Informação adicional

Autor

Formato

PDF

Páginas

15

Título Original

Interpretation of the Scriptures (Capítulo 1)

Ano

2020

É Necessário Interpretar a Bíblia

Descrição

É Necessário Interpretar a Bíblia

 

(O texto deste eBook é o capítulo 1 do livro, A Interpretação das Escrituras).

 

O homem é notoriamente uma criatura de extremos, e em nenhum lugar esse fato se faz mais evidente do que na atitude tomada por aqueles que diferem quanto a esse assunto. Considerando que alguns têm afirmado que a Bíblia está escrita em uma linguagem tão simples que não exige nenhuma explicação, um número muito maior suportou os papistas buscando persuadi-los de que seu conteúdo está tão acima do alcance do intelecto natural, que seus assuntos são profundos e elevados e que a sua linguagem é tão obscura e ambígua a ponto de o homem comum ser totalmente incapaz de compreendê-la por seus próprios esforços, e, portanto, é um ato de sabedoria de sua parte trazer suas conclusões ao julgamento da “santa mãe igreja”, que descaradamente afirma ser o único intérprete divinamente autorizado e qualificado dos oráculos de Deus. É assim que o papado retém a Palavra de Deus dos leigos e lhes impõe seus próprios dogmas e superstições. A maior parte dos leigos está muito contente que isso seja assim, pois, dessa forma, eles se sentem livres da obrigação de examinarem as Escrituras por si mesmos. O caso também não é muito melhor com muitos protestantes, pois, na maioria dos casos, eles são muito indolentes e apenas acreditam no que ouvem nos púlpitos.

A principal passagem invocada pelos romanistas, na tentativa de reforçar a sua argumentação perniciosa de que a Bíblia é um livro perigoso — por causa de sua suposta obscuridade — se posto nas mãos das pessoas comuns, é 2 Pedro 3:15-16. É nessa passagem que o Espírito Santo nos disse que o apóstolo Paulo, de acordo com a sabedoria dada a ele, falou em suas epístolas de “pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição” (2 Pedro 3:16). Mas, como Calvino há muito tempo apontou, “não somos proibidos de ler as epístolas de Paulo, pelo fato de elas conterem algumas coisas difíceis de entender, pelo contrário, elas são recomendadas para nós, pois podem nos proporcionar uma mente mansa e ensinável”. Deve-se notar também nesse versículo que há “pontos”, e não que há “muitos pontos”, e que eles são “difíceis de entender”, e não “impossíveis de serem entendidos”! Além disso, a obscuridade não está neles, mas na depravação da nossa natureza que resiste às exigências da parte de Deus e no orgulho de nossos corações, que despreza a busca da iluminação provinda de Deus. O termo “indoutos” aqui se refere não aos analfabetos, mas aos ignorantes a respeito de Deus; e “inconstantes” são aqueles que não possuem nenhuma convicção, os quais, como cataventos, viram-se à medida que um vento de doutrina sopra sobre eles.

Por outro lado, existem algumas almas mal orientadas que admitem que o pêndulo seja movido para o extremo oposto, negando que as Escrituras precisam de qualquer interpretação. Eles asseveram que elas foram escritas para as almas simples, e que elas dizem o que significam e significam o que dizem. Eles insistem que é necessário crer na Bíblia, e não a explicar. Todavia, é errado colocar essas coisas em oposição uma à outra: ambas são necessárias. Deus não requer de nós uma fé cega, mas uma fé inteligente, e por isso três coisas são indispensáveis: que a sua Palavra deva ser lida (ou ouvida), compreendida e que nos apropriemos dela pessoalmente. Ninguém menos do que o próprio Cristo exortou: “Quem lê, entenda” (Mateus 24:15) — a mente deve ser exercitada sobre o que é lido. Que uma certa quantidade de compreensão é imperativa é mais claramente mostrado na parábola de nosso Senhor acerca do semeador e da semente: “Ouvindo alguém a palavra do reino, e não a entendendo, vem o maligno, e arrebata o que foi semeado no seu coração… Mas o que foi semeado em boa terra é o que ouve e compreende a palavra” (Mateus 13:19, 23). Então não poupemos nenhum esforço para chegarmos ao significado do que lemos, pois como podemos usar aquilo que é ininteligível para nós?

Informação adicional

Autor

Formato

PDF

Páginas

15

Título Original

Interpretation of the Scriptures (Capítulo 1)

Ano

2020