Informação adicional

Autor

A Mudança a Perpetuidade do Sabath, por Jonathan Edwards

REF: 04e110aa41d7 Categoria:

Descrição

Nesta coletânea de Sermões, Jonathan Edwards esclarece à Luz da Escritura, a seguinte Doutrina: “É suficientemente claro que é a vontade de Deus que um dia da semana deva ser devotado ao descanso, e aos exercícios religiosos, por todas as eras e nações […] É suficientemente claro que, sob a dispensação do Evangelho, este dia é o primeiro dia da semana.”

Este Estudo é composto das seguintes porções:

1. A Perpetuidade do 4º Mandamento.

2. Porque o Dia do Sabath foi mudado.

3. Como e Por que Guardar o Dia do Senhor.

***

Seguem alguns trechos que compõem este Estudo:

“O desígnio de Deus nessa matéria está claramente revelado no quarto mandamento. A vontade de Deus está ali revelada, não apenas para a nação israelita, mas para que todas as nações devessem guardar todo sétimo dia como santo; ou, o que é a mesma coisa, um dia depois de cada seis. Este mandamento, bem como todos os demais, é, sem dúvidas, eterno e de perpétua obrigação, ao menos em sua substância, como está implícito por ter sido gravado nas tábuas de pedra. Nem se deve pensar que Cristo aboliu quaisquer dos dez mandamentos; mas ainda há este número completo de dez, e será até ao fim do mundo.”

“Devemos com alegria especial lembrar a Ressurreição de Cristo, pois ela foi o fim desta obra. E esse é o dia em que Cristo descansou e tomou alento, após ter suportado aqueles labores extremos que sofreu por nossas almas que pereciam. Esse foi o dia do regozijo do coração de Cristo; foi o dia de Sua libertação das cadeias da morte, e também de nossa libertação, pois somos libertados naquele que é a nossa Cabeça. Ele, por assim dizer, ressurgiu com Seus eleitos. Ele é as primícias, e os que são Seus o seguirão. Cristo, quando ressurgiu, foi justificado como uma pessoa pública, e nós somos justificados Nele. Este é o dia de nossa libertação do Egito.”

“Devemos nesse dia contemplar o maravilhoso amor de Deus e de Cristo, como é expresso na obra da Redenção; e nossa lembrança dessas coisas deve ser acompanhada com exercícios adequados da alma com respeito a Ele. Quando trazemos à mente o amor de Cristo, deve ser com um amor correspondente de nossa parte. Quando comemoramos essa obra, deve ser com fé em nosso Salvador. E devemos louvar a Deus e ao Cordeiro por essa obra, pela glória e amor divinos manifestados nela, em nossas orações públicas e privadas, ao falar das obras maravilhosas de Deus, e ao entoar os cânticos divinos.”

“É evidente que Cristo, de propósito, honrou peculiarmente o primeiro dia da semana, o dia em que ressuscitou dos mortos, ao aparecer nele, de tempos em tempos, aos apóstolos. E escolheu este dia para derramar o Espírito Santo sobre eles, como lemos no segundo capítulo de Atos. Pois isto ocorreu no Pentecostes, que se dava no primeiro dia da semana, como vemos em Levítico 23:15, 16. E honrou este dia ao derramar seu Espírito sobre o apóstolo João, ao lhe conceder visões. Apocalipse 1:10: ‘Achei-me em espírito, no dia do Senhor’, etc. ora, sem dúvidas, com isso Cristo queria distintamente honrar este dia.’”

***

Que Deus abençoe a todos nós, e nos guie em toda a Sua Verdade, por amor de Cristo. Amém.
 

Informação adicional

Autor