A Posição da ARBCA Sobre a Continuação dos Dons de Revelação em Nossos Dias

|

Um Documento Concernente à Posição da ARBCA Sobre A Continuação dos Dons de Revelação em Nossos Dias

 

Apresentado pelo Comitê Ad Hoc à ARBCA Sobre Dons de Revelação

Aprovado por unanimidade na Assembleia Geral em 8 de março de 2000

 

Introdução

À luz das reivindicações atuais em favor da continuação dos dons de revelação, mesmo por aqueles que acreditam em um cânone fechado e que professam a Fé Reformada, cabe à ARBCA publicar a sua posição sobre essas questões para uma maior compreensão e unidade entre suas igrejas-membros. A posição adotada pela ARBCA será usada para informar e analisar aquelas igrejas que buscam tornarem-se membros desta Associação, para estabelecer um padrão em relação a esta controvérsia, caso ela surja nas igrejas que são membros da Associação, para servir como um padrão para os materiais publicados pela ARBCA e examinar missionários nativos e estrangeiros apoiados por igrejas da ARBCA.

Como uma obra confessional, o objetivo deste documento contendo nosso posicionamento é identificar e esclarecer as declarações contidas na Confissão de Fé Batista de Londres 1689 que lidam com as questões agora tratadas, para que possamos responder às perguntas sobre as posições que nós afirmamos e para negar a partir de uma base confessional, e para preservar a unidade das igrejas em dias de controvérsia. Sempre entendemos que a Escritura deve ser a autoridade final para a consciência sobre esta questão. No entanto, as igrejas-membro de ARBCA já confessaram que a CFB de 1689 é um resumo fiel do que a Escritura ensina e, que a subscrição a ela é a base para a nossa unidade como uma associação de igrejas. Questões detalhadas de exegese podem ser abordadas em mensagens pregadas em nossa convenção ou nas leituras sugeridas. Isso por que este documento contendo nossa posição deve ser considerado mais como uma exposição e aplicação da CFB quanto a esta questão do que como uma prolixa exegese das Escrituras. Uma bibliografia selecionada é fornecida como recurso para um estudo mais aprofundado.

As posições abordadas neste artigo incluirão aquelas que são sustentadas por (1) Comunidades Carismáticas/Pentecostais, (2) crentes Reformados que sustentam que o cânon está completado e fechado, mas ainda acreditam, de alguma forma, na continuação da profecia, (3) Reformados que sustentam uma visão Cessacionista, contudo aceitam uma “visão aberta” em relação às futuras revelações e/ou sinais, (4) crentes Reformados que defendem uma visão Cessacionista, contudo, ainda creditam que Deus deu algumas experiências extraordinárias a alguns bons homens no passado, (5) crentes Reformados que podem usar palavras descuidadas para descrever a iluminação do Espírito Santo, e (6) crentes Reformados que aceitam uma visão Cessacionista completa.

I. Em primeiro lugar, o que a CFB tem a dizer sobre a cessação da revelação objetiva, sobre a doutrina da iluminação, e a possibilidade de dons de revelação haverem continuado para além do fechamento do cânon?

1. CFB 1:1 — “As Sagradas Escrituras são a única, suficiente, correta e infalível regra de todo conhecimento, fé e obediência salvíficos… Portanto aprouve ao Senhor, em diversas ocasiões, e de muitas maneiras, revelar-Se, e declarar a Sua vontade para a Sua Igreja; e, posteriormente, para melhor preservação e propagação da verdade, e para o mais seguro estabelecimento e consolo da Igreja… concedeu a mesma completamente por escrito; o que faz da Sagrada Escritura indispensável. Aqueles antigos modos de Deus revelar a Sua vontade ao Seu povo agora cessaram.

