Meditações Diárias | 10 de Agosto | J.C. Philpot

|

Tendo a promessa da vida presente e da que há de vir. (1 Timóteo 4:8)

A verdadeira religião é profunda; não é um balão pairando sobre nós a quilômetros no ar. É como a verdade: está no fundo do poço. Então, na religião precisamos descer se quisermos tê-la realmente em nossos corações. O Senhor Jesus Cristo foi “homem de dores, e experimentado nos trabalhos”. Ele tomou o lugar mais baixo, o último e o menor. Ele sempre foi humilde, de modo que se quisermos ser companheiros do Senhor Jesus Cristo, precisamos descer com Ele – no vale, no sofrimento, na humilhação, na provação e na tristeza. Quando ficamos cheios de alegria terrena, ou exaltados pela animação carnal, não participamos com o Senhor Jesus Cristo de Sua humanidade sofredora; não o acompanhamos até o jardim do Getsêmani, nem o vemos como “o Cordeiro de Deus” no madeiro maldito. Podemos ficar muito bem sem Jesus quando o mundo sorri e as coisas carnais são as mais importantes em nosso coração. Mas quando vem a aflição, uma cruz pesada, um fardo pesado, então nós vamos ao único lugar onde o Senhor Jesus pode ser encontrado. Nesses momentos, percebemos se o Senhor tem Se agradado de operar um pouco de piedade na alma, e se está exercitando essa piedade vital que tem “a promessa da vida presente e da que há de vir”.

Há promessas de sustento, força, conforto, consolo e paz (os quais o mundo não conhece) relacionadas à piedade. Há nisso uma verdade, um poder, uma realidade, uma bem-aventurança, que a língua jamais poderá expressar. E quando a alma é levada ao vale da aflição, e o Senhor Se agrada de encontrá-la, visitá-la e operar piedade em seus atos e exercícios ali, então tal piedade percebe que tem “a promessa da vida presente”. Fé, esperança, amor, arrependimento, oração, humildade, contrição, paciência e paz – todos esses dons e graças do Espírito são exercitados principalmente quando a alma está aflita. Aqui está “a promessa da vida presente” na operação dessas graças celestiais no coração.

E a piedade também tem a promessa da vida “que há de vir”. A piedade ajuda na vida e na morte; e leva a alma a uma eternidade feliz e abençoada. A graça terminará em glória; fé em visão e a esperança em deleite. A alma ensinada por Deus verá Jesus como Ele é. Assim, a piedade tem “a promessa da vida que há de vir”, quando a paz eterna abundará, as lágrimas serão enxugadas de todos os rostos e a graça será consumada em bem-aventurança eterna.

 

Título original: Daily Portions — Via: GraceGems.org: • Traduzido por Camila Teixeira