A Família Cristã e os Puritanos: Lições que precisamos (re)aprender hoje! | Por Winfield Bevins

|

O Ministério Da Família

Os Puritanos enfatizaram o valor e a importância do ministério pastoral familiar. A família Cristã é uma das marcas dos tempos dos Puritanos e um de seus maiores legados.

J.I. Packer disse a respeito da família Puritana:

Não chega a ser um exagero dizer que os Puritanos criaram a família Cristã no mundo de fala inglesa. A ética Puritana do casamento era que se buscasse não por um parceiro a quem você amasse apaixonadamente, naquele momento, mas, sim, por alguém a quem você pudesse amar de forma constante como seu melhor amigo por toda a vida, e, em seguida, buscar o auxílio de Deus para fazer exatamente isso. A ética Puritana de criação de filhos era treinar os filhos no caminho que deviam andar, cuidar de seus corpos e almas juntamente, e educá-los para serem sóbrios, piedosos e socialmente úteis em sua vida adulta.

O pastor Puritano Richard Baxter sabia da importância do ministério familiar. Ele disse:

Nós temos que ter um olhar especial sobre as famílias, para ver se elas estão bem ordenadas, e se os deveres individuais de cada membro estão sendo realizados. A vida da religião, e o bem-estar, e a glória, tanto da Igreja quanto do Estado, dependem muito do governo e ordem da família. Se aceitarmos a negligência disso, arruinaremos tudo. Rogo-vos, portanto, se vocês desejam a reforma e o bem-estar de seu povo, façam todo o possível para promover a religião familiar.

Os Puritanos acreditavam que a sua casa era a sua igreja. Eles sabiam que a comissão para “fazer discípulos” começa em casa. Em seu sermão de despedida, Jonathan Edwards disse: “Toda família Cristã deve ser como uma pequena igreja, consagrada a Cristo, e totalmente influenciada e regida por Suas leis. A educação e a ordem na família são alguns dos principais meios de graça”. Os pais, em especial, tinham uma responsabilidade espiritual para pastorear suas esposas e filhos. Thomas Doo Little disse:

Chefes de família deveriam ler a Escritura para as suas famílias e instruir os seus filhos e servos nos assuntos e doutrinas da Salvação. Portanto, eles devem orar por e com suas famílias. Ninguém que não deseja negar a Escritura pode negar o direito inquestionável de lermos a Bíblia em nossas casas, os governadores das famílias devem ensinar e instruir suas famílias com a Palavra de Deus.

Maridos e esposas têm a responsabilidade espiritual de ajudar a discipular um ao outro. Richard Baxter falou dos deveres espirituais de maridos e esposas de um para com o outro:

Uma das mais importantes tarefas de um marido para com sua esposa e de uma esposa para com seu marido é cuidadosa, habilidosa e diligentemente ajudar um ao outro no conhecimento, adoração e obediência a Deus para que eles possam ser salvos e crescer em sua vida Cristã. Vigiar os corações e as suas vidas mutuamente, julgando a condição das almas um do outro, e a força ou a fraqueza do outro, pecados e graças, e as falhas da vida do outro, de modo que vocês sejam capazes de prestarem um ao outro a ajuda mais adequada. Não desencoraje o seu cônjuge de instruir você, recusando-se a receber e aprender com suas correções. Unam-se em oração frequente e fervorosa. A oração obriga a mente à sobriedade, e comove o coração com a presença e majestade de Deus. Orem também um pelo outro quando vocês estiverem sozinhos, para que Deus possa fazer o trabalho que vocês mais desejam no coração um do outro.

O Puritano acreditava que era responsabilidade espiritual de um pai discipular e ensinar a seus filhos sobre a fé. Isso significava que a casa era o principal lugar onde se devia aprender sobre a Bíblia e instruções morais, e por isto era importante que as crianças começassem a aprender sobre Deus e sobre a Bíblia em casa. A Bíblia diz aos pais: “Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele” (Provérbios 22:6).

O discipulado dos Puritanos começava em casa, por cônjuges que se amavam com o amor de Cristo e por ensinarem, amarem e disciplinarem os seus filhos para a glória de Deus.

 

***

Este é um excerto do artigo “O Discipulado No Tempo Dos Puritanos“, por Winfield Bevins.