Comentário:

Este primeiro parágrafo na Confissão identifica a Escritura Sagrada como única, suficiente, correta e infalível regra tanto para a salvação quanto para a santificação (obediência). Isto compreende todas as questões de fé e vida. Ele afirma ainda afirma que as “muitas maneiras” pelas quais Deus revelou Sua vontade à Sua Igreja agora cessaram, tendo sido “completamente” dadas por escrito. Isto significa simplesmente que todos os métodos de revelação utilizados por Deus para revelar-Se ao Seu povo estão agora completados. Isso não significa que todas as revelações que Deus deu ao Seu povo por “muitas maneiras” foram escritas, mas apenas que aquilo que Deus considerou necessário para “a Sua própria glória, a salvação do homem, fé e vida” (1:6). O simples fato de uma revelação não haver sido escrita não significa que ela é uma “revelação menor”. Portanto, as “muitas maneiras” e “antigos modos” que Deus usou para revelar a Sua vontade ao Seu povo cessaram. Por definição, isto inclui uma comunicação direta verbal, teofanias, profecias, sonhos, visões, dons de cura, em associação com a revelação, escritos proféticos e apostólicos, línguas, interpretação de línguas, e qualquer outro método sobrenatural usado por Deus para revelar-Se ou declarar Sua vontade à Sua Igreja, antes do fechamento do cânon. Ninguém negaria que Deus ainda faz milagres hoje em dia, em resposta à oração, mas o que a CFB não admite, por exemplo, é que as pessoas de hoje tenham o mesmo dom de cura que existia nos dias apostólicos. Visto que em todos os casos em que a Escritura registra a operação de sinais milagrosos através de indivíduos, estes foram dados com o propósito de dar testemunho da revelação dada (João 20:30-31; 2 Coríntios 12:12; Hebreus 2:1-4).

2. CFB 1:6 — “Todo o conselho de Deus concernente a todas as coisas necessárias para a Sua própria glória, a salvação do homem, fé e vida, ou é expressamente declarado ou necessariamente contido nas Sagradas Escrituras, ao que nada, em qualquer tempo, deve ser acrescentado, seja por novas revelações do Espírito, ou por tradições humanas. No entanto, nós reconhecemos a iluminação interior do Espírito de Deus como sendo necessária para a compreensão salvífica das coisas reveladas na Palavra…”.

Comentário:

De acordo com este parágrafo, há uma diferença entre a revelação e a iluminação do Espírito Santo. O ponto é que a Sagrada Escritura é tão completa que revela “todo o conselho de Deus” em relação a todas as coisas necessárias para a Sua glória, a salvação do homem, fé e vida. Esta descrição abrangente das Escrituras certamente inclui a salvação, a santificação e todas as áreas necessárias para a vida do crente. Portanto, não há novas revelações que sejam necessárias além da Escritura e nada deve ser adicionado à Escritura. Isso inclui as supostas “novas revelações do Espírito”, e as tradições dos homens. Se revelações modernas ainda fossem concedidas, elas não poderiam ser válidas se relacionadas com a salvação, a santificação, a obediência, a fé ou a vida. Obviamente, não há mais nada para revelar até que Jesus venha. No entanto, reconhece-se que a iluminação interior do Espírito de Deus é necessária para uma compreensão salvífica da revelação da Palavra escrita. A iluminação não é a mesma coisa que a revelação objetiva.

3. CFB 1:9 — “A regra infalível de interpretação da Escritura é a própria Escritura; e, portanto, quando houver uma questão sobre o verdadeiro e pleno sentido de qualquer Escritura (que não é múltiplo, mas único), esse pode ser investigado por meio de outros textos que o expressem mais claramente”.

Comentário:

Se somente a Escritura é a revelação única e definitiva de Deus, e ela revela todo o Seu conselho para a salvação, fé e vida, então nenhum intérprete infalível da Escritura existe, senão a própria Escritura. Isso elimina a reivindicação moderna de inspiração, interpretação autoritativa da Escritura pela continuação de dons de revelação tais como a profecia, as línguas, ou dons de interpretação. Pois quando alguma pessoa afirma: “Deus me disse o que esta passagem significa”, ela está ignorando a Escritura como seu próprio intérprete final. Não obstante, a iluminação Espírito Santo quando comparamos Escritura com Escritura não é a mesma coisa que aqueles dons de revelação antigos, que agora cessaram.

4. CFB 1:10 — “O Juiz supremo, pelo qual todas as controvérsias da Religião devem ser determinadas, e todos os decretos de concílios, opiniões de escritores antigos, doutrinas de homens e espíritos particulares devem ser examinados, e em cuja sentença devemos nos firmar, não pode ser outro senão o Espírito falando na Escritura; no que a Escritura assim anuncia, nossa fé é finalmente decidida”.

