ilha Esmeralda, dos quais é dito terem seus casacos retirados em Donnybrook Fair2, e os arrastam ao longo do solo, clamando, enquanto eles agitam os seus porretes: “será que algum cavalheiro será tão bom, de modo a pisar na extremidade de meu casaco?” Há teólogos de tal sangue quente, copioso, que eles nunca estão em paz até que eles estejam totalmente engajados em guerra.

 

Se você realmente crê no Evangelho, você estará decidido por ele em formas mais sensíveis. Seu próprio tom denunciará a sua sinceridade; você falará como um homem que tem algo a dizer, alguém que sabe ser verdade. Você já assistiu a um tratante quando ele está prestes a contar uma mentira? Você já percebeu a maneira pela qual ele articulou isso? É preciso um longo tempo para ser capaz de contar bem uma mentira, pois os órgãos faciais não foram originalmente constituídos e adaptados para a entrega complacente da falsidade. Quando um homem sabe que ele está dizendo a verdade, tudo sobre ele corrobora a sua sinceridade. Qualquer advogado interrogando sabe com pouca dúvida se uma testemunha é verdadeira ou enganadora. A verdade tem seu próprio ar e forma, seu próprio tom e ênfase. […] Deve haver sempre aquele mesmo ar de verdade sobre o ministro Cristão; somente enquanto ele não está apenas testemunhando da verdade, mas quer que as outras pessoas reconheçam aquela verdade e possuam o poder dela, ele deveria ter mais decisão em seu tom do que uma mera testemunha que está afirmando fatos que podem ser cridos ou não sem quaisquer graves consequências após uma ou outra maneira. Lutero foi um homem decidido. Ninguém duvidava que ele cria no que falava. Ele falou em trovões, pois havia um raio em sua fé. O homem pregou por toda parte, pois toda a sua natureza cria. Você sentia: “Bem, ele pode ser louco, ou ele pode estar completamente enganado, mas ele seguramente crê no que ele diz. Ele é a encarnação da fé; seu coração está fluindo para fora de seus lábios”.

 

Se quisermos mostrar decisão pela verdade, não devemos fazê-lo apenas por nosso tom e forma, mas por nossas ações diárias. A vida de um homem é sempre mais convincente do que o seu discurso; quando os homens fizerem um balanço disto, eles considerarão as suas ações como libras, e suas palavras como pence. Se sua vida e suas doutrinas discordarem, a multidão de espectadores aceitará a sua prática e rejeitará a sua pregação. Um homem pode saber muita coisa sobre a verdade, e ainda assim ser uma testemunha muito prejudicial em seu nome, porque ele não dá crédito a ela. O charlatão que na história clássica propagou uma cura infalível para constipações, tossindo e espirrando entre cada frase de seu panegírico, pode servir como imagem e símbolo de um ministro profano. O Sátiro na fábula de Esopo ficou indignado com o homem que soprava quente e frio com a mesma boca, e bem assim ele poderia estar. Não posso conceber nenhum método mais seguro para prejudicar os homens contra a verdade do que por soar seus louvores através dos lábios de homens de caráter suspeito. Quando o diabo virou pregador no dia de nosso Senhor, o Mestre ordenou que ele se calasse; ele não se importou com louvores satânicos. É muito ridículo ouvir boa verdade de um homem mau; é como farinha em um saco de carvão. […] Que estranho seria ouvir um homem dizer: “Eu sou um servo do Deus Altíssimo, e eu irei onde quer que eu possa ganhar o máximo de salário. Sou chamado a labutar para a glória de Jesus somente, e eu não irei a nenhum lugar a não ser que a igreja possua a mais respeitável posição. Para mim o viver é Cristo, mas não posso fazê-lo ganhando apenas £500 libras por ano”.

 

Irmão, se a verdade está em ti, ela sairá de ti inteira, sendo como os fluxos de perfume de cada ramo da árvore de madeira de sândalo; que te conduzirá para adiante como o vento alísio acelera os navios, preenchendo todas as suas velas; ela consumirá toda a tua natureza com a sua energia como o incêndio na floresta queima todas as árvores do bosque. A verdade não dará totalmente a sua amizade a ti, até que todos os teus feitos sejam marcados com o seu selo.

