Informação adicional

Autor

A Expiação de Cristo, por A. W. Pink

REF: 1e11f662027f Categoria:

Descrição

Recomendamos-vos esta excelente exposição bíblica da Verdade do Céu sobre a Expiação que nosso Senhor Jesus Cristo efetivou, com as próprias palavras do Sr. Pink:

A Questão do Pecado Foi Finalmente Resolvida na Cruz?

É indescritivelmente triste que a morte expiatória do Senhor Jesus Cristo — o evento mais maravilhoso que já aconteceu ou ocorrerá — tenha sido feito ocasião de disputa e controvérsia. Que isso tem sido assim, oferece um exemplo terrível da depravação humana. Tanto mais, que ao longo dos séculos desta era Cristã, algumas das batalhas teológicas mais calorosas têm sido travadas sobre a verdade vital da expiação.

Falando em termos gerais, apenas dois pontos de vista ou interpretações sobre a Cruz têm recebido muito apoio entre o professo povo de Deus: um que afirmou que a Expiação foi realizada para tornar segura a salvação de todo aquele que crê; o outro que pressupunha que a expiação foi feita a fim de tornar possível a salvação de todos os homens. A primeira é a visão estritamente Calvinista; a última, a Arminiana. Mesmo aqui, a diferença não era apenas de um dos termos, mas da verdade contra o erro.

A primeira é definida e explícita; a outra, indefinida e intangível. Uma afirma uma expiação que na verdade expia (ou seja, Deus totalmente satisfeito em relação àqueles em cujo nome ela foi feita); a outra caracteriza uma expiação que consistiu em uma triste falha, na medida em que a maioria das pessoas em cujo nome deveria ser oferecida, não obstante, perecem. O corolário lógico e inevitável de uma é uma satisfação, por causa do triunfante Salvador; a outra (se fosse verdadeira) conduziria, inevitavelmente, a um desapontamento, por causa do derrotado Salvador. A primeira interpretação foi ensinada por homens como Wickcliffe, Calvino, Latimer, Tyndale, Bunyan, Owen, Dodderidge, Jonathan Edwards, Toplady, Whitefield, Spurgeon, etc. Esta última por homens que, como teólogos, não eram dignos de desatar os seus sapatos.

É atrevidamente afirmado que na cruz o Cordeiro de Deus realizou o mesmo tanto para aqueles que não creriam, quanto para aqueles que creriam nEle. É dogmaticamente anunciado que a única queixa que Deus agora tem contra qualquer homem é a sua recusa de crer no Salvador. Diz-se que a simples questão entre Deus e o mundo, não é a questão do pecado, mas a questão do Filho. Nós dissemos que esta teoria da expiação é algo novo, e novo certamente o é. Tanto quanto o escritor está consciente, isso nunca fora proposto, pelo menos nos círculos ortodoxos, até nas últimas duas ou três décadas. Isso parece ser um outro produto deste século XX, e como a maioria, se não todos os outros deles, isso algo é muito inferior ao que foi proposto anteriormente. No entanto, por estranho que pareça, um apelo é feito para as Sagradas Escrituras em seu apoio. Mas, de uma forma nós somos gratos por isso, na medida em que a Palavra de Deus nos fornece uma regra infalível pela qual podemos medi-la. Devemos, portanto, examinar esta teoria estranha e curiosa à luz da Sagrada Escritura, e fazendo isso, não será difícil mostrar quão completamente insustentável e falaciosa esta ela é.

Embora os homens possam esquivar-se e torcer as Escrituras, uma coisa é certa: A expiação não falhou. Deus não permitirá que o sacrifício precioso e caro falhe no cumprimento, completamente, para o que ele foi projetado para efetuar. Nem uma gota do santo sangue foi derramado em vão. No último grande Dia não haverá nenhum Salvador desapontado e derrotado, mas, sim, Aquele que “verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito” (Isaías 53:11).

A questão do pecado foi finalmente resolvida na cruz? Para cada crente, sim. Para os incrédulos, não, visto que eles ainda pagaram o preço de seus pecados.

***

Cristo seja louvado!
 

Informação adicional

Autor