Comentário:

Não pode haver mais revelações de Deus que contenham qualquer nível de autoridade para a nossa fé do que aquelas que já foram dadas pelo Espírito nas Sagradas Escrituras. Todos os decretos, opiniões, doutrinas e espíritos particulares devem ser examinados pela Sagrada Escritura somente como o juiz supremo da revelação e da verdade de Deus. A fé é decidida quando compreendemos e cremos naquilo que a Bíblia ensina.

5. CFB 8:8 — “Cristo certamente aplica e comunica eficazmente a redenção eterna, para todos quantos Ele a obteve, fazendo intercessão por eles; unindo-os a Si mesmo por Seu Espírito; revelando-lhes, na e pela Sua Palavra, o mistério da salvação, persuadindo-os a crer e a obedecer, governando seus corações pelo Seu Espírito e por Sua Palavra…”.

Comentário:

Aqui, a CFB usa “revelando-lhes”, não no sentido da revelação objetiva usada para descrever a Escritura, mas no sentido subjetivo de “revelar” a revelação objetiva das Escrituras à alma do homem no chamado eficaz. Por esta “revelação” aplicativa, ou subjetiva, eles poderiam compreender a iluminação e regeneração como parte deste “revelando-lhes”, contudo, não como sendo uma revelação objetiva no sentido das Escrituras ou dos antigos dons de revelação.

6. CFB 10:1 — “…iluminando suas mentes de maneira espiritual e salvífica, para que entendam as coisas de Deus…”.

Comentário:

Novamente, essa iluminação da mente no chamado eficaz, ou iluminação, é referenciada por Efésios 1:17-18. Neste texto, Paulo ora pelos Cristãos para que Deus, o Pai, lhes desse “o espírito de sabedoria e de revelação” no conhecimento de Deus, para que conhecessem aquilo que lhes havia sido dado gratuitamente por Deus. Mais uma vez, este uso do termo “revelação” refere-se à iluminação dos Cristãos para discernirem a verdade já revelada, e não a revelação de novas verdades por dons de revelação utilizados anteriormente.

7. CFB 18:3 — “Esta segurança infalível não pertence de tal modo à essência da fé, que um verdadeiro crente, antes de possuí-la, não tenha de esperar muito e lutar com muitas dificuldades; contudo sendo habilitado pelo Espírito a conhecer as coisas que lhe são livremente dadas por Deus, ele pode alcançá-la, sem revelação extraordinária, no uso correto dos meios…”.

Comentário:

A obtenção de uma garantia infalível não vem por revelação extraordinária, uma vez dada por dons de revelação, mas pelo Espírito que ilumina os meios que Deus já deu; ou seja, a Escritura, a oração, as Ordenanças, e etc. Isto proíbe a dependência de dons de revelação, de outras pessoas, ou experiências extraordinárias para atingir uma segurança infalível.

8. CFB 22:1 — “Mas o modo aceitável de adorar o verdadeiro Deus é instituído por Ele mesmo e tão limitado por Sua própria vontade revelada, de forma que Ele não pode ser adorado segundo as imaginações e invenções dos homens ou sugestões de Satanás, nem sob qualquer representação visível ou qualquer outro modo não prescrito nas Sagradas Escrituras”.

Comentário:

A doutrina do princípio regulador do culto requer a prescrição da Escritura para qualquer elemento de adoração. A prática da continuação dos dons de revelação na adoração, ou a revelação de novas formas de adoração, mina a finalidade das Escrituras como a fonte de revelação para a regulamentação do culto. Tais dons minam ainda mais a autoridade dos anciãos que não possuem tais dons. Caso uma diferença surja entre o ensino autorizado dos anciãos versus o conteúdo de uma profecia, qual dos dois o crente deve seguir? Especialmente, quando a suposta profecia pode ou não pode ser entregue com precisão? Esta continuação do uso de dons de revelação, em última instância prejudica uma eclesiologia estável, bem como o princípio regulador do culto. Portanto, por definição, o princípio regulador do culto na CFB, e a descrição da Escritura como contendo “todo o conselho de Deus”, proíbe o uso continuado de dons de revelação usados uma vez existiram para dar-nos a Escritura como a revelação objetiva de Deus.

 

II. Em segundo lugar, o que a CFB tem a dizer sobre os mais de seis pontos de vista a respeito da continuação de dons de revelação e novas revelações além do cânon das Escrituras?

