Meditações Diárias | 11 de Novembro

|

“Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”. (João 3:3)

A verdadeira religião começa com a luz e vida sobrenatural entrando na alma. Como ou por que vem, a alma não sabe; pois “o vento sopra onde quer e você ouve o som dele, mas não pode dizer de onde vem ou para onde vai, assim é todo aquele que é nascido do Espírito”. O vento em si não é visto, mas seus efeitos são sentidos. O som do vento é ouvido no topo das amoreiras, onde o próprio Deus não é visto. “A voz do Senhor, poderosa e cheia de majestade. Você ouviu as palavras dele, mas não viu sua forma; havia apenas uma voz” (Dt 4:12). Assim, os efeitos são sentidos, embora as causas sejam desconhecidas.Os fluxos fluem para o coração a partir de uma fonte oculta; raios de luz irradiam a alma a partir de um sol não crepuscular; e os filhos da vida despertam em uma nova existência, de uma fonte invisível. O bebê recém-nascido sente a vida em todos os seus membros, embora ainda não conheça o pai terreno de onde surgiu a vida natural. E, assim, as almas recém-nascidas têm consciência de sentimentos até então não possuídos, e são sensíveis a uma maré de vida misteriosa e incompreensível, fluindo e flutuando em seus corações, embora “Aba, Pai” ainda não tenha saído de seus lábios.

O corpo de um homem está vivo para todos os sentimentos, desde o arranhão de um alfinete a uma ferida mortal, de uma dor passageira a uma doença incurável. O coração não pode vibrar por um único segundo sua batida habitual, sem uma sensação peculiar que o acompanha, percebe e registra. Os sentimentos, então, serão a marca e a evidência da vida natural, e não da espiritual? Nossa parte ignóbil, a criatura de um dia, nosso corpo que perece, nosso pó, terá sensações para registrar toda dor e todo prazer, e estar tremendamente vivo a cada mudança exterior e interior; e nossas almas imortais não devem ser igualmente dotadas de uma percepção semelhante para flutuar para cima e para baixo na escala da vida espiritual? Devemos estabelecer, então, no próprio limiar da piedade vital, que, se um homem não tiver consciência de novos sentimentos, e não puder apontar, com mais ou menos precisão, algum período em particular, outros que nunca serão esquecidos, quando tais sentimentos surgiram espontaneamente em seu coração, ele ainda não passou da morte para a vida. Se alguém está em Cristo, nova criatura é (2 Coríntios 5: 17).