 

Devemos mostrar a nossa decisão pela verdade através dos sacrifícios que estamos prontos para fazer. Este é, de fato, o método mais eficiente, bem como o mais difícil. Devemos estar prontos para desistir de toda e qualquer coisa por causa dos princípios que nós defendemos, e devemos estar prontos para ofender nossos melhores apoiadores, para nos separar de nossos amigos mais íntimos, mais cedo do que desmentir as nossas consciências. Devemos estar prontos a sermos mendigos no bolso, e refugo em reputação, ao invés de agir traiçoeiramente. Podemos morrer, mas não podemos negar a verdade. O custo já está contabilizado, e estamos determinados a comprar a verdade a qualquer preço, e não vendê-la por preço nenhum. Muito pouco deste espírito está difundido hoje em dia. Os homens têm uma fé salvadora, e salvam as suas próprias pessoas da angústia; eles têm um grande discernimento e sabem de que lado o seu pão está amanteigado; eles são generosos, e são todas as coisas para todos os homens, se, por qualquer meio, eles podem salvar um montante. Há uma abundância de cachorros em redor, que seguiriam no calcanhar de qualquer homem que os mantivesse alimentados. Eles estão entre os primeiros a latir na decisão, e a chamam de dogmatismo obstinado, e fanatismo ignorante. Seu veredicto condenatório não nos causa nenhum perigo; é o que esperávamos.

 

Acima de tudo, devemos mostrar o nosso zelo pela verdade por continuamente, em tempo e fora de tempo, nos esforçar-nos para mantê-la da maneira mais terna e mais amorosa, mas ainda muito séria e firmemente. Não devemos falar com nossas congregações como se estivéssemos meio adormecidos. A nossa pregação não deve ser ronco articulado. Deve haver poder, vida, energia, vigor. Devemos lançar nossos “eus” inteiros a isso, e mostrar que o zelo da casa de Deus tem nos consumido.

 

Como devemos manifestar a nossa decisão? Certamente não por insistir em uma corda e repetir uma e outra vez as mesmas verdades, com a declaração de que nós cremos nelas. Tal curso de ação apenas sugeriria ser ela mesma incompetente. O realejo não é um padrão de decisão, ele pode ter persistência, mas isso não é a mesma coisa que consistência. Eu poderia indicar alguns irmãos que aprenderam cerca de quatro ou cinco doutrinas, e eles as trituram uma e outra vez com monotonia eterna. Fico sempre contente quando afiam suas músicas em alguma rua longe de minha morada. Pois cansar com a repetição perpétua não é a maneira de manifestar nossa firmeza na fé. Meus irmãos, vocês fortalecerão a sua decisão pela lembrança da importância dessas verdades para as suas próprias almas. Os seus pecados estão perdoados? Vocês têm uma esperança do Céu? Como as solenidades da eternidade afetam vocês? Certamente vocês não estão salvos à parte destas coisas, e, portanto, vocês devem guardá-las, pois vocês reconhecem que são homens perdidos se elas não são verdade. Vocês sabem que têm que morrer, e estão conscientes de que somente essas coisas podem sustentá-lo no último momento, vocês as seguram com toda a sua força. Vocês não podem abandoná-las. Como pode um homem renunciar a uma verdade que ele sente ser de vital importância para a sua alma? Ele sente diariamente: “Eu tenho que viver nisso, eu tenho que morrer nelas, sou infeliz agora, e perdido para sempre fora delas, e, portanto, com a ajuda de Deus, eu não posso abandoná-las”.