1. Em primeiro lugar, a CFB não deixa espaço para os típicos pontos de vista Pentecostais/Carismáticos. Profecias, sonhos, visões, línguas, interpretação de línguas, escritos inspirados, apóstolos, profetas e quaisquer outros dons pelos quais Deus que trouxe revelação objetiva cessaram. Esta posição não é aceitável para um pastor, missionário, ou igreja que estejam associados à ARBCA.

2. Em segundo lugar, a CFB não deixa espaço para a posição de alguns crentes Reformados que sustentam que o cânon está completado e fechado, mas ainda acreditam, de alguma forma, na continuação da profecia. Esta ideia é, por vezes, apresentada como uma diferença entre a profecia infalível usada para a revelação objetiva da Escritura e uma “profecia congregacional” menor, que pode conter erros por causa da comunicação falha dos vasos atuais. Muito é falado sobre a profecia de Ágabo como um exemplo de profecia apenas para congregações locais. Afinal de contas, foi registrado nas Escrituras. Além disso, alguns usam Ágabo como um exemplo de profecia que pode não ser comunicada com precisão pelo vaso. A profecia de Ágabo, de alguma forma, se mostrou falha. Este é um argumento muito hermeneuticamente falho, usando um disputado texto histórico para estabelecer uma doutrina de continuação menor da profecia congregacional.

Junto com este ponto de vista está a possibilidade de visões, sonhos, línguas, interpretação de línguas e palavras de sabedoria como revelações atuais de Deus, mas não iguais às revelações infalíveis da Escritura, porque o vaso pode não compreender ou comunicá-los com precisão. Este mesmo argumento foi usado por alguns teólogos liberais que defendem uma forma de inspiração bíblica ainda que negam a inerrância. Como John A. T. Robinson comentou certa vez: “Eu acredito que João escreveu o Evangelho, mas quem pode confiar na memória de um homem velho”. Há pouca diferença entre a visão errônea de Robinson da inspiração da Escritura e esta outra visão da profecia possivelmente errônea. O que aconteceria se for profetizado a um crente a respeito de como ele deve agir em relação à escolha de um emprego disponível ou de um companheiro para casar-se quando ele ainda é ignorante quanto às muitas passagens das Escrituras que têm a ver com a orientação para estas decisões? Especialmente, quando a profecia pode demonstrar-se ser errônea depois de algum tempo? Ele é forçado a escolher baseado na profecia possivelmente errada em vez de confiar totalmente na Escritura somente.

A adoção dessa visão de profecia menor acabará por minar a prioridade da dependência do Sola Scriptura. Além disso, pode ser criada uma contradição entre conselho sábio dos anciãos ordenados contra profecia possivelmente errônea, minando assim a eclesiologia bíblica. Assim, de acordo com este ponto de vista, as revelações podem ser continuadas através de dons de revelação, mas o cânon das Escrituras está fechado como a única revelação infalível e inerrante da revelação de Deus. A CFB, no entanto, inclui profecia e outros dons de revelação como tendo cessado uma vez que a Escritura foi completada. Esta posição não é aceitável para um pastor, missionário, ou igreja que estejam associados à ARBCA.

3. Em terceiro lugar, alguns crentes Reformados que sustentam uma visão Cessacionista, contudo aceitam uma “visão aberta” em relação às futuras revelações e/ou sinais. Essa visão não necessariamente crê que dons de revelação estão ativos hoje nem mesmo que acontecerão novamente. No entanto, por causa do desejo humilde de não querer limitar o Deus todo-poderoso a respeito daquilo que Ele pode optar por fazer no futuro, eles preferem manter uma “visão aberta”. Outros sustentam esta “visão aberta” em relação a certos pontos de vista pós-milenista de um possível ressurgimento dos dons de revelação nos dias milenares. Houve alguns no passado que sustentaram algumas destas visões ainda estes sustentavam também a Confissão de Westminster ou a Confissão Batista de 1689. No entanto, a visão aberta que deseja acautelar-se de limitar a Deus quanto ao futuro não pode ser sustentada de forma consistente, simplesmente porque a CFB é clara, declarando que “aqueles antigos modos de Deus revelar a Sua vontade ao Seu povo agora cessaram” (1:1). Não podemos permitir que as sinceras inconsistências de bons homens bons no passado redefinam as claras declarações da CFB. Nem eles tinham, para esclarecer as suas posições, a luz dos erros mundiais, generalizados e crescentes dos dias atuais.

