Informação adicional

Autor

Agonia de Cristo, por Jonathan Edwards

REF: a4713a5658cd Categoria:

Descrição

Este é um Sermão sobre o Amor Todo-Poderoso do Senhor Jesus Cristo. Nós o amamos por que Ele nos amou primeiro. Nisto conhecemos o Amor de Deus: em que Ele entregou Seu Filho para que Seu povo escolhido fosse salvo dos Seus pecados por meio do Bendito Mediador e, para que nesta Obra magnífica da Sua Salvação o Seu nome fosse glorificado. Não há nada que desperte mais vividamente o amor do Crente a Cristo do que meditar em Sua Entrega de amor por nós, entrega esta ainda mais evidente em Seus últimos sofrimentos nesta terra, quando nas vésperas da Consumação do Resgate de Seus amados, Ele padeceu em terríveis e indizíveis agonias.

“O sofrimento que ele, então, foi realmente sujeito, foi terrível e assombroso, como foi demonstrado; e quão maravilhoso foi o Seu amor, que ainda permaneceu e foi confirmado! O amor de qualquer mero homem ou anjo sem dúvida teria afundado sob tal peso, e nunca teria sofrido um conflito em um suor tão sangrento como o de Jesus Cristo. A angústia da alma de Cristo naquele tempo foi tão forte a ponto de causar esse efeito maravilhoso em Seu corpo. Mas o Seu amor aos Seus inimigos, miseráveis e indignos como eram, foi ainda mais forte. O coração de Cristo, nesse momento estava cheio de angústia, todavia era mais cheio de amor por vermes desprezíveis: Suas tristezas abundavam, mas o Seu amor superabundou. A alma de Cristo foi esmagada com um dilúvio de sofrimento, mas isto ocorreu a partir de um dilúvio de amor por pecadores em Seu coração, suficiente para transbordar o mundo, e sobrepujar as mais altas montanhas de Seus pecados. Essas grandes gotas de sangue que corriam ao chão foram uma manifestação de um oceano de amor no coração de Cristo”.

“E, posto em agonia, orava mais intensamente; e o Seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue que corriam até ao chão” (Lucas 22:44). 

“Cristo ofereceu aqueles fortes clamores com a Sua carne, da mesma maneira que os sacerdotes de antigamente tinham o costume de oferecer orações com os Seus sacrifícios. Cristo misturou grande clamor e lágrimas, com Seu sangue, e por isso ofereceu o Seu sangue e Suas orações em conjunto, para que o efeito e o sucesso de Seu sangue fossem obtidos. Tais intensas orações agonizantes foram oferecidos com o Seu sangue, e Seu sangue infinitamente precioso e meritório foi oferecido com as Suas orações”.

“Cristo ofereceu este preço e aqueles fortes clamores, os dois juntos; pois ao mesmo tempo em que Ele estava derramando estes pedidos sinceros pelo sucesso de Sua redenção na salvação dos pecadores, Ele também derramou o Seu sangue. Seu sangue caía no chão no mesmo instante em que Seus clamores subiam ao céu. Considerem estas coisas, sobrecarregados e angustiados, pecadores, que estão prontos para duvidar da eficácia da intercessão de Cristo por tais criaturas indignas como eles, e para colocar em questão a prontidão de Deus em aceitá-los por causa de Cristo. Vão para o jardim, onde o Filho de Deus estava em agonia, e onde Ele clamou a Deus tão intensamente, e onde o Seu suor tornou, por assim dizer, em grandes gotas de sangue, e depois vejam a que conclusão vocês extrairão de tal visão maravilhosa”.

Que pela Graça de Deus, muitos possam aceitar o convite: Aproximem-se do Getsêmani, e que ouçam e vejam, pela fé, os fortes clamores agônicos do Sumo Sacerdote, o Senhor Jesus Cristo, misturados com o Seu precioso sangue, sendo oferecidos a Deus em orações intensas a Deus o Pai, para que a Sua vontade fosse feita, e para que miríades de pecadores fossem salvos! 

Ó, Deus, que o amor a Cristo possa florescer no coração de todos que lemos este Sermão, por Sua bondade. Que muitos sejam salvos ao contemplar a Cristo intercedendo por eles naquele Jardim. Faça assim, Senhor, por amor do Seu nome, por amor de Cristo. Amém.
 

Informação adicional

Autor