 

Vossa própria experiência diária vos sustentará, amados irmãos. Espero que vocês já tenham percebido e experienciado muito mais do poder da verdade que vocês pregam. Eu creio na doutrina da eleição, porque tenho a certeza de que se Deus não tivesse me escolhido, eu nunca O teria escolhido; e tenho certeza que Ele me escolheu antes de eu nascer, ou então Ele nunca teria me escolhido depois; e Ele deve ter me eleito por razões desconhecidas para mim, pois eu nunca poderia encontrar qualquer razão em mim mesmo para que Ele me olhasse com amor especial. Então, eu sou obrigado a aceitar essa doutrina. Estou vinculado à doutrina da depravação do coração humano, porque eu me encontro depravado de coração, e tenho provas diárias de que não habita em minha carne nenhuma coisa boa. Não posso deixar de considerar que deve haver uma expiação antes que possa haver perdão, porque a minha consciência assim o exige, e minha paz depende disso. O pequeno tribunal dentro do meu próprio coração não está satisfeito a menos que alguma retribuição seja exigida pela desonra feita a Deus. Dizem-nos, por vezes, que as declarações tais e tais não são verdadeiras; mas quando somos capazes de responder que já as provamos e experimentamos, que resposta há para tal raciocínio? Um homem propõe a maravilhosa descoberta de que o mel não é doce. “Mas eu comi um pouco no café da manhã, e eu o achei muito doce”, dizem vocês, e sua resposta é conclusiva. Alguém lhes diz que o sal é venenoso, mas vocês apontam para a sua própria saúde, e declaram que vocês têm comido sal nestes quarenta anos. Alguém diz que comer o pão é um erro, um erro vulgar, um absurdo antiquado; mas em cada refeição vocês fazem o seu protesto ao assunto com um riso alegre. Se vocês experimentam diária e habitualmente a verdade da Palavra de Deus, eu não tenho medo de que vocês sejam abalados na mente em relação a ela. Esses jovens companheiros que nunca sentiram a convicção do pecado, mas obtiveram a sua religião da forma como eles tomaram o seu banho de manhã, saltando nela; esses, tão facilmente, saltarão para fora dela quanto eles pularam para dentro. Aqueles que não sentem nem as alegrias nem tampouco as depressões de espírito que sinalizam a vida espiritual, ficam entorpecidos, e a sua mão paralisada não tem controle firme da verdade. Meras escumadeiras da palavra, que, como andorinhas, tocam na água com as asas, são os primeiros a voar de um terreno para outro, como as considerações pessoais os guiarem. Eles acreditam nisso, e depois acreditam naquilo, pois, na verdade, eles não acreditam em nada intensamente. Se vocês já foram arrastados pela lama e barro da alma ao desespero, se vocês já foram virados de cabeça para baixo, e destruídos como louças, de toda a sua própria força e orgulho, e, em seguida, foram preenchidos com a alegria e a paz de Deus, através de Jesus Cristo, eu confio em vocês entre cinquenta mil infiéis. Sempre que ouço ataques obsoletos do cético sobre a Palavra de Deus, eu sorrio dentro de mim mesmo, e penso: “Ora, como você é simplório! Como você pode incitar tais objeções insignificantes? Eu senti, nas contendas da minha própria incredulidade, dificuldades dez vezes maiores”. Nós, que competimos com os cavalos não devemos nos cansar pelos homens que vão a pé [Jeremias 12:5]. Gordon Cumming³ e outros caçadores de leões não devem ter medo de gatos selvagens, nem aqueles que resistiram pé a pé contra Satanás, renunciar o território para os céticos pretensiosos, ou qualquer outro dos servos inferiores do maligno.

 