A visão pós-milenista é mais difícil de refutar à luz da CFB, esta Confissão é suficientemente ampla para permitir algumas posições pós-milenistas. No entanto, a CFB também parece ser clara a respeito do período de tempo entre o fechamento do cânon e o retorno imprevisível de Cristo no último dia (31:2-3; 32:3) ser o período abrangido por “aqueles antigos modos de Deus revelar a Sua vontade ao Seu povo agora cessaram” (1:1). A descrição desconhecida do retorno de nosso Senhor na CFB não permite uma maior previsibilidade baseada em um reavivamento dos dons de revelação. Na verdade, o retorno imprevisível de nosso Senhor é identificado como a próxima “revelação”. Portanto, nenhuma “visão aberta” é aceitável para um pastor, missionário, ou igreja que estejam associados à ARBCA.

4. Em quarto lugar, existem alguns crentes Reformados que aderem a um cessacionismo estrito, e que negam a continuação dos dons de revelação, ainda que não se pode negar que alguns eventos extraordinários ocorreram na história com homens fiéis e Reformados. Alguns homens Reformados do passado relataram eventos extraordinários em suas vidas que parecem imitar os dons de revelação mencionados nas Escrituras. Ocorrências relatadas incluem o conhecimento específico de circunstâncias desconhecidas além da iluminação normal da Escritura, ou conhecimento incomum da vontade imediata de Deus e orientação para seus trabalhos, ou previsões do futuro que se tornaram realidade. É relatado que Hanserd Knollys uma vez curou Benjamin Keach e previu que ele viveria mais tempo do que Knollys, o que de fato aconteceu. Spurgeon relatou em sua autobiografia (vol. 2, p. 59-61) sobre dois incidentes em que ele pregou que alguém estava presente e disfarçado, e depois foi informado por uma mulher em cada ocasião que eles estavam presentes usando disfarce para que ninguém soubesse de sua presença ali. Em outra ocasião, ele apontou o dedo para a assembleia para onde um jovem estava sentado e disse: “Jovem, aquelas luvas que você está usando não foram pagas, você as roubou de seu empregador”. Depois do culto, um jovem o visitou, colocou as luvas em sua mesa, e confessou o crime. Outros relatórios de previsões extraordinárias na história da igreja têm sido relatados por George Gillespie, até mesmo por alguns dos Reformadores (Obras, vol. 2, cap. 5, seç. 7, p. 30).

Por mais difícil que seja explicar estes eventos, estas ocorrências, contudo, não foram realizadas por “profetas”, conforme descrito no Novo Testamento, nem estas experiências se encaixam na prática regular de profecia na adoração congregacional (1 Coríntios 14), que alguns alegam hoje. Nem esses homens incentivaram o uso de tais dons, nem tentaram restaurá-los à Igreja como é feito hoje no “restauracionismo”. Tais ocorrências extraordiná-rias, ou opiniões, ou erros de bons homens não devem ser usados para modificar as claras palavras da CFB. Pois, crer que pode ter havido experiências extraordinárias por homens bons no passado que parecem imitar, por vezes, os dons de revelação do Novo Testamento, não significa, necessariamente, que se crê que os dons de revelação ainda existem como anteriormente existiram. Aqueles que aceitam essas experiências extraordinárias de bons homens bons devem ser tratados com paciência pela ARBCA, ao terem seus pontos de vista examinados para ver se eles acreditam no continuísmo dos dons, segundo a “visão aberta” acima mencionada, o que pode não ser o caso. No entanto, deve haver uma rejeição da continuidade dos dons de revelação para se conformar à CFB para que possa haver a associação e serviço na ARBCA.

5. Em quinto lugar, há alguns crentes Reformados que podem usar palavras descuidadas para descrever a iluminação do Espírito Santo, mesmo aceitando completamente a posição cessacionista da CFB. Por exemplo, alguns Puritanos aplicaram o termo “profecia” para a pregação que era considerada cheia do Espírito. Às vezes, Lutero, Calvino e Knox descuidadamente foram chamados de “apóstolo”. Outros hoje podem usar frases como: “O Senhor me disse… O Senhor me revelou… Deus falou comigo… Deus me disse… etc.”. Essa linguagem pode ser simplesmente uma expressão que denota a iluminação do Espírito Santo e a aplicação da verdade de Deus à mente, expressa em termos confusos ou descuidados por causa deste tipo de linguagem haver se generalizado na cultura Cristã. A Teologia da Vida Superior difundiu o uso de tal linguagem na América, bem como a Teologia Pentecostal.

