Informação adicional

Autor

A Grandiosa Origem da Doutrina da Eleição, por A. W. Pink

REF: 80696a0df155 Categoria:

Descrição

Nesta exposição o Sr. Pink elabora de forma muito bíblica e consistente, como lhe é de costume, qual foi a grandiosa origem da Eleição. “A substância da Igreja, da qual esta deveria ser formada, estava sob os olhos de Deus, tal como proposto no decreto de eleição” (John Owen).

A. W. Pink Começa esta exposição da seguinte maneira:

Os decretos de Deus, Seu eterno propósito, os conselhos inescrutáveis ??de Sua vontade, são realmente um grande abismo; contuso, destes nós sabemos: que do primeiro ao último eles têm uma relação estabelecida com Cristo, pois Ele é o Alfa e o Ômega, em todas as operações da Aliança. Spurgeon expressa isto maravilhosamente: “Examine a fonte celestial, a partir da qual todas as correntes da grava Divina fluem para nós, e você vai encontrar Jesus Cristo, o manancial no Aliança de Amor. Se os seus olhos jamais viram o rolo de aliança, se você será permitido, em um estado futuro, ver todo o plano da redenção, que uma vez que foi traçado nas câmaras da eternidade, você deverá ver a linha de vermelho-sangue do sacrifício expiatório e paralela, do outro lado da margem de cada página, e você verá que desde o início até o fim o objetivo sempre foi: a glória do Filho de Deus”. Portanto, parece estranho que muitos que veem que a Eleição é o fundamento da salvação, ainda ignorar o glorioso Cabeça da eleição, em quem os eleitos foram escolhidos e de quem recebem todas as bênçãos.

“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo; como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo” (Efésios 1:3-4). Visto que fomos escolhidos em Cristo, é evidente que fomos escolhidos fora de nós mesmos; e uma vez que fomos escolhidos em Cristo, segue-se necessariamente que Ele escolheu a nós antes de nós a Ele. Isto está claramente implícito no verso anterior, em que o Pai é expressamente designado “o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo”. Agora, de acordo com a analogia da Escritura (ou seja, quando Ele se diz ser o “Deus” de alguém) Deus era o “Deus” de Cristo em primeiro lugar, porque Ele o escolheu para graça e união. Cristo como homem foi predestinado tão verdadeiramente como nós fomos, e por isso tem Deus como sendo o Seu Deus por predestinação e livre graça. Em segundo lugar, porque o Pai fez um pacto com Ele (Isaías 42:6). Deus tornou-se conhecido como “o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó” tendo em vista o pacto feito com eles, semelhantemente tendo em vista o pacto que fez com Cristo, Ele tornou-se seu “Deus”. Em terceiro lugar, porque Deus é o autor de toda a bem-aventurança de Cristo (Salmos 45:2, 7).

“Como também [Deus] nos elegeu nele” significa, então, que na eleição Cristo foi feito o Cabeça dos eleitos. “Do ventre da eleição Ele, o Cabeça, saiu primeiro [esboçado um verdadeiro parto normal – A.W.P.], e então nós, os membros” (Thomas Goodwin). Em todas as coisas Cristo deve ter a “preeminência”, e, portanto, Ele é “o Primogênito” na eleição (Romanos 8:29). Na ordem da natureza Cristo foi escolhido em primeiro lugar, mas, no fim dos tempos fomos eleitos com ele. Nós não fomos escolhidos por nós mesmos à parte de Cristo, mas em Cristo, o que denota três coisas: Primeiro, fomos escolhidos em Cristo como os membros do Seu corpo. Em segundo lugar, fomos escolhidos nEle como o padrão ao qual devemos conformar-nos. Em terceiro lugar, nós fomos escolhidos nEle Tendo-O como nosso fim último, ou seja, foi para a glória de Cristo, para ser Sua “plenitude” (Efésios 1:23).

“Um pé do compasso da graça estava em Cristo como o centro, enquanto o outro andou sobre a circunferência, apontando um aqui e outro ali, para desenhar uma linha, por assim dizer, entre cada um desses pontos e Cristo” – Stephen Charnock.

•••

Pink encerra sua exposição nos chamando a um sincero exame sobre as evidências de nossas Eleição:

“Talvez um leitor preocupado esteja se perguntando: Como posso ter certeza de que agora meu nome está escrito no Livro da Vida do Cordeiro? Nós respondemos muito brevemente. Em primeiro lugar, por Deus ter te ensinado a ver e ti levado a sentir sua corrupção interior, sua vileza pessoal, sua terrível culpa, a sua extrema necessidade do sacrifício do Cordeiro. Em segundo lugar, fazendo com que você dê a Cristo o primeiro lugar de importância em seus pensamentos e estima, compreendendo que somente Ele pode te salvar. Em terceiro lugar, por Deus ter ti levado a crer nEle, descansar toda a sua alma nEle, desejando ser achado nEle, não tendo a sua própria justiça, mas a dEle. Em quarto lugar, fazendo-o infinitamente precioso para você, de modo que Ele é todo Seu desejo. Em quinto lugar, por estar trabalhando determinado a agradar e glorificá-lO.”

Sola Gratia!
Soli Deo gloria!
 

Informação adicional

Autor