Se, meus irmãos, temos comunhão com o Senhor Jesus Cristo, não podemos duvidar dos fundamentos do Evangelho; nem podemos ser indecisos. Um vislumbre da cabeça coroada de espinhos e mãos e pés perfurados é a cura certa para o “pensamento moderno” e todos os seus caprichos. Entrem na “Rocha Eterna, por vós fendida”, e vocês detestarão a areia movediça. Aquele eminente pregador americano, o seráfico Summerfield, quando ele se deitou moribundo, virou-se para um amigo no quarto, e disse: “Eu tive um olhar para a eternidade. Ah, se eu pudesse voltar e pregar mais uma vez, quão diferente eu pregaria, em relação ao que eu fiz antes!” Olhem para a eternidade, irmãos, se vocês quiserem ser decididos. Lembrem-se como o Ateu conheceu Cristão e Esperançoso na estrada para a Nova Jerusalém, e disse: “Não há nenhum país celestial. Eu tenho percorrido um longo caminho, e não pude encontrá-lo”. Em seguida, Cristão disse ao Esperançoso: “Nós não a vimos a partir do topo do Monte Claro, quando estávamos com os pastores?”. Ali houve uma resposta! Assim, quando os homens dizem: “Não há um Cristo, não há nenhuma verdade na Religião”, devemos responder-lhes: “Não temos nos sentado sob a Sua sombra com grande deleite? Não era doce o Seu fruto ao nosso paladar? Vá com o seu ceticismo para aqueles que não sabem no que eles têm crido. Nós provamos e lidamos com a boa Palavra de Vida. O que temos visto e ouvido, isso nós testemunhamos; e se os homens recebem o nosso testemunho ou não, não podemos deixar de falar, pois falamos o que sabemos e testemunhamos o que temos visto”. Esse, meus irmãos, é o caminho certo para sermos decididos.

 

E agora, por fim, por que deveríamos ser decididos e ousados nessa época peculiar? Devemos ser assim porque esta época é uma era de dúvida. Ela pulula com céticos como o Egito, no passado, com rãs. Vocês esbarram contra eles em todos os lugares. Todo mundo está duvidando de tudo, não apenas na religião, mas na política e na economia social, em tudo. É a era do progresso, e eu acho que deve ser a era, portanto, da frouxidão, a fim de que todo o corpo político possa mover-se um pouco mais. Bem, irmãos, como a época está duvidosa, é sábio que coloquemos nosso pé no chão e permaneçamos parados onde possuímos a certeza de que temos a verdade abaixo de nós. Talvez, se fosse uma época de intolerância, e os homens não quisessem aprender, poderíamos estar mais inclinados a ouvir novos professores; mas agora o lado conservador deve ser o nosso, ou melhor, o lado radical, que é o lado verdadeiramente conservador. Devemos voltar para a raiz, ou raiz da verdade, e permanecer severamente por aquilo que Deus revelou, e assim confrontar a hesitação da época. Nosso eloquente vizinho, Sr. Arthur Mursell, bem golpeou a presente era:

 

Nós fomos longe demais ao dizer que o pensamento moderno tem se tornado impaciente com a Bíblia, o Evangelho e a cruz? Vejamos. Que parte da Bíblia ele não assaltou? O Pentateuco há muito tempo foi varrido do cânone como inautêntico. O que lemos sobre a criação e o dilúvio é assinalado como fábula. E as leis sobre os marcos, de que Salomão não tinha vergonha de citar o nosso texto, são enterrados ou colocados sobre a prateleira. Diferentes homens assaltam diferentes partes do Livro, e vários sistemas nivelam as suas baterias de preconceito em vários pontos, até que por alguma Escritura sejam rasgados em pedaços, e lançados aos quatro ventos do céu, e até mesmo o mais tolerante dos vândalos culturais, do que é chamado o pensamento moderno, é condensado em um panfleto fino de moralidade, em vez do tomo do ensino através do qual temos a vida eterna. Dificilmente há um Profeta, que não tenha sido revisto pelos sabichões atuais, precisamente com o mesmo espírito que eles revisariam uma obra da biblioteca de Mudie. O Temanita, e o Suíta nunca interpretaram mal a obra de Jó com metade do preconceito dos renomados intelectos do nosso tempo. Isaías, em vez de ser serrado, é esquartejado e cortado em pedaços. O Profeta pranteador se afogou em suas próprias lágrimas. Ezequiel é moído em átomos dentre às suas rodas. Daniel é devorado corporalmente pelos leões eruditos. E Jonas é engolido pelos monstros das profundezas com uma voracidade mais inexorável do que a do grande peixe, pois este nunca o vomita novamente. As histórias e eventos da grande crônica são rudemente contraditas e negadas, porque algum professor com uma lousa e lápis não pode alegar a sua totalidade corretamente. E cada milagre que o poder do Senhor operou em favor de Seu povo, ou a frustração de Seus inimigos, é desdenhado como um absurdo, porque os professores não podem fazer o mesmo com os seus encantamentos. Alguns dos que são chamados de milagres podem ser cridos, porque nossos líderes pensam que eles próprios os podem fazer. Alguns fenômenos naturais, que um médico pode mostrar a uma companhia de autoridades em um quarto escuro, ou com uma mesa completa de aparatos, serão responsáveis pelo milagre do Mar Vermelho. Um aeronauta sobe em um balão, e depois desce de novo, e totalmente explica a coluna de fogo e de nuvem, e ninharias desse tipo. E assim os nossos grandes homens estão satisfeitos quando eles pensam que a sua vara de brinquedo tragou a vara de Arão; mas quando a vara de Arão ameaça engolir a deles, eles dizem que essa parte não é autêntica, e que o milagre nunca ocorreu.