Tal linguagem simplesmente pode ser descuidada ou pode expressar uma crença real na revelação imediata, ou um misticismo antibíblico baseado em sentimentos subjetivos, ou uma atitude beirando a crença na continuação dos dons de revelação. Em tais casos, a caridade precisa ser exercida até que uma maior compreensão da posição do outro seja alcançada. A CFB usou o termo “revelação”, ao explicar o chamado eficaz (8:8). A Escritura às vezes usa “revelação” para descrever a apreensão subjetiva da revelação bíblica (Mateus 11:25, 27; 16:17; Lucas 10:21-22; Gálatas 1:16; Efésios 1:16-18; Filipenses 3:15). Neste último sentido, a “revelação” continua até os dias de hoje, entretanto, não aquela revelação com base em dons de revelação. Portanto, por causa da confusão e erros de hoje, uma clara distinção deve ser feita entre a revelação objetiva da verdade e a iluminação subjetiva ou apreensão desta verdade já revelada pelo Espírito Santo. Além disso, é preciso haver mais discussão com aqueles que usam tal linguagem pouco clara ou descuidada, bem como a possibilidade de uma nova instrução se assim for necessário. Este ponto de vista requer comunicação, caridade, discussão e paciência, e uma possível instrução para aqueles que desejam associar-se à ARBCA antes do prosseguirem neste processo de associação.

6. Em sexto lugar, a posição do ARBCA é que a CFB expressa uma visão Cessacionista completa, sem espaço para os três primeiros pontos de vista mencionados. A continuação da revelação objetiva ou dos dons de revelação é rejeitada por opor-se à CFB e por representar um perigo para a doutrina da Sola Scriptura. Portanto, pastores, missionários e igrejas que estão em associação com a ARBCA devem expressar seu assentimento com esta posição. Das seis posições acima, as três primeiras não são aceitáveis para uma adesão à ARBCA. A última é a que mais se aproxima das claras declarações da CFB. As outras duas posições, números 4 e 5, podem ou não demonstrar uma conformidade satisfatória com a CFB. Caridade e paciência, juntamente com a oportunidade de mais comunicação, precisam ser praticadas em relação a pastores, missionários e igrejas que sustentam estas duas posições e desejam unirem-se à ARBCA.

 

III. Em terceiro lugar, o comentário acima sobre a CFB nos permite fazer as seguintes afirmações e negações em relação à questão da continuidade da revelação e/ou dos dons de revelação após o fechamento do cânon das Escrituras.

1. Em primeiro lugar, nós afirmamos o Sola Scriptura como a posição clara da CFB, identificando a única fonte de revelação objetiva e proposicional de Deus para o homem dos dias de hoje. Negamos a continuação da revelação objetiva, sob qualquer forma: “aqueles antigos modos de Deus revelar a Sua vontade ao Seu povo agora cessaram” (1:1).

2. Em segundo lugar, afirmamos o uso cauteloso do termo “revelando-lhes” (8:8), quando utilizado em relação à obra do Espírito Santo no chamado eficaz e, quando utilizado para descrever a iluminação do Espírito Santo na aplicação da Escritura. Negamos que o Espírito Santo comunique alguma nova revelação objetiva para o crente, em qualquer sentido, até mesmo no que se refere às ocorrências extraordinárias relatadas por crentes Reformados.

3. Em terceiro lugar, afirmamos que os antigos modos que Deus usou para revelar a Si mesmo e Sua vontade ao Seu povo incluem profecias, visões, sonhos, teofanias, línguas, interpretações de línguas, revelações escritas, e etc. Negamos as alegações hodiernas de que estes dons de revelação ainda continuação de forma válida.

4. Em quarto lugar, afirmamos que o dom de línguas consistia na capacidade de falar línguas estrangeiras e possuía caráter de revelação em seu conteúdo. Negamos que este dom era diferente de línguas estrangeiras ou que era uma linguagem de oração privada.

