Informação adicional

Autor

5 Aspectos Essenciais do Ministério Pastoral, por Thomas Hicks

REF: 08f1dfbfb1bc Categoria:

Descrição

Muitos livros foram escritos sobre o ministério pastoral; assim, uma tentativa de resumi-lo em um curto artigo de blog ficará incompleto. Gostaria de destacar alguns princípios quando considero o ministério pastoral. Muito do que se passa por ministério pastoral hoje, é nada mais do que as filosofias e métodos de uma América corporativa pressionada sobre a igreja. Muitos pastores pensam estar “fazendo os seus trabalhos”, e eles não pensam em si mesmos como homens de Deus que são chamados por toda uma vida para um ministério pastoral entre as pessoas amadas por Deus. Vejamos cinco aspectos do ministério pastoral Bíblico.

1. Um pastor tem cuidado de si mesmo.

Um pastorado verdadeiro sempre começa com a santidade pessoal. Em 1 Timóteo 4:16, Paulo diz a Timóteo: “tem cuidado de ti mesmo”. A palavra “cuidado” significa “estar vigilante” ou “prestar muita atenção”. Um pastor precisa ter muito cuidado com sua própria alma, porque ele é chamado a ser um homem santo. Ele é um estudante das formas e maneiras do pecado, visto que eles estão dentro de seu próprio coração. Ele aprende a aplicar o evangelho da graça para a mortificação do seu pecado. Ele deve ser um homem que conhece o grande amor de Cristo por ele, cujo coração é conquistado pelo Salvador crucificado e ressurreto, e cuja esperança é a vida eterna nEle. Por causa do amor de Cristo, um pastor é fielmente comprometido com a oração, tem comunhão pessoal com Ele, e ora pela sua família, igreja, sua comunidade e o mundo. Ele aprende a arrepender-se rapidamente do pecado, e ele é profundamente devotado ao estudo das Escrituras para manter os bons mandamentos de Deus como uma expressão de seu amor por Cristo.

Um pastor também cuida de si, sendo um marido fiel à sua esposa, e pai para seus filhos, amando-os e servindo-os como Cristo tem o servido. Ele ama e ensina sua esposa e filhos a Palavra de Deus. E ele está envolvido em sua vida familiar, partilhando a vida com sua esposa, desfrutando de seus filhos e tendo interesse sincero neles. Pastores fiéis cuidam de si mesmos.

Um pastor só será capaz de cuidar dos outros fielmente quando tiver cuidado de si mesmo.

2. Um pastor tem cuidado da doutrina.

Em 1 Timóteo 4:16, Paulo diz a Timóteo: “tem cuidado… da doutrina”. Há uma heresia feita para cada um de nós. Heresia é uma forma de falso ensino que mina o evangelho. Tristemente, há uma heresia feita para cada pastor. Heresias nos dizem que podemos ter nossos ídolos, e podemos ter Jesus também. Algumas heresias nos incham de orgulho religioso de uma retidão própria, enquanto outras heresias promovem mundanismo sensual. Pastores podem ser tentados a adotar formas de falsas doutrinas que servem a si mesmos em vez de Cristo e Seu povo. Mesmo quando o pastor começa com boa doutrina, ele pode deixar ser levado ao erro ao longo do tempo, se ele não é muito cuidadoso com a doutrina.

Um pastor deve ter muito cuidado para ensinar a verdade Bíblica, e não o que ele diz ser a verdade Bíblica. Ele é responsável para repetir o que Deus diz em Sua Palavra. Um pastor simplesmente entrega o que recebeu, não acrescentando, e nem subtraindo. Isso significa que um pastor estuda a Bíblia com cuidado e sustenta firme a palavra da vida para a sua alma e para a dos outros pela fé. O amado povo de Deus só será alimentado quando pastores proclamarem claramente e consistentemente a sã doutrina, mesmo que isto custe os seus ídolos e suas próprias vidas.

3. Um pastor anuncia Jesus Cristo.

Em 1 Coríntios 2:2, Paulo diz: “Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado”. Assim como Paulo, os pastores não devem se cansar de anunciar Cristo. Eles não anunciam palavras de homens. Não anunciam a si mesmos. Não anunciam a sua própria sabedoria ou técnicas artificiais. Eles pregam a Cristo e este crucificado. O próprio Jesus é o coração de nossa mensagem. Todas as promessas de Deus são sim e amém em Jesus. Cristo é tudo!

Alguns pregadores insistem que é impossível ensinar a Cristo em todas as passagens das Escrituras. Dizem: “Nem toda passagem é sobre Jesus. Somente devemos ensinar sobre Cristo quando Ele é explicitamente mencionado no texto, ou quando há alguma clara ligação a Cristo na passagem particular”. Respondo a este erro de uma forma breve e de três maneiras.

Em primeiro lugar, Jesus falou de Si mesmo em todas as Escrituras. Lucas 24:27 diz: “E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dEle se achava em todas as Escrituras”. Se Cristo ensinou sobre Si em todas as Escrituras, então, nós também devemos.

Em segundo lugar, a teologia do pacto bíblico é centrada em Jesus. As Escrituras ensinam que há apenas um pacto, ou promessa de graça, que atravessa a Bíblia do Gênesis ao Apocalipse (Hebreus 9:15-16). Portanto, a única maneira de interpretar fielmente qualquer passagem da Bíblia é à luz da promessa global de resgate para os pecadores em Jesus Cristo.

Em terceiro lugar, a adoração e o objetivo da mensagem. Se um pastor meramente explica um texto e não o centraliza em Cristo, a igreja não irá adorar. E se ela adora, não será por causa da mensagem. A menos que a adoração seja centrada em Jesus, o qual é a principal revelação de Deus aos homens, a igreja não irá adorar. Se formos adorar, precisamos ver Deus, através de Jesus pelo Espírito, falando em Sua Palavra. A menos que o pregador mostre a centralidade de Cristo em todos os textos, estará falhando em levar a congregação à adoração.

O que acontece quando Cristo é anunciado fielmente semana após semana? Jesus encorajará os fracos, advertirá o obstinado, e dará força da fé e obediência a todos os que a Ele pertencem. Cada vez mais Jesus formará o seu povo à sua imagem, e eles produzirão o fruto do Espírito e guardarão os Dez Mandamentos, tendo a definição do que é amar a Deus e aos homens. Sendo Cristo anunciado a cada semana, seu povo estará preparado para os sofrimentos e provações de suas vidas. A Igreja irá olhar as coisas do alto, onde Cristo está, e não amarão a este mundo. E cada vez mais, a igreja será capaz de dizer com Paulo: “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho”…
 

Informação adicional

Autor