Nem o Novo Testamento passa melhor do que o Antigo nas mãos desses invasores. Não há conto de deferência que recrute homenagem à medida que passam ao longo da linha. Eles não reconhecem nenhuma voz de advertência com o brado: “tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa” [Êxodo 3:5]. A mente que para em sua carreira de rapinagem espiritual sob qualquer pretexto reverencial, é denunciada como ignorante ou servil. Hesitar estampar o casco sobre um lírio ou um botão em flor de primavera é a loucura sentimental de uma criança, e a vanguarda do pensamento de época só tem pena e escárnio para tal sentimento, enquanto ele persegue a sua marcha de progresso. Dizem-nos que as lendas de nossos criadouros são obsoletas, e que visões mais amplas estão ganhando terreno com mentes pensantes. Nós somos indispostos a crer nisso. A verdade é que poucos, pouquíssimos homens pensativos, cujo pensamento consiste em negação do princípio ao fim, e cujas mentes são torturadas com uma torção ou curva-se crônicos, o que os transforma em notas intelectuais de interrogatório, lançaram o fundamento neste sistema; esses poucos céticos honestos foram unidos por uma faixa maior, que estão simplesmente inquietos, e estes novamente por homens que são contrários ao Espírito e às verdades da Escritura, e juntos eles formaram um conventículo, e se denominaram os líderes do pensamento da época. Eles têm partidários, é verdade; mas de quem isso consiste? Dos meros satélites da moda. Da riqueza, pedantismo e estupidez das nossas grandes populações. Uma série de viaturas é vista “estabelecendo” e “ocupando” a porta, onde um professor avançado palestra, e por causa do modista, há alerta do chão ao teto na sala de aula, estes pontos de vista são considerados ganhando terreno. Mas em uma época de moda como esta, quem jamais desconfia desses asseclas da moda, tendo qualquer visibilidade, em absoluto? Ele se torna respeitável por seguir um determinado nome por um tempo, e assim as vaidades seguem o nome e mostram a vestimenta. Mas, como pontos de vista, pode-se suspeitar que essas pessoas não têm mais quaisquer pontos de vista do que eles sonhariam em cobrar mais do que uma décima parte das multidões que vão para a exposição da Royal Academy com compreensão das leis da perspectiva. Esta é a coisa a fazer; e assim cada um tem uma veste para mostrar e uma sala de estar ao ar, vão mostrá-lo, e todos os que estariam na moda (e quem não estaria?) são obrigados a progredir com os tempos. E, portanto, encontramos os tempos avançando sobre os recintos sagrados do Novo Testamento, como se fosse o chão de St. Alban, ou a sala de aula de um professor; e senhoras arrastam os seus cortejos, e os dândis estabelecem suas botas sobre a autenticidade deste, ou a autoridade daquele, ou a inspiração do outro. Pessoas que nunca ouviram falar de Strauss, Bauer, ou de Tübingen, são bem preparadas para dizer que nosso Salvador era apenas um homem bem-intencionado, que teve um grande número de falhas, e fez um grande número de erros; que os Seus milagres, como registrado no Novo Testamento, foram em parte imaginários, e, em parte, explicados por teorias naturais; que a ressurreição de Lázaro nunca ocorreu, uma vez que o Evangelho de João é uma falsificação do princípio ao fim; que a expiação é uma doutrina a ser observada como sangrenta e injusta; que Paulo era um fanático que escreveu sem pensar, e que muito do que tem o seu nome nunca foi escrito por ele em absoluto. Assim a Bíblia é esfregada através do tribulum4 de críticas de Gênesis ao Apocalipse, até que, na fé da época em que vivemos, como representada por seus chamados líderes, há apenas alguns fragmentos inspirados que aqui e ali permaneceram”.