5. Em quinto lugar, afirmamos a iluminação contínua do Espírito Santo relativa à revelação escrita, incluindo o uso cauteloso dos termos “revelando-lhes” e “revelação” ao se referir a tal iluminação. Negamos que a iluminação do Espírito Santo em relação à revelação objetiva pode, em qualquer sentido, produzir novas revelações da verdade de Deus.

6. Em sexto lugar, afirmamos que o intérprete final e autoritativo da Escritura é a própria Escritura. Negamos que quaisquer reivindicações de interpretações das Escrituras reveladas diretamente pelo Espírito Santo podem conter qualquer autoridade final quanto à interpretação do significado de qualquer passagem da Escritura.

7. Em sétimo lugar, afirmamos o direito de examinar a posição de alguém sobre a continuidade da revelação e dos dons de revelação à luz da Escritura. Nós negamos o direito de tornar-se ou continuar como um pastor, missionário, ou membro de uma igreja ligada à ARBCA a alguém que ensine a validade do Continuísmo ou inicie uma prática de supostos dons de revelação.

 

IV. Em quarto lugar, à luz da atual disseminação de pontos de vista errôneos, qual deveria ser a prática declarada da ARBCA, referente ao exame das igrejas candidatas e à disciplina de membros das igrejas já associadas, quanto à questão da continuação da revelação ou dos dons de revelação?

1. Em primeiro lugar, o exame de candidatos a pastores, missionários e à membresia das igrejas deve incluir questionamentos relativos à posição dos candidatos sobre esta questão, incluindo a leitura e discussão deste documento que expressa nosso posicionamento oficial.

2. Em segundo lugar, se um candidato a pastor, missionário ou igreja for duvidoso a respeito de qual posição aderir, deve ser-lhe concedido tempo para ler obras relevantes e deve-se ainda conversar sobre esta questão com os outros membros da igreja comissionados para este fim.

3. Em terceiro lugar, se um pastor, missionário ou igreja já associados começarem a tomar uma posição diferente da sustentada pela ARBCA, o pastor ou missionário deve notificar os anciãos responsáveis pela igreja, a fim de resolver este problema internamente. Os anciãos podem solicitar a assistência da ARBCA para instrução e orientação. Se uma igreja associada recusar dispensar seu pastor ou missionário que sustenta tais erros, ou vier a alterar a sua posição, ou começar a praticar tais [biblicamente descontinuados] dons de revelação, tal igreja é obrigada a notificar à ARBCA e iniciar discussões para a comunicação, instrução e resolução da questão. Caso um retorno satisfatório para a posição da ARBCA não seja alcançado, a igreja será convidada a retirar-se do rol de igrejas-membros da ARBCA ou então a ARBCA será forçada a excluir tal igreja de sua associação. Em todos os casos a paciência, a caridade e o cuidado fraternal devem ser demonstrados de ambos os lados.

 

V. Em quinto lugar, a seguinte bibliografia é recomendada para aqueles que desejam considerar este assunto.

  1. Budgen, Victor. Os Carismáticos e a Palavra de Deus (EP)
  2. Chantry, Walter. Sinais dos Apóstolos (BT) [Publicado em Português pela PES]
  3. Clowney, Edmund. A Igreja (IVP)
  4. Ferguson, Sinclair. O Espírito Santo (IVP)
  5. Gaffin. Perspectivas Sobre o Pentecostes (B)
  6. Grudem, Wayne. Teologia Sistemática [Publicado em Português pela Editora Vida Nova]
  7. Hulse, Erroll. Reforma Hoje, Nº 164 Sobre o Cessacionismo
  8. Judish, Doug. Cessação dos Dons (B)
  9. MacArthur, John. Caos Carismático [Publicado em Português pela Editora Fiel]
  10. Reymond, Robert. Uma Nova Teologia Sistemática da Fé Cristã
  11. Robertson, O. Palmer. A Palavra Final (BT)
  12. Smith, Morton. Teologia Sistemática (Greenville Seminary Press)

 

Respeitosamente apresentado por:

Rev. Walter J. Chantry, presidente.

Dr. Jim Adams

Rev. Don Lindblad

Dr. Fred Malone

Rev. Fred Pugh

Dr. James Renihan

Rev. Bill White