Primeira Assembleia Geral dos Batistas Particulares (1689)

|

Após o Ato de Tolerância, que foi aprovado pelo Parlamento em 1688 e promulgado pelo rei em 24 de maio de 1689, os Dissidentes começaram a exercer a sua recém-obtida liberdade para reunirem-se publicamente para grande proveito. Em 1689, os Batistas se reuniram em Londres para sua primeira assembleia nacional. Este grupo de “vários Pastores, Mensageiros e Irmãos Ministros das Igrejas Batistas”, reuniram-se em Londres, de 3 a 12 de setembro de 1689, e afirmaram representar “mais de cem congregações da mesma fé que eles mesmos” [1]. A fé comum que distinguiu este grupo de igrejas é especificada na página de capa como “as Doutrinas da Eleição Pessoal e Perseverança Final” [2]. Este grupo se identificaria ainda mais em sua primeira reunião, adotando o que se tornaria conhecido como a Segunda Confissão de Fé de Londres. Esta confissão foi originalmente composta e publicada em 1677 tendo se originado na congregação Petty France sob a supervisão de William Collins e Nehemiah Coxe [3]. A confissão foi republicada em 1688 [4] e, posteriormente, adotada pela Assembleia Geral em 1689. Os membros da assembleia declararam que esta confissão continha “a Doutrina da nossa Fé e Prática” e expressava o seu desejo de que “os próprios membros de nossas igrejas sejam supridos com ela” [5]. Quando a Confissão foi publicada pela terceira vez em 1699, ela incluía as assinaturas de trinta e sete ministros e mensageiros da Assembleia que permitiram que seus nomes fossem afixados “Em nome e em lugar de toda a Assembleia” [6]. Entre os signatários estavam homens como William Collins, Hanserd Knollys, William Kiffin, Benjamin Keach e Hercules Collins.

O principal objetivo das assembleias gerais foi afirmado em uma carta às igrejas, impressa na ata publicada da reunião inaugural. Os mensageiros se reuniram:

Principalmente para considerar o estado atual e condição de todas as Congregações respectivamente sob nosso cuidado e encargo; e o que poderia ser as causas desse declínio espiritual e perda de força, beleza e glória em nossas Igrejas; e considerar (se fôssemos ajudados pelo Senhor aqui), o que poderia ser feito para alcançar melhor e mais próspero estado e condição [7].

Assim, eles passaram o primeiro dia “humilhando-se diante do Senhor, e para Lhe suplicarmos pelo caminho seguro para dirigir aos melhores meios e métodos para reparar nossas brechas, e para restaurar-nos a nossa antiga Ordem, Beleza e Glória” [8]. A assembleia também convocou um dia de humilhação e de jejum às igrejas que eles representavam, a ser realizado em 10 de outubro de 1689 [9]. A principal função das assembleias foi proporcionar conselhos e orientações para as igrejas. Os mensageiros claramente queriam negar que em qualquer sentido eles eram um órgão autoritativo. De fato, sua primeira declaração foi “rejeitamos toda a forma de superioridade ou superintendência sobre as Igrejas; e nós não temos nenhuma autoridade ou poder para prescrever ou impor qualquer coisa sobre a fé ou a prática de qualquer uma das Igrejas de Cristo”. Eles continuam a afirmam que a sua intenção era meramente “ser auxiliadores uns dos outros, por meio de conselhos e advertências, no entendimento correto sobre aquela Regra Perfeita que o nosso Senhor Jesus, o único Bispo de nossas almas, prescreveu, e ordenou às Suas Igrejas em Sua Palavra” [10]. Assim, grande parte do seu tempo juntos em reunião foi gasto respondendo a perguntas feitas pelos mensageiros em nome de suas respectivas congregações. Sua ação mais importante historicamente, porém, foi a adoção da Confissão de Fé Batista de 1677, que provou ter um impacto duradouro sobre a vida Batista, e pensa-se, até os dias atuais.

___________________

[1] Uma narrativa dos Procedimentos da Assembleia Geral de vários Pastores, Mensageiros e Irmãos ministros das Igrejas Batistas, reunidos em Londres, de 3 a 12 de setembro de 1689, a partir de diversas partes da Inglaterra e País de Gales: Confessando a Doutrina da Eleição Pessoal e Perseverança Final (Londres, 1689), 1.

[2] Narrativa dos Procedimentos da Assembleia Geral de 1689, 1.

[3] Livro de Atas da Igreja Petty France, 1.

[4] A Confissão de Fé, publicada pelos Anciãos e Irmãos de muitas Congregações de Cristãos, (batizados sobre a profissão de sua Fé) em Londres e no País (London: John Harris, 1688).

[5] Narrativa dos Procedimentos da Assembleia Geral de 1689, 18.

[6] A Confissão de Fé, publicada pelos Anciãos e Irmãos de muitas Congregações de Cristãos, (batizados sobre a profissão de sua Fé) em Londres e no País, 3ª ed. (Londres: S. Ponte, 1699), contracapa; Lumpkin, Confissões de Fé Batista, 239.

[7] Narrativa dos Procedimentos da Assembleia Geral de 1689, 3.

[8] Narrativa dos Procedimentos da Assembleia Geral de 1689, 9.

[9] Narrativa dos Procedimentos da Assembleia Geral de 1689, 7.

[10] Narrativa dos Procedimentos da Assembleia Geral de 1689, 10.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.