 

Além disso, depois de tudo, essa não é uma época sinceramente duvidosa; vivemos entre uma raça frívola e descuidada. Se os céticos fossem honestos haveria lugares infiéis mais confluentes do que há; mas a infidelidade como uma comunidade organizada não prospera. A infidelidade em Londres, aberta e declarada, chegou até um antigo galpão de ferro corrugado oposto a São Lucas. Eu acredito que é a atual localização do mesmo. Não é chamado “O Salão da Ciência”? Sua literatura foi divulgada um longo tempo em metade de uma loja em Fleet Street, que era tudo o que conseguia de apoio, e eu não sei se mesmo aquela metade de loja é usada agora. É uma coisa miserável, idólatra, tagarela. No tempo de Tom Paine este ameaçado como um blasfemador vigoroso, mas era sincero, e, à sua maneira, francamente sério em sua sinceridade. Ele liderou em dias passados alguns nomes dos quais se poderia falar com uma medida de respeito; Hume, a saber, e Bolingbroke, e Voltaire eram grandes em talento, se não em seu caráter. Mas onde agora você encontrará um Hobbes ou um Gibbon? Os que duvidam agora são simplesmente céticos, porque eles não se importam com a verdade em absoluto. Eles são completamente indiferentes. O ceticismo moderno está jogando e brincando com a verdade; e este toma o “pensamento moderno”, como uma diversão, como senhoras levadas ao croquete ou tiro com arcos. Isso não é nada menos do que uma época de chapelaria, bonecos e comédia. Mesmo as pessoas boas não acreditam intensamente como os seus pais costumavam fazer. Até mesmo alguns entre os Não-conformistas são vergonhosamente negligentes em suas convicções; eles têm poucas convicções consumadas, como as que os levariam para a estaca, ou até mesmo a prisão. Moluscos tomaram o lugar dos homens, e os homens se converteram em peixes-geléia. Que esteja longe de nós o desejo de imitá-los.

 

Além disso, esta é uma época que é muito impressionável, e, portanto, gostaria de ver vocês muito decididos, de modo que possam impressioná-los. O maravilhoso progresso feito na Inglaterra pelo movimento da Alta Igreja mostra que a seriedade é poder. Os Ritualistas creem em algo, e esse fato deu-lhes influência. Para mim, seu credo distintivo é um absurdo intolerável, e os seus procedimentos são tolice infantil; mas eles se atreveram a ir contra a multidão, e viraram a multidão para o lado deles. Corajosamente eles lutaram, permitam-nos dizer que para a sua honra, quando suas igrejas tornaram-se as cenas de tumulto e desordem, e ali foi criado o terrível grito de “Nenhum Papado” pelas ordens mais baixas, eles corajosamente enfrentaram o inimigo e nunca estremeceram. Eles foram contra toda a corrente do que era pensado ser o sentimento profundo da Inglaterra, em favor do Protestantismo, e com apenas um bispo para patrociná-los, e mais alguns pães e peixes de patrocínio, eles passaram de um mero punhado a tornarem-se o partido dominante e mais importante na Igreja da Inglaterra, e para nossa grande surpresa e horror trouxeram as pessoas para receber novamente o Papado, que pensávamos estar morto e enterrado. Se alguém tivesse me dito há vinte anos que a bruxa de En-dor se tornaria rainha da Inglaterra, eu teria mais cedo crido nisso, do que se soubéssemos que agora teríamos um tal desenvolvimento da Alta Igreja; mas o fato é que os homens eram sérios e decididos, e realizaram o que eles criam mais firmemente, e não hesitaram em incitar a sua causa. A época, portanto, pode ser impressionada; ela receberá o que é ensinado por homens zelosos, quer seja verdade ou falsidade. Pode-se objetar que a falsidade será recebida mais facilmente; o que é apenas possível, mas algo será aceito pelos homens, se vocês apenas pregá-lo com uma enorme energia e vívida seriedade. Embora eles possam receber em seus corações, em um sentido espiritual, mas de qualquer forma, haverá uma aceitação mental e consentimento, muito em proporção à energia com que vocês o anunciarão, e que Deus abençoe a nossa decisão também, para que, quando a mente for adquirida por nossa seriedade, e a atenção seja ganha pelo nosso zelo, o próprio coração será aberto pelo Espírito de Deus.

 

Nós devemos ser decididos. O que Dissidentes têm feito para uma maior extensão, ultimamente, senão tentando ficar bem? Quantos de nossos pastores estão labutando para ser grandes oradores ou pensadores intelectuais? Isso não é a questão. Nossos jovens ministros foram deslumbrados com isso, e têm ido zurrar como asnos selvagens sob a noção de que eles seriam, então, renomados por terem vindo de Jerusalém ou terem sido criados na Alemanha. O mundo os rejeitou. Não há nada, agora, eu acredito que os Cristãos genuínos desprezam mais do que a tola afetação do intelectualismo. Vocês ouvirão um bom velho diácono dizer: “Sr. Fulano de tal, quem tivemos aqui, era um homem muito inteligente, e pregou sermões maravilhosos, mas a causa decaiu com ele. Dificilmente conseguimos apoiar o ministro, e queremos dizer que da próxima vez pretendemos ter um dos ministros antiquados novamente, que creem em algo e o pregam. Não haverá mais qualquer adição à nossa igreja”. Vocês sairão e dirão às pessoas que vocês creem que podem dizer algo, mas vocês dificilmente sabem o que; vocês não têm certeza de que o que pregam está correto, mas o fiduciário requer que vocês o digam, e, portanto, vocês o dizem? Ora, vocês podem fazer com que os tolos e idiotas estejam satisfeitos com vocês, e vocês terão a certeza de propagar a infidelidade, mas vocês não o podem mais fazer.

 

Quando um profeta vem adiante, ele deve falar da parte do Senhor, e se ele não pode fazer isso, deixe-o ir de volta para sua cama. É certo, queridos amigos, que agora ou nunca, devemos ser decididos, porque a época está manifestamente à deriva. Você não pode olhar por doze meses sem ver como ele está indo para baixo na maré; as âncoras são içadas, e o navio está navegando para a destruição. Ele está à deriva agora, tão perto quanto eu posso dizer, a sudeste, e está se aproximando do Cabo Vaticano, e se ele se dirigir muito mais longe nessa direção, estará sobre as rochas do recife Romano. Temos de entrar a bordo dele, e uni-lo com o glorioso rebocador a vapor da verdade do Evangelho, e arrastá-lo de volta. Eu estaria feliz se eu pudesse conduzi-lo, dando a volta pelo Cabo Calvinista, até a Baía do Calvário, e ancorá-lo no bom abrigo que está mais próximo da cruz. Deus nos conceda a graça de fazê-lo. Nós devemos ter uma mão forte, e ter o nosso vapor intensificado, e desafiar a corrente; e assim, pela graça de Deus, salvaremos tanto esta época e as gerações ainda por vir.

__________
[1] (expressão Latina, “suavidade na conduta, força na realidade”, fonte: Merriam-webster.com/dictionary).

[2] Donnybrook Fair: expressão que denota uma luta excessivamente selvagem ou disputa contenciosa, fonte: Dictionary.reference.com/browse/donnybrook

[3] Roualeyn George Gordon-Cumming (15 de março de 1820 – 24 de março de 1866) foi um viajante escocês e desportista, conhecido como o “caçador de leões” (Wikipédia).

verdade, e permanecer severamente por aquilo que Deus revelou, e assim confrontar a hesitação da época.

[4] Tribulum: Expressão Latina que designa um trenó de madeira que puxa o trigo para separá-lo do joio (ablemedia.com).
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.